O Joio e o Trigo - Pacote do Veneno

 

Envenenados pelo lobby, deputados querem disfarçar agrotóxicos

Dizer que o "Pacote do Veneno" – Projeto de Lei (PL) 6299/02, que objetiva revogar a atual Lei de Agrotóxicos (7.802/1989) – é debatido democraticamente na Câmara dos Deputados pode ser força de expressão apenas.

Na comissão especial da qual pode sair a votação que decidirá se o projeto vai ou não ao Plenário, o equilíbrio manda lembranças: o colegiado é composto por 26 membros, dos quais 20 são ruralistas, todos ligados ao lobby da indústria de agrotóxicos.

Engavetada por 14 anos, a proposta foi ressuscitada sob o comando de Blairo Maggi, titular do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, megaempresário ruralista e autor original do PL, quando era senador, em 2002. O eixo central do projeto abre espaço para a regulamentação de novos venenos nocivos à saúde humana e ao meio ambiente.

O Ministério da Saúde, a Anvisa e o Ibama são contrários às alterações, que incluem alterar o termo agrotóxicos, presente na legislação desde 1989, para “defensivos fitossanitários”. O Ministério Público Federal já declarou a inconstitucionalidade do projeto e instituições como a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), o Instituto Nacional do Câncer (Inca), além de centenas de  organizações da sociedade civil, se posicionam na linha de frente do combate ao Pacote do Veneno.

Em linhas gerais, as organizações que se opõem ao PL avaliam que a intenção do texto é “levar o consumidor na conversa”. Ou seja, fazer uma jogada de marketing para trocar um termo que dá verdadeiro sentido ao produto por outro que “alivie a barra”, tirando o peso da nomenclatura e a distanciando do perigo representado pelos altos graus de toxicidade.

Mata muitos

No ano passado, dois especialistas em direitos humanos da Organização das Nações Unidas (ONU) pediram um novo tratado global para regulamentar e eliminar gradualmente o uso de agrotóxicos perigosos na agricultura e avançar em práticas agrícolas livres de veneno, como a agroecologia.

A relatora especial da ONU sobre o direito à alimentação, Hilal Elver, e o especialista das Nações Unidas para os direitos humanos e substâncias e resíduos perigosos, Baskut Tuncak, afirmaram que os agrotóxicos são responsáveis por 200 mil mortes por intoxicação aguda a cada ano no planeta.

Noventa por cento dessas mortes ocorreram em países em desenvolvimento, justamente onde as regulamentações de saúde, segurança e proteção ao meio ambiente são mais frágeis. O Brasil está incluído nesse conjunto.

“O uso excessivo de agrotóxicos é muito perigoso para a saúde humana e para o meio ambiente, e é enganoso afirmar que eles são vitais para garantir a segurança alimentar”, afirmaram os relatores, em pronunciamento oficial.

Entre as doenças causadas pela exposição aos agrotóxicos, eles enfatizaram câncer, Mal de Alzheimer e e Mal Parkinson, além de distúrbios hormonais, de desenvolvimento e esterilidade. Agricultores, comunidades que vivem próximas a plantações, comunidades indígenas, mulheres grávidas e crianças foram apontadas como particularmente vulneráveis à exposição aos venenos.

É veneno, sim

Em 1977, o professor Adilson Paschoal cunhava o termo agrotóxico. Pesquisador no Centro Acadêmico Luiz de Queiroz e na Empresa Brasileira de Promoção da Agricultura (Embrapa), ele é defensor de que veneno seja chamado pelo nome que deixe evidente os riscos à vida.

“A contaminação dos alimentos e do ambiente por resíduos tóxicos de produtos químicos usados na agricultura, assim como o envenenamento dos agricultores ao aplicarem esses produtos, muito se dá pelo desconhecimento daquilo com que lidam, pois esses venenos ficam escondidos nas falsas e tendenciosas terminologias de ‘remédios’ e de ‘defensivos'”, argumenta Paschoal.

Ele explica por que palavras como praguicida, pesticida e – menos ainda – “defensivo fitossanitário” não devem ser usadas em substituição a agrotóxicos.

Até meados dos anos 1970, seis terminologias eram usadas para identificar os produtos químicos usados na agricultura para o controle de pragas, doenças e ervas invasoras. Agricultores usavam expressões entre “remédio” e “veneno”. Técnicos cravavam ora “pesticida”, ora “praguicida”. Por vezes, surgia, aqui e ali, “defensivo agrícola”. Ambientalistas falavam em “biocidas”.

Por que, então, agrotóxicos? Segundo o professor, a denominação engloba todas as substâncias tóxicas, sintéticas ou naturais, de origem química ou biológica, usadas para o manejo de pragas, patógenos e ervas invasoras de culturas agrícolas, hortícolas, silvícolas e pastoris.

“Defensivo é o termo mais incorreto, ambíguo, utópico, vago e tendencioso de todos. Significa ‘próprio para a defesa’, mas não indica defesa de que ou de quem; se defensivo agrícola, não especificando tratar-se de substância tóxica”, ressalta Paschoal.

Armas de guerra

A indústria de agrotóxicos, maior interessada em disfarçar os efeitos do Pacote do Veneno, é historicamente envolvida com mortes em larga escala. Até mesmo do desenvolvimento de armas químicas e biológicas, as megacorporações do setor participaram. Uma delas chegou a comandar um campo de concentração nazista durante a Segunda Guerra Mundial (1939-1945).

A IG Farben (Interessen-Gemeinschaft Farbenindustrie AG), fundada em 1925, na Alemanha, foi a única companhia à frente de um campo de concentração, onde morreram ao menos 30 mil pessoas em câmaras de gás. A empresa construiu uma fábrica em Auschwitz, a mais conhecida área de tortura e mortes do regime liderado por Adolf Hitler, com o trabalho de aproximadamente 300 mil escravos. O agrotóxico Zyklon B, do qual a fábrica detinha a patente, era usado para os assassinatos em massa

Depois da guerra, a IG Farben foi dividida. Das partes, as mais conhecidas atualmente são a Basf e a Bayer.

A primeira é a maior empresa química do mundo e detém uma carteira recheada de produtos tóxicos para animais e seres humanos. No Brasil, a empresa provocou, em 2001, um vazamento de 11 mil litros de Mollescal, no litoral do Rio Grande do Sul, um corrosivo destinado ao curtimento de couro.

Depois do acidente, a BASF forneceu informações falsas ao serviço de emergência sobre o grau de toxicidade da substância, colocando em risco os profissionais envolvidos no atendimento à população. Em 2000, a empresa adquiriu uma fábrica de agrotóxicos da Shell, em Paulínia, no interior de São Paulo, ciente de que havia mais de mil trabalhadores intoxicados e 180 famílias que tiveram de deixar o local, que teve o solo e a água contaminados.

Já a Bayer foi a desenvolvedora da substância diacetilmorfina, uma droga aditiva, vendida originalmente como tratamento para a tosse, que depois passou a se chamar heroína. Também é atribuída a ela a criação de armas, a exemplo do gás mostarda (arma química) e tabun (gás nervoso). Neste ano, a megacorporação adquiriu a Monsanto, uma das empresas mais denunciadas mundialmente por contaminação com agrotóxicos, o que causou a criação do Dia Mundial Contra a Monsanto.

Moriti Neto

Lido em: https://www.cartacapital.com.br/blogs/o-joio-e-o-trigo/evenenados-pelo-lobby-deputados-querem-disfarcar-agrotoxicos

21.6.18

Renascimento da Manchúria

 

"PLANEJADO O RENASCIMENTO DA MANCHÚRIA, AO MESMO TEMPO EM QUE A EUROPA ENFRENTA UM VERÃO DE DESCONTENTAMENTO"

Benjamin Fulford - 18.06.2018

                                                                                                                                     
Mais uma vez neste ano o mundo enfrenta um longo e quente verão de descontentamento com a maior ação, provavelmente, na Europa e no Leste Asiático.  É provável que a UE sofra uma mudança de regime devido à ira popular, já que o clima quente traz, ainda mais, uma onda maciça de imigrantes muçulmanos, em sua maioria, homens.

No Extremo Oriente, o encontro de cúpula entre o presidente norte-americano Donald Trump e o forte norte-coreano Kim Jong-un levou a sérios planejamentos para revitalização de um Império Manchuriano, composto da Mongólia, Norte da China, Coréia e Japão, segundo várias fontes independentes, incluindo a CIA e a  Inteligência Militar Japonesa.

Vamos começar com a situação na Europa, onde
os governos da Áustria, Itália, Suécia e outros lugares estão acordando para o fato de que a chamada crise de refugiados, na verdade, é uma invasão muçulmana. Isso não é exagero, já que mais de 60% dos cerca de cinco milhões de refugiados que chegaram à Europa desde 2013, são do sexo masculino. Em outras palavras, um exército de três milhões de muçulmanos de idade militar invadiu a Europa por meios furtivos. Estas estatísticas vêm do Eurostat, via Wikipedia.
https://en.wikipedia.org/wiki/European_migrant_crisis

Essa não é apenas uma ocorrência aleatória. Os “refugiados” estão recebendo documentos falsos; por exemplo, homens afegãos e paquistaneses estão recebendo por suas despesas de viagem e subsídios, bem como falsos passaportes sírios dos engenheiros sociais autônomos de Maçons P2, que estão por trás dessa crise. Como mencionamos anteriormente, quando visitamos a P2, na Itália, há alguns anos, nos disseram que o plano deles era forçar o Islamismo e o Cristianismo a embate entre si, a fim de fundir as duas, numa única religião mundial controlada por eles.

Este é o pano de fundo de uma série de eventos noticiosos que surgiram, na semana passada, quando o clima quente começou a sério. Primeiramente, temos o novo governo italiano entrando numa guerra de palavras com a França, depois de decidir parar de admitir barcos lotados de refugiados.
https://www.yahoo.com/news/italy-france-tensions-spiral-over-rejected-migrant-ship-133857517.html

Depois, temos o governo da Áustria expulsando imãs e mobilizando sua polícia de fronteira, enquanto uma onda de 80.000 imigrantes se aproxima de sua fronteira.
https://www.zerohedge.com/news/2018-06-14/situation-critical-austria-conducts-border-defense-drills-expected-wave-80000

Além disso, como mencionamos na semana passada, a Suécia, pela, primeira vez em 40 anos, mobilizou sua Guarda Interna para lidar com as zonas sem lei e governança, criadas em território sueco por esses homens predominantemente muçulmanos.
https://www.rt.com/news/428953-sweden-home-guard-drills/

É provável que essa crise derrube os dois regimes – da França e da Alemanha - que ainda acompanham os planos de aumentar o fluxo de refugiados. Membros do governo da chanceler alemã pró-refugiados, Angela Merkel, agora estão dizendo que “dentro de uma semana” ela será substituída por causa de sua posição em favor dos refugiados.
https://www.express.co.uk/news/world/975166/Angela-Merkel-Germany-Bundestag-EU-migration-crisis-Kai-Whittaker

Espera-se que a situação chegue até à reunião da Cúpula da OTAN/NATO, marcada para 11 e 12 de Julho de 2018.
https://www.nato.int/cps/en/natohq/news_155085.htm

Nesta ocasião, o presidente russo, Vladimir Putin, irá se reunir com o presidente dos EUA, Donald Trump, segundo fontes do governo russo. Definitivamente, isso está ligado à reunião na Finlândia, em 10 de Junho, entre o alto general norte-americano, Joseph Dunford e o chefe do Estado-Maior Militar da Rússia, General Valery Gerasimov, onde discutiram "questões de segurança europeia" , "Síria [Israel]" e outros assuntos.
https://www.militarytimes.com/flashpoints/2018/06/10/top-us-general-and-russian-counterpart-hold-talks-in-finland/

Alguém "conhecedor" e que está diretamente envolvido com as negociações entre Kim Jong-un, [o presidente chinês] Xi Jinping, Vladimir Putin e Donald Trump disse: "Assistam cuidadosamente Vladimir Putin durante a Copa do Mundo, especialmente, seu movimento de xadrez depois dos jogos terminarem, em 15 de Julho. Um evento está programado para acontecer, que mudará a geografia em torno da Crimeia. Como já acordado, Xi Jinping, Kim Jong-un e Donald Trump não permitirão que seus governos se envolvam”na questão.

Se Putin e as pessoas que estão por trás deles são sérias, é um bom palpite que eles, formalmente, venham a anexar os territórios de língua russa do leste da Ucrânia.
Este movimento, também, pode ser acompanhado por
uma mudança de regime no resto da Ucrânia, já que o regime khazariano, criminoso e nazista será derrubado, disseram fontes russas do FSB.

Os russos, também, podem forçar o outro velhaco regime khazariano, o de Israel, a remover seu ditador, o adorador de Satanás, Benjamin Netanyahu ou, então, enfrentar uma invasão russa/iraniana/turca em larga escala. É neste contexto que lembramos que a OTAN já disse que não defenderá Israel. Os Judeus e outras pessoas que vivem em Israel serão libertados e protegidos, como resultado de qualquer movimento desse tipo.

Agora, vamos voltar nossa atenção para a situação no Leste da Ásia. Lá, estamos vendo um planejamento ativo para reviver a Manchúria ou, um estado mongol que vai da Mongólia, através do Nordeste da China, até a Coréia e o Japão, segundo herdeiros da dinastia Qing (Manchu), membros do gabinete do Primeiro-Ministro Shinzo Abe, fontes da CIA e outros.

https://en.wikipedia.org/wiki/Manchuria#/media/File:Manchuria.png

À primeira vista, isso não é tão absurdo quanto parece. Foi assim que uma fonte da CIA, baseada na Ásia colocou a versão moderada deste plano: “É tudo sobre energia. Um gasoduto de gás natural será construído, através, das Coreias, originado no lado russo e passando por Vladivostok, onde a Coreia do Norte se tornará a Suíça do Oriente. No momento, as discussões estão em andamento, para ver se o Japão, também, será um consumidor desse gás natural. ”Como resultado, disse ele, é que “Pyongyang se tornará a nova Cingapura”. 

Um membro do gabinete de Abe confirmou que negociações entre o Japão e a Coréia do Norte estavam acontecendo e que o renascimento da Manchúria fazia parte dessas discussões.
Lembrando agora que, quando Xi Jinping se encontrou com Trump em Mar-a-Lago, em 06 de Abril de 2017, deixou claro para Trump que a China tinha poder limitado sobre a Coréia do Norte.

O que ele realmente quiz dizer, era que o distrito militar do Norte da China, dominado por monges-étnicos, de fato, era, em grande parte, autônomo. É por isso que, apesar de Xi, a pedido de Trump, mais tarde ter anunciado sanções contra a Coréia do Norte, elas não foram aplicadas em nível menos elevado.

Por sua vez, a realeza Manchu insiste que o G7 financiou o Plano Marshall com Ouro roubado dela. Se os americanos e os russos concordarem com eles, então, de repente, o controle sobre grande parte do dinheiro que ajudou a desenvolver o G7 e depois a China, cairá em novas mãos - isto é, uma  aliança militar entre a Mongólia/Rússia/EUA.

Esta, poderia ser a verdadeira razão pela qual os outros países do G6 estavam lançando água fria no encontro de cúpula Coreia do Norte/EUA e sua recém-descoberta amizade. É por isso que,
em Julho, será interessante ver o que Putin e Trump, contarão ao restante da OTAN controlada pelos khazarianos.

Além disso, na semana passada, para apoiar a afirmação deste escritor, correu uma notícia de que as armas nucleares da Coréia do Norte, realmente, seriam armas nucleares japonesas. Após a cúpula Kim/Trump houve um comunicado do Governo Japonês, de que reduziria seu estoque de plutônio, devido à pressão dos EUA. 
https://www.asahi.com/ajw/articles/AJ201806170027.html

Produzir o Plutônio é o maior obstáculo para fabricar armas nucleares e, aquele que o tiver, basicamente terá armas nucleares. Por exemplo, se você derrubar 10 kg de Plutônio do topo de uma escada para 10 outros kg de Plutônio em sua base, uma explosão nuclear ocorrerá. O Japão tem Plutônio suficiente para produzir 6 mil armas nucleares e, também, foguetes (mísseis) que podem atingir qualquer parte do planeta. Como certa vez, o presidente Boris Yeltsin observou, o Japão tinha o hábito de dizer aos líderes mundiais que era uma potência nuclear, ao mesmo tempo em que mantinha uma postura pública não nuclear.
https://www.independent.co.uk/life-style/is-boris-bonkers-1288803.html

Então, como esta notícia indica, pedir à Coréia do Norte para se livrar das armas nucleares seria o mesmo que pedir ao Japão para se livrar de suas armas nucleares.
Outro sinal de que esta aliança dos EUA/Rússia/Mongólia (Japão + Coréia etc.) está surgindo é que, pela primeira vez desde 1916, um membro da família real japonesa está visitando a Rússia. Essas coisas não acontecem por acaso.

https://english.kyodonews.net/news/2018/06/74ec1e55f368-japan-sends-imperial-family-member-to-russia-for-1st-visit-in-century.html

Outra peça do quebra-cabeça, é que esta notícia sobre o rei da Tailândia anunciando que assumirá o controle dos ativos reais tailandeses:
https://sputniknews.com/asia/201806171065481015-Thai-king-Makes-royal-Assets-Taxable/

Veja como uma fonte da CIA na Ásia, explicou o movimento: "O rei está se afastando da Junta. Ele sabe que ela é controlada pela cabala sionista khazariana. O valor de US $ 30 bilhões é extremamente conservador. É 10 vezes essa quantia e bem mais quando se adiciona as participações da Royal Thai Gold. ”Em outras palavras, é um bom palpite que o lendário ouro real da Tailândia, seja adicionado ao ouro Qing (Manchu) numa mudança para assumir o controle do sistema financeiro global, longe da máfia khazariana.

É neste contexto que devemos olhar para a declaração de Trump de uma guerra comercial contra a UE e a China. Fontes do Pentágono dizem que a medida visa forçar a reinicialização do sistema financeiro do pós-guerra e tirá-lo do controle dessa mesma máfia khazariana.

Além disso, sua remoção dos controles do poder dos EUA continua. A maior novidade, ignorada pela mídia de propaganda corporativa controlada pelos khazarianos, foi um anúncio feito pelo Departamento de Justiça em 11 de Junho (11/06) de que mais de 2.300 pedófilos haviam sido presos.

https://www.justice.gov/opa/pr/more-2300-suspected-online-child-sex-offenders-arrested-during-operation-broken-heart

Além disso, a AT & T foi autorizada a assumir o controle da Time Warner, o que, segundo fontes do Pentágono, significa que a CNN será forçada a parar com sua propaganda descarada e, realmente, começar, novamente, a relatar notícias reais.
Numa nota final, desta semana, embora geralmente evitemos comentários de mercado, gostaríamos de chamar sua atenção para a seguinte notícia:

https://www.hurriyetdailynews.com/500-sheep-die-in-mass-suicide-jump-in-eastern-turkey-133225#photo-5

Basta lembrar o ditado que diz que: “a tendência é sua amiga” (é igual aquele que também diz:  siga as ovelhas à sua frente),  que só funciona, até que todo o rebanho tenha caído no penhasco. Então, não digam que não foram avisados.

Lido em: https://www.sementesdasestrelas.com.br/2018/06/benjamin-fulford-planejado-o.html

20.618

 

Gleisi, a Guerreira

Tentaram derrubar Gleisi Hoffmann, uma das mulheres mais inteligentes e assertivas da cena brasileira...mas só que não

Tres votos absolvem Gleisi dos crimes de corrupção e lavagem de dinheiro (Jornal do Brasil - 19.6.2018)

A Segunda Turma do Supremo Tribunal Federal (STF) julga ação penal proposta pela Procuradoria-Geral da República (PGR) contra a senadora Gleisi Hoffmann (PT-PR) e seu marido, o ex-ministro do Planejamento Paulo Bernardo. No início da sessão, o presidente do colegiado, Ricardo Lewandowski, disse que o julgamento deverá ser encerrado hoje. 

No processo, os cinco ministros do colegiado decidem sobres os crimes de corrupção e lavagem de dinheiro, na Operação Lava Jato. De acordo com a denúncia, Gleisi teria recebido R$ 1 milhão para sua campanha ao Senado em 2010. O valor teria sido negociado por intermédio de Paulo Bernardo e do empresário Ernesto Kluger Rodrigues, que também é réu. 

De acordo com a denúncia, Gleisi teria recebido R$ 1 milhão para sua campanha ao Senado em 2010

Em documento encaminhado ao Supremo durante a fase de defesa, os advogados do casal afirmaram que as acusações são “meras conjecturas feitas às pressas”, em função de acordos de delação premiada.  “A requerida [senadora] jamais praticou qualquer ato que pudesse ser caracterizado como ilícito, especialmente no bojo do pleito eleitoral ao Senado no ano de 2010, na medida em que todas as suas contas de campanha foram declaradas e integralmente aprovadas pela Justiça Eleitoral”, afirmou a defesa...

O ministro Edson Fachin, condenou Gleisi por falsidade ideológica eleitoral. No entanto, absolveu a presidente do PT dos crimes de corrupção e lavagem de dinheiro descritos na denúncia. O ministro Celso de Mello acompanhou o relator.

O ministro Supremo Tribunal Federal (STF) Celso de Mello votou há pouco pela absolvição da senadora Gleisi Hoffmann (PT-PR) e seu marido, o ex-ministro do Planejamento Paulo Bernardo, dos crimes de corrupção e lavagem de dinheiro. No entanto, Mello entendeu que a parlamentar deve responder por crime eleitoral de caixa dois por não ter declarado à Justiça Eleitoral valores recebidos pela sua campanha.

Em seu voto, o relator entendeu que há divergências nos depoimentos de Youssef e Costa e que não há provas suficientes para comprovar que Paulo Bernardo solicitou o dinheiro. “Os demais elementos de prova, sejam documentais e testemunhais, não são aptos a confirmar a tese acusatória no sentido de que a solicitação da vantagem indevida a Paulo Roberto Costa tenha partido do denunciado Paulo Bernardo”, afirmou.

No início do julgamento   a defesa da senadora e de Paulo Bernardo alegou que a PGR usou somente depoimentos de delações premiadas ao denunciar os acusados e não apresentou provas de que o recurso teria origem nos desvios da Petrobras.

O ministro Dias Toffoli também votou pela absolvição de Gleisi Hoffmann, não imputando a ela o delito de falsidade ideológica eleitoral proposto por relator e revisor. Quanto aos demais réus - ex-ministro Paulo Bernardo e empresário Ernesto Kugler Rodrigues - Toffoli também acompanha proposta de absolvição.

Gilmar Mendes antecipou que votará pela absolvição integral dos réus por falta de provas suficientes para condenação. Segundo ele, a acusação se baseia em depoimentos cruzados de vários colaboradores, que se contradizem, e as demais provas são "raquíticas e inconclusivas"

Com o voto do ministro, o placar do julgamento está em quatro votos pela condenação por caixa 2. Falta o voto de Ricardo Lewandowski.

https://www.jb.com.br/pais/noticias/2018/06/19/stf-julga-acao-penal-contra-gleisi-e-paulo-bernardo/

R U S S O F O B I A

 

Odiar a Rússia é uma tarefa de tempo integral conduzida pelos "neocons" e judeus khazarianos

Tendo acabado de voltar de uma viagem à Rússia, tenho o prazer de informar que o povo russo e a burocracia que encontrei não demonstraram nenhum ressentimento contra os norte americanos que eu esperava em resposta à difamação generalizada que sofre Moscou e de todas as campanhas que permeiam a mídia (controlada por judeus khazares) mainstream e o establishment “acadêmico e politico” dos EUA contra a Rússia. 

Odiar a Rússia é uma tarefa de tempo integral.  Neocons ressuscitam memórias tribais (incentivados pelos seu mestres controladores) para atiçar as chamas do conflito, da guerra e da divisão para governar.

“A vítima da manipulação mental não sabe que ela é uma (ignorante) vítima. Para ela, os muros de sua prisão são invisíveis, e ela acredita ser livre”.  –  Aldous Huxley

Com certeza, muitos russos com quem conversei apressaram-se a criticar a administração Trump por seu desempenho quente e frio vis-à-vis os laços bilaterais com Moscou, enquanto também expressando mistificação sobre por que o relacionamento tinha ido para baixo tão rapidamente, mas essa raiva sobre a política externa não se traduziu necessariamente em desprezo pelo povo e pelo estilo de vida norte americanos que caracterizaram o período soviético. 

Um pouco para minha surpresa, os russos comuns também foram rápidos em criticar abertamente o presidente Vladimir Putin por suas tendências autocráticas e sua disposição de continuar tolerando a corrupção, mas todos com quem conversei também admitiram que ele geralmente agiu de forma correta e construtiva e melhorou muito a vida das pessoas comuns na Rússia. Putin continua muito popular e foi reeleito presidente com mais de 70% dos votos.

Uma pergunta que surgiu com frequência foi: “Quem está conduzindo a hostilidade ocidental em relação à Rússia?” Respondi que a resposta não é tão simples e há vários grupos que, por uma razão ou outra, precisam de um inimigo poderoso para justificar políticas que caso contrário, seriam insustentáveis.

Empreiteiros de defesa, as grandes empresas do assim chamado Complexo Industrial Militar, fabricantes de armas e munições, precisam de um inimigo para justificar sua existência e aumentar seu faturamento com a indústria da guerra, enquanto os políticos congressistas precisam que essas mesmas empresas financiem suas campanhas. 

A mídia controlada “mainstream” precisa de uma boa história de medo de um inimigo para ajudar a vender a si mesma e o público também está acostumado a ter um mundo no qual ameaças terríveis se escondem logo abaixo do horizonte, aumentando assim o apoio ao controle governamental da vida cotidiana para manter todos “seguros”.

E depois há os neocons. Como sempre, eles são uma força distinta para destruir a criatividade, como eles dizem, certamente em primeiro lugar em linha com suas ações para obter financiamento (sempre DINHEIRO $$$$) de suas fundações e think tanks, VERDADEIRAS AGÊNCIAS DE PROPAGANDA, que são dirigidos ideologicamente, o que os faz ser a vanguarda intelectual do partido da guerra. 

Eles (neocons) fornecem a estrutura intelectual palatável para a América (EUA) assumir o CONTROLE do mundo, metaforicamente falando, e constituir a força de ataque que está sempre pronta para aparecer em programas de entrevistas na televisão ou ser citada na mídia como uma voz apropriada que pode ser usada para sempre justificar o impensável. Em troca, eles são ricamente recompensados ​​com dinheiro e status social.

Os neocons acreditam em apenas duas coisas. 

  1. Primeiro, que os Estados Unidos são a única superpotência mundial, com a licença de algo como uma Entidade Divina para exercer a liderança global pela força, se necessário. Isso foi traduzido para o público como “excepcionalismo americano”. De fato, o intervencionismo dos EUA na prática tem sido por força maior, preferencialmente, já que deixa pouco espaço para debate ou discussão. 
  2. Segundo princípio orientador dos neocons é que tudo o que é possível deve ser feito para “proteger” e promover (os seus mestres), os judeus khazares de ISRAEL. Na ausência dessas duas crenças, você não é um neocon.

Os pais fundadores do neoconismo eram “intelectuais” judeus de Nova York que evoluíram (ou não) de serem trotskistas lançadores de bombas para “conservadores”, um processo que eles mesmos definem como “idealismo sendo assaltado pela realidade”. A única realidade é que eles sempre foram falsos conservadores, abraçando uma série de posições agressivas de política externa e segurança nacional dos EUA, ao mesmo tempo endossando particularmente a linha liberal judaica padrão sobre questões sociais. 

O fanatismo neoconservador sobre as questões que eles promovem também sugere que mais um pouco do trotskismo permanece em seu caráter, daí sua tenacidade e capacidade de deslizar entre os partidos Democrata e Republicano, ao mesmo tempo em que aparecem (como controladores que são) confortavelmente controlando diferentes meios de comunicação (controlam os principais estúdios de Hollywood, os principais jornais e redes de televisão, mais a indústria da música) considerados liberais. ou conservadores, ou o que quer que seja,

Há muito acredito que o ódio central dirigido contra a Rússia vem dos neoconservadores, marionetes dos interesses dos judeus khazares, e é, em grande parte, tribal ou, se preferir, étnico-religioso. Por quê? Porque, se os neoconservadores são, na verdade, manipuladores da política externa dos EUA, não há uma boa razão para expressar qualquer aversão visceral contra a Rússia ou ao seu governo. 

As alegações de que Moscou interferiu na eleição presidencial de 2016 nos EUA são claramente uma ENORME farsa (uma grande MANIPULAÇÃO da opinião pública dos ignorantes), assim como os contos do suposto envenenamento russo dos Skripals em Winchester na Inglaterra e, mais recentemente, o alegado assassinato do jornalista Arkady Babchenko em Kiev, na Ucrânia (terra de origem dos judeus khazares) que acabou se mostrando um “fake news” e uma ENORME OPERAÇÃO DE BANDEIRA FALSA (mais uma).

A região do antigo Reino da Khazaria, terra de origem dos judeus khazares, é hoje a Ucrânia

Mesmo o exame mais superficial dos desenvolvimentos da década passada na Geórgia e na Ucrânia revela que a Rússia estava apenas reagindo a grandes ameaças legítimas de sua segurança projetadas pelos controladores dos Estados Unidos com uma grande ajuda de ISRAEL. A Rússia não reagiu desde que a Guerra Fria acabou ameaçando os Estados Unidos e sua capacidade de cooptar seus antigos países satélites da Europa Oriental no que é uma fantasia. 

Por que o ódio contra a Rússia?

Na verdade, os neocons se davam muito bem com a Rússia quando eles e seus oligarcas (esmagadoramente judeus khazares ladrões dos imensos recursos naturais gás, petróleo, diamantes, etc…) das commodities internacionais e seus amigos financeiros judeus khazares estavam saqueando os recursos da antiga União Soviética sob o infeliz governo de Boris Yeltsin durante os anos 90.

Os alarmes atuais sobre a suposta ameaça russa só ressurgiram na mídia dominada pelos neoconservadores e judeus khazares quando os “nacionalistas russos” “antiquados” como (o consciente desse jogo) Vladimir Putin assumiram o poder e fizeram do seu principal objetivo de seu governo desativar o controle dos judeus khazares de seu país.

Com os saques interrompidos por Putin, os neocons e seus amigos não tinham mais nenhum motivo para jogar limpo, então usaram seus recursos consideráveis ​​na mídia e nos corredores do poder em lugares como Washington, Londres e Paris para pressionar Moscou. E eles também podem ter percebido que havia uma ameaça pior aparecendo. 

O governo de Putin parecia estar ressuscitando o que os neoconservadores percebiam como um “pogrom” (expulsando os judeus khazares encastelados na estrutura de poder na Rússia) que atormentava a Santa Mãe Rússia! Antigas igrejas arrasadas pelos bolcheviques (judeus khazares) estavam sendo reconstruídas e as pessoas estavam novamente indo à missa e reivindicando a prática de sua crença em Jesus Cristo, algo impensável numa Rússia governada pelo comunismo controlado pelos khazares. A antiga Praça Vermelha agora abriga um mercado de Natal, enquanto o túmulo de (do judeu) Lenin, nas proximidades, fica aberto apenas uma manhã na semana e atrai poucos visitantes.

Gostaria de sugerir que é bem possível que os neoconservadores historicamente bem informados estejam apenas desejando os bons velhos tempos bolcheviques na Rússia. O fato é que muito do ateísmo de estado bolchevique foi impulsionado pela grande representação excessiva de judeus khazares no partido comunista em seus dias de formação.

estudo meticulosamente pesquisado pelo jornalista britânico Robert Wilton, de 1920, intitulado “Os Últimos Dias dos Romanovs”  descreve como David R. Francis, embaixador dos Estados Unidos na Rússia, advertiu em Washington, em janeiro de 1918:

“Os líderes bolcheviques (a maioria judeus) e 90% dos quais são exilados retornados, pouco se importam com a Rússia ou qualquer outro país, mas são internacionalistas e estão tentando iniciar uma revolução social mundial”. (para por o mundo sob seu controle total)

O embaixador holandês William Oudendyke também ecoou esse sentimento, escrevendo que...

“A menos que o bolchevismo seja cortado imediatamente, ele está destinado a se espalhar de uma forma ou outra sobre a Europa e o mundo inteiro, pois é organizado e trabalhado por judeus que não têm nacionalidade. cujo único objetivo é destruir para seus próprios fins a ordem existente das coisas”.

O maior escritor da Rússia do século XX, Alexander Solzhenitsyn, homenageado no Ocidente por sua firme resistência ao autoritarismo soviético, repentinamente se viu sem amigos pela mídia e pelo mundo editorial quando escreveu “Two Hundred Years Together

“ o lado sombrio da experiência russo-judaica. Em particular, Solzhenitsyn citou a significante super-representação de judeus (khazares) russos como bolcheviques quanto, antes disso, como proprietários de servos.

Os judeus khazares desempenharam um papel particularmente desproporcional na polícia secreta soviética, que começou como a Cheka e se tornou a KGB. O historiador judeu Leonard Schapiro observou como “Qualquer um que teve a infelicidade de cair nas mãos da Cheka havia uma boa chance de encontrar-se confrontado com, e possivelmente baleado por, um investigador judeu”.  Na Ucrânia,“os judeus constituíam quase oitenta por cento dos agentes da Cheka”. 

À luz de tudo isso, não deveria surpreender ninguém que o novo governo russo comunista de 1918 tenha emitido um decreto poucos meses depois de ter tomado o poder, tornando o anti-semitismo um crime na Rússia. O regime comunista tornou-se o primeiro do mundo a punir criminalmente qualquer sentimento antijudaico.

Wilton usou documentos oficiais do governo russo para identificar a composição do regime bolchevique em 1917-1919:

  • Os 62 membros do Comitê Central incluíam 41 judeus;
  • enquanto a Extraordinária Cheka Commission, dos 36 membros de Moscou, incluía 23 judeus;
  • O forte Conselho dos Comissários do Povo de 22 membros contava com 17 judeus; 
  • Segundo dados fornecidos pelas autoridades soviéticas, dos 556 funcionários mais importantes do estado bolchevique (comunista), em 1918-1919 havia: 17 russos, dois ucranianos, onze armênios, 35 letões, 15 alemães, um húngaro, dez georgianos, três poloneses. três finlandeses, um tcheco e 458 judeus.

Em 1918-1919, o poder governamental russo efetivo permaneceu no Comitê Central do partido bolchevique. Em 1918, esse corpo tinha doze membros, dos quais nove eram de origem judaica e apenas três eram russos. Os nove judeus eram: Trotsky, Zinoviev, Larine, Uritsky, Volodarski, Kamenev, Smidovich, Yankel e Steklov. Os três russos foram: Lenin (mas cuja mães ERA DE ORIGEM JUDAICA), Krylenko e Lunacharsky.

A diáspora comunista na Europa e na América também era em grande parte judaica, incluindo a cabala de fundadores do neoconservadorismo na cidade de Nova York. O Partido Comunista dos Estados Unidos foi predominantemente judeu desde o seu início. Foi na década de 1930 chefiada pelo judeu Earl Browder, avô do atual vendedor de óleo de serpente Bill Browder, (um judeu khazar) que tem proclamado de forma sagrada seu desejo de punir Vladimir Putin por seus vários supostos “crimes graves”, sendo o “mais grave de todos” eliminar a nefasta influência dos judeus khazares sobre os destinos da Rússia .

Browder é um completo hipócrita que fabricou e vendeu ao Congresso dos EUA uma narrativa amplamente falsa e egoísta relacionada à corrupção russa. Ele também não é surpreendentemente um queridinho neoconservador nos EUA. Tem sido mais do que plausivelmente alegado que Browder foi o principal saqueador de recursos da Rússia nos anos 90 e que os tribunais russos o condenaram por evasão de impostos, entre outros crimes.

A inegável afinidade histórica dos judeus pelo tipo de comunismo bolchevique, juntamente com a judaicidade dos assim chamados oligarcas do comunismo, sugere que o ódio a uma Rússia que virou as costas a esses aspectos particulares da herança judaica pode ser pelo menos parte do que impulsiona alguns neocons e os judeus khazares a buscar por todos os meios destruir a Rússia. 

Assim como no caso da Síria, que os neocons, que se submetem aos interesses de Israel, preferem ver no caos completo para dominar seu território e ampliar ISRAEL, alguns anseiam por um retorno aos bons e velhos tempos de pilhagens, roubos e assassinatos, principalmente pelos interesses estrangeiros dos judeus, como no tempo de Bóris Yeltsin, ou ainda melhor para o dias inebriantes e revolucionários de 1918-1919 quando os judeus khazares controlando o Bolchevismo governaram toda a Rússia e assaltaram as suas imensas riquezas em recursos naturais.

Autor: Philip M. Giraldi é ex-agente especialista em contraterrorismo e oficial de inteligência militar da CIA que serviu dezenove anos no exterior na Turquia, Itália, Alemanha e Espanha. Ele foi chefe de base da CIA para as Olimpíadas de Barcelona em 1992 e foi um dos primeiros americanos a entrar no Afeganistão em dezembro de 2001. Phil é diretor executivo do Conselho para o Interesse Nacional, um grupo de defesa que busca incentivar e promover uma política externa dos EUA no Oriente Médio que seja consistente com os valores e interesses norte americanos. 

Tradução e edição:  Thoth3126@protonmail.ch

Fonte1: https://www.unz.com/

Fonte2: www.thoth3126.com.br

LINK: https://thoth3126.com.br/odiar-a-russia-e-uma-tarefa-de-tempo-integral-conduzida-pelos-neocons-e-judeus-khazares/

17.6.18

 

Petrobrás... comida pelas beiradas...

enquanto nos "distraímos" com a Copa

BRASKEM, a “Jóia da Coroa”, subsidiária de ponta da PETROBRÁS foi vendida para empresa estrangeira – Lyondell - a rapinagem continua!

Mais valiosa joia do outrora opulento tesouro da Odebrecht, a Braskem, oligopólio que opera 29 unidades fabris e responde por 70% do petroquímico brasileiro, informou ontem que a holding Odebrecht S.A. iniciou negociações com a gigante da petroquímica, LyondellBasell, com sede em Roterdã (Holanda) para vender 50,1% das ações ordinárias da empresa. A Petrobras tem 47% das ações ON e 2,9% das ações ON são de outros acionistas.

Após o anúncio, as ações PN da Braskem chegaram a superar os R$ 50, com salto de mais de 20% na abertura da B3 frente ao fechamento de quinta-feira, quando encerraram a R$ 41,12. No balanço do primeiro trimestre, a Braskem era avaliada em R$ 14 bilhões. Ao fechar ontem em R$ 49,92, já valeria mais de R$ 36 bilhões.

Desde maio suas ações PN são alvo de especulação com o rumor do interesse da gigante holandesa pelas ONs. Pelo Acordo de Acionistas, de fevereiro de 2010, a Petrobras tem preferência na negociação, mas a opção da estatal, que tem 36,15%do capital total, é se livrar das ações ON e PN em venda conjunta à Liondell. A Lei das S.A. garante 80% do valor às ações PNs.

Controle da petroquímica nacional será vendido à multinacional Lyondell

Operando em 100 países, com cerca de 13.400 empregados, a LyondellBasell, com sede em Roterdã, tem forte presença nos Estados Unidos, com filial em Houston, capital do petróleo e da petroquímica no Texas. A Braskem que inaugurou filial no México em 2016, em parceria com a mexicana Idesa, tem seis unidades nos EUA e era a 7ª empresa do ranking, atrás da Lyondell. Com a compra, a Lyondell será a líder mundial em resinas de polietileno  (PVC) e polipropileno (matéria prima do filme plástico de embalagem), desbancando a Exxon.

Ascensão e queda

A baiana Odebrecht já era um gigante da construção pesada, quando adquiriu, em 1979, no fim do Governo Geisel, 33% da Companhia Petroquímica de Camaçari, maior empresa do pólo petroquímico da Bahia. Até 1992, quando entrou no Copesul, o Polo Petroquímico do Sul, fez escalada de privatizações (governo Collor) e compras que a tornaram a controladora da petroquímica nacional.

Novo impulso veio da parceria com a Petrobras na petroquímica de Paulínea (SP), em 2006, garantindo a oferta de nafta (principal matéria prima petroquímica). O poder cresceu na era Lula ao comprar, com a estatal e o grupo Ultra, a Ipiranga, que controlava o Copesul. Com a compra da Quattor (Grupo Unipar, em 2010) controla os três polos do país. Leva a Dow Quimica, em 2011 (governo Dilma).

Com a presença nos EUA e México negociava preços da nafta em condições favoráveis com a Petrobras, importando quando o preço externo era menor. O grupo Odebrecht entrou em crise com as confissões de fraudes à Lava-Jato e a Braskem foi dada em garantia de empréstimos. Com a simultânea concentração de estrangeiros, o monopólio da nafta pela Petrobras enfrentará o poder de oligopólio multinacional. 

Gilberto Menezes Côrtes - gilberto.cortes@jb.com.br

https://www.jb.com.br/economia/noticias/2018/06/16/venda-da-braskem-cria-oligopolio-estrangeiro/

16.6.18

O Terço de Lula

Papa envia um terço para Lula e as “agencias de checagem” do Brasil (a grande mídia) diz que é “fake news”... só que não!

**Assim que começou essa modinha de agência de checagem de fake news, capitaneada justamente pela velha mídia brasileira – maior produtora de notícias falsas do planeta - eu avisei...  esse movimento não tem interesse público algum, nem nenhum compromisso com a verdade. Foi pensado para criminalizar a mídia alternativa e intimidá-la, de modo a acabar com o único contraponto que a sociedade tem às máfias noticiosascom o Grupo Globo à frente**

Primeiro, noticiou-se que o Papa Francisco havia enviado um terço ao ex-presidente Lula através de seu emissário. Depois, a informação foi desmentida. Agora, publica-se o desmentido do desmentido e as "agências de checagem" brasileiras entram em parafuso
A polêmica envolvendo um terço que teria sido enviado pelo Papa Francisco ao ex-presidente Lula através de seu emissário causou uma série de distorções em sites de notícias do Brasil e fez com que a
agência de checagem Lupa, ligada à Folha (Jomarion... mídia campeã de mentiras e manipulações), colaborasse para a disseminação de uma fake news.

Uma nota divulgada pelo ‘Vatican News’ foi usada por agências de checagem de dados, como ‘Lupa’ e ‘Aos Fatos’, para atacar sites progressistas (Jomarion... blogueiros, canais do YouTube e alternativos). Horas depois, o Vatican News deletou a nota sob a justificativa de que ela havia sido mal traduzida e, portanto, distorcida pelas agências de checagem brasileiras.

De acordo com nota oficial do Vaticano, Juan Grabois, emissário do Papa Francisco, veio ao Brasil trazer a Lula um terço abençoado pelo líder da igreja católica mas foi barrado na sede da Polícia Federal em Curitiba.  “Grabois definiu inexplicável a rejeição de não ter podido se encontrar com Lula a quem queria levar um Terço abençoado pelo Papa, as palavras do Santo Padre e as suas reflexões com os movimentos sociais e discutir assuntos espirituais com o ex-chefe de Estado”, diz o texto.

A nota atualizada desmente as informações já deletadas pelo próprio ‘Vatican News’ que antes se referiam a Grabois como “ex-consultor” e também como alguém que agia “em caráter pessoal”.  O novo texto também não apresenta um trecho que foi destacado por portais brasileiros e pelas agências de checagem, que afirmava que “terços como esse são levados a tantos prisioneiros do mundo sem entrar no mérito de realidades particulares”.

Segundo a nota atualizada, portanto, Grabois é, de fato, consultor do papa Francisco e veio ao Brasil com a missão de trazer a Lula um terço abençoado e também as palavras do Santo Padre.  Diante da gafe ou má fé das agências de checagem, que deveriam combater as fake news ao invés de criá-las, alguns jornalistas brasileiros se manifestaram publicamente.

Confira abaixo

Cynara Menezes: Jornalismo? O papa enviou um terço a Lula, leio no portal UOL. Reproduzo a foto do terço na página do site no Facebook. Hoje pela manhã, o perfil no twitter “vatican news”, que diz ser ligado à secretaria de imprensa do vaticano, afirma que Juan Grabois, a pessoa que entregou o terço, o fez por conta própria. Apago imediatamente a foto do dia anterior e me desculpo com os leitores, aguardando mais informações, porque a história parece mal contada. Mas as “agências de checagem” cravam: FAKE NEWS! Segundo elas, o terço não foi enviado pelo papa e o emissário Juan Grabois sequer é consultor do papa Francisco. As agências apontam o dedo para vários sites alternativos que reproduziram a suposta notícia falsa, citando textualmente o Diário do Centro do Mundo, a Revista Fórum e o Brasil 247. Vejam bem: a “fonte” da checagem não foi o próprio vaticano ou alguma fonte ligada ao papa. Os checadores não fizeram o básico do jornalismo: ouvir a fonte da notícia. Se limitaram a copiar o tweet do tal vatican news para carimbar como propagadores de notícia falsa estes três sites. E não citaram em nenhum momento o portal UOL, um dos primeiros em dar a notícia. Pois bem: o vatican news acaba de dar o desmentido do desmentido, dizendo que o papa francisco abençoou o tal terço e que Grabois é, sim, consultor do papa. Detalhe: o papa já enviou terços a outras pessoas presas. Milagro Sala, presa por Macri na argentina, ganhou um. Jorge Glas, o vice-presidente do Equador, também ganhou. Quer dizer, não é nenhuma insanidade afirmar que o terço de Lula foi enviado pelo papa. Que espécie de checagem é essa? Que jornalismo é esse?

Leandro Fortes:  ** Assim que começou essa modinha de agência de checagem de fake news, capitaneada justamente pela velha mídia brasileira – maior produtora de notícias falsas do planeta -, eu avisei aqui: esse movimento não tem interesse público algum, nem nenhum compromisso com a verdade. Foi pensado para criminalizar a mídia alternativa e intimidá-la, de modo a acabar com o único contraponto que a sociedade tem às máfias noticiosas, Grupo Globo à frente. Essa polêmica em torno do rosário enviado pelo papa Francisco ao presidente Lula, preso político em Curitiba, é extremamente reveladora disso. Essa tal de Lupa, em meio a uma miríade de desmentidos sobre o tema, ignorou completamente que o UOL foi o primeiro a dar a notícia no Brasil e, a partir de uma checagem porca feita com um certo Vatican News, apontou o dedo para o Brasil 247 e a revista Fórum. Um expediente de calúnia que visa desmoralizar esses veículos e provocar sanções junto ao Facebook. Na origem dessa pilantragem está o pavor dessa cristandade paneleira de bunda suja diante da possibilidade de o papa intervir a favor de Lula, o que colocaria a Igreja na luta direta contra essa farsa jurídica comandada pelo juiz Mazzaropi, no maior país católico do mundo. O fato é que o tal rosário foi abençoado por Francisco e entregue a Lula por um emissário oficial do Vaticano. E isso não tem nada a ver com religião.

Lido em: https://www.pragmatismopolitico.com.br/2018/06/terco-papa-lula-fake-news.html

14.6.18

Cúpula Kim e Trump

 

"O ENCONTRO DE CÚPULA ENTRE KIM E TRUMP, OS ROTHSCHILDS E A GUERRA FINANCEIRA ESTÃO TODOS INTERLIGADOS."

Benjamin Fulford – 11.6.2018

Destaques:

... a cúpula... discutirá o futuro do sistema financeiro e, portanto, o futuro do mundo...

... o G6 (U.E.) deixou claro que deseja manter o controle do sistema financeiro mundial...

... o tópico da discussão será a remoção dos controladores khazarianos (G6) do sistema financeiro global...

... será a Queda da Babilônia, já que os ladrões não deveriam estar no comando dos bancos...

... Kate Spade ... e o chef celebridade, Anthony Bourdain, foram “suicidados”... porque estavam prestes a expor “anéis de pedofilia”...

... o jogo Pokemon Go, foi desenvolvido pela NSA para transformar seus jogadores em espiões...

 

A reunião de cúpula desta semana entre o presidente dos EUA, Donald Trump e o poderoso norte-coreano Kim Jong-um, foi precedida por uma onda de diplomacia pública e secreta de alto nível, uma vez que  não se trata de uma reunião comum, concordam várias fontes.

A cúpula não só discutirá a paz na península coreana, bem como o futuro do sistema financeiro e, portanto, o futuro do mundo, de acordo com a Coréia do Norte, Pentágono, Illuminati e outras fontes.

As reuniões públicas no último fim de semana foram: A reunião de cúpula do G7 (agora G6 após a retirada de fato dos EUA), dos líderes ocidentais e uma reunião de cúpula da Organização de Cooperação de Xangai (também conhecida como a Aliança Eurasiática).

As reuniões secretas foram: O Encontro de Bilderberg, na Itália e reuniões entre membros da realeza asiática com representantes da Sociedade Dragão Branco (SDB), realizada no Japão, de acordo com fontes da Sociedade Secreta Asiática.

O Encontro de Bilderberg foi presidido pelo fraudador financeiro de alto nível Henry Kissinger e, aparentemente, pela primeira vez, incluiu um representante do Vaticano, o cardeal Pietro Parolin, cuja agenda principal foi o "Populismo na Europa"...

…O que significa que camponeses com forcados estão se levantando contra essa elite satânica no Reino Unido, na Itália, na Hungria bem como em qualquer outro lugar na Europa. Como as coisas estão indo, não demorará muito para que esses assassinos em massa de crianças sejam arrastados para fora de suas casas e "pendurados nos postes mais próximos", conforme a famosa previsão de George Bush Pai.

Na verdade, na semana passada, “a cabala de Bush foi dizimada, quando seu principal legalista e fundador do Carlyle, Frank Carlucci, foi de encontro ao seu criador”, dizem fontes do Pentágono. Elas também observam que o “Relatório do Inspetor-Geral do Departamento de Justiça será divulgado em 14 de Junho, quando o número de acusações for superior a 35.000 e que o DOJ reforçou seu quadro com mais 300 procuradores”. Além disso, “o recesso do Senado, em Agosto, foi cancelado para juízes federais e sua extensão para outros nomeados de Trump, também, pode ser confirmada”, observam.

Em 07 de junho, uma mensagem foi enviada à família real holandesa, a fundadora de Bilderberg, no dia em que a reunião começou, quando a irmã da rainha Máxima, Ines Zorreguieta, foi encontrada “enforcada na Argentina, numa mensagem à realeza”, disseram fontes do Pentágono. Isso aconteceu quando 160 crianças foram libertadas, numa operação de combate ao tráfico de crianças, em Atlanta, observaram.
https://www.theguardian.com/world/2018/jun/07/dutch-queens-sister-found-dead-at-home-in-buenos-aires

Além disso, na Inglaterra, tumultos explodiram com a prisão de Tommy Robinson, acusado de reportar sobre um julgamento em massa de pedófilos.
https://www.zerohedge.com/news/2018-06-10/watch-chaos-erupts-tommy-robinson-protest-police-chased-down-street-1000s-rage

No entanto, foi na Suécia onde a ação real pôde ser vista. Lá, o governo “mobilizou sua guarda e reservistas para limpar os sequestradores muçulmanos”, dizem fontes do Pentágono. O general norte-americano Joseph Dunford, na semana passada, viajou para a Finlândia para se encontrar com russos e finlandeses, "para ajudarem os suecos em seu momento Trump", disseram as fontes. Na semana passada, a Áustria, também, expulsou um grupo de pregadores pseudo-muçulmanos salafistas, levando o presidente turco, Recep Erdogan, a alertar que isso levaria o mundo a "uma guerra entre a cruz e o crescente".
https://www.timesofisrael.com/erdogan-warns-austria-imam-crackdown-will-lead-to-holy-war/

É claro que os agentes públicos de Rothschild reunidos na reunião do G6, no Canadá, na semana passada, não mencionaram nada disso em seu comunicado e que, em vez disso, tagarelaram sobre coisas como “gênero” (Jomarion... assunto preferido de satanistas e lacaios da cabala trevosa).

O G6 também deixou claro que deseja manter o controle do sistema financeiro mundial, por meio do esquema fraudulento de responsabilizar as emissões de "CO2 pela causa do aquecimento global", afirmando que "Canadá, França, Alemanha, Itália, Japão, Reino Unido e União Européia reafirmam. Na semana passada, o Papa Francisco, que deixou claro que seu verdadeiro chefe (insinuando... não ser Deus), também, apoia essa fraude não científica, cujo objetivo real é perpetuar o controle financeiro de linhagens de sangue khazarianas (Rothschild, etc...). 

Trump expressou seus verdadeiros sentimentos sobre o G6 e a União Européia numa reunião com o escravo Rothschild, quando o presidente Emmanuel Macron propôs: “Vamos trabalhar juntos, nós dois temos um problema na China” e Trump respondeu: “A UE é pior do que a China".
https://www.axios.com/donald-trump-emmanuel-macron-eu-worse-than-china-trade-tariffs-57f53e00-8b5c-4931-9d05-97ee0b510fd5.html?utm_source=twitter&utm_medium=twsocialshare&utm_campaign=organic

Isto leva ao cerne da histórica reunião de cúpula entre Trump e Kim, em Cingapura, esta semana, onde o tópico real da discussão será a remoção dos controladores khazarianos do sistema financeiro do G6, concordam várias fontes.
A parte encontro de cúpula Kim/Trump, que envolve o sistema financeiro, diz respeito aos direitos de propriedade do ouro da dinastia Manchu (Qing), de acordo com o herdeiro Manchu Zang Seungshick (張勝 植) e outro régio Manchu que prefere permanecer anônimo.

Ambas as fontes, que não sabiam que estavam, simultaneamente, entrando em contato com a SDB, forneceram documentação para mostrar que, em 1947, o ouro Manchu estava na Suíça sob o controle da família Rothschild. Eles alegam que o ouro foi desviado pelos Rothschilds e usado para financiar o Plano Marshall, após a Segunda Guerra Mundial.

Esse ouro também financiou a fundação da CIA e de Israel (País), afirmam e que, ainda, financia o G6, dizem eles, mas que não financiou o desenvolvimento do Leste Asiático conforme prometido. O ouro está escondido nas montanhas, atrás de Basileia, na Suíça e o período de 70 anos, após o qual deve ser devolvido termina em Julho deste ano, afirma Zang. 

As fontes dizem que o então presidente chinês Chiang Kai-shek, o imperador japonês Hirohito e o presidente sul-coreano, Syngman Rhee, estavam todos envolvidos nesse esquema. O ex-primeiro-ministro japonês Kishi Nobusuke, o avô do atual primeiro-ministro japonês, Shinzo Abe, também participou desse esquema, afirma Zang. O atual gerente Rothschild desses fundos desviados no Japão, é o ministro das Finanças Taro Aso, diz ele. "Os Rothschilds deveriam ser os banqueiros que, supostamente, deveriam estar manipulando dinheiro de outras pessoas e que, ao invés disso, se apropriaram indevidamente", afirma Zang.


Trump  recebeu essa informação de Kim, quando se encontraram em segredo na vila de Panjunmon, na fronteira entre o Norte e o Sul da Coréia, em Novembro do ano passado, afirmou Zang. Fontes do Pentágono confirmaram a esse escritor que Kim e Trump se encontraram em segredo nessa época. 
Zang diz que foi preso na Coréia do Sul, pouco depois de se encontrar com este escritor, em 2015. Ele diz que só foi libertado, porque o presidente Park Geun-hye, um "agente de Rothschild", foi preso em Abril deste ano.

Além disso, Zang agora afirma que Kim Young-hee (金 英 姫), que participou com ele no encontro com este escritor, em 2015, é filha do tio executado por Kim Jong-un, Jang Song-thaek e que, portanto, é prima em primeiro grau de Kim. Jang foi executado porque trabalhava para os Rothschilds, afirma Zang. Não foi possível entrar em contato com Kim Young-hee (o caractere de Hee (姫), significa princesa) para confirmar isso, todavia, esperamos que ela entre em contato conosco ao ler este artigo.

https://www.sementesdasestrelas.com.br/2015/05/benjamin-fulford-caos-no-eua-na-medida.html

O Conselheiro de Segurança Nacional dos EUA, John Bolton e o Vice-Presidente dos EUA, Michael Pence, também são "agentes de Rothschild" que estão tentando bloquear os direitos dos Manchus (norte-coreanos) a seu ouro, afirma Zang. Certamente, Bolton tem tentado inviabilizar a cúpula, como pode ser visto por suas ações públicas, com sua reivindicação em público de que a Coréia do Norte teria um tratado como a Líbia. 

Essas afirmações dos Manchus são interessantes, uma vez que foram os países do G7 quem mais se beneficiaram com o Plano Marshall e são eles que, com exceção do regime de Trump, tentam atrapalhar a cúpula Kim/Trump. Também, é interessante notar que esses países, junto com o Papa Francisco, como mencionado acima, apoiam o Acordo de Paris, como uma maneira de manter o sistema financeiro sob o controle da linhagem de sangue. Trump, como anteriormente observamos, saiu da reunião do G7 antes do início das discussões sobre o Acordo de Paris.

A julgar pelas expressões, a fotografia neste link, pode estar mostrando os servos Rothschild em pânico, depois que Donald Trump lhes mostrou documentos afirmando os direitos norte-coreanos (Manchu) ao ouro que, por fim, suporta o G7 (agora G6) e os sistemas financeiros israelenses.
https://www.bbc.com/news/world-us-canada-44426442

O outro real Manchu, aquele que evita a publicidade, irá apresentar os títulos na Embaixada dos EUA, em Tóquio, Japão e exige que o Conselho do Federal Reserve honre seus compromissos, monetizando os títulos, diz ele. A SDB apoiará suas reivindicações, assim como as Sociedades Secretas Asiáticas, os Illuminati e outros grupos poderosos, disseram fontes da Sociedade Secreta.

O objetivo será libertar a humanidade, ao acabar com o domínio da máfia khazariana sobre o sistema financeiro, concordam as fontes. “Esta será a queda da Babilônia, já que os ladrões não deveriam estar no comando dos bancos”, foi o que a realeza Manchu (Qing) disse.
Os judeus dos EUA, embora ainda sob os efeitos de uma completa lavagem cerebral, estão começando a acordar e, agora, discordam dos judeus israelenses em muitos e importantes assuntos.

https://apnews.com/ec170f8efeb64169b34f0fed2b432776?utm_campaign=SocialFlow&utm_medium=AP&utm_source=Twitter&__twitter_impression=true&__twitter_impression=true

Além disso, os Judeus Iraquianos parecem ter descoberto que Israel é um trabalho satânico e começaram a retornar à sua verdadeira terra natal, na Mesopotâmia, o verdadeiro cenário de grande parte do que está no Antigo Testamento.
https://www.middleeastmonitor.com/20180604-sadr-welcomes-return-of-iraq-jews-from-israel/

É claro que a conclusão da libertação dos Estados Unidos será a chave para garantir que tudo isso venha a acontecer. Nesta frente, “a bruxa liberal anticristã Ruth Bader Ginsburg (a notória RBG) e a cripto-Judia [satanista] Sonia Sotomayor… foram alvos de Trump, para serem removidas da Suprema Corte”, apontam  fontes do Pentágono.

É claro que a máfia khazariana não irá desistir sem briga, tendo, recentemente, "suicidado" denunciantes de uma maneira muito ativa. Nessa frente, fontes do Pentágono observam que a designer de bolsas
Kate Spade (cunhada do ator/comediante David Spade) e o chef celebridade, Anthony Bourdain, foram “suicidados” por enforcamento, porque estavam prestes a expor “anéis de pedofilia”.

Numa nota final, em algo não relacionado ao resto deste artigo, todavia, interessante, na semana passada, fomos contatados por um denunciante da NSA que nos disse que o jogo Pokemon Go, foi desenvolvido pela NSA para transformar seus jogadores em espiões. A ideia é colocar monstros raros em lugares “onde pessoas suspeitas vão para se divertir” ou onde, por outras razões, precisam de fotografias. Isso explica a erupção de jogadores Pokemon Go entrando e tirando fotos em áreas restritas ao redor do mundo.

Fontes:

https://www.deccanchronicle.com/lifestyle/viral-and-trending/270716/chinese-army-bans-hong-kongs-pokemon-players-from-barracks-1.html

https://www.sementesdasestrelas.com.br/2018/06/benjamin-fulford-o-encontro-de-cupula.html

11.6.2018

Meirelles diz que Caixa está sendo preparada para privatização

 

O ex-ministro da Fazenda Henrique Meirelles (MDB) afirmou nesta quarta-feira (6) que a Caixa Econômica Federal está sendo preparada para iniciar um processo de abertura de capital e venda de parte da empresa para a participação privada, modelo que também defende para a Petrobras e o Banco do Brasil.

"A Caixa está sendo preparada para isso, com o novo estatuto e etc. Com o tempo, podemos até pensar, sim, em abrir o capital da Caixa, começar a vender participação privada", disse Meirelles durante sabatina com pré-candidatos ao Planalto promovida pelo jornal Correio Braziliense.

O ex-chefe da equipe econômica de Michel Temer evita falar em "privatização clássica" para a Petrobras e os bancos públicos, mas defende maior participação do setor privado nessas empresas, com o cuidado de manter um mercado competitivo em vigor.

O ex-ministro disse ainda que não é solução vender a Petrobras para um único comprador ou o BB —que hoje já tem acionistas na Bolsa— para uma instituição financeira privada, o que geraria o chamado monopólio privado que, na sua avaliação, "é um perigo".

A proposta, segundo ele, é fazer a pulverização e abertura de capital das empresas de maneira gradual. Ele diz que a União não precisaria, necessariamente, perder o controle político das instituições no processo, mas que é preciso aumentar a competição do setor.

COMBUSTÍVEL

Questionado sobre como resolver a alta do preço dos combustíveis, que gerou a greve dos caminhoneiros e a consequente crise do desabastecimento no país, Meirelles voltou a propor a criação de um fundo de estabilização com o objetivo de equilibrar o preço da gasolina nas bombas.

Segundo ele, é preciso preservar a política de preço da Petrobras (Jomarion... acompanhar preços internacionais diariamente “especulados” para atender corporações e bancos estrangeiros da elite global) , mas a questão dos impostos pode subir ou descer em função do preço do petróleo e, dessa forma, é necessária uma compensação, que viria com o fundo.

"A política de preço da Petrobras não pode e nem deve ser controlada. Isso é uma coisa. Outra é o preço na bomba, que aí tem a parcela dos impostos. O fundo poderia ser usado para compensar a queda [dos preços]", explicou. (Jomarion... explicou?... blá... blá... blá...)

https://www1.folha.uol.com.br/poder/2018/06/meirelles-diz-que-caixa-esta-sendo-preparada-para-privatizacao.shtml

 

A Novela do Diesel

Padilha admite que redução no diesel é menor do que o prometido

O ministro da Casa Civil, Eliseu Padilha, admitiu nesta quarta-feira (6) que o desconto prometido aos caminhoneiros de R$ 0,46 no preço final do diesel não será atingido agora. Segundo o ministro, por enquanto, deve vigorar apenas a redução de R$ 0,41, já que o preço com a nova tributação é feito de 15 em 15 dias. Desta forma, o valor que vigorar até o dia 15 deste mês ainda não deve ter o desconto total.

"O argumento que é sustentado... é que os R$ 0,46 aplicam a parcela correspondente a 90% do diesel porque há mistura do óleo e biodiesel. É feito um cálculo, e ele impacta em R$ 0,41. Porém, os R$ 0,46 impactam também no preço de pauta para tributação do ICMS. Se no ICMS nós tivemos redução dessa incidência, nos estados que a alíquota é 12%, teremos mais R$ 0,048", disse, em entrevista à CBN... (Jomarion... blá...blá...blá)

O ministro acrescentou ainda que quem tinha estoque antigo poderá vender o óleo pelo preço sem o desconto: "Não posso impor a quem tinha estoque antigo ou quem não está com a nova pauta seja penalizado", disse. 

Eliseu Padilha falou ainda sobre as multas aplicadas durante a greve dos caminhoneiros. Segundo ele, as administrativas poderão ser debatidas, mas a estipulada pelo Judiciário só poderá ser revista pela própria Justiça. Padilha acrescentou que o Procon vai fazer visitas aos postos para fiscalizar se o desconto está sendo dado. Ele disse que o órgão vai determinar que os postos coloquem o valor utilizado até o dia 21 de maio em local visível para verificação. 

Promessa

Na última sexta-feira (1), Padilha havia afirmado que o governo garantia a vigência do desconto de R$ 0,46 já na segunda-feira (4), o que não aconteceu. Na ocasião ele afirmou que o governo havia cumprido "ponto por ponto, vírgula por vírgula" , "de forma peremptória", todas as propostas acertadas com os caminhoneiros. "O prazo é de 72 horas. Na segunda-feira todos os postos deverão praticar o preço com desconto no óleo diesel"... (bla blá blá), disse, na ocasião.

Sobre esta promessa, o ministro afirmou à CBN que continuava falando nos R$ 0,46. "Apenas não posso impor a quem tinha estoque antigo ou quem ainda não está no preço de pauta para tributação que seja penalizado."

https://www.jb.com.br/economia/noticias/2018/06/06/padilha-admite-que-reducao-no-diesel-e-menor-do-que-o-prometido/

Quatro empresas controlam o mundo, mas você provavelmente nunca ouviu falar delas.

 

Algumas pessoas já começaram a perceber que existem grandes grupos financeiros que dominam o ambiente de negócios no planeta. Esqueça as intrigas políticas, os conflitos, revoluções e as guerras. Nada é por puro acaso. Tudo vem sendo planejado por um longo, longo tempo e debaixo de nossos narizes.

Apenas quatro grandes empresas controlam o mundo, mas você provavelmente nunca ouviu falar delas.

Alguns chamam de “teorias da conspiração” ou Nova Ordem Mundial. De qualquer forma, a chave para entender os eventos políticos e econômicos planetários atuais (especialmente no ocidente – Europa, Américas e Oriente Médio) é um núcleo restrito de famílias que acumularam enorme riqueza, poder e influência sobre os destinos do ocidente. 

Estamos falando de  6, 8 ou talvez 12 famílias que realmente dominam o mundo. Saiba que esse é um mistério difícil de desvendar. 

Nós não estaremos longe da verdade citando Goldman SachsRockefellers, Kuhn Loeb e Lehmans em Nova York, os Rothschilds de Londres e Paris, os Warburgs de Hamburgo, Lazards de Paris e Israel Sieff (Baron Sieff) de Manchester, Inglaterra.  Muitas pessoas já ouviram falar do Grupo Bilderberg, dos Illuminati ou da Comissão Trilateral e outras organizações similares mas menos conhecidas como as sociedades secretas. 

Mas quais são os nomes das famílias que comandam estas empresas, organizações multilaterais e sociedades secretas e controlam o mundo e através delas manipulam estados e organizações internacionais como a ONU, a OTAN, o BIS, o FED ou o FMI?

Para tentar responder a essa pergunta, podemos começar com o mais fácil: fazer um inventário dos maiores bancos do mundo, e ver quem são os seus acionistas controladores e quem toma as decisões. As maiores empresas do mundo são agora: o Bank of America, JPMorgan, Citigroup, Wells Fargo, Goldman Sachs e Morgan Stanley. Vamos agora analisar quem são os seus principais acionistas:

  1. Bank of America: 
    State Street Corporation, Vanguard Group, BlackRock, FMR (Fidelity), Paulson, JPMorgan, T. Rowe, Capital World Investors, AXA, Banco de NY, Mellon.
  2. JP Morgan: State Street Corp., Grupo Vanguard, FMR (Fidelity), BlackRock, T. Rowe, AXA, Capital World Investor, Capital Research Global Investor, Northern Trust Corp. e Bank of Mellon.
  3. Citigroup: 
    State Street Corporation, Vanguard Group, BlackRock, Paulson, FMR (Fidelity), Capital World Investor, JP Morgan, Northern Trust Corporation, Fairhome Capital Mgmt e Bank of NY Mellon.
  4. Wells Fargo: 
    Berkshire Hathaway, FMR (Fidelity), State Street, Vanguard Group, Capital World Investors, BlackRock, Wellington Mgmt, AXA, T. Rowe e Davis Selected Advisers.

Podemos ver que agora parece haver um núcleo presente em todos os bancos: State Street Corporation, Vanguard Group, BlackRock e FMR (Fidelity). Para evitar repeti-los, vamos agora chamá-los de “big four”(as quatro grandes)

Goldman Sachs: “As quatro grandes”, Wellington, Capital World Investors, AXA, Massachusetts Financial Service e T. Rowe.

Morgan Stanley: “Os quatro grandes”, Mitsubishi UFJ, Franklin Resources, AXA, T. Rowe, BanK of New York-Mellon e Jennison Associates. Rowe.

Podemos quase sempre verificar os nomes dos principais acionistas. Para ir mais longe, podemos agora tentar descobrir os acionistas dessas empresas e acionistas dos principais bancos em todo o mundo.

Banco de NY Mellon: Davis Selected, Massachusetts Financial Services, Capital Research Global Investor, Dodge, Cox, Southeatern Asset Mgmt. e … “as quatro grandes.”

State Street Corporation (um dos “quatro grandes”): Massachusetts Financial Services, Capital Research Global Investor, Barrow Hanley, GE, Putnam Investment e … As “quatro grandes” (acionistas em si!).

BlackRock (outro dos “quatro grandes”): PNC, Barclays e CIC.

Quem está por trás do PNC? FMR (Fidelity), BlackRock, State Street, etc.  E por trás do Barclays e da BlackRock?

BlackRock (Pedra Negra, como a Caaba em MECA) também é o mesmo significado de ITAÚ (Itaú em tupi-guarani significa literalmente: ¨a pedra preta¨. (itá+u)

E poderíamos continuar por horas, passando por paraísos fiscais nas Ilhas Cayman, o principado de Mônaco ou o domicílio legal de empresas da Shell em Liechtenstein. Uma rede onde as empresas são sempre as mesmas, mas nunca um nome de família.

Em resumo: as oito maiores empresas financeiras dos EUA (JP Morgan, Wells Fargo, Bank of America, Citigroup, Goldman Sachs, US Bancorp, Bank of New York-Mellon e Morgan Stanley) são 100% controladas por dez acionistas e temos quatro empresas sempre presente em todas as decisões: BlackRock, State Street, Vanguard e Fidelity.

Além disso, o Federal Reserve (o “banco central” dos EUA, controlado pelos Rothschild) é composto por 12 bancos, representados por um conselho de sete pessoas, composto por representantes das “quatro grandes”, que por sua vez estão presentes em todas as outras entidades.

Em suma, o Federal Reserve é controlado por quatro grandes empresas privadas: BlackRock, State Street, Vanguard e FMR (Fidelity). Essas empresas controlam a política monetária (e mundial) dos EUA sem qualquer controle ou escolha “democrática”. Essas empresas criaram a crise de 2008 e participaram da atual crise econômica mundial e conseguiram se tornar ainda mais enriquecidas. 

Para finalizar, uma olhada em algumas das empresas controladas por esse grupo das “quatro grandes”

  • Alcoa Inc.
  • Altria Group Inc.
  • American International Group Inc.
  • AT & T Inc.
  • Boeing Co.
  • Caterpillar Inc.
  • Coca-Cola Co.
  • DuPont & Co.
  • Exxon Mobil Corp.
  • General Electric Co.
  • General Motors Corporation
  • Hewlett-Packard Co.
  • Home Depot Inc.
  • Honeywell International Inc.
  • Intel Corp.
  • International Business Machines Corp
  • Johnson & Johnson
  • JP Morgan Chase & Co.
  • McDonald’s Corp.
  • Merck & Co. Inc.
  • Microsoft Corp.
  • 3M Co.
  • Pfizer Inc.
  • Procter & Gamble Co.
  • United Technologies Corp.
  • Verizon Communications Inc.
  • Wal-Mart Stores Inc.
  • Time Warner
  • Walt Disney
  • Viacom
  • Corporação de notícias de Rupert Murdoch.
  • CBS Corporation
  • NBC Universal
*******************************************************************************************************
Jomarion acrescenta a informação sobre Jared Kushner (genro de Trump) um dos 4 mais ricos do mundo e dono da Torre 666 em Nova York. Esta pessoa está sendo apontada como o "Anti Cristo". Pesquisar no Youtube.**
 
*******************************************************************************************************************************************************

As mesmas “quatro grandes” controlam a grande maioria das empresas europeias cotadas em bolsa de valores. Além disso, todas essas pessoas dirigem as grandes instituições financeiras, como o FMI, o Banco Central Europeu ou o Banco Mundial, e foram “treinadas” e permanecem “funcionários” dos controladores das “quatro grandes” que as formaram. Os nomes das famílias que controlam as “quatro grandes” nunca aparecem ao público.

Lisa Karpova do Pravda.Ru

Tradução e edição: Thoth3126@protonmail.ch

Fonte: https://www.pravdareport.com/

LINK: https://thoth3126.com.br/quatro-empresas-controlam-o-mundo-mas-voce-provavelmente-nunca-ouviu-falar-delas/

Queda de Israel

 

"QUEDA DE ISRAEL PODE SER IMINENTE, NA MEDIDA EM QUE A OTAN RETIRA SUA PROTEÇÃO"

Benjamin Fulford  -  04.06.2018

                                                                                                                                       
Mudanças tectônicas na paisagem geopolítica continuam num ritmo vertiginoso ao redor do mundo, na medida em que a turba satânica khazariana está sendo sistematicamente removida de todos os centros de poderes mundiais, concordam múltiplas fontes.

