Glândula  Pineal

Melhore seu Bem-Estar Espiritual, Mental e Físico Desintoxicando sua Glândula Pineal

Uma pequena glândula no centro do cérebro chamada pineal pode parecer insignificante, mas os pesquisadores descobriram que ela é vital para a saúde física, mental e, muitos acreditam, espiritual.

Por conta de dietas pobres, exposição a toxinas, estresse e a escolha de estilo de vida moderno, a glândula pineal se torna endurecida, calcificada e desligada.

Para despertar esta glândula do sono, a desintoxicação é necessária mudando a dieta, utilizando ervas, além da luz solar e água pura.

Uma importante glândula do tamanho de uma ervilha

Em forma de pinha, do tamanho de uma ervilha e descansando no centro do cérebro, a glândula pineal é pequena, mas poderosa. Ele secreta a melatonina, a qual regula os ciclos de sono/vigília, e a serotonina, um neurotransmissor que promove estados mentais felizes e equilibrados.

Não só crucial para uma boa noite de descanso, a melatonina também retarda o envelhecimento e é um potente antioxidante. Ela também ajuda a proteger contra a poluição eletromagnética. Além disso, os indivíduos relataram sentimentos elevados de empatia enquanto suplementavam com melatonina - levando a relações interpessoais mais harmoniosas.

Os cientistas suspeitam que a dimetiltriptamina (DMT) também é produzida pela glândula pineal.  O Dr. Rick Strassman, autor de “DMT, The Spirit Molecule”, acredita que a glândula pineal produz DMT durante as experiências místicas, assim como no nascimento e na morte. A DMT também está associada a sonhos lúcidos, pico de experiências, criatividade e capacidade de visualizar.

Por que a glândula pineal se torna lenta

Como resultado do processo de envelhecimento e exposição a toxinas, a glândula pineal começa a se calcificar. O flúor é o inimigo número um da glândula pineal saudável. Esta toxina está à espreita no abastecimento de água, alimentos cultivados convencionalmente e pasta de dentes.

Os hormônios alimentares, mercúrio, alimentos processados, cafeína, tabaco, álcool e açúcares refinados também causam calcificação. Campos de radiação, como aqueles encontrados com telefones celulares e redes wi-fi, também são prejudiciais. Evitar estes perigos é o passo preliminar para curar esta glândula. O segundo plano de ação envolve a remoção da calcificação existente.

Como reviver a função ideal

De acordo com o site Decalcify Pineal Glland, os seguintes alimentos e suplementos são úteis para desintoxicar a glândula pineal e restaurar a vitalidade:

  • Óleo de peixe

  • Água destilada

  • Chocolate cru

  • Ácido cítrico

  • Alho              

  • Vinagre de maçã 

  • Óleo de orégano

  • Vitamina K1 / K2Boro

  • Melatonina

  • Iodo

  • tamarindo

A luz solar também é considerada 'alimento' para a glândula pineal. Pelo menos 10 minutos de exposição ao sol são recomendados todos os dias. Práticas de respiração, meditação, cantos e pranayama também são benéficos para a glândula pineal. 

Referencias:

Miracles and Inspiration: The Pineal Gland – The Bridge to Divine Consciousness

Thought CO: Learn About the Function of the Pineal Gland

Food for Consciousness: reactivating the pineal gland

Botanical Spirit Shop: Psychotria viridis - Chacruna

Natural News: How to Detox Fluorides from Your Body

Decalfy Pineal Gland: How to cleanse your pineal gland? How to detoxify your pineal gland?

Waking Times: HOW TO DECALCIFY AND DETOXIFY THE PINEAL GLAND

Wake up the World: A Fluoride-Free Pineal Gland is More Important than Ever

Legacy: Professor talks DMT research, its effects on you — and possibly your faith

Safe Space: Wi-Fi Routers

Yoga Journal: Understand the Exhale During Pranayama

Fontes:   

Notícias Naturais: Melhore seu Bem-Estar Espiritual, Mental e Físico Desintoxicando sua Glândula Pineal

Natural News: Enhance spiritual, mental and physical well-being with a pineal gland detox

https://www.anovaordemmundial.com/2018/05/melhore-seu-bem-estar-espiritual-mental-e-fisico-desintoxicando-sua-glandula-pineal.html

Surto de Toxoplasmose em Santa Maria

Doença grave que atinge aqueles que insistem em “comer carne” e criar animais para alimentação...