A situação chegou tão longe que o grande Kahuna Khazari, Israel, em breve, poderá ser libertado dos satanistas, dizem fontes do Pentágono. Na Europa, as mudanças de governo na semana passada na Itália, Espanha e Eslovênia significam que apenas uns restantes na França, Alemanha e Holanda permanecem sob controle khazariano, dizem as fontes.

A libertação Ocidental é necessária, para garantir que as negociações Oriente/Ocidente, em Cingapura, na semana que vem, não resultem numa ordem mundial em que somente a China venha substituir a máfia khazariana no topo do mundo, dizem as fontes.

Vamos começar examinando a situação em Israel, onde o principal líder satanista, Benjamin Netanyahu, como seu antecessor Adolf Hitler, agora está escondido num bunker, enquanto se prepara para sua inevitável derrota. A declaração pública do Secretário-Geral da Otan, Jens Stoltenberg, na semana passada, de que a aliança não virá em defesa de Israel, no caso de ser atacado pelo Irã é um sinal visível da iminente mudança de regime em Israel.
https://nypost.com/2018/06/02/nato-chief-says-alliance-wont-protect-israel-if-iran-attacks/

O mais importante, ainda, é o não dito, segundo fontes do Pentágono, de que “a OTAN não defenderá essa entidade sionista ilegítima... de qualquer forma, Netanyahu e seu regime perderam o apoio da maioria dos judeus reais (em oposição aos satanistas armados) por causa de seu comportamento assassino.

Esta denúncia pública de Israel acontece, quando a Arábia Saudita se prepara para anunciar Mutaib bin Abdullah como seu novo governante, substituindo o sionista Bin Salman, que foi assassinado em 21 de Abril, disseram fontes do Pentágono.
https://www.reuters.com/article/us-saudi-government-defence-newsmaker/saudi-prince-relieved-from-national-guard-once-seen-as-throne-contender-idUSKBN1D40VG
https://en.wikipedia.org/wiki/Mutaib_bin_Abdullah

Isso é importante porque significa que o controle do petróleo saudita, o principal suporte do petrodólar, saiu das mãos dos sionistas, dizem as fontes. Com certeza, Bin Salman, que estava diariamente presente na imprensa, até o tiroteio em seu palácio em 21 de Abril, desapareceu da vista do público. No entanto, um anúncio público será necessário, para confirmar o que essas fontes estão dizendo. 

Todavia, uma fonte diferente do Pentágono, na semana passada, avançou com notícias relacionadas que podem afetar o gerenciamento e a propriedade da maioria das empresas ocidentais listadas publicamente. De acordo com essa fonte, os apoiadores militares do regime Trump, estão considerando dar a Leo Wanta e seu pessoal, o controle dos US $ 26 trilhões em fundos que eles alegam terem sido ilegitimamente tirados deles pela facção Bush, da máfia khazariana.

Wanta foi convidado para ir a Washington DC, esta semana, para discutir esses fundos, diz a fonte. "Se conseguirem esse dinheiro para a Wanta, eles terão que retirá-lo do Vanguard Group", disse a fonte. O Vanguard (Bush?), Junto com a State Street Corporation (Rockefeller?) e Blackrock, Inc (Rothschild?), controlam a maioria das grandes corporações ocidentais. 
https://theconversation.com/these-three-firms-own-corporate-america-77072
https://steemit.com/news/@sione/these-big-four-companies-control-the-world-yet-you-ve-probably-never-heard-of-them
O movimento dos militares dos EUA para assumirem o Vanguard e, possivelmente, a State Street, assim como a Blackrock pode estar em preparação para um confronto com uma aliança euroasiática pelo controle do sistema financeiro mundial.

Neste contexto, a cúpula da próxima semana entre o presidente dos EUA, Donald Trump e o líder norte-coreano Kim Jong-un é muito mais do que apenas a paz na península coreana. De acordo com os Illuminati Gnósticos, Kim Jong-um, de fato, é o líder de uma aliança que controla a China, bem como grande parte do Leste da Ásia.

Independentemente de saber se isso é verdade ou não, sobre quem Kim venha a ser, uma olhada na situação global do mundo, indubitavelmente, demonstra que o complexo militar-industrial ocidental e uma aliança eurasiana estão negociando uma nova maneira de gerir o planeta.

A chave, a respeito de quem sairá por cima, parece cada vez mais estar com a Índia. A Índia tem uma população jovem, aproximadamente, igual em tamanho ao rápido envelhecimento da população da China. É por isso que o lado dos EUA, tem tentado convencer a Índia a unir-se se unir numa aliança com o Japão, Austrália e Indonésia para "conter a China". Na semana passada, os EUA renomearam seu Comando do Pacífico para Comando Indo-Pacífico, como parte de seu apelo à Índia.

No entanto, os chineses parecem ter a vantagem, na medida em que a Índia se uniu à Rússia e à China como parte da Organização de Cooperação de Xangai, uma aliança econômica e militar na Eurásia.

Na semana passada, o primeiro-ministro indiano Narendra Modi, falando no encontro de Shangri La, em Cingapura, deixou claro que a Índia não estava interessada em participar de grandes jogos de poder, dizendo que “uma Ásia de rivalidade vai nos levar de volta ao passado, enquanto uma  Ásia de cooperação moldará este século”. Recomendamos ler o discurso não muito longo de Modi, no link abaixo:

https://mea.gov.in/Speeches-Statements.htm?dtl/29943/Prime_Ministers_Keynote_Address_at_Shangri_La_Dialogue_June_01_2018

De qualquer forma, a reunião de Shangri La, em Cingapura, é apenas uma das várias reuniões de alto nível, que acontecerão na preparação para o encontro Kim Trump, na próxima semana. Nesta semana, também, será realizada uma cúpula do G7 (governo ocidental) no Canadá, bem como uma reunião de Bilderberg (governo Ocidental secreto), na Itália, enquanto o Ocidente tenta coordenar sua posição nas negociações de poder maior com a Ásia, na próxima semana.

Agora, vamos voltar para a situação Ocidental, começando pela Europa. Em primeiro lugar, provavelmente não seja coincidência que a reunião de Bilderberg deste ano, esteja acontecendo na Itália, uma vez que o novo regime italiano se opõe ao euro e, portanto, é uma ameaça existencial à União Européia, tal como se encontra agora.

Em termos básicos, a matemática econômica torna muito óbvia de que o Sul da Europa (Espanha, Itália, Grécia e Portugal) estaria melhor sem o euro e essa é uma realidade que a elite secreta inevitavelmente terá de enfrentar. Além disso, a queda da casa nazista Bush, significa que, no momento atual, não há mais nenhum apoio sério da indústria militar ocidental para o projeto da UE centrado na Alemanha. Um colapso que, no entanto, acontecerá em câmera lenta.

A outra questão, é que a Eslovénia (a pátria de Melania Trump) juntou-se à Polónia e à Hungria na eleição de um regime que se opõe à atual política de imigração em massa da UE, principalmente de países muçulmanos. A tendência geral é que a Europa Central, agora, esteja se unindo ao Sul da Europa para se afastar da dominação da UE pela Alemanha (mais os lacaios franceses), embora por diferentes razões. O Reino Unido, com o seu Brexit, também já disse não à UE. Claramente, uma Europa profundamente dividida não está em posição de representar o Ocidente em grandes negociações com o Oriente.

O outro importante centro de poder do G7, o Japão, também está em profunda desordem, porque o regime lá é visto pelo submundo asiático como um governo colonial de escravos.
Os norte-coreanos são vistos como o governo legítimo da Coreia e do Japão, dizem fontes de direita japonesas e, é por isso que os japoneses foram excluídos das negociações norte-americanas e norte-coreanas. Além disso,  representantes de Bush como Richard Armitage (primo de Barbara Bush) perderam  poder, o que significa que existe um vácuo na rede de controle colonial dos EUA no Japão.

É neste contexto que devemos olhar para a decisão de Trump, de impor tarifas sobre o aço e o alumínio europeus,  japoneses e canadenses. O objetivo é usar essa medida para forçar uma mudança na governança econômica do Ocidente. De certa forma, Trump está certo em dizer que, se os EUA têm um déficit comercial de US $ 800 bilhões por ano, ganhar uma guerra comercial é algo óbvio.

No entanto, o que ele está apenas percebendo, é que a economia dos EUA foi deixada de lado por enormes déficits comerciais, porque os donos do atual sistema financeiro, centrado nos petrodólares, em sua maioria, eram não americanos ou patriotas americanos. Nossas fontes sugerem que é por isso que a mudança com Wanta, se for verdade, pode ser um sinal de que Trump, finalmente, está encontrando o alvo certo.

Se Trump conseguir o controle do sistema baseado no dólar, euro e iene, ele estará numa posição muito mais forte para negociar uma nova arquitetura financeira/política global com a aliança eurasiana. Seu regime só precisa reunir mais alguns oligarcas e ele pode ser capaz de fazer isso. Nessa frente, um progresso constante continua, dizem fontes do Pentágono.  

Por outro lado, "A líder nº 2 do culto sexual NXIVM, a atriz Allison Mack, pode ter cantado para derrubar Hollywood e a Bronfmans", dizem as fontes. A família Bronfman enriqueceu vendendo bebida alcoólica para Al Capone e, agora, é uma das principais famílias controladoras de gigantes da mídia como a AOL - Time Warner.


A outra grande entidade da mídia sionista sob ataque é a Disney. "Roseanne Barr, da ABC, foi 'martirizada' para derrubar Valerie Jarret, manipuladora de [Barak} Obama  e seu defensor da Disney, o CEO Bob Iger, CEO da Disney e que seu programa cancelado, pode ser passado para a Fox", dizem fontes do Pentágono. Além disso, eles acrescentam: “Harvey Weinstein e seu ex-empregador, a Disney e outros, podem ser acusados de violações da RICO, por administrarem uma empresa sexual criminosa, uma vez  que Trump pode, até mesmo, nacionalizar esse ícone cultural para proteger as crianças”.

Além disso, em Washington, DC, “agentes do Estado Profundo e Sionistas são história, na medida em que o Departamento de Defesa assume o processo de credenciamento de segurança para todo o governo, permitindo apenas chapéus brancos e patriotas”, dizem as fontes. 
O que tudo isso significa é que por trás de Trump, o governo militar está solidificando sua posição como representante do Ocidente nas negociações com a Aliança Eurasiana.

No entanto, Trump precisa aprender que tentativas de intimidação e batidas na mesa não são bem vistas na Ásia. A China deixou claro que vai se encontrar com os EUA na metade do caminho, mas que qualquer tentativa de Trump de tentar causar problemas em suas metas em algum acordo, irá sair pela culatra, emitindo uma declaração que disse, em parte: 
"Todos os resultados econômicos e comerciais das negociações não terão efeito se o lado americano impuser quaisquer sanções comerciais, incluindo aumento de tarifas."

https://www.xinhuanet.com/english/2018-06/03/c_137227287.htm

Não obstante, todos os movimentos descritos acima representam uma mudança fundamental de direção, na forma de como o mundo é governado. Agora que o pesadelo apocalíptico sionista está terminando, a humanidade está sendo libertada.

Fonte: https://www.sementesdasestrelas.com.br/2018/06/benjamin-fulford-queda-de-israel-pode.html

8.6.18

'America first' - Primeiro a América (EUA)

 

Sob protestos, 3 setores do pré-sal são vendidos a empresas estrangeiras

(Jomarion...  a rapinagem continua e vem aí a venda/privatização da Caixa Economica e Banco do Brasil para grupos estrangeiros)

Sob protestos nesta manhã chuvosa de quinta-feira (7), a ANP leiloou 3 das 4 áreas que foram à venda na 4ª rodada de Partilha de Produção de áreas de exploração do pré-sal, arrecadando R$ 3,15 bilhões, valor acima do esperado pela empresa. A Sputnik Brasil ouviu um petroleiro e o diretor-geral da ANP sobre o assunto.

Para receber ofertas da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP), foram apresentados 4 setores nas bacias de Campos e de Santos. O setor de Itaimbezinho não recebeu ofertas, enquanto as áreas de Dois Irmãos, Três Marias e Uirapuru foram vendidas para consórcios estrangeiros. No total, o leilão fechou com arrecadação de R$ 3,15 bilhões.

Em Campos, o setor de Dois irmãos foi arrecadado com oferta única do consórcio Statoil (Noruega) / British Petrol (Reino Unido), com participação de 45% da Petrobras. Já em Santos, o setor Uirapuru foi arrecadado pelo consórcio Petrogal (Portugal) / Statoil (Noruega) / ExxonMobil (Estados Unidos), com participação de 30% da Petrobras. O último setor leiloado foi o de Três Marias, pelo consórcio Chevron (Estados Unidos) / Shell (Reino Unido/Holanda), com 30% para a Petrobras. 

O leilão se deu em ofertas de garantias de óleo. Ou seja, para levar os setores, era necessário uma oferta de um mínimo de petróleo para o Brasil, representado pela União. As maiores ofertas levaram as áreas, sendo a maior delas a de Dois Irmãos, com 45%.

Os mínimos estabelecidos pela União foram, em Uirapuru, 22,18% do percentual; Dois Irmãos, 16,43%; Três Marias, 8,32%; e Itaimbezinho, 7,07%.

Os setores têm áreas de 1.414,26 km², em Dois Irmãos; 710,54 km², em Itaimbezinho; de 1.285,33 km², em Uirapuru, e de 821,45km², em Três Marias.

Realizada a partir das 9h desta quinta, a 4ª rodada de Partilha de Produção foi realizada em um hotel 5 estrelas na Barra da Tijuca e foi transmitida ao vivo em inglês e português, terminando ao meio-dia. Do lado de fora, entidades como a Federação Única dos Petroleiros (FUP) e o Sindipetro-RJ protestavam contra a realização do evento.

Jomarion... estes são os brasileiros de verdade!

"As áreas do pré-sal só podem ser exploradas por grandes empresas", afirma diretor da ANP (Jomarion... Mais mentiras, um pais rico e soberano cuida de suas riquezas e de seu povo!)

O tema da venda é controverso e tem levantado suspeita dentro dos espectros políticos.

Segundo o diretor-geral da ANP, Décio Oddone, ouvido pela Sputnik Brasil, a expectativa da empresa era de que a rodada tivesse "sucesso absoluto".

(Jomarion: Guardem bem este nome Decio Oddone, este vai dilapidar o Brasil para “agradar” o capitalismo predatório internacional)

"A 4a. rodada teve recorde de inscritos, incluindo duas companhias que não atuam no Brasil.  Esperamos um grande interesse também nas próximas rodadas", afirma.

Com objetivo único de arrecadação de recursos, a empresa espera arrecadar valores bilionários.

"As rodadas em regime de partilha da produção têm bônus de assinatura fixos. A expectativa é de arrecadação de pelo menos R$ 3 bilhões com bônus de assinatura", ressalta Oddone.

Décio Oddone, diretor-geral da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP).

Para o diretor-geral da ANP, o leilão da exploração dos campos de petróleo é a melhor maneira de garantir a exploração do pré-sal.

"As áreas do pré-sal só podem ser exploradas por grandes empresas, conhecidas como majors. O número delas é limitado. A inscrição de 16 [empresas] na quarta rodada superou qualquer expectativa. Demonstra que o Brasil está no caminho certo", conclui o diretor-geral, no cargo desde o início de 2017. (Jomarion... este cara é um dos muitos trairas inconsequentes que estão vendendo nosso país... acordar e protestar é preciso e urgente!)

"A Petrobras hoje está limitada a decisões políticas"

Entre os críticos da partilha do Pré- Sal estão representantes dos petroleiros, políticos e engenheiros. Ao longo da quinta-feira (7), dois protestos ocorreram na capital carioca contra os leilões do pré-sal. Um deles na Barra da Tijuca, Zona Oeste do Rio de Janeiro, liderado pelo Sindicato dos Petroleiros do estado. Já o segundo, ocorreu em frente à sede da ANP, no Centro da cidade.  As entidades têm regularmente organizado manifestações contra a privatização da Petrobras e outras estatais, além de se colocar contra a partilha do pré-sal

A Sputnik Brasil conversou com Paulo Sérgio Cardoso, diretor de Finanças do Sindicato dos Petroleiros de Duque de Caxias, no Rio de Janeiro. Segundo ele, os protestos vão continuar, pois os petroleiros de sua organização não concordam com a forma como estão sendo tratadas as riquezas do pré-sal.

"Infelizmente essa iniciativa corre por ordem legal. Nós somos contra esses leilões de petróleo da forma que são, principalmente porque a Petrobras não tem mais a obrigatoriedade da operação de no mínimo 30%, porque a lei da partilha instituída pelo governo do PT foi flexibilizada. Então ela tem o direito de decidir [pela exploração] mas não tem a obrigatoriedade", aponta Cardoso.

Para o diretor de Finanças, essa forma de lidar com as áreas do pré-sal ficam ao gosto da "política do momento" e que pode resultar em "vender o petróleo a preço de banana".

"Existem vários campos leiloados e nenhum deles ainda entrou em operação. Então se você não tem nenhum campo que recentemente foi leiloado em operação, para que você vai ofertar mais campos? Simplesmente nós acreditamos que isso é só para cobrir os rombos do governo e está usando nosso petróleo, nossa riqueza para fazer isso", ressalta o petroleiro.

Paulo Sérgio Cardoso também rebateu a fala do diretor-geral da ANP, que afirmou à Sputnik Brasil que essas áreas só podem ser exploradas por empresas estrangeiras. Ele acredita que a necessidade dessas empresas está sendo justificada com mentiras.

"[Isso] é mentiroso e falacioso. Primeiro, todos os campos que estão em operação a Petrobras opera com no mínimo 30% da sua fatia, no mínimo. A Petrobras foi a primeira empresa a tirar óleo do pré-sal. A Petrobras tem o menor custo de extração do petróleo do pré-sal, que é de US$ 9 por barril. De extração, fora os outros custos. E nesse sentido, é mentirosa essa declaração. […]

A Petrobras hoje está limitada a decisões políticas de participar ou não dos leilões e essa falácia é deflagrada na imprensa justamente para o povo brasileiro achar que a Petrobras não tem condições de explorar mais campos produtores de óleo. Mas na verdade a Petrobras é a maior produtora de petróleo do pré-sal no Brasil e foi a primeira, a pioneira a tirar óleo dessas jazidas", concluiu Paulo Sérgio Cardoso.

Maioria de participantes no leilão é de multinacionais

Dentre as 16 empresas inscritas no leilão, com exceção da Queiroz Galvão Exploração e Produção S.A., e da própria Petrobras, todas as outras empresas são estrangeiras, conforme é possível observar na tabela divulgada no site da ANP:

A 5ª rodada de leilões já está marcada

Uma 5ª rodada de leilões do pré-sal já foi aprovada pelo Conselho Nacional de Política Energética (CNPE). Segundo a própria CNPE, espera-se que o leilão ocorra no dia 28 de setembro, aguardando a autorização prévia da Presidência da República. Assim como o leilão realizado na manhã desta quinta-feira (7), a 5ª rodada se dará através de um regime de partilha da produção, em que prevê que parte do petróleo produzido deve ser entregue à União.

A Petrobras terá 30 dias  para se manifestar após a publicação da decisão da CNPE no Diário Oficial da União (DOU) sobre seu interesse em atuar como operadora das áreas indicadas para oferta.

O leilão envolverá os setores de Saturno, Titã, Pau-Brasil e Sudoeste de Tartaruga Verde, nas bacias de Campos e Santos.

Fonte: REUTERS / Adriano Machado

https://br.sputniknews.com/brasil/2018060711413992-pre-sal-petrobras-michel-temer-leilao/

7.6.18

Protestos na Jordânia

 

Protestos contra medidas de austeridade e aumento da gasolina derrubam premiê da Jordânia

*Jomarion... no mundo todo os povos se rebelam contra as ações do sistema predatório da elite global (Cabala escura) em queda livre neste momento e "apelando" para medidas opressoras... 

Manifestações na capital Amã prosseguem; rei Abdullah II revogou reajustes, que atingiram gasolina e eletricidade e indicou um novo premiê

Aos gritos de "preferimos morrer a ser humilhados", milhares de jordanianos estão nas ruas desde a semana passa em protesto contra medidas econômicas do governo. As manifestações levaram à renúncia do primeiro-ministro, Hani Mulki, nesta segunda-feira (04/05). O Rei Abdullah II nomeou Omar Razzar como novo primeiro-ministro.

Os manifestantes são unânimes em uma de suas reinvindicações. Para eles, o que deve mudar é a política implementada, não apenas as pessoas no governo. Um projeto de lei que visa elevar os impostos foi enviado ao parlamento em maio. A proposta seria de cerca de 5% de aumento da taxação sobre a renda de trabalhadores contribuintes, e entre 20 e 40% de aumento para empresas. No início do ano, o governo já havia cancelado os subsídios do pão, o que quase dobrou o preço do alimento. Na última sexta-feira, já em meio a protestos, o Rei Abdullah II ordenou o cancelamento do aumento dos preços de combustível e eletricidade.

A Jordânia enfrenta um momento econômico muito difícil. A dívida pública é estimada em cerca de US$ 38 bilhões, o que corresponde a 95,3% do seu Produto Interno Bruto (PIB). Em 2016, o * Fundo Monetário Internacional aprovou um crédito de cerca de US$ 723 milhões para o país. O objetivo é promover uma reforma econômica e diminuir a dívida pública.

*Jomarion... o FMI é um fundo da cabala das trevas que existe para arrochar as economias  mundiais e quando o país vai para a bancarrota eles “emprestam dinheiro” e junto com este empréstimo mais arrocho, mais exploração, apropriação das riquezas do país e “escravidão de dívida” ... a Agentina acaba de cair neste “golpe maldito” apoiado pelo presidente Macri, maçon, milionário e representante da elite...   

Entretanto, medidas de austeridade são extremamente impopulares neste contexto fragilizado. A taxa de desemprego é de cerca de 18%. As guerras no Iraque e na Síria tiveram grande impacto negativo no comércio com a Jordânia. Além disso, o país recebeu milhares de refugiados nos últimos anos, o que contribui para os gastos.

A Jordânia também depende muito de ajuda externa para auxiliar as contas, o que afeta sua política na região. No ano passado, os países do Golfo não renovaram um programa de assistência financeira à Jordânia. O governo dos Estados Unidos se comprometeu a doar mais de US$ 6 bilhões nos próximos cinco anos.

Jovens pedem mudanças

Algumas pessoas expressam uma confiança muito grande na possibilidade de provocar mudanças no país. Havia muitos jovens e famílias com crianças. Leian tem apenas 14 anos e foi a um protesto pela primeira vez. Ela diz que essa “é uma forma de fazer um país melhor”. Já a advogada Nour acredita que os jordanianos deveriam ter o direito de participar da formulação das leis. Ela afirma que, como advogada, sabe “como essa lei vai prejudicar as pessoas. Todos os árabes estão passando por dificuldades”.

Outros são menos otimistas, mas acham que ir para as ruas é uma forma de levantar questões importantes. Kanaan já participou de vários protestos e diz que não acredita que a Jordânia vai conseguir sair desta situação. Para ele, “o problema é que não sabemos quais ferramentas para a mudança e nem como julgar a nova pessoa que vai estar no governo”.

Protestos contra medida de austeridade levaram à renúncia do premiê na Jordânia

Em 2011, a Primavera Árabe mudou completamente a região. Os acontecimentos nos países vizinhos ecoam nas falas de alguns manifestantes. Yara afirma que “espera que os protestos continuem pacíficos”. Para ela, as pessoas já “estão pagando muito e não têm nada em retorno”. A jornalista Rawan diz que “a Jordânia está pagando o preço pelas suas decisões políticas”. Para ela, primeiro deve-se “acabar com a corrupção, alimentar o crescimento econômico e fazer as mulheres participarem mais da força de trabalho”.

Protestos pacíficos sob forte segurança

Na noite desta segunda-feira (04/05), havia um forte esquema de segurança com a polícia e o exército na região dos protestos em Amã. No geral, eles vêm ocorrendo de forma pacífica. A agência de notícias do governo emitiu comunicado informando que as forças de segurança estão lidando com os protestos com a máxima restrição. No domingo, o próprio príncipe herdeiro da Coroa conversou com militares. Ele enfatizou a necessidade de se respeitar os direitos e segurança dos manifestantes.

Para algumas das pessoas protestando, isso é uma evidência de que o governo está escutando as exigências da população. Em comunicado, o Rei Abdullah II informou que os cidadãos “têm todo o direito” e que os acontecimentos dos últimos dias o fizeram ter “orgulho de ser jordaniano”.

Para Hanadi, que acompanhava o protesto na noite de segunda em Amã, as pessoas “vêem o rei como uma pessoa que vai ajudá-los a superar essa situação”. Para ela, se essas manifestações não levarem a alguma mudança, “será mais uma  geração frustrada”. Já o jornalista Imad afirmou que acredita que os protestos podem não ser pacíficos para sempre. Ele diz que “ninguém sabe quais são os limites. Se eles forem ultrapassados, tudo pode mudar”.

*Jomarion lembra que a família real da Jordânia ostenta riqueza e luxo.

https://operamundi.uol.com.br/conteudo/geral/49513/protestos+contra+medidas+de+austeridade+e+aumento+da+gasolina+derrubam+premie+da+jordania.shtml

7.6.18

Como os EUA se beneficiaram do mito da 'Petrobras quebrada'

 

(Jomarion... entenda aqui como a quadrilha de Temer criou uma crise “falsa” para a Petrobrás para beneficiar os EUA... e "pra que" o golpe contra a Dilma foi perpetrado. Vergonha mundial!)

O Mito da Petrobras 'quebrada' alimentou golpe por domínio dos Estados Unidos. Governo Temer e gestão de Pedro Parente nada mais fizeram do que implementar políticas de alto interesse de Washington e população brasileira silenciou.

 (Jomarion... quem silenciou foram os coniventes, os coxinhas e a mídia má deste país)

A construção, pela mídia, do mito da Petrobras financeiramente quebrada, as consequências do alinhamento da estatal aos interesses do mercado e, principalmente, dos Estados Unidos, e a greve dos caminhoneiros foram alguns dos temas debatidos no seminário “O mito da Petrobras quebrada, política de preços e suas consequências para o Brasil na noite desta terça-feira (5).

Promovido pela Associação dos Engenheiros da Petrobras (Aepet) e pelo Clube de Engenharia do Rio de Janeiro, o evento teve a participação do economista aposentado da estatal Cláudio Oliveira, do presidente da Aepet, Felipe Coutinho, e do especialista em minas e energia e engenharia do petróleo Paulo César Ribeiro Lima.

A Petrobras não tem nem nunca teve problema financeiro, enfatizou Oliveira em sua exposição. Enquanto os saldos de caixa das norte-americanas Chevron e Exxon, por exemplo, estão caindo (são de US$ 4,81 bilhões e US$ 3,20 bilhões, respectivamente, em 2017) o da Petrobras, embora também em curva descendente, estava em US$ 22,52 bilhões no mesmo ano.

“Eles dizem que vendem ativos para saldar dívida. Com 22 bilhões de dólares em caixa, essa é a empresa que eles dizem que está quebrada?“, questionou. Para o economista, dizer que a estatal tem uma dívida impagável serve “só para justificar a venda de ativos e desmonte da Petrobras“.

O presidente da Aepet fez uma exposição dividida entre uma abordagem econômica e política.

O mito de Petrobras quebrada graças a subsídios, corrupção e maus investimentos, disse, embasou toda a política desenvolvida a partir da posse de Michel Temer e a politica de preços que desencadeou a greve dos caminhoneiros.

Os números têm que ser discutidos fora da mitologia da mídia. As impressões vão construindo o senso comum com interesses claros contra a Petrobras e antinacionais, coerentes com os meios de comunicação.”

A política de alinhamento aos preços do mercado internacional viabilizou a importação por parte de concorrentes, principalmente dos Estados Unidos, segundo ele.

Ganham os produtores norte-americanos, os importadores, e perdem os consumidores, a Petrobras, porque perde mercado, a União e os Estados.A política implementada pelo ex-presidente da Petrobras Pedro Parente é baseada no princípio “The America first“, ironizou Coutinho, em alusão ao bordão utilizado pelo presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, durante sua campanha eleitoral em 2016, quando prometeu, se eleito, voltar o governo aos interesses de seu país.

O aumento relativo dos preços da Petrobras viabiliza a importação de derivados por seus concorrentes que ocupam o mercado da estatal, que fica com suas refinarias ociosas.”

Segundo Coutinho, em 2015, o Brasil importou 2,5 milhões de toneladas (Mt) de diesel dos EUA, o que representou 41% do total e US$ 1,4 bilhão. Em 2017, a importação subiu para 8,9 Mt de diesel e US$ 4,5 bilhões. De 2015 a 2017, o diesel americano quase dobrou sua participação, de 41% para 80,4% do total importado pelo Brasil.

Paulo Cesar Ribeiro Lima foi aplaudido ao dizer que “o pré-sal tinha que ser monopólio“. Considerando que o Brasil é rico em petróleo, mão de obra e tecnologia, “a crise é fabricação de mentes doentias“, afirmou.

Segundo ele, na gestão Parente, o brasileiro pagou 40% mais caro no preço do diesel do que o consumidor americano, sem considerar os impostos. É realmente inacreditável.” “É até possível fazer uma politica de direita bem feita. Mas essa é mal feita“, avaliou. De acordo com ele, a sistemática que permitia aumentos até diários dos combustíveis é o emblema da política mal feita.

Para Coutinho, com a solução encontrada pelo governo Temer contra a crise, subsidiando a diminuição do preço do diesel via impostos regressivos, os importadores saem diretamente beneficiados. A Petrobras deveria arbitrar preços justos compatíveis com seus custos, beneficiando o consumidor, defendeu. Com isso, a estatal recuperaria o mercado perdido e os preços mais baixos favoreceriam o consumidor, gerando mais caixa à Petrobras.

Em sua exposição, Felipe Coutinho enumerou uma série de “fatos relevantes” que, cronologicamente, mostrariam a relação entre o golpe que derrubou Dilma Rousseff e a política da gestão Parente na Petrobras em benefício dos Estados Unidos.  Entre eles, o treinamento de agentes judiciais brasileiros nos Estados Unidos, revelado por documento interno do governo norte-americano e vazado pelo WikiLeaks. Teriam participado promotores e juízes federais dos 26 estados brasileiros e 50 policiais federais de todo o país.

Esses fatos se sucederam, segundo ele, da seguinte maneira:

1 – Anúncio da descoberta do pré-sal, em 2006 (ainda no governo Lula)

2 – Primeira extração do pré-sal, no campo de Tupi, atual Lula (novembro de 2017)

3 – Roubo de notebooks e HDs da Petrobras (janeiro de 2008)

4 – Reativação da Quarta Frota dos EUA (abril de 2008)

5 – Governo anuncia projeto de regime de partilha do pré-sal (agosto de 2009)

6 – EUA treinam agentes judiciais brasileiros (outubro de 2009)

7 – Reunião de executiva da Chevron (Patricia Pradal) no consulado dos EUA sobre a reversão da Lei da Partilha (dezembro de 2009)

8 – Protestos de junho de 2013

9 – Brasil e Petrobras são alvos de espionagem dos EUA (2013)

10 – Operação Lava Jato e “cooperação internacional” (março de 2014)

11 – Golpe do impeachment de Dilma Rousseff (maio de 2016)

12 – Temer assume agenda das multinacionais do petróleo (a partir da maio de 2016)

13 – Nova política de preços da Petrobras, exportação de petróleo cru, importação de derivados e ociosidade do refino no Brasil (desde outubro de 2016)

14 – “Parcerias estratégicas”, o novo codinome da privatização dos ativos da Petrobras (desde 2016)

15 – Pagamento de US$ 2,95 bilhões aos acionistas da Petrobras nos EUA (janeiro de 2018)

16 – Pré-sal representa mais de 50% da produção brasileira de petróleo (2018)

Fonte: https://www.pragmatismopolitico.com.br/2018/06/eua-se-beneficiaram-petrobras-quebrada.html

6.6.18

Boff e Lula – Um Grande encontro

 

Abaixo os detalhes do encontro de Leonardo Boff com Lula na prisão

Leonardo Boff escreve sobre o encontro de uma hora e meia que teve com o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva na sede da Polícia Federal em Curitiba

No dia 7 de maio cumpriam-se 30 dias de prisão do ex-presidente Lula. Foi-lhe concedida pela primeira vez receber a visita de amigos. Tive a honra de ser o primeiro a encontrá-lo pela amizade de mais de 30 anos e pela comunhão de causa: a libertação dos empobrecidos e para reforçar a dimensão espiritual da vida. Cumpri o preceito evangélico: “estava preso e me visitaste”.

Encontrei-o como o conhecemos fora da prisão: rosto, cabelo e barba, apenas levemente mais magro. Os que queriam vê-lo acabrunhado e deprimido devem se decepcionar. Está cheio de ânimo e de esperança. A cela é um amplo quarto, muito limpo, com armários embutidos, banheiro e chuveiro numa área fechada. A impressão é boa embora viva numa solitária, pois, à exceção dos advogados e dos filhos, só pode falar com o guarda de origem ucraniana, gentil e atento, que se tornou um admirador de Lula. Traz-lhe as marmitas, ora mais mais quentes ora mais frias e café, sempre que solicita.

Lula não aceita nenhum alimento que os filhos lhe que trazem, porque quer se alimentar como os demais presos, sem nenhum privilégio. Tem seu tempo de tomar sol. Mas ultimamente, enquanto o faz, aparecem drones sobre o espaço. Por precaução Lula logo vai embora, pois não se sabe qual seja o propósito destes drones, fotografá-lo ou, quem sabe, algo mais sinistro.

O importante foi a conversação de natureza espiritual na qual se misturavam observações políticas. Lula é um homem religioso, mas da religiosidade popular para a qual Deus é uma evidência existencial. Encontrei-o lendo um livro meu, “O Senhor é meu pastor”, (da Vozes) um comentário do famoso salmo 23 o mais lido dos salmos e também por outras religiões.

Sentia-se fortificado e confirmado, pois a Bíblia geralmente critica os pastores políticos e exalta aqueles que cuidam dos pobres, dos órfãos e das viúvas. Lula se sente nesta linha, com suas política sociais que beneficiaram a tantos milhões. Não aceita a crítica de populista, dizendo: eu sou povo e vim do povo e oriento o maxímo que posso a política para ele.

Na cabeceira da cama há um crucifixo. Aproveita o tempo de reclusão estrita para refletir, meditar, rever tantas coisas de sua vida e aprofundar as convicções fundamentais que dão sentido a sua ação política, aquilo que sua mãe Lindu (que a sente como um anjo protetor e inspirador) sempre lhe repetia: sempre ser honesto e lutar e mais uma vez lutar. Vê nisso o sentido de sua vida pessoal e política: lutar para que haja vida digna para todos e não só para alguns à custa dos outros.

A grandeza de um político se mede pela grandeza de sua causa, disse enfaticamente. E a causa tem que ser produzir vida para todos a começar pelos que menos vida têm. Em função disso não aceita derrotas definitivas. Nem quer cair de pé. O que não quer é cair. Mas manter-se fiel a seu propósito de base e fazer da política o grande instrumento para ordenar a vida em justiça e paz para todos, particularmente aos que vivem no inferno da fome e da miséria.

Esse sonho possui grandeza ética e espiritual inegável. É à luz destas convicções que se mantém tranquilo, pois diz e repete: vive desta verdade interior que possui força própria e vai se revelar um dia. “Só quero”, comentava, “que não seja depois de minha morte, mas ainda em meu tempo de vida”.

Indigna-se profundamente por causa das mentiras que divulgam contra ele e sobre elas montaram o processo do triplex. Pergunta-se, como podem as pessoas mentirem conscientemente e poderem dormir em paz? Faz um desafio ao juiz Sérgio Moro: “apresente-me uma única prova sequer, de que sou dono do triplex de Guarujá. Se apresentar renunciarei à candidatura à presidência”.

Recomendou-me que passasse esse recado à imprensa e aos que estão no acampamento:“Sou candidatíssimo. Quero levar avante o resgate dos pobres e fazer das política sociais em prol deles, políticas de Estado e que os custos que são investimentos entrem no orçamento da União. Irei radicalizar estas políticas para os pobres, junto com os pobres e dignificar nosso país”.

A meditação o fez entender que esta prisão possui um significado que transcende a ele, a mim e às disputas políticas. Deve ser o mesmo preço que Gandhi e Mandela pagaram com prisões e perseguições para alcançarem o que alcançaram. “Assim creio e espero”, dizia, “que é o que estou passando agora”.

Eu que entrei para anima-lo, saí animado. Espero que outros também se animem e gritem o “Lula livre” contra uma Justiça que não se mostra justa.

*Leonardo Boff é teólogo, filósofo, professor, ecologista e escritor

https://www.pragmatismopolitico.com.br/2018/05/encontro-leonardo-boff-com-lula-na-prisao.html

5.6.18

B R I C S  ou  R I C S ?

 

Por que Brasil não marca presença em fóruns internacionais na Rússia apesar do BRICS?

O Fórum Econômico Internacional de São Petersburgo (SPIEF) tradicionalmente acolhe não somente especialistas em finanças e investimentos, mas também políticos, jornalistas e figuras públicas de mais de 100 países. A Sputnik Brasil falou com um dos poucos representantes do Brasil no evento, o jornalista independente Michael Susin.

O jovem, sendo também membro da Federação Nacional dos Jornalistas do Brasil (FENAJ), chegou à "capital cultural" russa (um dos apelidos de São Petersburgo) como representante da organização Future Team, ou seja, do grupo que se criou depois do Festival da Juventude em Sochi.

Sobre mudança das prioridades do Itamaraty

Michael foi um dos poucos brasileiros que encontrei em um evento de escala tão enorme como o SPIEF. Dos altos representantes oficiais, não apareceu nenhum. Ao conversarmos com Michael Susin, entendemos que a percepção da completa ausência do país verde e amarelo no fórum (e não só) era geral.

"Na verdade, ontem, durante a apresentação dos BRICS [sessão sobre a presidência sul-africana no bloco] até postei no Facebook uma brincadeira que é uma reunirão do RICS… Por que o Brasil não está representado. É muito sintomático isso, por que a gente vê que volta assim a política dos anos 90, de uma relação EUA-Brasil, que nem é bilateral. É dependência econômica… Está se notando já que a gente volta a ser um satélite dos EUA, tanto politicamente como economicamente", frisa o jornalista à Sputnik Brasil.

Ao acompanhar a discussão com a presidência sul-africana no BRICS este ano, tivemos a presença do presidente do Novo Banco de Desenvolvimento, Kindapur Vaman Kamath. #SPIEF2018 pic.twitter.com/GSn23DU4wU

Para o jornalista, tomado em conjunto com os passos (ou ausência deles) da diplomacia brasileira nos últimos anos, indica para uma clara "mudança de direção política" já experimentada pelo país nos finais do século passado, isto é, no governo de FHC.

Isso, na opinião do interlocutor, não é apenas um assunto político ou da escolha de prioridades. A questão é que gera grande influência inclusive na população comum, pois "a questão do multiculturalismo que a gente tinha durante o governo Lula beneficiou muito os empresários" e agora se volta ao paradigma anterior que começa a afetá-los.

"Agora, o setor de relações internacionais não está preparado para negociar e dialogar com outros países que não sejam da Europa ou os EUA. A gente voltou para a política colonial", manifesta o jovem.  Neste contexto surgem até receios/boatos  de que o Brasil acabe por sair da organização, e isto está repercutindo.

"Essa é uma questão que me preocupa bastante. Não há um projeto de defender soberania, não há um projeto de criar um país forte, mas, há um projeto de voltar ao neoliberalismo. Não estamos crescendo, a previsão não é de que comece a crescer. Acho que também já não faz nem sentido que o Brasil esteja nos BRICS. Você não vai participando, você não vai fazendo nenhuma contribuição diplomática, muito menos econômica. Isso me preocupa muito", confessa.

Enquanto a Rússia está fazendo um esforço "tremendo" nos pavilhões do SPIEF, assegura Michael, o Brasil arrisca perder outra oportunidade de gerar trabalho, demanda, imposto e mais dinheiro para sua economia. Mesmo com uma  situação financeira difícil neste país latino-americano.

"E a gente já vai notar também a questão do FMI batendo a porta..  Congela o orçamento, não paga salário. Todos os estados estão sofrendo uma crise financeira, não é só o Federal. Os professores e os policiais estão com salário defasado. Isto acarreta pouco consumo e não gere imposto", prossegue o jornalista, adiantando que as pessoas gradualmente começam a se dar conta disso depois de um "período muito duro de intoxicação política".

Sobre 'intoxicação política' no Brasil

Além de estar bem preocupado com a pauta exterior do seu país, Michael também parece estar muito preocupado com aquilo que se passa dentro do Brasil nas vésperas da eleição presidencial.  "Não se discutem mais os motivos e as ideias. Existe um 'a favor' e um 'contra' com ódio tremendo entre eles. Me assustei muito com os discursos que escutei. Discursos de ódio e violência, tanto dos candidatos como no dia a dia do povo", diz.

"Isso dá carta branca para fazer qualquer tipo de política", adianta, aludindo à candidatura de Bolsonaro e suas referências ao passado ditatorial do país.  Na minha opinião do jornalista, a mídia também desempenhou um grande e nefasto papel neste processo.

"Se montou um aparato de “fake News” para a produção desse discurso de ódio. Eu gostava do governo Dilma por muitas razões... Já não há mais diálogo. Ou se está a favor, e aceita todo o processo ou se está contra e odeia tudo. Se abriu no Brasil uma antipolítica.  Não se fala mais do Brasil, do projeto econômico, do projeto internacional, se fala se  querem matar os pobres ou defender os pobres", ressalta o jovem.

Michael Susin também se referiu ao ambiente turbulento de hoje, em meio à greve de caminhoneiros  que acontece no país por o preço do combustível estar indexado à variação do preço internacional do petróleo, que é "uma variação diária".

"No governo Dilma, o Brasil tinha uma medida de proteção que era subsidiária, combustível repassava de acordo com a necessidade que estipulava o governo. Não era guiado pelo mercado. No Brasil é terrível, porque não temos ferrovia para transporte... é tudo com caminhão a diesel", analisa.

"Chegamos a um ponto onde estamos perdendo a soberania. Num país que aloja logística com base no diesel [tem que haver] uma política de controle sobre isso. Senão, o país para, opina Michael.

Sobre o discurso da mídia do impeachment

Voltando aos temas de interesse profissional, também falamos com Michael sobre a cobertura feita pela grande mídia brasileira no contexto do afastamento da presidente Dilma. Na opinião do jornalista, têm sido poucos os veículos de comunicação que fizeram questão de questionar genuinamente o processo.

"Se perdeu também a questão de imparcialidade. O jornalismo no Brasil está muito crítico, porque tomou lado e a população sabe disso. A população assiste sabendo que vai falar bem ou mal de acordo com [a política]", afirma.

Isso faz lembrar o conceito de "coronelismo", ou seja, de vínculos fortes entre a classe pública e privada, forjado na história do país nos finais do século XIX.

"Existe uma porta giratória entre o governo, os meios de comunicação e os setores religiosos, adianta o interlocutor da Sputnik.

Aliás, ele relembrou o recente caso da postagem feita pelo comandante Villas Bôas no Twitter nas vésperas da prisão de Lula, prometendo defender as "pessoas de bem" caso não fosse feita justiça.

"Parece que a gente está seguindo o método de Trump de fazer política através do Twitter", ironiza. "Isso levanta muitas questões: primeiro, questão da autoridade militar não estar subordinada ao Estado. […] Isso é muito sintomático, porque na América Latina [já passamos por isso]. E, segundo, que ele fala em colocar a ‘minha' tropa em disposição. Ele se posiciona como o dono do exército e isso é sintomático para um país. E a terceira questão: quem são pessoas de bem que ele quer defender? E contra quem?", se pergunta Michael.

"Não aprendemos nada com a história. É recente. A gente não aprendeu", resume ele.

Sobre opressão dos jornalistas russos na Europa do Leste

Ao longo dos últimos anos, Michael tem morado na Polônia, aonde tinha se mudado com a sua namorada, original do país. Afastando um pouco do panorama brasileiro, nós também passamos a discutir a posição do jornalismo russo na respectiva região.

"Na semana passada prenderam uma russa e expulsaram do país outros quatro, e a declaração do governo e da polícia foi por criar uma guerra híbrida. E não explicou como, não houve informação nenhuma. Diz que foi expulsa uma cidadã russa por ter recebido dinheiro do governo russo para criar instabilidade no país", conta.

"Isso foi considerado como guerra híbrida, ou seja, consideraram crime outra narrativa. Não só na Europa, mas no mundo todo existe uma luta por narrativa. Porque a Rússia tem meios de comunicação fortes que estão chegando ao mundo ocidental e podem oferecer outra informação que não vem das agências principais", frisa o jornalista independente,  Michael Susin, no no Fórum Econômico Internacional de São Petersburgo (SPIEF), em 25 de maio de 2018

Relembrou inclusive o recente caso da campanha estadunidense contra o governo sírio seguida pelas acusações de ter usado armas químicas. Nesse aspeto, diz Michael, o mundo todo aborda a lógica dos EUA e nem tenta analisar, como se fosse verdade sem discussão.

"No Brasil, por exemplo, não se questionou nada apenas seguiram a linha ditada por Trump como se fosse verdade.

Ekaterina_Nenakhova_SputnikBR (@ESputnikbr) May 24, 2018  e  Andrei Shapran

https://br.sputniknews.com/opiniao/2018052611315301-brasil-sao-petersburgo-forum-jornalismo-russia/

4.6.18

COBRA - Atualização – 31 de Maio de 2018

 

"RELATÓRIO DA CONFERÊNCIA DE TAIWAN E ATUALIZAÇÃO DA SITUAÇÃO PLANETÁRIA"

COBRA – COmpression & BReAkthrough (Compressão e Ruptura)

Nossa Conferência da Ascensão em Taipé foi uma continuidade enérgica da Conferência de Budapeste. Dias antes da conferência, as naves nuvens de Luz Pleiadianas, Sirianas, Andromedanas e Arcturianas, literalmente invadiram Taiwan para preparar as energias para a conferência:

Ativamos outro grande número de grupos da Irmandade da Rosa em todo o mundo e ancoramos enormes quantidades de Luz na grade planetária, deixando muitas pessoas profundamente transformadas.
A seguir, estão as transcrições relativamente precisas...

Conferência de Budapeste:
https://connect2lifeeu.blogspot.com/2018/05/the-ascension-plan-part-1.html
https://connect2lifeeu.blogspot.com/2018/05/ascension-protocols-part-2.html
https://connect2lifeeu.blogspot.com/2018/05/manifestation-process-part-3.html
https://connect2lifeeu.blogspot.com/2018/05/galactic-wave-of-love-part-4.html
https://prepareforchange.net/2018/05/16/notes-of-the-budapest-cobra-ascension-conference-april-2018/

Conferência de Taipé:
https://theearthplan.blogspot.com/2018/05/taipei-ascension-conference-12-13-may.html
https://theearthplan.blogspot.com/2018/05/taipei-ascension-conference-12-13-may_19.html
https://theearthplan.blogspot.com/2018/05/taipei-ascension-conference-12-13-may_20.html

Enquanto isso, a remoção do grupo chimera continua. As bombas toplet de plasma restantes estão enredadas na anomalia primária da população de superfície e as Forças da Luz estão realizando seus protocolos para desenrolar essa bagunça sem destruir o planeta no processo. No momento, nada mais pode ser dito sobre isso.

Desde a ativação da linha do tempo beta no final de Janeiro, as forças da Luz estão trabalhando com velocidade total para expor a existência de armas de energia dirigidas. 
Apenas dois dias após a morte de Isis Astara, o envolvimento das famílias da Nobreza Negra/arconte no assédio com energia dirigida foi exposto aqui:

https://ahuwahzeus583992924.wordpress.com/2018/01/31/psychotronic-terrorism/
https://ahuwahzeus583992924.wordpress.com/2018/03/16/zionic-mind-control/
https://ahuwahzeus583992924.wordpress.com/2018/02/28/maupeou-and-thales-group/

A mesma fonte, o blog "Ahuwahzeus", expôs a rede Nobreza Negra/arconte com grande precisão e com quase 90% de confiabilidade. Portanto, pode ser uma boa ideia armazenar as informações desse blog com segurança e repassá-las, caso o blog original venha a cair.

As famílias nobreza negra/arconte são os reais controladores da superfície do planeta. A maioria de suas linhagens se originam na Roma antiga. Nobreza Negra (aristocrazia nera) é descrita aqui:
https://ahuwahzeus583992924.wordpress.com/2018/02/23/nero-aristocrazia/

Eles controlam os Militares Negativos, através dos Cavaleiros de Malta (SMOM):
https://ahuwahzeus583992924.wordpress.com/2018/02/03/engineers-of-war-knights-of-malta/
Controlam a polícia negativa e polarizam partidos políticos, através dos Cavaleiros de Colombo:
https://ahuwahzeus583992924.wordpress.com/2018/02/13/vatican-death-squad-of-columbus/

Controlam o tecido da sociedade através dos Jesuítas:

https://ahuwahzeus583992924.wordpress.com/2018/02/04/jesuit-order-of-liars-terrorists-and-infiltrators/

Eles controlam o empreendimento comercial através de clãs da máfia:

https://ahuwahzeus583992924.wordpress.com/2018/02/21/made-men-of-rome/

As principais famílias de arcontes são:

A família Massimo (Maximus):
https://ahuwahzeus583992924.wordpress.com/2018/01/31/massimo-crime-family/
https://ltvfye.blogspot.com/2018/03/massimo-mafia-of-london.html
https://www.roguemoney.net/blog/2018/5/16/the-chair-serves-the-master

Família Breakspear (Lancelotti):
https://ahuwahzeus583992924.wordpress.com/2018/02/08/house-of-the-magicians/
Família Orsini (Ursus):
https://ahuwahzeus583992924.wordpress.com/2018/02/04/orsini-and-rosenberg-alchemical-mafia/
Família Aldobrandini/Brandolini:
https://ahuwahzeus583992924.wordpress.com/2018/02/05/tomb-of-aldobrandini/
https://ahuwahzeus583992924.wordpress.com/2018/04/24/vatican-accountants-and-bankers/

Família Colonna (Coluna):
https://ahuwahzeus583992924.wordpress.com/2018/02/04/colonna-crime-corporation/
Família Borgia (Borja):
https://ahuwahzeus583992924.wordpress.com/2018/03/15/borgia-mafia/
Família Pallavicini (Paladino):
https://ahuwahzeus583992924.wordpress.com/2018/01/31/pallavicini-crime-syndicate/
Família Torlonia (controladores do BIS):
https://ahuwahzeus583992924.wordpress.com/2018/01/31/torlonia-banking-mafia/
Família Theodoli (Teodósio) (Teodósio Primeiro foi um arconte que ordenou a destruição dos mistérios da Deusa em 391 DC):
https://ahuwahzeus583992924.wordpress.com/2018/02/07/devilish-tricksters/
Família Gaetani (os porteiros, manipuladores de Donald Trump, através dos clãs das  Cinco Famílias mafiosas de NYC e, através da família Mercer, que é uma família de mercadores da Nobreza Negra):
https://ahuwahzeus583992924.wordpress.com/2018/02/08/gaetani-crime-family/
https://ahuwahzeus583992924.wordpress.com/2018/02/07/don-trump-and-the-atlantic-city-mafia/
https://news.littlesis.org/05/05/24/mercer-family-front-groups-attack-universal-healthcare-bill-in-new-york-state/
https://www.independent.co.uk/news/world/americas/us-politics/mercer-funding-trump-anti-muslim-advert-group-claims-2016-election-documents-open-secrets-a8290986.html
https://en.wikipedia.org/wiki/Worshipful_Company_of_Mercers
https://www.telegraph.co.uk/finance/2948232/Lifting-the-lid-on-the-liveries.html

Todas essas famílias de linhagem formam uma rede interconectada que, efetivamente, controla a superfície do planeta, como descrito com bastante precisão aqui:
https://tabublog.com/2017/07/11/the-holy-grail-of-who-they-are-that-rule-over-us-all/
https://tabublog.com/2017/07/14/the-holy-grail-of-who-rules-and-controls-all-part-ii-must-see-and-share/

As Forças da Luz estão utilizando seus protocolos para a remoção das famílias arcontes do poder e libertar a superfície do planeta. A única coisa que posso dizer, é que essa mesma estrutura de "principados e poderes", também existe no plano plasmático e no plano etérico inferior e que estão, diariamente, sendo desmanteladas.
Vitória da Luz!

COBRA  - Portal 2012

Fonte: https://www.sementesdasestrelas.com.br/2018/06/cobra-relatorio-da-conferencia-de.html

2.6.18

Temer é incompetente e não existe governo no Brasil, dizem especialistas

 

Avaliação sobre reação à paralisação de caminhoneiros é compartilhada por dois especialistas ouvidos pela RFI nas áreas de direito constitucional e economia do trabalho

A greve de caminhoneiros que paralisou o Brasil expôs a falência do governo de Michel Temer e o descrédito da ampla maioria dos brasileiros nas instituições do país.

Mas até as eleições de outubro, o Brasil terá de resistir à pressão de uma parcela minoritária da população que aproveita o contexto de tensão social, política e econômica para pedir uma indefensável intervenção militar.

Essa avaliação é compartilhada por dois especialistas ouvidos pela RFI nas áreas de direito constitucional e economia do trabalho. 

"A incompetência do governo é total", diz Oscar Vilhena Vieira, professor de Direito Constitucional da Escola de Direito da Fundação Getúlio Vargas em São Paulo (FGV-SP).

Ele considera que Temer foi "inapto" ao não antecipar que a alta nos preços dos combustíveis, gerada pela política da Petrobras de acompanhar a oscilação internacional do barril de petróleo, criaria confronto num setor estratégico para a economia que é o transporte rodoviário de cargas.

Já o economista José Dari Krein, pesquisador do Centro de Estudos Sindicais e do Trabalho e professor do Instituto de Economia da Unicamp, critica o posicionamento do TST. "Infelizmente, na minha avaliação, há dois pesos e duas medidas do Judiciário em relação às greves. No caso dos caminhoneiros, há uma certa leniência e a greve conseguiu acontecer, enquanto na greve dos petroleiros, que também tem razões salariais decorrentes da política de gestão da empresa, ela é proibida liminarmente. Vejo claramente um atentado ao direito de greve, uma inibição do direito para alguns setores, e outros não", argumenta o professor da Unicamp.

Segundo Krein, a paralisação dos caminhoneiros ganhou o apoio de 87% dos brasileiros – como revelou uma pesquisa do instituto Datafolha nesta quarta-feira – porque a população está muito descontente com as orientações políticas que estão sendo conduzidas no país.

"Estão descontentes com todas as instituições, do poder Executivo ao Legislativo e Judiciário, que está extremamente desacreditado", constata o economista. Krein nota que o estímulo político à greve não passa pelos partidos tradicionais de direita e de esquerda por eles estarem mais comedidos em suas opiniões. "Os grupos que estimulam essa greve estão fora do jogo político tradicional, como o que defende a intervenção militar", explica.

Na opinião do especialista da Unicamp, a dimensão da greve dos caminhoneiros se explica pela "inexistência" de governo. "A palavra do presidente da República não vale nada na opinião da maioria dos manifestantes", observa Krein. Um indício desse descrédito é o fato de Temer ter publicado no Diário Oficial as garantias de controle de preços do diesel por 60 dias, além da redução de R$ 0,46 por litro, e o acordo não ser considerado algo aceitável.

Tanto a instituição da presidência da República quanto os meios de comunicação não contam com a confiança da população, constata. "Ninguém acredita mais em ninguém e isso terá consequências muito fortes para o futuro do país", adverte.

Esgarçamento do tecido social

"O Brasil passa por um enorme processo de estresse, com um esgarçamento do tecido social provocado principalmente a partir do impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff, em agosto de 2016", situa Vilhena.

Mas os sintomas já estavam presentes dois anos antes da destituição da petista, com a guerra travada entre os três poderes da República.

Paralelamente, prossegue o jurista, a operação Lava Jato foi abatendo a legitimidade dos atores políticos, a tal ponto que a sociedade se desencantou da política e surgem, no cenário atual, pessoas pedindo a intervenção das Forças Armadas. "Existe uma ordem constitucional e essa aventura não está na agenda", alerta o constitucionalista.

O Brasil passa por uma tempestade institucional, descreve figurativamente o professor de direito da FGV-SP. "As instituições têm usado suas atribuições para contestar os atos das outras instituições. A relação dos poderes, que deveria ter uma certa harmonia, passou a ser profundamente conflitiva, e na base existem problemas sólidos, robustos, de conflito ideológico, uma polarização criada principalmente a partir do impeachment, em que um lado nega ao outro o direito de ter ideias distintas", destaca o jurista.

Guerra de trincheiras

O momento é crítico, preocupante. "As forças democráticas estão sendo incapazes de construir um diálogo positivo. Estamos precisando que as pessoas abandonem as trincheiras para dialogar e construir uma alternativa, o que não é fácil em ano eleitoral. Mas prefiro acreditar na capacidade de resiliência dos brasileiros e esse é o caminho que devemos seguir", diz o professor da FGV-SP.

Krein, da Unicamp, também só vê uma solução à crise atual: "A adoção de um processo eleitoral legítimo, em que a vontade da maioria da população seja expressada". Ele lamenta que o processo político também esteja desgastado. "O candidato favorito está preso, e os outros candidatos em situação de disputar o segundo turno não conseguem reunir sequer um terço do apoio da população", destaca.

Na opinião do economista, as eleições de outubro são a única forma de se tentar resolver esse impasse, havendo risco de se sair do processo sem uma questão fundamental resolvida.

"A greve dos caminhoneiros mostrou que o discurso liberal, de que o mercado seja o agente organizador da vida econômica do país, é um discurso que não tem o apoio da população.

A política da Petrobras e outras políticas que o mercado defende como solução não têm o respaldo da sociedade", conclui Krein.

Ler na íntegra em...  https://operamundi.uol.com.br/conteudo/geral/49488/temer+e+incompetente+e+nao+existe+governo+no+brasil+dizem+especialistas.shtml

1.6.18

A Maria Antonieta brasileira... bela, recatada e do lar!

 

Mulher de Temer tem vida de luxo e 50 empregados pagos pelo povo brasileiro

Marcela Temer é comparada à rainha francesa Maria Antonieta, cujos hábitos extravagantes, de luxo e riqueza, contrastavam com a miséria a que o povo fora submetido.  Filha do imperador Francisco I, Maria Antonieta se casou com Luís XVI aos 14 anos. A ideia era fortalecer a aliança franco-austríaca.

No dia 14 de julho de 1789, fartos por não conseguirem comer nem o pão que o diabo amassou e, após ouvirem a suposta resposta da rainha sobre sua condição de miséria extrema (Se não têm pão, que comam brioches), os camponeses resolveram por abaixo a Bastilha (para onde eram mandados os ‘inimigos do reino’).

Luiz XVI que, segundo consta, não conseguia conter os gastos astronômicos da esposa, acabou guilhotinado. Nove meses depois foi a vez de Maria Antonieta perder, de vez, a cabeça.  A comparação feita pelo jornalista suíço Beat Metzler, é curiosa e só reforça o que já sabemos:  viramos uma espécie de piada de mau gosto do mundo político contemporâneo.

Leia, abaixo, o artigo do Tagesanzeiger, que não é nenhum jornalzinho: tem “só” 133 anos de circulação…

A Maria Antonieta brasileira

A nova primeira-dama Marcela Temer gasta com prazer o dinheiro dos outros. Ela ocupa em sua residência 50 empregados às custas do Estado.

Marcela Temer, primeira-dama do Brasil, poderia ter saído de um catálogo de desejos cunhado por uma publicação voltada para o público masculino. Ela foi descrita por uma revista como “bela, recatada e do lar”. E isso foi entendido como elogio.

O afastamento da presidente de esquerda Dilma Roussef por Michel Temer divide o país. A esposa de Temer, Marcela, aprofunda o abismo. Para seus críticos, ela incorpora o caráter reacionário do novo governo, ocupado apenas por homens brancos, grisalhos e ricos.

Marcela escolheu o caminho mais rápido para subir: ela casou-se com um homem branco, grisalho e rico. E tinha apenas 19 anos, quando encontrou Michel Temer. Ele tinha 62. Marcela cresceu como filha de classe média em uma cidade do interior de São Paulo. Além de carregar o título de vice-rainha-da-beleza, trabalhava na recepção de um jornal local, quando, em 2002, acompanhou parentes a um evento do PMDB.

Foi onde viu Michel Temer, milionário conhecido e há muitos anos deputado pelo PMDB. Ela pediu para tirar uma foto com ele, o que de fato ocorreu. E pediu também seu número de telefone. A mãe acompanhou-a no primeiro encontro e um ano depois eles já se casavam. Foi uma festa secreta, pois o abismo de 43 anos entre os dois não era exatamente apresentável.
Os pais de Marcela não estão incomodados: “Isso é só o choro dos invejosos” disse a mãe.

Marcela disse recentemente: “É como se Michel tivesse 30 anos. A idade não importa”. Quando Michel Temer ainda era Vice- Presidente, em 2011, rapidamente sua esposa se tornou a queridinha dos tabloides.

Louvavam seu bom estilo e ela chegou até a ser comparada com Carla Bruni e Jackie Kennedy. Temer publicou um livro de poemas sobre sua vida amorosa, fotos eróticas de Marcela foram divulgadas. Ela faz o papel de uma dona de casa fiel, que leva seu filho para a escola e tem « Michel » tatuado em seu pescoço.

Marcela desfrutava da riqueza. Na residência oficial do vice-presidente, ela mandou executar reformas milionárias “para que seu filho se sentisse em casa”. A família de três membros ocupa 50 funcionários, entre eles quatro empregadas, que cuidam apenas de lavar e passar roupas. Tudo isso pago pelo Estado.

Além disso, Marcela viajou ao lado da mãe e de uma irmã, em voo de primeira classe rumo a Nova York e Miami, para fazer compras durante um dia – o que ela própria documentou alegremente na internet. Durante um encontro de cúpula da ONU, cujo tema era a sustentabilidade, ela mandou organizar um desfile de moda de jóias.

Ton Müller – Blog VerdadeMundial

Fonte: https://verdademundial.com.br/2018/05/mulher-de-temer-tem-vida-de-luxo-e-50-empregadas-pagos-pelo-povo-brasileiro/

01.06.18

Governo corta incentivos para compensar perda de receita com diesel

 

Com as mudanças, o governo prevê arrecadar R$ 4 bilhões (... mas...)

Jomarion... Governo Temer corta incentivos a programas do SUS,  moradia, educação e reforma agrária... além de ciência e tecnologia... há nove dias que as mídias alinhadas só falam da greve dos caminhoneiros (legítima por sinal) mas sobre a alta indecente da gasolina para 4,80 ninguem fala nada! Peço aos amigos que repassem as informações abaixo...

Governo se apressa para pagar bancos da elite global

 

Petrobrás antecipa pagamento de US$ 900 mi em dívidas bancárias

(Para JPMorgan e Banco Safra)

 

A Petrobras anunciou nesta sexta-feira (11) o pré-pagamento de US$ 900 milhões em dívidas bancárias, como parte de estratégia para reduzir o seu nível de endividamento. 

Nos últimos meses, a empresa vem acelerando o pagamento de dívidas com o uso de recursos recebidos com a venda de ativos. No último dia 2, por exemplo, resgatou antecipadamente US$ 1,4 bilhão em títulos com vencimento em 2020.

Do total pago nesta sexta, US$ 300 milhões eram de dívida com o Banco Safra, cujo vencimento seria em janeiro de 2023, e US$ 600 milhões com o JP Morgan, de dívida vincendo em setembro de 2022.

"A Petrobras continuará avaliando novas oportunidades de pré-pagamento, de acordo com a sua estratégia de gerenciamento de passivos", disse a petroleira, em comunicado.

Em seu plano de negócios, a Petrobras tem como meta atingir ao final de 2018 um indicador de dívida líquida sobre geração de caixa medida pelo Ebitda inferior a 2,5 vezes. Ao fim do primeiro trimestre, eram 3,52 vezes.

O indicador mostra quantos anos de geração de caixa a companhia precisa para pagar toda a sua dívida.
No primeiro trimestre, o endividamento líquido da Petrobras era R$ 270,7 bilhões, 3,5% a menos do que no mesmo período do ano anterior. O prazo médio de pagamento foi ampliado para 9,26 anos, contra os 7,61 do mesmo período de 2017. 

Até 2014, companhia tinha um grande volume de vencimentos concentrado no final da década - média de R$ 16 bilhões por ano entre 2018 e 2020 - o que gerou alertas a respeito de sua capacidade de pagamento.

Com pré-pagamentos e rolagem de dívidas, conseguiu empurrar os prazos para meados dos anos 2020. Agora, o ano com o maior valor em vencimentos, R$ 17,7 bilhões, é 2022. Até 2020, restam R$ 11,1 bilhões.

MAIS VALIOSA

Nesta quinta (10), a Petrobras retomou o posto de empresa mais valiosa da América Latina, desbancando a AMBEV da posição que ocupava desde outubro de 2014.

Impulsionada pela valorização do petróleo nos últimos dias, a petrolífera atingiu R$ 358,9 bilhões em valor de mercado, segundo cálculos de Einar Rivero, da empresa de informações financeiras Economática.

Na terça (8) a petroleira anunciou lucro de R$ 6,96 bilhões no primeiro trimestre de 2018, alta de 56,4% em relação ao mesmo período do ano passado.

Silvia Izquierdo –  Folha 

Fonte: https://www1.folha.uol.com.br/mercado/2018/05/petrobras-antecipa-pagamento-de-us-900-mi-em-dividas-bancarias.shtml

Jomarion lembra que esta grande e importante estatal esta sendo "leiloada" pelo Governo Temer e será mais uma riqueza perdida para beneficiar corporações da "elite illuminati" e penalizar ainda mais o povo brasileiro!

Conspirações Sinistras em Brasilia

Com greve dos caminhoneiros, conspirações sinistras tomam Brasília

* A hipótese de Temer ser substituído por militares é discutida abertamente no Congresso...

* Se o governo não tem condições de governar, vai embora, renuncia...

* Discussões sobre o que fazer em caso de Temer ser retirado do palco estão a todo vapor no Congresso e no Judiciário...

Michel Temer está por um fio. A greve dos caminhoneiros deixou claro que o presidente que já não tinha popularidade perdeu também a autoridade. Em Brasília, o establishment discute o que fazer com o “pepino” e com o País. As cartas na mesa são sinistras: militares no poder e parlamentarismo.

A hipótese de Temer ser substituído por militares é discutida abertamente no Congresso, como a reportagem testemunhou na segunda-feira 28. Numa rodinha, alguns obscuros deputados diziam que uma intervenção contra o presidente talvez fosse a solução e tentavam se lembrar de como havia sido no golpe de 1964. O Congresso foi fechado?

O carioca Miro Teixeira, do partido Rede, passava por perto neste momento e rememorou que o golpe cassou parlamentares. Podia ter dito também que o fechamento do Legislativo aconteceu de vez em 1968, por quase um ano, no embalo do AI-5.

O medo de o Congresso ser sacrificado juntamente com Temer, na hipótese de intervenção militar, era a preocupação do paulista Celso Russomano, do PRB, como disse numa conversa, vista por CartaCapital, com o conterrâneo Ivan Valente, do PSOL.  Para Russomano, o Congresso deveria assumir as rédeas do País, esquecer o governo e dar uma resposta política à greve caminhoneira votando, por exemplo, a redução de impostos.

Russomano contou que no fim de semana havia falado com o comandante militar do Sudeste, general Luiz Eduardo Ramos Baptista Pereira, sobre os desdobramentos da greve. Pelo relato do deputado,  o general teria dito, de forma preocupada, que Brasília precisava dar um jeito de resolver a crise, do contrário, havia risco de rebelião da tropa, o pessoal de baixa patente.

Segundo alguns relatos em Brasília, a alta oficialidade das Forças Armadas não quer ter de descascar o abacaxi político criado pelos civis. Um general de pijama afirmou algo parecido em entrevista à Folha do domingo 27.

“Tem gente que quer as Forças Armadas incendiando tudo. E a coisa não pode ser assim, não pode ser desse jeito”, comentou Antônio Mourão. “Se o governo não tem condições de governar, vai embora, renuncia. Antecipa as eleições, faz qualquer coisa, mas sai do imobilismo dele.

O que não significa que nas Forças Armadas não haja saudosos da ditadura de 1964, para os quais é dever deles comandar o País. Quando comandaram, mataram brasileiros com autorização pessoal dos ditadores-presidentes, como mostra um documento da CIA descoberto recentemente.

O documento foi citado pelo procurador de Justiça Andrey Borges de Mendonça em uma denúncia apresentada na segunda-feira 28 contra dois agentes da ditadura, o então tenente-coronel Mauricio Lopes Lima e o suboficial Carlos Setembrino da Silva, responsáveis por duas execuções em 1970.

Os atuais comandantes do Exército, general Eduardo Villas Boas, da Aeronáutica, tenente-brigadeiro do ar Nivaldo Rossato, e da Marinha, almirante de esquadra Eduardo Bacellar Leal Ferreira, chegaram à patente máxima depois de encerrada a ditadura. Foram nomeados para os cargos atuais no início do segundo (e abortado) governo Dilma Rousseff, em 2015.

No início de maio, um parlamentar de partido do campo progressista, o campo varrido da política no golpe de 1964, esteve com Eduardo Bacellar. E diz ter ouvido dele que o interesse da Marinha é tocar seus projetos, como o da construção do submarino movido a energia nuclear. Se meter com política, não.

O cumprimento burocrático, pelo Exército, da intervenção decretada por Temer na segurança pública do Rio é apontado por este mesmo parlamentar como um indicativo de indisposição militar para entrar em cena. Temer quis colher dividendos eleitorais com o gesto, mas fracassou.

Na véspera do julgamento do habeas corpus do ex-presidente Lula pelo Supremo Tribunal Federal, em abril, o chefe do Exército, Villas Boas, publicou comentários dúbios no Twitter. Não eram exatamente a instigação de golpe, mas davam margem à interpretação de pressão para o STF não soltar o petista.

Um dia depois, Rossato, da FAB, divulgou uma nota crítica à postura do general. Sem dubiedades. “É muito importante que todos nós, militares da ativa ou da reserva, integrantes das Forças Armadas, sigamos fielmente à Constituição, sem nos empolgarmos a ponto de colocar nossas convicções pessoais acima daquelas das instituições”, escreveu. “Tentar impor nossa vontade ou de outrem é o que menos precisamos neste momento.”

Milicos à parte, as discussões sobre o que fazer em caso de Temer ser retirado do palco estão a todo vapor no Congresso e no Judiciário. Na quarta-feira 23, o Senado pôs para andar um projeto adormecido há dois anos sobre eleição indireta, restrita a parlamentares, no caso de o Brasil perder o presidente no segundo biênio do mandato deste governante.

Na sexta-feira 25, a presidente do Supremo, Cármen Lúcia, que é fã de Temer, tirou da gaveta uma ação que pode destravar a adoção do parlamentarismo. A ação é de 1997 e pergunta ao STF: o Congresso pode acabar com o presidencialismo por conta própria? Ou o povo precisa concordar, mediante plebiscito? O julgamento foi marcado para 20 de junho.

Os brasileiros já se manifestaram duas vezes sobre o parlamentarismo. Em ambas, a ideia foi surrada. Em 1963, o presidencialismo teve 82% dos votos. Em 1993, seu adversário teve 25%.

Temer se salvou no cargo no ano passado, no escândalo da JBS/Friboi, em boa medida com a classe política a alegar que era desejável evitar instabilidade e esperar pela eleição normal de outubro de 2018. Agora essa mesma classe política impedirá a população de eleger o próximo presidente, via parlamentarismo? Adiará as eleições? É o que se pergunta um emedebista no Senado.

A chance de o establishment político (MDB, PSDB, DEM etc) vencer em outubro é outro combustível do parlamentarismo. Em um recente relatório, a consultoria internacional Eurasia Group disse a clientes do “mercado” que a campanha de 2018 no por aqui será antiestablishment, devido ao desencanto com a economia e a corrupção.

Pela direita, só quem sem mostra competitivo é um extremista, Jair Bolsonaro. Que era a favor da greve dos caminhoneiros, mas na segunda-feira 28 gravou um vídeo e botou-o para circular no Facebook com um pedido para a categoria voltar ao batente. O motivo? “Quem aposta no pior, melhor é exatamente essa esquerda comunista que está aí”, disse.

Um líder da categoria onde Bolsonaro tem muitos fãs, Wanderlei Dedeco, do Paraná, esteve nesta terça-feira 29 no Congresso para debater a crise. À reportagem, disse ter gravado um outro vídeo, a defender que a paralisação continue.

Segundo ele, os caminhoneiros não podem retomar o serviço se apenas o preço do diesel for reduzido. O da gasolina também tem de cair, afirmou, “se não a população que nos apoiou não vai ganhar nada”.

Da tribuna da Câmara, Dedeco avisou que “a paralisação continua 100%”. E concluiu: “Tudo o que acontecer agora no Brasil de hoje em diante é com o presidente da Petrobras (Pedro Parente) e o presidente Temer”.

https://www.cartacapital.com.br/politica/com-greve-dos-caminhoneiros-conspiracoes-sinistras-tomam-brasilia

30.5.18

Guerra Civil no Ocidente (Cita o BRASIL)

Benjamin Fulford - 28.05.2018

"NOVA CRISE FINANCEIRA, PROVAVELMENTE, COM A INTENSIFICAÇÃO DA GUERRA CIVIL NO OCIDENTE, EM WASHINGTON DC., EUROPA, BRASIL E OUTROS LUGARES "

Benjamin Fulford – 28.05.2018

*... golpe contra Bush e a facção nazista da Cabala, pode vir em breve na forma de um golpe militar no Brasil, segundo fontes do Pentágono...  uma greve de caminhoneiros paralisou a economia e espera-se que isso seja o gatilho de um “golpe militar” que irá reabilitar os ex-presidentes Dilma Rousseff e Lula da Silva "de usurpadores sionistas que tomaram o controle do Banco Central, em 2016"...
 

A guerra civil não declarada dentro das fileiras da elite Ocidental continua furiosa, com ambos os lados realizando grandes ofensivas.

Em última análise, esta batalha é entre as antigas linhagens aristocráticas de sangue, mais fortes na Europa e os Illuminati Gnósticos que são contra essas linhagens, atualmente predominantes nos EUA.
O maior campo de batalha continua sendo Washington, D.C., onde o antigo establishment está lutando por sua vida e perdendo contra o regime de apoio militar do Presidente Donald Trump.
No entanto, na Europa, a situação também está se aquecendo intensamente, na medida em que que a aliança euro-asiática Rússia/China se movimenta para consolidar o controle ali, numa aliança com algumas facções da antiga linhagem, de acordo com fontes da Sociedade Dragão Branco – SDB, na Europa.

A Alemanha e a Turquia, revivendo uma aliança da Primeira Guerra Mundial, estão liderando o movimento anti-EUA por lá.

Além disso, o novo governo da Itália declarou guerra aberta contra a cabala da máfia khazariana num movimento que resultará em nova turbulência na zona do euro.
Vamos começar com uma análise da situação nos EUA.

Lá, os militares dos EUA estão apoiando o Presidente Donald Trump em alguns aspectos, enquanto em outros lutam contra ele.

Essa postura ambígua pode ser vista na forma de uma ofensiva contínua contra pedófilos e outros elementos corruptos do antigo establishment.
Uma fonte do Pentágono resumiu a situação da seguinte maneira:

“Depois de 8 meses de desafio, os liberais estão se recuperando de sua derrota na revolução cultural, quando a NFL, que  foi forçada a banir o ato de ajoelhar quando o hino nacional é cantado, quase 8 meses depois de uma Exposição em Nova York, os promotores de Manhattan foram obrigados a prender Harvey Weinstein.

Além disso, a iminente aposentadoria do Juiz da Suprema Corte, Anthony Kennedy, deve dar a Trump o controle de seu regime sobre esta Suprema Corte, disseram as fontes.  Isso permitirá realizar as tão esperadas detenções em massa, sem a interferência de agentes cabalistas no sistema judiciário, observam as fontes.

Também, fará uma grande diferença na revolução dos valores, uma vez que a resistência aos valores familiares e a promoção do sexo não reprodutivo se intensificam no meio cristão.
O julgamento de Harvey Weinstein (abusador e pedófilo) está colocando muita pressão sobre a elite de Hollywood. Fontes do Pentágono estão dizendo que Weinstein "sinaliza com um livro no qual acusará o diretor comunista Elia Kazan, que pretende atacar outros predadores e pedófilos em Hollywood".

“O testemunho de Kazan, como testemunha, diante do Comitê da Câmara sobre Atividades Antiamericanas, em 1952, (época da lista negra de Hollywood)  rendeu-lhe fortes reações negativas de muitos amigos e colegas liberais ”.
https://en.wikipedia.org/wiki/Elia_Kazan
Agora, vários outros ratos têm cantado como canários, numa tentativa de abandonar o navio da cabala que está afundando.

Em particular, sabemos que Jeffrey Epstein, que administrava uma ilha de pedófilos, usada para comprometer e chantagear políticos de elite, agora, é um informante do FBI, que vem abrindo o bico para o promotor especial dos EUA, Robert Mueller.

Isso é importante, porque Mueller, apesar de seu passado contaminado pelo 11/09, está trabalhando para os militares americanos.

Como o próprio Trump foi um dos visitante dessa ilha de pedófilos, os militares estão recebendo provas de que ele foi chantageado para favorecer Israel em lugares como a Síria e o Irã, disseram fontes do Pentágono.

O contra-ataque contra a atividade Sionista induzida por chantagem contra Trump no Oriente Médio pode ser visto quando “a Câmara, em 23 de Maio, proibiu Trump de declarar guerra ao Irã sem aprovação do Congresso e o Congresso, em 24 de Maio, aniquilou uma medida, para os EUA reconhecerem Golan como parte de Israel ”, dizem as fontes.

Em outras palavras, a chantagem Sionista contra Trump não vai ser suficiente para dar a esses fanáticos a oportunidade de iniciar sua tão aguardada Terceira Guerra Mundial.
Enquanto isso, outras fontes do Pentágono estão dizendo que uma grande vitória contra os bancos controlados pelos Sionistas foi alcançada na semana passada e que, como resultado, trilhões de dólares obtidos fraudulentamente após a crise de Lehman, agora, serão usados para um novo sistema financeiro.

Disse a fonte:
“Um dólar americano apoiado em ouro se aproxima no horizonte... o governo dos EUA vai parar de pedir dinheiro emprestado aos bancos... Donald Trump pode, talvez... ter conseguido de volta US $ 15 trilhões em “créditos” dos US $ 23-43 trilhões, reconhecidos de terem sido roubados pelos bancos.

O mais importante para o público americano é que em algum momento de Junho, 1 (um) trilhão de dólares será liberado na economia dos EUA, através, de administradores confiáveis (pessoas normais, muitas delas veteranas) para inspirar uma criação de empregos e um novo boom de construção como jamais visto e feito, desde o rescaldo da Segunda Guerra Mundial.

Investimentos maciços em cidades do interior, de população de maioria negras, e áreas rurais brancas empobrecidas, também, fazem parte desse acordo.”
Este movimento financeiro, se for realizado, definitivamente estará ligado às contínuas intrigas, em andamento, na Arábia Saudita, principal e atual financiador do velho petrodólar.

Lá, o monarca de fato - Mohammad bin Salman - não é visto em público, desde que um tiroteio foi relatado em seu palácio, em 21 de Abril de 2018.

Esta medida contra Salman, que foi colocado no poder por forças especiais israelenses, está definitivamente ligada aos ataques contra o agente Saudita e ex-Diretor da CIA, John Brennan, dizem as fontes.

Brennan agora está sendo responsabilizado como a fonte de toda a caça às bruxas do caso "Russiagate" contra Trump. Dizem elas:

’John Brennan, deveria quebrar a cápsula de vidro e tomar o cianeto, agora’, disse Roger Stone (confidente de Trump) para Amanda House, vice-diretora política da Breitbart News e apresentadora do Breitbart News Daily. ‘Ele (Brennan) é o criminoso que começou todo esse “dossiê russo”. Ele mentiu sob juramento e irá morrer em alguma penitenciária federal.”
https://treason.news/2018-05-25-roger-stone-former-cia-director-john-brennan-will-die-in-a-federal-penitentiary-treason.html
Sem dúvida, o estresse sobre a morte iminente de seu protegido Brennan é uma das razões pelas quais George W. Bush, de 93 anos, novamente, estar de volta ao hospital.
https://www.upi.com/Top_News/U.S./2018/05/27/George-HW-Bush-hospitalized-with-low-blood-pressure-fatigue/6491527449383/?utm_source=dlvr.it&utm_medium=twitter

Outro golpe contra Bush e a facção Nazista da cabala, pode vir em breve na forma de um golpe militar no BRASIL, segundo fontes do Pentágono. Lá, uma greve de caminhoneiros paralisou a economia. 

Espera-se que isso seja o gatilho de um golpe militar que irá reabilitar os ex-presidentes Dilma Rousseff e Lula da Silva "de usurpadores Sionistas que tomaram o controle do Banco Central, em 2016", dizem as fontes.

Os Sionistas, também, fracassaram em seu recente esforço para impedir um acordo de paz com a Coréia do Norte usando seu agente John Bolton para emitir declarações provocativas.

Este movimento deveria ser coordenado com um ataque na Coréia por um submarino israelense que finge ser um submarino norte-coreano, disseram fontes do Pentágono.

No entanto, em vez disso, os Sionistas perderam outro submarino perto da Coréia, disseram as fontes.
Uma furiosa batalha pelo planeta Terra, também, está se desenrolando na Europa.

Lá, observadores de mercados, estão vendo sinais óbvios de que uma nova crise está chegando.

Enquanto a Alemanha e a França estão olhando cada vez mais para a Rússia e a China, a situação a ser observada, agora, se estabelece na Itália e na Espanha.

Espanha e Itália estarão presentes no circulo de notícias, nas próximas semanas.

Colocando essa situação em perspectiva, os PIBs italianos e espanhóis juntos valem mais de US $ 3 trilhões, ou 16 vezes o PIB de US $ 194 bilhões da Grécia. Isso significa que a crise será 16 vezes maior do que a crise grega que, por si só, quase liquidou com o euro.

Agora, os italianos têm um governo que planeja fazer algo a respeito da lenta destruição da economia italiana, causada por sua participação no euro, ao emitir uma nova moeda para pagar os vários planos para consertar a economia da Itália.

O antigo establishment está muito aborrecido com o novo governo italiano, pelo fato do presidente italiano, Sergio Mattarella, ter vetado seu candidato ao cargo de Ministro da Fazenda, por este se opor ao euro.

O presidente italiano deve ser uma figura de proa e esse movimento resultará num ataque aberto ao estado profundo italiano, de acordo com fontes da Loja Maçônica P2.

O líder do Movimento Cinco Estrelas, um partido anti-establishment, Luigi Di Maio, no Domingo, disse que o presidente Sergio Mattarella deveria sofrer um impeachment por trair o estado, por causa de sua rejeição a um euro céptico como Ministro da Economia.
https://www.reuters.com/article/us-italy-politics-impeachment/italys-5-star-leader-says-president-should-be-impeached-idUSKCN1IS0S1
https://www.bloomberg.com/news/articles/2018-05-28/italy-s-establishment-vetoes-the-populists

Algo comparável é susceptível de acontecer na Espanha, por causa de problemas estruturais semelhantes e relacionados com o euro.  São problemas que só podem ser resolvidos por esses países, seja desistindo de sua soberania econômica ou emitindo sua própria moeda.

Os governos de ambos países são favoráveis à emissão de novas moedas.

No entanto, quaisquer novas moedas no Sul da Europa não só colocariam em risco o euro, elas também abririam o caminho para a grande Kahuna - uma nova moeda para os Estados Unidos substituir ou coabitar sem o dólar americano dos americanos.
Em outras palavras, o paradigma financeiro existente, irá enfrentar sua maior crise, desde o choque do Lehman que, desta vez, pode não sobreviver sem uma reinicialização completa do sistema.

Até que isso aconteça, podemos esperar turbulências financeiras.
Normalmente, nessas crises, as primeiras vítimas serão aquelas com carteiras de jogos mais arriscadas - nesse caso, as pessoas que compraram títulos de alto risco e ações a preços historicamente insustentáveis.

https://www.zerohedge.com/news/2018-05-26/12-indications-next-major-global-economic-crisis-could-be-just-around-corner

Numa nota final, informamos aos nossos leitores que existe muita coisa que estamos sendo solicitados a não revelar por enquanto, a fim de evitar a interferência dos bandidos (cabala).  No entanto, podemos dizer que os mocinhos, com planos muito bons para o planeta estão avançando para a vitória.

A liberação planetária vai chegar em breve. 

29.5.18

CUT/Vox Populi: Lula vence no 1° Turno com mais que a soma dos demais

 

O plano golpista de manter o ex-presidente Lula fora das urnas em outubro, impedindo que o povo brasileiro possa escolher, numa eleição livre e democrática, o destino que quer para o país esbarra em um forte adversário: a vontade popular.

Mesmo estando sendo mantido como preso político há mais de 50 dias, Lula segue como líder absoluto na preferência do eleitorado. Na mais recente pesquisa de intenções de voto, Lula seria eleito já em primeiro turno e derrotaria qualquer adversário com ampla margem de votos caso disputasse um segundo.

A conclusão é baseada nos dados da pesquisa CUT/ Vox Populi divulgada nesta segunda-feira (28), em que o ex-presidente alcançou 39% das intenções de voto – mais até do que a soma dos seus adversários, que atinge 30%. Dos votos válidos, Lula tem 56,1%.

Na pesquisa estimulada, o segundo colocado, com praticamente um terço das intenções de voto de Lula, é o deputado Jair Bolsonaro (PSL), com 12%; seguido de Marina Silva (Rede), com 6%; Ciro Gomes (PDT), com 4%; Geraldo Alckmin (PSDB), com 3% e Álvaro Dias (Podemos), com 2%.

Henrique Meirelles (MDB-GO), Manuela D’Ávila (PC do B) e João Amoedo (Novo-RJ) têm cada um 1% das intenções de votos. Já Flávio Rocha (PRB-RN), Guilherme Boulos (Psol-SP), João Vicente Goulart (PPL), Rodrigo Maia (DEM-RJ) e Paulo Rabelo de Castro (PSC) não pontuaram. O percentual dos que não vão votar em ninguém, brancos e nulos totalizou 21% e não sabem ou não responderam, 9%.

No Nordeste, Lula tem 56% das intenções de votos, contra 7% de Bolsonaro e Ciro, que empatam na Região; Marina tem 6% e Alckmin apenas 1%. Os demais não pontuaram. No Sul, 31% dos entrevistados votariam em Lula, 18% em Bolsonaro e 10% em Álvaro Dias; Marina e Ciro empatam, com 4% cada e Alckmin aumenta para 2%, empatando com João Amoedo. Meirelles, Manuela e outros têm 1%.

Já no cenário espontâneo, Lula também está bem na frente dos demais candidatos. O ex-presidente tem 34% das intenções de votos, Bolsonaro surge em segundo lugar, com 10%; Ciro e Alckmin voltam a empatar, com 3% cada; Marina e Joaquim Barbosa, que desistiu da candidatura, surgem com 2% cada; e Álvaro Dias, com 1%. E 5% dos entrevistados disseram que vão votar em outros, 25% ninguém, brancos e nulos, e 16% não sabem ou não responderam.

Nas simulações de segundo turno, Lula venceria todos os adversários com larga vantagem. Venceria Marina com 45% contra 14% da candidata da Rede; Já contra Alckmin e Bolsonaro, Lula alcançaria 47% dos votos contra 11% e 16%, respectivamente.

O candidato do povo e do PT

No dia em que a prisão política e arbitrária do presidente Luiz Inácio Lula da Silva completou 50 dias, diversas cidades brasileiras realizaram no domingo (27) o aquecimento da pré-candidatura de Lula à Presidência da República.  A presidenta do PT, senadora Gleisi Hoffmann, fez um balanço sobre os atos que ocorreram nas capitais e em centenas de cidades do país.

“Os atos por Lula aconteceram em todo o Brasil. Isso mostra a vitalidade de nossa militância e a vontade de ter Lula presidente novamente! Queremos Lula pra tirar o país da crise. Lula pode e será nosso candidato. Dia 9 será o grande ato nacional de lançamento”, afirmou Gleisi.

No Rio de Janeiro, também no domingo, o líder do PT no SenadoLindbergh Farias, participou do ato quando destacou que Lula é o plano A, B e L do Partido dos Trabalhadores. “Eles queriam que a gente desistisse de Lula, que pensássemos em Plano B. O futuro é incerto, mas com certeza a luta vale a pena e vamos até o fim com Lula. Quando falei com ele em Curitiba ele me disse que tem cada vez mais certeza que foi preso por que permitiu ascensão das classes mais pobres”.

O líder do PT na CâmaraPaulo Pimenta, participou de uma marcha em Brasília que percorreu o Eixão Sul. “Com ousadia e coragem vamos reconstruir o Brasil! Vem com a gente, vem com Lula”, disse o parlamentar que se emocionou diversas vezes durante o ato.

Opinião pública não perdoa golpistas

O diretor do Instituto Vox Populi, Marcos Coimbra, chama a atenção para o pífio desempenho dos candidatos ligados ao ilegítimo Michel Temer (MDB-SP) que, juntos com o presidente, deram o golpe de estado e levaram o Brasil para o caos atual. “Parece que a opinião pública não perdoa o comportamento do partido de 2014 para cá”, diz.

Para o presidente da CUT, Vagner Freitas, os brasileiros não esquecem que Lula aqueceu a economia, gerou mais de 20 milhões de empregos e distribuiu renda, apesar da crise de 2008 que derrubou bolsas em todo o mundo e levou a economia da Europa e dos Estados Unidos à bancarrota.

“O que temos agora são quase 14 milhões de desempregados, fora os subempregados, aumentos absurdos da gasolina, diesel e gás de cozinha e um governo acuado, desacreditado e sem capital político sequer para negociar o fim de uma mobilização de caminhoneiros”, pontua Vagner.

A pesquisa CUT/Vox Populi foi realizada com brasileiros de mais de 16 anos, residentes em áreas urbanas e rurais, de todos os estados e do Distrito Federal, em capitais, regiões metropolitanas e no interior, de todos os estratos socioeconômicos.

Foram ouvidas 2.000, em entrevistas feitas em 121 municípios. Estratificação por cotas de sexo, idade, escolaridade e renda.  A margem de erro é de 2,2 %, estimada em um intervalo de confiança de 95%.

Ricardo Stuckert

https://www.pt.org.br/cut-vox-populi-lula-vence-no-1-com-mais-que-a-soma-dos-demais/

29.5.18

Lulu Santos e Roberto Carlos apoiam a Greve

Lulu Santos em Carta aberta sobre o Brasil: “Não podemos admitir”

Cantor de MPB em Carta publicada no Jornal Diário de São Paulo.

Hoje, vendo pessoas morrendo em filas de Hospitais, bandidos matando por R$ 10,00 e pessoas andando feito zumbis nas ruas por causa das drogas, adolescentes que não sabem quanto é 6 x 8, meninas de 14 anos parindo filhos sem pais, toda a classe política desse país esfregando a bandalheira na nossa cara e desfilando uma incompetência absurda, o nosso país sendo ridicularizado por tantos escândalos…

Eu peço perdão ao Brasil pela porcaria que fiz…

Deveria ter ficado em casa quieto ao invés de ir às ruas. Lutei pra que? Pra ver corrupto no poder fazendo manobras pra se manter no poder e por quê agora estamos quietos? Cade você nas ruas? Esqueçam cor de bandeiras. Vamos nos unir e lutar por um só motivo: nossos direitos.

SOMOS mais de trinta milhões de aposentados!

Não podemos admitir:

Policial R$ 3.660,00 para arriscar a vida;

Bombeiro R$ 3.960,00 para salvar vidas;

Professor R$ 2.200,00 para preparar para a vida;

Médico R$ 9.260,00 para manter a vida;

E o Deputado Federal?

R$ 26.700,00 (Salário)

R$ 94.300,00 (Verba de Gabinete)

R$ 53.400,00 (Auxílio Paletó)

R$ 5.000,00 (Combustível)

R$ 22.000,00 (Auxílio Moradia)

R$ 59.000,00 (Passagens Aéreas)

R$ 17.997,00 (Auxílio Saúde)

R$ 12.100,00 (Auxílio Educação)

R$ 16.400,00 (Auxílio Restaurante)

R$ 13.400,00 (Auxílio Cultural)

Mais...

Auxílio Dentista

Auxílio Farmácia

E outros, para LASCAR as nossas vidas!

E o trabalhador R$ 937,00 para sustentar a família.

Será que o problema do Brasil são os trabalhadores? Os aposentados?

Fonte: https://verdademundial.com.br/2018/05/lulu-santos-em-carta-aberta-sobre-o-brasil/

 

Roberto Carlos defende a Greve

 

O cantor Roberto Carlos defendeu a greve dos caminhoneiros, que entra em seu sétimo dia, durante show, ontem (26), em São José do Rio Preto (SP). 

Roberto, que raramente tece comentários sobre política, foi aplaudido pelo público.

"Às vezes, os fins justificam os meios", disse o rei. Meu carinho e meu respeito por todos os caminhoneiros que fazem esse movimento", completou.

Roberto Carlos defendeu greve durante show

Empolgado com a reação do público, Roberto prosseguiu: "As causas que eles estão reivindicando com certeza não são só deles, são também nossas causas. Meu carinho para todos nossos heróis caminhoneiros. Um abraço para estes nossos heróis de todas as estradas".

O rei também aproveitou para elogiar os caminhoneiros que fazem parte de sua equipe. "Para gente realizar esse show, por exemplo, tivemos o trabalho de caminhoneiros valentes, que enfrentam coisas incríveis", comentou. Depois, Roberto citou nominalmente um por um.

"Esses caminhoneiros estão mostrando para nós como eles são importantes na nossa vida", finalizou o cantor.

Em enquete realizada pelo JB Online, 78% votaram a favor da greve dos caminhoneiros. 4852 pessoas já responderam ao questionamento.

https://www.jb.com.br/cultura/noticias/2018/05/27/roberto-carlos-defende-greve-dos-caminhoneiros-durante-show-em-sp/

27.5.18

 

Foto de Moro com Parente em Nova York resume a tragédia dos combustíveis no Brasil

 

Entenda por que a foto do juiz Sergio Moro com o presidente da Petrobras, Pedro Parente, em Nova York, explica o caos sem precedentes no abastecimento no Brasil

As panelas estão em silêncio, mas,  paneleiros renintes, com a cabeça feita pelos analistas da Globo, continuam tagarelando nas redes sociais, e tentam colocar a culpa do caos gerado na vida dos brasileiros aos governos de Dilma e Lula.  Incrível!

Michel Temer assumiu o governo com a mão grande e, imediatamente, implantou o plano de governo derrotado nas urnas. O PSDB é condômino de um governo que não nasceu das urnas. A promessa era que, com Dilma fora, os investimentos voltariam, o dólar cairia e o desemprego diminuiria.

Basta olhar os números para ver o que fizeram ao Brasil:

Com Dilma, a gasolina custava R$ 2,99, o gás de cozinha, R$ 50,00, e a taxa de desemprego estava em 4,8%.  A gasolina está agora a R$ 4,90 (mas no dia de hoje é mais fácil encontrar uma nota de 100 reais na rua do que o combustível no posto).  O gás de cozinha custa R$ 75,00. O desemprego atinge 14% da população e o dólar está em R$ 3,95.

Os números não mentem, mas os mentirosos manipulam os números. Na Globo, os analistas continuam tentando, de alguma maneira, culpar Dilma pelo caos:

Alexandre Garcia (ao comentar o locaute) deu um jeito de enfiar o PT na história: nesta manhã, ele disse que a corrupção quase destruiu a Petrobras e agora o que a ameaça é a fraqueza do governo Temer.  Os ministros negociaram com a corda no pescoço e decidiram que o governo dará à Petrobras R$ 4,9 bilhões até o fim do ano.

É uma maneira de compensar a redução de 10% nos preços do diesel. “O contribuinte vai pagar a conta”, alertou o jornalista.  O que a velha imprensa não diz, os petroleiros estão dando um jeito de mostrar.

Em Minas, houve uma paralisação de oito horas, preparativa para uma greve maior, conforme explicou o coordenador do Sindipetro em Minas Gerais:

Essa paralisação de hoje é o início de uma greve que está sendo construída nacionalmente, que pretende parar todas as refinarias do país e as plataformas, e aí é importante ter a população do nosso lado. A greve não é por benefício nem por salário. É para que o governo deixe os petroleiros trabalhar. As refinarias estão trabalhando com carga baixa a mando do governo, para que os importadores tragam combustíveis mais caros para o país.  Bingo!

É isso que está acontecendo: com o dólar mais alto, o preço do produto sobe de acordo com a variação da moeda.  Com a refinaria trabalhando com menor capacidade, os custos de refino da Petrobras diminuem, e o lucro aumenta.

Resultado: essa política é boa para que tem ações da empresa — os dividendos podem aumentar e as ações podem subir.  O que atrapalhou esse plano foi a paralisação, porque obrigou a Petrobras a reduzir o preço do diesel, ainda que temporariamente.

As ações caíram — mas logo voltam a subir, pode apostar.  Quem vai cobrir o prejuízo por esse modelo perverso de gestão do petróleo no Brasil é o pobre.  No final, ele é quem vai pagar a conta, porque o governo se comprometeu a subsidiar o preço do produto.

Para fazer isso, terá que mudar o orçamento.  Sairá dinheiro de uma área e irá para outra. E, em situações assim, quem perde é a saúde, a educação, a assistência social e, se conseguirem mudar a Constituição, a Previdência.  São os setores que não têm lobby no governo.

Quem defende uma política que inclua o pobre no orçamento é o PT e os partidos de esquerda. Entende agora por que seus líderes estão sendo presos?

É nesse ponto que assume relevância a figura do juiz Sergio Moro.

Pedro Parente continuaria com sua empresa de gestão de fortunas ou como executivo de alguma multinacional, como a importadora e exportadora Bunge, se Moro não tivesse fornecido o argumento para destruir a economia brasileira, com a farsa do maior escândalo de corrupção na história da Via Láctea encontrado na Petrobras.

A atuação dele direta nos negócios do governo terminou em 2003 (quando Lula assumiu), depois de gerir o Ministério das Minas e Energia, no período em que houve racionamento de energia.

Com a mudança de governo, Pedro Parente foi chamado para tomar conta da Petrobras, justo ele que era chamado de “ministro do apagão”.

Sem Moro, não existiria Parente na Petrobras. Sem a Petrobras sob gestão de Parente, certamente Moro não seria homenageado pela Câmara de Comércio Brasil-Estados Unidos como Personalidade do Ano.

É por razões como esta que a eleição de outubro será a mais importante da história do Brasil. Só o eleitor pode dar um basta nesta política que não atende aos interesses dos brasileiros.

Muitos paneleiros continuarão ligados no que diz a Globo, como robôs, mas ainda há uma parcela que pode se libertar.

Fonte: https://www.pragmatismopolitico.com.br/2018/05/sergio-moro-pedro-parente-nova-york.html

O que está por trás do aumento dos preços de combustíveis?

 

...o País tem autossuficiência na produção de petróleo cru, ou seja, o Brasil tem uma demanda marginal de importação de petróleo cru para atender a demanda do parque nacional do refino...

...política de subutilização do refino, combinada com a política de paridade do preços, visa facilitar a venda desses ativos para as empresas estrangeiras, tornando o mercado de petróleo nacional ainda mais dependente do mercado e do preço internacional...

Nesta semana, os protestos protagonizados pelos caminhoneiros em função dos recorrentes aumentos dos preços dos combustíveis tem tomado conta do noticiário no Brasil.  De fato, nos últimos meses, os preços dos derivados vendidos pela Petrobras cresceram de forma intensa e contínua.

Desde 20 de fevereiro, o preço da gasolina vendido pelas refinarias da Petrobras aumentou 35% saindo de 1,52 real o litro para 2,04 reais o litro. Somente no último mês, o aumento foi de 19%.

Cabe ressaltar que, nesse período, não houve nenhuma mudança estrutural na cadeia produtiva dos derivados de combustíveis (variações nas alíquotas dos impostos ou significativas alterações nas margens dos distribuidores e postos), o que torna muito frágil a tese que enxerga os aumentos dos combustíveis como decorrência dos impostos e dos carteis dos postos. Nesse sentido, a questão central a ser debatida é a atual política de preços da Petrobras e seus efeitos para a empresa e para os consumidores.

Em primeiro lugar, é importante entender que a cadeia de produção do petróleo é bastante oligopolizada nos segmentos de produção, refino e distribuição e, por isso, a formação dos seus preços não obedece somente à lógica da microeconomia clássica de equilíbrio entre oferta e demanda.

Como lembra recente texto de Rubens Sawaya, professor da PUC-SP, “o debate sobre os preços deve tomar o capital como seu nexo central, resultado de sua forma de organização.

As empresas (...) são entidades que pensam, planejam e atuam segundo táticas e estratégias muito bem elaboradas, com o objetivo de abocanhar o máximo possível da riqueza (...). Seus métodos de definição de preço seguem estratégias específicas. Como também apontava Kalecki, o mais normal são as grandes empresas operarem com custos marginais constantes, se não decrescente, podendo ofertar qualquer quantidade no mercado sem qualquer alteração do custo unitário”.

Esses aspectos também devem ser observados na determinação do preço, ainda mais por se tratar de um setor oligopolizado dominado por empresas gigantescas e com amplo poder de marcação de preços.

Em segundo lugar, a variação de preços no setor petróleo está relacionado a um conjunto de fatores geopolíticos, como conflitos entre os maiores produtores, embargos realizados pelos grandes consumidores, entre outros. Ou seja, um embargo realizado pelos Estados Unidos ao Irã pode afetar o preço do petróleo no mercado internacional.

Em uma economia aberta e onde há escassez da produção de derivados de petróleo, a política de preços para esse segmento apresenta poucas alternativas. Como essas economias são dependentes das importações de gasolina, diesel etc., o preço doméstico dos derivados obrigatoriamente acaba seguindo os internacionais. Como eles são obrigados a comprar os derivados pelo preço internacional do petróleo, as variações internas obrigatoriamente incorporam para as variações ocorridas no mercado internacional.

No entanto, os países (como o Brasil) que apresentam uma ampla capacidade de produção de derivados não necessitariam recorrer às importações de derivados para abastecer seus mercados. Com isso, os preços podem responder muito mais à estrutura de custos e receitas das empresas produtoras dos combustíveis do que à variação do preço internacional.

No caso brasileiro, essa relação causal entre preço e custos é ainda maior porque o País tem autossuficiência na produção de petróleo cru, ou seja, o Brasil tem uma demanda marginal de importação de petróleo cru para atender a demanda do parque nacional do refino.

Desse modo, a formação dos preços deve estar mais relacionada à capacidade de cobrir os custos variáveis das empresas e gerar um excedente do que aos movimentos dos preços internacionais.

Entre 2013 e 2017, a empresa reduziu o volume de produção de derivados em mais de 300 mil barris/dia, saindo de 2.124 mil barris/dia para 1.800 barris/dia. Nesse período, o consumo de derivados ficou relativamente estável na casa dos 2.400 mil barris/dia.

Com isso, enquanto em 2013 a Petrobras tinha capacidade de atender cerca de 90% da demanda interna de combustíveis, em 2017 esse percentual caiu para 76%, num cenário em que a empresa ampliou seu parque de refino (saiu de 2060 mil barris/dia para 2350 barris/dia). Ou seja, mantida a utilização das refinarias, a Petrobras seria capaz de ofertar ao mercado nacional quase toda a demanda de derivados sem necessitar das importações.

No entanto, a opção da companhia (Petrobrás) tem sido subutilizar suas refinarias e favorecer a entrada dos importadores.  Em 2013, a Petrobras utilizava praticamente 100% do seu parque de refino e, em 2017, esse percentual caiu para 76%. Com isso, uma parcela substancial do mercado interno tem sido suprida com importações.

Com a enxurrada de importações (que já detém por 24% do mercado interno), a Petrobras fica refém de uma política de preço atrelada ao mercado externo. Isso porque, caso a empresa decida controlar os preços, os importadores sairão do jogo e a Petrobras terá de arcar sozinha com o diferencial de preços praticados no mercado doméstico e no exterior.

É evidente que, dado o custo de oportunidade existente em economias abertas, não é possível praticar durante um longo período um preço doméstico tão distante do mercado externo. Todavia, o maior uso do parque de refino daria graus de flexibilidade temporais e de intensidade para o reajuste dos preços.

Não resta dúvida que a atual política de preços da Petrobras tem gerado, por um lado, uma redução do papel da Petrobras no mercado de derivados e no refino e, por outro, tem potencializado o aumento da entrada e expansão de players internacionais. Isso ocorre em virtude da manutenção a “qualquer custo” do preço de paridade internacional mesmo que isso implique a redução das margens de refino (bruta e líquida) com a perda de mercado.

O que causa enorme estranheza é que a Petrobras abdicou de sua posição de price maker (formador de preço) – que lhe possibilitava mantém maiores margens - para adotar uma posição de price taker (tomador de preço) num mercado claramente oligopolizado.  A questão, portanto, não está na política de preços strictu sensu, mas sim na política adotada para o refino como um todo.

Por fim, cabe lembrar que essa política de subutilização do refino, combinada com a política de paridade do preços, visa facilitar a venda desses ativos para as empresas estrangeiras, tornando o mercado de petróleo nacional ainda mais dependente do mercado e do preço internacional.

Autores:

Rodrigo Leão é mestre em desenvolvimento econômico (IE/UNICAMP). Atualmente, é diretor técnico do Instituto de Estudos Estratégicos de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis Zé Eduardo Dutra (INEEP) e pesquisador visitante do NEC-UFBA.

Eduardo Costa Pinto é professor do Instituto de Economia da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e pesquisador do Instituto de Estudos Estratégicos de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis Zé Eduardo Dutra (INEEP)

https://www.cartacapital.com.br/economia/o-que-esta-por-tras-do-aumento-dos-precos-de-combustiveis

24.5.18

Quem “construiu” a Lua da Terra?

 

 “A Revista New Dawn” (Nova Aurora), recentemente falou com o escritor Christopher Knight sobre seu controverso novo livro e sobre as suas conclusões surpreendentes sobre a LUA.

“A lua não é apenas um objeto aparentemente “impossível” de existir, mas a sua existência tem algumas vantagens exclusivas para os seres humanos. 

Entrevista com Christopher Knight à revista “New Dawn”

Ela é nada menos do que uma incubadora para a vida na Terra. Se a Lua não fosse exatamente desse tamanho, com essa massa e estivesse a essa exata distância, que tem sido a mesma em cada fase da evolução da Terra – não haveria vida humana inteligente aqui. Os cientistas concordam que devemos tudo na Terra à existência da Lua.

Muitos leitores da revista New Dawn  conhecem o escritor britânico Christopher Knight de seu primeiro livro The Hiram Key-A Chave de Hiram , que ele escreveu em co-autoria com Robert Lomas  publicado em 1996.

Christopher Knight

Transformando-se rapidamente em um best-seller, The Hiram Key foi aclamado como um clássico no campo da história alternativa, passando a influenciar uma geração de pesquisadores e livros, entre eles O Código Da Vinci de Dan Brown.

Nos últimos dez anos Knight escreveu seis livros, quatro com Robert Lomas e mais dois, incluindo o seu mais recente livro Who Built the Moon? - Quem construiu a Lua?, com co-autoria de Alan Butler.

Em “Quem construiu a Lua?”, Voce e Butler levantam algumas questões fascinantes e desafiadores, mas muito importantes: 

Será que a Lua é artificial? Poderia até ser oca? E se a Lua realmente existe por algum acidente feliz, ou é um modelo aparente de projeto  – e se assim for, quem foi o arquiteto?  

A Revista New Dawn (Nova Aurora), recentemente falou com o escritor Christopher Knight sobre seu controverso novo livro e sobre as suas conclusões surpreendentes.

Christopher Knight: A Lua ficar muito perto da Terra ainda é amplamente considerado como o mais estranho conjunto (a Terra e a Lua) de objetos no universo conhecido. É um pouco como se você soubesse que cada pessoa no mundo é completamente normal, exceto a pessoa que vive ao seu lado, que “tem três cabeças e vive com uma dieta de lâminas de barbear quebradas”.

“A LUA que acompanha o planeta Terra foi trazida para o seu Sistema Solar, para orbitar a Terra, há cerca de 1,7 bilhões dos seus anos. A sua Lua dá a volta no seu planeta em 655,719 horas, e também gira em seu eixo, uma volta completa a cada 655,719 horas, portanto vocês só vêem um lado dela. Mas não foi sempre assim, há cerca de um milhão de anos, quatro balanceadores foram instalados na sua Lua pra sincronizar os movimentos dela com a velocidade de rotação do seu planeta. A sua Lua é tão antiga quanto o seu Sistema Solar, ela foi produzida por uma raça altamente inteligente e foi trazida para a órbita da Terra com o propósito de diminuir a velocidade de rotação do seu planeta”. 

(https://thoth3126.com.br/emmanuel-a-lua-e-nao-espere-por-outro-dia/)

O livro relaciona a estranheza da Lua, que inclui o fato de que ela não tem um núcleo sólido como qualquer outro objeto planetário. Ou é oco ou tem um interior de matéria com muito baixa densidade. Curiosamente, a sua concentração de massa esta localizada apenas em uma série de determinados pontos em sua superfície – o que causou estragos com as primeiras sondas lunares.

O material de que a Lua é feita teria surgido a partir da superfície externa da Terra e que teria deixado um buraco raso que foi preenchido com água e agora chamamos o Oceano Pacífico. Esta rocha gigantesca teria deixado a Terra para produzir a Lua muito rapidamente após ou durante a formação do nosso planeta em torno de 4,6 bilhões de anos atrás.

A Lua não só é muito estranha em sua construção, mas também se comporta de uma maneira que não é nada menos do que um milagre. 

E por pura “coincidência” é semelhante ao tamanho angular do Sol. … Nota-se que a Lua está 400 vezes mais próxima da Terra do que o Sol, o qual é cerca de 400 vezes maior em diâmetro.

Hiparco ( 200 a.C.) calculou a distância e o tamanho da Lua por ocasião de um eclipse lunar, medindo a duração total da etapa umbral, o que nos dá o fenômeno que chamamos de um eclipse total quando se cruzam. Enquanto temos que considerar isto para conceber o que tem sido chamado de a maior coincidência no universo local.

Além disso, a Lua reflete o movimento do Sol no céu, nascendo e se pondo no mesmo ponto no horizonte, como o Sol faz nos solstícios opostos. Por exemplo, isso significa que a lua nasce no meio do inverno no mesmo lugar que o Sol no solstício de verão. Não há nenhuma razão lógica para que a Lua imite o Sol desta forma e só é significativo para um ser humano em pé na Terra.

Livro “Quem Construiu a Lua?”

ND: O que te levou a escrever Quem construiu a Lua? E este último livro se relaciona com a sua pesquisa anterior, ao escrever  Civilização Um e A Máquina de Uriel ?

CK: Todos os seis livros que eu tinha publicado ao longo dos últimos dez anos, são pedaços que fazem parte de um único contínuo trabalho de pesquisa. Cheguei a escrever Quem construiu a Lua?  com Alan Butler depois que terminamos Civilização Um, porque nossa pesquisa nos levou a estudar a Lua de perto. Nós tínhamos encontrado o sistema que soberbamente era avançado de medidas em uso há mais de 5.000 anos atrás, que era em função da massa, dimensões e movimentos da Terra.

No entanto, nós rigorosamente verificamos cada planeta e lua do sistema solar para ver se havia algum padrão. Surpreendentemente, o sistema funcionou perfeitamente para cada aspecto da Lua, mas não se aplicava a qualquer outro organismo conhecido do sistema – exceto o Sol. 

Foi como se tivéssemos encontrado um modelo em que a Lua tinha sido “fabricada” usando unidades muito específicas retirados do relacionamento da Terra com o Sol. Quanto mais nós olhávamos, estava tudo montado – e se encaixava perfeitamente em todos os sentidos possíveis.

O MISTERIOSO Lado oculto da Lua, esse lado NUNCA fica virado para a Terra. Um fenomeno intrigante que acontece e que claro beneficiaria qualquer civilização que tenha uma base nesse lado da Lua.

ND: Mais surpreendentemente, você descobriu que um antigo sistema de geometria e de medição utilizados na Idade da Pedra funciona perfeitamente com a lua. O que exatamente é este sistema e como poderia os antigos terem alcançado este conhecimento? 

CK: Não é possível descrever a grandeza deste antigo sistema de geometria e medidas, sem repetir o conteúdo do livro Civilização UM.

O trabalho de Alexander Thom, um brilhante professor de engenharia da Universidade de Oxford, foi o nosso ponto de partida. Ele identificou a existência do que ele chamou de Quintal megalíticos.

Esta era uma unidade de medição precisa, que foi a base das estruturas do final da Idade da Pedra na Europa Ocidental – como o Stonehenge. A maioria dos arqueólogos escrevem o seu trabalho  com um erro, mas quando se olha friamente para as suas objeções se percebe que são infundadas.

Foto acima: Uma enorme espaçonave abandonada teria sido encontrada na superfície da Lua, com 3.370 metros de comprimento e 510 metros de altura, em uma possível missão secreta conjunta dos EUA-URSS, conhecida como Apolo XX, em agosto de 1976.)

Alan e eu fomos capazes de mostrar como eles fizeram essas unidades de alta precisão linear baseadas na rotação da Terra e como elas foram também a base de todas as unidades de tempo, volume e peso em uso hoje em dia.

Mais uma vez esses dados são exatos – não são aproximações ou quase exatos. Desde quando e como os povos antigos tem esse conhecimento é bastante desconcertante.Todos nós podemos ter certeza é que eles estavam muito à frente de nós MESMO hoje! É fácil de se verificar por qualquer pessoa com uma calculadora.

Para saber mais sobre essa espaçonave abandonada na Lua veja em:

https://thoth3126.com.br/apolo-xx-missao-secreta-nave-mae-gigantesca-e-cidade-alienigena-na-lua/

ND: Sua conclusão é que há muito mais anomalias suficientes sobre a Lua que sugerem que esta não é um organismo em que ocorrem naturalmente e foi possivelmente criado para sustentar a vida na Terra. Como vocês chegaram a essa conclusão?

CK: A LUA não é apenas um objeto aparentemente impossível de existir, mas a sua existência tem algumas vantagens exclusivas para nós seres humanos. Ele é nada menos do que uma incubadora para a vida na Terra. Se a Lua não fosse exatamente desse tamanho, com essa massa e estivesse a essa distância, que tem sido a mesma em cada fase da evolução da Terra – não haveria vida humana inteligente aqui. Os cientistas concordam que devemos tudo à existência da Lua.

Ela age como um estabilizador que mantém nosso planeta no ângulo direito para produzir as estações do ano e manter a água líquida em quase todo o planeta. Sem a existência e companhia do nosso satélite natural, a Terra seria tão morta e sólida como Vênus e Mercúrio.

ND: Se a Lua é uma construção artificial, quais são as suas teorias sobre quem ou o que a construiu, e por quê?

CK: Em Quem construiu a Lua? nós explicamos que não poderíamos chegar a outra conclusão a não ser da que a Lua é artificial. E porque é certo que sua idade é em torno de 4,6 bilhões de anos é que levanta alguns pontos interessantes. Outro fator foi a mensagem óbvia que foi construída com a Lua para nos dizer que ela é artificial.

A linguagem da mensagem é a aritmética de base dez de modo que, parece como se fosse direcionada,  para uma espécie que está vivendo na Terra agora em um número que atinge dez dígitos (mais do que 7 bilhões de habitantes é um número com 10 dígitos)- o que parece significar os seres humanos.

Ufos “visitando” a Lua durante o Projeto Apollo. (Apollo XI) Fotos by NASA.

A questão do porquê a Lua teve que ser construída é fácil de responder: Para produzir toda a vida no planeta Terra, especialmente seres humanos. Quanto a quem fez isso – bem, isso é muito mais resistente! Damos três possibilidades,  a saber: Deus, alienígenas extraterrestres ou humanos. O único destes que é 100% cientificamente possível (???!!!) é a última.

A viagem no tempo é universalmente aceita como sendo fisicamente possível e um número de cientistas estão próximos de enviar a matéria de volta no tempo. Podemos considerar que máquinas poderiam ser construídas no futuro, e poderiam ser enviadas de volta (no passado) para remover a matéria da Terra jovem, para a construção da Lua (muito provavelmente com tecnologia do tipo “mini buraco negro”.

Fontes: 

https://www.newdawnmagazine.com

www.thoth3126.com.br

LINK: https://thoth3126.com.br/lua-da-terra-quem-a-construiu/

25.5.18

Guerra Comercial de Trump

 

"A DECLARAÇÃO DE GUERRA COMERCIAL UNIVERSAL DE TRUMP ESTÁ LEVANDO OS ACONTECIMENTOS A UM PONTO CRÍTICO"

Benjamin Fulford – 21.05.2018

A declaração de guerra comercial do Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump com praticamente o mundo todo é apenas uma questão de que Trump esta negociando uma falência do tipo Capítulo 11 para os Estados Unidos.

Uma maneira mais gentil de expor isso é dizer que os EUA estão se revoltando contra um sistema internacional que tem saqueado seu povo em nome de oligarcas globalistas.

Outra maneira de expor isso, é dizer que o mundo está negociando um substituto para o sistema de petrodólar.

De qualquer forma, agora podemos esperar muito mais gritaria e explosões e, possivelmente, até mesmo uma ou duas explosões, na medida em que essas negociações prosseguem.
Publicamente, essa disputa pode ser vista na maior divisão aberta entre potências europeias e os Estados Unidos, desde o fim da Segunda Guerra Mundial.

Temos os líderes da França, Alemanha e União Europeia pedindo abertamente o fim da aliança Europeia/Americana desde o pós-guerra.

Por sua vez, o lado americano, publicamente, ameaçou com sanções contra países europeus.

Abaixo da superfície, uma campanha de assassinato dos EUA contra líderes desobedientes da EU, também, é um bom palpite.
O gatilho imediato foi a decisão de Trump de desembarcar do Acordo Nuclear Iraniano.

Claro, qualquer um que esteja seguindo o que realmente está acontecendo sabe que a decisão de Trump, de sair do acordo nuclear Iraniano, não tem nada a ver com armas nucleares.

Realmente, é sobre o anúncio do Irã de vender petróleo para a Europa com preço estabelecido em Euro e não em petrodólares.
Vamos começar, dando uma olhada no modo de como as coisas vão se desenrolar a nível de superfície.

Trump está dizendo: "Se você não comprar mais de nós, vamos parar de comprar de você!"

Ele também está dizendo: "Se você parar de usar petrodólares para comprar petróleo iraniano, impediremos qualquer país europeu fazendo negócios com Irã de fazer negócios conosco".

”Os europeus estão dizendo:“ Você é um caloteiro que não está pagando pelo que compra, então, quem se importa se você parar de comprar!

”Eles (os europeus), também, estão dizendo: “Vamos punir qualquer empresa europeia que obedeça suas sanções contra o Irã”. 

https://www.reuters.com/article/us-iran-nuclear-europe/eu-commission-says-launches-measures-to-protect-eu-business-in-iran-idUSKCN1IJ100?utm_campaign=trueAnthem%3A+Trending+Content&utm_content=5afecf8804d301091704743b&utm_medium=trueAnthem&utm_source=facebook

A ameaça mais importante vista em público, tem sido a ameaça dos EUA de impor sanções contra a Alemanha, caso prossigam com o Oleoduto Nord Stream 2.  Esse gasoduto permitiria à Alemanha importar mais gás diretamente da Rússia, em vez de ter que passar pelo estado fantoche khazariano da Ucrânia.

Em essência, Trump está dizendo:

"Se você não comprar gás de nós (com uma margem de lucro de 20%), deixaremos de comprar seus automóveis". 

https://www.zerohedge.com/news/2018-05-17/trump-gives-merkel-ultimatum-drop-russian-gas-pipeline-or-trade-war-begins
https://www.zerohedge.com/news/2018-05-17/eu-launches-rebellion-against-trumps-iran-sanctions-bans-european-companies


O elefante na sala de estar desta disputa doméstica, entre a UE e os americanos é a China e seu movimento para substituir a Aliança Atlântica por uma Aliança Eurasiana, que deixaria os poderes Anglo-Saxônicos na periferia do poder mundial.

Do jeito que as coisas estão indo agora, os chineses estão ganhando, porque a disputa UE/EUA deu um grande impulso aos futuros de petróleo comercializados em yuan chineses que, assim, fortaleceu o petro-yuan como substituto do petrodólar.

https://www.zerohedge.com/news/2018-05-17/china-oil-futures-thundering-action-after-trump-exits-iran-deal

Provavelmente, é por isso que Trump escolheu uma reunião da OTAN para implicitamente ameaçar uma guerra de tiros, se sua guerra comercial com a UE, a China e o resto do mundo não for bem-sucedida.

A seguir seus comentários:
“Será que serei bem-sucedido? Tenho a tendência de duvidar disso’, disse o Presidente aos repórteres, durante uma aparição com o Secretário-Geral da Otan, Jens Stoltenberg.

A razão pela qual duvido é porque a China ficou muito mimada.  A União Europeia também ficou muito mimada.  Outros países se tornaram muito mimados, porque sempre conseguiram 100% do que queriam dos Estados Unidos’.
‘Mas, não podemos permitir que isso continue acontecendo” , acrescentou Trump." 

https://www.cnbc.com/2018/05/17/trump-says-he-doubts-china-trade-negotiations-will-succeed.html

No entanto, fontes da sociedade secreta chinesa dizem que, realmente, estão jogando um jogo muito maior e que estão pressionando por um governo mundial.

Essa visão chinesa de mundo é moldada por sua história.  Quando a  China foi dividida em estados em guerra, o resultado inevitável foi o declínio da população, a pobreza e a miséria. Eles acreditam que o mundo precisa agora se unificar, como a China já fez, para acabar com a guerra e a pobreza.

O problema com essa visão, de uma perspectiva Ocidental, é claro, se o preço da paz mundial for para todos se tornarem escravos chineses, então não, muito obrigado.
No entanto,
a menos que o Ocidente possa remover os sionistas com suas visões apocalípticas do controle do planejamento futuro do Ocidente, a alternativa chinesa se torna cada vez mais inevitável, na medida em que o tempo passa.
É por isso que
o Ocidente precisa fazer algo sobre o monoteísmo e as famílias que o controlam. Vamos esclarecer isso, existem grupos familiares concorrentes que controlam o que vemos como religiões monoteístas concorrentes. 

Essa é a situação...

1. Os Cristãos são controlados, principalmente pelos Maçons P2 e pelo Vaticano ou pelos descendentes dos Césares.
2. Os Judeus e os escravos Judeus Cristãos (Cristãos Sionistas evangélicos), são controlados pela dinastia da família Rothschild etc. (descendentes autodenominados do Rei Davi).
3. Os Cristãos Ortodoxos, são herdeiros da tradição dos Gregos e de Alexandre, o Grande.
4. Os Muçulmanos Sunitas, são controlados por um grupo de descendentes de Maomé, bem como por descendentes das famílias pagãs que controlam Meca.
5. Os Xiitas, são controlados por um ramo diferente dos descendentes de Maomé, bem como pelos herdeiros do Império Persa.

Fora desses grupos, temos também...

Os Illuminati Gnósticos, que acreditam que qualquer entidade criada neste planeta é maligna e precisa ser derrubada.

Os Satanistas, que têm uma visão amoral que permite que seus membros (muitos dos quais se infiltraram nos níveis mais altos do poder mundial) façam o que quiserem, incluindo assassinato em massa, estupro infantil, canibalismo, etc.

Enquanto esses grupos lutam pelo poder mundial há muito tempo, o que eles têm em comum é a visão de um tempo final em que o mundo “terminará” e depois será substituído por outra coisa.

O desafio agora, é conseguir que esses vários grupos concordem com algum tipo de visão do futuro que não envolva o Armagedom e a destruição de 90% da humanidade.

É disso que trata a verdadeira luta.

A guerra financeira sobre coisas como petrodólares é, portanto, uma guerra pelo controle do processo psicológico de decidir sobre o que a Humanidade, como espécie, fará no futuro.

A Sociedade Dragão Branco - SDB e seus aliados estão impulsionando uma alternativa para todas essas visões que vislumbram uma campanha massiva para acabar com a pobreza, deter a destruição ambiental e colocar a vida terrestre no caminho de uma expansão exponencial no Universo.
Por enquanto, no Ocidente, o que estamos vendo é um movimento de base, inclusive nos escalões médios do nexo militar-industrial-policial para remover todos os criminosos do poder.
Nesta frente, o maior desenvolvimento da semana passada, foi a renúncia de 34 bispos chilenos, aparentemente por causa de uma cobertura maciça de abuso infantil.

No entanto, como é frequentemente o caso, a história apresentada para consumo público não é toda a história.  O que estamos vendo no Chile é a remoção do grupo que acabou sendo responsável pela “guerra suja” durante o período da revolução no Chile.

Esse grupo chileno, intimamente associado aos Nazistas e à família Bush, é o grande responsável pelo golpe Nazista nos EUA, que começou com 11/09.
O Pentágono e outras fontes estão dizendo que essa renúncia em massa pode levar à renuncia do Papa Francisco.

No entanto, fontes dos Maçons P2 estão dizendo que o que realmente está acontecendo é uma revolta da Igreja Cristã contra as famílias Romanas que controlam o Cristianismo desde a sua criação.

É por isso que o Papa na, semana passada, instalou 14 novos cardeais não europeus.

O Papa, dizem elas, está planejando uma campanha massiva na África e na América do Sul para acabar com a pobreza e ser uma contrapartida do enorme projeto de infraestrutura “Um Cinturão, Uma Estrada”, da China.
O Papa também publicamente declarou guerra aos jogos de cassino não regulamentados, que o sistema financeiro Ocidental degenerou.

https://www.bloomberg.com/news/articles/2018-05-17/pope-goes-off-on-cds-market-calls-derivatives-ticking-time-bomb

De qualquer forma, há um expurgo relacionado de atores corruptos que, também, ainda continuam dentro dos EUA. Nesta frente, de acordo com fontes do Pentágono, existem agora mais de 30.000 acusações seladas, prontas para serem postas em prática em breve.

O gatilho para essas prisões pode ser a publicação de e-mails, etc., que "matarão Hillary (Clinton) por sexo com menores e outros crimes".
A "cabala" também está "cambaleando com ataques de baixo nível, depois que Gina Haspel foi confirmada como Diretora da CIA e Trump assinou uma ordem executiva para liberação de documentos secretos para o Congresso", disseram as fontes.

O Inspetor Geral do Departamento de Justiça também está "prestes a diminuir o boom com seu explosivo relatório de crimes cabalísticos", dizem as fontes.
Também tem muita coisa acontecendo na Ásia, agora que um novo chefe da CIA foi nomeado.

A questão mais dramática é a investigação em andamento da corrupção na Malásia.

Lá, o novo governo de Mahathir Mohamad está conduzindo incursões a ex-funcionários do governo que, literalmente, estão rendendo caminhões de dinheiro, jóias e outros sinais visíveis de corrupção.

Fontes do Pentágono estão dizendo que o ex-primeiro-ministro Najib Razak "capotou", e que Trump pode "visitar a Malásia após seu encontro de 12 de Junho, em Cingapura com o Menino Gordo (líder norte-coreano Kim Jong-Un)".
As investigações de corrupção na Malásia, provavelmente, irão expor as verdadeiras razões do desaparecimento dos Voos 370/17 da Malaysian Air.

No entanto, sabemos que parte dessa operação visava impedir que a China tivesse acesso à tecnologia de fabricação de semicondutores dos EUA.

O que isto significa é que, enquanto parte do desaparecimento deste avião foi criminosa, parte dele estava ligada a uma batalha tecnológica Chinesa/Ocidental.

Espero que o mundo, em breve, saiba da verdade.
O novo chefe da CIA, também, deve tornar possível uma investigação da corrupção no Japão, dizem as fontes do Pentágono.

Aqui temos um sistema político que se degenerou a ponto de quase todos os políticos em exercício serem subornados e chantageados.
A Sociedade Dragão Branco pediu ao governo Abe para nacionalizar o Banco do Japão (BOJ) e usar seu poder financeiro para beneficiar o planeta.

Se esta oferta não for aceita, as prisões em massa começarão no Japão.

A nacionalização do BOJ pode ser o gatilho que finalmente trará o “Evento”, ou as mudanças positivas em massa que todos estamos ansiando.

Autor: Benjamin Fulford

Fonte: https://www.sementesdasestrelas.com.br/2018/05/benjamin-fulford-declaracao-de-guerra.html

22.5.18

Parabéns Nicolás Maduro

Reeleição de Maduro, o triunfo de uma revolução popular

As primeiras reações das forças de direita e do imperialismo foram, como era de se esperar, de intolerância e beligerância

O presidente venezuelano, Nicolás Maduro, foi reeleito neste domingo (20/05) para mais um mandato de seis anos à frente da Revolução Bolivariana. Foi uma vitória retumbante, insofismável. Maduro alcançou 68% dos votos, 5.823.728 sufrágios, contra 1.820.552 do segundo colocado.

O triunfo da Frente Ampla da Pátria, coalizão que reúne o Partido Socialista Unido da Venezuela (PSUV), Partido Comunista (PCV), Pátria para Todos (PPT), Movimento Somos Venezuela e outras legendas é ainda mais avassalador no contexto do boicote eleitoral promovido pela direita, que convocou a abstenção, agressão econômica, que gera imensas dificuldades sociais, brutal cerco imperialista, ofensiva midiática, ameaças de golpe e intervenção externa – elementos de uma guerra de quarta geração que ameaça a Venezuela, como todo país que realize uma política revolucionária, democrática e progressista.

Em menos de um ano é a quarta vitória eleitoral do chavismo. Em julho de 2017, as forças de vanguarda da Revolução Bolivariana triunfaram, o que se repetiu nas eleições para governadores, em outubro, e prefeitos, em dezembro. É o 22º triunfo eleitoral do Chavismo, em 24 pleitos realizados desde o ano de 1999, uma demonstração a mais da solidez, amplitude e respaldo popular desta força política criada pelo líder revolucionário Hugo Chávez.

Em discurso perante a multidão que se reniu no centro de Caracas na mesma noite de domingo em que os resultados eleitorais foram anunciados, o presidente reeleito destacou que foi uma vitória da paz e da democracia e novamente estendeu a mão, como presidente de todos os venezuelanos, para a realização de diálogos, entendimentos e pactos que conduzam à reconciliação nacional, à retomada do desenvolvimento econômico-social e ao estabelecimento da paz e da normalidade no país.

As primeiras reações das forças de direita e do imperialismo foram, como era de se esperar, de intolerância e beligerância. Anunciaram que não reconhecem os resultados eleitorais, deixando entrevisto que voltarão a intentar o perigoso caminho da agressão externa e da tentativa de golpe por meios violentos como ocorreu em março-abril de 2017.

Atacam o sistema eleitoral do país, que progressivamente se aperfeiçoou desde 1999, cuja transparência, formato democrático e mecanismos de verificação – elogiados pelo ex-presidente estadunidense Jimmy Carter e o ex-chefe do governo espanhol, José Luís Zapatero, este último integrante da delegação de acompanhantes internacionais das eleições deste domingo – beneficiaram a própria oposição em duas ocasiões em que esta venceu: em 2007, no referendo sobre reforma constitucional, e 2015, nas eleições legislativas para a Assembleia Nacional (parlamento).

É sintomático que em ambas as ocasiões não houve denúncias de fraude nem ameaças de desconhecer os resultados. Fica patente que são ataques da direita para justificar derrotas nas urnas, é a fraude cantada antes do voto, em editoriais mundo afora e também nos veículos da “mídia empresarial brasileira”(corja que age sempre contra o povo e contra o país), o anúncio antecipado de não legitimação dos resultados, a contrariedade e postura antidemocrática perante a realidade dos fatos, a expressão da vontade do povo, livre e soberano através do sufrágio.

As primeiras reações das forças de direita e do imperialismo foram, como era de se esperar, de intolerância e beligerância

Nova etapa

A reeleição de Nicolás Maduro é o marco inicial de mais uma etapa da Revolução Bolivariana. Há reformas importantes a fazer, a consolidação política e institucional da revolução, o aprofundamento das reformas estruturais de caráter democrático, popular e anti-imperialista, a construção do modelo econômico e social, a busca do rumo socialista. Maduro se dispôs ao diálogo e ao mesmo tempo reafirmou a determinação de seguir adiante no caminho revolucionário, anti-imperialista e socialista desbravado por Hugo Chávez.

Será necessário fortalecer ainda mais a unidade do povo venezuelano, o papel da liderança, a frente dos partidos revolucionários, a ampliação da base política para enfrentar a ofensiva do imperialismo estadunidense, seus aliados latino-americanos e as forças da direita venezuelana, ofensiva que se prenuncia mais intensa e perigosa. Já deixaram claro que não renunciam nem renunciarão ao propósito de derrocar o governo legítimo, democrático e constitucional e liquidar a Revolução Bolivariana.

O “segredo” da vitória

A vitória de Nicolás Maduro nas eleições deste domingo é a concretização mais uma vez de um princípio do fundador da República Bolivariana, Hugo Chávez, que sempre teve clareza da necessidade de construir um projeto político baseado nos sentimentos e anseios do povo, no protagonismo popular.

Esta vitória pavimenta o caminho para a ampliação e o aprofundamento da democracia, o reforço da unidade popular, o estímulo à participação política, tanto por meio da democracia participativa como da representativa, o exercício pleno da cidadania, da inclusão política e social, o diálogo e o protagonismo popular através dos movimentos sociais.

Mais uma vez, cria-se uma oportunidade para construir – como queria Chávez – um projeto político baseado nos sentimentos e anseios do povo, no protagonismo popular. Chávez vislumbrou o sentido histórico da pulsão popular, que em determinados momentos agudos da luta de classes sintetiza sentimentos e anseios profundos e irrompe numa torrente transformadora imparável.

Este é o “segredo” da Revolução Bolivariana, lastreada na construção de sujeitos políticos e orgânicos ligados, fundidos com o movimento popular, a história popular, as raízes populares e dedicada ao soerguimento de um projeto político popular, dotado de instituições próprias, antagônicas às das classes dominantes. Este foi o sentido do processo constituinte desencadeado por Chávez ainda no início da Revolução, como é o sentido do processo constituinte atual que segue em curso, no calor da análise crítica e do combate às oligarquias, à direita e ao imperialismo, sentido que está presente na experiência venezuelana desde a insurreição cívico-militar de 4 de fevereiro de 1992.

Esta pulsão popular é um fator diferencial, peculiar da Revolução Bolivariana, que não está escrito em nenhum manual, nem se assemelha a qualquer outra experiência revolucionária precedente. A Revolução Bolivariana é uma experiência original produzida pela luta popular em defesa da soberania nacional e do socialismo, nas condições concretas, históricas e culturais da nação venezuelana e deste início de século. Assume abertamente o seu caráter transformador e proclama sem temor nem vacilação, como um objetivo estratégico, construir o “socialismo do século 21”.

Nestes 19 anos, esta Revolução promoveu reformas estruturais, distribuiu renda, aprofundou a democracia, buscou elevar o nível de consciência política e ideológica das massas e jogou papel proeminente no processo de integração soberana da América Latina e do Caribe. Reside nestes êxitos o “segredo” da sua vitória, como também é a razão da brutal reação imperialista e das classes dominantes.

Num quadro de golpes, retrocessos e ameaças na América Latina, o triunfo eleitoral das forças democráticas, populares e patrióticas na Venezuela é um alento para a luta pela democracia, a soberania nacional e a integração dos povos.

José Reinaldo Carvalho *Jornalista, editor do Resistência, membro do Comitê Central e da Comissão Política Nacional do PCdoB

https://operamundi.uol.com.br/conteudo/geral/49427/reeleicao+de+maduro+o+triunfo+de+uma+revolucao+popular.shtml

21.5.18

Brasil não reconhece vitória de Maduro na Venezuela

Governo golpista de Temer, que usurpou as eleições legítimas, envergonha o Brasil, mais uma vez!

O Brasil, em conjunto com outros 13 países do Grupo de Lima, anunciou que não reconhece as eleições presidenciais da Venezuela, realizadas no último domingo (20). O presidente Nicolás Maduro venceu a disputa para um novo mandato até 2025.

(Jomarion... Maduro é o candidato do povo, anti-cabala e pró-democracia e desenvolvimento para todos, ele equivale ao nosso querido Lula!)

Um documento assinado pelo “Grupo Lima” (traíras de seu próprio povo, apoiadores dos bancos e ávidos para entregar as riquezas de seus países a estrangeiros, especialmente EUA) , formado por Brasil, Argentina, Canadá, Colômbia e mais 10 países (apoiadores da elite global), além de não reconhecer as eleições venezuelanas, anunciou a redução das relações diplomáticas com o país sul-americano. 

Em nota divulgada à imprensa o Itamaraty declarou que as eleições realizadas na Venezuela  ao invés de restaurar a democracia, "aprofundam a crise política no país, pois reforçam o caráter autoritário do regime". 

"O Governo brasileiro lamenta profundamente que o governo venezuelano não tenha atendido aos repetidos chamados da comunidade internacional pela realização de eleições livres, justas, transparentes e democráticas", diz a nota da diplomacia brasileira. (governo “cara de pau” que arquitetou um golpe contra a presidenta Dilma, eleita com legitimidade)

"Nas condições em que ocorreu — com numerosos presos políticos, partidos e lideranças políticas inabilitados, sem observação internacional independente e em contexto de absoluta falta de separação entre os poderes — o pleito do dia 20 de maio careceu de legitimidade e credibilidade", acrescenta a nota. 

O Ministério das Relações Exteriores brasileiro destacou ainda que o país continuará atuando  "em favor do restabelecimento da institucionalidade democrática, do estado de direito e do respeito aos direitos humanos na Venezuela". (Mas... não no Brasil!)

No domingo (20), Nicolás Maduro voltou a vencer as eleições presidenciais, obtendo 5,8 milhões de votos (68%). Segundo o Conselho Nacional Eleitoral, o candidato Henri Falcón obteve mais de 1,8 milhão de votos e Javier Bertucci 952 mil votos. No total, as eleições contaram com a participação de cerca de 46% dos eleitores. A oposição, no entanto, não reconheceu o resultado das eleições, alegando irregularidades no processo eleitoral.

Fonte: https://br.sputniknews.com/brasil/2018052111271558-brasil-venesuela-eleicoes-maduro/

 

Abrindo Caixa de Pandora

Pentágono gastará US$ 1 bilhões em programa de robôs de combate

As armas estão sempre evoluindo, se tornando cada vez mais letais. Desta vez, no entanto, especialistas alertam que os EUA podem estar indo longe demais.

Os militares dos EUA estão revolucionando suas armas, tomando um caminho que pode tirar os humanos do campo de batalha completamente, escreve Bloomberg.

Nos próximos anos o Pentágono planeja gastar quase US $ 1 bilhão para desenvolver robôs para auxiliar as tropas de combate. Essas novas máquinas detectarão produtos químicos perigosos ou outros agentes, realizarão pesquisas complexas e até mesmo transportarão o equipamento dos soldados.

"Não tenho dúvidas de que haverá robôs em todas as formações do Exército dentro de cinco anos", disse Bryan McVeigh, gerente de projeto para a proteção das forças do Exército. Ele (Bryan) destaca um recente recorde de 800 robôs já enviados para o campo de batalha nos últimos 18 meses. "Vamos parar de falar sobre robôs e começar a construí-los, a colocá-los em campo de batalha. Esse é um momento emocionante para trabalhar com robôs no Exército", disse o especialista.

O Pentágono dividiu suas plataformas de robôs em três categorias: leves, médias e pesadas. Em abril, a entidade concedeu um contrato de US $ 429,1 milhões a duas empresas de Massachusetts: Endeavor Robotics e QinetiQ North America. As duas fabricarão robôs de pequeno porte. Semanas depois, Endeavor também garantiu dois contratos no valor de US $ 34 milhões com a Marinha dos EUA para robôs de pequeno e médio porte.

Em outubro do ano passado, o Exército concedeu à Endeavour um contrato de US $ 158,5 milhões para um grupo de mais de 1.200 robôs de porte médio, chamado de sistema robótico transportável pelo homem. O robô, projetado para detectar explosivos e ameaças químicas, biológicas, radioativas e nucleares, deve entrar em operação no final do verão de 2019.

"É um reconhecimento de que os robôs podem fazer muito mais, e há muitos recursos que podem e devem ser explorados", disse Sean Bielat, CEO da Endeavor. Especificamente, ele apontou as tarefas de infantaria — “chatas, sujas e perigosas” — como as mais apropriadas para a robótica.

Apesar de suas muitas capacidades, nenhum dos robôs de infantaria dos EUA está armado.

"Simplesmente anexar uma arma convencional a um robô não dá necessariamente às tropas muitas oportunidades", disse Bielat. Segundo o empresário, ainda não há previsões para criar robôs autônomos e armados.

No entanto, "parece inevitável que a tecnologia nos leve a um ponto em que os países sejam confrontados com a questão de delegar decisões letais à máquinas", disse Paul Scharre, diretor do programa nacional de segurança do Centro de Inteligência Artificial da Nova Segurança Americana.

No ano passado, 116 fundadores de empresas e iniciativas de robótica e inteligência artificial, incluindo Elon Musk, o multi-bilionário fundador da Tesla e da SpaceX, enviaram uma carta à ONU pedindo a proibição de armas letais autônomas.

"Uma vez desenvolvidos, permitirão que o conflito armado seja travado em uma escala maior do que nunca antes e mais rápido do que os humanos possam entender", dizia a carta, alertando que uma "caixa de Pandora" seria aberta com esses sistemas.

Até o momento, 26 países aderiram à solicitação para proibir armas totalmente autônomas, incluindo 14 nações da América Latina.

Patricia de Melo Moreira  e  Sergei Mamontov

Fonte: https://br.sputniknews.com/defesa/2018051911260834-pandora-pentagono-robos-combate-skynet/

*********************************************************************************************************************************************

Robôs vão matar pessoas e 'resta esperar que não comecem a gostar', diz futurólogo

"Atenção! Você chegou ao enclave de Frankfurt, situado no Sultanado de Baviera, na União Islâmica Europeia" – é assim que é saudado um dos protagonistas dos livros do célebre futurólogo e escritor de ficção científica russo, Vadim Panov.

Panov é o criador de vários mundos alternativos. Um dos mais conhecidos foi descrito na série ciberanarquista chamada "Enclaves". Nessas obras se trata de territórios governados por corporações transnacionais que superam os governos em seu desenvolvimento e por isso existem de modo autônomo em um mundo onde ocorreu uma redistribuição maciça de zonas de influência.

Vale ressaltar que, tendo o primeiro livro da série sido lançado ainda em 2005, muitas das ideias que ele reflete já se tornaram ou estão prestes a se tornar uma realidade: a crise do conceito de multiculturalismo, a luta acirrada pelos recursos energéticos e o controle do ser humano através de dispositivos móveis.

Um correspondente da Sputnik Sérvia discutiu com o escritor russo ao que levará o processo de islamização da Europa e por que o iPhone é de fato uma tecnologia do século XIX.

Projetos falhos

Vários anos atrás, a mídia falava muito sobre um tal projeto chamado Rossiya 2045 que previa a criação de uma réplica artificial do corpo humano, elaborado para uma futura transferência da consciência humana nos finais da vida de uma pessoa. Porém, o projeto logo se encontrou em um beco sem saída. A Sputnik perguntou a Panov se a ideia de reencarnação de fato pode ser aplicada também à consciência humana.

"Anteriormente, todos estavam animados com a clonagem, mas esse projeto também ficou esquecido. Por muitas razões. Uma delas consiste, precisamente, na impossibilidade de clonar completamente a consciência, o que era uma das exigências-chave do cliente", observou o escritor.

De acordo com ele, as pessoas ricas "querem ter uma vida eterna", ou pelo menos muito longa, e não representada nos filhos e netos.

"O desejo de viver se está tornando obsessivo: uns inserem em seus corpos corações alheios, outros buscam por pastilhas milagrosas feitas de células dos bebés, os terceiros querem que seu corpo seja congelado em resfriador criogênico. Eles esperam acordar em um mundo onde sejam imortais.

Eles buscavam variantes — clonagem, cópias, mas elas não deram frutos. Por isso, eles decidiram se focar em pesquisas genéticas, engenharia molecular e tecnologias nano", ressaltou.

A Sputnik também não perdeu a chance de debater com o autor russo a questão das tecnologias não tripuladas. Assim, o recente caso do acidente mortal  com um carro não tripulado UBER repercutiu bastante na mídia, enquanto os construtores afirmam que a tecnologia não representa falhas em 95% dos casos.

Também é amplamente conhecido o acidente com uma arma antiaérea autônoma na África do Sul que matou 9 soldados no ano de 2007.