O surto de toxoplasmose em Santa Maria faz com que os serviços de saúde do Município alertem para os principais cuidados para evitar a doença.
O Médico Veterinário e Sanitarista que atua na rede municipal e na 10ª Coordenadoria de Saúde, Paulo Renato Gonçalves, coloca que se deve evitar mexer em terra sem luvas ou em lixo, porque ali pode estar o protozoário que transmite a doença.
O gato é o reservatório e transmite, através das fezes, ao meio ambiente.

Outra questão fundamental, diz o Veterinário, para evitar não só a toxoplasmose como outras doenças é lavar bem frutas verduras (preferencia deixa em imersão por 15 minutos em água com limão ou vinagre). E ainda não comer carne mal passada.

Gonçalves alerta  que no caso de Santa Maria, não descarta uma infiltração em canos de água, rachados, próximo a acúmulo de lixo.

Ele foi enfático ao dizer que não se deve matar os animais e sim tratá-los com vermífugo. E acredita que se dever ter um programa de castração de gatos como tem para cães, para evitar a proliferação de animais de rua, os mais suscetíveis a ter doenças, principalmente os filhotes.

Sobre a Doença

Toxoplasmose é causada por um cisto do tipo Toxoplasma gondii, um dos parasitas mais comuns do mundo. Ela pode ser adquirida por meio da ingestão de alimentos contaminados – em especial carne crua ou mal passada, principalmente de porco e de carneiro – e vegetais que abriguem os cistos do Toxoplasma após terem tido contato com as fezes de animais hospedeiros.

Esses cistos podem infectar quase todas as partes do organismo humano, incluindo cérebro, músculos e até mesmo o coração. No entanto, se a pessoa for saudável de um modo geral, o sistema imunológico a defenderá bem contra as ações do parasita, mantendo-o inativo dentro do organismo e impedindo, assim, que a pessoa volte a ser infectada novamente por ele.
Mas se a resistência não for tão boa, principalmente se o paciente tiver alguma doença que comprometa o sistema imunológico, a infecção pode ser reativada e causar sérias complicações.

A toxoplasmose não é contagiosa entre humanos – ou seja, ela não pode ser transmitida de pessoa para pessoa. No entanto, as fezes de gatos e outros felinos e a ingestão de alimentos contaminados não são a única porta de entrada para o parasita. Humanos também podem adquirir a doença em outras situações, como:

  • Usando facas e outros utensílios de cozinha contaminados
  • Comer frutas e vegetais mal lavados
  • Transfusões de sangue ou transplantes de órgãos

A doença também pode ser congênita. Neste caso, ela é transmitida da mãe infectada para o bebê por meio da placenta. Se a mulher foi diagnosticada com a doença um pouco antes ou durante a gestação, as chances de ela passar a inflamação para o filho são de 30%, em média.

Fatores de risco
Qualquer pessoa pode ser infectada pelo parasita da toxoplasmose, mas alguns fatores de risco aumentam os riscos de contaminação, confira:

Aids/HIV: com o sistema imunológico debilitado, a pessoa torna-se mais vulnerável à ação do protozoário
Quimioterapia: estar sob tratamento de quimioterapia também afeta a resistência do organismo
Medicamentos: alguns deles também podem causar prejuízos ao sistema imunológico
Gravidez: se a mulher tiver sido diagnosticada com toxoplasmose, um tratamento específico pode reduzir as chances do bebê nascer com a doença

Em função do surto de toxoplasmose, a principal preocupação dos órgãos de saúde e médicos é, em especial, as gestantes. Durante o pré-natal, o obstetra solicita algumas sorologias (exame de sangue que mostra quais são as principais infecções que a gestante já teve) para avaliar seu estado imunológico. Diversas infecções são de elevada importância na gravidez devido ao risco de transmissão para o feto, entre elas, a toxoplasmose.