"Imaginem que um carro não tripulado transporta quatro pessoas. De repente, no seu caminho aparece um obstáculo, há colisão e os passageiros morrem, ou um passageiro, tanto faz. O importante é que morrem. Não há oportunidade para desacelerar, embora se possa contornar o obstáculo, mas lá tem pessoas, ou seja, pedestres, que este carro não tripulado matará ao contornar o obstáculo. A pergunta é a seguinte: o algoritmo vai escolher quem? Como ele vai agir em 95% dos casos? Quem vai ele salvar?", se pergunta o autor.

"Em outras palavras, os robôs vão matar pessoas. E quanto mais robôs houver, mais matarão. Resta esperar que não comecem a gostar", advertiu.

Inventos patéticos de hoje

Panov esconde sua opinião que ao longo dos últimos 100 anos não foram feitas nenhumas descobertas globais.

Ao mesmo tempo, o ex-presidente dos EUA, Barack Obama, chamava o fundador da Apple, Steve Jobs, de visionário. Porém, o autor russo afirma que a tecnologia "achada" pelo empresário está baseada em princípios já conhecidos havia muito.

"Existe o conceito de teoria científica, comprovada e em vigor. A teoria é uma ciência fundamental. É um bloco que serve para que os sucessores depois talhem seus achados. O iPhone explora a teoria do campo eletromagnético de James Maxwell, datada de 1864. […] A teoria científica mais recente hoje em dia é a quântica. Depois isso — nada", exclamou o escritor russo.

Previsões e realidades

Em seus livros, Panov também descreve a chamada "Grande Fome de Petróleo". Contudo, atualmente muitos especialistas estão mais preocupados com a escassez de água potável, pois segundo os dados cada sexta pessoa no planeta sofre dessa falta.

"É difícil dizer, pois com cada problema se lida tentando adiar sua chegada, mas isso é combater os sintomas. Entre os problemas mais próximos está a superpopulação. O planeta simplesmente não consegue lidar com as consequências da atividade humana, é um fato consumado. A escassez de petróleo, a escassez de água, o volume colossal de resíduos produzidos, que matam tanto a terra quanto o oceano, é uma realidade", comentou Panov à Sputnik.

Voltando ao início desta matéria, perguntamos ao escritor também se o ambiente descrito na série "Enclaves", isto é, o de corporações mais fortes que o Estado, já virou realidade. Na opinião do autor, esse processo ainda não está terminado, os governos continuam fortes, embora a desmontagem de Estados fracos já esteja em curso "como tentativa de eliminar os concorrentes".

"Dividir para conquistar' — esse lema deveria ser eterno. Durante o experimento 'globalização', a Metrópole [em sentido geral] começou a aniquilar os países, pois em um mundo unipolar pode existir apenas um Estado forte. De outra forma, como é que seria unipolar? Hoje em dia a situação mudou, surgiu o Movimento de Resistência à Globalização, mas o processo já começou e a reformatação dos pequenos países independentes em colônias semiformais continua", opinou o futurólogo.

Ao falar sobre a chamada "Al-Europa", vale relembrar que o autor refletia sobre a futura islamização do continente ainda no início do século, muito antes da crise migratória que provocou grandes mudanças no panorama étnico da região. Panov revelou à Sputnik o que é que o fez pensar desse jeito.

"Que isso iria acontecer era claro para todos os que têm pelo menos algum conhecimento da Teoria da Evolução. As espécies fracas vão ser absorvidas pelas mais fortes. Se na família de Abdullah há seis filhos, e a única filha do seu vizinho parisiense é lésbica, adivinhem como será o rosto da capital francesa daqui a 40 anos. Isso não é bom nem é mau, é a Teoria da Evolução."

Fonte: https://br.sputniknews.com/ciencia_tecnologia/2018042811104610-robos-assassinos-nao-tripulados-futurologia-iphone/

19.5.18

Mercado Financeiro levará a Humanidade ao Colapso

 

Cardeais e Papa (Vaticano) assinam documento sobre a economia mundial que afirma: "o dinheiro deve servir, não governar"

Na manhã desta quarta-feira, 17, dois dos mais importantes colaboradores do Papa Francisco anunciaram em coletiva de imprensa o documento Oeconomicae et pecuniariae quaestiones. Considerações para um discernimento ético sobre alguns aspectos do atual sistema econômico-financeiro. A igreja pede finanças ao serviço da “economia real” e condena especulação. O Vaticano propõe ainda a criação de um imposto mínimo sobre as transações offshore e de comitês éticos nos bancos para controlarem a emissão de produtos financeiros “imorais”.

Para prefeito do Dicastério para o Serviço de Desenvolvimento Humano Integral, o Cardeal ganês Peter Kodwo Appiah Turkson,algumas pessoas ainda pensam que economia ou finanças é algo distante da missão da Igreja. No entanto, como o documento que apresentamos enfatiza, a Igreja está preocupada com todas as atividades humanas que podem impedir ou ajudar o florescimento humano, e as atividades econômicas não são exceção”.

O novo documento da Santa Sé condena uma “cultura profundamente amoral” que permite comportamentos ilícitos e egoístas, especialmente praticados por agentes financeiros. “Tal comportamento polui gravemente a saúde de todo sistema econômico-social. Isso põe em perigo a funcionalidade e prejudica seriamente a efetiva realização desse bem comum, sobre o qual necessariamente se fundam todas as formas de instituições sociais ”, diz o “Oeconomicae et pecuniariae quaestiones”.

Segundo advertiu o Arcebispo espanhol Luis Ladaria Ferrer, principal autoridade doutrinal do Vaticano, tal discernimento não pode ser adiado “a menos que queiramos escorregar em direção a um colapso social em nível global, com conseqüências devastadoras”.

Redigido em conjunto pela Congregação para a Doutrina da Fé e o Dicastério para a Promoção do Desenvolvimento Humano Integral, o tratado da Igreja sobre a economia mundial teve a aprovação e a assinatura do próprio Papa Francisco. Nele, mesmo em palavras típicas da diplomacia vaticana, o tom foi duro. “A manipulação fiscal dos principais atores do mercado, em especial dos grandes intermediários financeiros, representa uma injusta subtração de recursos da economia real, é um dano para toda a sociedade civil”, registra.

Offshores deveriam ser tributadas

As chamadas offshores ganharam destaque nas críticas por “em muitas ocasiões” terem se tornado lugares habituais para a lavagem de dinheiro, “resultados de receitas ilícitas (furtos, fraudes, corrupção, associações para delinquir, máfia, saque de guerra…)”. Em especial, O Reino Unido foi citado como um criador de tendências em termos de contas no exterior. A Igreja também condenou o “comportamento imoral” responsável pelo escândalo das hipotecas subprime nos Estados Unidos.

Para a Igreja “bastaria uma mínima taxa sobre as transações realizadas ‘offshore’ para resolver boa parte do problema da fome no mundo”. o “Oeconomicae et pecuniariae quaestiones

” lançou o desafio aos estados: “porque não tomar com coragem a direção de uma semelhante iniciativa?”.

Regulação para uma economia real

A declaração ainda afirma que os mercados não são capazes de “regular-se por si mesmos” e insiste na vocação de “serviço à economia real” que deve marcar a atividade financeira. “O lucro do capital coloca fortemente em risco, e corre o risco de suplantar, o rendimento do trabalho”, alertam os dicastérios que subscrevem o texto.

Para os autores do documento, “a manipulação fiscal dos principais atores do mercado, em especial dos grandes intermediários financeiros, representa uma injusta subtração de recursos da economia real e é um dano para toda a sociedade”.

Nenhum ganho é realmente legítimo quando diminui o horizonte da promoção integral da pessoa humana, da destinação universal dos bens e da opção preferencial pelos pobres”, sustenta a reflexão.

O Vaticano assinala que “a liberdade de que gozam os atores econômicos, se compreendida de modo absoluto e distante da sua intrínseca referência à verdade e ao bem, tende a gerar centros de supremacia e a pender para formas de oligarquias, que acabam por prejudicar a própria eficiência do sistema econômico”. Como contrapeso, é proposto a criação fe comités éticos nos bancos para evitar a emissão de produtos financeiros “imorais”.

O amor pelo bem integral é a chave para o desenvolvimento

Referindo-se à encíclica “Laudato Si” de Francisco, o documento assinala que “o amor para a sociedade e compromisso com o bem comum é uma forma de caridade eminente, que diz respeito não só as relações entre os indivíduos”, mas também “macro-relações, relações sociais, econômicas e políticas”. No texto, a chave para o desenvolvimento autêntico é “o amor pelo bem integral, inseparavelmente do amor à verdade”. “O discernimento ético” é crucial para promover esse desenvolvimento.

A nova posição pública da Santa Sé diz que a Igreja “reconhece entre suas tarefas primárias também a de recordar a todos, com humilde certeza, alguns princípios éticos claros” e aponta o dedo aos responsáveis pelo sistema financeiro mundial: “O objetivo do mero lucro cria facilmente uma lógica perversa e seletiva que favorece o avanço às cúpulas empresariais de sujeitos capazes, mas gananciosos e sem escrúpulos, cuja ação social é impulsionada sobretudo por uma vantagem pessoal egoísta”, pontua.

Críticas de Francisco dão o tom

Desde que assumiu o governo da Igreja Católica, Francisco tem feito várias críticas à excessiva atenção dada ao sistema financeiro pelos responsáveis internacionais. Para o Papa “salvar os bancos” do que em salvar “a dignidade dos homens e mulheres de hoje” é a preocupação maior de uma sociedade que considera doente. Em 2013, meses após ser eleito, indignado Francisco disse “Na cultura do desperdício, se morrem homens e crianças não é notícia; se a bolsa cai é uma tragédia”, comentou indignado.

De lá pra cá, as críticas do Papa só aumentaram, culminando hoje com a apresentação do “Oeconomicae et pecuniariae quaestiones” por dois importantes organismos da Cúria Romana. Frases dos Papa como “Uma fraqueza da economia é a transformação gradual de empresários em especuladores. Um especulador não ama o seu trabalho, não ama os trabalhadores e apenas vê os negócios e os trabalhadores como meio para fazer lucro”, certamente influenciaram a apresentação do Cardeal Peter Turkson e de Dom Luis Ladaria Ferrer,

*Marcelo Menna Barreto é economistas Leonardo Becchetti, professor de economia política na Universidade Tor Vergata e Lorenzo Caprio, professor de finanças corporativas da Universidade Católica de Roma.

Fonte: https://www.pragmatismopolitico.com.br/2018/05/mercado-financeiro-humanidade-ao-colapso.html

19.3.18

A Verdade sobre a Segunda Guerra começa a aparecer

Novo documentário revela como a URSS venceu Hitler na Segunda Guerra Mundial

Um novo documentário produzido pela RT examina as narrativas revisionistas sobre a Segunda Guerra Mundial que causaram confusão no Ocidente sobre o papel da União Soviética na derrota da Alemanha nazista e obscureceram os sacrifícios feitos por seu povo.

Intitulada “Remembrance” (Recordação, em tradução livre), a produção terá sua estreia mundial nesta quarta-feira, disponível também pela internet.

"Eu acho que a Segunda Guerra Mundial foi distorcida incrivelmente pela mídia anglo-americana, e isso porque eles queriam diminuir o papel da Rússia e de Stalin que realmente derrotaram Hitler, você sabe. Não foram os Estados Unidos e a Grã-Bretanha que o derrotaram, foi realmente Stalin", diz Dan Henderson, jornalista norte-americano.

Enquanto a equipe de filmagem viaja pela Polônia, um dos principais campos de batalha ideológicos onde a percepção do conflito ainda influencia a política atual, ela fala aos que veem o Exército Vermelho como libertadores, assim como com aqueles que os viam como invasores.

O documentário discute ainda pontos de referência de guerra, como o Pacto Molotov-Ribbentrop, e expõe como a percepção de muitos mudou durante a Guerra Fria, e novamente desde a queda da Cortina de Ferro, no início dos anos 1990.

"Soldados do Exército Vermelho como libertadores? Na Polônia, a situação é diferente. É difícil para os poloneses falarem em libertação. Nós fomos libertados apenas em 1989, é um tópico completamente diferente", diz Krzysztof Kowalec, professor do Instituto de Memória Nacional.

"Em 50 anos, as crianças polonesas pensarão que a Polônia foi libertada pelo […] Exército dos EUA e não pelo Exército Vermelho. Mas não vamos permitir isso!", responde Tadeusz Kowalczyk, um coronel do Exército polonês, defendendo a visão oposta.

Está não é a primeira produção televisiva que visa esclarecer quem de fato venceu a Alemanha nazista de Adolf Hitler. Em 2012, o cineasta estadunidense Oliver Stone lançou uma série que explorava os equívocos envolvendo os EUA e fatos históricos, e um dos episódios confirmava que a URSS foi quem de fato venceu a Segunda Guerra Mundial.

Sputnik / Sergei Guneev

Vídeo: https://youtu.be/hoF-ZowfvIg

18.5.18

https://br.sputniknews.com/russia/2018050811169627-documentario-urss-hitler-video/

Lula no Le Monde

 

O artigo de Lula para o jornal francês Le Monde

Em artigo exclusivo para um dos jornais mais lidos da França, ex-presidente Lula reafirma a farsa judicial para tirá-lo das eleições mas garante que não está cabisbaixo: "Na minha vida nada foi fácil, mas aprendi a não desistir. Meus problemas são pequenos perto do que sofre a população brasileira"

Luiz Inácio Lula da Silva, via Le Monde

Sou candidato a presidente do Brasil, nas eleições de outubro, porque não cometi nenhum crime e porque sei que posso fazer o país retomar o caminho da democracia e do desenvolvimento, em benefício do nosso povo. Depois de tudo que fiz como presidente da República, tenho certeza de que posso resgatar a credibilidade do governo, sem a qual não há crescimento econômico nem a defesa dos interesses nacionais.  Sou candidato para devolver aos pobres e excluídos sua dignidade, a garantia de seus direitos e a esperança de uma vida melhor.

Na minha vida nada foi fácil, mas aprendi a não desistir. Quando comecei a fazer política, mais de 40 anos atrás, não havia eleições no País, não havia direito de organização sindical e política. Enfrentamos a ditadura e criamos o Partido dos Trabalhadores, acreditando no aprofundamento da via democrática. Perdi 3 eleições presidenciais antes de ser eleito em 2002. E provei, junto com o povo, que alguém de origem popular podia ser um bom presidente. Terminei meus mandatos com 87% de aprovação popular. É o que o atual presidente do Brasil, que não foi eleito, tem de rejeição hoje.

Nos oito anos que governei o Brasil, até 2010, tivemos a maior inclusão social da história, que teve continuidade no governo da companheira Dilma Rousseff. Tiramos 36 milhões de pessoas da miséria extrema e levamos mais de 40 milhões para a classe média. Foi período de maior prestígio internacional do nosso país. Em 2009, Le Monde me indicou “homem do ano”. Recebi estas e outras homenagens, não como mérito pessoal, mas como reconhecimento à sociedade brasileira, que tinha se unido para a partir da inclusão social promover o crescimento econômico.

Sete anos depois de deixar a presidência e depois de uma campanha sistemática de difamação contra mim e meu partido, que reuniu a mais poderosa imprensa brasileira e setores do judiciário, o momento do país é outro: vivemos retrocessos democráticos, uma prolongada crise econômica, e a população mais pobre sofre, com a redução dos salários e da oferta de empregos, o aumento do custo de vida e o desmonte de programas sociais.

A cada dia mais e mais brasileiros rejeitam a agenda contra os direitos sociais do golpe parlamentar que abriu caminho para um programa neoliberal que havia perdido quatro eleições seguidas e que é incapaz de vencer nas urnas. Lidero, por ampla margem, as pesquisas de intenções de voto no Brasil porque os brasileiros sabem que o país pode ser melhor.

Lidero as pesquisas mesmo depois de ter sido preso em consequência de uma perseguição judicial que vasculhou a minha casa e dos meus filhos, minhas contas pessoais e do Instituto Lula, e não achou nenhuma prova ou crime contra mim.

Um juiz notoriamente parcial me condenou a 12 anos de prisão por “atos indeterminados”. Alega, falsamente, que eu seria dono de um apartamento no qual nunca dormi, do qual nunca tive a propriedade, a posse, sequer as chaves.

Para me prender, e tentar me impedir de disputar as eleições ou fazer campanha para o meu partido, tiveram que ignorar a letra expressa da constituição brasileira, em uma decisão provisória por apenas um voto de diferença entre 11 na Suprema Corte.

Mas meus problemas são pequenos perto do que sofre a população brasileira. Para tirarem o PT do poder após as eleições de 2014, não hesitaram em sabotar a economia com decisões irresponsáveis no Congresso Nacional e uma campanha de desmoralização do governo na imprensa.

Em dezembro de 2014 o desemprego no Brasil era 4,7%. Hoje está em 13,1%.

A pobreza tem aumentado, a fome voltou a rondar os lares e as portas das universidades estão voltando a se fechar para os filhos da classe trabalhadora. Os investimentos em pesquisa desabaram.

O Brasil precisa reconquistar a sua soberania e os interesses nacionais. Em nosso governo, o País liderou os esforços da agenda ambiental e de combate à fome, foi convidado para todos os encontros do G-8, ajudou a articular o G-20, participou da criação dos BRICS, reunindo Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul, e da Unasul, a União dos países da América do Sul.

Hoje o Brasil tornou-se um pária em política externa, que os líderes internacionais evitam visitar, e a América do Sul se fragmenta, com crises regionais cada vez mais graves e menos instrumentos diplomáticos de diálogo entre os países.

Mesmo a parte da população que apoiou a queda da presidenta Dilma Rousseff, após intensa campanha das Organizações Globo, que monopolizam a comunicação no Brasil, já percebeu que o golpe não era contra o PT. Era contra a ascensão social dos mais pobres e os direitos dos trabalhadores. Era contra o próprio Brasil.

Tenho 40 anos de vida pública. Comecei no movimento sindical. Fundei um partido político com companheiros de todo o nosso país e lutamos, junto com outras forças políticas na década de 1980, por uma Constituição democrática. Candidato a presidente, prometi, lutei e cumpri a promessa de que todo o brasileiro teria direito a três refeições por dia, para não passar fome que passei quando criança.

Governei uma das maiores economias do mundo e não aceitei pressões para apoiar a Guerra do Iraque e outras ações militares. Deixei claro que minha guerra era contra a fome e a miséria. Não submeti meu país aos interesses estrangeiros em nossas riquezas naturais.

Voltei depois do governo para o mesmo apartamento do qual saí, a menos de 1 quilômetro do Sindicato dos Metalúrgicos do da cidade de São Bernardo do Campo, onde iniciei minha vida política.

Tenho honra e não irei, jamais, fazer concessões na minha luta por inocência e pela manutenção dos meus direitos políticos. Como presidente, promovi por todos os meios o combate à corrupção e não aceito que me imputem esse tipo de crime por meio de uma farsa judicial.

As eleições de outubro, que vão escolher um novo presidente, um novo congresso nacional e governadores de estado, são a chance do Brasil debater seus problemas e definir seu futuro de forma democrática, no voto, como uma nação civilizada. Mas elas só serão democráticas se todas as forças políticas puderem participar de forma livre e justa.

Eu já fui presidente e não estava nos meus planos voltar a me candidatar. Mas diante do desastre que se abate sobre povo brasileiro, minha candidatura é uma proposta de reencontro do Brasil com o caminho de inclusão social, diálogo democrático, soberania nacional e crescimento econômico, para a construção de um país mais justo e solidário, que volte a ser uma referência no diálogo mundial em favor da paz e da cooperação entre os povos.

Fonte:  https://www.pragmatismopolitico.com.br/2018/05/artigo-de-lula-frances-le-monde.html

17.5.2018

Homilia do Papa Francisco parece endereçada ao golpe no Brasil e à prisão de Lula

 

"A mídia começa a falar mal das pessoas. Depois chega a justiça, as condena e, no final, se faz um golpe de Estado". Papa Francisco faz homilia que parece ser endereçada ao golpe no Brasil e à prisão de Lula

Na missa celebrada na manhã desta quinta-feira (17), na Casa Santa Marta, no Vaticano, o Papa Francisco dedicou a sua homilia ao tema da unidade, inspirando-se na Liturgia da Palavra.

Em um trecho intitulado “Intrigar: um método usado também hoje”, o Papa parece ter se dirigido ao Brasil, ao golpe e à prisão do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, ao fazer uma descrição exata da nossa atual situação política.

De acordo com transcrição literal do Vatican News, o Papa Francisco disse: a vida civil, a vida política, quando se quer fazer um golpe de Estado”: “a mídia começa a falar mal das pessoas, dos dirigentes, e com a calúnia e a difamação essas pessoas ficam manchadas”. Depois chega a justiça, “as condena e, no final, se faz um golpe de Estado.

Veja o trecho completo abaixo: Intrigar, um método usado também hoje

Criam-se condições obscuras” para condenar a pessoa, explicou o Papa, e depois a unidade se desfaz. Um método com o qual perseguiram Jesus, Paulo, Estevão e todos os mártires e muito usado ainda hoje. E Francisco citou como exemplo “a vida civil, a vida política, quando se quer fazer um golpe de Estado”: “a mídia começa a falar mal das pessoas, dos dirigentes, e com a calúnia e a difamação essas pessoas ficam manchadas”. Depois chega a justiça, “as condena e, no final, se faz um golpe de Estado”. Uma perseguição que se vê também quando as pessoas no circo gritavam para ver a luta entre os mártires ou os gladiadores.

Leia a íntegra no Vatican News

https://www.pragmatismopolitico.com.br/2018/05/homilia-do-papa-francisco-golpe-prisao-de-lula.html

17.5.18

A d e u s   S a t a n á s

Fundação de George Soros encerra operações na Hungria

A organização Open Society Foundations de George Soros está encerrando suas operações na Hungria, acusando Budapeste de reprimir a sociedade civil. O primeiro-ministro húngaro Viktor Orban repetidamente criticou o magnata por se intrometer nos assuntos internos do país.

"Diante de um ambiente político e legal cada vez mais repressivo na Hungria, a Open Society Foundations está transferindo suas operações e equipes internacionais sediadas em Budapeste para a capital alemã, Berlim", confirmou o grupo nesta terça-feira.

Patrick Gaspard, presidente da Open Society Foundations, atacou o governo húngaro, dizendo que "denegriu e deturpou nosso trabalho", enquanto reprimia a sociedade civil "por causa de ganhos políticos".

O grupo baseou sua decisão no fato de que Budapeste "se prepara para impor mais restrições a organizações não-governamentais através do que rotulou como o pacote de legislação 'Pare Soros'".

Orban se manifestou repetidamente contra as agendas prejudiciais da fundação de Soros e outras ONGs, acusando o bilionário de interferir nos assuntos políticos internos da Hungria, financiando grupos de oposição.

Falando sobre as recentes eleições e a vitória de seu partido Fidesz, Orban disse: "Eu sei que eles não vão aceitar o resultado da eleição, eles vão organizar todo tipo de coisas, eles têm recursos financeiros ilimitados".

Quando a notícia da possível saída da Open Society Foundations da Hungria se rompeu em abril, Orban disse: "Você pode entender se eu não chorar".

Em fevereiro, o Fidesz submeteu um projeto de lei ao parlamento chamado "Lei Pare Soros" — em referência ao magnata húngaro-americano — que restringiria a imigração e também afetaria as ONGs financiadas por estrangeiros. O projeto de lei diz que todas as ONGs que "apoiam a imigração ilegal" precisam ser registradas, enquanto qualquer ONG que recebe dinheiro do exterior deve pagar um imposto de 25%.

Além disso, os cidadãos estrangeiros e os cidadãos húngaros que apoiam a imigração ilegal podem estar sujeitos a uma ordem de restrição que os manterá afastados da fronteira.

"Se Soros for encontrado e estiver envolvido em tal atividade, o que significa que ele organiza a imigração ilegal, então as regras serão aplicadas a ele", disse o porta-voz do governo, Zoltan Kovacs, em fevereiro.

O magnata de 87 anos trabalhou como negociador e analista antes de fundar a Soros Fund Management em 1969. Tornou-se um dos principais investidores do mundo, gerando uma enorme riqueza para si mesmo.

O projeto Open Society Foundations foi iniciado em 1979, com a primeira fundação fora dos EUA na Hungria em 1984. O grupo atualmente tem gastos anuais de mais de US$ 940 milhões, opera em mais de 100 países em todo o mundo, com 26 fundações nacionais e regionais e escritórios.

O bilionário já foi comparado ao diabo por seus chamados para levar imigrantes para a Europa, o que foi percebido por alguns deputados húngaros como uma tentativa de destruir a independência e os valores dos Estados-nação. O parlamentar húngaro Andras Aradszki, do Partido do Povo Democrata Cristão (KDNP), disse que é um dever cristão lutar contra o que ele chamou de "plano satânico de Soros".

(Soros não é propriamente humano, trata-se de um ser perigoso e maligno, líder da cabala khazariana ele não deveria mais estar no mundo.)

O magnata também enfrentou acusações de interferência na política britânica depois que surgiram notícias de que ele doou quase meio milhão de libras para uma campanha que buscava reverter o Brexit.

Orban, um crítico severo da imigração ilegal e das cotas obrigatórias de imigração de Bruxelas, declarou certa vez que a recente onda de refugiados que entram na Europa é uma invasão.

Em dezembro de 2017, a Hungria, juntamente com a Polônia e a República Tcheca, disse que se reserva o "direito" de rejeitar as cotas de refugiados impostas pela União Europeia (UE), apesar da pressão da Comissão Europeia. Os três países argumentaram na época que os refugiados poderiam representar uma ameaça direta à segurança pública.

Darko Vojinovic  e  Brendan Smialowski

https://br.sputniknews.com/europa/2018051511221349-fim-fundacao-soros-hungria/

16.5.18

Comitiva de executivos suíços é recebida com protestos em São Paulo

 

... Michel Temer está negociando a água brasileira...  em um evento fechado e fora do programa oficial, ele se reuniu com o presidente da... Nestlé em Davos... assunto... privatizar grandes mananciais, como o Aquífero Guarani...

Uma comitiva formada por cerca de 60 executivos foi recebida com protestos no dia 29 de abril.  Os alvos foram as multinacionais de origem suíça: Nestlé, Syngenta e Ruag. Por meio de uma intervenção teatral, os militantes denunciaram a tentativa de privatizar a água, de comercializar venenos agrícolas já proibidos no país e de instalar uma fábrica de armas no estado de Pernambuco.

O ato foi realizado na frente do hotel Tivoli, em São Paulo, local onde os empresários estão hospedados.  Uma das manifestantes, que preferiu não se identificar, explica os motivos do protesto: “é uma ação de denúncia e exposição da presença desses empresários no Brasil.

Eles vieram sem divulgar a agenda e a pauta. É no mínimo suspeito que um grupo de empresários da Nestlé, da Syngenta, da Ruag e todas essas empresas venham se reunir aqui no Brasil, logo nesse contexto onde a gente acaba de passar por uma situação em que, claramente, o presidente Michel Temer está negociando a água brasileira”.

A ativista refere-se ao Fórum Econômico Mundial, realizado no início do ano, em Davos, na Suíça. Na ocasião, o tema da água recebeu destaque na agenda de Temer. Em um evento fechado e fora do programa oficial, ele se reuniu com o presidente do Conselho de Administração da Nestlé, Paul Bulcke.

A militante destaca que a chegada de executivos da empresa aqui no Brasil pode sinalizar mais um avanço na tentativa de privatizar grandes mananciais, como o Aquífero Guarani, uma reserva que possui mais de 1,2 milhão de km² de água doce.

Outra empresa que é alvo das críticas é a Syngenta, corporação biotecnológica e uma das maiores fabricantes de agrotóxicos e transgênicos do mundo. De acordo com os manifestantes, a presença dos executivos pode estar relacionada com o Paraquat, agrotóxico proibido pela Anvisa por conta de seu alto grau de toxicidade. Pouco tempo depois da proibição, a Anvisa estendeu o prazo para o banimento do veneno para três anos, devido a pressões de empresas do setor agrícola.

“Foi um grande avanço do povo brasileiro em defesa da nossa saúde, principalmente, dos agricultores, que são aqueles que trabalham diretamente com esse tipo de produto. Ela [Syngenta], se reunindo com tantas outras corporações, pode estar articulando formas de pressionar o governo, por meio de sanções econômicas, a violar esse avanço, essa conquista que foi a proibição do Paraquat”, alerta.

As críticas também foram direcionadas à RUAG - multinacional suíça do setor armamentista. O Governo Federal vem negociando com a empresa a possibilidade de implantar uma fábrica de munições em Pernambuco.

Participam da comitiva, empresários e cientistas ligados ao Centro de Alimentação Mundial (World Food Center), da Universidade Politécnica de Zurique, que é financiado pelas grandes corporações, como Nestlé, Syngenta, além de representantes da Swissnex, o Swiss, Business Hub e a SwissCam, Novartis e Schindler.  (Empresas da Elite Global que têm as piores intenções com a humanidade – reduzir para melhor controlar).

Manoela Z. Bruscatto - colaboradora do Blog "Verdade Mundial"

LINK: https://verdademundial.com.br/2018/05/comitiva-de-executivos-suicos-e-recebida-com-protestos-em-sao-paulo/

14.5.18

Governo se apressa para pagar bancos da elite global

 

Petrobrás antecipa pagamento de US$ 900 mi em dívidas bancárias

(Para JPMorgan e Banco Safra)

 

A Petrobras anunciou nesta sexta-feira (11) o pré-pagamento de US$ 900 milhões em dívidas bancárias, como parte de estratégia para reduzir o seu nível de endividamento. 

Nos últimos meses, a empresa vem acelerando o pagamento de dívidas com o uso de recursos recebidos com a venda de ativos. No último dia 2, por exemplo, resgatou antecipadamente US$ 1,4 bilhão em títulos com vencimento em 2020.

Do total pago nesta sexta, US$ 300 milhões eram de dívida com o Banco Safra, cujo vencimento seria em janeiro de 2023, e US$ 600 milhões com o JP Morgan, de dívida vincendo em setembro de 2022.

"A Petrobras continuará avaliando novas oportunidades de pré-pagamento, de acordo com a sua estratégia de gerenciamento de passivos", disse a petroleira, em comunicado.

Em seu plano de negócios, a Petrobras tem como meta atingir ao final de 2018 um indicador de dívida líquida sobre geração de caixa medida pelo Ebitda inferior a 2,5 vezes. Ao fim do primeiro trimestre, eram 3,52 vezes.

O indicador mostra quantos anos de geração de caixa a companhia precisa para pagar toda a sua dívida.
No primeiro trimestre, o endividamento líquido da Petrobras era R$ 270,7 bilhões, 3,5% a menos do que no mesmo período do ano anterior. O prazo médio de pagamento foi ampliado para 9,26 anos, contra os 7,61 do mesmo período de 2017. 

Até 2014, companhia tinha um grande volume de vencimentos concentrado no final da década - média de R$ 16 bilhões por ano entre 2018 e 2020 - o que gerou alertas a respeito de sua capacidade de pagamento.

Com pré-pagamentos e rolagem de dívidas, conseguiu empurrar os prazos para meados dos anos 2020. Agora, o ano com o maior valor em vencimentos, R$ 17,7 bilhões, é 2022. Até 2020, restam R$ 11,1 bilhões.

MAIS VALIOSA

Nesta quinta (10), a Petrobras retomou o posto de empresa mais valiosa da América Latina, desbancando a AMBEV da posição que ocupava desde outubro de 2014.

Impulsionada pela valorização do petróleo nos últimos dias, a petrolífera atingiu R$ 358,9 bilhões em valor de mercado, segundo cálculos de Einar Rivero, da empresa de informações financeiras Economática.

Na terça (8) a petroleira anunciou lucro de R$ 6,96 bilhões no primeiro trimestre de 2018, alta de 56,4% em relação ao mesmo período do ano passado.

Silvia Izquierdo –  Folha 

Fonte: https://www1.folha.uol.com.br/mercado/2018/05/petrobras-antecipa-pagamento-de-us-900-mi-em-dividas-bancarias.shtml

Jomarion lembra que esta grande e importante estatal esta sendo "leiloada" pelo Governo Temer e será mais uma riqueza perdida para beneficiar corporações da "elite illuminati" e penalizar ainda mais o povo brasileiro!

Temer usa dados falsos para minimizar desemprego

Presidente disse que aumento na taxa medida pelo IBGE deve-se à melhora da economia, mas números desmentem essa afirmação

O presidente Michel Temer (MDB) tem comemorado a recuperação da economia, embora os dados mostrem que o processo ocorre de forma muito mais lenta do que o esperado. Um dos números recentes que frustram essa tendência otimista foi a taxa de desocupação para o primeiro trimestre deste ano (janeiro, fevereiro e março), medida pela Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) Contínua, do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). O desemprego subiu para 13,1%, mantendo uma tendência de alta registrada desde o quarto trimestre de 2017, quando ficou em 11,8%.

Em entrevista dada para a edição de estreia no programa Poder em Foco, no SBT, em 6 de maio, Temer usou dados sobre criação de vagas e desocupação para defender a ideia de que esses números mostram que a economia está melhorando. O Truco ­– projeto de fact-checking da Agência Pública – analisou três das afirmações do presidente sobre esse tema. A checagem descobriu que Temer usou dados falsos e sem contexto para minimizar os problemas que persistem no mercado de trabalho. Procurada, a Secretaria Especial de Comunicação Social da Presidência da República preferiu não se pronunciar.

O presidente Michel Temer (MDB) usou números errados ou sem contexto sobre o desemprego, em entrevista ao SBT

O emprego com carteira registrada em janeiro chegou a 79 mil carteiras registradas, mais ou menos por aí. No mês de fevereiro, 66 mil, 67 mil. No mês de março, 57, 58 mil carteiras assinadas. Estou falando de empregos formais.

Ao mencionar os números sobre criação de vagas com carteira assinada entre janeiro e março deste ano, o presidente Michel Temer citou como fonte o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), mantido pelo Ministério do Trabalho. Os números mostram o saldo entre contratações e demissões para cada mês analisado. Temer usou valores muito próximos dos apurados para esse período. Em janeiro, o saldo foi positivo em 82.855 postos de trabalho com carteira assinada. Já em fevereiro, ficou em 65.058 e, em março, em 56.151 vagas.

Apesar de serem resultados bons para o ano, em dezembro o Caged registrou uma enorme retração. O saldo ficou negativo em 339.648 vagas. Como esse número não foi mencionado pelo presidente, faltou contexto à informação. A criação de empregos formais também não significa que houve ampliação do mercado de trabalho, ou seja, de que há mais vagas do que antes para quem deseja trabalhar. De acordo com a Pnad Contínua, a população ocupada caiu 1,7% no primeiro trimestre de 2018, em relação ao trimestre anterior. O número de empregos com carteira assinada também caiu, segundo o IBGE. Foram fechados 402 mil postos na comparação com o trimestre anterior.

“Nesses cinco meses, houve a retomada de cerca de 1,5 milhão de postos de trabalho.”

Temer defendeu que houve a criação de 1,5 milhão de postos de trabalho, formais ou informais, nos últimos meses durante a entrevista ao SBT. Novamente, ele citou como fonte o Caged, do Ministério do Trabalho. “Nesses quatro ou cinco meses, (…) [houve] abertura de postos de trabalho – postos de trabalho significam emprego formal ou atividade retomada, como, por exemplo, venda de hambúrguer, cabeleireiro, etc, que as pessoas começaram a retomar porque houve consumo”, disse. O número é falso.

Os dados do Caged medem apenas a criação de vagas formais. Logo, não servem como referência para o valor citado, de 1,5 milhão de postos de trabalho. A Pnad Contínua, do IBGE, mostra, no entanto, que o que ocorreu foi exatamente o contrário. Na comparação entre o primeiro trimestre de 2018 e o quarto trimestre de 2017, houve a redução de 1,528 milhão de vagas no mercado formal ou informal. Isso porque o total da população ocupada caiu de 92,1 milhões para 90,6 milhões.

“O IBGE, quando faz o levantamento e indica que o desemprego aumentou, sabe por que aumentou? Por um dado positivo. É que, como a economia cresceu, as pessoas desalentadas, que não procuravam emprego, começaram, alentadas, que ficaram a procurar emprego.”

Momentos de retomada econômica costumam registrar inicialmente aumento do desemprego, pelos motivos citados por Temer. Há um contingente da população que não procura se recolocar no mercado de trabalho, por acreditar que não haverá vagas. Essas pessoas são classificadas como desalentadas pelo IBGE e pelo Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese), que também faz levantamentos regulares sobre esse tema. Elas não são consideradas desocupadas – uma vez que não procuram emprego, embora sejam capazes de trabalhar – e não entram no cálculo da taxa de desemprego.

Quando há sinais positivos após um período de recessão, uma parte desse contingente sai às ruas em busca de uma recolocação. Esse movimento tende a fazer o índice do desemprego crescer, porque essas pessoas se juntam às outras que já estão em busca de um posto de trabalho. A taxa de desocupação verifica quem não trabalhou e está em busca de uma vaga, tanto no mercado formal como no informal, no período do levantamento. O problema da declaração de Temer é que os números disponíveis hoje não mostram que está ocorrendo essa movimentação. “Isso é algo que provavelmente vai acontecer no momento em que a economia voltar a gerar empregos”, afirma Clemente Ganz Lúcio, diretor técnico do Dieese. Por isso, a frase é falsa.

Até a publicação desta checagem, não havia dados do IBGE sobre o contingente de desalentados no primeiro trimestre de 2018. No último trimestre do ano passado, contudo, essa taxa foi a maior da série histórica e ficou em 3,9%, correspondentes a 4,3 milhões de pessoas. Essas pessoas entram no grupo classificado como “fora da força de trabalho”. De acordo com a Pnad Contínua, do IBGE, o tamanho desse contingente ficou estável (variou 0,4%) entre o primeiro trimestre deste ano (64,8 milhões) e o último trimestre do ano passado (64,6 milhões). Isso mostra que não houve uma mudança de comportamento dos desalentados, como disse Temer.

Outro indicativo importante de que os desalentados não mudaram de comportamento está na demora para achar vagas. “O tempo de procura de emprego é muito alto hoje no Brasil. Para procurar emprego, as pessoas têm um custo e um investimento. Elas observam que não conseguem encontrar um posto de trabalho e provavelmente muitas vão, nessa situação, para o desalento. Os números do desalento crescem nas pesquisas do Dieese, porque as pessoas desistem de procurar emprego, apesar de precisarem”, destaca Clemente Lúcio, do Dieese. Levantamento feito pelo órgão constatou que, em março, a média em São Paulo era de 47 semanas, uma queda de apenas 2,1% em relação a fevereiro.

Fonte: https://operamundi.uol.com.br/conteudo/samuel/49364/temer+usa+dados+falsos+para+minimizar+desemprego.shtml

Uma bomba chamada Neoliberalismo

Neoliberalismo é uma bomba armada para os países em desenvolvimento

CartaCapital

Discípulo fervoroso do neoliberalismo extremado, em especial a partir de 2016, o Brasil está vulnerável às piores consequências da crise cada vez mais grave do modelo instalado pelo Consenso de Washington na década de 1990.

Um número crescente de analistas alerta para o esgotamento da fórmula composta de regras de estabilização macroeconômica, abertura comercial e financeira, expansão das forças do mercado e privatização, um dia considerada indispensável ao bem-estar do mundo, até porque não haveria alternativa segundo a ex-primeira-ministra britânica Margaret Thatcher.

Em que pese os avanços do PIB e do comércio mundiais em 2018, vários especialistas de reputação mundial não veem a médio e a longo prazo perspectivas de consolidação de um crescimento sustentável com demanda e investimento firmes e redução da desigualdade.

Brasil, com mercado interno aberto sem restrições às importações e aos investimentos estrangeiros, em meio ao avanço mundial do protecionismo, base produtiva e de recursos minerais e energéticos em processo de desnacionalização, economia reprimarizada e endividamento privado elevado, oferece hoje liberdade e oportunidades sem paralelo para produtos e capital estrangeiros, enquanto rifa em simultâneo o seu próprio futuro. As consequências, sabe-se, recairão com grande intensidade sobre a parcela mais frágil da população desempregada, subempregada, ou nem isso.

Na raiz do ceticismo quanto à possibilidade de uma retomada consistente da economia mundial está um endividamento público e privado colossal, segundo o Fundo Monetário Internacional, que na quarta-feira 18 alertou: “A dívida global atingiu recorde histórico e os governos devem começar a reduzi-la já”.

Em 2016 o FMI contabilizou 164 trilhões de dólares e a situação das economias avançadas em termos de nível de endividamento em comparação ao PIB é pior que a dos países de baixa renda. O valor corresponde a 225% do PIB mundial, segundo informou a publicação Fiscal Monitor da instituição na edição de abril, um acréscimo de 12 pontos porcentuais em relação ao recorde anterior de 2009 logo após a eclosão da crise financeira mundial.

“Essas constatações e o ciclo de negócios significam que os governos deveriam construir ‘amortecedores’ e cortar a dívida pública para enfrentar “desafios que virão inevitavelmente no futuro”, alertou Vitor Gaspar, diretor do departamento de assuntos fiscais do FMI. A superação do impasse é mais complexa e arriscada, entretanto, do que sugere a recomendação do Fundo, asseguram vários economistas.

O aviso do FMI foi precedido da realização de um painel na sexta-feira 13 sobre o mesmo tema e várias das suas implicações no South Centre, organização intergovernamental com sede em Genebra, na Suíça, integrada por 54 países em desenvolvimento, Brasil incluído, e que os ajuda a combinar esforços e conhecimentos para promover interesses em comum no plano internacional.

As principais economias desenvolvidas lideradas pelos Estados Unidos “caminham como sonâmbulos em direção à guerra” com sua insistência em políticas fiscais e monetárias insustentáveis desde a crise financeira de 2008 e de consequências destrutivas para as nações em desenvolvimento, advertiram Hervé Hannoun, ex-gerente-geral adjunto do Bank for International Settlements, ou Banco de Compensações Internacionais, considerado uma espécie de banco central dos bancos centrais, e Peter Dittus, ex-secretário-geral da instituição.

No debate “Uma Revolução É Necessária. A bomba-relógio do modelo do G-7”, os economistas, autores de livro com o mesmo título, argumentaram que “as políticas monetária, fiscal, macroeconômica, de defesa e contra o superaquecimento global têm uma característica em comum: são negligentes, imprudentes e irresponsáveis.

Aprendizes de feiticeiro construíram um esquema de crescimento impulsionado pela dívida que está levando diretamente para o próximo crash financeiro. Essas políticas são apresentadas como sendo de interesse público. Não surpreende que a confiança nos formuladores de políticas e instituições públicas esteja se desgastando. As pessoas sentem que algo está errado com o modo como as elites do G-7 estão se desincumbindo das suas responsabilidades.

A trajetória atual das suas políticas econômicas está levando a uma crise sistêmica que colocará em questão muitas das crenças nas quais o sistema capitalista é construído.” G-7 é o nome do grupo formado em 1977 por Estados Unidos, Canadá, Alemanha, Japão, França, Reino Unido e Itália.

Hannoun e Dittus propõem uma mudança radical rumo a um modelo sustentável que use pouco carbono, detenha a escalada militar, coloque o interesse comum à frente dos interesses de poucos e distribua os frutos econômicos de um modo mais equitativo.

Nessa revolução, “o Estado e as políticas públicas devem desempenhar um papel crucial e maior do que servir aos interesses principalmente financeiros, como aconteceu nas últimas décadas”, argumentaram.

Uma grande mudança é um imperativo, disse, para o mundo evitar as piores crises em várias frentes simultaneamente. “As políticas monetárias extremas seguidas pelos sete países mais ricos desde 2012 minaram os alicerces da economia de mercado. A ‘bomba de tudo’  financeira, militar, ecológica e social construída pelo G-7 está pronta para estourar na sequência de uma quantidade sem precedentes de bolhas de preços de ativos infladas nos últimos sete anos de taxas de juros próximas de zero ou negativas”, disparou Dittus.

Uma bolha forma-se quando as cotações de títulos públicos, ações ou imóveis, entre outros ativos, se desviam em muito da sua média histórica, criando oportunidades para especulação e outras distorções. São exemplos do fenômeno os colapsos do setor de poupança e empréstimos nos anos 1980, das empresas de internet e tecnologia nos anos 2000 e das hipotecas de má qualidade em 2008, todas nos Estados Unidos e com consequências mundiais.

A Bomba de Tudo

A ‘bomba de tudo’, explicaram os ex-dirigentes do BIS, seria a junção de quatro bombas-relógio que, no seu entendimento, mais cedo ou mais tarde levarão a uma crise do modelo G-7:

  • A dívida colossal nos mercados financeiros inundados pela liquidez dos bancos centrais dos países do grupo
  • O risco de um confronto militar entre o Ocidente (Organização do Tratado do Atlântico Norte, Estados Unidos e União Europeia) e o Oriente (Rússia e China)
  • As elevadas emissões de carbono que aumentam o aquecimento global e ameaçam o planeta
  • O perigo de subemprego agudo associado a um crescimento econômico menor e à revolução digital.

Após a crise de 2008, que foi um desdobramento das políticas monetárias e fiscais insustentáveis seguidas pelo FED dos Estados Unidos e outros bancos centrais nos principais países industrializados, disse Hannoun, os integrantes do G-7 à exceção da Alemanha continuaram a implementar políticas fiscais frouxas e assim aumentaram as dívidas dos governos.

Em consequência, a dívida do governo sobre o PIB no ano passado atingiu 221% no Japão, 157% na Itália, 124% na França, 121% no Reino Unido, 105% nos Estados Unidos, 97% no Canadá e 72% na Alemanha. “A situação remete a 1971, quando o presidente Richard Nixon suspendeu unilateralmente a conversibilidade do dólar americano em ouro, início do exorbitante privilégio estadunidense de imprimir sua moeda e com ela pagar mercadorias e serviços importados."

"Foi assim que os Estados Unidos se tornaram o epicentro das políticas monetárias insustentáveis sem qualquer preocupação com o crescimento dos déficits gêmeos, o fiscal e o de conta corrente. Os EUA exportaram seu modelo ao restante do G-7, que o seguiu religiosamente, à exceção da Alemanha”, sublinhou o economista.

Os EUA elevaram os gastos novos e as reduções de impostos em trilhões de dólares sem outra sustentação a não ser mais dívida, inclusive aquela gerada por isenções fiscais no valor de 1,5 trilhão de dólares para as grandes corporações empresariais, 1,5 trilhão destinado ao plano de infraestrutura e um aumento colossal do orçamento do Pentágono em 700 bilhões. A festa prosseguiu, disse Hannoun, a despeito do comportamento imprudente dos Estados Unidos. O déficit fiscal projetado para 2019 oscila em torno de 1 trilhão de dólares e não se chegaria a essa situação sem a política monetária permissiva conduzida pelo Federal Reserve desde 2009.

O silêncio, ou a complacência, das três grandes agências de classificação de risco com sede nos Estados Unidos, a Standard & Poor’s, a Moody’s e a Fitch, com a bênção do Fundo Monetário Internacional, expõe a hipocrisia dos responsáveis pela regulação do sistema financeiro”, destacou Dittus. Os bancos centrais do G-7 tornaram-se facilitadores irrestritos da acumulação de dívida.

“Os aprendizes de feiticeiro distribuem incentivos para acumulação de dívida sem limites, a exemplo das taxas de juro nominais próximas de zero ou negativas. Os maiores beneficiários dessa situação são corporações não bancárias que recompram suas próprias ações, aumentando assim a alavancagem ou a multiplicação das chances de ganho por meio do endividamento contraído essencialmente para agradar aos seus acionistas.”

A dívida total dos sete principais países desenvolvidos foi estimada em torno de 100 trilhões de dólares no terceiro trimestre do ano passado. Estados Unidos, Reino Unido, Canadá, Japão e a Zona do Euro representam 64% da dívida total mundial. “As políticas monetárias fundamentalistas extremas seguidas pelo grupo desde 2012 solaparam os alicerces da economia de mercado”, diagnosticou Hannoun.

Além disso, disse, a distorção dos preços de todos os ativos por causa da intervenção dos bancos centrais nos últimos seis anos introduziu um significativo elemento de comando das economias do G-7, que se moveram rumo a um regime de mercados financeiros centralmente planejados.

A consequência é que o modelo do G-7 não segue mais o livro-texto da economia de mercado, na medida em que as taxas de juro de longo prazo são manipuladas e falham ao não espelhar os chamados fundamentos. As políticas monetárias do G-7 são o elemento comum à maior parte dos excessos especulativos observados nas negociações de títulos do governo, ações e imóveis.”

O FED lidou com o estouro de cada bolha de ativos nos últimos 20 anos criando outras bolhas ainda maiores. Pior, a inflação de preços de ativos criada pelos bancos centrais é um fator-chave para o aumento da desigualdade, chamaram atenção os autores do livro. “A mais assustadora bolha de preços de ativos é a de títulos do governo de Japão, Alemanha e França, com rendimentos nominais de títulos de 10 anos entre zero e 1 por cento”, afirmaram os economistas.

“Ao abusarem do quantitative easing (política de abarrotar o mercado com dinheiro mediante a compra continuada de títulos públicos no mercado), os bancos centrais do G-7 correm o risco de enveredar pela ladeira escorregadia que ultimamente conduz à monetização da dívida do governo”, receiam os autores do livro.

A monetização consiste no financiamento de operações do governo pelo Banco Central. As políticas monetária e fiscal seguidas pelos sete principais países desenvolvidos resultaram na “captura” da primeira pelos mercados e na “captura regulatória” das instituições de supervisão e controle pelos grandes bancos. Nesse processo, governos e agências reguladoras fizeram-se reféns do setor financeiro e seu trabalho foi assim anulado.

Durante a discussão em Genebra o ex-presidente do Banco Central da Índia Yaga Venugopal Reddy ressaltou a necessidade de “rebalanceamento em várias frentes entre as economias nacional e global, o Estado e o mercado, a finança e o mundo real. Tampouco é aceitável a adoção de um único modelo para todos os países.

A crise financeira atual tornou-se um colapso econômico transformado em flagelo social com desdobramentos políticos que nós ainda não somos capazes de entender plenamente. O ataque ao multilateralismo é, na verdade, um ataque da crise das finanças globais e suas consequências”.

Sobre a abrangência do poder das instituições bancárias e similares, Reddy citou o exemplo de como ele próprio foi dissuadido por altas autoridades de Nova Délhi e Washington de mencionar em um discurso a possibilidade de adoção da Taxa Tobin, um imposto sobre todas as transações financeiras internacionais proposto pelo Prêmio Nobel James Tobin.

O economista-chefe do South Centre, Yılmaz Akyüz, chamou atenção para “a impunidade com que os Estados Unidos puderam adotar políticas monetária e fiscal tão perigosas, dado o privilégio exorbitante proporcionado pelo fato de o dólar ser a âncora do sistema monetário internacional”. A política monetária estadunidense, disse, tornou-se progressivamente frouxa desde os anos 1980 na busca do crescimento.

Uma das principais razões disso é a desigualdade na distribuição de renda, que cria um problema de demanda efetiva. “Quando essa situação ocorre, o investimento torna-se muito pequeno. Assim, os salários permanecem defasados em relação ao crescimento da produtividade e isso permite também a expansão monetária sem receio de aumentar a inflação, já que esse processo ocorre geralmente a partir de um empurrão salarial. Desse modo o FED tem trazido para baixo a taxa de juro real e, na medida em que isso acontece, a dívida do G-7 sobe e a do Terceiro Mundo também. E todo boom acaba em uma explosão”, alertou Akyüz.

Cada ciclo de booms e explosões torna a situação pior, disse, por meio da distorção da distribuição de renda e da alocação de recursos e, assim sendo, requer bolhas ainda maiores. Depois da crise das instituições de poupança e empréstimo dos anos 1980, os Estados Unidos baixaram a taxa de juros para quase zero e, no início dos anos 1990, fizeram o mesmo. Após a bolha “pontocom” das empresas de internet e tecnologia, cortaram novamente a taxa de juros, criando a bolha das hipotecas subprime. E agora estão em um percurso de mão única de modo que, após cada estouro de bolha, há a necessidade de outra ainda maior para manter o ritmo, explicou Akyüz.

O mundo está viciado em dinheiro barato e acumulou um montante massivo de dívida nos países ricos ao Norte e nas nações mais pobres ao Sul, resume o economista: “No Sul, há endividamento principalmente das empresas e das famílias. No Norte, há mais dívida fiscal, dívida pública. E, na discussão das fontes de recursos do setor público e do financiamento para o desenvolvimento, deve-se começar a partir do Norte, porque eles têm uma dívida muito maior e suas políticas fiscais têm consequências muito mais importantes para a economia global”.

Como foi que o Terceiro Mundo entrou na canoa furada da acumulação de dívida iniciada nos Estados Unidos?

Há uma série de motivos, explica o economista-chefe do South Centre, e um deles é a dificuldade em resistir às ondas econômicas. “Em primeiro lugar, se um país se abre para o comércio e o investimento estrangeiros, não pode facilmente fechar o lado financeiro. Em segundo lugar, quando o dinheiro ingressa em grande quantidade, há um encorajamento à liberalização das restrições, porque assim parte dele pode sair do país.”

O controvertido ex-presidente francês François Hollande estava, portanto, coberto de razão quando denunciou os excessos do sistema financeiro global em 2012: “O meu inimigo é a finança”. O desabafo custou-lhe críticas duras e ridicularizações, mas “é inegável que um monstro foi criado e ainda não está sob controle”, analisa Hannoun.

Cada vez mais, diz, parece que a Grande Crise de 2008 pode ter sido apenas um ensaio geral para algo ainda pior, que virá como resultado do uso excessivo da emissão de dinheiro, do acúmulo de bolhas de preços de ativos e de dívidas encorajadas por taxas de juros baixas ou negativas. Das duas causas profundas do colapso, apenas a microeconômica foi parcialmente resolvida através de uma reforma regulatória que visava incrementar os ‘amortecedores’ de capital dos bancos e o gerenciamento e os incentivos ao risco.

Segundo Dittus, “as causas da política macroeconômica, as falhas do modelo de crescimento impulsionado pela dívida e a combinação de políticas frouxas levaram à débâcle permanecem em vigor”.

(Carlos Drummond)  

Fonte:https://www.cartacapital.com.br/revista/1001/Neoliberalismo-uma-bomba-armada-para-os-paises-em-desenvolvimento

P a r a i s ó p o l i s

Maior favela de SP terá banco e moedas próprios

Paraisópolis, maior favela de São Paulo, é vizinha do bairro do Morumbi, na zona oeste de São Paulo.

A favela de Paraisópolis, a maior de São Paulo (segundo o censo de 2010 do IBGE), vai ter um banco e uma moeda própria administrados por seus moradores. Será a primeira vez que uma comunidade da zona oeste paulistana terá uma iniciativa como essa.

A instituição financeira vai se chamar Banco de Paraisópolis e será gerida pela associação de moradores e comerciantes da área. Já a moeda, apelidada de Nova Paraisópolis, deverá ser impressa e vai circular apenas dentro do bairro.

Segundo a Rede Brasileira de Bancos Comunitários, há 103 dessas instituições operando no país e elas giraram R$ 40 milhões entre 2016 e o final do ano passado. Elas funcionam às margens dos grandes bancos, de forma independente, oferecendo serviços populares que ajudam a desenvolver as regiões onde estão inseridas.

Uma de suas funções, por exemplo, é possibilitar microcrédito com juros baixos para moradores e pequenos comerciantes - em grandes bancos, normalmente as taxas são maiores.

O Banco de Paraisópolis terá uma agência dentro da favela, além de oferecer contas correntes, cartão de débito e um aplicativo para celular. Mais de 6 mil pessoas já utilizam um cartão de crédito exclusivo para moradores da comunidade.

"Nossa ideia é que as pessoas tenham uma conta, possam fazer saques e pequenos empréstimos", diz Gilson Rodrigues, líder comunitário e presidente da União de Moradores e Comerciantes de Paraisópolis.

Para financiar a iniciativa, a associação vai realizar um jantar de doações com empresários e personalidades. O dinheiro arrecadado irá para um fundo, que financiará as ações do banco - jantares como esse já ajudaram a criar uma série de projetos sociais na região.

Quando um morador pedir um empréstimo, por exemplo, o valor sairá desse fundo - depois, quando ele pagar a dívida, o dinheiro retorna ao banco para ficar disponível para outras pessoas.

Já os juros e as taxas de funcionamento serão usados para financiar causas da comunidade, além de 32 projetos sociais que a associação de moradores toca na área, como uma orquestra de jovens, um grupo de balé e um bistrô em uma laje da favela.

"Nosso objetivo não é ganhar dinheiro, não é gerar lucro, mas investir no desenvolvimento da comunidade, no comércio e no consumo local, gerando empregos", diz Gilson. Ele promete que cadastros de inadimplentes, como Serasa e SPC, não serão consultados.

Estima-se que Paraisópolis tenha cerca de 100 mil habitantes e 8 mil estabelecimentos comerciais - a maioria pertence a moradores. Grandes empresas também estão de olho nesse potencial econômico e abriram lojas na área, como Banco do Brasil, Casas Bahia e Bradesco.

Cerca de 21% dos moradores trabalham dentro da própria favela, segundo a associação de moradores. Quem tiver conta no banco local terá descontos no comércio credenciado.

Por outro lado, apesar do comércio aquecido e da fama adquirida com uma novela da TV Globo que usava suas vielas como cenário, Paraisópolis ainda tem uma série de problemas comuns a toda favela do Brasil, como pobreza extrema e falta de saneamento básico.

Obras de urbanização estão paradas há anos, como canalização de um córrego e a construção de moradias sociais. Cerca de 5 mil famílias da comunidade vivem de bolsa-aluguel pagos pela prefeitura.

O novo banco deve priorizar empréstimos que financiem o comércio local, dando cursos para os clientes desenvolverem seus negócios. "Quando a gente incentiva e prepara os comerciantes, a tendência é que o negócio dê certo e ele nos devolva o dinheiro", diz Gilson, que tem 33 anos.

Banco de Palmas - Fortaleza  

O ex-seminarista Joaquim de Melo Neto foi um dos criadores do Banco Palmas, referência brasileira em instituições financeiras comunitárias

Os bancos comunitários existem há 20 anos no Brasil. O primeiro foi o Banco Palmas, criado em 1998 na favela de Palmeiras, em Fortaleza, e tido como referência na modalidade.

Joaquim de Melo Neto, coordenador da instituição, conta que o banco surgiu quando a associação de moradores local fez um levantamento sobre a pobreza extrema da área. "A pergunta que mudou nossa vida foi: 'por que nós somos pobres?'", diz Neto, que foi morar em Palmeiras como seminarista em 1984, a pedido da Igreja Católica.

"Percebemos que as pessoas gastavam todo seu dinheiro fora da comunidade, comprando produtos que não geravam dinheiro nem emprego para nós. Como éramos ambiciosos, montamos um banco para financiar os comerciantes de dentro da comunidade", conta.

O investimento inicial foi de R$ 2.000, emprestados de uma ONG. "Quebramos o banco no primeiro dia com tantos empréstimos", lembra Neto, rindo. O episódio ficou famoso, e empresários da região doaram dinheiro para financiar o projeto.

Depois, o Palmas lançou sua própria moeda, impressa em papel sulfite, e que circula até hoje apenas no perímetro do bairro - cada nota vale R$ 1. O sucesso gerou problemas: o Banco Central processou os moradores, acusando o projeto de falsificar dinheiro.

"Quando o Banco Central mandou uma carta questionando nosso banco, respondemos que a gente explicava se eles pagassem R$ 100 mil pela consultoria", lembra Neto.

O Banco Palmas ganhou o processo em 2005. O Banco Central reconheceu que instituições financeiras comunitárias podem existir - hoje elas estão sob o guarda-chuva da Secretaria de Economia Solidária, do Ministério do Trabalho.

O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) empresta dinheiro para a criação dos fundos, onde fica o dinheiro que financia os bancos comunitários.

O Palmas, por exemplo, tem R$ 3 milhões para realizar empréstimos e administrar o banco. Ele cobra 0,8% de juros por mês, índice que Neto considera alto - para ele, a taxa deveria ser zero.

A BBC Brasil procurou o Banco Central, mas a instituição não quis se pronunciar sobre as iniciativas.

Microeconomia

"Banqueiros" comunitários dizem que as unidades ajudam a desenvolver o comércio e o consumo em áreas com pequena atividade financeira e estatal. O último Censo, de 2010, apontava que 11,4 milhões de brasileiros vivem em favelas.

Para Leonardo Leal, coordenador da Incubadora Tecnológica de Economia Solidária da Universidade Federal de Alagoas, as iniciativas também incluem pessoas que estão fora do sistema financeiro tradicional. "Hoje, grande parte dos moradores de áreas rurais, ou de pequenas cidades, não têm acesso a serviços como pagamento de boletos e microcrédito", explica.

Leal participou da criação do Olhos D'água, banco tocado por moradores de Igaci, cidade de 25 mil habitantes em Alagoas.

A cidade tem uma moeda local – “terra” - que dá descontos no comércio e só pode ser usada dentro do município. "Como o banco é administrado pelos próprios moradores, existe um sistema de autogestão e controle social que ajuda a diminuir as taxas de inadimplência", explica.

Criado em 2016 com uma linha de crédito do Ministério do Trabalho de R$ 45 mil, o Olhos D'água já financiou 150 projetos de comércio local e de agricultura familiar - os empréstimos chegam a R$ 1.500, no máximo.

Em Maricá, no Estado do Rio Janeiro, o Banco Mumbuca também tem ajudado a movimentar a economia local. Sua origem é um pouco diferente dos demais bancos comunitários.

Em 2013, a prefeitura da cidade criou uma bolsa social para moradores de baixa renda, mais ou menos nos moldes do Bolsa Família. O valor de R$ 110 passou a ser pago na moeda Mumbuca, que dá descontos nos 309 estabelecimentos comerciais credenciados.

Hoje, cerca de 16 mil pessoas são clientes, que também é aberto para famílias com renda maior. O Mumbuca financia iniciativas locais com juros zero - ou seja, ele não tem lucros com a atividade.

"O comerciante paga uma taxa para usar nossos serviços, mas ela volta para a comunidade em forma de cursos e oficinas de empreendedorismo", diz Natalia Sciammarella, subcoordenadora de gestão do Mumbuca. "As pessoas sabem que, usando nosso banco, elas movimentam a economia da cidade, gerando emprego".

Em 2006, esse modelo de microcrédito rendeu o Prêmio Nobel de Economia ao banqueiro Muhammad Yunus. O economista, nascido em Bangladesh, criou um banco que emprestava pequenas quantias para milhões de pessoas pobres de seu país.

LINK:  https://www.bbc.com/portuguese/brasil-43954042

Jomarion lembra a ultima atualização dos Galacticos sobre o Novo Sistema Financeiro:

Um novo sistema financeiro está pronto para ser anunciado. Ele utiliza um computador quântico que acabará com todos os esforços da cabala das trevas para roubar ou redirecionar sua prometida prosperidade.  Este novo sistema financeiro está deixando de lado a velha agenda globalista, na medida em que introduz uma nova aliança multilateral e uma nova gama de fontes. As fontes, às quais nos referimos são pequenos bancos, orientados para as pessoas que estão se aglutinando em alguns dos seus países mais pobres. Toda a moeda será garantida por ativos. Preparem-se para a introdução de novas alianças econômicas e políticas - alianças antes consideradas impossíveis.

8.5.18

Grandes Bancos ameaçam a Economia

Adverte dirigente do FED

(Carta Capital)

A situação é inimaginável no Brasil, onde não se tem notícia de crítica pública feita por diretor do Banco Central a um banco privado: um dirigente do Federal Reserve, o BC dos Estados Unidos, fez acusações duras aos grandes bancos e advertiu que eles ainda são uma ameaça para a economia.

A íntegra das críticas pode ser lida na própria página do Federal Reserve Bank of Minneapolis na internet, onde um dos destaques é o artigo do seu presidente, Neel Kashkari, publicado no Washington Post na quinta-feira 8 e  intitulado “Os grandes bancos ainda ameaçam a economia”.

Dez anos após a crise financeira e a Grande Recessão, diz Kashkari, “agora está claro que os resgates de 2008 funcionaram muito bem - para Wall Street. O índice Dow Jones, da Bolsa de Nova York, está muito acima de sua alta pré-recessão. Os ganhos dos bancos e os preços das ações atingem novos recordes. A crise financeira é agora apenas uma lembrança tênue. Em retrospecto, não foi tão ruim assim, foi?”, ironiza o presidente.

 O Federal Reserve Bank de Minneapolis, relata Kashkari, passou os últimos dois anos analisando quanto de risco os grandes bancos ainda representam para a economia dos EUA e o que é possível fazer sobre isso. A conclusão dos técnicos da instituição é que os maiores bancos ainda são “grandes demais para quebrar” e, se ocorresse outra crise, os contribuintes voltariam a ficar “pendurados” em consequência do resgate dessas instituições com dinheiro público.

A maneira mais eficiente de proteger os contribuintes seria forçar os maiores bancos, aqueles com ativos superiores a 250 bilhões de dólares, a dobrarem seus atuais níveis de capital, recomenda o presidente do FED de Minneapolis.

O alerta é ainda mais importante porque apesar de Wall Street ter se recuperado completamente, o restante da economia está longe disso. A Grande Recessão (2008), analisa Kashkari, retirou milhões de trabalhadores da força de trabalho, alguns dos quais ainda não retornaram.

Embora a taxa de desemprego tenha caído de um pico de 10% durante a recessão para 4,1% em janeiro passado, essa estatística ignora as pessoas que desistiram de procurar emprego. Uma medida diferente, que leve em conta esse aspecto, sugere que mais de um milhão de americanos ainda estão à margem.

Administrador do programa governamental de assistência financeira aos bancos (Troubled Assets Relief Program, no original) para os presidentes George W. Bush e Barack Obama, Kashkari defende os resgates realizados a partir de 2008 por terem evitado que a Grande Recessão “saísse de controle e se tornasse outra Grande Depressão, o que teria custado o emprego e a poupança de mais milhões de americanos”. É claro, prossegue, que um efeito colateral involuntário dos resgates foi o curto-circuito dos mecanismos do próprio mercado para regular o risco excessivo.

O curto-circuito, a julgar por esta descrição do presidente do FED de Minneapolis, é daqueles capazes de, além de queimar a instalação elétrica, torrar o prédio inteiro: “O mercado livre deve fornecer múltiplas camadas de governança para forçar as empresas a aprender com os erros anteriores. Acionistas individuais e seus representantes nos conselhos de administração devem ser a primeira linha de defesa. Seu trabalho é responsabilizar a administração. Uma segunda linha de defesa devem ser os investidores institucionais, tais como empresas de gestão de ativos e fundos de pensão".

O dirigente do FED emenda: "Essas instituições rotineiramente usam sua influência no mercado para impulsionar a mudança nas corporações exigindo, por exemplo, mais diversidade e independência dos diretores.

Eles deveriam estar agindo de forma decisiva para garantir que a excessiva tomada de riscos que levou à Grande Recessão não se repita. Mas eles não estão fazendo isso porque todos foram socorridos, gerentes, acionistas, conselhos de administração, gestores de ativos e de fundos de pensão. Dez anos depois, eles estão obtendo lucros recordes e preços de ações cada vez mais elevados. Que crise financeira é esta?”

Os economistas chamam esse problema de “risco moral”: se as pessoas e instituições sabem que vão ser resgatadas, não há incentivo para evitar os mesmos erros. Eles podem continuar jogando, sabendo que os contribuintes irão resgatá-los.  É por isso que os resgates devem ser seguidos por regulamentações severas para evitar o tipo de excesso de risco que levou à crise, defende Kashkari. O Congresso aprovou a Lei de Reforma e Proteção ao Consumidor Dodd-Frank em 2010 para fortalecer o sistema financeiro e, embora a medida tenha produzido algum resultado positivo, foi insuficiente.

A explicação do governo é que a recuperação era muito frágil na época e não comportava uma medida mais dura capaz de proteger os contribuintes contra resgates futuros de dinheiro público para socorrer os bancos. Além disso a Dodd-Frank sobrecarregou muitos bancos comunitários, com ativos de até 1 bilhão de dólares, que não oferecem risco sistêmico, com regulamentações desnecessárias.  “Isso realmente deu aos grandes bancos uma vantagem competitiva ainda maior”, dispara o dirigente do FED, que considera pouco provável uma ação eficaz do Congresso para resolver o problema.

https://www.cartacapital.com.br/economia/grandes-bancos-ainda-ameacam-a-economia-adverte-dirigente-do-fed

Nobel de Literatura

O escândalo sexual que levou Academia Sueca a desistir de anunciar Nobel de Literatura neste ano

A Academia Sueca, organização que escolhe os agraciados pelo Nobel de Literatura, disse que não anunciará o ganhador de 2018 neste ano por causa de um escândalo de abuso sexual que atingiu a instituição.

Em um comunicado, a academia diz que a decisão foi tomada por causa do estado atual "reduzido" da Academia e da "perda de confiança pública" na casa. Diz ainda que precisa rever seus estatutos e práticas e questões de conflito de interesses.

No centro da decisão está um escândalo sexual que começou a vir à tona há seis meses, quando surgiram denúncias de agressão sexual, feitas por 18 mulheres, contra um fotógrafo francês, Jean-Claude Arnault, que dirige um projeto financiado pela Academia Sueca e era um dos homens mais influentes da cena cultural de Estocolmo.

Entre as autoras das denúncias estão integrantes da academia (o equivalente sueco à Academia Brasileira de Letras) e mulheres de integrantes. Arnault é casado com a poeta e escritora Katarina Frostenson, também da Academia Sueca.

Várias das supostas vítimas disseram que foram vítimas de agressão sexual em instalações da própria Academia.  A secretária permanente da Academia Sueca, Sara Danius, anunciou que deixaria o cargo em abril de 2018

Seus integrantes votaram contra a expulsão de Frostenson; isso, juntamente com acusações de conflito de interesse, acabou dividindo o comitê que escolhe o Nobel de Literatura.

A divisão fez com que sete membros renunciassem - entre eles, Frostenson e a secretária permanente do órgão, Sara Danius.

A Academia ficou com apenas 11 membros; o estatuto exige um quórum de 12 membros para aprovar novos integrantes.

Tecnicamente, os membros da academia ocupam posições vitalícias e não podem renunciar, mas podem optar por não participar de suas reuniões e decisões. O patrono da Academia, o rei Carlos 16 Gustavo da Suécia, já disse que pretende mudar as regras para permitir a renúncia formal.

Mesmo com número reduzido, a decisão de adiar a entrega do prêmio não foi unânime. Alguns membros defendiam manter a tradição e outros argumentavam que o momento não é propício para conceder prêmios.

Acredita-se que a campanha #MeToo (#eutambpem), iniciada após o escândalo sexual envolvendo o produtor de Hollywood Harvey Weinstein e que que conseguiu unir milhares de mulheres assediadas, teve um peso na votação final.

Em outro comunicado divulgado nesta sexta-feira, a Fundação Nobel informou que é "séria" a crise na Academia Sueca, que concede a premiação. Esclareceu ainda que a decisão de adiar o anúncio foi tomada para manter a reputação do prêmio, que já foi distribuído 110 vezes a 114 pessoas entre 1901 e 2017. E disse também que as outras categorias não serão afetadas.

O que acontece agora?

O ganhador de 2018 será anunciado juntamente com o de 2019, no ano que vem. Não será a primeira vez que isso acontece. Nenhum prêmio foi anunciado em 1936, mas o vencedor daquele ano foi concedido em 1937 ao dramaturgo americano Eugene O'Neill, autor de Longa Jornada Noite Adentro. E o ganhador de 1937 foi o francês Roger Martin du Gard.

Até hoje, o Nobel de Literatura não foi entregue em sete ocasiões, sem que tivessem sido divulgadas as razões. Seis delas em anos das Guerras Mundiais (1914, 1918, 1940-1943) e o de 1935.

O Prêmio Nobel - O cientista e inventor sueco Alfred Nobel criou o prêmio em 1885.

  • Inicialmente, eram cinco as áreas agraciadas: Química, Literatura, Paz, Física e Medicina.
  • O Nobel de Economia foi criado em 1968, em homenagem a Alfred Nobel.
  • O Nobel da Paz é o único escolhido por um comitê norueguês; os demais são selecionados por pessoas ligadas à Academia Sueca.
  • Os vencedores do Nobel de Literatura ganham uma medalha de ouro, um diploma e dinheiro. Eles também são convidados a dar uma palestra, seguida por um baquete e a cerimônia de premiação.
  • Em 2017, o Nobel de Literatura foi entregue ao autor britânico-japonês Kazuo Ishiguro e, em 2016, ao cantor e compositor americano Bob Dylan. (Quem desdenhou do premio e não foi buscar).

Fonte: https://www.bbc.com/portuguese/internacional-44001882

Galácticos... Atualização... O Novo Sistema Financeiro

Um novo sistema financeiro está pronto para ser anunciado. Ele utiliza um computador quântico que acabará com todos os esforços da cabala das trevas para roubar ou redirecionar sua prometida prosperidade.

Este novo sistema financeiro está deixando de lado a velha agenda globalista, na medida em que introduz uma nova aliança multilateral e uma nova gama de fontes. 

As fontes, às quais nos referimos são pequenos bancos, orientados para as pessoas que estão se aglutinando em alguns dos seus países mais pobres. Toda a moeda será garantida por ativos. Preparem-se para a introdução de novas alianças econômicas e políticas - alianças antes consideradas impossíveis. A Luz será vitoriosa.

Nossos contatos são dedicados a trazer uma conclusão bem-sucedida a essa situação muito complicada. Esperamos que um número de procedimentos exclusivos seja resolvido. Seu mundo está rapidamente se transformando e é importante que o fluxo de fundos se manifeste o quanto antes. 

Muitos estão prontos para colocar um final retumbante na velha agenda de 'dividir para conquistar' e começar uma marcha firme, rumo a uma nova solução global. Observamos que uma crescente consciência está sendo exercida de maneiras inovadoras e maravilhosas. Antigas crenças estão sendo expurgadas e uma nova realidade está começando a se manifestar. É nessa troca de consciência que encontramos esperança para suas realidades únicas e sempre crescentes.

O poder das trevas continua a diminuir, na medida em que o mundo se afasta da guerra e avança rumo a uma nova paz global. Recentes tentativas das trevas para criar uma guerra falharam. A maré está inquestionavelmente voltada para a Luz. Um plano global para a paz está começando a se firmar. 

Muitas outras surpresas relacionadas à paz estão em andamento, enquanto um tratado após outro se aproximam do acordo. Tudo isso está sendo realizado num estado de divina Graça e com um verdadeiro sentimento de misericórdia divina. Agradecemos sinceramente a todos que estão implementando suas visões sagradas para incentivar suas realizações.

Em mensagens recentes, mencionamos que seus chacras da garganta estão se integrando,  tanto com o novo poço dos sonhos, o chacra localizado na cabeça, bem como com o novo coração superior, ou chacra timo. O timo lida com o sistema imunológico expandido e trabalhar com o novo chacra do diafragma para eliminar os efeitos destrutivos do medo em seus corpos. 

Este processo causou algum grau de desconforto. Tenham em mente que é um transtorno temporário. No final, é para limitar a dor que suas alterações na cabeça podem criar. Todas as dores que estão experimentando agora, irão render imensos dividendos depois. Lembre-se de uma regra essencial - os Céus ordenaram uma completa reestruturação do funcionamento de seus eus físicos. Uma vez que essas séries de ajustes atinjam o limiar adequado, estarão prontos para entrar em suas Câmaras Cristalinas de Luz. Aleluia!

Fonte: https://www.sementesdasestrelas.com.br/2018/05/atualizacoes-da-hierarquia-espiritual-e.html

5.5.18

Banco Itaú – Vergonha para o Brasil

Controladores do Itaú podem lucrar 9 bilhões este ano

Donos do banco receberão em dois anos R$ 26,6 bilhões; Bolsa Família pagou R$ 29 bi em 2017

Após distribuir R$ 17,6 bilhões (70,6%) do lucro recorde de R$ 24,87 bilhões em 2017, às famílias dos controladores do ItaúUnibanco, levando em conta o lucro de R$ 6,42 bilhões do primeiro trimestre, os donos do banco poderão receber até R$ 9 bilhões este ano.

O Conselho de Administração aprovou em 2017 a distribuição mínima de 35% do lucro aos controladores.

Mantido o ritmo de lucro nos próximos três trimestres, o ganho do banco em 2018 atingiria R$ 25,7 bilhões, permitindo distribuição mínima de R$ 9 bilhões. Em 2017, o Bolsa Família gastou R$29 bilhões com 13 milhões de famílias.

O lucro distribuído do ano passado às famílias Moreira Salles (os irmãos Pedro, Walter, João e Fernando) foi de R$ 9,1 bilhões. Às famílias Setúbal (Roberto Setúbal e Maria Alice Neca Setúbal) e Villela (Milu Villela) coube, respectivamente, R$ 1,72 bilhão e R$ 3,25 bilhões a cada membro do clã.

O ganho referente a 2017 foi excepcional, com aumento de 75,6% sobre 2016. 2018, o pagamento de Juros sobre Capital Próprio (JCP) isentos de tributação, o payout (dividendos de 69% + JCP), incluindo os 11,2% de recompra de ações, chegou a 80,2%. 

Os donos do Itaú poderão receber até R$ 9 bilhões este ano

Mesmo na recessão que atingiu o país em 2105, os ganhos dos Itaú têm tido crescimento exponencial desde a fusão com o Unibanco, em 2009, que o transformou no maior banco privado do país, desbancando o Bradesco, e disputando com o Banco do Brasil a liderança do sistema em ativos e em administração de recursos (ainda com o BB, graças à Previ, o fundo de pensão de seus funcionários). 

Nos últimos cinco anos, o montante de dividendos distribuídos pelo Itaú/Unibanco alcançou R$ 46,6 bilhões, beneficiando sobretudo os acionistas controladores.   O Itaú superou a Ambev como maior distribuidor de dividendos no país.

Os altos lucros e os juros sobre capital próprio (JCP), distribuídos sem tributação, são alvo de propostas da Receita Federal, mas os bancos e grandes empresas reagem fortemente à investida, mobilizando bancadas no Congresso. 

A fusão entre Itaú e Unibanco foi alvo de autuação da Secretaria da Receita Federal em 2012, com cobrança de R$ 11,847 bilhões em Imposto de Renda e R$ 6,867 bilhões em Contribuição sobre o Lucro Líquido (CSLL).

Atualizada, a multa iria a R$ 26 bilhões. Mas o banco conseguiu vencer no julgamento do recurso no Conselho Administrativo de Recursos Fiscais (CARF), em abril de 2017. Livre do encargo (ainda objeto de recurso da Fazenda Nacional) o Conselho de Administração decidiu pela farta distribuição de dividendos acumulados. 

Mas chama a atenção entre os analistas do mercado financeiro a decisão do Conselho de Administração. Uma das interpretações é de que com a queda da demanda de empréstimos pelas grandes empresas (muitas delas atoladas em dívidas e com baixo faturamento desde que foram atingidas pelas investigações da Lava-Jato), os bancos não precisam elevar o capital para alavancar empréstimos.

De fato, a trajetória do ItaúUnibanco mostra concentração nas operações do “Banco do Varejo”, que cresceu 5,7% contra o primeiro trimestre de 2017, e registrou aumento de 14,7% no lucro líquido no período (graças aos ganhos em cartões de crédito, empréstimos imobiliários e tarifas sobre cartões e contas correntes) e uma redução de R$ 36 milhões no lucro líquido do “Banco de Atacado” no primeiro trimestre, com a diminuição de 8,3% na carteira das grandes empresas.

Acredita-se no mercado que o Itaú vá aproveitar a liberação do compulsório em 1º de julho (R$ 25,7 bilhões no sistema) para renegociar créditos em atraso. Os demais devem fazer o mesmo, sem gerar empréstimos novos.

Até onde dura o casamento?

Analistas mais atilados enxergam em movimentos recentes das holdings familiares do Itaú  (que tem na ItaúSA o principal veículo de investimento) e do Unibanco (que tem a Cambuhy   como maior investidora fora do sistema financeiro) uma tendência à redução de capital no sistema financeiro cuja concentração levou à hipertrofia do sistema, com excesso de endividamento cruzado entre as empresas e os bancos.

A compra, em conjunto da Alpargatas (vendida pelo grupo J&F, dos irmãos Batista) foi o primeiro movimento. Os dois parceiros também mostraram apetite em assumir posições na BR, cujo capital a Petrobras pretende pulverizar. Por enquanto, os bancos são o melhor negócio no Brasil, com spreads abusivos.

Mas os ganhos são tão exagerados, em meio à recessão e ao desemprego, que podem ser alvos de propostas de tributação mais pesada sobre os JCP e na própria atividade. Neste sentido, a escalada da distribuição seria uma saída estratégica, principalmente da parte dos irmãos Moreira Salles.

Autor: Gilberto Menezes Cortes  (gilberto.cortes@jb.com.br)  -  Jornal do Brasil

https://www.jb.com.br/economia/noticias/2018/05/03/itau-controladores-podem-lucrar-ate-r-9-bi-em-2018/

3.5.18

Bill Gates Adverte sobre Aparente Doença Apocalíptica...

e promete 12 Milhões de Dólares para Vacina Universal

*Jomarion lembra que o COBRA (Movimento de Resistência) afirmou, com todas as letras, que Bill Gates “não é do bem” e trabalha para a Elite Global Escura)

A próxima doença fatal que causará uma pandemia global está chegando, afirmou Bill Gates em uma discussão sobre epidemias, organizada pela Sociedade Médica de Massachusetts e pelo New England Journal of Medicine, informou o Business Insider.

Há uma área onde o mundo não está progredindo muito”, disse Gates, “e essa área é a preparação para pandemias”.
"No caso de ameaças biológicas, esse senso de urgência está faltando", disse ele. "O mundo precisa se preparar para as pandemias da mesma maneira séria que se prepara para a guerra".

De acordo com Gates, um pequeno interveniente não-estatal poderia construir uma forma ainda mais mortal de varíola em um laboratório.

Gates apresentou uma simulação do Institute for Disease Modeling que simulou uma nova gripe como a que matou 50 milhões de pessoas na pandemia de 1918. O estudo descobriu que, se houvesse uma nova gripe, ela provavelmente mataria 30 milhões de pessoas em seis meses.

(Jomarion... é especialidade de Gates difundir pânico e medo... ele e sua fundação lucram muito criando doenças e vacinas para as farmacêuticas da morte)

Qual é a solução? Uma vacina contra a gripe universal, claro! Gates anunciou na sexta-feira que a Fundação Bill e Melinda Gates doaria 12 milhões de dólares em subsídios para incentivar o desenvolvimento de uma vacina universal.

Gates acredita que "é necessário melhorar a comunicação entre os militares e os governos para ajudar a coordenar as respostas". Gates acrescentou que acha que os governos precisam de formas de mobilizar rapidamente a ajuda do "setor privado" (mundo secreto de orçamento negro) quando se trata de desenvolver tecnologia e ajudar uns aos outros para construir ferramentas para combater uma doença mortal emergente.

Gates expressou que a malária está novamente em ascensão e continuaria a reivindicar mais vidas em todo o mundo, a menos que os governos revigorassem seu esforço para erradicar a doença, relatou o Stratis Times.

Melinda Gates disse recentemente que a ameaça de uma pandemia global, seja se ela surgir naturalmente ou for projetada, talvez seja o maior risco para a humanidade.  “Pense no número de pessoas que saem de Nova York todos os dias e vão para mundo todo - somos um mundo interconectado”, disse ela.

A Fundação Bill e Melinda Gates deixou bem claro que seu objetivo é acabar com a poliomielite no planeta. No entanto, como o Activist Post relatou, eles fizeram exatamente o oposto e podem ser responsabilizadosáveis ​​por milhares de crianças que sofrem de poliomielite induzida pela vacina.

A Suprema Corte da Índia realizou uma extensa investigação sobre a Fundação Bill e Melinda Gates com juízes exigindo respostas da Fundação e de Gates.  Em 2009, crianças tribais do distrito de Khammam, em Andhra Pradesh, na Índia, receberam uma vacina contra o vírus do papiloma humano (HPV) destinada ao câncer do colo do útero.

Cerca de 16.000 meninas entre 9 e 15 anos receberam três doses de vacina (fabricada pela Merck) pelo departamento de saúde do estado. As garotas foram informadas de que estavam recebendo vacinas de “bem-estar”. O incidente começou a chamar a atenção quando, alguns meses depois, a saúde de várias meninas se deteriorou e, no ano seguinte, cinco delas morreram.

Dois desses casos semelhantes de mortes foram relatados em Vadodara, Gujarat, onde 14.000 crianças tribais também foram vacinadas com a vacina contra o HPV Cervarix, feita pela Glaxo SmithKline, relatou o Daily Mail.  Alheia, mas de particular interesse, a GlaxoSmitheKline (GSK), aliás, foi acusada de despejar de forma imprudente o vírus da poliomielite em um rio na Bélgica em 2014, no que foi considerado um “acidente”.

Aproximadamente 120 meninas (entre as que não morreram) relataram ataques epilépticos, fortes cãibras estomacais, dores de cabeça e alterações de humor. Outras meninas que receberam a vacina Gardasil ficaram estéreis.

Na mesma época em que esses incidentes foram relatados, jovens meninas foram hospitalizadas no norte da Colômbia com sintomas semelhantes. Coincidentemente, essas meninas também receberam doses da vacina contra o HPV.

Segredos começaram a se tornar públicos quando uma ONG visitou Andhra Pradesh. Ativistas de saúde da ONG Sama visitaram Khammam em março de 2010 e descobriram que mais de 100 meninas estavam tendo ataques epilépticos, dores no estômago, dores de cabeça e alterações de humor. As meninas também se queixaram de menstruação precoce, sangramento intenso e cólicas menstruais.

Sama levantou a questão de que essas alunas eram cobaias sob o pretexto de fornecer cuidados de saúde. Os pais analfabetos foram mantidos no escuro sobre a vacina real, e a maioria deles deu seu consentimento na forma de impressões digitais.

A ONG americana, Program for Appropriate Technology in Health (PATH) realizou os estudos. Eles estavam testando como a vacina contra o câncer cervical reagiria em mulheres jovens. E esse teste antiético da PATH estava sendo financiado por ninguém menos que a Fundação Bill e Melinda Gates. Ironicamente, o estudo foi considerado um sucesso pela Fundação. A Fundação também ajudou a PATH no estudo da vacina contra o rotavírus e da vacina pneumocócica na África e na Ásia.

Alguns dias depois que a Organização Mundial da Saúde (OMS) declarou em 2009 que dois tipos de HPV causam 70% dos cânceres do colo do útero, a PATH iniciou seu projeto de cinco anos em várias partes do mundo: Peru, Vietnã, Uganda e Índia, relatou o Economic Times.

O Japão já havia descoberto que a vacina contra o HPV Gardasil causou vários efeitos colaterais graves, proibindo a vacinação de ser administrada a suas mulheres e vendida em seus mercados. Esses efeitos colaterais incluíram convulsões, danos cerebrais, cegueira, paralisia, problemas de fala, pancreatite e perda de memória de curto prazo, enquanto outra paciente morreu após tomar a vacina.

No início deste ano, um grupo chinês de vigilância Medwatcher Japan indiciou a GARDASIL, enquanto uma ex-funcionária da Merck chamou a droga de "o maior escândalo médico de todos os tempos".

A extensão total do escândalo da Gardasil precisa ser avaliada: todos sabiam quando esta vacina foi lançada no mercado americano que se revelaria inútil. Diane Harper, uma importante líder de opinião nos Estados Unidos, foi uma das primeiras a denunciá-la, apontando as fraudes de tudo isso. Eu prevejo que a Gardasil se tornará o maior escândalo médico de todos os tempos porque, em algum momento, as evidências se somarão para provar que essa vacina, façanha técnica e científica que seja, não tem absolutamente nenhum efeito sobre o câncer do colo do útero e que os muitos efeitos adversos que destroem vidas e até matam, não têm outro propósito senão gerar lucro para os fabricantes. A Gardasil é inútil e custa uma fortuna! Além disso, tomadores de decisão em todos os níveis estão cientes disso! Casos de síndrome de Guillain-Barré, paralisia dos membros inferiores, esclerose múltipla induzida pela vacina e encefalite induzida por vacina podem ser encontrados, qualquer que seja a vacina. (Dr.Bernard Dalbergue – ex da Merck)

Em 1993, o Japão também proibiu a vacinação SCR após 1.8 milhões de crianças terem recebido dois tipos da vacina. Foi registrado um número recorde de meningite não viral e outras reações adversas. Os números incluíram autismo, três mortes, enquanto outras crianças foram deixadas com deficiências permanentes que vão desde a audição danificada e cegueira à perda de controle dos membros.

Tudo isso segue com a “agenda de despovoamento de Gates”.

Em 2010, Bill Gates disse em uma conferência do TED, que as vacinas precisam ser usadas para reduzir os números da população mundial, a fim de resolver o aquecimento global e reduzir as emissões de CO2.

Afirmando que a população mundial estava se aproximando de 9 bilhões, Gates disse: "Se fizermos um ótimo trabalho com novas vacinas (esterilizando mulheres), serviços de saúde, serviços de saúde reprodutiva (aborto), poderemos reduzir isso talvez em 10 ou 15 por cento".

Bill Gates vem insistindo nessa ideia de um supervírus nos últimos anos, inclusive em outro TED Talk em 2015, intitulado: “O próximo surto? Nós não estamos prontos."  Então, em 2016, ele repetiu esse alerta afirmando que o mundo estava "vulnerável" a uma epidemia mortal na próxima década.

Durante anos, Bill Gates vem emitindo alertas, mas no ano passado ele expressou que o bioterrorismo - um vírus criado em um laboratório - poderia matar 30 milhões de pessoas ou mais em apenas um ano.

 “Seja por um capricho da natureza ou pelas mãos de um terrorista, os epidemiologistas dizem que um patógeno transportado pelo ar em alta velocidade poderia matar mais de 30 milhões de pessoas em menos de um ano. E eles dizem que há uma probabilidade razoável de que o mundo experimente tal surto nos próximos 10 a 15 anos”, disse Gates no ano passado, na Conferência de Segurança de Munique, na Alemanha, informou a Forbes.

(Jomarion... vejam que Gates já mostrou o que a Elite das Trevas vai fazer com a população mundial e fica claro também “quem” está empurrando o Apocalipse Bíblico Global e insistindo para que aconteça!)

Leia também:

Controvérsia entre os Cientistas sobre a "Receita da Varíola" Torna-se Pública, Aumentando Temores de Guerra Biológica

Produtos Químicos Causam Surto de Malária, Fazendo com que os Mosquitos Cresçam Cada vez Mais Resistentes aos Inseticidas

Notícias Naturais: Colômbia: Vacina contra HPV Responsabilizada por Doença Misteriosa

Japão Retira Apoio à Vacina Contra HPV Devido aos Efeitos Adversos, Como Infertilidade e Paralisia

Bill Gates Adverte que o Bioterrorismo Pode Matar 30 Milhões de Pessoas

Fontes:

Activist Post: Bill Gates Warns Of Coming Apocalyptic Disease — Pledges $12 Million To Universal Vaccine

Business Insider: Bill Gates thinks a coming disease could kill 30 million people within 6 months — and says we should prepare for it as we do for war

NCBI: Poxvirus interleukin-4 expression overcomes inherent resistance and vaccine-induced immunity: Pathogenesis, prophylaxis and antiviral therapy

The Straits Times: Microsoft founder Bill Gates warns new fight needed against resurgent malaria

Business Insider: Bill and Melinda Gates think a weaponized disease may be the biggest threat to humanity — here's how worried you should be

Activist Post: Bill Gates’ Polio Vaccine Program Eradicates Children, Not Polio

Daily Mail: Judges demand answers after children die in controversial cancer vaccine trial in India

Natural Society: Danger: GlaxoSmithKline Dumps 45 Litres of Polio Virus into River

Natural Society: Gardasil Vaccine Destroys Ovaries of 16-yr. Old Girl, Causes Infertility

The Economic Times: Controversial vaccine studies: Why is Bill & Melinda Gates Foundation under fire from critics in India?

The Tokyo Times: SIDE EFFECTS IN YOUNG GIRLS TAKE GARDASIL OUT FROM JAPANESE MARKET

Daily Mail: Why Japan banned MMR vaccine

Reuters: Bill Gates warns world "vulnerable" to deadly epidemic in next decade

The Guardian: Bill Gates warns tens of millions could be killed by bio-terrorism

Forbes: Bill Gates Warns Of Epidemic That Could Kill Over 30 Million People

LINK DESTE: https://www.anovaordemmundial.com/2018/05/bill-gates-adverte-sobre-aparente-doenca-apocaliptica-prometendo-12-milhoes-de-dolares-para-vacina-universal.html

2.5.18

"C O N V E R S Ã O  A N"

COBRA – COmpression & BReAkthrough (Compressão e Ruptura)


A “Conversão NA” é um importante processo pelo qual toda a nossa realidade está passando.

É o processo, através do qual a Fonte, o UM, o Criador Original, está trazendo toda a Criação de volta à Unidade.

O Universo foi criado como um reflexo daquele em que o Um está se explorando.

O UM é Onipresente no Universo e, ao mesmo tempo, está além.

O Universo é apenas uma imagem espelhada do UM, criada com um modelo básico pela dinâmica quântica.

A dinâmica quântica é um sistema no qual a matéria criada oscila entre todos os potenciais possíveis. O fator principal ou dominante determina quais potenciais serão manifestos.

O Um é, por definição, perfeito, completo e absoluto.

Perfeição e totalidade significa que tudo é projetado com propósito.

No entanto, criando um sistema de exploração de todos os potenciais possíveis, um potencial foi logicamente criado como um oposto ao propósito: A “Aleatoriedade”, também chamada de “Contingência”. 
https://recreatingbalance1.blogspot.com/2015/02/contingency.html

Este Universo em que estamos, como temos experimentado até agora, é o resultado da combinação tanto do UM quanto da contingência, propósito e aleatoriedade.

O MAL aconteceu "acidentalmente", como resultado da interação entre vontade e contingência.

Neste Universo, acidentes eram possíveis porque Ele não é o puro, é apenas uma imagem espelhada d’Ele e, essa imagem não é totalmente exata porque contém contingência.

Assim, o UM não é todo poderoso dentro dos reinos do Universo.

O MAL é um momento no qual a vontade, submersa pela contingência, perde a conexão com o Absoluto.

É por isso que o MAL – EVIL em inglês é um anagrama de LIVE – VIVO ou o BEM,  mas invertido. 
Como parte do processo de exploração de todos os possíveis potenciais, o Universo foi dividido em vários planos/dimensões (físico, plasmático, etérico, astral, etc), cada um contendo várias proporções de contingência.

Quanto mais elevado o plano, menos contingência ele contém.

Toda a Criação existente é criada, primeiramente no plano mais alto para, em seguida, escorrer para os planos inferiores, um por um.

Toda a matéria física desceu através de todos os planos, antes de se tornar física.
A membrana do plano mental, a chamada “membrana de Buddhi Manas” marca o limite (fronteira) para a região em que a quantidade de contingência se torna tão alta que a realidade se transforma fortemente.

Abaixo dessa linha (membrana) o mal tem sido possível.

Acima dessa linha (membrana) pontilhada, não existe contingência suficiente para o mal existir, de modo os planos superiores sempre foram reinos puros de Amor e Luz.

A matéria escorre pelos planos na forma de fluxos de códigos de Luz, contendo as informações sobre a Vontade Divina. Quanto mais contingência estiver presente num plano, mais esse fluxo de Luz é filtrado.

Portanto, os planos mais baixos nos quais nós agora residimos (3ª Dimensão) receberam apenas luz filtrada, não o espectro completo, especialmente neste planeta onde o mal reforçou esses filtros.

Portanto, a realidade que experimentamos aqui contém muitas distorções e não corresponde à Vontade original do UM.

A Conversão AN é um sistema de transmissão direta de Luz que ultrapassa os filtros de contingência e, portanto, transmite o fluxo de Luz em sua plenitude, para todos os planos.

Isso permite que a Vontade Divina seja transmitida pela Luz, na matéria mais densa de todos os planos, transmutando, curando e reconectando tudo com o UM.

Este sistema de conversão AN progressivamente transforma o Universo numa realidade onde o UM é todo poderoso. Quando a Conversão do AN estiver completa, o Universo será uma imagem espelhada e  exata do UM. 

Este sistema de Conversão de AN foi ancorado neste planeta, no dia 04 de Abril de 2012:
https://2012portal.blogspot.com.br/2012/04/normal-0-microsoftinternetexplorer4.htm
Tornando-se plenamente operacional neste planeta, em 21 de Dezembro de 2012:
https://2012portal.blogspot.com.br/2012/08/window-of-opportunity-2-secondwindow-of.html

A principal âncora para a Conversão AN é o Portal Estelar AN, localizado na estrela central do Cinturão de Órion – ALNILAM.

O "acidente original" que criou o mal aconteceu em Órion e, portanto, essa constelação se tornou o ponto central para a transmutação das trevas.

O Portal Estelar AN, sempre foi um portal de Luz e é através deste portal que muitas almas desceram dos planos acima da membrana Buddhi Manas, até os planos abaixo dela.

Essas almas são as chamadas “sementes estelares”, que vieram com o propósito de ajudar a ancorar a Luz nos planos inferiores e transmutar a dualidade de volta à Unidade.

Toda Semente Estelar possui as chaves para a Conversão AN.
Durante suas encarnações na Terra, as sementes estelares construíram muitos espelhos do cinturão de Orion em todo o planeta, para se conectarem com o Portal Estelar AN:

A Conversão AN, efetivamente, irá acabar com a dualidade e transformar toda a nossa realidade num Universo de pura Luz e Amor, onde Abundância, Alegria e Felicidade serão o estado em que incondicionalmente existimos.

Somos âncoras da Conversão AN, através, do uso do nosso livre-arbítrio, para escolher a Luz.

Ao fazer isso, alinhamos a realidade quântica para que ela possa receber uma Conversão AN, para progressivamente, curar toda a Criação.

Podemos nos conectar com o Portal Estelar AN em meditação e, também, usando o som primordial AN, bem como usar o som OM, para invocar a Conversão AN.
Libertação Agora!

Autor: COBRA

https://www.sementesdasestrelas.com.br/2018/05/cobra-conversao-an.html

1.5.18

Popular guru indiano é condenado à prisão perpétua por estuprar adolescente

(Jomarion... História semelhamte a do Guru RAJNEESH - O Guru Sombrio - que trocou o nome para OSHO e é cultuado por milhõs de pessoas até hoje, infelizmente...)

“Muitas figuras espirituais indianas têm seguidores internacionais.... Um dos mais memoráveis ​​foi Bhagwan Shree RAJNEESH , chamado anos depois de OSHO, que morreu em 1990 e ensinou aos seus devotos que o amor livre era o caminho para a iluminação...  Recentemente, a Netflix lançou um documentário em capítulos sobre OSHO ... “Wild Wild Country”, em que narra como ele criou uma comunidade utópica em um rancho de Oregon, nos anos 70... antes de se envolver em planos de assassinato e no maior ataque bioterrorista da história dos EUA.

O guru Asaram Bapu tem 400 retiros espirituais pelo mundo e 40 milhões de seguidores.

Um guru espiritual indiano que afirma ter milhões de seguidores em todo o mundo foi sentenciado à prisão perpétua por estuprar uma garota de 16 anos.  Asaram Bapu, de 77 anos, foi condenado nesta quarta-feira por estuprar em 2013 uma de suas seguidoras em seu ashram (centro de meditação e ensino religioso) em Jodhpur, India. . Ele deve apelar.

O guru tem 400 ashrams ao redor do mundo, onde ensina meditação e ioga.  Bapu também está sendo julgado em outro caso de estupro no oeste do estado de Gujarat.  Jodhpur está em alerta máximo, devido à possibilidade de que haja violência por parte dos seguidores do guru, segundo relata a correspondente da BBC Priyanka Dubey.

O juiz proferiu seu veredito de dentro do presídio da cidade - as autoridades receavam que o julgamento no tribunal causasse tumulto.  Dois dos auxiliares do guru também foram condenados e receberam penas de 20 anos de prisão. Outros dois foram absolvidos.

No ano passado, outro caso envolvendo um guru, Gurmeet Ram Rahim, também condenado por estupro, gerou violência em Jodhpur - na ocasião, 23 pessoas morreram. A cidade de Jodhpur ganhou reforço policial ante o temor de que seguidores de Bapu cometessem atos violentos por causa de sua prisão

Entenda o caso do guru Asaram Bapu  

Asaram Bapu foi preso em 2013, após os pais da menina terem-no acusado de estuprar a filha. A família da menina a havia enviado ao ashram por acreditar que ela "estava sob influência de algum poder sobrenatural".  Ela relatou que foi forçada a praticar sexo oral e que foi tocada de maneira inapropriada.

A família chegou ao ashram de Jodhpur em 14 de agosto daquele ano. Na noite seguinte, Bapu teria chamado a vítima para o seu quarto, sob o pretexto de "curá-la". Ele então estuprou a vítima enquanto seus pais esperavam do lado de fora cantando suas orações, segundo a polícia.

A polícia diz que o guru forçou a vítima a realizar atos sexuais e ameaçou matar sua família se ela falasse sobre o incidente.  A vítima contou aos pais o que havia acontecido no dia seguinte. Eles tentaram confrontar Bapu, mas foram impedidos de entrar em seus ashrams.

Quem é Asaram Bapu?

Asumal Harpalani nasceu em abril de 1941, em uma aldeia chamada Bernai, na região de Sindh, no atual Paquistão. Sua família migrou para a cidade de Ahmadabad, em Gujarat, após a divisão da Índia. Na década de 1960, ele começou a praticar o espiritualismo com diferentes gurus - um dos quais lhe deu o nome de Asaram. Ele formou seu primeiro ashram em 1972, nas margens do rio Sabarmati, na cidade de Motera, Gujarat.

A prisão de Bapu gerou protestos na Índia.  Sua influência se espalhou para diferentes partes da Índia e ao redor do mundo nas décadas seguintes.  De acordo com seu site, ele tem 40 milhões de seguidores em todo o mundo e construiu 400 retiros espirituais em 19 países.

Importantes políticos indianos, incluindo o primeiro-ministro Narendra Modi, participaram de seus sermões no passado. Ele tem propriedades no valor de milhões de dólares em toda a Índia. A polícia também o está investigando por corrupção e falsificação.

Controvérsias em torno de seu julgamento

Bapu também é acusado de estuprar outra mulher na cidade de Surat, em Gujarat, entre 2002 e 2004. O julgamento deste caso está em andamento.  Pelo menos nove testemunhas nos dois casos foram atacadas nos últimos cinco anos - três delas morreram desde então.  A polícia está investigando esses ataques.  As famílias das vítimas insistem que o guru e seus seguidores estão por trás desses ataques - uma alegação que ele nega.

Outros gurus nas manchetes

Bapu não é o primeiro guru indiano a ser acusado criminalmente e considerado culpado.  O jornal indiano “Hindustan Times” lista uma série de gurus controversos que estiveram nos noticiários nos últimos anos. As acusações incluem assassinato, abuso sexual e corrupção.

Em 2017, por exemplo, Gurmeet Ram Rahim Singh foi condenado a 20 anos de prisão por estupro. Ele também foi investigado por assassinato e acusado de forçar seus seguidores a se submeterem a castrações para "se aproximar de Deus".  Já Baba Rampal está atualmente na cadeia por uma série de acusações graves, incluindo assassinato e tentativa de homicídio. Ele foi acusado de operar um centro de aborto ilegal em seu ashram, onde várias armas também foram confiscadas.

Swami Nithyananda, por sua vez, foi acusado de obscenidade depois que um vídeo mostrou que ele estava aparentemente envolvido em um ato sexual com uma atriz de cinema. Ele alegou ser inocente e disse que o vídeo era falso. Ele foi detido em 2010, mas libertado sob fiança. Ele ainda está aguardando julgamento em vários casos.

Muitas figuras espirituais indianas têm seguidores internacionais.

Um dos mais memoráveis ​​foi Bhagwan Shree Rajneesh, chamado anos depois de OSHO, que morreu em 1990 e ensinou aos seus devotos que o amor livre era o caminho para a iluminação. 

Recentemente, a Netflix lançou um documentário em capítulos sobre OSHO,  chamado Wild Wild Country, em que narra como ele criou uma comunidade utópica em um rancho de Oregon, no início dos anos 80, antes de se envolver em planos de assassinato e do maior ataque bioterrorista da história dos EUA.

Fonte: BBC Brasil: https://www.bbc.com/portuguese/internacional-43898859

29.4.18

Brasil em Perigo

Geração alienada, ignorante e incompetente está assumindo a Justiça no País

Juíza proíbe Nobel da Paz de visitar Lula na prisão e decisão repercute

Vexame internacional. Juíza do Paraná proíbe visita do Prêmio Nobel da Paz ao ex-presidente Lula. Magistrada usou argumento sádico para barrar a entrada de um idoso de 87 anos.

O escritor e teólogo Leonardo Boff está em Curitiba junto com o ativista argentino Adolfo Pérez Esquivel, ganhador do Prêmio Nobel da Paz.

Eles foram à unidade da Polícia Federal onde está preso o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva nesta quinta-feira (19), na tentativa de fazer uma visita de caráter humanitário e religioso. No entanto a Juiza da 12ª Vara Federal de Curitiba, Carolina Lebbos, não permitiu a visita.

A juíza também não respondeu a um requerimento anterior a esse, de autorização de visita em caráter pessoal em função de amizade. A advogada Tânia Mandarino, que presta apoio jurídico a Esquivel no Brasil, diz que chama a atenção o fato de que o pedido para a visita pessoal do argentino à Lula ter sido protocolado antes e ainda não ter sido apreciado.

“É preocupante essa conduta, porque Esquivel é apenas a primeira de muitas visitas internacionais que irão ocorrer ao ex-presidente Lula, como estadista. Sem contar o caráter de perversidade“. diz a advogada, referindo-se à idade avançada de ambos. Esquivel tem 87 anos e Boff, 79. “Pela sua relação de aconselhamento espiritual com Lula, o Leonardo Boff deveria ter, inclusive, sua entrada franqueada. É lamentável.”

A advogada viu componentes de sadismo na conduta da juíza Carolina Lebbos. “Absurdo dos absurdos, quando a juíza apreciou primeiro o pedido que foi posto depois, opusemos embargos de declaração pedindo que antecipasse o pedido de visita. Ela só respondeu sadicamente os embargos e não comentou sobre o pedido de visitas. Disse que não há urgência e, resumindo, ‘problema do Esquivel se ele está só de passagem’.”

Ao conversar diretamente com a Superintendência da PF, o ativista argentino teve o acesso mais vez negado. “Vamos ter de esperar se até amanhã (quando volta à Argentina) para ver se sai a autorização. Espero poder encontrar o Lula, abraçá-lo e levar-lhe toda a solidariedade internacional que temos recebido, de Portugal, Alemanha, França, Noruega, vários países. Essa prisão tem causado uma apreensão de dimensão mundial”, disse Esquivel.

“Eu que sou velho amigo de Lula vim em uma missão espiritual. Como uma lei divina pode ser negada por uma juíza terrena?”, provocou Boff. O teólogo afirmou que o Brasil atual é uma nau sem rumo, e que Lula é o único que “brilha” aos olhos do povo com poder de reverter as “iniquidades” cometidas pelo governo Temer.

“Brasil está como uma nau perdida, um avião sem piloto, voando não sabemos em que direção ou em que montanha vai bater. Não há líder nenhum que aglutine pessoas, não há luz no fim do túnel. Estamos realmente em uma situação que nunca ocorreu em nosso país. A única pessoa que brilha nas estatísticas e no agrado popular é Lula. O portador do poder é o povo, e o povo quer Lula como presidente para desmontar as iniquidades que o governo Temer fez contra os trabalhadores, aposentados, contra a Saúde, a Educação”, disse.

O teólogo disse ainda que o golpe para retirar lideranças populares da política não vem sendo aplicado apenas no Brasil, e foi gestado externamente. Essas forças estrangeiras teriam se aliado aqui com o que Boff chama de “elite do atraso, os herdeiros da Casa Grande”.

“Esses grupos milionários se aliaram com interesses estrangeiros e deram um golpe. Não mais com baionetas e tanques, mas um golpe de venalidade, comprando literalmente senadores e deputados, pervertendo a Justiça, partes do MP e da PF. Se criou uma coligação de forças que primeiro depôs Dilma, mas ela não era o objeto principal. O principal é Lula, e em segundo lugar é desmontar as políticas sociais que ele fez em função do povo e, se possível, liquidar a base popular do PT e fazer com que desapareça o partido”, detalhou o teólogo.

A presidenta do Conselho Mundial da Paz, Socorro Gomes, participou da abertura das atividades da vigília na manhã de hoje aponta para todos os elementos que evidenciam atropelos à Constituição brasileira, configurando um Estado de exceção. “O Supremo Tribunal Federal, corte máxima da Justiça e responsável pelo zelo à ordem constitucional acabou contribuindo para esse Estado de exceção ao permitir a prisão política de um ex-presidente, já que o processo contra ele não tem provas nem consistência”, disse Socorro.

Ela afirma que a comunidade internacional está perplexa por essa prisão sem processo transitado e julgado, portanto com cerceamento de defesa e violação do princípio da presunção da inocência. “Trata-se de uma perseguição política, movida a ódio, a preconceito de classe e com objetivo de impedir que Lula esteja livre e possa ser candidato. Todo o mundo está percebendo isso. Temos uma elite empenhada em garantir seus privilégios.” Socorro estava acompanhada do senador Ignácio Bernal e da deputada Natália Sanchez, ambos do Congresso espanhol.

Na saída do prédio da Polícia Federal, representantes do Movimento Nacional dos Catadores de Material Reciclável e do Movimento dos Atingidos por Barragens entregaram duas cartas ao argentino em apoio à indicação de Lula ao Nobel da Paz.

Fonte:  https://www.pragmatismopolitico.com.br/2018/04/juiza-carolina-lebbos-nobel-da-paz-lula.html

28.4.18

COBRA Atualização Abril 2018

“MEDITAÇÃO PARA A PAZ E RELATÓRIO DA CONFERÊNCIA DA ASCENSÃO EM BUDAPESTE"

... a Síria é o campo de batalha da última fase da guerra por procuração entre a Confederação Galáctica/Frota Pleiadiana apoiando Putin e Assad e as forças Chimera/Draco apoiando Erik Price e as facções militares negativas na Arábia Saudita e EUA, com Donald Trump sendo pego no meio...

COBRA – COmpression & BReAkthrough (Compressão e Ruptura)

Infelizmente, tivemos muito pouco tempo para reunir pessoas suficientes para a nossa Meditação pela Paz e a massa crítica ainda não foi alcançada.

Todavia, a meditação ainda teve um profundo impacto na situação geopolítica na Síria, minimizando os efeitos da escalada militar na sexta-feira, 13 de Abril (dia importante na linha do tempo dos Templários), estabilizando o vórtice da deusa na Síria e trazendo mais cura e paz para a região.
Motivos ocultos mais profundos, acerca do conflito na Síria são explicados aqui:

https://prepareforchange.net/2018/04/14/the-real-occult-reason-behind-the-april-2018-syria-missile-attacks/

Agora que esta escalada militar em particular fracassou, as famílias da nobreza negra Arconte/Cavaleiros de Malta/Forças Jesuítas, por trás de Erik Price, estão tentando levar Trump a um outro conflito militar na Síria:
https://www.commondreams.org/news/2018/04/17/war-profiteer-erik-prince-reportedly-talks-help-forge-occupying-force-syria
https://therealnews.com/t2/index.php?option=com_content&task=view&id=31&Itemid=74&jumival=21626


É interessante notar que a maioria das tropas dos EUA na Síria estão localizadas no Setor Nordeste do país, que é a localização exata do vórtice da deusa Hassuna-Samarra: 
https://www.sementesdasestrelas.com.br/2014/06/portal-2012-isis-18062014.html

A situação é que a Síria é o campo de batalha da última fase da guerra por procuração entre a Confederação Galáctica/Frota Pleiadiana apoiando Putin e Assad e as forças Chimera/Draco apoiando Erik Price e as facções militares negativas na Arábia Saudita e EUA, com Donald Trump sendo pego no meio:

https://www.zerohedge.com/news/2018-01-11/trump-isnt-another-hitler-hes-another-obama
Isto é tanto quanto, agora, posso dizer sobre a situação planetária na superfície do planeta.

Nossa Conferência de Ascensão em Budapeste foi muito bem-sucedida, além dos nossos sonhos mais loucos. Asseguramos uma nova linha de tempo positiva para o planeta e ativamos a rede planetária da Irmandade da Rosa num nível totalmente novo.

Agora, é da maior importância a criação de tantos grupos físicos quanto possível da Irmandade da Rosa.

Esses grupos precisam se encontrar uma vez por semana num local físico para ancorar as energias da Deusa na grade energética planetária, fazendo meditações de Vórtices e de Retorno da Deusa: 
https://www.sementesdasestrelas.com.br/2018/02/cobra-o-poder-da-deusa-18022018.html

Grupos formados da Irmandade da Rosa podem entrar em contato comigo em cobraresistance@gmail.com  para receberem maiores instruções.

Nossa conferência despertou muitas pessoas, reuniu muitos membros de famílias de almas e ancorou o fluxo massivo de energias do Amor na rede de energia planetária.

Essa experiência foi profundamente tocante, como pode ser lida neste relatório (originalmente em húngaro, mas pode facilmente se traduzido para o inglês ou para o seu idioma nativo):
https://2012portal-hungary.blogspot.com/2018/04/felemelkedes-konferencia-budapest-1-resz.html

As poderosas energias da Deusa ancoradas durante a conferência, podem ou não ser a razão pela qual Soros decidiu transferir seu escritório da Open Society, de Budapeste para Berlim, apenas, alguns dias após a conferência:
https://www.zerohedge.com/news/2018-04-19/another-victory-orban-soross-open-society-foundation-closes-budapest-office

O pobre Soros não sabe que Berlim, também, é um poderoso vórtice da Deusa e que ele pode, novamente, precisar se mudar em breve. Berlim, também, é o local de uma das principais bases subterrâneas européia do Movimento de Resistência, que influencia os programas espaciais na superfície:
https://gizadeathstar.com/2018/03/new-german-mobile-phone-network-works-moon/

Desde a morte de Ísis Astara, a Resistência vem trabalhando nos bastidores para expor a existência de armas eletromagnéticas, armas de energia dirigida e outras armas usadas pela Cabala para atingir os civis mais despertos, através das mídias alternativas:
https://madmimi.com/s/b0adcb
https://stillnessinthestorm.com/2018/01/the-cias-dart-to-the-heart-secret-weapon-result-mimics-a-heart-attack/?utm_source=ReviveOldPost&utm_medium=social&utm_campaign=ReviveOldPost


E, “acidentalmente”, agora, também através dos principais meios de comunicações, como a Popular Mechanics e a Russia Today:
https://www.popularmechanics.com/military/weapons/a19855256/muckrock-foia-psycho-electric-weapons/
https://www.rt.com/news/424734-us-counterterrorism-center-mind-control/
https://www.muckrock.com/news/archives/2018/apr/18/fusion-center-em/


Esperem por mais notícias em breve.
Agora, que uma  nova linha de tempo positiva foi assegurada, novamente, estou aberto para entrevistas.  Por favor, enviem seus pedidos de entrevista para
cobraresistance@gmail.com.  Todas as entrevistas serão realizadas após o dia 25 de Maio.

Vitória da Luz!

Autor: COBRA  

https://www.sementesdasestrelas.com.br/2018/04/cobra-meditacao-para-paz-e-relatorio-da.html

27.4.18

Q A n o n

Uma Análise Objetiva do Fenômeno QAnon

Afirmando ser um membro de alto nível do governo, “Q” tem postado mensagens secretas no 8Chan, revelando a extensão do “estado profundo” enquanto afirma que está prestes a ser derrubado. Aqui está uma análise desse fenômeno espantoso.

Para alguns, "Q" é um herói, um patriota e talvez até um salvador. Para outros, Q é um troll que conduz um elaborado LARP (uma ação ao vivo de RPG) ou um PSYOP (Operações Psicológicas que são usadas para controlar a opinião pública) conduzido pelo governo. No centro de tudo: centenas de mensagens enigmáticas postadas regularmente por um usuário anônimo do 8Chan que afirma ter “Q Clearance”, o “nível mais alto de segurança em todos os departamentos”. (Embora não se saiba se Q é homem, mulher ou um grupo de pessoas, o pronome "ele" será usado neste artigo para legibilidade).

Através de posts curtos no fórum, compostos de palavras-chave, códigos, enigmas, perguntas, imagens e comandos de computador bizarros, Q afirma estar entregando a "maior publicação reveladora da história". A cada dia, uma peça é adicionada a um gigantesco quebra-cabeça de conspiração que, uma vez entendido, é dito revelar a verdade sobre os poderes constituídos. Sem mais.

Através de seus posts, Q descreve uma elite global que é má, satânica e inclinada à pedofilia. Em suas descrições, esse grupo de elite lida com o tráfico humano internacional, orquestra eventos de falsa bandeira para promover sua agenda e conduz rituais ocultos a portas fechadas. Ela é dona e usa Hollywood, a grande mídia e as redes sociais para controlar a narrativa e censurar a verdade.

Embora o que tenha sido dito acima não surpreenda uma pessoa que já pesquisa sobre esses assuntos há anos, a mensagem de Q tem uma reviravolta surpreendente: Donald Trump estaria realmente travando uma guerra silenciosa contra essa elite globalista e estaria preparando um grande "contra-golpe" para retomar o governo americano. De acordo com Q, a investigação de Mueller sobre o conluio russo é uma máscara. Na verdade, ele está prestes a indiciar centenas de políticos e celebridades de alto nível, incluindo os Clintons, Podestas e Soros. Espera-se que essa operação cause turbulências intensas e até revoltas.

Os seguidores de Q referem-se a esse período como "a tempestade" (The Storm) - uma referência ao comentário preocupante de Trump feito em 6 de outubro sobre uma reunião de oficiais militares sendo "a calmaria antes da tempestade". Quando perguntado sobre o que ele queria dizer, Trump respondeu: "Você vai ver."

Veja aqui os principais elementos do fenômeno Q.

Posts de Q

"Q" usa a rede "8Chan" para suas publicações reveladoras - uma plataforma que é virtualmente não moderada e repleta de usuários que adoram investigar online e são obcecados com detalhes. Por esse motivo, eles se referem a si mesmos como "autistas".

O elemento "autista" é necessário porque Q afirma que ele não pode revelar as coisas diretamente. Ele deve usar códigos e perguntas para “reduzir programas sniffer que continuamente absorvem e analisam dados”.

A primeira postagem de Q, feita em 28 de outubro de 2017, fez uma previsão ousada sobre a prisão de Hillary Clinton, que provocaria "grandes revoltas" e a ativação da Guarda Nacional em todo o país em 30 de outubro.

Evidentemente, o dia 30 de outubro veio e se foi, e nada disso aconteceu. Isso não impediu que Q adicionasse centenas de posts adicionais nos meses seguintes.  A segunda postagem utiliza perguntas curtas e palavras-chave características de Q para apresentar o núcleo da trama.

Como muitas outras postagens de Q, este post refere-se a muitas pessoas, teorias e conceitos. "Mockingbird" é uma palavra-chave que é frequentemente usada por Q. Provavelmente refere-se ao projeto da CIA, Operation Mockingbird:

A Operação Mockingbird foi um suposto programa em grande escala da Agência Central de Inteligência dos Estados Unidos (CIA), que começou no início dos anos 1950 e tentou manipular a mídia de notícias para fins de propaganda. Financiou organizações estudantis e culturais e revistas como organizações de fachada”. (Wikipédia)

A postagem de Q afirma que Trump está "isolado", que circula pelas "agências de três letras", que confia na inteligência militar e que ele propositadamente se cercou de generais. Ele acrescenta que a batalha não é sobre democratas versus republicanos.

O Post #133 detalha a concepção de Q da “elite global”, em suas palavras,  difícil de engolir.

Este post afirma que os “mestres fantoches” são baseados em 3 “lados”, como um triângulo: os sauditas, os Rothschilds e os Soros. No centro do triângulo, o “olho” é alimentado por governos em todo o mundo usando fundos secretos, guerras e pactos ambientais. Q então alude à adoração a Satanás e à Ilha de Epstein. Mais especificamente, ele menciona o bizarro templo na Ilha Epstein, que ele acredita ter partes escondidas abaixo.

O templo na ilha caribenha particular  de Jeffrey Epstein, Little St James.

Jeffrey Epstein é um bilionário altamente influente que era conhecido por organizar festas massivas com políticos e celebridades de alto nível. Registros de vôo mostram que Bill Clinton voou no avião de Epstein 26 vezes. Em 2008, Epstein foi condenado por solicitar uma "escrava sexual" menor de  idade para prostituição, para o qual ele cumpriu 13 meses de prisão.

"Trouxe os jatos particulares do bilionário, apelidado de Lolita Express pelos habitantes locais, várias garotas adolescentes foram supostamente compelidas a participar de orgias depravadas em sua festa nas Ilhas Virgens dos EUA.(The Telegraph, Stephen Hawking pictured on Jeffrey Epstein’s ‘Island of Sin’)

As postagens posteriores aludem à importância da *culinária espiritual* e dos escravos controlados pela mente em Hollywood.

(** Jomarion... Culinária espiritual ou Spirit Cooking são festas bizarras onde se come carne suína arrumada como um corpo humano.... em meio a este cardápio , carne humana – especialmente de bebes - também é servida... nestes jantares macabros “arte macabra é feita ao vivo” – a maior expressão desta arte é Marina Abramovich – artista satânica que realiza rituais com sangue, cabeça de bode e outras bizarrices... grande apoiadora desta barbarie é Lady Gaga...)

Analisando cada postagem poderíamos encher uma enciclopédia. Ao longo de suas postagens, Q aborda uma variedade de tópicos, como:  o tiroteio em Las Vegas, a mudança do regime saudita, as negociações norte-coreanas, o rastreamento de Edward Snowden, uma pressão por uma Declaração de Direitos da Internet e muito mais.

Para muitos, essas alegações são difíceis de acreditar ou são “fake news”. No entanto, as “provas” de Q - evidências de que ele está diretamente conectado com o POTUS (sigla de presidente dos EUA) - transformaram muitos céticos em crentes.

Provas

Para provar o fato de que ele é próximo do POTUS, Q enviou fotos reveladoras e previu alguns eventos relacionados ao POTUS. Isso levou muitos a acreditar que ele é de fato um insider da Casa Branca. Alguns até acreditam que Q é o próprio Trump. Aqui estão alguns exemplos:

1- DO IT Q

Um tweet de Trump postado em 8 de novembro, que comemorou o aniversário de um ano de sua vitória eleitoral, é dito conter pistas relacionadas a Q.

Se alguém entrar na conta oficial do Twitter de Trump verá um arquivo - DOITQJ8UIAAowsQ.jpg – onde as primeiras letras soletrarem “DO IT Q”. Isto é interpretado por alguns como uma pista que confirma que Q está diretamente conectado com Trump.

Na foto abaixo, a manchete do jornal na frente de Trump diz: "Príncipes e magnatas presos na Arábia Saudita em repressão à corrupção" - um tópico frequentemente abordado nos posts de Q.

Por fim, esta foi uma das respostas a esse tweet:

2- Lugar Especial

Em 10 de dezembro, a equipe de Q disse que escolheu um "lugar especial" para o GS (possivelmente George Soros).  Em 17 de dezembro, Trump postou um tweet usando as palavras “lugar especial”, que foi interpretado como outra pista.  O “Q” muitas vezes insiste em notar a semelhança entre seus posts e os tweets enviados pelo POTUS (TRUMP).

3- A Caneta

Em 12 de dezembro, Q postou uma foto de uma caneta ao lado de um papel timbrado da Casa Branca com a mensagem “Feliz Natal”.  Dez minutos depois, Trump postou um tweet dizendo "Happy Hanukkah".  Quando um usuário do 8Chan destacou essa conexão, Q postou outra foto, desta vez a misteriosa caneta.   Em uma entrevista, o jornalista Jerome Corsi acredita ter identificado a caneta e a escrivaninha misteriosa.

“Essa é uma mesa da Laurel. É o que Obama usou e, aparentemente, Trump também está usando em Camp David. Esse é o escritório em Camp David.
A caneta é uma caneta de tinta Montblanc que Trump usou por um longo tempo. Aquele é o Camp David no fim de semana e aquela foto tinha que ter sido tirada por alguém que estava lá com o presidente Trump. Sua caneta na mesa; isso praticamente autentica que QAnon está muito perto de Donald Trump e presente em algumas dessas reuniões internas da Casa Branca realmente importantes.”

4 - Tweet Consensual 

Em 7 de janeiro, um tweet de Trump continha um erro em que a palavra “consensual” foi usada ao invés de “consequencial”.  Embora o erro tenha sido corrigido alguns minutos depois, ele rapidamente chegou às manchetes e foi amplamente ridicularizado.

Um exemplo de uma manchete zombando do tweet "consensual".

No entanto, de acordo com seguidores de Q, o erro de digitação não foi acidental. O fato de que Trump omitiu e depois adicionou uma palavra com a letra Q foi interpretado como uma mensagem de Trump para  os seguidores de Q. O próprio Q acrescentou que não foi um acidente.

5- Previsão

Na noite de 10 de dezembro, a publicação de Q continha as palavras "Blunt and Direct Time". A próxima mencionava “falsa bandeira (s)” e “fogos de artifício”.

Na manhã seguinte, uma bomba caseira, foi parcialmente detonada, na estação “Times Square, 42nd Street/Port Authority Bus” no Terminal do Metrô de Nova York. O suspeito foi identificado pela polícia como Akayed Ullah, de 27 anos, um imigrante muçulmano salafista de Bangladesh.  Na noite seguinte, Q explicou o que ele quis dizer com “Blunt and Direct Time”.

BDT é a moeda do Bangladesh. Portanto, o post implica que Q estava ciente dos próximos “fogos de artifício” e da nacionalidade do terrorista. 

Cobertura da Mídia

Como esperado, a cobertura da mídia sobre Q é extremamente tendenciosa, parcial e arbitrária. Um dos primeiros artigos sobre Q apareceu em NYmag e o artigo afirma:

“Uma nova teoria da conspiração chamada “A Tempestade” tomou as partes mais sombrias da internet.  A conspiração da Tempestade apresenta grupos secretos, uma quadrilha de tráfico sexual infantil liderada (em parte) pelo satânico Partido Democrata e, é claro, incontáveis ​​saltos lógicos e suposições paranoicas que não resistem sob o menor escrutínio baseado em fatos.”

No outro extremo do espectro, Alex Jones acredita firmemente na autenticidade de Q. Em 24 de dezembro ele declarou: 

“Muito do que QAnon disse, eu já havia conseguido das minhas fontes da Casa Branca, minhas fontes do Pentágono, minhas fontes da CIA.”

Liz Crokin, uma jornalista do “TownHall.com” declarou em uma entrevista que acredita que Q pode ser o próprio Trump.

“Eu acredito que Q é o presidente Trump, trabalhando possivelmente com Stephen Miller, para divulgar informações de  bastidores... para deixar as pessoas pensando sobre o que está acontecendo... o que é a “Tempestade” e a queda do Estado Profundo, no tocante a “cena pedófila” do Estado Profundo. Eu venho dizendo às pessoas, há muito tempo, o que acontece com esses “elitistas ocultistas” que literalmente estupram, sacrificam crianças, bebem sangue e literalmente comem bebês. É muito difícil para uma pessoa comum que não tem ideia de que isso está acontecendo, aceitar tudo isso de uma só vez.

Tem havido um grande esforço orquestrado nos bastidores da administração do Presidente Trump para acordar lentamente o público...  Quando há prisões em massa, e há nomes como Hillary Clinton aparecendo em processos de prisão por tráfico sexual, não há histeria em massa. As pessoas vão perceber: "Oh meu Deus, talvez isso seja real", ou algo assim, isso não é apenas um tipo de golpe ou algo assim, isso é real e isso está realmente acontecendo."

Conclusão

Embora Q seja uma figura extremamente polarizadora, há fatos sobre o fenômeno que deveriam ser óbvios para todos. Primeiro, tudo sobre o Q é 100% pró-Trump e está em plena sintonia com toda a agenda política de Trump. De uma perspectiva de relações públicas, é uma forma eficaz e inovadora de reforçar o apoio a Trump, contornando os meios de comunicação de massa.

Mas será que isso é tudo verdade? Trump está realmente derrubando uma rede de satanistas globalistas? É por isso que 90% da cobertura da mídia de Trump é negativa? Por outro lado, será que a tempestade é mais uma maneira de ganhar o apoio de "pesquisadores de conspiração" enquanto, na verdade, nenhuma tempestade está realmente acontecendo? Será esse o LARP mais elaborado da história da humanidade, conduzido por um troll brilhante?

Uma coisa é certa: há algo profundamente messiânico no fenômeno Q. Profecias de grandes tribulações e promessas de libertar o mundo dos "seguidores de Satanás" de fato assumem proporções épicas e bíblicas. Através de tweets e imagens “miraculosas”, Q transformou multidões de céticos em seguidores devotos que agora são crentes nele e estão prontos para espalhar sua palavra. O próprio Q acrescenta-se a essa mística, mencionando frequentemente Deus e citando a Oração do Pai Nosso.

Então, esse negócio de Q é real? Como ele mesmo diz, “a verdade sempre vence”. Só o tempo dirá se suas profecias de um "Julgamento Final" acontecerão ou se ele acabará sendo mais um falso profeta dentre os milhares que existem por aí na Internet.

Fonte: The Vigilant Citizen

Outra fonte:  https://danizudo.blogspot.com.br/2018/04/uma-analise-objetiva-do-fenomeno-qanon.html

27.4.18

Morte “Made in Brazil”

Conflitos no Oriente Médio alavancam exportação de armamento do país

Hoje, o Brasil é considerado o terceiro maior exportador de armas leves do mundo, atrás apenas dos EUA e  da Itália

Uma missão árabe chegou ao Brasil interessada na compra de cargueiros KC-390 fabricados pela Embraer. A visita é resultado do esforço do Grupo Parlamentar Brasil-Arábia Saudita, criado no início deste mês, para aproximar os dois países no campo de defesa militar.

O KC-390 vai substituir os Hércules C-130 da Força Aérea Brasileira (FAB), é o maior avião produzido na América e foi concebido como um jato militar de transporte, anunciado pela primeira vez na edição de 2007 da Latin America Aero & Defence (LAAD), no Rio de Janeiro. A produção do avião, com capacidade para 23 toneladas de carga, envolve parcerias com fornecedores de peças de Argentina, Portugal e República Tcheca. Com um custo unitário de US$ 85 milhões, o KC-390, em fase final de testes, tem recebido propostas de compra de vários países.

A compra do cargueiro, porém, é apenas um detalhe na exportação brasileira de armamentos não só para a Arábia Saudita, como também para vários países do Oriente Médio e do Norte da África. Alguns \embarques são polêmicos, como a venda de bombas de fragmentação — proibidas pelas convenções internacionais — para países como o Iêmen, que trava um conflito com os sauditas que já deixou mais de 5 mil mortos e milhares de feridos, segundo a Organização das Nações Unidas (ONU).

Entre os produtos made in Brazil exportados para os árabes estariam armas leves, fuzis, artilharia, mísseis terra-terra e terra-ar, entre outros. O problema é que os números envolvendo exportação de armamento brasileiro são sigilosos e não podem ser acessados sequer pela Lei de Acesso à Informação, sob a alegação das Forças Armadas de que se trata de assunto de segurança nacional.

Seja como for, dados do Ministério da Industria, Comércio Exterior e Serviços (MDIC) revelam que só para a Arábia Saudita a exportação de armas brasileiras cresceu 817% entre 2013 e 2015. De janeiro a outubro de 2015, por exemplo, o país importou US$ 191 milhões em armamento brasileiro, desbancando os Estados Unidos, que compraram US$ 144 milhões em igual período. Hoje, o Brasil é considerado o terceiro maior exportador de armas leves do mundo, atrás apenas dos EUA e  da Itália.

Falando à Sputnik Brasil, Jefferson Nascimento, advogado da ONG Conectas Direitos Humanos, confirma que o Brasil é um dos países menos transparentes no tocante à exportação de armamentos e vê com preocupação o comércio crescente com os países árabes.

"Temos acompanhado com alguma preocupação, considerando que o Brasil figura na lista de países menos transparentes com relação ao comércio internacional de armas. Esse crescimento de vendas para alguns países árabes vai ao encontro da dificuldade desses países em conseguir comprar armas em outros mercados, considerando que a falta de transparência brasileira seja alguma forma de vantagem competitiva, incluindo algumas armas que são banidas por tratados internacionais", explica o advogado.

Nascimento dá como exemplo as chamadas munições clusters, como as bombas de fragmentação, que violam o direito internacional humanitário. Segundo ele, o Brasil infelizmente não faz parte desse tratado e tem empresas com capacidade para produção desse tipo de armamento que tem sido utilizado no Iêmen, segundo relatos de diversas ONGs. O advogado da Caritas admite que é possível se obter algum tipo de informação bruta sobre a exportação, mas não o tipo de armamento. Um desses dados, divulgados pelo próprio MDIC, revela que o Brasil exportou, no ano passado, quase US$ 476 milhões para 70 países, um aumento de quase 19% sobre 2016.

"O que é mais preocupante é que não temos informações sobre os critérios antes que o governo autorize uma empresa brasileira venda essas armas para um terceiro país. Os governos fazem uma análise anterior à autorização para exportação de armas, levando em consideração uma variedade de critérios, dentre eles a utilização de uso dessas armas contra o próprio país. A gente vê grandes exportadores de armas como Reino Unido, França e Alemanha tendo relatórios muito mais detalhados sobre armas vendidas e países", diz Nascimento.

O advogado da Conectas lista os principais exportadores de armas brasileiras em 2017. Segundo ele, quatro ou cinco empresas brasileiras estiveram envolvidas nos embarques para os 20 principais destinos. A primeira foi a AVIBRAS, com vendas de quase US$ 200 milhões, dos quais US$ 184 milhões apenas para a Arábia Saudita; a TAURUS com embarques de US$ 130 milhões para os EUA; e a Companhia Brasileira de Cartuchos (CBC), uma das principais controladoras da Taurus, com vendas para os EUA, Marrocos, Alemanha, Omã, Filipinas, Emirados Árabes Unidos,Argentina, entre outros.

Em termos de volume, os embarques para a Arábia Saudita cresceram 202%; 119% para o Marrocos; 719% para Omã; e 829% para o Bahrein.

Lisa Marie Pane - Sputnik

Fonte: https://br.sputniknews.com/defesa/2018042411068499-comercio-exterior-armamento-geopolitica-direitos-humanos-transparencia-industria/

27.4.18

Ocidente trama o extermínio da Síria

Líder do Pink Floyd Vaza E-mail Expondo como os White Helmets recrutam Celebridades com dinheiro saudita

No início desta semana, o Free Thought Project informou que o vocalista do Pink Floyd, Roger Waters, parou um concerto em Barcelona para alertar a multidão sobre a propaganda pró-guerra que vem de um grupo na Síria conhecido como White Helmets.

Nos dias que se passaram desde que Waters fez várias entrevistas para explicar melhor suas opiniões, a mais interessante delas foi com um grupo chamado “Grayzone Project”, onde
e-mails exclusivos foram apresentados, mostrando conversas entre a equipe de Waters e representantes dos White Helmets.

O primeiro encontro de Waters com os White Helmets foi na verdade muito antes de seu concerto de 13 de abril, em outubro de 2016, quando o bilionário saudita e britânico Hani Farsi o convidou para uma campanha de arrecadação de fundos que ele estava mantendo em nome do grupo "The Syria Campaign".

The Syria Campaign é uma subsidiária da agência de relações públicas de Nova York, Purpose, que afirma ser imparcial na guerra civil síria. Mas, como o site Alternet relatou, eles estão em uma missão para provocar a intervenção ocidental na região e até mesmo pediram abertamente uma zona de exclusão aérea. A The Syria Campaign trabalha em estreita colaboração com os White Helmets e provavelmente tem muitos dos mesmos membros.

No ano passado, a The Syria Campaign pagou aos atores até 600 dólares cada para participarem de um flash mob e uma performance orquestral pró-White Helmet na Grand Central Station de Nova York.

Apesar dos melhores esforços da empresa para reunir uma multidão de pessoas que, pelo menos, fingem ser a favor de sua mensagem, os ativistas anti-guerra ainda apareceram para protestar contra o evento, segurando cartazes que diziam: “Tire a mão da Síria!" "Esta é a propaganda de guerra dos EUA” e “ Nenhuma base dos EUA na Síria."

Os “White Helmets” – Capacetes Brancos” foram fundados na Turquia por um ex-oficial britânico do MI5 chamado James Le Mesurier. O grupo recebeu pelo menos  55 milhões de dólares  do governo do Reino Unido e 23 milhões de dólares adicionais do governo dos EUA, ambos com interesses de mudança de regime na região. De acordo com a agência de dados Gov Tribe  , o governo dos EUA concedeu pelo menos 339,6 milhões de dólares em ajuda externa a grupos que tentam provocar uma "transição" na Síria.

A “transição” que os White Helmets e grupos afiliados esperam trazer para a Síria está longe de ser pacífica e bem intencionada. Membros do WH foram filmados e fotografados em pé e celebrando com terroristas afiliados à Al-Qaeda após batalhas, ajudando a realizar execuções públicas, e eles foram até mesmo pegos carregando corpos sem cabeça.

A The Syria Campaign tentou encobrir essas atrocidades, descartando evidências em vídeo como “propaganda russa”, uma desculpa familiar que foi repetida por representantes do governo nos EUA e no Reino Unido.  O evento para o qual a Waters foi convidado em 2016 foi oficialmente patrocinado por uma das holdings de FARSI chamada Corniche Group.

Segundo o site da empresa:  Nos últimos cinquenta anos, a família Farsi tem atuado na Europa e no Oriente Médio no planejamento urbano, no setor imobiliário, no desenvolvimento de propriedades, nas artes e na filantropia. Liderado por Hani Farsi, filho do visionário líder cívico e filantropo Mohammed Said Farsi, é considerado o criador da Arábia Saudita moderna.

O convite que Waters recebeu dizia:  Estou escrevendo para convidar você... para se juntar a Hani em um jantar de arrecadação de fundos... na segunda-feira, 21 de novembro, em nome da The Syria Campaign… A Fundação Asfari forneceu os fundos iniciais para a The Syria Campaign e nos uniremos à noite por Sawsan Asfari… O trabalho deles com os White Helmets ajudou esses trabalhadores de resgate a atrair mais de 15 milhões de dólares em financiamento do governo e transformou-os em nomes familiares... perdendo por pouco o Prêmio Nobel da Paz deste ano.

Waters disse que fez sua pesquisa e desconfiava dos motivos que esses interesses tinham, então ele nunca respondeu e evitou se envolver nesses esforços. Em vez disso, Waters fez sua própria pesquisa sobre o que estava acontecendo na Síria e usou sua plataforma para se manifestar contra a intervenção dos EUA.

Infelizmente, um punhado de outras celebridades morderam a isca e assinaram contrato para apoiar publicamente os White Helmets e a The Syria Campaign. Esses nomes incluem George Clooney, Ben Affleck, Daniel Craig, Justin Timberlake, Aziz Ansari e Zoe Saldana.

“Eu fiquei bastante desconfiado depois que fui convidado para aquele jantar [dos White Helmets]. E agora minhas piores suspeitas foram confirmadas”, disse Waters ao Grayzone Project. “Eu encorajaria as celebridades que assinaram endossar os White Helmets a pararem de apoiá-los porque sabemos o que eles são. Eu não os culpo por terem comprado isso. Em face disso, parecia plausível que os White Helmets fossem apenas pessoas boas fazendo coisas boas. Mas agora sabemos que eles estão tentando encorajar o Ocidente a lançar bombas e mísseis ilegalmente na Síria.”

Então, na semana passada antes de seu recente concerto, Waters foi abordado novamente por e-mail, desta vez por um fotojornalista francês chamado Pascal Hanrion, que se descreveu como um “militante do White Helmets da Síria”.

O e-mail dizia:  Boa tarde, meu nome é Pascal Hanrion, sou jornalista e alpinista. Sou militante dos White Helmets da Síria para denunciar crimes contra a humanidade na Síria, especialmente contra as crianças. No domingo passado fiz um importante evento em Paris, subindo ao topo do museu Georges Pompidou. Estou em Barcelona para fazer o mesmo, em relação a uma rede síria muito poderosa. Por favor, eu gostaria de ser convidado por Roger Water , alguns segundos no palco amanhã, durante o concerto para junto com ele enviar uma mensagem para os filhos da Síria! Alô, vocês não foram esquecidos!”

Como eu relatei no início desta semana, Waters não deu a esse homem seu tempo solicitado no palco, mas em vez disso dirigiu-se ao público com uma mensagem de paz e não-intervenção.

Esses e-mails dão uma visão dos bastidores de como as empresas de relações públicas pró-guerra tentam aproveitar o poder da celebridade para promover ideias políticas que essas celebridades geralmente conhecem muito pouco. Estas agências estão dependendo de artistas ocupados ou músicos para levar sua palavra no que diz respeito a questões políticas de vida e morte, mas felizmente, pelo menos alguns deles, parecem estar fazendo sua pesquisa.

Fontes:

Activist Post: Pink Floyd Frontman Leaks Email Exposing How White Helmets Recruit Celebs With Saudi Money

Blog Anti Nova Ordem Mundial: Líder do Pink Floyd Interrompe Concerto para Explicar que o Ataque Químico na Síria é uma Falsa Bandeira

https://www.anovaordemmundial.com/2018/04/lider-do-pink-floyd-vaza-e-mail-expondo-como-os-white-helmets-recrutam-celebridades-com-dinheiro-saudita.html#more

25.4.18

Por que a denúncia de Gleisi para a TV AL Jazeera provocou tanta polêmica?

Ana Amélia e Gleisi Hofmann bateram boca no Senado Federal

Vídeo gravado por Gleisi Hoffmann e enviado para a TV AL Jazeera provocou a ira de políticos e grupos conservadores do Brasil. Dezenas de fake news viralizaram nas redes sociais e caso foi parar na PGR

Por que uma mensagem gravada por uma senadora brasileira para um veículo de comunicação internacional provocou tanta polêmica e se tornou um dos assuntos mais comentados?

O vídeo foi enviado pela senadora Gleisi Hofgmann à TV Al Jazeera, do Catar. Na gravação, a parlamentar brasileira afirma que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva “foi condenado por juízes parciais em um processo ilegal” e é um “preso político”.

Gleisi também denuncia a perseguição histórica que a Rede Globo impõe ao ex-presidente e menciona a liderança de Lula em todas as pesquisas eleitorais à Presidência da República.

O vídeo viralizou em grupos do WhatsApp e páginas do Facebook de adversários de Gleisi, do PT e da esquerda, compartilhado como “fato gravíssimo” e “urgente”.

Além de confrontos verbais e discursos enfurecidos nos plenários do Senado e da Câmara, as declarações de Gleisi desencadearam até distribuição de conteúdo falso (fake news) nas redes sociais.

Com o objetivo de barganhar politicamente, o deputado extremista Major Olímpio (PSL-SP) e a senadora Ana Amélia Lemos (PP-RS) decidiram reagir à fala de Gleisi Hoffmann de maneira eufórica, ecoando a paranoia propagada pelo WhatsApp.

Sedento por holofotes, Olímpio não perdeu tempo e bateu às portas da Procuradoria-Geral da República (PGR) para protocolar um pedido de investigação contra a presidente do PT.

Ana Amélia, por sua vez, usou o microfone do Senado Federal para alardear: “espero que o vídeo de Gleisi não tenha sido para convocar o Exército Islâmico pra vir ao Brasil fazer as operações de proteção ao partido que perdeu o poder e agora parece ter perdido a compostura e o respeito”. (Jomarion... como uma pessoa tão burra e sem noção, é senadora?)

Gleisi rebate

“Penso que o incômodo com essa entrevista com aquela senadora do Rio Grande do Sul [Ana Amélia], que veio aqui à tribuna para falar a esse respeito, não foi com o conteúdo da minha fala, mas foi com o veículo de comunicação em que ela se deu”, iniciou Gleisi, em resposta à Ana Amélia.

Gleisi ressaltou que deu entrevistas à britânica BBC, à espanhola EFE, à portuguesa SIC Portugal e à francesa France Presse a respeito da prisão de Lula, mas que só foi criticada quando falou à Al Jazeera.

“Só posso reputar isso à ignorância, ao preconceito, à xenofobia contra o povo árabe. Aliás, mais do que isso, chega a ser má-fé, desvio de caráter o que essa senadora – aquela mesma que incentivou a violência contra a caravana do presidente Lula, mandando erguer o relho contra nós todos – em relação ao que está fazendo nas redes sociais”, assinalou a petista.

Tese ridicularizada

A versão de que Gleisi Hoffmann estaria a insuflar grupos terroristas para defender Lula em território brasileiro não foi levada a sério nem mesmo por adversários do PT e chegou a ser ridicularizada por parlamentares.

“Perdoe a ignorância dessa... É muita ignorância”, disse o líder do PT no Senado, Lindbergh Farias (RJ), dirigindo-se ao senador Cássio Cunha Lima (PSDB-PB), que presidiu parte da sessão plenária, e referindo-se a José Medeiros (Pode-MT), que falava ao microfone e criticava o “recado muito estranho” de Gleisi à Al Jazeera.

“Nós temos respeito por todas as religiões. Agora, nós também somos um país que não tem contato com nenhum radicalismo, com nenhum fundamentalismo”, disse Medeiros, antes de ser interpelado por Lindbergh, e acrescentando que a mensagem da petista parecia “um recado subliminar”. “A quem era dirigido aquilo?”.

Coube ao senador Magno Malta (PR-ES) relatar o que havia falado com a própria Gleisi a respeito da polêmica. Crítico feroz do PT, Magno acabou por revelar que não se trata de uma entrevista exclusiva à TV Al Jazeera.

“Até porque a senadora Gleisi me disse que a entrevista que ela deu para a Al Jazeera foi dada para as outras televisões do mundo que estavam lá para cobrir”, disse Magno.

Pouco antes do encerramento da sessão, quando o plenário já estava quase vazio, a questão levantada por Medeiros foi ironizada na tribuna. “A Gleisi não incitou nada. Eu acho que há aí ignorância ou má-fé. Estão confundindo Al Jazeera com Al-Qaeda. Pode ter certeza”, comentou a senadora Regina Souza (PT).

Fake News

No mundo informal das redes sociais as versões falsas sobre o vídeo de Gleisi se alastraram. Entre textos apócrifos e ilustrações com frases inverídicas, multiplica-se no mundo virtual a informação de que a senadora pediu a intervenção de grupos terroristas no Brasil.

A fake news mereceu a publicação de um fact checking, ou checagem de fatos, no site Buzzfeed, que cita o exemplo de uma internauta identificada como Bia Kicis.

“Em nenhum momento Gleisi cita grupos muçulmanos. Na página de Bia Kicis, porém, uma versão editada do vídeo foi publicada dando conta de que a presidente do PT pedia ajuda a ‘terroristas’ […]. A mentira teve mais de 150 mil visualizações e 14 mil compartilhamentos”, diz o site.

“Sites como o Crítica Nacional e o Diário do Brasil foram além, afirmando que Gleisi cometeu crime contra a soberania nacional. Esses sites usam o – falso – argumento de que a senadora, ao dizer ‘mundo árabe’, se dirigia a terroristas”, acrescenta Buzzfeed.

Depois de tanta confusão, a Procuradoria-Geral da República (PGR) instaurou um procedimento preliminar para analisar a possibilidade de abrir inquérito sobre o episódio.

Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook

https://www.pragmatismopolitico.com.br/2018/04/gleisi-hoffmann-al-jazeera.html

25.4.78

Al Jazeera, Al Qaeda, Al Fafa ou Al Fajor?

"Uma aula sobre Al Jazeera e Al Qaeda"

Ana Amélia (senadora) confundiu a TV do Catar (Al Jazeera) com o grupo terrorista Al Qaeda

Um vídeo de Gleisi Hoffmann desencadeia uma série de piadas, mas também de “fake News” perigosas na internet. Alguns esclarecimentos básicos são necessários

A fala de Gleisi Hoffmann para a TV Al Jazeera continua repercutindo nas redes sociais. “Lula foi condenado por juízes parciais num processo ilegal. Não há nenhuma prova de culpa, apenas acusações falsas”, diz trecho da fala da senadora.

Uma das principais críticas do PT no Senado, Ana Amélia discutiu com Gleisi ontem no plenário por causa do vídeo. Em discurso feito na tribuna no início da tarde, a senadora gaúcha chegou a cogitar desrespeito à Lei de Segurança Nacional.

Pré-candidata à Presidência da República, a deputada estadual gaúcha Manuela D’Ávila (PCdoB) ironizou a senadora Ana Amélia pelas críticas feitas à Gleisi Hoffman.  Em mensagem publicada no Facebook, Manuela disse que Ana Amélia confundiu a TV do Catar com o grupo terrorista Al Qaeda, conhecido pelos ataques de 11 de setembro em Nova York e por ter tido como líder o saudita Osama Bin Laden, já morto.

“Quando uma senadora cria fake news… só resta comer um Al Fajor...”, brincou a deputada em referência ao famoso doce de origem argentina.

Ana Amélia também foi ironizada pelo deputado federal Paulo Pimenta. “Senadora Ana Amélia, Al face, Al fafa, Al môndegas não são a mesma coisa! Importante saber para não comer uma achando que é a outra. Além disso Al Jazeera e Al Qaeda também são coisas muito diferentes. Explico isso para evitar confundir Alhos com Bugalhos e dizer bobagens”, publicou o parlamentar em sua conta no Twitter.

Para o jornalista Kennedy Alencar, a declaração de Ana Amélia foi preconceituosa e ignorante.Sobrou preconceito e faltou conhecimento internacional na avaliação da senadora Ana Amélia a respeito da entrevista dada pela colega Gleisi Hoffmann à Al Jazeera. A senadora gaúcha foi preconceituosa ao associar uma entrevista a uma rede de TV de grande prestígio internacional com algum tipo de convocação à violência estrangeira, sugerindo a busca de apoio de extremistas islâmicos.  A reação de Ana Amélia estimulou uma onda de preconceito e xenofobia nas redes sociais“, avaliou Kennedy.

A seguir, alguns esclarecimentos didáticos para qualquer propagandeador do fake...

AL JAZEERA: Considerada porta voz do mundo árabe, a Al Jazeera é o maior fenômeno mundial do jornalismo televisivo dos últimos anos. Transmitida 24 horas por dia, a TV tem cerca de 200 milhões de espectadores no mundo. Foi nela que, pela primeira vez, um judeu israelense falou hebraico na TV árabe. Lançada em 1996, a TV hoje é assistida em 130 países e se tornou o carro-chefe dos planos do Catar em aumentar sua projeção e influência para além de suas riquezas em gás e petróleo.

AL QAEDA: A Al-Qaeda, nome árabe que significa “A Base”, é uma organização radical islâmica de atuação internacional que foi fundada no ano de 1988. Essa organização tem duas formas principais de atuação: o terrorismo (praticado por meio de ações como atentados a bomba e sequestros) e o jihadismo (combate armado em locais específicos, como a Síria e o Iêmen). Um dos seus principais idealizadores foi o saudita Osama Bin Laden, e o mais terrível ato de terrorismo atribuído a eles foi o atentado de 11 de setembro de 2001 aos Estados Unidos.

A origem da Al-Qaeda, como bem explana o investigador independente e filósofo John Gray “está na Guerra Fria. Ela desenvolveu-se no final da década de 1980, durante a luta contra a invasão soviética do Afeganistão orquestrada pelos EUA, pela Arábia Saudita e pelos governos europeus. Com base nas estruturas operacionais que herdou daquela época, tornou-se o primeiro praticante da guerra não-convencional a ser realmente mundial em suas operações”.

Além de treinamento tático e domínio de armamento, os combatentes muçulmanos que lutaram no Afeganistão, no início dos anos 1980, também receberam de órgãos como CIA conhecimento de organização de inteligência militar, isto é, a capacidade de montar um comando avançado de operações. Ironicamente, anos mais tarde, imbuídos de ideologia radical oriunda das ideias de intelectuais muçulmanos como Said Qutb, esses combatentes promoveram ataques coordenados contra os Estados Unidos.

ALFAJOR: O Alfajor é um doce tradicional em países como Espanha, Argentina e Uruguai. O nome vem do árabe (vejam vocês) ‘al hasu’ e significa recheado. A história do alfajor tem origem na cozinha árabe. O doce é composto de duas ou três camadas de massa, que após assadas devem ser levemente crocantes e macias, quase esfarelando, mas firmes, e com recheio de doce de leite, coberto com chocolate derretido ou polvilhado com açúcar de confeiteiro.

ALFAFA: A Alfafa é uma leguminosa de folhagem perene muito nutritiva, sendo considerada importante fonte de cálcio e de fósforo. No Brasil, a alfafa foi introduzida no Rio Grande do Sul (terra de Ana Amélia), a partir de brotos vindos do Uruguai e da Argentina. Entre os principais benefícios da leguminosa estão o combate ao colesterol alto, o combate à anorexia e o combate à retenção de líquido.

Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook

https://www.pragmatismopolitico.com.br/2018/04/al-jazeera-al-qaeda-gleisi.html

25.4.18

Sionistas Insanos - Ataque à Síria

"UMA REVOLUÇÃO PODE COMEÇAR NA FRANÇA, NA MEDIDA EM QUE OS SIONISTAS LOUCOS NOVAMENTE TENTAM COMEÇAR UMA TERCEIRA GUERRA MUNDIAL"

Benjamin Fulford – 16.04.18

Os insanos sionistas fanáticos religiosos, que há anos tentam iniciar o ARMAGEDOM falharam mais uma vez em sua última tentativa, desta vez na Síria e, agora, enfrentam sérias repercussões, possivelmente começando com uma revolução na França.
Antes de entrarmos em detalhes, vamos recordar com quem estamos lidando aqui.

É difícil para pessoas (fora da realidade ou alienadas) entenderem que o establishment político e financeiro do Ocidente foi sequestrado por fanáticos religiosos, que estão tentando realizar sua interpretação da profecia bíblica (Apocalipse) que prevê o extermínio de 90% da humanidade e a escravização dos sobreviventes.

Evidências esmagadoras mostram que isso é, exatamente, o que está acontecendo.
Não vamos, mais uma vez, expor aqui todas as evidências, vamos apenas ver o que
Jared Kushner, genro do presidente dos EUA Donald Trump, tem feito.

A família Kushner comprou um prédio na 666 (Jomarion...numero da besta) Fifth Avenue, em Nova York, muito acima dos preços de mercado. 
https://www.nytimes.com/2018/04/06/nyregion/kushners-vornado-666-fifth-avenue.html

Apesar de uma grande tentativa de remover essas informações de sites que não são de “conspiração”, podemos confirmar que a “Lucent Technologies” esta lá, desenvolvendo um chip RFID implantável.  (Jomarion... Lucent reporta a lucifer e ela está desenvolvendo a "marca da besta")

Aqui está um artigo de uma revista científica sobre o objetivo desses chips:
https://www.popsci.com/my-boring-cyborg-implant

Também, devemos nos lembrar de que Kushner é um membro da seita radical CHABAD que pretende ter 2.800 escravos para cada um de seus seguidores, depois que o resto da humanidade for dizimada.

Em outras palavras, é possível confirmar, factualmente,  que o genro do presidente dos Estados Unidos seja parte de um grupo que está tentando transformar a seguinte profecia bíblica (Apocalipse) em realidade:

“Também faz com que todos, pequenos e grandes, tanto ricos quanto pobres, tanto livres quanto escravos, sejam marcados na mão direita ou na testa, para que ninguém possa comprar ou vender a menos que tenha a marca, isto é, nome da besta ou o número do seu nome… e seu número é 666.” (Apocalipse 13: 16-18)

Neste ponto, vale a pena lembrar aos leitores, que esse versículo é do Novo Testamento e não do Antigo Testamento Judeu (TORÁ), portanto este não é um “complô judaico” pois estas pessoas não são judeus reais e, sim, adoradores de Satã.  Mais uma vez, o velho ditado se torna real: "A verdade é mais estranha que a ficção".

Agora, podemos começar ligar isso a eventos e notícias recentes. Primeiramente, deem uma olhada na fotografia, no seguinte link em reunião de Trump com os líderes do Chabad, em 29 de Março:

https://www.timesofisrael.com/trump-meets-with-chabad-rabbis-in-oval-office/

Depois de conhecer essas pessoas, Donald Trump sinalizou sua relutância em seguir com sua trama louca, ao anunciar que os EUA iriam se retirar da Síria. Então o que aconteceu? Por que Trump, de repente, ordenou o ataque numa Sexta-feira 13 entre outras datas?

A resposta, de acordo com a CIA e outras fontes, é que os loucos sionistas khazarianos, desesperados enquanto sua grade de controle entra em colapso, realizaram uma massiva campanha para forçar os EUA e a Rússia a se enfrentarem em uma 3ª Guerra Mundial, e, assim, começar seu muito planejado, Armagedon.

A chave para tudo isso, foi o ataque aos escritórios do advogado de Donald Trump, Michael Cohen, em 9 de Abril.  O objetivo do ataque era encontrar material para chantagear Trump e, forçá-lo a ordenar um ataque às tropas russas na Síria e iniciar uma 3ª Guerra Mundial.

Uma vez que os cassinos de Trump, em Atlantic City, faliram (entre 1991 e 2009) Trump, provavelmente, teria sido socorrido por bandidos russos e outros personagens duvidosos, não há dúvida de que farto material para chantagem foi encontrado.

Os militares americanos responderam ao “assalto” posando para foto com Trump, na noite do ataque.
"A mensagem é: Os militares dos EUA estão solidamente por trás do presidente Trump... esta mensagem para a cabala está indicada por 9 militares à esquerda e 11 à direita"
(Jomarion...referência ao 9/11), dizem fontes do Pentágono.

No entanto, os militares dos EUA foram adiante com o ataque de 13 de Abril na Síria, por causa de um acordo firmado com os militares russos e o governo sírio, explicam as fontes. Neste acordo, os militares dos EUA receberam três alvos autorizados, dentro da Síria - um prédio abandonado, programado para demolição e duas bases aéreas vazias - a fim de privar os sionistas de uma desculpa para expor a roupa suja de Trump, ao mesmo tempo evitando uma guerra mundial.

Além disso, os ataques com mísseis pavimentaram o caminho para a retirada das tropas dos EUA da Siria. O twitt de Trump, dizendo 'missão cumprida' foi dirigido a George Bush Jr. e aos criminosos por trás do 11 de Setembro, dizem as fontes do Pentágono.

Os satanistas khazarianos (sionistas) também gritaram "olha o lobo", acusando o governo sírio de ter atacado seu próprio povo com gás venenoso tantas vezes, (pelo menos 6). Até mesmo a maioria da humanidade, submetida à lavagem cerebral, não acredita mais nestas mentiras. Um MEME que circulou, após o último ataque, mostrou quão ridícula era a história oficial ao afirmar: "Estamos bombardeando a Síria porque a Síria está bombardeando a Síria".
Então, temos o secretário de imprensa da Casa Branca, Sean Spicer, dizendo na Segunda-feira que "a meta para os Estados Unidos é desestabilizar a Síria".
https://youtu.be/JxWdiXfUqsA

Os militares dos EUA também fizeram outro movimento contra o controle da mídia pelos khazarianos, forçando Martin Sorrell, o chefe da WPP, a maior empresa de publicidade do mundo a renunciar, na semana passada, disseram fontes do Pentágono. Além disso, o escândalo de Harvey Weinstein “frustrou as ambições presidenciais do CEO da Disney, Bob Iger”, observam eles.

Agora, haverá um retorno ainda mais sério para esse ataque, baseado em fáceis e amplamente comprovadas mentiras. As primeiras baixas, provavelmente, são os governos mafiosos e escravos khazarianos do Reino Unido e da França. 
Na França, situação está se tornando especialmente crítica. Fabrice PJ Dubordieu, assessor de Assuntos Estrangeiros do Conselho Nacional de Transição da França, falando em nome do Conselho, disse que os militares e a polícia francesa estão à beira de uma revolta aberta contra seu "governo impostor". 

De acordo com Dubordieu, uma vez que o presidente francês, Emmanuel Macron, tenha assumido o poder por meio de uma eleição fraudada, imediatamente entrou numa briga com o "altamente respeitado Général Pierre de Villiers, o que levou à sua renúncia em 19 de Julho de 2017.  

Outro general - François Lecointre - cuja reputação está contaminada por seu envolvimento "em várias operações sujas na África" e que "não é respeitado por seus pares", é "uma das muitas" razões para a tensão com o exército, diz o general Pierre Villiers.  

O conselho de transição informa que greves estão sendo realizadas pelo judiciário, pela polícia antimotim e pela polícia regular. 
Juízes e advogados estão incomodados e têm encenado greves, porque as chamadas "reformas judiciais" estão desgastando seus poderes e restringindo os direitos humanos, dizem eles. 

Relatam que as Compagnies Républicaines de Sécurité, ou polícia antimotim, por lei, não são permitidas a fazerem greves e, então, ao invés disso, coletivamente, estão pedindo dispensa alegando doença, porque estão exaustos de lutar contra estudantes franceses, sindicalistas e ambientalistas, muitos dos quais são membros de suas próprias famílias.

A Guarda Nacional Francesa, com 100 mil soldados, tem tido más relações com Macron, desde o início de seu governo e está se preparando para prender todo o regime, diz o conselho. A situação ficou tão ruim que Macron recentemente colocou 500 soldados da UE no quartel da Guarda Francesa em Versalhes, dizem eles. 
https://en.wikipedia.org/wiki/European_Gendarmerie_Force

(Jomarion... Macron pode ser o Anti Cristo de acordo com estudos e checagens recentes)

Não apenas isso, uma vez que o Conselho está recebendo relatórios de mercenários sendo posicionados ao longo das fronteiras da Bélgica e da Alemanha com a França. “Empregar forças estrangeiras e/ou irregulares para a segurança antimotim, na verdade, é traição - se não por lei, pelo menos, nas mentes de nosso povo e pessoal militar”, diz Dubordieu. 

A ordem de Macron de atacar a Síria está agravando a situação, diz ele. "Nosso governo impostor está culpando o presidente sírio Assad, citando informações as quais realmente não temos acesso", observa ele. No final, os militares franceses disseram que não podiam enviar seu único porta-aviões para participar do ataque "porque estava docado para reparos", em vez disso, um navio menor disparou alguns mísseis.

De qualquer forma, o conselho de transição diz que um grande esforço está sendo feito para o dia 5 de Maio. Os estudantes das universidades de Montpellier e Estrasburgo, durante suas assembleias gerais, votaram pela ocupação do Palácio Elysée  naquela data, diz ele. "Provavelmente serão seguidos por estudantes de outras universidades muito em breve", acrescenta.

Macron, por sua vez, nessa data, planeja se esconder num remoto território do Pacífico Sul da Nova Caledônia, observa ele. 
“A República Francesa está definitivamente entrando em um modo severo de degradação! A transição está se aproximando”, conclui Dubordieu. 

Por sua vez, a mídia britânica também relata que a situação do governo escravo de Theresa May, no Reino Unido, está cada vez mais frágil, após o ataque “obviamente absurdo” à Síria, apoiado por menos de um quarto da população. May realizou o ataque sem uma votação do Parlamento porque "sabia que perderia". 
https://www.theguardian.com/commentisfree/2018/apr/14/theresa-may-essential-argument-for-syria-strikes-nonsensical
https://www.independent.co.uk/voices/theresa-may-trump-syria-strikes-parliament-vote-britain-russiachemical-weapons-latest-a8303146.html


O governo escravo japonês de Shinzo Abe, embora não tenha participado da mais recente farsa síria, também está oscilando por causa do envolvimento de Abe na corrupção e nos crimes de guerra. Enormes manifestações diárias estão acontecendo em frente ao Parlamento japonês pedindo sua renúncia.
https://www.bloomberg.com/news/articles/2018-04-14/japanese-protesters-demand-liar-abe-s-resignation-over-scandal
https://sputniknews.com/asia/201804151063594181-high-turnout-at-tokyo-rally-demanding-abe-resign/


Enquanto a velha ordem continua a desmoronar, grandes movimentos em direção a um mundo mais cooperativo foram vistos na congregação de várias marinhas no Pacífico Sul, de acordo com fontes da CIA baseadas na Ásia. 

A verdadeira razão para as marinhas irem para o Oceano Pacífico é a existência de um enorme depósito de “elementos de terras raras” (REE's), usado no Programa Espacial Secreto que, recentemente, foi encontrado a cerca de 600 milhas ao Sul de Tóquio, Japão - metal suficiente para manter o programa espacial por décadas. 

O problema é colher esses metais a até 3 mil metros de profundidade, algo que o capitão francês Jacques Cousteau, aposentado, estava trabalhando quando morreu. Agora seu antigo navio Calypso foi reformado e atualizado com a mais recente tecnologia e está na região ajudando a descobrir essas jazidas, juntamente com navios militares americanos, chineses e russos armados com sistemas de radar subaquáticos de alta tecnologia. 

“Aparentemente, também, um depósito muito grande de REEs foi encontrado no fundo do Mar do Sul da China, incluindo uma grande quantidade de platina misturada com PGMs (Platinum Group Metals). Esta é outra razão para o 'Grande Muro Subaquático da China' em torno do perímetro da Linha de Nove Traços, estabelecida pela China em 1947.” 

Num assunto relacionado a esse recurso, fontes do Pentágono dizem que "a erupção do vulcão em Vanuatu, pode dissuadir a China de construir qualquer base militar muito próxima da Austrália". https://phys.org/news/2018-04-vanuatu-island-evacuate-volcano-erupts.html

Numa nota final, Barbara Bush está morrendo. 
https://globalnews.ca/news/4145985/barbara-bush-failing-health/

Os pedófilos continuam sendo cercados. Um “peixe grande” foi pego, trata-se de Pendter Dalglish (nascido em 20 de Maio de 1957)  é um “humanitário canadense”, fundador da “Street Kids International Charity” e da “The Trails Youth Initiative Program”.                                                                                                    https://www.newsweek.com/former-senior-united-nations-official-facing-pedophilia-charges-nepal-876783 

Autor: Benjamin Fulford 

Tradução: Sementes das Estrelas

(Texto revisado e melhorado por Jomarion)

Fonte:  https://www.sementesdasestrelas.com.br/2018/04/benjamin-fulford-revolucao-pode-comecar.html

18.4.18

Zuckerberg se contradiz sobre interferência russa em eleição

Mark Zuckerberg, o executivo-chefe do Facebook, está depondo no Congresso dos EUA nesta terça (10) e quarta-feira (11), respondendo a perguntas sobre o fracasso da rede social em proteger os dados de milhões de usuários e seu papel na interferência russa na eleição presidencial de 2016.

Aqui estão algumas afirmações de Zuckerberg, assim como dos parlamentares, cuja veracidade verificamos.

“Nós fizemos mudanças em 2014 que teriam evitado o que aconteceu com a Cambridge Analytica acontecesse hoje.” 

Não exatamente... A Cambridge Analytica, uma firma de dados políticos, usou informação que havia sido coletada de até 87 milhões de usuários do Facebook vários anos atrás para formar perfis psicológicos dos eleitores. O Facebook anunciou mudanças em 2014 para limitar o acesso de novos aplicativos aos dados de seus usuários, mas foi só em 2015 que a companhia aplicou mudanças para afetar todos os apps da plataforma. 

Quando perguntado quando o Facebook soube das operações de influência da Rússia na rede social, Zuckerberg disse: “Exatamente na época da eleição de 2016”.

Contraditório... O Facebook há muito tempo afirmou que não sabia como agentes russos usaram sua plataforma para influenciar a eleição presidencial até meados de 2017. Enquanto Alex Stamos, diretor de informações do Facebook, advertiu a companhia de que hackers russos podem ter atuado na plataforma em meados de 2016, ele disse que estava procurando brechas na segurança cibernética, e não campanhas de desinformação ligadas às eleições.

Na terça-feira, Zuckerberg citou pela primeira vez 2016 como data em que a empresa identificou novas operações ligadas à eleição. “Você não pode ter uma conta falsa no Facebook. Seu conteúdo tem de ser autêntico.”

Verdadeiro, mas... O Facebook exige que as pessoas se registrem nas contas com seus verdadeiros nomes. Mas o fato é que contas falsas e páginas falsas persistiram na rede social.

Agentes russos criaram contas no Facebook com identidades falsas antes da eleição presidencial de 2016. E só nesta semana o Facebook removeu uma popular página do Black Lives Matter (Vidas Negras Importam, em inglês) depois que se descobriu que não era autêntica.

“A Cambridge Analytica não estava usando nossos serviços em 2015, pelo que sabemos.”

Falso...  Ex-funcionários da Cambridge Analytica disseram a “The New York Times” que já usavam o Facebook em 2014. Zuckerberg disse mais tarde que tinha se enganado.  “Na verdade, a primeira linha de nossas condições de uso diz que você controla e possui a informação e o conteúdo que você coloca no Facebook.” 

Verdadeiro, mas... Durante a audiência, mostraram a Zuckerberg as condições de uso do app de teste que Alexander Kogan, um acadêmico russo-americano, usou para obter dados de usuários do Facebook.

A letra miúda talvez dissesse aos usuários que seus dados poderiam ser usados para fins comerciais, segundo um rascunho das condições de uso do app que foi revisado pelo “Times”, e que foi mostrada a Zuckerberg pelo senador democrata Richard Blumenthal, de Connecticut.

Em outras palavras, parece que o Facebook talvez não tenha verificado regularmente para garantir que os apps estivessem de acordo com suas regras. 

O texto final das condições de uso do app de Kogan hoje é provavelmente desconhecido. Executivos do Facebook disseram que deletaram o app em dezembro de 2015, depois que descobriram sobre a coleta de dados. 

Quando foi perguntado se os usuários do Facebook e seus amigos haviam consentido em compartilhar seus dados com o app de Kogan, Zuckerberg disse: “Acredito que apresentamos essa plataforma de desenvolvedor e explicamos às pessoas como ela funcionava e elas consentiram”.

Não exatamente... Os usuários do Facebook que baixaram o aplicativo de teste de Kogan consentiram em compartilhar suas informações e as de seus amigos ao concordar com as condições do app. Mas seus amigos não estavam cientes de que suas informações tinham sido compartilhadas e não concederam autorização expressa.                                                

E notas em letra miúda muitas vezes são ignoradas ou mal compreendidas. Várias pessoas que usaram o app disseram ao “Times” que não tinham ciência de que ele coletava seus dados. Estudos e pesquisas mostraram que a maioria das pessoas clica concordando com as condições de uso sem realmente as ler.

“A campanha do presidente Obama desenvolveu um app usando a mesma função do Facebook que a Cambridge Analytica, foi para captar informações não apenas de milhões de usuários do Facebook, mas de milhões de seus amigos.” (Chuck Grassley, senador republicano) 

Comparação enganosa... Mais de 1 milhão de pessoas baixaram o app da campanha de Obama em 2012, que obtinha acesso aos dados de apoiadores e seus amigos. Os usuários do Facebook que baixaram o app da campanha de Obama estavam cientes de seus objetivos: apoiar e fazer campanha para um candidato político.

Os que baixaram o app de Kogan, porém, acreditavam estar fazendo um teste pessoal para fins acadêmicos e não sabiam que seus dados seriam usados pela Cambridge Analytica.  “Compare isso, por exemplo, com uma área como encontrar propaganda terrorista, no que de fato já tivemos grande sucesso empregando ferramentas de Inteligência Artificial.”

Falta contexto... Quão bem sucedido foi o Facebook em encontrar e eliminar propaganda terrorista de sua plataforma ainda está em discussão. O Facebook e outras empresas de rede social foram criticados pelo Parlamento britânico em um relatório de 2017 por “deixar de retirar conteúdo ilegal quando solicitado a fazê-lo —incluindo material de recrutamento terrorista perigoso, promoção de abuso sexual de crianças e incitação ao ódio racial”. O relatório chamou de vergonhosa a falta de ingerência das empresas.

Na semana passada, o Projeto Contra o Extremismo, uma entidade sem fins lucrativos que combate grupos extremistas, também disse que encontrou contas de alguns extremistas que continuavam ativas no Facebook.

“Em maio de 2016, o Gizmodo relatou que o Facebook tinha proposital e rotineiramente suprimido histórias conservadoras das principais notícias.” (Ted Cruz, senador republicano)...  Falta contexto. Um ex-funcionário do Facebook disse ao Gizmodo em 2016 que pessoas que trabalhavam na rede social impediram que histórias sobre conferências e candidatos de extrema-direita virassem tendência no Facebook. 

Outros ex-funcionários desmentiram essa sugestão e o Gizmodo disse que era “incapaz de determinar se temas de notícias ou fontes de esquerda foram igualmente suprimidas”. O Facebook negou as afirmações na época, mas o episódio salientou a questão de se a rede social era uma entidade de mídia.

“Nós já temos uma ferramenta ‘Baixe suas informações’ que permite que as pessoas vejam e retirem toda a informação que colocaram no Facebook.” 

Não exatamente... Enquanto o Facebook recentemente adotou uma ferramenta que permite que as pessoas baixem dados que a plataforma coletou sobre elas, a ferramenta parece estar incompleta. Algumas pessoas notaram que alguns dados estão ausentes, como uma antiga função do Facebook que permite que você “cutuque” pessoas.

O Facebook hoje permite que os usuários optem por sair de certas categorias de dados, incluindo decidir o que é compartilhado com anunciantes. Mas certos dados básicos sempre serão compartilhados com a companhia, a menos que a conta do Facebook seja permanentemente deletada pelo usuário.

“Eu não acredito que algum dia coletamos o conteúdo de telefonemas.”

Verdadeiro, mas... Embora o Facebook não colete o conteúdo de telefonemas, ele vem coletando registros e dados de SMS de dispositivos Android que têm o app Facebook instalado.  Os usuários de Android que baixaram recentemente os dados que o Facebook armazena sobre eles ficaram surpresos ao saber que a companhia tinha informações sobre todo o seu histórico de ligações, remontando a anos. 

O Facebook explicou recentemente em uma postagem em blog que os usuários podem optar por que o Facebook não colete esses dados. 

Sheera Frankel - Folha

https://www1.folha.uol.com.br/mundo/2018/04/zuckerberg-se-contradiz-sobre-interferencia-russa-em-eleicao-veja-checagem.shtml

15.4.18

Um dos motivos do ataque à Siria (atingir a Rússia)

Libertação de Ghouta Oriental (Dia 11) foi uma vitória marcante, diz especialista

Em 11 de abril foi anunciado que o exército sírio assumiu o controle total sobre Ghouta Oriental. O especialista russo Aleksandr Vavilov explica o que significa essa vitória das forças governamentais e por que ela é um evento marcante.

Na quarta-feira (11), o chefe do Centro Russo de Reconciliação na Síria, o major-general Yuri Yevtushenko, declarou que o governo sírio assumiu o controle da região de Ghouta Oriental, subúrbio de Damasco, que estava sob o controle dos militantes do grupo radical Jaysh al-Islam.

Para o professor da Academia de Diplomacia junto do Ministério das Relações Exteriores da Rússia, Aleksandr Vavilov, a retomada do controle sobre Ghouta Oriental é uma vitória marcante. 

"O que é o mais importante é que essa região era o último bastião dos terroristas perto da capital. O fato de os terroristas terem sido expulsos dali e acordado que eles vão abandonar essa região estrategicamente importante é uma grande vitória. É de assinalar o papel do Centro Russo de Reconciliação, porque sem seus esforços, sem sua mediação, evidentemente, teria sido muito difícil e, possivelmente, até impossível chegar a um acordo", disse ele em entrevista ao serviço russo da Rádio Sputnik

Segundo Vavilov, as ações dos militares russos na Síria diferem significativamente da tática das tropas norte-americanas no país.

"É de assinalar que as nossas ações contrastam muito com as da chamada coalizão norte-americana, que bombardeou Raqqa e abandonou-a, até agora as ruas estão cheias de cadáveres em decomposição, todos sabem que a cidade vive uma catástrofe humanitária.

Ao contrário, nossos militares não apenas evacuaram os civis das regiões perigosas, mas também lhes forneceram, com a mediação do nosso centro, roupas, ajuda médica, moradia – eles não tiveram isso durante muito tempo, quando os bandidos operavam na região", explicou ele.

O Centro Russo de Reconciliação na Síria continua o trabalho de evacuação dos militantes e suas famílias de Douma. Durante a operação em Douma, foi possível evacuar mais de 165 mil pessoas e libertar 250 reféns dos grupos armados ilegais. 

Fonte:  https://br.sputniknews.com/oriente_medio_africa/2018041210969816-ghouta-oriental-vitoria/

14.4.18

EUA atacaram Síria porque não suportam derrota de 'seus' grupos terroristas

Especialista político explica que razões estão por trás do recente ataque lançado pelos EUA e seus aliados contra a Síria.

O ataque conjunto realizado neste sábado pelos EUA, Reino Unido e França contra a Síria teve lugar porque essas potências ocidentais "não suportam a derrota" de "seus" grupos terroristas que operam em território sírio, onde os extremistas "praticamente foram eliminados", opina o analista político Basem Tajeldine.

O especialista supõe que o bombardeio contra Damasco "não é justificado" e "não há provas" do suposto ataque químico levado a cabo na semana passada na cidade síria de Douma (Ghouta Oriental) e que Washington e seus aliados usaram-no como pretexto para atacar o país árabe.

Ao mesmo tempo, ele afirma que os Estados ocidentais, com ajuda de seus meios de comunicação, "são muito bons" em "construir 'shows' mediáticos e manipular a informação", justificando, assim, sua agressão.

"A melhor explicação deste bombardeio é a reação desesperada dos EUA" que tentam "apoiar os grupos terroristas derrotados", violando o direito internacional e o raciocínio, afirmou.

Falsos argumentos para justificar o ataque

Tajeldine sublinha que o ataque aéreo contra Síria se realizou na véspera de a Organização para a Proibição de Armas Químicas (OPAQ) iniciar sua investigação sobre o suposto ataque químico na cidade síria de Douma.

EUA e seus aliados "déspotas" têm "estado utilizando falsos argumentos para agredir a Síria" e planejavam fazer com este país o que já fizeram com a Líbia e o Iraque, assegurou.

No entanto, o especialista político está seguro que eles "subestimaram" o apoio prestado a Damasco pelo Irã e pela Rússia, sendo que os EUA e seus aliados europeus não conseguiram atingir todos os alvos que planejavam afetar.

Para concluir, o analista indica que a única forma como a Síria pode dissuadir e deter este tipo de agressões por parte de "assassinos" como o imperialismo é "armar-se como o fazem o Irã ou a Coreia do Norte, apesar das críticas que têm que enfrentar.

Fonte: https://br.sputniknews.com/oriente_medio_africa/2018041410986827-eua-ataque-siria-derrota-terroristas/

14.4.18

Amigos deste site:

Cabala Khazariana Maligna, apoiada por Israel e ancorada nos EUA  e Inglaterra (que estão pressionando o desequilibrado Presidente Trump, um "palhaço global") está tentando levar o mundo a uma III Guerra, com apoio de Emmanuel Macrom, o provável Anti-Cristo. Não acreditem na Mídia oficial, eles não sabem o que está  acontecendo, apenas noticiam o que é mandado. Procurem os blogs e sites alternativos. Divulguem a Verdade!  Jomarion

Rússia diz que ataque químico em Duma foi fabricado (Falsa Bandeira)

...O ministro russo do Exterior, Serguei Lavrov, disse nesta sexta-feira (13/04) que seu país possui provas irrefutáveis de que o suposto ataque químico ocorrido na cidade síria de Duma, último bastião dos rebeldes em Ghouta Oriental, foi orquestrado por uma agência de inteligência estrangeira para culpar Moscou e o regime em Damasco. Segundo ministro, especialistas russos não encontraram evidências no local...

“Temos informações irrefutáveis de que se trata de um novo ataque fabricado, e que por trás dele estão serviços secretos de um país (Jomarion... Reino Unido e sua “ministra louca” - Teresa May, mulher decaida apoiadora do provável Anti-Cristo – Macron) que se esforça para estar na vanguarda da campanha contra a Rússia”, disse Lavrov, sem especificar a que nação se referia.

O ministro russo do Exterior, Serguei Lavrov, disse nesta sexta-feira (13/04) que seu país possui provas irrefutáveis de que o suposto ataque químico ocorrido na cidade síria de Duma, último bastião dos rebeldes em Ghouta Oriental, foi orquestrado por uma agência de inteligência estrangeira para culpar Moscou e o regime em Damasco.

A cidade de Duma, local do suposto ataque com armas químicas, foi castigada por bombardeios das forças sírias (Jomarion...contra terroristas e rebeldes, a mando de governos ocidentais)

Ele disse ainda que tal crise beneficia apenas “aqueles que realizam esforços contínuos para desestabilizar a região e avançar em seus objetivos geopolíticos”, referindo-se, dessa vez, aos Estados Unidos.

A declaração do ministro russo ocorre um dia antes da chegada de uma equipe da Organização para a Proibição das Armas Químicas (OPAQ) em Duma, que irá buscar provas do suposto ataque. Segundo Lavrov, especialistas russos já inspecionaram a região.

“Nossos especialistas, que já estiveram no local, não encontraram nenhum rastro do uso de armas químicas, seja cloro ou outra substância”, afirmou.

Vejam esta denúncia de 2013:

Descoberto Plano, em janeiro de 2013, com o apoio dos EUA para lançar um FALSO ATAQUE  com armas químicas sobre a Síria e jogar a CULPA no regime de Assad

O Ministério do Exterior russo disse ainda que não foram identificados pacientes com sintomas de ferimentos causados por armas químicas em hospitais da região, bem como nenhuma indicação de que vítimas do suposto ataque tivessem sido enterradas.

Um relatório da Organização Mundial da Saúde (OMS), por outro lado, afirmou nesta semana que os sintomas de 500 pacientes tratados após o incidente apontam que houve, de fato, o uso de armas químicas. Os governos da Síria e da Rússia asseguraram que vão garantir o acesso da missão da OPAQ ao local do suposto ataque químico.

Duma se tornou o maior motivo do agravamento das tensões entre o regime do presidente Bashar al-Assad, aliado de Moscou, e países do Ocidente (EUA, OTAN e ISRAEL) (Jomarion... Tríplice aliança do Mal) , que responsabilizam Damasco pelo ataque.

A Rússia defende que as acusações do uso de armas químicas em Duma por parte das forças sírias são uma tentativa de justificar uma intervenção militar no país árabe PELO OCIDENTE. Lavrov disse esperar que não haja na Síria uma repetição do que ocorreu na Líbia e no Iraque. “Que Deus não permita que outra aventura dessas ocorra na Síria, após as experiências líbia e iraquiana.

O ministro alertou que o menor erro de cálculo poderia gerar novas ondas migratórias, e que ultimatos e ameaças não contribuem para o diálogo. “Mesmo incidentes pouco significativos poderiam levar a novas ondas de migrantes para a Europa, além de outras consequências que nem a Rússia nem nossos vizinhos europeus gostariam.”

Moscou, que considera inadmissível culpar Damasco pelo uso de armas químicas em Duma, advertiu que as consequências de um possível ataque dos EUA e seus aliados contra o Exército sírio seriam graves, especialmente se as forças russas no país forem afetadas (ISTO É ATACADAS).

Há poucos dias, o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, mencionou a possibilidade de atacar a Síria com “mísseis inteligentes” em represália ao suposto ataque químico. Mais tarde, o governo americano adotou um tom mais ameno, desmentindo que uma ação militar estivesse prestes a ocorrer. (RC/efe/ap/rtr)

(Jomarion... observem como o “palhaço Global Trump” não sabe pra que lado vai... é covarde e tem medo da Cabala Negra Khazariana)

Edição original: Thoth3126@protonmail.ch

Fonte: ww.thoth3126.com.br

Link: https://thoth3126.com.br/russia-diz-que-ataque-quimico-em-duma-foi-fabricado-falsa-bandeira/

O c i d e n t e   I n s a n o  

"O MUNDO ESTÁ SE PERGUNTANDO: TERIA A AMÉRICA FICADO INSANA?"

Benjamin Fulford - 09.04.2018

A atual liderança do mundo anglo-saxônico está agindo de uma maneira que só pode ser descrita como insana, emitindo uma serie, obviamente, falsa e incendiária de alegações, uma após outra, numa vã tentativa de provocar uma Terceira Guerra Mundial.

Está fazendo isso, porque a atual liderança está, literalmente, lutando para sobreviver, enquanto, os rangidos da rodas da justiça inevitavelmente se aproximam.
É por isso que,
recentemente, vimos que as alegações histéricas da primeira-ministra britânica Theresa May, de que a Rússia usou gás venenoso dentro do Reino Unido estão sendo negadas por peritos de seu próprio governo.

Esta, também, é a razão pela qual o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump foi forçado, por chantagem, ou enganado como um idiota, ao falsamente acusar o governo sírio de mais uma vez atacar seus próprios civis com armas químicas.
Em ambos os casos, as acusações acabaram sendo feitas pelos próprios autores dos crimes.

No Reino Unido, foram elementos de seus próprios serviços de inteligência que criaram o incidente com gás venenoso, confirmam fontes da CIA e do MI5. O enviado russo na ONU, Vasily Nebenzya, classificou o comportamento do Reino Unido como um "teatro do absurdo". 
No caso da Síria, agentes dos EUA e do Reino Unido foram pegos em flagrante com armas químicas proibidas em sua posse. 

https://www.veteranstoday.com/2018/04/08/proof-intel-drop-trump-bolton-behind-syria-chemical-attacks-confirmed/

O ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergey Lavrov, resumiu as opiniões de muitos países sobre a política externa dos EUA sob o governo Trump, destacando que ela é “muito controversa”, “obscura” e administrada por pessoas que não tem mais de um ano de experiência.
https://tass.com/politics/997996

A impressão geral é que a administração Trump está indo contra todos os principais acordos internacionais assinados nos últimos anos sem, realmente, oferecer alguma alternativa, concordam várias fontes.
Além disso, os funcionários de Trump no US Commerce, trabalhando contra a opinião do Pentágono, declararam uma guerra comercial com a China, apesar de estarem matematicamente condenados a perdê-la. O governo chines já avisou que vai "lutar até o fim, a qualquer custo".

Então, o que realmente está acontecendo? A resposta, claro, é que o grupo de líderes ocidentais que nos trouxe a falsa Guerra ao Terror e as várias invasões que se seguiram, temem perder força e, consequentemente, serem acusados de múltiplos crimes de guerra. Esta é a verdadeira razão pela qual eles, coletivamente, estão agindo de uma maneira irracional e histérica.

A situação nos EUA continua a ser a mais intensa, como uma guerra civil não declarada, mas na verdade, está acontecendo.
Esta “guerra” se opõe a facção fascista khazariana que encenou o 11 de Setembro, a Guerra do Iraque e Fukushima contra patriotas que querem restaurar a democracia e o estado de direito no Ocidente.

Ao contrário da guerra aberta nas guerras civis anteriores, esta está sendo travada contra os instrumentos de controle mental em massa, incluindo dinheiro, propaganda, guerra cibernética, assassinatos direcionados e batalhas não divulgadas entre forças especiais.

Os ataques em andamento contra Facebook, Amazon, Google, Twitter e Microsoft, mesmo que esses gigantes da internet se esforcem para censurar a web, apenas é  um dos aspectos visíveis desse novo tipo de guerra.

Também, há uma guerra espacial e uma dimensão oculta,
é visível para a população de superfície em pequenos vislumbres, algo muito parecido com pessoas num barco assistindo uma batalha entre monstros marinhos que acontecendo, principalmente, debaixo d'água. 

A mais recente novidade desse tipo foi
  a queda da estação espacial chinesa Tiangong-1. Ela foi derrubada pelas forças dos EUA em retaliação aos recentes icidentes com navios de guerra dos EUA, aparentemente planejados pelos chineses, disseram fontes da CIA. Agora, três grupos de porta-aviões dos EUA estão indo para o Mar da China Meridional para confrontar um enorme grupo de batalha chinês, disseram as fontes da CIA.

Na verdade, porém, os dois grupos podem estar enfrentando um inimigo comum, dizem fontes do Pentágono, onde a maior parte da ação está acontecendo debaixo d'água e em segredo, dizem as fontes.
De acordo com fontes da CIA, "a verdadeira razão para todo o barulho das forças militares ocidentais é que a China parece ter se tornado a nação vitoriosa na batalha pelo controle do Mar do Sul da Chinal.

Aqui está um resumo do relatório da CIA sobre a situação:
Anualmente, existe um valor estimado em US $ 5 trilhões em mercadorias que cruzam pelo Mar do Sul da China. O país que controlar o fluxo dessas mercadorias, basicamente controla os US $ 5 trilhões e tudo o que estiver associado a ele.
A Marinha do Exército de Libertação Popular (a Marinha do ELP) começou a construir uma rede de sensores submarinos passivos e ativos, localizados a até 3.000 metros de profundidade.

Estes são incorporados num cimento recentemente desenvolvido, contém polímeros especiais e, agora, é conhecido como o melhor cimento do mundo - pode durar mais de 150 anos debaixo d'água sem se deteriorar. Este massivo projeto, também, envolve bases subaquáticas que incluem câmeras especiais e plataformas submarinas profundas.

O componente do fundo do mar dessa parede perimetral contém hidrofones especiais e detectores de anomalias magnéticas. Isso ajudará na detecção e rastreamento de submarinos e navios inimigos de forma autônoma. A criação de uma área de restrição e bloqueio de rotas marítimas é considerada, pela China, crítica para sua segurança.

Este projeto foi iniciado em 2016 e agora está completo. Esta parede perimetral, circunda completamente a Linha dos Nove Traços que a China, unilateralmente, proclamou em 1947 como seu território marítimo histórico e que atinge até 90% dos 2 milhões de quilômetros quadrados do Mar do Sul da China.

Tem havido alguns artigos sobre isso, mas nada realmente detalhado. Existem alguns vídeos no YouTube, mas que, todavia, não contam a história real.
Recentemente Isso foi publicado na  Zee News India:

https://www.google.co.id/amp/zeenews.india.com/world/pla-builds-the-great-underwater-wall-in-south-china-sea-for-warfare-advantage-2082947.html/amp

O que não está sendo revelado nas notícias é que a muralha submarina da China fica a 7 km da costa do Vietnã e a 25 km da costa de Brunei. Nenhum governo quer divulgar essa realidade. (Eu tenho essa informação de um homem que esteve no local e viu onde os perímetros realmente estão). 
Há mais nessa história que acabou de vazou ontem à noite. Mais manobras militares dos EUA e da China no Mar da China Meridional estão apenas começando, devido à suposta “guerra comercial” que começou entre os dois países.

https://youtu.be/CadtB16S6Ko

A verdadeira pergunta que surge é: Por que isso não foi revelado e parado há dois anos atrás? Ou a China realmente tem direitos marítimos históricos sobre a maior parte do Mar do Sul da China? Até agora, parece que ela tem.  Autoridades chinesas de inteligência de alto nível explicam que a China está simplesmente recuperando o território que preservou ao longo da história, até que os navios de guerra ocidentais a tomaram no século XIX.

E que a China precisava construir uma linha de defesa, onde o oceano tinha 3.000 metros de profundidade para que seus submarinos pudessem se movimentar sem serem descobertos. "O objetivo é garantir que nenhum país faça os cálculos errados e achar que pode se safar com um ataque nuclear preventivo contra a China", explicou um ex-funcionário do Politburo.

Agora, está claro que o início, em 26 de Março, dos contratos de futuros de petróleo apoiados pelo Yuan lastreado em ouro, negociados em Xangai, foi um movimento que os chineses estavam preparando cuidadosamente por pelo menos uma década. Isso começou em 2008, quando a máfia khazariana ameaçou a China com um corte no petróleo do Oriente Médio e um bloqueio de suas costas, se tentasse usurpar o petrodólar.


O ataque de 11 de Março de 2011 a Fukushima, no Japão, tinha a intenção de intimidar os japoneses e impedi-los de nacionalizar o Banco do Japão, uma pedra fundamental do sistema de petrodólares. Assim, os chineses aprenderam a lição de Fukushima e construíram sua Grande Muralha Submarina da China, para evitar um ataque similar.

Os chineses, também, começaram a estocar petróleo da África, Rússia, América do Sul e outros países em preparação para o grande movimento. A conclusão de um oleoduto de 600.000 barris por dia da Rússia em Janeiro foi uma das últimas peças a serem montadas. 
https://www.bloomberg.com/news/articles/2018-01-01/second-chinese-crude-oil-pipeline-linked-to-russia-s-espo-opens

Este movimento chinês contra o petrodólar não deve ser confundido com um movimento contra os Estados Unidos. Este, é um movimento contra os cerca de 700 mafiosos khazarianos que usaram seu controle do petrodólar como parte de seu plano para escravizar a humanidade.

De fato, patriotas nos Estados Unidos estão lutando ao lado de aliados asiáticos para libertar o povo americano. É por isso que uma “base submarina em Malibu, na Califórnia, foi destruída, causando um terremoto de magnitude 5,3 em 5 de Abril”, disseram fontes do Pentágono.

Na oportunidade, os militares dos EUA estavam eliminando uma base no fundo do mar, que estava envolvida nos ataques que recentemente causaram todos os incêndios misteriosos no norte da Califórnia. Eles não disseram a quem pertencia essa base, mas aparentemente essa e, talvez, outras,
foram financiados pela filial californiana da máfia khazariana.

Também, é por isso que os militares dos EUA garantiram que todos os chefes da máfia khazariana foram removidos do Conselho de Diretores do Federal Reserve. O novo presidente do Federal Reserve Bank, de Nova York, John Williams, já declarou publicamente que a criação de uma nova moeda americana deve usar novos objetivos, tais como o rendimento médio, em vez de entregar o dinheiro para os bancos privados controlados pelos oligarcas khazariano. Concentrar-se numa "renda mediana", basicamente, significa dar dinheiro ao americano médio, em vez de uma elite ocultista.
https://www.zerohedge.com/news/2018-04-03/john-williams-named-next-new-york-fed-chair

Além disso, como parte deste movimento contra os khazarianos e seu trabalho de "criar dinheiro a partir do nada", foi apresentado um projeto de lei ao Congresso dos EUA para solicitar que a moeda dos EUA seja apoiada em ouro. (A propósito, o ouro será fornecido por amigos asiáticos do povo americano, de acordo com fontes da Sociedade Dragão Branco - SDB). Nessa frente, as negociações ultrassecretas estão em andamento, devendo envolver "dezenas de trilhões de dólares”, disponibilizados para ajudar a reconstruir os Estados Unidos, disseram fontes envolvidas nas negociações.
https://www.congress.gov/bill/115th-congress/house-bill/5404/text

Também, existe uma dimensão africana muito subestimada nesta épica batalha contra os senhores khazarianos. Nesta frente, o presidente do Zimbábue, Emmerson Mnangagwa, na semana passada, visitou a China e declarou que seu país adotaria um modelo de desenvolvimento chinês. 
https://usa.chinadaily.com.cn/a/201804/04/WS5ac3bf60a3105cdcf6516148.html

Cinco senadores americanos foram cumprimentá-lo, quando ele voltou da China, "porque o ouro africano e outros recursos naturais irão financiar o novo sistema financeiro apoiado por metais preciosos”, explicam as fontes do Pentágono.
Para ajudar no preparo do novo sistema, uma lavagem sistemática da rede de controle da máfia khazariana continua nos Estados Unidos, disseram as fontes.

Parte disso envolveu um ataque à rede de túneis subterrâneos e esconderijos na ilha pedófila de Jeffrey Epstein, dizem elas. Seguiram-se os voos com fotografias de khazarianos proeminentes, como o ex-presidente dos EUA, Bill Clinton, com uma garota menor de idade (embora isso pareça ter sido excluído da Internet no momento em que este artigo foi publicado). Além disso, "o Departamento de Justiça fechou o site de sexo, tráfico e pedofilia, Backpage.com", observa a fonte.

Em breve, pode até haver guerra na Califórnia. “A ala esquerda da Califórnia está cambaleando contra as ações judiciais do DOJ, bem como uma revolta dos governos locais”, dizem as fontes do Pentágono. "Tropas americanas poderiam ser enviadas para acabar com a insurreição da Califórnia", acrescentam. "A Guarda Nacional foi enviada para fronteira mexicana para deter terroristas, gangues, drogas, armas e tráfico de seres humanos e crianças", observam eles.
A segunda Revolução Americana começou.

Autor: Benjamin Fulford 

Veja mais artigos do Benjamim Fulford Aqui

https://www.sementesdasestrelas.com.br/2018/04/benjamin-fulford-o-mundo-esta-se.html

11.4.18

Jomarion... Vejam abaixo quem produz "armas químicas"

Os Estados Unidos estão desenvolvendo armas biológicas em laboratórios de todo o mundo


Um relatório recente do jornalista búlgaro Dilyana Gaitandzhieva revelou que os Estados Unidos estão produzindo vírus, bactérias e toxinas mortais, violando assim a Convenção das Nações Unidas sobre a Proibição de Armas Biológicas.
https://www.mondialisation.ca/

O jornalista búlgaro Dilyana Gaitandzhieva, conhecido pela sua investigação sobre o fornecimento de armas ocidentais aos terroristas na Síria, publicou outra grande revelação, desta vez para os laboratórios secretos americanos operam sob pretensos "centros médicos" em 25 países. (Jomarion... apadrinhados pelas farmaceuticas da morte)

Os fatos apresentados no relatório confirmam o desenvolvimento de armas biológicas pelos militares dos EUA. Especialistas militares presentes em pessoas com estatuto diplomático, laboratórios estão envolvidos em estudos sobre os vírus mais perigosos. Vale ressaltar que a maior concentração dessas "instituições médicas" está localizado nas fronteiras com China e Rússia.

Apenas o território ucraniano tem 11 laboratórios onde o acesso é estritamente limitado. governo até mesmo o país não tem informações completas sobre as actividades dos laboratórios, enquanto Kiev é obrigado a transferir cópias de seus desenvolvimentos e estirpes de bactérias patogênicas no Pentágono, de acordo com acordos bilaterais.

Não é de surpreender que a mortalidade por doenças virais, como hepatite A, cólera ou gripe suína, é o maior em regiões onde laboratórios biológicos estão localizados. Imagine que em 2016, apenas alguns meses, um vírus desconhecido semelhante ao da gripe já matou mais de 300 pessoas na Ucrânia.

Além de vírus mortais, especialistas americanos desenvolver métodos de sua propagação e entrega. Na primavera de 2017,  habitantes da Chechênia viram um drone dispersar o pó branco na fronteira com a Geórgia. Além disso, os pesquisadores liberação de insetos infectados que então causam doença contagiosa ou morte entre a população local. Por exemplo, vários casos de febre hemorrágica da Crimeia-Congo foram relatados na Geórgia que esta doença era típico para países da África Central.

Laboratórios biológicos são patrocinados pela " Threat  Reduction" Agência de Defesa Threat Reduction Agency (DTRA). Os principais contratantes que fornecem construção e apetrechamento de instalações são empresas privadas dos EUA, como Southern Research Institute, CH2M Hill e Battelle Metabiota.

Infelizmente, o relatório de Dilyana Gaitandzhieva "passou despercebido". Além disso, os participantes da conferência sobre biossegurança  realizada no início de março no Parlamento Europeu ignoraram este assunto tão sensível.

O porta-voz do Departamento de saúde Robert Kadlec foi incapaz de responder as perguntas difíceis da jornalista e parecia extremamente confuso. 

É difícil imaginar que em poucos anos, cenas de filmes de Hollywood sobre matança de pessoas e terríveis epidemias com vírus mortais poderão ser uma realidade.

Leia mais em  https://southfront.org/pentagon-bio-weapons      

Fonte: https://alalumieredunouveaumonde.blogspot.com.br/2018/04/les-etats-unis-developpent-des-armes.html

10.4.18

Crise na Síria

A Mídia da Elite mente... entenda aqui

Estados Unidos encarregaram israelenses de atacar Síria, afirma analista militar

O último ataque de Israel contra a base aérea síria era necessário não apenas para distrair a atenção das vitórias do exército sírio em Ghouta Oriental, mas também para submeter à prova o sistema da defesa antiaérea da Síria, opina Muhammed Mulhem, general de brigada e analista militar sírio.

Segundo ele, este ataque foi coordenado com o comando americano. Para além disso, os estadunidenses não realizaram eles próprios este ataque porque não queriam uma confrontação direta com a Rússia, por isso os EUA delegaram esta tarefa à Força Aérea israelense.

Na noite para segunda-feira,  aviões israelenses atacaram uma base aérea síria  a partir do território libanês, de acordo com Ministério da Defesa russo. De acordo com a mídia síria, o ataque resultou em vítimas e feridos. Três mísseis atingiram o alvo, outros cinco foram abatidos.

"O ataque contra base T-4 foi realizado para elevar o moral dos terroristas, para que estes continuem sua tarefa de destruir a Síria. Hoje em dia eles fazem tudo para adiar a derrota completa dos terroristas e distrair a atenção da derrota dos EUA em Ghouta Oriental. As declarações dos EUA que eles não realizarão ataques contra a Síria tem que ser entendido como eles não quererem uma confrontação direita com a Rússia", destacou.

Para o analista, Israel cumpriu a tarefa de realização deste ato de agressão em vez dos EUA. A Rússia disse que a resposta à agressão por parte dos americanos será dura, por isso Israel virou o executante, frisou Muhammed Mulhem, acrescentando que sem coordenação com os EUA este ataque não seria possível.

É importante referir que o sistema de defesa antiaérea sírio demostrou sua capacidade e prontidão para repelir o ataque, continuou o general de brigada em conversa com a Sputnik Árabe. Para além disso, os aviões de Israel não se arriscariam a atravessar a fronteira da Síria porque seriam abatidos.

"Estamos vendo que o exército sírio continua sua ofensiva contra as posições dos terroristas. Claro que, de uma maneira ou outra, está decorrendo uma luta contra os americanos que apoiam os militantes", disse.

No que diz respeito à retirada das tropas americanas da Síria, Muhammed Mulhem destacou que essa decisão não depende apenas do presidente Trump, existem vários centros de análise e especialistas que examinam as consequências de diferentes decisões.

"Esperamos que nos próximos seis meses os americanos deixem a Síria. Hoje em dia Washington tenta puxar os europeus para o conflito sírio para depois poder atribuir a derrota a eles. Conseguiremos a saída dos ocupantes da Síria através das negociações em Astana e Genebra ou usando a força das armas", resumiu Muhammed Mulhem.

https://br.sputniknews.com/oriente_medio_africa/2018041010952597-israel-ataca-siria-tarefa-eua/

10.4.18

Para Putin, 'situação do mundo está cada vez mais caótica' e pede bom senso

Enquanto seus subordinados elevam a retórica contra as ameaças de Donald Trump e sua Marinha parece preparar um simbólico exercício militar, o presidente russo, Vladimir Putin, disse esperar que a crise em torno da Síria seja resolvida com "bom senso".

"A situação do mundo está cada vez mais caótica. Ainda assim, esperamos que o bom senso prevaleça", disse Putin em uma solenidade com diplomatas no Kremlin, nesta quarta (11). Pouco depois, seu porta-voz, Dmitri Peskov, afirmou que "não participamos de diplomacia de Twitter".

Foi uma referência à ameaça feita pela rede social por Trump, na qual disse para a Rússia "se preparar" porque seus mísseis em direção à Síria seriam "espertos". O presidente americano está analisando qual medida militar tomará contra o governo de Bashar al-Assad, ao qual acusa por um suposto ataque químico num subúrbio com forças rebeldes perto da capital síria, Damasco.

A Rússia, aliada do ditador al-Assad em sua guerra pelo controle do país, diz que enviou observadores e não constatou evidência do uso de armas químicas, como gás de cloro. Militares E acusou diretamente a ONG Capacetes Brancos, famosa por seus vídeos e documentários, de ter encenado o ataque para incriminar Assad e justificar um ataque americano —um roteiro que o próprio Kremlin havia anunciado como provável há quase um mês.

A postagem de Trump pode ser uma escalada feita sobre um erro. Ele disse que os russos ameaçam derrubar mísseis americanos contra a Síria. Moscou, por sua vez, havia dito que retaliaria se algum de seus talvez 5.000 soldados no país árabe fosse atingido. O Kremlin tem duas grandes bases de operações na Síria, um aeroporto em Hmeimin e um porto em Tartus.

O problema é que militares e diplomatas russos, como o embaixador no Líbano, começaram a dar declarações retirando o ponto específico que provocaria a retaliação, dando a entender que qualquer bombardeio americano seria provocativo. Em tempos de comunicação instantânea, isso virou fato.

Mais perigoso que tuítes é a situação real. O governo da porção grega de Chipre informou seus controladores aéreos para desviar a região do Mediterrâneo entre a ilha e o litoral da Síria, pois teria sido informado de que a Marinha russa na área faria exercícios de tiro real. Há cerca de 15 navios de Moscou na área.

A frota americana no mesmo mar, por sua vez, está a sul de Chipre. Mísseis de cruzeiro disparados de destróieres, que voam a velocidades subsônicas,  teoricamente podem passar pela região em que está treinando a Marinha russa.

Igor Gielow

https://www1.folha.uol.com.br/mundo/2018/04/para-putin-situacao-do-mundo-esta-cada-vez-mais-caotica-e-pede-bom-senso.shtml

12.4.2018

Leonardo Boff sobre a Crise no Brasil

Estamos em plena ditadura civil rumo à militar?

... Um governo que governa sem o povo e contra o povo... o país... um voo cego como um avião sem piloto...  estamos em plena ditadura civil...  350 deputados, 60 senadores, 11 ministros do Supremo, algumas entidades empresariais e as famílias donas da mídia tradicional... as instituições funcionam...contra o povo e ... em favor de uma reduzidíssima classe de privilegiados... conectados com as transnacionais... que dominam o mundo... nós, o povo, fomos postos de fora... na Câmara e no Senado, poucos vão perder seus cargos ou ir para a cadeia...

O pior de uma ditadura civil ou militar é sempre para o povo. As novas gerações não conhecem a  crueldade de uma ditadura total.

É de gelar a alma o silêncio da sociedade diante da atual conjuntura

O que vivemos atualmente no Brasil não pode sequer ser chamado de democracia de baixíssma intensidade. Se tomarmos como referência mínima de uma democracia sua relação para com o povo, o portador originário do poder, então ela se nega a si mesma e se mostra como farsa.

Para as decisões que afetam profundamente o povo, não se discutiu com a sociedade civil, sequer se ouviram movimentos sociais e os corpos de saber especializado: o salário mínimo, a legislação trabalhista, a previdência social, as novas regras para a saúde e a educação, as privatizações de bens públicos fundamentais como é, por exemplo, a Eletrobrás e campos importantes de petróleo do pré-sal, bem como as leis de definem a demarcação das terras indígenas e, o que é um verdadeiro atentado à soberania nacional, a permissão de venda de terras amazônicas a estrangeiros e a entrega de vasta região da Amazônia para a exploração de variados minérios a empresas estrangeiras.

Tudo está sendo feito ou por PECs, decreto ou por medidas provisórias propostas por um presidente, acusado de chefiar uma organização criminosa e com baixíssimo apoio popular ao que alcança apenas 3%, propostas estas enviadas, a um parlamento com 40% de membros acusados ou suspeitos de corrupção.

Que significa tal situação senão a vigência de um Estado de exceção, mais, de uma verdadeira ditadura civil? Um governo que governa sem o povo e contra o povo, abandonou o estatuto da democracia e claramente instaurou uma ditadura civil. Assim pensa um de nossos maiores analistas politico Moniz Sodré, entre outros. É exatamente isso que estamos vivendo neste momento no Brasil.

Na perspectiva de quem vê a realidade política a partir de baixo, das vítimas deste tipo novo de violência, o país assemelha-se a um voo cego como um avião sem piloto. Para onde vamos? Nós não sabemos. Mas os golpistas o sabem: criar as condições políticas para o repasse de grande parte da riqueza nacional para um pequeno grupo de rapina que segundo o IPEA não passa de 0,05 de populacão brasileira, (um pouco mais de 70 mil milhardários) que constituem as elites endinheiradas, insaciáveis e representantes da Casa Grande, associadas a outros grupos de poder anti-povo, especialmente de uma mídia empresarial que sempre apoiou os golpes e teme a democracia.

Transcrevo um artigo de um atento observador da realidade brasileira, vivendo no semi-árido e participando da paixão das vítimas de uma das maiores estiagens de nossa história: Roberto Malvezzi. Seu artigo é uma denúncia e um alarme: Da ditadura civil para a militar.

Antes do golpe de 2016 sobre a maioria do povo brasileiro trabalhador ou excluído, já comentávamos em Brasília, num grupo de assessores, sobre a possibilidade de uma nova ditadura no Brasil. E nos ficava claro que ela poderia ser simplesmente uma “ditadura civil”, sem necessariamente ser militar. Entretanto, como em 1964, ela poderia evoluir para uma ditadura militar. Naquele momento pouquíssimos acreditavam que o governo poderia ser derrubado”.

Para mim não há dúvida alguma que estamos em plena ditadura civil. É um grupo de 350 deputados, 60 senadores, 11 ministros do Supremo, algumas entidades empresariais e as famílias donas da mídia tradicional que impuseram uma ditadura sobre o povo.

As instituições funcionam, como dizem eles, mas contra o povo e apenas em favor de uma reduzidíssima classe de privilegiados brasileiros. Claro, sempre conectados com as transnacionais e poderes econômicos que dominam o mundo.

Portanto, nós, o povo, fomos postos de fora. Tudo é decidido por um grupo de pessoas que, se contadas nos dedos, não devem atingir mil no comando, com um grupo um pouco maior participando indiretamente.

Acontece que o golpe não fecha, não se conclui, porque a corrupção, velha fórmula para aplicar golpes nesse país, hoje é visível graças a uma mídia alternativa presente e cada vez mais poderosa. E a corrupção está em todos os níveis da sociedade brasileira, sobretudo nos hipócritas que levantaram essa bandeira para impor seus interesses.

Mas, a corrupção é apenas o pretexto. Segundo a visão de Leonardo Boff, o objetivo do golpe é reduzir o Brasil que funcione apenas para 120 milhões de brasileiros. Os 100 milhões restantes vão ter que buscar sobreviver de bicos, esmolas e participação em gangs, quadrilhas e tráfico de armas e drogas.

Então, começam aparecer sinais do verdadeiro pensamento de quem está no comando, uma reunião da Maçonaria, um general falando a verdade do que vai nos bastidores, a velha mídia com a opinião de “especialistas, nas mídias sociais os saudosos da antiga ditadura dizendo que “quem não é corrupto não precisa ter medo dos militares”.

Enfim, estão plantando a possibilidade da ditadura militar. Para o pequeno grupo que deu o golpe ela é excelente, a melhor das saídas. Nunca foram democráticos. Não gostam do povo. Inclusive nessa Câmara e nesse Senado, poucos vão perder seus cargos ou ir para a cadeia.

O pior de uma ditadura civil ou militar é sempre para o povo. As novas gerações não conhecem a crueldade de uma ditadura total.  É de gelar a alma o silêncio da sociedade diante das “declarações do referido general”. Que Deus e o povo organizado nos salvem.

*Leonardo Boff é teólogo, filósofo, professor, ecologista e escritor

Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook

https://www.pragmatismopolitico.com.br/2017/09/boff-ditadura-civil-rumo-militar.html

A Destruição do Estado de Direito e do Poder Judiciário

Entenda aqui o que está acontecendo no Brasil. Leitura importante.

Blog "Opera Mundi"

A luta contra a corrupção não pode ser feita contrariando a legislação, e muito menos a Constituição Federal, nem com objetivos políticos. Analisemos:

1. As práticas de corrupção e o comportamento ilegal têm caracterizado a ação das classes hegemônicas não somente no Brasil como em outras sociedades, desde as mais desenvolvidas, como os Estados Unidos, às mais pobres, como diversas nações africanas.

2Os principais integrantes dessas classes hegemônicas são grandes proprietários rurais; donos de grandes bancos e instituições financeiras; proprietários de grandes empresas industriais e de serviços; donos de grandes meios de comunicação; os principais rentistas; executivos de grandes empresas nacionais e estrangeiras; seus representantes no Poder Legislativo, no Poder Executivo e no Poder Judiciário.   

3.  No caso do Brasil, como no de outros países, desenvolvidos ou não, exemplos desse comportamento são:

  • práticas de “engenharia financeira” para evitar ou reduzir o pagamento de impostos; com pressão sobre os Governos para reduzir legalmente os impostos que incidem sobre os mais ricos;evasão de impostos;
  • recursos enviados e depositados em“paraísos fiscais”, em geral decorrentes de atividades ilícitas;
  • fraudes praticadas por empresas para obter contratos públicos e em sua execução;
  • conivência dos grandes bancos com a movimentação de recursos provenientes de atividades ilícitas, inclusive do narcotráfico;
  • financiamento de campanhas políticas para eleger indivíduos que vêm a constituir bancadas (lobyes) no Congresso para a defesa de legislação de interesse econômico e político das classes hegemônicas.

4. A sociedade brasileira, composta em sua esmagadora maioria por trabalhadores urbanos (empregados, desempregados e subempregados); trabalhadores rurais sem terra e pequenos proprietários rurais; indivíduos “excluídos”, que recebem o Bolsa Família, cujo valor pode variar de 85 a 195 reais por mês; indivíduos sem teto nas cidades; e, finalmente, a classe média de baixa renda, é extraordinariamente honesta e trabalhadora.

5. O Brasil não é uma sociedade corrupta pois os brasileiros, em sua enorme maioria, não são corruptos e, ao contrário,são vítimas da corrupção e das práticas ilegais das classes hegemônicas.

Os vazamentos ilegais permitidos pelo juiz Sérgio Fernando Moro, e tolerados pelos Tribunais Superiores, insuflam a “opinião pública”

6. A luta contra as ações ilegais praticadas contra o Estado e a sociedade e contra a corrupção é de grande importância, pois em sociedades com extremas desigualdades sociais, a começar pelas de renda e riqueza, somente o Estado pode executar políticas redistributivas, pois as empresas, ONGS e indivíduos não têm a capacidade legal e financeira para atender ao número enorme dos atingidos pelos efeitos das desigualdades.

7. Todavia, a luta contra a corrupção não pode ser feita contrariando a legislação, e muito menos a Constituição Federal, nem com objetivos políticos.

8. A “politização” da ação e a publicidade de opiniões na imprensa de membros do Poder Judiciário em todos os seus níveis, desde as Varas de Primeira Instância ao Supremo Tribunal Federal (STF), de procuradores individuais até a Procuradora Geral da República (PGR) e de agentes da Polícia Federal têm levado a práticas e decisões que agridem os princípios fundamentais do Direito e violam os direitos dos cidadãos.

9. A pretexto do “excesso” de recursos legais, que pode levar à prescrição de ações, e de atender ao anseio público por “moralidade” e “punição”, juízes de primeira instância, cujo principal expoente é o Juiz Sérgio Fernando Moro, da 13º Vara Criminal Federal em Curitiba, com o auxílio de alguns Procuradores do Ministério Público Federal (MPF) e de agentes da Polícia Federal, cometem uma gama de ilícitos para conseguir extrair delações que acusem determinados indivíduos em troca da liberdade e da redução de penas excessivas impostas por aqueles juízes.

10. Essas delações são vazadas seletivamente para a imprensa ainda que sequer as investigações tenham sido iniciadas e menos ainda concluídas, ou que haja qualquer sentença definitiva condenatória.

11. As delações que são “extraídas” através de prisões injustificadas e de longa duração e da imposição em Primeira Instância de penas extraordinariamente longas são delações de indivíduos que, para obter redução de pena, confessam, sob pressão, serem criminosos e que denunciam, muitas vezes sem provas, supostos cúmplices, em especial políticos.

12. Enquanto isto, os vazamentos ilegais permitidos pelo juiz Sérgio Fernando Moro, e tolerados pelos Tribunais Superiores, insuflam a “opinião pública” contra os indivíduos mencionados em trechos, selecionados, de delações tornados públicos, com estardalhaço, pela imprensa a qual passa a exigir a sua condenação pelo Judiciário.

13. A Operação Lava Jato, com o consentimento informal das altas instâncias do Poder Judiciário, tem cometido as seguintes infrações legais:

  • ação judicial a partir do argumento de que os “fins justificam os meios”;
  • desmoralização e humilhação pública, por agentes policiais, de suspeitos e acusados (condução coercitiva, uso de algemas, ostentação de força);
  • tortura psicológica, com aspectos físicos, (longas prisões, sem culpa formada) com o objetivo de extrair confissões e delações;
  • desvirtuamento do uso da prisão provisória;
  • intimidação, através da imposição de penas absurdas, daqueles que são acusados por delatores;
  • vazamento seletivo de trechos de delações, de documentos e de informações sigilosas;
  • convicção de culpa” arguida pelos juízes como fundamento para condenar acusados;
  • desobediência ao princípio constitucional de presunção de inocência, que é o princípio básico do Estado de Direito, e que deve ser obedecido do início das investigações até o trânsito em julgado de sentença penal;
  • transferência para o acusado do ônus da prova;
  • aplicação absurda da teoria do “domínio do fato”;
  • desrespeito ao amplo direito de defesa;
  • desrespeito à garantia de imparcialidade da jurisdição;
  • sonegação de documentos à defesa de acusados;
  • violação da privacidade da família dos acusados;
  • extensão à família do acusado das consequências sociais da divulgação de suspeitas e acusações;
  • execração pública de delatados, indiciados e réus e a incitação da opinião pública contra esses indivíduos;
  • desobediência ao princípio da inviolabilidade da honra e da imagem das pessoas (Art. 5°, inciso X, da Constituição Federal).

14. A pretexto do combate à corrupção, à imoralidade, à morosidade dos processos na Justiça e à impunidade, essas práticas têm contribuído para a destruição dos fundamentos do sistema judiciário e de garantias individuais.

15. A Constituição Federal determina os casos de perda ou suspensão de direitos políticos:

    Art.15. É vedada a cassação de direitos políticos cuja perda ou suspensão só se dará nos casos:

       III. condenação criminal transitada em julgado, enquanto durarem seus efeitos;

       V. improbidade administrativa, nos termos do art. 37, parágrafo 4.

       Art. 37. Parágrafo 4:
       Os atos de improbidade administrativa importarão a suspensão dos direitos políticos (...).

16. A perda dos direitos políticos e de direitos civis, como a liberdade, somente pode ocorrer ao indivíduo que seja considerado culpado após o trânsito em julgado de sentença penal condenatória.

17. Todavia, a lei 135, chamada de Ficha Limpa, enumera uma série de situações em que a condenação em segunda instância, por um tribunal colegiado, pode acarretar a perda dos direitos políticos por 8 anos. A expressão “tribunal colegiado”, na realidade, pode significar uma turma de apenas 3 ou 4 juízes de um Tribunal Regional.

18. A Lei Complementar 135, de 2010, é, portanto, de inconstitucionalidade flagrante, pois viola uma cláusula pétrea da Constituição Federal, que é clara ao determinar “ninguém será considerado culpado até o trânsito em julgado de sentença penal condenatória”. (Art. 5°, inciso LVII) e, portanto, por não ser declarado culpado não deve cumprir pena.

19. Por outro lado, duas decisões do STF, uma de fevereiro de 2016, por 7 a 4, e outra de outubro de 2016, por 6 a 5, consideraram constitucional o cumprimento de pena após a condenação em segunda instância. O STF, em realidade, “emendou” um dispositivo constitucional o que não pode fazer por ser competência exclusiva do Congresso Nacional emendar a Constituição.

20. A Operação Lava Jato tem contribuído para beneficiar os interesses de empresas e Estados estrangeiros no Brasil:

  • apresentar o Estado como a principal “causa” da corrupção na sociedade brasileira;
  • apresentar o Estado brasileiro como ineficiente e culpado pelas dificuldades econômicas do país;
  • “justificar” a necessidade de reduzir ao mínimo a competência e capacidade de ação do Estado;
  • enfraquecer a capacidade de regulamentação do Estado brasileiro;
  • justificar o programa de privatização (e de desnacionalização indiscriminada) implementado a toque de caixa pelo Governo Temer;
  • enfraquecer as grandes empresas brasileiras, de capital nacional e estatais, no mercado brasileiro e no mercado internacional face a megaempresas de terceiros países e
  • enfraquecer o Estado brasileiro em sua missão e capacidade de promover o desenvolvimento, de fortalecer a democracia, de defender a soberania e em sua ação internacional, inclusive no âmbito dos BRICS.

21O objetivo da Operação Lava Jato não é acabar com a corrupção nem na sociedade nem no sistema político e administrativo brasileiro. Se este fosse seu objetivo os juízes, procuradores e policiais seriam discretos e cautelosos em seus procedimentos para evitar a eventual anulação de processos e de sentenças e os Ministros de instâncias superiores coibiriam as atividades ilegais da Lava Jato.

22. Em realidade, os verdadeiros objetivos políticos, em âmbito nacional, da Operação Lava Jato, em grande medida alcançados,são os seguintes:

  • difamar os políticos em geral, em especial os políticos progressistas, e a atividade política;
  • desmotivar as forças progressistas em geral;
  • desmoralizar os trabalhadores como classe social;
  • desmoralizar o PT  como corrupto e apresentá-lo como igual aos demais Partidos;
  • identificar o Presidente Lula como chefe de um esquema de corrupção no Brasil e por ela principal culpado;
  • difamar e desmoralizar o Presidente Lula e impedir sua re-eleição.

23. A solução para a “morosidade” dos processos na Justiça, todavia, poderia e deveria ser atingida por medidas simples:

  • absoluta imparcialidade e transparência pública no sorteio dos processos entre Ministros dos Tribunais Superiores;
  • cumprimento do prazo limite para devolução dos pedidos de vista de processos feitos pelos Ministros;
  • julgamento dos processos pela ordem cronológica de sua entrada nos Tribunais Superiores;
  • revisão do número de recursos possíveis;
  • prazo limite para julgamento final após a data de ingresso do processo no Tribunal Superior.

24. Por outro lado, o combate eficiente à corrupção implicaria uma reforma política que limitasse a influência do poder econômico nas eleições e na política e de nenhuma forma pode ser feito com desrespeito às leis e à Constituição por alguns juízes que se atribuíram uma “missão salvadora”.

25. Em realidade, no Brasil se assiste hoje à destruição do Estado de Direito, do Poder Judiciário e da Constituição de 1988 a partir do momento em que, como em 1963, as classes hegemônicas sentiram escapar, ainda que parcialmente, a partir de 2003, o seu controle sobre o sistema político e estarem em risco seus privilégios e seu permanente e histórico comportamento corrupto e ilegal.

26. Todavia, e finalmente, a luta histórica do povo brasileiro pela democracia, pelo desenvolvimento, pela justiça social e pela soberania prosseguirá, como sempre árdua, e jamais cessará até sua vitória final.

**Samuel Pinheiro Guimarães é diplomata, foi ministro-chefe da Secretaria de Assuntos Estratégicos durante o governo Lula e, atualmente, é professor do Instituto Rio Branco.

https://operamundi.uol.com.br/conteudo/geral/49159/a+destruicao+do+estado+de+direito+e+do+poder+judiciario.shtml

6.4.18

Repercussão internacional caso Lula

'Golpe judicial no Brasil', diz jornal argentino “Página 12”

Decisão do STF de negar habeas corpus a Lula foi principal destaque dos maiores veículos de comunicação da América Latina e do mundo

(Blog Opera Mundi)

A decisão do STF (Supremo Tribunal Federal), de negar na madrugada desta quinta-feira (04/04) o habeas corpus preventivo ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva foi o principal destaque dos maiores veículos da América Latina e do mundo.

Para o jornal argentino Pagina/12, a decisão desta quarta foi um “golpe judicial”. “A juíza [Rosa] Weber, cujo voto era uma incógnita, se pronunciou contra o ex-presidente em uma sessão por momento tensa dentro e fora de um recinto que não foi alheio à pressão, evidentemente exitosa, exercida pelo Exército, afirma o texto, citando as declarações do comandante-geral do Exército, Eduardo Villas Bôas.

“Se o ataque armado contra a caravana de Lula, na semana passada, no Paraná, havia indicado um ponto de inflexão no uso da violência política próximo às eleições de outubro, a investida dos militares marcou uma nova etapa do golpe que derrocou Dilma Rousseff há dois anos. O golpe mutante, que nasceu como um artefato midiático-judicial, agora conta com a sustentação do partido militar. Já se pode falar de uma constelação de forças cívico-militares”, afirma o jornal.

O jornal mexicano La Jornada fala que “se fechou o cerco” no Brasil para prender Lula. “Instalado na presidência um grupo encabeçado por Michel Temer, faltava o passo final: liquidar Lula e impedi-lo de retornar à presidência. Condenado por um juízo em que não houve uma só prova, um processo marcado por abusos, arbitrariedades e irregularidades – tudo isso frente ao silêncio cúmplice das instâncias máximas da Justiça brasileira – faltava esse passo.”

“Sem Lula, a possiblidade de que um “troglodita de extrema-direita” (o capitão da reserva e deputado Jair Bolsonaro) saia vencedor nas urnas, é concreta, como é concreta a possibilidade de que entre votos branco, nulos e abstenções se conte um número superior ao alcançado pelos candidatos.”

Já a emissora multiestatal teleSUR lembrou que o ex-presidente denunciou que sofria perseguição judicial do juiz de primeira instância Sergio Moro, com fim de evitar sua candidatura presidencial.

“Enquanto o STF votava o habeas corpus, movimentos sociais e sindicatos se mobilizaram por todo o Brasil em defesa do ex-presidente e de seu direito a ser candidato nas eleições presidenciais de outubro, nas quais figura como favorito, segundo as pesquisas”, afirma a emissora com sede em Caracas.

Para o jornal britânico The Guardian, a decisão desta quarta provavelmente põe fim à carreira política do ex-presidente.

“Sob a lei brasileira, um candidato é proibido de concorrer a um cargo eleitoral por oito anos após ser considerado culpado de um crime. Algumas exceções foram feitas no passado, e a decisão final no caso de Lula seria feita pelo tribunal máximo eleitoral [o TSE], se ele oficialmente entrar com o registro para ser candidato nas eleições de outubro”, afirma o jornal.

Segundo diário espanhol, "um terço do eleitorado, segundo pesquisas, viverá a prisão de Lula como um trauma inimaginável".

Em outra reportagem, o periódico com sede em Londres afira que “muitos brasileiros lembram da era de Luiz Inácio Lula da Silva com carinho nostálgico e, por razões fortes e práticas, alguns argumentam que as mudanças que ele realizou no Brasil não foram suficientes para promover crescimento continuado”.

Para a emissora BBC, as batalhas legais de Lula “dividiram os brasileiros e esta decisão [do STF] não foi diferente”. “Seus críticos lançaram fogos de artifício em comemoração. Os apoiadores de Lula voltaram irritados para casa com o que chamam de afronta à democracia e um golpe.”

Já o francês Le Monde lembra que voltagem política subiu quando o general Villas Bôas decidiu se manifestar e falar sobre “impunidade”. “Nunca uma decisão dividiu tanto o Brasil, colocando em campos opostos aqueles que continuam a venerar o ex-chefe de Estado como um semideus e os que o consideram o pior vilão da humanidade”, disse.

Por sua vez, o jornal norte-americano The New York Times disse que a decisão “explosiva” do STF vira de ponta-cabeça “a política nacional e aparentemente anula sua tentativa de voltar ao poder”.

“Na [madrugada de] quinta, a corte deu sua resposta: decidiu manter o status quo, que afirma que condenados podem ser presos após uma decisão de segunda instância. Com a decisão na mão, a expectativa é que Moro emita um pedido de prisão para o ex-presidente em alguns dias”, conta o jornal.

O periódico argentino El Clarín cita o atual cenário político brasileiro e lembra o país "está a 7 meses de uma eleição que naufraga na incerteza". O jornal também relata no que se basearam os votos de cada ministro e aponta para as delarações do general Villas Bôas que insinuou nesta quarta-feira (04/04) a "possibilidade de um eventual golpe militar", escreve o jornal.

O jornal espanhol El Pais afirmou que apesar de o Brasil passar por um momento imprevisível, agora tudo indica que o ex-presidente Lula se tornará um presidiário nos próximos dias. “É possível que a passagem de Lula pela prisão seja efêmera”, já que “a defesa ainda tem algumas balas para gastar”, avalia o diário.

Segundo o jornal, a ferida aberta nos últimos anos no Brasil será ampliada. “Um terço do eleitorado, segundo pesquisas, viverá a prisão de Lula como um trauma inimaginável, uma espécie de vingança da elite contra o metalúrgico sem estudos, que ascendeu da mais baixa classe social, num país onde a discriminação é atroz, para governar com sucesso durante oito anos”.

Já o jornal português O Público diz que, mesmo preso, Lula poderá fazer sua campanha e ser candidato na eleição presidencial que ocorre este ano. Lembra ainda que a partir de agosto, o Tribunal Superior Eleitora (TSE) passará a ser presidido por Rosa Weber, que poderá inviabilizar sua candidatura com base na Lei da Ficha Limpa.  

https://operamundi.uol.com.br/conteudo/geral/49144/golpe+judicial+no+brasil+diz+jornal+argentino+pagina12+veja+repercussao+internacional.shtml

5.4.18

Como provar que Lula é inocente para quem não quer acreditar

Por que Lula foi condenado?

Porque atribuíram a ele um tríplex que nunca o pertenceu. O juiz Sérgio Moro e o TRF-4 consideraram que o apartamento seria pagamento por corrupção e uma forma de lavar dinheiro.

Os juízes estão errados?

Sim. Estão errados.

A condenação é injusta?

Sim. Lula é 100% inocente. Ele não cometeu nenhum crime.

Mas vi por aí que tem recibo, vídeo de visita ao prédio e tudo o mais…

Não há nenhuma prova. Vamos discutir cada uma dessas alegações.

Tá bom, vou começar. Qual a relação do Lula com o apartamento no Guarujá?

Em 2005, dona Marisa comprou uma cota para adquirir um apartamento no edifício Solaris, o ap. 141. E ela pagou as prestações normais até 2009, quando a construtora original, a Bancoop, faliu.

E aí?

Aí a OAS assumiu a construção.

OAS, aquela enrolada na Lava-Jato por causa da roubalheira na Petrobrás?

Não. A OAS da Petrobrás é a Construtora OAS. A do prédio é a OAS Empreendimentos. São caixas separados de um mesmo grupo.

Hum. E o que aconteceu?

A OAS propôs para ele e para a Marisa um apartamento maior, o número 164-A. O tal tríplex.

Taí: corrupção!

De jeito nenhum. Ficou combinado entre Lula e Leo Pinheiro – então presidente da empresa – que a OAS poderia fazer a reforma sem compromisso. Se Lula e Marisa gostassem, comprariam pelo preço de mercado.

Ahá! Então o Lula visitou mesmo o prédio?

Visitou, sim. Com o Leo Pinheiro. Ele nunca negou isso. Tem vídeo e tudo.

Mas como o presidente da construtora se presta ao papel de corretor?

O cliente potencial era um ex-presidente da República. É praxe no mercado colocar o executivo mais graúdo no trato com autoridades e ex-autoridades.

E a Marisa foi mais de uma vez?

Sim. Ela foi duas vezes.

Por quê?

Porque ela não havia gostado do apartamento. O Leo Pinheiro perguntou como ela acharia que ficaria melhor. Ela deu palpites, sempre sem compromisso.

Mas a OAS não estava fazendo isso a troco de nada.

Claro que não. A construtora queria influenciar o presidente, manter boas relações. Novamente, esse tipo de assédio é comum no mundo dos negócios.

Assédio, não! É corrupção!

Não. Primeiro porque não havia obrigação de compra, mas se o casal Lula quisesse comprar, pagaria o preço de mercado. Segundo – e principal: quem se corrompe tem de dar algo em troca.

Aposto que o Lula deu.

Não deu, não. Quem diz isso não sou eu, é o próprio Sérgio Moro. Ele reconhece que um eventual dinheiro da OAS não foi usado no tríplex.

Como assim? O Moro reconhece que não houve corrupção?

Está lá na sentença dele: “Este Juízo jamais afirmou, na sentença ou em lugar algum, que os valores obtidos pela construtora OAS nos contratos com a Petrobras foram utilizados para pagamento da vantagem indevida para o ex-presidente”.

Peraí, não pode ser! Tem várias provas de que ele o Lula recebeu o tríplex por corrupção.

Vamos examinar essas “provas”. Mas podemos concordar numa coisa pelo menos? O Lula nunca foi o dono de fato do imóvel.

Certo, mas geralmente os corruptos usam laranjas.

Mas no caso a dona era a própria OAS. E o imóvel foi usado como garantia da construtora numa outra operação. Você não faz isso com um imóvel que não é seu ou que está reservado para outra pessoa.

Qual o número do tríplex?

Ap. 164-A.

E do apartamento em que eles tinham cotas?

Ap. 141.

Agora eu te peguei! Tem uma prova que é o recibo rasurado de um pagamento da Marisa para a construtora que faliu, a Bancoop.

O recibo não está assinado.

Não importa! Estava escrito “164-A” e alguém escreveu por cima “141”. Como você explica isso?

O funcionário da Bancoop preencheu errado, o que invalidou o recibo.

Mentira!

É verdade. De novo, não sou eu quem está dizendo. É a Polícia Federal. A perícia da PF comprova que a rasura foi feita quando as três vias estavam no mesmo documento.

Mas se o recibo estava incorreto, o funcionário precisa ter feito outro! A Marisa tinha esse recibo?

Sim.

Sério?

Sério. Está nos autos do processo para quem quiser consultar.

Só que tem uma outra prova: a declaração no imposto de renda do Lula das cotas do ap. 141. Isso é lavagem de dinheiro!

Lavagem como?

Ué, se ofereceram o tríplex, que era o ap. 164-A, não podiam ter declarado o ap. 141!

Ele nunca teve o ap. 164-A. Como poderia declarar o que nunca teve? Não custa lembrar: o tríplex foi uma oferta do Leo Pinheiro sem garantia de compra. Lula e Marisa decidiram não comprar.

Mas se o ap. 141 era da Marisa e do Lula, porque a OAS o vendeu em 2014? Te deixei sem saída, hein!

Porque quando a Bancoop faliu, a Marisa perdeu o prazo para confirmar a possa e pagar o resto para a OAS. O apartamento ficou disponível e a grana dela e do Lula ficou com a construtora. Em 2016, como te falei, eles pediram o dinheiro de volta.

Cara, não é possível que o Lula seja inocente… Tem o depoimento do Leo Pinheiro!

É uma delação premiada. Muitos juristas concordam que é muito, muito complicado considerar uma delação premiada como prova. O delator tem interesse direto em contar algo que o ajude a se safar. Mesmo que seja uma invenção. Ainda mais no caso do Leo Pinheiro, que mudou de opinião enquanto estava preso.

Como assim?

Mesmo quando foi preso pela primeira vez, em novembro de 2014, ele reconheceu que não havia qualquer envolvimento do ex-presidente. Cinco meses depois ele foi solto por decisão do STF e no ano seguinte sua delação foi recusada. Ele foi preso novamente e, sem Lula na delação, a pena de Leo Pinheiro foi aumentada em 10 anos. Foi só depois de sete meses na prisão, condenado a cumprir mais 26 anos que Leo Pinheiro se dobrou e resolveu incriminar Lula para obter uma redução de pena.

E obteve?

Sim. E muito: inacreditáveis 23 anos de redução e foi imediatamente colocado em regime aberto. Um grande negócio, hein! Com Moro, diminuiu de 16 anos (de 26 anos e 7 meses para 10 anos e 8 meses). No TRF-4, a segunda instância do processo, caiu mais 7 anos: para apenas 3 anos e seis meses, o que o levou automaticamente para o regime semi-aberto.

Disso eu não sabia… Mas como terminou a história do apartamento?

A reforma ficou pronta e o Leo Pinheiro avisou o casal Lula e Marisa. Eles não gostaram e não ficaram com o apartamento. Em 2016, eles pediram o dinheiro de volta para a OAS.

E quem é o dono do apartamento hoje?

A OAS sempre foi a dona, mas empenhou o apartamento como garantia de dívidas. Os credores cobraram e Moro decidiu leiloar. Ainda assim, destacou na decisão:

“O imóvel será vendido em leilão público e o produto da venda será depositado em conta judicial, com os valores sendo destinados, após o trânsito em julgado, à vitima no caso de confirmação do confisco ou devolvidos à OAS Empreendimentos ou ao ex-Presidente no caso de não ser confirmado o confisco.” 

Ou seja, pra você ver a bizarrice, o dinheiro do leilão ou vai para o Lula ou para o Leo Pinheiro. Seria cômico se não fosse trágico. É absurdamente injusto.

Só isso?

Só.

Por Maria Júlia Morenno  -  Jornalistas Livres  - 4.4.18

Mídia democrática, plural, em rede, pela diversidade e defesa implacável dos direitos humanos.

Link: https://jornalistaslivres.org/2018/03/como-provar-que-lula-e-inocente-para-quem-nao-quer-acreditar/

Pública ou privada, a elite brasileira sempre escapa dos impostos

Trechos de artigo de Carta Capital ... ler na íntegra em:

https://justificando.cartacapital.com.br/2018/03/27/publica-ou-privada-a-elite-brasileira-sempre-escapa-dos-impostos/

... gostaria de focar em apenas dois pontos que estão relacionados à renda dos mais ricos no país. Por isso, não me alongarei, pelo menos neste artigo, na questão da redução dos impostos sobre o consumo, uma medida igualmente urgente que abordarei em outro artigo futuro.

E quando falamos em renda dos mais ricos, a elite pública e a privada se juntam num abraço apertado de generosas isenções fiscais. Cada uma com a sua própria artimanha, porém.

Primeiramente, importante ressaltar que a elite do funcionalismo público representa apenas uma minoria de todo o setor público do país. Estamos, aqui, falando de pessoas como juízes e promotores, não de professores, escreventes, técnicos, entre outros. Não sou desonesto como o Banco Mundial , para colocar todas essas pessoas no mesmo balaio.

Essa elite, formada por juízes, promotores ou ministros e conselheiros de Tribunais de Contas, recebeu, em média, R$ 630 mil por pessoa em 2016. De todo esse rendimento, cerca de 30%, ou R$ 180 mil anuais, foram livrados de qualquer imposto. Uma média de isenção fiscal que chega a ser três vezes maior que a média do funcionalismo público do país.

E apesar de representarem menos de 1% desse funcionalismo, os R$ 6,4 bilhões que essa elite pública recebe de renda isenta de imposto representa mais de 10% do total entre todos os funcionários públicos do Brasil.

Considerando-se a alíquota de 27,5% de Imposto de Renda que poderia incidir sobre esses valores, pode-se considerar que o país deixa de arrecadar cerca de R$ 1,76 bilhões por ano com essa “generosidade” a uma casta de pouco mais de 30 mil pessoas. Isso só levando em conta uma parte da elite pública, composta por juízes, promotores e Tribunais de Contas.

Isso acontece por causa dos tais “penduricalhos” recebidos por essas elites, que são isentos da cobrança de impostos. Vantagens como o polêmico auxílio-moradia, motivo de uma recente paralisação vergonhosa de juízes federais no país. Vantagens que, aliás, no caso dos juízes, são garantidas pela LOMAN (Lei Orgânica da Magistratura), redigida, vejam vocês, pelo próprio STF.

E se, em algum momento, esses penduricalhos surgiram por algum motivo “nobre” de realmente auxiliar ou de incentivar funcionários públicos, certo é que, para essas elites, eles há muito já perderam o significado.

Isso porque os penduricalhos são isentos por não serem considerados salários. Por isso mesmo, não entram na conta dos tetos-salariais impostos a funcionários públicos.

Porém, nas palavras do juiz Sérgio Moro, que recebe auxílio-moradia mesmo morando em imóvel próprio, “o auxílio-moradia é pago indistintamente a todos os magistrados e, embora discutível, compensa a falta de reajuste dos vencimentos desde 1º de janeiro de 2015 e que, pela lei, deveriam ser anualmente reajustados”.

Ontem, em entrevista ao Roda Viva, o juiz federal Sérgio Moro mais uma vez tentou se esquivar da polêmica, evitando responder se os penduricalhos deveriam ser, pelo menos, tributados. Acabou reafirmando sua justificativa de que os juízes “sofrem” da falta de reajuste salarial, mas ignorou que o salário inicial de juízes federais no último concurso para o TRF-4 era superior a R$ 27.500,00.

Em outras palavras, o recebimento de penduricalhos acabou virando uma maneira dessa elite do funcionalismo público de aumentar a própria renda e, de quebra, driblar o teto-salarial e a cobrança de impostos. Funciona como salário para eles, mas não para a lei.  Não à toa, os rendimentos totais médios de um juiz no Brasil chegaram a R$ 47.703,00 mensais, bem acima do teto de R$ 33,7 mil.

Porém, não podemos ser injustos. Nem só juízes e promotores conseguem tal feito. No Executivo, diplomatas conseguem algo ainda maior, com uma média de mais de 53% de suas rendas isentas de tributação. Para quem recebe, em média, mais de R$ 440 mil por ano, a isenção beneficia quase R$ 235 mil da renda anual. Tudo muito distante do restante do funcionalismo público, para quem as isenções raramente ultrapassam os 15% de sua renda.

Mas se os quase R$ 2 bilhões perdidos em isenções para juízes e promotores assusta, a pequena elite privada consegue “benesses” ainda maiores. Porém, como dito, a artimanha é outra, apesar de ser mais uma forma de isenção de renda.

Segundo o IPEA, em 2013, dos 71 mil brasileiros mais ricos, 51 mil receberam dividendos. Isso de certa forma, quebra a narrativa de que a elite do Brasil se pendura no funcionalismo público assalariado.

Como Piketty bem mostra em toda a sua obra, o capitalismo liberal tornou praticamente impossível de competir em renda com aqueles que conseguem render sobre o próprio capital. Falamos aí não só de rentistas puros, mas dos clássicos capitalistas donos de meios de produção.

E, assim como os “penduricalhos” da elite pública, os dividendos da elite privada também não são tributados por aqui

Em todos os países da OCDE, exceto na Estônia, a tributação sobre lucros e dividendos funciona da seguinte maneira: as empresas pagam imposto sobre seus lucros e, após isso, os lucros são distribuídos entre os acionistas na forma de dividendos. Estes dividendos, então, ao serem declarados pelas pessoas que os recebem, sofrem uma nova cobrança de impostos.

No Brasil, o Governo apenas cobra uma taxa média de 30% sobre os lucros da empresa, mas não tributa os dividendos, ou seja, não cobra impostos sobre a divisão que os acionistas fazem desse lucro. Com isso, a tributação total sobre esse tipo de renda, no país, fica só nos 30%, algo bem abaixo de países mais desenvolvidos e igualitários.

A média de tributação sobre lucros e dividendos na OCDE, por exemplo, é de 48%. Na França, a cobrança chega a 64%. Nos EUA, ela é de 57% e, na Alemanha, de 49%.  E o preço que o Brasil acaba pagando por essa diferença é caro.

Primeiro, no próprio aquecimento da economia do país, já que a cobrança de imposto sobre dividendos é considerada como um incentivo aos empresários para reinvestirem seus lucros na própria empresa. Segundo, pela questão arrecadatória, já que se estima que uma alíquota geral de 15% sobre dividendos no país, ainda que isentando pequenos empresários, seria capaz de arrecadar algo entre R$ 43 bi e R$ 60 bi anuais a mais.

Mas, talvez, o preço mais caro que o país acaba pagando é o da desigualdade

Segundo a Oxfam, vale lembrar, o grupo do 0,1% mais rico do Brasil tem 66% de isenção de impostos, contra apenas 17% de uma grande classe média que recebe entre 3 e 20 salários mínimos. O fato de boa parte desse grupo de mais ricos receberem dividendos não é mera coincidência.

Poderia também falar sobre as absurdas faixas de progressividade do Imposto de Renda, que tratam alguém que não chega a ganhar nem R$ 5.000 por mês da mesma forma que trata um milionário.

Poderia até falar sobre as sonegações, os paraísos fiscais e as offshores. Mas só as constatações sobre os “penduricalhos” e os dividendos já dão uma ideia da máquina de concentrar renda que se tornou o sistema brasileiro.

Um sistema onde o 1% mais rico concentra, sozinho, 27% da renda nacional, colocando o Brasil ao lado do Oriente Médio e da África Subsaariana no quesito desigualdade.

Desse modo, vê-se que, pelo Estado ou pelo mercado (se é que os dois não possam ser considerados braços de um mesmo corpo), a elite sempre arranja o seu modo de escapar dos impostos no Brasil.

Por Almir Felitte - Graduado pela Faculdade de Direito de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo.

https://justificando.cartacapital.com.br/2018/03/27/publica-ou-privada-a-elite-brasileira-sempre-escapa-dos-impostos/

EUA e o Medo da Rússia

A Russofobia é um sintoma da implosão dos Estados Unidos

Houve um tempo em que a Russofobia era uma maneira eficiente de controlar a população – usada particularmente pela classe dominante para levar a população dos Estados Unidos a um estado de lealdade patriótica. Não é mais. Agora, a Russofobia é um sinal de fraqueza, de uma implosão desesperada entre a classe dominante dos Estados Unidos, a partir de sua decaída podridão interna.

Essa técnica de propaganda funcionou muito bem durante as décadas da Guerra Fria, quando a antiga União Soviética podia ser facilmente demonizada como o “comunismo sem Deus” e o “império do mal”.

Não importava que esses estereótipos fossem falsos. Poderiam ser sustentados por causa do monopólio do controle da mídia ocidental pelos governos e órgãos reguladores oficiais.

A russofobia entre a classe política dos Estados Unidos está mais virulenta que nunca, embora a União Soviética já não  exista há mais de um quarto de século.

Isso se mostrou evidente mais uma vez nas audiências congressionais em Washington sobre a alegada interferência russa na política dos Estados Unidos na qual grande parte do governo e da imprensa (norte) americana acreditam, obcecadas pela russofobia e pela crença de que a Rússia é um adversário estrangeiro maligno.

No entanto, o poder da técnica de propaganda para causar a russofobia em grande parte da população parece estar diminuindo gradativamente desde o ápice vivido na Guerra Fria. Isso se deve parcialmente devido aos variados meios de comunicação global que desafiam o antigo monopólio ocidental que controlava a narrativa e a percepção das coisas. Atualmente a russofobia – demonizar o presidente russo Vladimir Putin ou as forças militares russas – não tem mais o mesmo potencial de amedrontar o público ocidental.

De fato, devido à grande diversidade das fontes de notícias mundiais, já se pode dizer que as trapaças “oficiais” do ocidente, apresentando a Rússia como um inimigo, pronta, por exemplo, para invadir a Europa, ou alegadamente interferindo nos resultados eleitorais encontram um ceticismo cada vez mais forte – quando não são ridicularizadas por muitos cidadãos ocidentais.

O que parece cada vez mais evidente é que existe um abismo intransponível entre a classe política e a maioria da população quanto ao assunto da russofobia. Isso é verdade para os países ocidentais em geral, mas especialmente nos Estados Unidos.

A classe política – os legisladores em Washington e os jornais da mídia corporativista – estão acusando freneticamente a Rússia de interferir nas eleições presidenciais dos EUA e que a Rússia tem um tipo qualquer de poder sinistro sobre a presidência de Donald Trump.

Mas esse frenesi de russofobia não está se refletindo entre a maioria dos cidadãos comuns dos Estados Unidos. Acusações raivosas de que a Rússia teria hackeado os computadores da rival de Trump, Hillary Clinton, do Partido Democrata, para espalhar informação prejudicial sobre ela; que essa sabotagem da democracia americana foi “um ato de guerra”; que o presidente Trump é culpado do crime de “traição” por “conluio” com uma “campanha de influenciação russa” – todas essas acusações sensacionalistas parecem ser preocupantes apenas para a privilegiada classe política.

A maioria dos cidadãos comuns dos EUA, está mais preocupada em como viver em uma sociedade que desaba, ou simplesmente afasta as acusações com desprezo ou vê tudo isso como um monte de conversa fiada.

O porta voz do Kremlin, Dmitry Peskov, negou nesta semana as conclusões das audiências Congressionais sobre a suposta interferência russa nas eleições dos EUA. De forma firme, ele disse que os parlamentares e a mídia dos Estados Unidos estão “enredados” em suas próprias mentiras. “Eles estão agora tentando encontrar evidências para conclusões às quais já tinham inventado”. Disse Peskov.

Outra imagem que caberia como uma luva é que a classe política dos Estados Unidos está lutando contra moinhos de vento, correndo atrás da própria cauda ou fugindo da própria sombra. Parece ser uma ilusão provocada pela demência coletiva.

Incapaz de aceitar a realidade de que a estrutura governamental dos Estados Unidos perdeu sua legitimidade aos olhos da população, que o povo se rebelou elegendo uma pessoa de fora do establishment político, na forma de Donald Trump, um homem de negócios magnata-que-virou-político, que o colapso da política tradicional dos EUA é devido à atrofia de várias décadas da sua economia capitalista falida – a classe dirigente fabricou sua própria desculpa, tentando jogar tudo nas costas da Rússia.

A classe dirigente norte americana simplesmente não consegue aceitar, ou pelo menos chegar a um acordo com o fato do fracasso sistêmico de seu próprio sistema político. A eleição de Trump foi apenas um sintoma da desilusão generalizada entre os eleitores com o trem desgovernado do sistema de dois partidos, Republicanos e Democratas. É por isso que o fantasma da interferência russa no sistema político dos Estados Unidos tem que ser invocado, por necessidade, como uma maneira de “explicar” o fracasso abjeto e a consequente revolta popular.

A russofobia foi retirada do armário da Guerra Fria e reabilitada pelo establishment como uma distração para o colapso cada vez mais claro das políticas do país.

A autodestruição corrosiva parece não ter limites. James Comey, diretor do FBI disse ao Congresso nesta semana que “a Casa Branca está sendo investigada por contatos ilícitos com a Rússia” (??) . Essa notícia espantosa apresentada por Comey foi saudada com aprovação geral por oponentes políticos da administração Trump, bem como pelos órgãos de imprensa.

O jornal The New York Times afirmou que na realidade o FBI está mesmo levando a cabo uma “investigação criminal no interior da Casa Branca”.  Outros órgãos de imprensa estão ventilando abertamente a possibilidade de que o presidente Trump sofra o impeachment.

Não há precedentes para a atmosfera política tóxica da russofobia em Washington. A administração Trump não consegue se mover ou conduzir normalmente a política do país por ser atacada a todo momento sob a suspeita de que é culpada de traição por conluio com a Rússia.

A reforma da assistência médica pretendida por Trump encontrou resistência entre Republicanos no Congresso porque muitos Republicanos estão mais interessados no assunto da investigação sobre a Rússia.

Quando se anunciou que o Secretário de Estado de Trump, Rex Tillerson, não compareceria a uma reunião da OTAN no próximo mês, mas que mais tarde, no mesmo mês, deveria visitar Moscou, esse itinerário foi interpretado como uma inadequada influenciação russa.

O que é tão sem precedentes no espetáculo do conflito político em curso é que não há a menor evidência para respaldar as alegações de um conluio Trump/Rússia. Tudo se baseia principalmente em boatos, ilações e vazamentos para a imprensa, a qual então passa a reciclar tais coisas como sendo “evidências”.

Devin Nunes, parlamentar do Partido Republicano e membro do Comitê de Inteligência da Câmara, disse no início desta semana que não vê nenhuma evidência real entre os documentos secretos que indiquem qualquer conluio entre a campanha de Trump e o governo russo.

Além disso, o diretor James Comey, que disse ao Congresso que sua agência está desenvolvendo uma investigação potencialmente criminal contra a administração Trump, ao mesmo tempo não confirma nem nega a existência de qualquer evidência.

E, como já se percebeu, a declaração de Comey da abertura de uma bisbilhotice sem prazo para acabar contra a Casa Branca foi recebida com aprovação ávida pelos adversários políticos de Trump, tanto em Capitol Hill (bairro habitacional de Washington DC... uma metonímia para o Congresso) como na imprensa corporativista.

Vamos assumir por um momento que toda a história desse “conluio” Trump/Rússia seja realmente uma falsidade. Que não tem fundamento. Que não passa de produto de imaginação, como realmente há razões sólidas para acreditar. Mas vamos assumir que seja realmente falsa para fins de argumentação.

Então isso significaria que parte do governo dos Estados Unidos e sua presidência estão engajados em uma guerra civil estúpida.  A Guerra real é um conflito de poder dentro dos Estados Unidos dentro do contexto de que os partidos que sempre governaram não tem mais legitimidade para isso.

É a implosão dos Estados Unidos. Uma derrocada feita-em-casa. A russofobia é só um sintoma da decadência interna no coração da política dos Estados Unidos.

Fonte: https://blogdoalok.blogspot.com.br/2017/03/a-russofobia-e-um-sintoma-da-implosao.html

R U S S O F O B I A

Campanha dos EUA-OTAN anti-Rússia está levando o planeta perigosamente para perto de um grande desastre

A expulsão de 60 diplomatas russos dos EUA, juntamente com dezenas de outros diplomatas de vários outros países dentro da Europa, é um momento preocupante para toda a humanidade. É um sinal de quão perto de uma nova (e definitiva) Grande Guerra o mundo está chegando.

Para começar, este episódio atual não é comparável aos 55 soviéticos expulsos por Ronald Reagan em 1986 ou aos cerca de 50 diplomatas que George W. Bush expulsou em 2001. Essas ações estavam diretamente relacionadas às atividades de espionagem – em que todos os governos participam, dirigido contra seus amigos, bem como inimigos. Os russos fazem isso, os americanos fazem isso, todo mundo faz isso. Não há nada de extraordinário em reduzir os números de vez em quando, especialmente depois de um grande embaraço como o escândalo Robert Hanssen de 2001.

Mas essas últimas expulsões não têm nada a ver com quantos russos podem ser verdadeiros espiões. Nem com as acusações absurdas da interferência russa da eleição nos EUA de  semear discórdia  e  desacreditar a democracia”.

Na verdade, eles não têm nada a ver com a alegação sem apoio do Departamento de Estado dos EUA de que “a Rússia usou um agente nervoso militar para tentar assassinar um cidadão britânico e sua filha em Salisbury”.

(Jomarion... o “cidadão britânico” é um russo traidor que espionou na década de 70/80 para a Inglaterra e inclusive estava na folha de pagamento do serviço secreto britânico)

A ausência de provas de que os russos estavam por trás deste ataque não é mais relevante do que as acusações repetidas, igualmente livres de evidências, de uso de armas químicas pelo governo sírio. O que quer que tenha acontecido com os Skripals e quem quer que esteja por trás, Salisbury é MAIS um mero pretexto para criar atrito e provocar à Rússia.

Mas, o propósito real é muito mais simples. Enfatizando a ação norte-americana, o embaixador russo nos Estados Unidos, Anatoly Antonov,  afirmou  que havia dito aos seus interlocutores americanos que...  “os Estados Unidos deram um passo muito ruim ao cortar o que ainda restava em termos de relações russo-americanas”.

Mas cortar os últimos vestígios desse relacionamento é o que as expulsões estão projetadas para provocar. Interromper os laços entre EUA e Rússia não é um meio para um fim – é o fim buscado.

Por muitos anos, muitos comentaristas e analistas têm ponderado se os EUA e a Rússia já estão em uma nova Guerra Fria e, em caso afirmativo, quando as coisas iriam  melhorar. O olhar na bola de cristal agora pode parar. As respostas são claras demais.

Sim, estamos em uma nova Guerra Fria e já estamos há algum tempo. De fato, é tolice pensar que, nos EUA, a primeira Guerra Fria realmente parou. Enquanto tivéssemos um governo fantoche em Moscou sob Boris Yeltsin na década de 1990, poderíamos fazer o que quiséssemos.  Saquear os recursos da Rússia com a ajuda de oligarcas corruptos instalados por “especialistas” ocidentais. 

Expandir as forças da OTAN para o leste depois de prometer que não o faria. Bombardear a Servia. Invadir o Iraque. O Afeganistão. Expandir a OTAN um pouco mais. Operações de mudança de regime de estágio em nome da  “democracia”.  Declarar que a Ucrânia e a Geórgia serão membros da OTAN.

E o Presidente Donald J. Trump, o homem que deveria ser o Líder do Mundo Livre (anacronicamente chamado)? Ele repetidamente não disse que quer melhores relações com a Rússia?

A resposta é fornecida pelo ex-porta-voz do Departamento de Estado sob o governo Obama, almirante John Kirby, que disse  que  as expulsões foram  “… adotadas por nossos aliados europeus porque eles temem que com algumas das coisas que ouviram sobre “o presidente russo, Vladimir Putin”,  que eles não podem ser brandos com Moscou . Mas isso diz a eles que os profissionais de segurança nacional com quem estão conversando a portas fechadas realmente dominaram  a política dos EUA que está seguindo o que eles sempre prometeram, que é confrontar”.

Talvez Kirby exagere o quanto alguns de nossos aliados europeus realmente querem mais confronto com Moscou, mas ele está absolutamente certo sobre o papel dos “profissionais de segurança nacional (inteligência)”  operando  “a portas fechadas”.  Não se engane, de todas as heresias de 2016 de Trump contra o bipartidarismo, nenhuma foi mais preocupante do que parece ser o desejo sincero de uma nova relação de amizade com Moscou.

Quando tudo estiver dito e feito, há muitas razões pelas quais a classe política odeia Trump. Seus pontos de vista sobre imigração e comércio estão próximos do topo da lista. Mas para o Estado (Deep State) Profundo e seu braço de mídia, demonizar a Rússia e o presidente Vladimir Putin pessoalmente é uma obsessão perigosa – e Trump apresentou uma ameaça ao dizer que desejava amizade da Rússia.

Daí toda a histeria do pseudo escândalo Russiagate / FISA, lançada pelo dossiê de Steele, um esforço que, aliás, tem  impressões digitais britânicas (particularmente do MI6)  por toda parte. Seu principal objetivo era sempre peitar Trump e impedi-lo de seguir qualquer caminho amistoso com a Rússia além do curso desastroso apresentado por (pelos marionetes do Deep State) Bill Clinton, George Bush e Barack Obama. (vassalos da elite trevosa)

Recentemente, um senador democrata de destaque expressou sua preocupação com a nomeação do hawkish John Bolton como novo conselheiro de segurança nacional de Trump, sugerindo que Trump foi “ alinhando seu gabinete de guerra  que pode  “errar e nos colocar em outro conflito terrível.”  Mas onde foi que O senador e seus colegas esquerdistas declararam “resistência” a Trump quando insistiram em novas sanções à Rússia impostas pelo legislativo, exigiram o envio de armas letais para a Ucrânia, pediram o bombardeio na Síria e acusaram Trump de ser um traidor em conluio com Putin?

Os críticos de Trump tiveram o seu desejo atendido. A esquerda democrata, junto com seus  aliados neoconservadores do GOP  (Partido Republicano) “Never Trump”, ganhou e Trump perdeu. No que diz respeito à política externa e de segurança, Trump também pode não ser mais o presidente.

O resultado é um mundo em que uma nova “Sarajevo”  (desta vez nuclear) pode surgir...  mas não porque Trump é um “louco” imprevisível e irracional  que precisa ser contido pelos  adultos na sala”.  Essa noção é exatamente equivocada, como evidenciado pelo fato de que os mesmos  “profissionais”  ficaram horrorizados com o seu desejo de acordo para atender Kim Jong-un da Coréia do Norte. 

Moscou considerará agora sua resposta às expulsões de seus diplomatas, mas está em uma situação sem vitória. Se, com base na prática do passado, os russos responderem com restrições “proporcionais” de modo a não alienar permanentemente seus chamados “parceiros” ocidentais, eles podem ter certeza de mais do mesmo – e pior. Por outro lado, se eles reagirem de forma assimétrica e dura – por exemplo, cancelando os direitos de sobrevoo das transportadoras aéreas dos países europeus sancionadores – os uivos do “comportamento trapaceiro” russo se intensificarão, levando a sanções ainda mais duras, como o corte do país do sistema SWIFT.

Espere por uma campanha de boicote (a Islândia já declarou o boicote) crescente contra a Copa do Mundo de 2018, bem como apelos mais fortes para  neutralizar o veto de Moscou  no Conselho de Segurança da ONU. Ou outras falácias do tipo (falsa bandeira) armas químicas na Síria . Ou um possível  “cenário Krajina”  lançado pela Ucrânia contra a região de Donbass – na expectativa de que Putin vá se afastar da maneira que Slobodan Milosevic fez.

Aqueles que estão por trás dessa campanha global contra os russos acham que podemos tratar a Rússia como se ela fosse uma potência de menor da magnitude como a Sérvia, Iraque, Líbia ou Síria, ou  mesmo do IrãEles acham que, se continuarmos pressionando, empurrando, empurrando, os russos entrarão em colapso ou recuarão. Eles não podem ver outro resultado aceitável do que remover Putin e devolver a Rússia à condição de estado vassalo da era Yeltsin – um termo que Putin usou em sua entrevista com Oliver Stone. 

Nota de Thoth: Parece também que o ocidente juntamente com Israel (CIA, MI-6-MOSSAD), controlado pelo Deep (Estado Profundo) State, Khazares, não digeriu bem a derrota de seus planos na Síria com a intervenção da Rússia, legalmente apoiando o governo de Assad na luta contra “terroristas” e “rebeldes” (mercenários, contratados, treinados e armados pelo ocidente) para dividir o território da Síria em favor de sua agenda para o Oriente Médio e no melhor interesse de Israel de expandir seu território}

Nota de Jomarion:  Não acreditem na mídia... está propagando mentiras sobre a crise global  ...tudo que estão falando sobre a Síria são mentiras, assim como mentiram sobre a Sérvia ... estão fomentando "falsas bandeiras" e espalhando imagens falsas para os incautos... está acontecendo um “guerra fria mundial” neste momento entre a cabala das trevas (EUA, OTAN, UE) e a Rússia (nação de pleiadianos)

Tradução, edição e imagens:  Thoth3126@protonmail.ch

Fonte1: https://www.zerohedge.com/

Fonte2: www.thoth3126.com.br

Link: https://thoth3126.com.br/campanha-dos-eua-otan-anti-russia-esta-levando-o-planeta-perigosamente-para-perto-de-um-grande-desastre/

Os Anti-Russos

Aqui está a razão real da campanha Anti-Rússia liderada pelos Estados Unidos

GAZPRON – Empresa estatal russa distribuidora de gás natural

O Departamento de Estado dos EUA lançou as “facas” ao se opor à construção do gaseoduto “Nord Stream”, que trará gás russo diretamente da Gazprom (Rússia) para a Europa.
Obviamente, isso coloca em grave perigo de fornecedores de “outras” fontes de energia, como os sauditas que acabam de comprar dezenas de bilhões de dólares em armas para dos Estados Unidos.
De repente, os americanos, passaram a ameaçar todo o negócio francês de construção incluindo a GDF (ENGIE) pois estas construtoras poderiam participar (direta ou indiretamente) da construção deste oleoduto. 

A desculpa foi... "Como muitas pessoas sabem, nós nos opomos ao Projeto da “Nord Stream II”... disse Nauert em  conferência de imprensa.... "Acreditamos que o “Nord Stream II” venha a prejudicar a segurança energética global da Europa... ela iria fornecer a Rússia... uma ferramenta para pressionar os países europeus, em especial,  a Ucrânia.

(Jomarion... Ucrânia: ninho de serpentes da máfia khazariana, com dinheiro de George Soros e apoio da CIA, a Ucrânia tem recebido dinheiro, treinamento e benesses, para facilitar agressões à Russia...uma pesquisa (sobre um futuro referendo) apurou-se que mais de 70% dos ucranianos são favoráveis à amizade/apoio com a Rússia, pois os ucranianos são russos no idioma e na cultura.)

Se a GDF e a EDF (Fido e Kiki) tocarem este projeto, eles estarão para sempre na lista negra dos inimigos dos EUA e  proibidos de fazer negócios no mundo.

Abaixo linhas de gaseodutos russos na Europa

Bem, queridos leitores, na verdade, em caso de guerra, os europeus estão pouco propensos a se juntar para um conflito nuclear contra os russos.

Resumindo... nós nos tornaremos “reféns” dos interesses de norte americanos e sauditas.  

Fonte: Revista de Imprensa por Pierre Jovanovic  -  www.jovanovic.com

Link: https://alalumieredunouveaumonde.blogspot.com.br/2018/03/voici-la-vraie-raison-de-la-campagne.html

Jomarion completa... khazarianos (elite das trevas ou cabala) tentou deflagrar um III Guerra a partir da Coreia do Norte, mas não deu certo, as Coreias estão se unindo e juntas estão conversando com a China, então agora eles estão tentando transformar o caso Scripal (um russo traira de seu pais e de seu povo desde a década de 70 e que tem sido “espião” pró Reino Unido) em grande perigo global... uma ameaça perigosissima ao mundo (??)... a cabala Rothchild odeia os russos desde os tempos do Czar Alexandre, que eles tiraram do poder, mataram a família imperial, roubaram tesouros inestimáveis e financiaram a Revolução Bolshevique... khazarianos trevosos “fizeram” as duas guerras mundiais a partir de “motivos” idiotas e manipulados. 

Março 2018

O mecanismo de José Padilha para assassinar reputações

Dilma Roussef - Cineasta propaga 'fake news' na série de TV “O Mecanismo” lançada pela Netflix

O país continua vivo, apesar dos ilusionistas, dos vendedores de ódio e dos golpistas de plantão.  Agora, a narrativa pró-Golpe de 2016 ganha novas cores, numa visão distorcida da história, com tons típicos do fascismo latente no país.

A propósito de contar a história da Lava-Jato, numa série “baseada em fatos reais”, o cineasta José Padilha incorre na distorção da realidade e na propagação de mentiras de toda sorte para atacar a mim (Dilma) e ao presidente Lula.

A série “O Mecanismo”, na Netflix, é mentirosa e dissimulada. O diretor inventa fatos. Não reproduz “fake news”. Ele próprio tornou-se um criador de notícias falsas.

O cineasta trata o escândalo do Banestado, cujo doleiro-delator era Alberto Yousseff, numa linha de tempo alternativa. Ora, se a série é “baseada em fatos reais”, no mínimo é preciso se ater ao tempo em que os fatos ocorreram. O caso Banestado não começou em 2003, como está na série, mas em 1996, em pleno governo FHC.

Sobre mim, o diretor de cinema usa as mesmas tintas de parte da imprensa brasileira para praticar assassinato de reputações, vertendo mentiras na série de TV, algumas que nem mesmo parte da grande mídia nacional teve coragem de insinuar.

Youssef jamais teve participação na minha campanha de reeleição, nem esteve na sede do comitê, como destaca a série, logo em seu primeiro capítulo. A verdade é que o doleiro nunca teve contato com qualquer integrante da minha campanha.

A má fé do cineasta é gritante, ao ponto de cometer outra fantasia: a de que eu seria próxima de Paulo Roberto da Costa. Isso não é verdade. Eu nunca tive qualquer tipo de amizade com Paulo Roberto, exonerado da Petrobras no meu governo.

Na série de TV, o cineasta ainda tem o desplante de usar as célebres palavras do senador Romero Jucá (PMDB-RR) sobre “estancar a sangria”, na época do impeachment fraudulento, num esforço para evitar que as investigações chegassem até aos golpistas. Juca confessava ali o desejo de “um grande acordo nacional”. O estarrecedor é que o cineasta atribui tais declarações ao personagem que encarna o presidente Lula.

Reparem. Na vida real, Lula jamais deu tais declarações. O senador Romero Jucá, líder do golpe, afirmou isso numa conversa com o delator Sérgio Machado, que o gravou e a quem esclarecia sobre o caráter estratégico do meu impeachment.

Serie "baseada em fatos reais" da Netflix conta a história da Lava Jato 

Na ocasião, Jucá e Machado debatiam como paralisar as investigações da Lava Jato contra membros do PMDB e do governo Temer, o que seria obtido pela chegada dos golpistas ao poder, a partir do meu afastamento da Presidência da República, em 2016.

Outra mentira é a declaração do personagem baseado em Youssef de que, em 2003, o então ministro da Justiça era seu advogado. Uma farsa. A pasta era ocupada naquela época por Márcio Thomas Bastos. Padilha faz o ataque à honra do criminalista à sorrelfa. O advogado sequer está vivo hoje para se defender.

O cineasta não usa a liberdade artística para recriar um episódio da história nacional. Ele mente, distorce e falseia. Isso é mais do que desonestidade intelectual. É próprio de um pusilânime a serviço de uma versão que teme a verdade.

É como se recriassem no cinema os últimos momentos da tragédia de John Kennedy, colocando o assassino, Lee Harvey Oswald, acusando a vítima. Ou Winston Churchill acertando com Adolf Hitler uma aliança para atacar os Estados Unidos. Ou Getúlio Vargas muito amigo de Carlos Lacerda, apoiando o golpe em 1954.

O cineasta faz ficção ao tratar da história do país, mas sem avisar a opinião pública. Declara basear-se em fatos reais e com isso tenta dissimula o que está fazendo, ao inventar passagens e distorcer os fatos reais da história para emoldurar a realidade à sua maneira e ao seu bel prazer.

Reitero meu respeito à liberdade de expressão e à manifestação artística. Há quem queira fazer ficção e tem todo o direito de fazê-lo. Mas é forçoso reconhecer que se trata de ficção. Caso contrário, o que se está fazendo não está baseado em fatos reais, mas em distorções reais, em “fake news” inventadas.

Dilma Rousseff - Porto Alegre - 26/03/2018 – Blog “Opera Mundi”

Fonte: https://operamundi.uol.com.br/conteudo/geral/49087/o+mecanismo+de+jose+padilha+para+assassinar+reputacoes.shtml

Jomarion...  Vamos espalhar a verdade... deligar a NetFlix de nossas casas... e acordar ... é agora ou agora!

Matthew Ward

Destaques deste artigo:

Água, Clima, Coréias do Sul e Norte, “O EVENTO”, Tiroteios nos EUA, Os Jovens e as Mídias Sociais

Vamos começar aliviando as preocupações de que seu mundo vai ficar sem água potável. O uso de “tecnologia climática” pelos Illuminati-Deep State-Cabala para criar mais áreas de seca (parte de um plano para eliminar a maior parte da população mundial que pretendia que milhões de pessoas morressem de sede), não vai acontecer. 

A manipulação do clima, responsável pelas tempestades selvagens e pela temperatura recorde que atrasou o retorno da Mãe Natureza a um clima moderado globalmente, vai atingir o seu fim junto com todas as outras atividades diabólicas dos Illuminati-Deep State-Cabala.

Meus queridos, sintam-se encorajados pelo progresso dos movimentos de base em muitos aspectos da vida na Terra e sabendo que as tecnologias que os Illuminati-Deep State-Cabala mantiveram escondidas ou maliciosamente usadas estarão entrando no controle de mãos e corações benevolentes para usar abertamente sem recriminação e a favor da humanidade. 

E, quando for seguro para os membros da nossa família espacial se juntarem a você, eles introduzirão tecnologias cujas vibrações transformarão vastos desertos em terras aráveis, restaurarão as florestas tropicais, erradicarão poluentes tóxicos no ar, na água e no solo e curarão os extensos danos causados ​​pela extração de combustíveis fósseis. O corpo planetário de Gaia que outrora foi o “Jardim do Éden” será novamente um paraíso saudável e primitivo.

Pergunta: “Aparentemente, a equipe olímpica norte e sul coreana foi a maneira de Kim Jong Un anunciar publicamente seu interesse em conversar com Moon Jae-in sobre a reunificação das Coreias...  Com a China e os EUA envolvidos, o que você vê saindo dessa reunião de 4 países? ”

O fato de Kim Jong Un querer discutir a reunificação com a Coréia do Sul está diminuindo a tensão que vinha sendo construída na região, mas ainda não foram vistos vários detalhes sobre esse desenvolvimento encorajador.

Independente do que aconteça a curto prazo, as vibrações prevalecentes apoiam e fortalecem a reunificação das duas Coreias e o eventual acordo de todas as nações com armas nucleares para eliminarem os seus arsenais atômicos.

O que diremos sobre o tiroteio na escola em Parkland, Flórida, será claro sem incluir suas perguntas e comentários.  Esta não era uma questão de escolha de contrato de alma para alguém cujas vidas foram perdidas, suas famílias ou outras pessoas que os amam. Em um tiroteio em massa há alguns anos, todos que foram diretamente afetados concordaram com essa experiência para efetuar mudanças que impediriam que outro incidente desse tipo acontecesse em qualquer parte do país; desde então, nenhum acordo de alma coletiva fez parte de qualquer tiroteio em massa.

É claro que você quer que seus filhos estejam seguros na escola, mas armar e treinar professores ou outros funcionários da escola não conseguirá isso. Apontar para a doença (no caso o controle) mental como causa de tiroteios em massa e ignorar a proliferação legal dos tipos de armas que os atiradores usam garante que esses incidentes não terminarão.  Vamos divagar um momento para fornecer informações básicas pertinentes. 

Os Illuminati-Deep State-Cabala, e antes deles outros fantoches das forças das trevas, estiveram na vanguarda da produção de armas, munições e todas as outras máquinas de guerra desde o início. Para assegurar um mercado contínuo ao longo dos séculos, eles doutrinaram a civilização a acreditar que o caminho para a paz é através da guerra e seguir ordens para lutar pela liberdade é patriótico.

E, depois de tomar medidas para garantir a eclosão de guerras civis, internacionais ou mundiais, eles venderam armas para os dois lados dos conflitos que eles mesmos criaram.  As guerras enriqueceram suas empresas de manufatura de armamentos e munições, cumpriram seu plano de eliminar muitos milhões de pessoas do mundo e criaram as baixas vibrações de medo e violência que as trevas precisam para se alimentar e sobreviver.

Depois que as treze colônias se uniram e lutaram contra o domínio dos britânicos para obterem independência do governo empírico real dos EUA, os líderes que surgiram escreveram uma constituição à qual foram acrescentadas emendas ao longo dos anos. Os Illuminati-Deep State-Cabala viram uma oportunidade e a apreenderam – distorceram a intenção da segunda emenda, cuja “milícia bem regulamentada” era a de que os Estados Unidos nascentes tivessem uma força de defesa para proteger sua independência recém-conquistada se a necessidade surgisse.

Para que os cidadãos não perguntem: Quão bem regulamentada é a nossa população civil armada com armas feitas para a guerra ”? os Illuminati-Deep State-Cabala criaram a NRA (National Rifle Association of America), espalharam seus subordinados por toda a organização e fizeram lobbistas doarem generosamente a políticos que citam a Segunda Emenda como o direito legal da população de comprar armas projetadas para os campos de batalha de hoje.

Agora, os estudantes da “Marjory Stoneman Douglas High School” que estão defendendo mudanças nas leis de armas não estão fazendo isso sob os auspícios de qualquer organização liberal ou por causa da pressão de qualquer agência governamental “para que eles possam tirar as armas dos cidadãos cumpridores da lei”.

Tampouco as filmagens foram um “psy-op”. Construir tragédias com “atores contratados” para encenar a ocorrência com o mesmo objetivo – confisco de armas – é outra página do manual de programação  mental das massas dos Illuminati-Deep State-Cabala. É lamentável, mas explicável, que sua influência a esse respeito ainda seja forte – vibrações que estão separando o trigo do joio, de certa maneira, estão trazendo à luz a ferida feita pelas trevas na psique nacional para que ela possa ser curada.

Apoiamos de todo o coração os estudantes em Parkland e todos os que se juntaram a eles em um movimento nacional de segurança que seu governo não pode continuar descontando. Medidas sensatas que serão firmemente combatidas por políticos comprometidos com a ARN antes da promulgação pela demanda pública irão preceder a difundida “cultura de porte de armas” do país, que se esvai na história. Mas seguramente isso está vindo porque o planeta está se movendo em direção a planos de energia onde nenhum tipo de violência pode existir. 

Alguns de vocês perguntaram o que é “O EVENTO” e quando isso acontecerá, e um leitor acrescentou:  “Aparentemente, ele também é conhecido como a Dança Cósmica-Galáctica”.

Embora reconheçamos que isso está relacionado com o ambiente planetário e a ascensão pessoal, portanto, baseia-se no poder do amor, não sabemos a que evento único as fontes dessa informação estão se referindo. Assim, nós lhes diremos o que temos observado dos eventos do seu mundo, que são inumeráveis ​​e, como tudo o mais que existe, são a energia que vibra numa freqüência ou outra, e as reações dos povos.

À medida que a luz na Terra continua se intensificando, eventos como a Convergência Harmônica despertaram muitas pessoas para a “busca da alma” e começaram um caminho para avançar na consciência espiritual e de elevação da consciência. Alguns continuaram nesse caminho sem se desviar independentemente dos eventos que encontraram.

Outros que também começaram com entusiasmo foram desviados do curso devido a algum evento, e depois de um ou dois eventos subseqüentes eles retornaram ao caminho, onde continuaram sua jornada até que algum novo evento os levou a outro desvio; mais tarde, eles experimentaram um evento que os colocou de volta no caminho e assim por diante. Já vimos pessoas que, até entrarem no Nirvana, conscientemente não sabiam que, simplesmente vivendo de maneira divina, tinham percorrido um caminho de crescimento espiritual vitalício.

A reação de toda alma aos incontáveis ​​eventos que afetaram suas vidas tem sido tão única quanto cada um deles é. Nesse sentido, a vida durante este tempo sem precedentes na Terra pode ser pensada como uma dança cósmico-galáctica que todos assistem, uma dança que está acelerando marcadamente e continuará até que toda a sociedade seja Uma e as grandezas da Idade do Ouro possam se desdobrar.

Agora, assim como sempre, vemos almas no caminho iluminado movendo-se em direção àquela Era de Luz, cada uma em seu próprio ritmo. O que nós não vemos é “dançarinos” em primeiro plano, esperando que o resto os alcancem para que a civilização possa experimentar algum evento em massa. Por favor, entenda que nossa perspectiva não diminui de forma alguma a validade das perspectivas dos outros que também estão levando à Era de Luz em que toda a escuridão é vencida e a Luz prevalece em todo o mundo.

Pergunta: “Por favor, pergunte a Matthew sobre a“ evidência incontestável ”de que a Rússia tentou influenciar a eleição presidencial dos EUA. Suas mensagens anteriores afirmavam o contrário.”  

A evidência de que“ trolls ”russos nas mídias sociais poderiam ter influenciado os eleitores é autêntica, mas – e de maneira nenhuma em sua defesa – isso nada teve a ver com o resultado das eleições que elegeram Trump. Como declarado em mensagens anteriores, isso se deveu a um erro técnico cometido pelos servos dos Illuminati-Deep State-Cabala depois que eles manipularam com sucesso as primárias democratas.

Os poucos poderosos no auge dessa sociedade secreta, ou a cabala, conseguiram manter a verdade suprimida, dando assim ao governo uma base para clamar sobre a intromissão da Rússia no processo eleitoral do país. Mas a objeção soa oca.  Os Estados Unidos, os mais controlados pelos Illuminati-Deep State-Cabala de todas as nações democráticas, historicamente têm se auto-empregado em manobrar eleições em numerosos países e em apoiar ou suportar governantes despóticos em outros.

Uma razão, amados irmãos e irmãs, que você se ofereceu para esta vida na Terra foi para ajudar os povos a expor e livrar seus governos da corrupção antiga que ainda está sendo comprada e paga por mentes e corações sombrios.

Pergunta:Com o vício de nossos jovens nas mídias sociais (pelos celulares), não teremos um futuro brilhante, porque as pessoas que deveriam criar um mundo melhor não conseguem tirar os olhos de seus telefones. Existe alguma esperança à vista?”

Absolutamente a esperança está à vista! Um grande número de jovens chegou com consciência espiritual e consciência de quarta densidade. Eles são visionários inteligentes, articulados e empáticos, com a sabedoria de atender à sua intuição e, em grande parte, estão usando a velocidade e a amplitude das mídias sociais para promover seu desejo de criar um mundo melhor.

O uso do celular por muitos outros jovens – e adultos – é menos construtivo, com certeza. Mas, à medida que as vibrações crescentes elevam todas as facetas da vida, a sociedade reconhecerá a superficialidade emocional de usar as mídias sociais para disseminar ou ler trivialidades, propaganda e críticas, e os telefones celulares deixarão de ser apêndices eletrônicos. Mais do que em qualquer outro momento da história registrada da Terra, o futuro é brilhante porque a juventude de hoje, os líderes de amanhã, fará isso!

Com uma boa razão, as vibrações são centrais para todos os problemas abordados nesta mensagem. Quando você pensa em propriedade, “localização, localização, localização” é de extrema importância. A Terra é imensamente mais valiosa do que qualquer peça de sua propriedade e para ela vibrações, vibrações e vibrações são de extrema importância.

Querida família, sua firmeza de permanecer na luz está ajudando os níveis vibratórios da Terra a continuarem aumentando, e isso vai longe, muito além de elevar seu mundo. Tudo em todos os lugares afeta tudo o mais em qualquer outro lugar – as vibrações na Terra vão para o seu sistema solar, para a galáxia e para o universo.

Todas as almas iluminadas honram e apoiam vocês com amor incondicional, a mais alta vibração no cosmos.

Com saudações amorosas de todas as almas nesta estação, Eu Sou Matthew. 

Tradução e ediçãoThoth3126@protonmail.ch

Fonte: www.thoth3126.com.br

Link: https://thoth3126.com.br/agua-o-clima-a-coreia-do-sul-e-do-norte-o-evento-os-jovens-e-as-midias-sociais/

Jo 24.3.18

Snowden: O Facebook é uma "Empresa de Vigilância" que Coleta e Vende Dados dos Usuários

Nova imagem de gigantes tecnológicas como mídia social é o engano final, diz ele.

O denunciante da NSA,
Edward Snowden, tweetou no sábado que o Facebook é uma "empresa de vigilância" que vende os detalhes pessoais de seus usuários, pesando sobre um escândalo envolvendo uma empresa privada que colheu dados da gigante das redes sociais.

"Empresas que ganham dinheiro coletando e vendendo registros detalhados de vidas privadas são descritas claramente como 'empresas de vigilância'", escreveu o ex-contratado da Agência de Segurança Nacional. "Sua nova imagem como" mídia social" é o engano mais bem sucedido desde que o Departamento de Guerra se tornou o Departamento de Defesa".

"Businesses that make money by collecting and selling detailed records of private lives were once plainly described as "surveillance companies." Their rebranding as "social media" is the most successful deception since the Department of War became the Department of Defense." Edward Snowden (@Snowden) 17 de março de 2018

A observação preocupante de Snowden, que foi retweetada mais de 30.000 vezes, vem em meio ao protesto público sobre a revelação de que a Cambridge Analytica, uma empresa privada de análise de dados que trabalhou com a equipe eleitoral do presidente Donald Trump, colheu informações pessoais de mais de 50 milhões de usuários do Facebook sem o conhecimento deles.

O Facebook suspendeu o acesso da Cambridge Analytica à plataforma na semana passada, alegando que a empresa e dois indivíduos que ajudaram a coletar o conjunto de dados maciços haviam enganado a gigante das redes sociais.

"À luz de novos relatórios de que os dados não foram destruídos, estamos suspendendo essas três partes do Facebook, enquanto aguardamos mais informações", disse a empresa. "Tomaremos as medidas necessárias para verificar se os dados em questão serão excluídos de uma vez por todas - e tomaremos medidas contra todas as partes ofendidas".

Comentando um relatório do New York Times sobre a violação de dados sem precedentes, Snowden disse que é o Facebook, e não a Cambridge Analytica, que deveria ser responsabilizado.

"O Facebook ganha seu dinheiro explorando e vendendo detalhes íntimos sobre a vida privada de milhões, muito além dos escassos detalhes que você publicou voluntariamente. Eles não são vítimas. Eles são cúmplices", ele escreveu no Twitter.

O Facebook insiste que os métodos de coleta da Cambridge Analytica não constituíam uma violação formal de dados, porque os usuários consentiram tecnicamente - através das configurações de privacidade labirínticas do site - para que seus dados fossem extraídos.

A Cambridge Analytica pertence ao bilionário do fundo de investimento Robert Mercer, e anteriormente era administrada pelo ex-conselheiro do Trump, Steve Bannon.

Fontes: Infowars: SNOWDEN: FACEBOOK A ‘SURVEILLANCE COMPANY’ THAT COLLECTS AND SELLS USER DATA

https://www.anovaordemmundial.com/2018/03/snowden-o-facebook-e-uma-empresa-de-vigilancia-que-coleta-e-vende-dados-dos-usuarios.html

***********************************************************************************************************************************************

CENSURA NA REDE

Youtube Começa a "Corrigir" Vídeos sobre Teoria da Conspiração

No último ataque à liberdade sobre pensar por si mesmo, a CEO do YouTube, Susan Wojcicki, anunciou que o YouTube começará a "corrigir" vídeos controversos com "fatos" da Wikipédia, um site de propaganda de desinformação completamente desacreditado, administrado por trolls farmacêuticos que rotineiramente demonizam a medicina holística.

"Jimmy Wales e seu exército de trolls liberais determinarão o que é verdade, e tudo o que for longe demais contrariando a narrativa será banido ou censurado", adverte o site Information Liberation. O País de Gales, é claro, é o ex-rei pornô que lançou a Wikipedia como um Ministério da Verdade do "controle de pensamento" para impulsionar a grande ciência charlatã e a propaganda pró-Monsanto.

Agora, o CEO do YouTube, Wojcicki, acredita que os criadores de conteúdo de vídeo que se atrevem a mencionar tópicos de "conspiração", como o mercúrio presente em vacinas, chemtrails ou a agenda de despovoamento globalista, devem ser "corrigidos" com a propaganda da Wikipédia. A patrulha do pensamento está trabalhando no YouTube, proibindo ou censurando todos os vídeos que eles não querem que você veja.

A nova Wikipedia "correções" começará a aparecer em vídeos do YouTube nas próximas duas semanas, disse Wojcicki em um discurso no SXSW. Observe seu discurso duplo enquanto explica como isso vai funcionar:

"Quando há vídeos que estão focados em algo que é uma conspiração - e estamos usando uma lista de conspirações de internet bem conhecidas da Wikipedia - então mostraremos uma unidade de informação complementar da Wikipedia mostrando que aqui está a informação sobre o evento..."

Unidade de informação "Complementar"? O que ela quer dizer é que a patrulha do pensamento do YouTube "corrigirá" o vídeo para garantir que a tecno-ditadura doutrinará adequadamente as mentes dos espectadores com a narrativa oficial (falsa) sobre tudo. Nenhum pensamento independente será permitido em qualquer assunto que importe - mudança climática, federal reserve, vacinas ou ciência - sem ser interceptado e "corrigido" pelos monitores de controle de pensamento do YouTube.

Sim, o 1984 de George Orwell chegou, e é chamado de "YouTube".

YouTube está rapidamente se tornando uma plataforma de controle de pensamento.

Este anúncio feito pela propagandista chefe, Susan Wojcicki, que está se tornando rapidamente o Joseph Goebbels da internet, revela o quão rápido o YouTube está seguindo os passos da China comunista para controlar as percepções e pensamentos de seus usuários.

Todas as chamadas "teorias de conspiração" que serão "corrigidas" pelo YouTube, é claro, são determinadas por líderes radicais de doutrinação... que dominam as plataformas de tecnologia.

Para esses lunáticos totalitários, a ideia de que os russos roubaram as eleições de 2016 é um "fato", mas a ideia de que os experimentos de geoengenharia estão sendo executados para alterar a atmosfera é uma "teoria da conspiração" (embora agora ela seja admitida abertamente pelas universidades científicas como o MIT).

Hoje em dia, a geoengenharia já é admitida abertamente pelos cientistas. Na verdade, eles afirmam que ela é necessária para "salvar o planeta".

Lembre-se da definição real do que é uma "teoria da conspiração": é qualquer coisa que o establishment não quer que você saiba. Simplesmente rotulando agendas reais e engenharia social nefasta, nada além de "teorias de conspiração", os guardiões tecnológicos podem justificar a censura de todos os vídeos, artigos ou sites que as mencionar.

Você se lembra quando toda a mídia disse que os problemas neurológicos de Hillary Clinton eram uma teoria da conspiração? Ou, quanto a todos aqueles anos em que alguém afirmou com precisão que suas TVs estavam espionando você, também foi considerado um lunático? Agora, é de conhecimento comum.

Veja este artigo: Sim, a sua smart TV realmente está espionando você: Documentos vazados revelam que a CIA secretamente transformou as TVs Samsung em microfones que espionam suas conversas.

Apesar da verdade inescapável sobre esses assuntos (e muitos outros mais), de acordo com a patrulha de controle do pensamento no YouTube e Wikipedia, os chemtrails são uma "teoria da conspiração" que precisa ser corrigida, apenas para garantir que ninguém realmente acredite que está acontecendo (mesmo que realmente esteja).

Este movimento descarado executado pelo YouTube demonstra o quão perigoso o Google e o YouTube se tornaram para a sociedade moderna, funcionando como censores tendenciosos de notícias, informações e ciência independente.

É por isso que o YouTube, Google, Facebook e Twitter devem ser parados. Eles devem ser regulados de forma agressiva para parar suas agendas de censura seletiva que visam especificamente o jornalismo independente, a ciência independente e as investigações reais sobre o totalitarismo arrepiante que agora se desdobra em torno de nós.

Fontes:

Natural News: THOUGHT POLICE: YouTube to start “correcting” controversial videos with “facts” from discredited Wikipedia pages run by disinfo trolls

Information Liberation: CEO Susan Wojcicki to 'Fight Conspiracies' on YouTube by Adding Wikipedia Boxes to Videos

Geoengineering: Remember when geoengineering was labeled a “conspiracy theory?” … Now it’s routinely cited in science papers as a strategy for saving the climate

Link:  https://www.anovaordemmundial.com/2018/03/censura-youtube-comeca-corrigir-videos-sobre-teoria-da-conspiracao.html

Os Crimes da Cabala

"O MUNDO ESTÁ PRESTES A DESCOBRIR O QUÃO HORRÍVEL FORAM OS CRIMES DA MÁFIA KHAZARIANA"

 Benjamin Fulford – 19.03.2018

Destaques deste boletim:

... o presidente russo desativou três portais estelares, "que estavam localizados na Síria"... Putin é responsável pelos portais que lá estão e isso é o que realmente irrita a cabala...

...líderes do Ocidente tentaram matar 90% da população mundial com a fabricação e propagação de doenças como SARS, gripe aviária, ebola, etc...

...a cabala está presa na Terra,  já que o portal do CERN foi destruído...

... aço defeituoso foi vendido aos militares dos EUA onde a blindagem dos veículos militares não iriam suportar o impacto de projéteis...

... Google está usando o rótulo de "agente russo", para tentar banir jornalistas e denunciantes que são contra sua agenda de controle mental global...

 

O expurgo na parte superior do cume da estrutura de poder secreta dos EUA está quase completo, o que significa que outro expurgo muito maior, agora, está para ser realizado, de acordo com o Pentágono, CIA e outras fontes.

As principais lideranças da Casa Branca, CIA, NSA, do FBI, Pentágono e de outras agências dos EUA, agora, estão compostas, quase em sua totalidade de chapéus brancos.

Isso significa que um expurgo sistemático, também, é possível das fileiras inferiores.

Como resultado, nos próximos meses, as pessoas irão descobrir o quão horrível foram os crimes perpetrados pela máfia khazariana.

Lembrando que, os chamados líderes do Ocidente, tentaram ativamente matar 90% da população mundial. Foram pegos na fabricação e propagação de doenças como SARS, gripe aviária, ebola, etc. Também, foram pegos tentando causar fome em massa, disseminação de pragas em colheitas e pagando agricultores para cultivar combustível em vez de alimentos.

Também têm muito se esforçado para começar uma Terceira Guerra Mundial.

Estiveram por trás de incidentes de assassinato em massa como o 11.09.2001 e Fukushima.

Está tudo comprovado. Agora, o que vai acontecer é que a maior parte da população mundial irá saber de tudo isso. 
Nos Estados Unidos, cerca de um milhão de pessoas participaram ativamente da trama para matar 90% de seus companheiros americanos e escravizar os sobreviventes, de acordo com a inteligência militar japonesa.

Estes “um milhão” - que pretendem se passar por judeus, muçulmanos ou cristãos evangélicos, etc., mas que adoram ativamente a Satanás - têm procurado refúgio em outros lugares do planeta, mas que, todavia, será em vão.
Também tentaram sair do planeta, de acordo com fontes da CIA e do Pentágono.

"A cabala está presa em terra, já que o portal do CERN foi destruído", disse uma fonte do Pentágono.

"O que dizem sobre o CERN está correto", confirma uma fonte da CIA que tem acesso às bases antrópicas secretas.

"A Terra está em quarentena – ninguém entra e ninguém sai. A cabala khazariana Sionista está presa aqui no planeta e está sendo derrubada", continua a fonte.
Para entender o pavor dos cabalistas, deem uma olhada no vídeo abaixo, do príncipe Bandar bin Khalid, um dos principais conspiradores do 11/09, cometendo suicídio no dia 12 de Março, a fim de evitar enfrentar a justiça, depois que a ele ter sido negado asilo no Reino Unido.

https://baaghi.tv/saudi-prince-bandar-bin-khalid-commits-suicide/
"O príncipe Bandar-Bush foi realmente afastado.

Foi ele, não um sósia, que escorregou numa casca de banana e caiu nos trilhos.

O significado real desta afirmação, é que Bandar foi ajudado em sua tentativa de desafiar a gravidade.

Ele estava mentalmente controlado por algum tipo de droga que alterou sua mente e NÃO haverá autópsia", é como uma fonte da CIA explica o incidente.
Agora, alguns do “ex regime dos Estados Unidos”, também, teve asilo negado pelo Reino Unido e pede proteção ao governo japonês, segundo membros da família real japonesa e fontes da CIA.

Os japoneses foram avisados ​​pelos militares dos EUA para negarem a solicitação.

De qualquer forma, o homem com o qual o “ex regime” estava contando para proteção, o primeiro-ministro khazariano, Shinzo Abe, irá se demitir nas próximas duas semanas.

Vocês são sabedores do aço defeituoso vendido aos militares dos EUA em que a blindagem dos veículos militares não iriam suportar o impacto dos projéteis recebidos. Venderam aço de baixa qualidade e com defeito de fabricação, propositadamente. Bye-bye, Abe".

É o que uma fonte da CIA, na Ásia, tinha a dizer sobre o futuro do protetor Abe.
No entanto, a Sociedade Dragão Branco - SDB, pode oferecer proteção a ele, caso ele concorde em comparecer no Clube dos Correspondentes Estrangeiros do Japão e dizer ao mundo a verdade sobre coisas como o vôo 370/17 da Malásia, quem foi seu pai real, quem o colocou no poder, etc.
Abe, está procurando abrigo, porque todos os que estavam na estrutura de poder dos Estados Unidos e que poderiam protegê-lo, estão sendo demitidos, presos ou mortos.

A última missão do secretário de Estado dos EUA, Rex Tillerson, foi ir ao Quênia para dizer ao governo queniano que não desse asilo a Abe, dizem fontes do Pentágono.
Na semana, 
o próprio Tillerson foi demitido por ter concordado com a falsa afirmação da cabala, de que a Rússia estaria usando gás venenoso para matar dissidentes no Reino Unido, dizem as fontes.

A Primeira-Ministra Theresa May, do Reino Unido, o presidente Emmanuel Macron, da França e a chanceler Angela Merkel, da Alemanha, na semana passada, revelaram suas filiações na cabala, acompanhando o último esquema de jogar toda culpa na Rússia.

A verdadeira razão por que Sergei Skripal foi envenenado, foi porque estava prestes a fornecer provas da ligação de Hillary Clinton e o Partido Democrata dos EUA com as tentativas de manchar a imagem do  Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, dizem fontes do FSB russo.
https://theduran.com/the-poisoning-of-sergei-skripal-reads-right-to-hillary-clinton-and-the-dnc/

Enquanto isso, um denunciante do Google, diz que o Google está usando o rótulo de "agente russo", para tentar banir jornalistas e denunciantes que são contra sua agenda de controle mental.
Enquanto isso, a fonte da CIA, acima mencionada e, com o acesso à base da Antártida, tem uma explicação muito mais esotérica para os histéricos ataques contra a Rússia.

Segundo ele, o presidente russo Vladimir Putin desativou três portais estelares, "que estavam localizados na Síria". Putin é responsável pelos portais que estão lá e isso é o que realmente irrita a cabala. Ele não permitirá que esses portais sejam utilizados para que os trevosos possam escapar do Dia do Julgamento", diz a fonte.

Como de costume, com esse tipo de informação do tipo “Arquivo X”, escrevo o que as fontes me informam e deixo aos leitores o discernimento de que isso, realmente esteja acontecendo.

Tudo o que posso confirmar, é que o planeta, definitivamente, está em quarentena.
De qualquer forma, agora que Tillerson e seu homem da mala, Steve Goldstein foram demitidos, o novo Secretário de Estado, Mike Pompeo, armado com conhecimento das operações da CIA, irá supervisionar uma expurgo "ainda maior" do Departamento de Estado.
Fontes do Pentágono dizem que o FBI e o Congresso dos EUA, também, estão investigando atividades criminosas perpetradas pelo Departamento de Estado e seu ex-chefe, John Kerry, acrescentam.

A própria CIA está sofrendo um grande expurgo, agora que está sob o controle militar dos EUA.       "A nova Diretora da CIA, Gina Haspel, é uma temida agente e irá expurgar a facção Bush, neoconservadores e outros traidores", dizem fontes do Pentágono. 

Eis o que um colega da CIA tem a dizer sobre Haspel: "Ela é calma e discreta - não é franca nem boca grande, como dizemos. Seus olhos são muito focados e intensos. Senti nela, uma mulher altamente inteligente que manteve sua missão real para ela mesma. "Esta fonte diz que, provavelmente, ela estará passando seu bisturi nos "sites obscuros" da CIA, que lidam com drogas, contrabando de armas, lavagem de dinheiro e coisas do gênero.

O FBI e o Departamento de Justiça também irão presenciar um expurga de lacaios da cabala, concordam várias fontes. "A demissão do vice-diretor do FBI, Andy McCabe, é apenas o começo, já que as cabeças irão rolar, com uma encomenda da FEMA de 16 mil lâminas de guilhotina", declara ominosamente uma fonte do Pentágono. Presumivelmente, ele estava se referindo às guilhotinas, amplamente, divulgadas e encomendadas pela cabala, presumivelmente para uso contra americanos.

Outro motivo para a raiva contra a cabala entre os militares dos EUA e das agências, é o desaparecimento anual de 800 mil crianças nos Estados Unidos (de acordo com o Centro Nacional de Crianças Desaparecidas e Exploradas).

Numa contrapartida, a China, com quatro vezes a população, tem 20 mil crianças desaparecidas a cada ano, de acordo com o Departamento de Estado dos EUA.

Isso significa que as crianças dos EUA são 160 vezes mais propensas que as crianças chinesas para desaparecerem. Enquanto muitas das crianças desaparecidas são encontradas, muitas desaparecem para sempre.

Existem vários insiders, que testemunharam que tais crianças foram estupradas, assassinadas e comidas por satanistas/cabalistas.
https://youtu.be/b98ch_Pyi-Y

Para acabar de uma vez por todas com essa horrível tomada secreta dos Estados Unidos por uma cabala assassina, os militares dos EUA estão reativando muitos generais e oficiais aposentados para o serviço ativo, dizem fontes do Pentágono.

Entre aqueles que estão de volta ao serviço ativo estão Mike Pompeo, o advogado especial Robert Mueller e muitos outros, dizem as fontes.
Agora, sinais estão surgindo em toda parte, de que os cabalistas khazarianos terão de enfrentar a justiça.

Este escritor  há muito estimulou para uma revelação da verdade e reconciliação no estilo sul-africano, todavia, parece que isso não acontecerá para muitos daqueles no topo desta estrutura de poder secreta, uma vez que seus crimes foram muito horríveis.
Numa nota final, fontes da CIA estão nos dizendo que Elon Musk, da Tesla Motors, é um agente de lavagem de dinheiro do Pentágono.

Isso pode explicar muita estranheza em torno dessa empresa, como os relatórios de várias fontes de que Musk, realmente, estaria atrás da crise do míssil norte-coreano.

Isso significa que o Pentágono, via Musk e a Tesla, usava mísseis nucleares norte-coreanos como uma ferramenta em negociações com a China.

A mais recente, é a notícia de que a Tesla estaria contratando o pessoal do site de notícias satíricas The Onion, para algum tipo de projeto secreto.
https://www.zerohedge.com/news/2018-03-13/not-onion-elon-musk-poaching-onion-staffers-secret-project

Atualmente,  é difícil dizer a diferença entre o que o site The Onion está informando e as chamadas empresas de mídia convencionais, como a CNN, estão relatando.

Talvez o Pentágono esteja planejando finalizar os últimos fragmentos da credibilidade das mídias corporativas dos khazarianos, colocando-as sob o gerenciamento ddos “Cebolas”.

Como diz o ditado, "às vezes a verdade é mais estranha do que a ficção".

Estamos entrando em tempos estranhos, mas que, todavia, parece ser um bom tipo de estranheza.

Autor: Benjamin Fulford 

https://www.sementesdasestrelas.com.br/2018/03/benjamin-fulford-o-mundo-esta-prestes.html

Banco Itaú  - Agiotagem Legalizada

Cliente no Brasil paga em um mês o que no Paraguai se paga em um ano

Carga fiscal e juro bancário anual atraem empresários para o país vizinho

(Jornal do Brasil – Economia)

Cansado de pagar juros mensais de 8,77% a 13,40% (174,34% a 352,12% ao ano) no cartão de crédito Itaú?  Quer pagar bem menos? Que tal, 13,35% ao ano para um cartão da própria bandeira do Itaú, o maior banco privado da América Latina? Pois bem, a situação é muito fácil para quem mora nos estados fronteiriços ao Paraguai. Ou mesmo para qualquer brasileiro, que mora mais distante. Basta uma visita a Foz do Iguaçu.

Além das belezas naturais das Cataratas do Iguaçu, uma simples travessia da Ponte da Amizade pode render boas economias. Não. Não se trata das tradicionais muambas paraguaias. Ou de uma noitada sortuda num dos cassinos do lado de lá da fronteira. Basta uma visita a uma das agência do Banco Itaú em qualquer cidade do Paraguai. 

Lá, o ITAU usa o mesmo “slogan” que bombardeia os telespectadores, diariamente na TV. Só que o “Feito para você”, vira “Hecho para vos”. Tem a mesmo logomarca da @ com o I imaginário no meio. Mas a realidade é muito melhor do que sonha a nossa vã imaginação. 

Os juros que o Itaú cobra dos nossos “hermanos paraguaios” são muito menores do que pagamos por aqui. No Brasil, paga-se em um mês, o que os donos de cartão do Itaú Unibanco pagam em um ano. Ou seja, em um ano, os clientes paraguaios ganham, na conta de juros do cartão, nada menos que 11 meses em relação aos clientes brasileiros. Uma diferença de 161 a 338,77 pontos percentuais, conforme o emissor do cartão dentro da Organização Itaú Unibanco. 

No Paraguai o custo anual do financiamento do cartão de crédito é menor do que 13,35% ao ano. Ou seja menor que a taxa mensal de um dos cartões operados pelo oligopólio do Itaú no Brasil. Conheço um amigo brasileiro que está vivendo de comprar artigos “made in Paraguai” para revender no Brasil. Os ganhos são duplos: nas taxas de juros do cartão e nas pechinchas de qualidade duvidosa... 

Mas terá o Paraguai algum segredo econômico? Além dos juros baixos, uma tributação bem menor que a nossa. Resultado: muitos empresários brasileiros mudaram para lá para produzir e exportar para o Brasil. O país de pouco mais de 6,8 milhões de habitantes (quase igual ao total do município do Rio de Janeiro), tem uma inflação anual na faixa 4% (o Brasil fechou 2017 com 2,95% e deve fechar 2018 entre 3,5% e 4%) e o piso dos juros anuais é de 5,25%.  No Brasil, o Comitê de Política Monetária do Banco Central (Copom) deve reduzir nesta quarta-feira a taxa Selic (o piso bancário brasileiro) para 6,50% ano. 

A economia paraguaia é bem mais modesta do que a brasileira. Seria equivalente à de um estado médio do Nordeste, mas seu grau de endividamento público é bem menor. A dívida pública equivale a 22,8% do Produto Interno Bruto (PIB) do Paraguai. No Brasil, a dívida pública bruta está na faixa de 74% do PIB. 

Um banco por R$ 1 (Sim... um real) 

Vale lembrar que o Itaú Unibanco conseguiu abrir as operações no Paraguai pagando o valor simbólico de R$ 1. A rede de agências do Paraguai pertencia ao antigo Interbanco, que foi criado no país vizinho, nos anos 80 e 90 pelo extinto Banco Nacional. O Nacional foi comprado em 1995 pelo Unibanco pelo valor simbólico de R$ 1. E o Itaú fez uma fusão com o Unibanco (na qual passou a deter quase dois terços da nova instituição líder do mercado brasileiro) no final de 2008, quando a crise financeira mundial atingiu as linhas de crédito externas do banco da família Moreira Salles.  

A concentração bancária que se acelerou no Brasil nos últimos 15 anos, também ocorreu na América Latina. O motivo externo são as exigências de capitalização dos bancos pelo Acordo de Basileia, regulado pelo BIS , o Banco Central dos Bancos Centrais.

Nos últimos anos, o Itaú consolidou sua presença na Argentina, Chile, Paraguai e Uruguai. Com a fusão entre o Itaú Chile e o CorpBanca, o grupo chegou à Colômbia e ao Panamá.  O ItaúUnibanco tem operações na Europa (França, Alemanha, Portugal, Reino Unido, Espanha e Suíça), nos Estados Unidos (Miami e Nova Iorque), e nos paraísos fiscais do Caribe (Ilhas Cayman e Bahamas), do Oriente Médio (Dubai) e da Ásia (Hong Kong), além de agências em Xangai (China) e Tóquio (Japão). São centros financeiros que facilitam captar recursos para o Brasil a custos mais baixos e ampliar os ganhos de arbitragem nas taxas de juros com as elevadíssimas taxas praticadas no Brasil.

Por Gilberto Menezes Cortes  

Link: https://www.jb.com.br/economia/noticias/2018/03/18/agiotagem-legalizada-2-cliente-itau-no-brasil-paga-em-um-mes-o-que-o-do-paraguai-paga-no-ano/

Juizes e Procuradores querem mais

Membros do 1% mais rico, juízes e procuradores, protestam por salário

Juízes federais e procuradores da República vão fazer protestos em seis capitais nesta quinta-feira 15 por melhores salários. Estão indignados porque o auxílio-moradia que recebem terá a legalidade julgada em breve pelo Supremo Tribunal Federal (STF). Não querem perder a mordomia pois, segundo eles, é uma forma de compensar a falta de aumento de 2015 para cá.

Apesar da estagnação remuneratória, juízes e procuradores pertencem ao 1% mais rico da população. Fazem parte deste grupo aqueles brasileiros que ganham a partir de 27 mil reais mensais. Em 2016, os magistrados federais embolsaram 50 mil reais por mês, em média. A remuneração inicial de um procurador é de 28 mil.

O cálculo de quanto recebe o 1% mais rico é do IBGE, conforme pesquisa de novembro. O ganho dos togados federais consta do último anuário do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), de setembro passado. O valor do vencimento mínimo dos procuradores é uma informação do Ministério Público (MP).
O contracheque das duas categorias é generosíssimo quando comparado aos rendimentos dos trabalhadores comuns. Em 2017, foi de 1,2 mil reais a renda média mensal de cada pessoa moradora de um domicílio no País, de acordo com o IBGE.

Idem para a comparação com os aposentados. Dos cerca de 23 milhões de benefícios pagos pelo INSS por mês, 70% são no valor de um salário mínimo. O piso nacional é de 954 reais.

Os juízes estaduais não participarão do protesto. Acham que desafiar o STF pode levar a corte a acabar realmente com o auxílio-moradia, para mostrar quem é que manda. Mas eles não estão com seu privilégio ameaçado, pois o julgamento no Supremo não atingirá o auxílio que recebem.

Os magistrados estaduais também integram o 1% mais rico. Em 2016, seus ganhos mensais médios foram de 49 mil, segundo o CNJ. Em alguns estados, a remuneração é espantosa.

Foi de 95 mil no estado recordista, o Mato Grosso do Sul, onde a renda domiciliar per capita é de 1,2 mil. Em Goiás, o vice-campeão, foi de 70 mil, enquanto a renda domiciliar per capita era de 1,2 mil. Em São Paulo, renda per capita média de 1,7 mil, os juízes estaduais embolsaram 42 mil.

Graças aos gordos contracheques de magistrados e procuradores, o Brasil é o país que mais gasta dinheiro público para manter o sistema de Justiça funcionando. É a conclusão de um estudo de 2015 feito na Universidade Federal do Paraná (UFPR), chamado “O custo da Justiça no Brasil”.

Em 2016, conforme o CNJ, o País gastou 1,4% das riquezas geradas no ano (PIB) com o Poder Judiciário, 84 bilhões de reais. Nos Estados Unidos, a mesma despesa consome 0,14% ao ano. Na Alemanha, 0,32%. Na Argentina, 0,13%. O segundo lugar é da Venezuela, em um distante 0,34%.

E não que aqui haja juízes demais. É salário mesmo, o que explica a despesa recorde. No Brasil há 8,2 magistrados para cada 100 mil habitantes, conforme o estudo da UFPR. Na Alemanha, há três vezes mais (24,7). Em Portugal, mais do que o dobro (19,2). Nos EUA, 10,8.

O MP (Ministerio Publico) é outro campeão de consumo de verba pública. É de 6 bilhões de reais o orçamento deste ano do MP Federal, uma tropa de uns 2 mil procuradores. Fora o gasto nos estados, batalhão de uns 12 mil promotores.

Tudo somado, o custo anual do MP é de cerca de 0,32%, conforme o estudo da UFPR. Na Itália, é de 0,09%. Em Portugal, de 0,06%. Na Alemanha e na Espanha, de 0,02%.

Apesar desta realidade salarial, haverá protesto por mais verba. Atos serão promovidos no início da tarde desta quinta-feira 15 nas cidades de Brasília, São Paulo, Rio de Janeiro, Salvador, Porto Alegre e Belém.

A mobilização foi uma iniciativa da Associação dos Juízes Federais (AJUFE), em reação contra o julgamento marcado pelo STF para o dia 22 sobre o auxílio-moradia.

A mordomia foi universalizada em setembro de 2014 por uma liminar do juiz Luiz Fux, do Supremo, em uma ação movida por oito magistrados federais. Valor da regalia: 4,3 mil mensais.

A ideia inicial do presidente da AJUFE , Roberto Veloso, era promover uma greve. Dos 2 mil filiados da entidade, aposentados incluídos, 1,3 mil responderam a uma consulta sobre a ideia, dos quais 81% a favor. Mas depois houve um recuo da Ajufe, que passou a moderar sua posição.

“Com os salários que têm e com o corte de gastos em razão do ajuste fiscal, uma greve do Judiciário por aumentos salariais chega a ser ofensiva”, diz o cientista político Fernando Limongi, professor da USP e pesquisador do Centro Brasileiro de Análise e Planejamento (Cebrap). “Os magistrados não têm problema algum em defender seus privilégios e justificá-los como necessários à defesa da liberdade e do bem estar da sociedade. A coisa beira o cinismo.

O corporativismo e a agenda salarial do Judiciário chegaram a tal ponto, que a FGV de São Paulo vai incluir o tema a partir deste ano na pesquisa periódica que faz sobre a percepção dos brasileiros a respeito da Justiça, o Índice de Confiança na Justiça. Uma percepção que já vai mal.

Na última edição, de outubro passado, o Judiciário tinha confiança de 24%. Número perto de instituições mal avaliadas, como partidos e Congresso, ambos com 7%, do que das do topo, Forças Armadas (56%) e Igreja Católica (53%)

E o mais grave, diz Luciana de Oliveira Ramos, coordenadora da pesquisa. A confiança caiu 10 pontos desde 2013. Resultado, diz ela, da maior exposição midiática da Justiça. Ou seja, quanto mais as pessoas conhecem o Judiciário, pior.

“Essa agenda corporativa de querer perpetuar privilégios é um problema. Num país em que muitas pessoas ganham salário mínimo, pagar auxílio-moradia de 4,3 mil reais não tem qualquer cabimento.”

A Associação Nacional dos Procuradores (ANPR) diz que resolveu aderir ao protesto pois defende melhor remuneração para a categoria, não devido ao auxílio-moradia em si. “O Supremo pode acabar com o auxílio que nós continuaremos com manifestações”, afirma o presidente da ANPR, José Robalinho Cavalcanti.

Se o STF derrubar o auxílio dos togados federais, o MP ficará sem argumento para pagar os seus. A mordomia deles foi determinada alguns dias depois da liminar de Fux, com base nesta liminar.

Andre Borrocal

https://www.cartacapital.com.br/politica/membros-do-1-mais-rico-juizes-e-procuradores-protestam-por-salario

14.3.18

Conhecendo aqueles que nos exploram

Santander cobra “mais” dos brasileiros

Enquanto o Brasil vive a sua mais profunda recessão econômica, o oligopólio bancário que atua no Brasil (quatro famílias controlam 60% do mercado) proporcionou ao Santander um crescimento de 42% em 2017, não só por operações de crédito, mas, também, pelos ganhos em taxas e serviços que atingiram o inacreditável valor de R$ 3,8 bilhões.

O Banco Santander, controlado pela empresária espanhola Ana Botin, cobra em empréstimos, até 20 vezes mais de seus clientes brasileiros, quando comparado aos da clientela espanhola... por esse motivo, o Brasil foi o país que mais contribuiu para o lucro mundial do banco espanhol em 2017: foram R$ 10 bilhões, ou cerca de 2,5 bilhões de Euros, que representaram 26% dos ganhos do Santander em de seu lucro global do ano passado.

Enquanto o Brasil vive a sua mais profunda recessão econômica, o oligopólio bancário que atua no Brasil (quatro famílias controlam 60% do mercado) proporcionou ao Santander um crescimento de 42% em 2017, não só por operações de crédito, mas, também, pelos ganhos em taxas e serviços que atingiram o inacreditável valor de R$ 3,8 bilhões.  

Taxas que o cliente, muitas vezes, é obrigado a pagar, sem autorização. Debita-se na conta corrente e depois não tem a quem reclamar. As maiores reclamações no Procon são contra operadoras telefônicas e os bancos. E para desgosto do cliente, nem sempre adianta mudar de banco: como praticamente não existe concorrência, as tarifas são quase iguais entre os quatro maiores bancos do oligopólio. 

Economistas de tendência conservadora, atribuem as escorchantes taxas de juros cobradas pelos bancos, seja para empresas ou pessoas físicas no Brasil, ao alto endividamento do Estado brasileiro. Esta tese não se comprova. O Estado espanhol deve mais que o brasileiro e, nem por isso, empresas e cidadãos espanhóis pagam as taxas que o Santander cobra dos clientes brasileiros. 

Veja a comparação entre a dívida bruta do setor público brasileiro e a espanhola: 

PIB Brasil:  US$ 1,8 trilhão (fonte: FMI); endividamento público/PIB 76%, sendo que que o principal motivo deste índice foi o nível dos juros pagos pelo Tesouro nos últimos dez anos, em média, de 13% ao ano. 

PIB Espanha:  US$ 1,2 trilhão (fonte: FMI); endividamento público/PIB = 100%. A Espanha, mesmo pagando taxas de 2,5% ao ano deve o que o país produz em riquezas, o que motivou a crise de confiança no país que se juntou a Portugal e Grécia como países de alto risco financeiro, com risco de calote.

Os números mostram que o estado espanhol tem uma relação de endividamento/PIB, 30% maior que a do brasileiro e, nem por isso, as empresas espanholas e cidadãos pagam taxas de usura que se praticam no Brasil, principal inibidor do crescimento e do desenvolvimento da economia brasileira. Ao contrário, os ganhos dos bancos refletem o aumento da miséria do país que virou “paraíso dos rentistas”.

Mais ainda: ao contrário do Brasil, que possui cerca de US$ 375 bilhões em reservas, portanto com saldo positivo com relação ao que deve, a Espanha não teria caixa para saldar sua dívida externa, o que mostra fragilidade para todo o sistema bancário espanhol. 

A tese de que as taxas de juros no Brasil são as mais altas do mundo porque o governo é o maior tomador de recursos, não se comprova. Evidência disso é que o déficit fiscal primário do Estado brasileiro aumenta todos os meses, e as taxas de juros praticadas pelo governo Temer caem mensalmente e atingiram o seu menor patamar nos últimos 30 anos: 6,75% ao ano. E tudo indica que cairão em 21 de março para 6,50% na reunião do Copom. 

Mas ainda assim, como a inflação está abaixo de 3% (2,84% no acumulado de 12 meses em fevereiro), o governo do Brasil pratica a segunda taxa real de juros mais alta do mundo para financiar o seu déficit fiscal. Para deleite dos rentistas e bancos brasileiros. Não esquecendo dos fluxos internacionais que nos Estados Unidos e Europa recebem zero de juros, ou como na Alemanha que, ao invés de pagar, cobra dos clientes e poupadores para deixar o dinheiro dormir na conta. 

Hoje, um dos maiores problemas da economia mundial é o excesso de liquidez. Os países industrializados não sabem o que fazer com o estoque de recursos. E, o Brasil, com quase US$ 400 bilhões em caixa, não tem remuneração que ultrapasse 2% ao ano. Mas paga 6,75 % ao ano para financiar sua dívida interna. Em outras palavras, o governo brasileiro joga bilhões no lixo todos os meses somente na diferença entre o que recebe por suas reservas e o que paga para financiar a dívida.

Maus pagadores 

Outra tese para se tentar justificar as taxas de juros praticada pelo oligopólio bancário brasileiro e, neste caso, pelo Santander, seria a alta taxa de inadimplência da clientela brasileira, isto é, correntistas que deixam de pagar seus empréstimos. Novamente, a tese não se comprova. 

Veja a comparação da inadimplência: 

Santander Brasil: 4,5%; 

Santander Espanha: 4,7%. 

El País, o maior jornal da Espanha, destacou que o “lucro do Santander teve aumento de 42% no Brasil, alcançando 2,5 bilhões de euros (cerca de R$ 10 bilhões), o que sustentou 26% dos resultados de 6,6 bilhões de euros da rede em todo o mundo. Na Espanha, os lucros representaram apenas 15% dos ganhos da organização. A segunda filial mais lucrativa foi a do Reino Unido, com 1,5 bilhão de euros, ou 16% do total. 

Operação Zelotes 

Não satisfeito em ter no Brasil a maior rentabilidade de suas operações no mundo, o Santander ainda buscou, em anos recentes, formas não ortodoxas para aumentar seu lucro no país. O instrumento para alcançar esse objetivo é a mesma que originou a lava-jato e foi prática comum entre políticos e empresários brasileiros: a corrupção. 

Reginaldo Antonio Ribeiro, diretor de Planejamento Tributário do Santander, foi denunciado na Operação Zelotes por envolvimento num suposto esquema de corrupção na Receita Federal que teria beneficiado o banco espanhol em R$ 83 milhões em crédito tributários.

O Banco está envolvido em dois processos julgados de forma irregular pelo Conselho Administrativo de Recursos Fiscais (CARF), do Ministério da Fazenda, em R$ 3,3 bilhões para cada um deles.

O Ministério Público e a Polícia Federal acusam o Santander de ter negociado decisões de membros da Receita Federal.

Por que brasileiros pagam e não reagem? 

O processo do oligopólio bancário no Brasil foi patrocinado e aprovado pelo Estado brasileiro, não importando quem estivesse à frente do governo, seja PSDB e PT, em ambos a concentração do setor foi permitida, e acentuada e concentrada durante os governos PT. 

A solidificação desse oligopólio, proporciona ao espanhol  Santander  a cobrança de taxas de juros que não se justificam sob a luz de qualquer teoria. A usura praticada é incompatível com a realidade de qualquer economia de mercado, e mais grave ainda, por se tratar de uma economia ainda em desenvolvimento como a brasileira. Cabe ainda mencionar que os lucros obtidos à custa do sacrifício das empresas e cidadãos do Brasil, é quase todo remetido à Espanha, onde são distribuídos entre os acionistas do banco. 

Qual o ganho para a sociedade brasileira de ter um banco estrangeiro neste oligopólio? 

Fora a permissividade do estado brasileiro, a Justiça tem sido de certa forma, a única barreira que impede que os bancos continuem a sufocar e a levar ao desespero milhões de famílias brasileiras que, ao serem convidadas a tomar crédito, seja por conta garantida, e/ou cartão de crédito, mal sabem, estão prontas para ficarem “enforcadas” pela força do banco. A Justiça brasileira, acertadamente, vem coibindo esta forma ilegal da usura em contratos de empréstimos.

Renegociação da divida – outra arapuca

Mesmo renegociando, os bancos continuam ganhando. E muito. Se você financiou R$ 1 mil no cartão de crédito e não conseguiu pagar, o Santander depois de três meses começa a enviar propostas de renegociação. Esse é o momento para o devedor pagar o justo. Saiba que o banco nunca perde: após 90 dias de inadimplência, o BC obriga que o empréstimo não pago seja registrado no balanço como prejuízo.

Assim, quando o banco te encaminha para que empresas de recuperação de crédito infernizem tua vida, saiba que o que você deve e for pagar, voltará como lucro ao banco, na reversão das provisões para devedores duvidosos. Levando em conta os juros de 13% ao mês, claro você não aguentou e teve de parar de pagar. Em alguns meses, você já pagou a dívida algumas vezes e ainda segue devendo.

O banco começa então a te cobrar R$ 1 mil, cerca de três vezes mais do que o cliente, na realidade deve (R$ 3 mil) para pagamento em até 60 parcelas. O devedor, considerando seu nome sujo, aceita, sem saber, na maioria das vezes, que está pagando quase 200% do que deve. E, com o acordo, o banco lucra integralmente, o que você vai pagar.

Empresas de cobrança fazem esse serviço “sujo” ganhando até 100% do valor devido. Em outras palavras, a agiotagem legalizada nunca perde um centavo.  Os bancos cobram o que querem, utilizando de sua força de oligopólio, porque os brasileiros, os trabalhadores e empresários não reagem.

Mas o mais grave é que as instituições do Estado, principalmente o Banco Central, não se movem para coibir a prática da usura do oligopólio bancário contra a economia brasileira. 

Fusão Itaú-Unibanco,  Bradesco compra HSBC,  Itaú compra Citibank,  Santander compra ABN-Amro,  Bradesco compra BBVA

O Conselho Administrativo de Defesa Econômica (CADE), que deveria regular e impossibilitar a formação de cartéis no Brasil, foi o grande responsável, ao lado do Banco Central, pela formação do oligopólio bancário brasileiro. 

Fonte: https://www.jb.com.br/economia/noticias/2018/03/11/santander-cobra-1791-mais/

Jomarion lamenta: brasileiros estão engordando bancos da cabala escura e lembra que este banco mandou “recado” a seus clientes (no extrato mensal) para não votar na Dilma em 2014 e penso que todo brasileiro consciente deve ter conta bancária apenas no Banco do Brasil ou Caixa Federal.

Cabala, o Jogo Final

"JOGO FINAL DA CABALA, NA MEDIDA EM QUE O TRIBUNAL NUREMBERG II SE INSTALA"

Benjamin Fulford  -  05.03.2018

A facção da máfia khazariana que tentou iniciar a III Guerra Mundial e matar 90% da Humanidade, agora, está em suas últimas pernas, concordam várias fontes.

O sinal mais claro disso, foi uma ordem executiva e um anexo de 636 páginas, publicado em 01 de Março pelo Presidente dos EUA, Donald Trump e pelo Departamento de Defesa, que prepara o caminho para os tribunais no estilo de Nuremberg. 

https://www.whitehouse.gov/presidential-actions/2018-amendments-manual-courts-martial-united-states/
https://www.regulations.gov/document?D=DOD-2017-OS-0032-0003

A essência dessas ordens, foi para que todos os civis dos Estados Unidos estejam sujeitos à justiça militar e que os militares possam contratar peritos jurídicos não militares, para ajudarem nos futuros tribunais, de acordo com fontes do Pentágono.

A seguinte cláusula na página 2 do Anexo 2, é de particular interesse, na medida em que descreve um exercício de jurisdição militar como:

"Um governo que governa temporariamente a população civil em seu território ou uma parte do seu território, através de suas forças militares, uma vez que a necessidade venha a exigir . (Lei marcial)". 

Fontes do Pentágono explicam que "Trump assinou a Ordem Executiva 3/1, para alterar o manual da corte marcial, para obter ajuda civil e preparar o público para os tribunais militares Nuremberg II, da cabala, antes da verdade e da reconciliação".

Parece que, pelo menos, alguns assassinos em massa não vão se sair apenas com um pedido de "desculpas".
Na semana passada, o outro grande movimento do governo Trump, foi o de disparar as primeiras salvas de uma guerra comercial.

A primeira explosão foi um anúncio de que os EUA aplicariam tarifas de 25% e 10%, respectivamente, nas importações de aço e alumínio.
Isso, no mínimo, é estranho, uma vez que o movimento se destina principalmente aos aliados dos EUA.

O Canadá, que apresentou um déficit comercial de US $ 7,7 bilhões com os EUA em 2017, representa 16% e 41%, respectivamente, de importações de aço e alumínio dos EUA.

A China, que teve um superávit comercial de US $ 288 bilhões com os EUA em 2017, representa apenas 2% e menos de 1%, respectivamente, de importações de aço e alumínio dos EUA.

As outras grandes vítimas dessas tarifas planejadas são supostos aliados como: Japão, Coréia do Sul e Brasil.
Também, está claro que este movimento não está conectado aos militares dos EUA.

O secretário de Defesa dos EUA, James Mathis, enviou uma carta ao Departamento de Comércio, observando que os militares dos EUA usam somente 3% da capacidade de fabricação de aço e alumínio dos EUA e que ele estava preocupado com o "impacto negativo dessa medida sobre os nossos principais aliados".

https://www.commerce.gov/sites/commerce.gov/files/department_of_defense_memo_response_to_steel_and_aluminum_policy_recommendations.pdf

Superficialmente, parece que os cowboys, no Trump Commerce Department, estão mais ansiosos para intimidar os países fracos do que lidar com o déficit comercial de US $ 800 bilhões por ano.
Se a luta fosse realmente comercial, então os EUA deveriam adicionar à esta medida,  as tarifas dos equipamentos e máquinas eletrônicas, no valor US $ 262 bilhões que, todos os anos importam da China.

Os cowboys do Comércio não segmentaram a China, porque precisam garantir que esta lhes empreste mais dinheiro para manter a falência dos EUA ao largo.
A verdadeira razão para o ataque do regime Trump contra o Canadá e outros aliados, é que esses países querem ver o governo corporativo americano falido e substituído por um regime completamente diferente.

Lembrem-se de que, os europeus, incluindo o Reino Unido, a Alemanha, a Itália, a Suíça, a França, bem como o Canadá, se separaram dos mafiosos khazarianos que controlavam o sistema financeiro dos EUA, para irem trabalhar com a China em seu AIIB/BAII e, agora na iniciativa One Belt, One Road (OBOR).  A iniciativa OBOR, no valor de US $ 8 trilhões, é cerca de 60 vezes maior que o famoso Plano Marshall.

Agora, os Estados Unidos estão perdendo a ação.
No próximo grande movimento do xadrez geopolítico, a negociação de futuros de petróleo usando Yuan apoiado por ouro, começará na China em 26 de Março.

Isso irá adicionar outro golpe aos controladores financeiros do petrodólar que, agora, controlam apenas os EUA, Japão, Israel e, a Arábia Saudita.

Todas as indicações são de que a Arábia Saudita e o Japão estão prestes a mudarem de lado, então, logo apenas restarão os EUA e Israel.
Fontes da CIA e do Pentágono dizem que o mercado de ações irá quebrar, para falir os remanescentes cabalistas nos EUA e em Israel.

É para preparar o caminho para um novo sistema financeiro, garantido por ativos, para o Ocidente  complementar aquele que a China está prestes a lançar.

Por sua vez, militares dos EUA estão contornando o Departamento de Comércio e abrindo negociações diretas com a China, de acordo com um funcionário do Pentágono envolvido nessas negociações.

Militares dos EUA, estão pensando em negociar suas alta tecnologia, principalmente nos campos da energia e da aeronáutica, em troca do pagamento da dívida e financiamento para a reestruturação total da economia dos EUA e sua infraestrutura, diz a fonte.

Também, existe em andamento, sérios planos para iniciar uma contrapartida Ocidental do projeto chinês OBOR, que criará um boom econômico sem precedentes, diz ela.
Por outro lado, os militares dos EUA receberam promessas de salários e um orçamento maior do resto do mundo, como recompensa  por sua ajuda na limpeza da máfia khazariana.

Dessa forma, são os membros não militares do regime de Trump - aqueles  que poderiam perder seus empregos - que estão usando de ameaças de uma guerra comercial para extorquir dinheiro de aliados dos EUA.

Do mesmo modo, é o pessoal não militar do governo dos Estados Unidos que está por trás das constantes ameaças histéricas de iniciar uma guerra com a Coréia do Norte.

Os militares dos EUA, com razão, dizem que uma guerra com a Coréia do Norte seria um desastre total e estão ativamente trabalhando para garantir que isso nunca aconteça.

Em vez disso, de acordo com a princesa Kaoru Nakamaru, prima do imperador Hirohito e um canal japonês para a Coréia do Norte, os militares dos EUA concordaram em se retirar da Coréia do Sul e permitir a unificação coreana.
A verdadeira razão para a histeria entre certas partes do establishment dos EUA, é claro que não é a Coréia do Norte, mas sim os tribunais militares em vias de destaque, citados no topo deste relatório.

Para se ter uma ideia do tamanho desses tribunais, no momento, existem mais de 18.500 acusações lacradas, um número que é mais de 10 vezes maior do que a quantidade de pessoas relacionadas e levadas a julgamento em Nuremberg, dizem fontes do Pentágono.

Além disso, a lista de "atores malignos" que tiveram seus ativos congelados pelo Departamento do Tesouro dos EUA, com base na ordem executiva do Trump de 21 de Dezembro, agora, está com 1.108 páginas.
https://www.treasury.gov/ofac/downloads/sdnlist.pdf 

Num outro passo, o governo militar dos EUA rebaixou autorizações de segurança de 130 membros do regime Trump, incluindo seu genro Jared Kushner.

Agente do Primeiro-Ministro israelense Benyamin Netanyahu e do Mossad/Chabad  Jared está ficando limitado com a perda de segurança máxima secreta e é alvo de operações de contrainteligência", explicam as fontes do Pentágono. Além disso, ainda, acrescentam:

"Até mesmo, Ivanka [Trump], está sendo investigada pelo FBI, por seus laços com o Mossad/Chabad, enquanto Trump é forçado a colocar o país acima da família e abandonar Ivanka".
Enquanto colocar o país em primeiro lugar, Trump pode, por um longo prazo, ser  mantido a frente de  um regime estável nos EUA, assim como Vladimir Putin e Xi Jinping, respectivamente são na Rússia e na China, dizem as fontes.

Além disso, na medida em que os militares dos EUA se preparam para a meritocracia, "rebaixaram a CIA para um departamento da NSA garantindo total controle militar do aparelho de inteligência", dizem fontes do Pentágono.

Embora a ideia de um governo militar seja alarmante para muitos, fontes militares dos EUA enfatizam que será apenas uma medida provisória, até que os gângsteres sejam removidos do poder e uma saudável governança civil possa ser posta em prática.
Enquanto isso, tem muita coisa acontecendo com as antigas ordens militares e sociedades secretas.

Muito, ainda não pode ser relatado, todavia, pode-se confirmar que negociações envolvendo a Cidade de Londres, os Templários, os Cavaleiros de Malta, ordens militares Russas, Illuminati Gnósticos, Maçons P2 e outros, estão acontecendo. Existe um consenso geral entre eles de que a forma de como estamos administrando este planeta precisa ser fundamentalmente reformada e renovada.

Autor: Benjamin Fulford 

Fonte: https://www.sementesdasestrelas.com.br/2018/03/benjamin-fulford-jogo-final-da-cabala.html

Ideologia "Trans" é Promovida Pelas Grandes Empresas Farmacêuticas

Estas são Apoiadas por Campanhas de Relações Públicas

Ao longo dos anos, temos chamado a atenção para certos fatores ambientais que estão tendo um profundo efeito de flexão de gênero na vida humana e animal.

Mas não pense por um momento que esse ataque é uma consequência não intencional da grande indústria; como sugerem novos relatórios...,

...tudo isso foi pré-planejado como uma forma da indústria farmacêutica obter mais lucros.

Grande parte desse dinheiro está atado no impulso de aceitação e normalização do transgenderismo, que a feminista de Nova York, Jenifer Bilek, admite ser uma conspiração, de modo a canalizar dinheiro para certos grupos de interesses especiais.

Entre estas, estão as empresas farmacêuticas que fornecem hormônios e outras misturas químicas que ajudam o processo de "conversão" de gênero, bem como empresas de cirurgia e outros protagonistas no setor de saúde.

Mais de US$ 400 milhões, diz ela, foram dados por doadores e grupos empresariais para promover a agenda transgênero, que realmente ganhou força nos últimos anos no regime Obama.

O financiamento do pró-transgenderismo não é frequentemente discutido, mas funciona em segundo plano, lubrificando as rodas de maior fluxo de lucros para aqueles que também estão empurrando mais medicamentos e cirurgia para lucrar com as massas.

É por isso que o questionamento do dogma da biologia do gênero - biologia quase se tornou uma ofensa judicial nos EUA politicamente correto, onde não é aceito enunciar fatos sobre a natureza humana.

É também por isso que os responsáveis ​​pela narrativa estão empurrando tanto para qualquer coisa - desde banheiros, chuveiros e vestiários, já que a normalização dessa perversão é a chave para garantir que a indústria farmacêutica obtenha os lucros que tão desesperadamente anseia.

Muitos lideres e homens de negócio, incluindo as empresas farmacêuticas e o governo dos EUA, estão enviando milhões de dólares para causas LGBT,  escreve Bilek, observando que muitos médicos, repórteres, pesquisadores e cirurgiões têm muito medo de se opor a esta agenda perversa.

"Os gastos globais reportados sobre a cultura LGBT agora são estimados em US$ 424 milhões", acrescenta. "De 2003 a 2013, o financiamento divulgado para questões de transgênero aumentou mais de oito vezes, alimentando em três vezes o aumento do financiamento LGBTQ em geral, que quadruplicou de 2003 a 2012. Este enorme aumento de financiamento aconteceu ao mesmo tempo que o transgenderismo começou a ganhar força na cultura americana". As vítimas da programação transgênero recebem pouco ou nenhum desse dinheiro.

O que talvez seja ainda mais perturbador são as vítimas desta campanha maligna que sucumbiram à programação e foram submetidas a cirurgias ou terapias hormonais em uma fútil tentativa de mudar seus gêneros. A máfia LGBT gosta de fingir que levanta fundos para ajudar essas pessoas, mas, como Bilek informa, muito pouco (ou nada) desse dinheiro chega às vítimas LGBT.

Praticamente tudo isso, diz ela, vai para agências governamentais, think tanks de tecnologia e corporações farmacêuticas que estão empurrando uma agenda. E essa agenda é institucionalizar e normalizar o transgenderismo como uma "escolha de estilo de vida", como coloca Bilek.

"Eles estão moldando a narrativa sobre o transgenderismo e normalizando-o dentro da cultura usando seus métodos de financiamento", ressalta.

"Promover diversidade corporal parece ser a questão central, não a disforia de gênero; isso e desmotivar pessoas de sua biologia através de distorções de linguagem, para normalizar a alteração da biologia humana. Institucionalizar a ideologia transgênero faz exatamente isso. Esta ideologia está sendo promovida como uma questão de direitos civis por homens ricos e brancos com enorme influência que se beneficiam pessoalmente de suas atividades políticas".

É importante ter em mente, na próxima vez que alguém tentar dizer-lhe que o transgenderismo é normal, ou que a massa de transgeneros "revelar-se" nos últimos anos,  é apenas um derramamento orgânico de pessoas acreditando que eles finalmente têm a liberdade de "ser eles mesmos".

Na realidade, essas pessoas sofreram lavagem cerebral em um experimento de engenharia social maciço que, como a maioria das outras coisas da vida, está sendo conduzido pela ganância e pelo grande desejo de dinheiro da indústria farmacêutica.

Leia também: [Agenda Gay] Estudo - Personagens Transgêneros Estão Sendo Colocados na TV para Doutrinar o Público

Fontes:

Natural News: INVESTIGATION: “Trans” ideology pushed by Big Pharma and surgery companies backed by $400 million P.R. campaign

Breitbart: Study: Transgender Ideology Powered by $400 Million from Business and Advocates

Natural News: Transgendering children is “child abuse,” warns feminist scholar

https://www.anovaordemmundial.com/2018/03/investigacao-ideologia-trans-e-promovida-pelas-grandes-empresas-farmaceuticas-que-sao-apoiadas-por-campanhas-de-relacoes-publicas.html

 

OSCAR 90 Anos – 2018

Ao vivo na TV para o mundo

Slogan da Academia: 90 Anos de Sonhos

Slogan real: 90 anos de controle mental e interferência negativa na sociedade mundial.

Hollywood  junto com a indústria da musica, degradaram a sociedade ocidental ditando regras, moda, comportamentos e crenças desagregadoras e perigosas.

O cinema americano, representado aqui pelos gestores do Oscar, mais atores e atrizes deslumbrados,  é a cara de uma sociedade arrogante e decaida.

OSCAR DOS TRANSGENEROS

O “Oscar dos Transgeneros” focou-se bastante nos homossexuais, gays e afins... dois filmes com esta temática pleitearam o “melhor filme” além dos diretores, atores, etc.

O lobby e a apologia à ideologia do gênero estavam na boca das atrizes e atores, advertindo que caminhamos para uma sociedade “indiferenciada” onde ninguém será homem ou mulher, pois que isto é uma construção “falsa”.

Esta sociedade aqui defendida é a “sociedade do Anti-Cristo” pois homens e mulheres são deuses e deusas que carregam polaridades importantes para a criação de uma humanidade amorosa e feliz.

Gays e afins estão sendo “usados” e “desrespeitados” por estas forças malignas atuantes da mídia e no entretenimento.

Pesquisa realizada no Reino Unido aponta que a porcentagem de transgeneros não chega a 7%  no mundo todo.  A esmagadora maioria da Humanidade é heterossexual, mas “pessoas comuns” não interessam à mídia.

Quero lembrar que “disruptores endócrinos” tem sido diluídos em milhares de produtos da vida moderna (remédios, vacinas, cosméticos, agua, plásticos) e estão bagunçando a sexualidade... isto é grave e real.

“Alguem” quer uma sociedade globalizada e “transgenero”.  Este “alguém” é um coletivo maligno chamado “cabala escura” que tem usado o cinema para implantar suas agendas satânicas e degradantes.

Este coletivo investe milhões nesta agenda que também quer “normatizar” pedofilia - sexo com crianças – e sabemos onde isto vai dar: trafico, abuso, exploração, prostituição infantil, etc

REMAKES

Remake de “velhos sucessos” para jogar com o emocional do expectador, não funcionou, os remakes foram rejeitados.  Afinal quem aguenta mais um “Star Wars”? ou Blade Runner?

Principalmente quando vemos nos cartazes os atores tampando um olho para fazer tributo aos Illuminati?  Ou com a "borboletra monarca" nos dedos, ou na boca, para mostrar “Olha... eu sou um escravo-monarca a serviço dos Grandes de Hollywood”.

CINEMA PARA CRIANÇAS

Um desenho infantil foi citado e elogiado: “O Poderoso Chefinho”.

Neste desenho eu vi todo tipo de bizarrice, caveiras, símbolos illuminati, símbolos pedofilos, borboleta monarca, pirâmides com olho, e muito mais.  Bebês estranhos e esquisitos  são os “heroizinhos” e a história se passa (pasmem) em Las Vegas – a meca da degradação -  um péssimo lugar para uma criança, mas o Chefinho é um bebe-mafioso que adora tudo isto!

FILME SOBRE O  MEXICO

Este filme notoriamente foi feito para agradar o Mexico (um dos maiores mercados para o cinema de Hollywood).  O filme é focado na “Festa dos Mortos” ou o “Dia das Caveiras”,  um espécie de “carnaval bizarro” que acontece no México anualmente e é muito apreciada pelos illuminatis da mídia.

Esta aberração foi mostrada num dos filmes mais “dark” dos últimos tempos: “007 e o Spectre” (Spectre é o polvo do mal – YALDABAOTH – um predador cósmico que tem imposto à Terra sofrimento, guerras, ameaças e doenças).

Este monstro é manipulado por aqueles que nos dominam e escravizam escondendo de nós nossa real historia e nossa  grandeza.

O Filme sobre o México ganhou uma estatueta... inacreditável!

FILME PARA HUMILHAR A RUSSIA E O PUTIN

Também elogiaram muito o filme sobre o “medico russo” (um traidor de seu pais e de seu povo) que recebeu uma fortuna em dólar (nos EUA)  para eliminar a Russia das Olimpiadas de Inverno  e ainda ironizaram o presidente Putin ao vivo, no ar.

O melhor filme estrangeiro, deveria ser o filme russo “Sem Amor” mas é claro que perdeu para um filme chileno sobre uma "mulher extraordinaria" que era homem.

Muita piada sem graça, palavras chulas, palavrões e conversas idiotas como a de uma artista jovem, dizendo a veterana  Isabella Rosselini, que adorou o filme onde ela urina e defeca na rua... uma lástima!

De vez em quando eles focavam as câmeras no publico do lado de fora, num cinema, vendo a premiação no telão.  A estes destribuiram cestinhas com cachorro quente, refrigerantes e guloseimas industrializadas (porcaria no bom português).

ENCERRAMENTO

Quase no final, mais uma homenagem, com depoimentos fortes, em defesa dos transgeneros e cia e dos “diferentes”. Foi pedido as pessoas para que “desconstruam” suas crenças sobre homens e mulheres...

O “mundo novo” será como comentei acima... uma sociedade de “gente esquisita” e “comportamentos decaidos”... uma sociedade onde tudo pode e tudo é permitido - “A Nova Sodoma” – onde tudo gira em torno de sexo e da beleza fisica, a qualquer preço. Esta parece ser a maior preocupação de Hollywood, um dos braços da sociedade satânica ocidental.

Além de humilhar a Russia e o presidente russo (que não concorda com esta sociedade proposta pelo Ocidente) eles também deram voz e premiação a um cineasta gay do Paquistão, uma forma de humilhar os muçulmanos, então eles não respeitam os “diferentes”.

MENSAGEM FINAL "SUBLIMINAR"

"Nós, aqui presentes nesta festa do Oscar,  somos os legais, bonitos e bacanas do mundo... o que fazemos e pensamos é o certo, sigam-nos!"

Falou-se muito em todos devem ter voz... todos os “diferentes” são normais... todos merecem respeito... menos Putin, os russos, os muçulmanos e Trump – O inimigo nº 1 de Hollywood.

SIM!  Toda indústria do entretenimento está contra o TRUMP pois tudo indica que ele esta ajudando a derrubar a “cabala” a dona da mídia, do entretenimento, do Oscar e de toda a tralha televisiva que está “controlando” a humanidade.

Li na internet que foi o Oscar de menor audiência da historia!

Jomarion  - Blog "Jomarion na Web"

YouTube censura e tira do ar Alex Jones, facilitador e gerente do "Infowars"

*Jomarion... Começa a perseguição aos sites, blogs e canais de divulgação e denúncias sobre as ações execráveis da cabala das trevas... o canal aqui tratado (Alex Jones) é o maior canal dos EUA de noticias verdadeiras e conspirações comprovadas... O Google, agora dono do mundo, está passando pente fino na internet com a desculpa de eliminar “fakes news” e dizer ao povo que só acreditem no que a “Mídia Má Oficial”, a serviço de satanistas, divulgue. Resistir é preciso.*

"Se eles fecharam meu canal, também vão fechar a Internet" desabafou o youtuber.

O canal de Alex Jones no Youtube, o “Infowars”com  2,2 milhões de assinantes foi removido pela plataforma de vídeo Google-owned.

A razão?

Um vídeo em que o anfitrião e gerente de Infowars acusou David Hogg (um dos sobreviventes do tiroteio no Parkland High School em Florida) de ser um ator pago pela CNN e do lobby anti-gun.

Um vídeo visto mais de 200 000 vezes e colocado em primeiro lugar na lista de conteúdos "tendências" do YouTube.

Estes números são certamente o sonho do pequeno animador da “France Inter” Ali Baddou que gentilmente tenta transcrever o caso. Ele trouxe os 33 videos censurados para seu instagram.

Vejam os comentários abaixo:

Tradução: (4 de Março 2018) A rede de noticias de Alex Jones, com milhares de pontos de vista foi "congelado/cancelado/apagado" do Youtube. Fomos informados de que ele será removido amanhã e os 33.000 de vídeo (de denuncias) serão apagados. Acabamos de criar esta nova página se você quiser ver o que o SPLC quer censurar. O novo Canal Youtube para Infowars:  https://www.youtube.com/channel/UCiQFltbX16rtIk10eDP7tsQ

Fonte:  https://blogs.mediapart.fr

LINK: https://alalumieredunouveaumonde.blogspot.com.br/2018/03/youtube-vient-de-supprimer-la-chaine-de.html

O Retorno dos Templários

“Templários retornam ao Santuário Interno do Monoteísmo, após um hiato de 711 anos”

Benjamin Fulford – 26 de fevereiro de 2018

Pela primeira vez, desde a Sexta-feira de 13 de Outubro de 1307, os Cavaleiros Templários foram convidados a regressar ao santuário do monoteísmo, de acordo com as fontes da Loja Maçônica P2 e Templários.

Desse modo, uma injustiça de 711 anos de idade, que deu origem à superstição da má sorte relacionada á sexta-feira 13, finalmente, está sendo abordada.

Este, é apenas outro sinal de que estamos experimentando eventos que só podem ser descritos como bíblicos. Lembrem-se de que, em Fevereiro de 2016, as igrejas Romana e Russa terminaram com seu cisma de mil anos.

Será que os cismas Muçulmanos, Judeus e Cristãos estarão no final?  Talvez venhamos a descobrir em breve.
De qualquer forma, agora os Templários irão se fundir com os Cavaleiros de Malta e, isso, "proporcionará acesso dos Templários ao próprio Vaticano", de acordo com Andrew Heim, da Ordem Soberana Militar do Templo de Jerusalém, também conhecido como Templários.

Além disso, os Templários receberão "acesso ao Santuário Interior das religiões abrahâmicas, no Vaticano e à Terra Santa.

Além disso, esta fusão incluirá o acesso ao controvertido “Priorado de Sião” popularizado pela novela/filme de Dan Brown, O Código Da Vinci...”, diz Heim.
Este evento, é apenas o último sinal de uma mudança radical de direção da Civilização Ocidental para longe da guerra e para a paz e o desenvolvimento, de acordo com essas fontes.

Se tudo correr bem, em breve, trilhões de dólares estarão disponíveis, tanto para pagar a dívida do governo dos EUA, quanto para o setor privado, bem como financiar uma massiva campanha para acabar com a pobreza, deter a destruição ambiental e transformar o planeta Terra no paraíso que deve ser, dizem as fontes.

Agora, Isso é falado em público pelos líderes Ocidentais e relatado na mídia corporativa. Lembre-se de que leram isso, aqui primeiro.
https://www.cnbc.com/2018/02/18/us-japan-india-australia-mull-alternative-to-chinas-belt-and-road.html
A Aliança da Terra, que luta para libertar a Humanidade da escravidão da dívida babilônica, também, está vencendo em múltiplas frentes (morte, desaparecimento ou perda de poder de altos membros satânicos cabalistas) em ritmo acelerado.

Por exemplo, fontes da CIA, agora, estão confirmando que Jacob Rothschild foi morto num ataque suicida contra seu helicóptero, em Novembro do ano passado.

e isso for verdade, ele se junta a David Rockefeller, Zbigniew Brzezinski, George Soros e muitos outros líderes do antigo regime em colapso.

Um dos principais satanistas que ainda está no poder, Benyamin Netanyahu, de Israel, está sendo indiciado em múltiplas acusações de corrupção e provavelmente será morto antes que possa testemunhar sobre múltiplos crimes de guerra, como o assassinato em massa no ataque de Fukushima, no Japão.
Com a maioria dos principais cabalistas fora de ação, os níveis mais baixos estão sendo visados. 

É por isso que o magnata de cassinos, Steve Wynn (Weinberg) foi forçado a renunciar, aparentemente por razões de assédio sexual, observa o Pentágono.

Agora, o bilionário Mark Cuban, dono do Dallas Mavericks, “foi exposto por permitir uma cultura misógina corrosiva, podendo ser suspenso e expulso da NBA por vender sua equipe”, dizem as fontes.

Outro senador da cabala, em dificuldades, é a senadora Dianne Feinstein da Califórnia, que não conseguiu obter um aval de seu próprio partido para concorrer à reeleição. 
Fontes do Pentágono e da Loja Maçônica P2, entre outras, dizem que
a remoção dos líderes de primeiro e segundo escalão da cabala, coincide com a crescente evidência de que algum tipo de guerra espacial secreta está sendo travada para libertar este planeta.  Por exemplo, fontes do Pentágono estão dizendo que a “frota espacial da cabala foi destruída em Nevada”.

Um vídeo que, aparentemente, mostra parte desta destruição relatada pode ser assistido aqui: 
https://www.youtube.com/watch?v=PBoRY8BZlco

Além disso, uma base de submarinos em Papua, Nova Guiné foi destruída por armas de energia e, assim, “impediu a configuração da caldeira de Yellowstone”, dizem as fontes.  Esta foi a base, a partir da qual, o ataque nuclear e tsunami de 11 de Março de 2011 foi perpetrado contra o Japão. Um olhar sobre o epicentro do terremoto, nas coordenadas: 6,08 S e 142,70 E, no Google Earth, revela alguns objetos bastante estranhos.

Também, o Reino Unido, que não é conhecido por terremotos, nos últimos 50 dias, experimentou 21 terremotos, onde os sismógrafos apresentam importantes sinais de terremotos artificiais. Fontes do Pentágono dizem que os terremotos foram causados ​​pela destruição em andamento de bases subterrâneas da cabala, no País de Gales e na Irlanda.
https://www.express.co.uk/news/uk/923237/uk-earthquakes-twenty-one-fifty-days-british-geological-survey

Além disso, as autoridades do Serviço de Inteligência Secreta do Canadá dizem que as postagens anônimas de “Q”, agora, sendo vista por 20 milhões de pessoas, fazem parte de uma batalha de inteligência militar contra o estado profundo e diz que o presidente dos EUA, Donald Trump, está se preparando para divulgar o programa espacial secreto. Os artigos nesses links são compatíveis com o que pode ser viso nestes  links.
https://exopolitics.org/president-trump-validates-qanon-how-will-ufo-ssp-disclosure-happen/
https://qanonposts.com/


De volta aqui para a Terra, o último evento de tiroteio em massa, encenado pela cabala nos EUA (Texas) está se transformando num grande desastre para a cabala e seus meios de propaganda, na medida em que a história se desenrola, apesar das tentativas desesperadas da CNN e do Google de censurarem a verdade sobre os atores de crise.

“O ataque de falsa bandeira, na escola predominantemente judaica de Parkland, cujas vítimas, por sinal, não existem, de acordo com registros públicos, foi outra tentativa para o recolhimento das armas dos cidadãos americanos”, de acordo com uma Fonte Judia da CIA.  A fonte explica que não conseguiram encontrar nenhuma certidão de nascimento das supostas vítimas.

“A distração contra o porte de armas por civis retrocedeu, na medida em que corporações como MetLife, Chubb, United Airlines, Delta Airlines e Hertz tentaram esvaziar a  National Rifle Association - NRA , depois do tiroteio de Parkland, podem enfrentar maciços boicotes de proprietários de armas e veteranos militares não NRA, enquanto a NRA ganha, ainda, mais membros“, acrescentam fontes do Pentágono.

Além disso, “num confronto à frívola legislação israelense, o Supremo Tribunal dos EUA, reunido em Rubin, contra o Irã, decidiu por 8 a 0 que as vítimas judias de um atentado suicida em Jerusalém, em 1997, não podem apresentar provas contra o Irã, aproveitando-se de seus artefatos de museu em Chicago”, aponta.


Na guerra financeira, a cabala, também, está perdendo em muitas frentes. A última jogada contra ela, foi a emissão de uma criptomoeda, apoiada por petróleo, pela Venezuela, que já arrecadou US $ 735 milhões para esse país no primeiro dia de pré-venda. “Deve ter sido uma jogada muito inteligente de Maduro, uma vez que está deixando o estado profundo muito nervoso”, apontou uma fonte da CIA.
https://sputniknews.com/world/201802261061987516-menendez-usvenvenuela-petro/


Rússia e Turquia, também, estão se preparando para emitirem criptomoedas, como forma de neutralizar as sanções dos EUA, apontou uma fonte da CIA.  A ASEAN, também está se mudando para nacionalizar os bancos centrais pertencentes a cabala.

A china está iniciando operações de futuros de petróleo com yuan apoiado por ouro, logo em breve o Japão, Israel e parte dos EUA ficarão fora de qualquer forma de controle financeiro da cabala.
Nos EUA, o governo militar continuará batalhando contra a cabala, até que ela seja totalmente derrotada, prometem fontes do Pentágono.

Quando presenciarmos ao anúncio e realização de um jubileu, saberemos que o povo americano finalmente será libertado.  No entanto, agora mesmo, 77 milhões de americanos estão sendo perseguidos por cobradores de dívidas privadas, e sendo colocados em prisões privadas por dívidas tão pequenas quanto  US $ 28, de acordo com a American Civil Liberties Union.

Por que esses cobradores de dívidas não estão presos?  Por que os escravos aprisionados na  rede privada de prisões não estão sendo libertados?
https://www.veteranstoday.com/2018/02/21/thousands-of-americans-jailed-for-debts-chased-by-private-collectors/

Numa nota final, nesta semana, podemos informar que a Sociedade Dragão Branco (SDB) está envolvida em negociações de alto nível com o complexo industrial- militar dos EUA, os Maçons da P2, as sociedades secretas asiáticas, os russos e outros para prepararem o planeta para libertação final do jugo cabala.

Embora, no momento, haja muita coisa que não possamos tornar público, podemos dizer que trilhões de dólares serão disponibilizados para os países Ocidentais para resolverem seus problemas.

Também podemos dizer que não haverá uma moeda mundial única e que não haverá nenhum governo mundial fascista. No entanto, a SDB foi informada de que, sem que a Humanidade alcance a paz mundial, a quarentena no planeta Terra não será levantada.

É por isso que é importante para todo o planeta que a reunificação coreana seja alcançada, acontecendo o mesmo com o conflito israelense/palestino.
Se jogarmos nossas cartas direito, o que irá se desenrolar no próximo ano ou coisa assim, será algo sobre o qual os historiadores irão escrever por milhares de anos.

Temos uma chance muito real de acabar com milhares de anos de escravidão humana e começar uma nova era.

Autor: Benjamin Fulford 

Fonte:  https://www.sementesdasestrelas.com.br/2018/02/benjamin-fulford-26-de-fevereiro-de.html

O   P R O C E S S O

Documentário sobre impeachment de Dilma fica em 3º lugar na premiação do público no Festival de Berlim

Filme 'O Processo', que foi ovacionado durante suas exibições na capital alemã, deve estrear no Brasil em junho; país também foi premiado em outras categorias. O filme sobre o impeachment de Dilma foi um dos favoritos do público em Berlim.

O documentário 'O Processo', da cineasta Maria Augusta Ramos, ficou em terceiro lugar neste sábado (24/02) no prêmio do público na Berlinale, o festival de cinema de Berlim. O filme trata do processo de impeachment da presidente Dilma Rousseff e foi ovacionado durante suas exibições no evento.

Em entrevista à Deutsche Welle, Ramos disse não se considerar ativista, mas, sim, uma cineasta. “O processo do impeachment foi muito confuso, muito caótico. Muitos elementos não vieram à tona, ou foram suprimidos para que não viessem à tona, para que não elucidassem as razões da acusação e das denúncias contra a presidente. Para mim era importante retratar essa dinâmica em toda a sua complexidade, possibilitar que essas outras narrativas também viessem à tona. Era importante dar outros elementos ao público, para que ele pudesse refletir sobre esse momento histórico”, disse.

“Acho que um filme, um documentário, não pode ser só a minha visão como ser social e político. Eu não faço filmes para defender uma tese. Se eu soubesse o que dizer, eu diria em duas linhas. Um filme tem que retratar um momento, retratar os argumentos de ambos”, afirmou.

O filme tem previsão de estreia no Brasil em junho.

Fonte: https://operamundi.uol.com.br/conteudo/geral/48924/documentario+sobre+impeachment+de+dilma+fica+em+3+lugar+na+premiacao+do+publico+no+festival+de+berlim.shtml

"Não sou ativista", diz diretora de documentário sobre impeachment

Maria Augusta Ramos

O documentário O processo, sobre o impeachment da ex-presidenta Dilma Rousseff, teve sessões lotadas seguidas de aplausos e gritos de "Fora, Temer" desde que estreou, na quarta-feira 21, no Festival de Cinema de Berlim.  

O filme da documentarista Maria Augusta Ramos foi feito com base em mais de 400 horas de material e tem 137 minutos, sem narração nem entrevistas. Ele retrata a tramitação do processo no Senado – a votação na Câmara é o prólogo – e os bastidores da defesa da ex-presidente.

Em entrevista à DW, a cineasta comenta o processo de produção e a recepção do filme, que concorre na mostra Panorama da Berlinale, um dos mais importantes festivais de cinema do mundo.

DW: Você já possui um histórico de produções sobre o sistema judiciário brasileiro (Justiça, Juízo e Morro dos Prazeres). Como veio a decisão de filmar esse momento político?
Maria Augusta Ramos: Primeiro, porque esse momento político é um momento fundamental na história do Brasil. É um momento cujas consequências ainda viveremos por muitos anos. Em segundo lugar, porque eu faço filmes sobre realidades, personagens ou situações que me inspiram e me dão tanto angústia, quanto uma necessidade de compreensão. Eu faço filmes para compreender melhor uma situação e me interessa ver e refletir sobre a sociedade através do sistema judiciário, principalmente o teatro da justiça. O impeachment foi um processo, sim, politico, mas político-jurídico. E a proposta era justamente documentar e refletir sobre esse momento histórico através desse teatro da justiça, através desse processo político-jurídico.

DW:E como O processo pretende ajudar na compreensão deste momento histórico?
MAR: O processo do impeachment foi muito confuso, muito caótico. Muitos elementos não vieram à tona, ou foram suprimidos para que não viessem à tona, para que não elucidassem as razões da acusação e das denúncias contra a presidente. Para mim era importante retratar essa dinâmica em toda a sua complexidade, possibilitar que essas outras narrativas também viessem à tona. Era importante dar outros elementos ao público, para que ele pudesse refletir sobre esse momento histórico. Eu acho que um filme, um documentário, não pode ser só a minha visão como ser social e político. Eu não faço filmes para defender uma tese. Se eu soubesse o que dizer, eu diria em duas linhas. Um filme tem que retratar um momento, retratar os argumentos de ambos.

DW: Mas O processo se concentra na perspectiva da defesa.
Não é que seja a perspectiva da defesa: eu acompanho muito mais os bastidores da defesa porque a defesa me deu esse acesso. Eu tive acesso a reuniões da liderança da esquerda, da minoria que era contra o impeachment. A oposição não me deu esse acesso. Se tivesse dado, eu certamente teria filmado mais. Mas eu acho que era importante, sim, apresentar o argumento da direita, o argumento pró-impeachment. Para expor isso, eu escolhi, por exemplo, o senador
Cássio Cunha Lima, que tem uma lógica de argumentação inteligente, ou que, pelo menos, faz sentido. Também, a advogada Janaína Paschoal, que, independentemente de você concordar ou discordar dela, teve um papel essencial no impeachment. Essas pessoas são ouvidas e contempladas no filme, mas, sem dúvida, eu tive muito mais acesso à perspectiva da esquerda.

DW: E esse acesso foi pleno?
Eu tive um acesso muito bom ao Senado e à defesa. Em poucas exceções foi pedido que a nossa equipe se retirasse. Eu fui a muitas e muitas reuniões, tive praticamente cem por cento de acesso. Claro que nunca é cem por cento, mas também não acho que isso tenha afetado o filme. É importante dizer que eu tive independência total. Em nenhum momento precisei pedir autorização para terminar o filme. O filme foi exibido depois de pronto.

DW: A ausência de narração ou entrevistas é característica de seus filmes, e com O processo não é diferente. Isso pode ser entendido como uma forma de buscar neutralidade?
Eu não acredito em neutralidade, acho que um filme é uma visão de mundo. Meu filme é o meu statement, é a interpretação da minha experiência cinematográfica vivendo e filmando tudo o que aconteceu – filmando e editando. Mas eu também não estou aqui para explicar, especialmente numa situação tão complexa quanto essa. O que eu quero é possibilitar questionamentos. Me interessa documentar a sociedade em que vivemos através da interação entre as pessoas, através dos gestos, dos discursos, muito mais do que alguém falando para mim o que ele acha de si mesmo. Eu acho que um filme tem que mostrar para aquela pessoa elementos dela mesma que talvez nem ela conheça. A câmera é capaz de ver coisas que nós jamais veríamos. Acho que essa é a capacidade infinita da câmera, do cinema que eu tento fazer.

DW: A estreia no festival foi precedida por uma pequena manifestação pró-Lula e Dilma, com cerca de 20 pessoas, próximo ao Palácio da Berlinale, e seguida de gritos de "Fora, Temer" na sala de cinema. Como você vê a recepção do filme em Berlim?
A recepção é maravilhosa, o filme foi aplaudido de pé. As pessoas se comovem porque é algo ainda muito próximo. Nós não sabemos para onde isso vai, e isso é angustiante e doloroso. Quanto ao protesto, eu acho que as pessoas têm direito de expressar a sua preocupação em relação ao que está acontecendo, mas eu não fui ao protesto e ele também não foi organizado por mim. Eu não sou ativista, eu sou diretora de cinema. E o meu statement é o filme. Essa é a minha contribuição para esse momento que estamos vivendo.

https://www.cartacapital.com.br/cultura/nao-sou-ativista-diz-diretora-de-documentario-sobre-impeachment

A Professorinha Armada

Trump propõe liberar fundos para armar e treinar 1 milhão de professores

Medida pretende dissuadir novos atentados, como o que ocorreu na Flórida, na última semana; proposta consiste em criação de bônus para professores que queiram se armar

A Casa Branca sugeriu nesta quinta-feira (22/02) a possibilidade de liberar fundos para treinar e armar até 1 milhão de professores. A medida, segundo o governo norte-americano, serviria para dissuadir novos massacres, como o que ocorreu em uma escola da Florida na última semana.

Durante uma reunião com jornalistas, o presidente Donald Trump defendeu a criação de um “bônus” que seria concedido para a parcela de professores que esteja disposta a participar de um treinamento e “que entendam de armamento”.

Segundo Trump, “10,20,40%” dos professores podem ser qualificados para receber o adicional, especialmente caso sejam militares aposentados. “Eu quero minhas escolas protegidas assim como quero meus bancos protegidos”, afirmou o presidente.

De acordo com o jornal britânico The Guardian, jornalistas perguntaram à Casa Branca sobre os impactos da aplicação desta medida caso o valor do adicional fosse de, por exemplo, mil dólares por professor – gasto que seria traduzido em 1 bilhão de dólares, caso 40% dos professores passassem a receber o adicional.