Autor: Dra. Manoela Z. Bruscatto

Fonte:  https://verdademundial.com.br/2018/04/surto-de-toxoplasmose-em-santa-maria/

Disruptores Endócrinos

Armas de Feminização em Massa

*Jomarion... quando me deparei com esta materia fiquei muito feliz pois tenho alertado em meu blog a respeito deste problema mundial... feminizar a população é uma das agendas da elite global escura. O assunto é pouco falado porque as  vitimas deste descalabro – milhões de meninos, meninas, homens e mulheres - não querem discutir este problema, pois acreditam que não é um problema e que é normal ser transgênero ou homossexual... estas pessoas se tornam agressivas e prontas para chamar os “outros” de homofóbicos. A mídia má, a voz da cabala, se empenha em convencer as pessoas  que isto é normal e glamourizam o “gayzismo”. O problema atinge mais a população masculina, que carrega um “defeito genético” desde a época de Noé que predispõem o homem ao homosexualismo. Este delicado assunto tem quer tratado com urgência pois os efeitos da feminização são óbvios e a intenção é sinistra:  incentivar sexo gay e sexo com crianças e desvincular sexo do amor, casamento e família. A elite quer reduzir a população do gado humano a qualquer custo. A cabala que nos controla é composta de pessoas muito inteligentes, que conhecem os “motivos das coisas” e nos tratam como idiotas e imbecis. Reagir é preciso! Do lado de cá também somos muito inteligentes!*
 
Se você já se perguntou para onde foram todos os machos alfa, a interação entre a química e a biologia pode oferecer uma pista.  Produtos químicos de alteração de género estão por toda parte, e literalmente é impossível evitá-los.  Eles atuam como disruptores endócrinos (DEs) que bloqueiam, diminuem ou estimulam excessivamente os hormônios.
 
(Jomarion... o derrame de  estrogenio feminiza o homem – aumenta o gayzismo -  e  exacerba a sexualidade feminina – aumenta a prostituição e a pedofilia,  despertando as meninas antes do tempo...  ambos levam a “vicio em sexo” alimentando comercio e exploração sexual de meninas e meninos. Isto já está acontecendo bem na frente de nossos olhos. Porque nos calamos? Porque a midia e os formadores de opinião e comportamento nos forçam a isto através de propaganda, novelas e super-exposição de gays e lesbicas na midia, sempre glamourizados, mas na verdade precisamos conscientiza-los de que são vítimas de envenenamento intencional).
 
Os DEs imitam o estrogênio, baixam os níveis de testosterona e impedem que hormonios masculinos façam o seu trabalho, fazendo com que homens exibam traços mais femininos.
Os desequilíbrios hormonais resultantes podem estar na raiz das tendências mundiais perturbadoras para os homens que incluem:  a puberdade atrasada, a queda da contagem de esperma, a diminuição do tamanho dos genitais, menos meninos nascem e muitos com numerosas deformidades genitais.
Nota-se também um aumento na fluidez dos géneros à medida que os meninos ficam cada vez mais feminizados.
 
Um efeito similar é visto por todo o planeta na vida selvagem, com relatos de aumento de anfíbios hermafroditas, peixes machos a desenvolverem ovos nos seus testículos e a completa mudança de sexo em espécies com exposição a DEs.
Governos e industrias (corporações) têm utilizado armas de feminização em massa por todo o planeta Terra, envolvendo todos os seus habitantes numa experiência perigosa e descontrolada cujos resultados apontam para um futuro distópico que fará com que o filme “Soylent Green” pareça um cenário aprazível.

O Instituto Nacional de Ciências da Saúde Ambiental tem o seguinte a dizer sobre os DEs:

endocrine-disruptor-greenmedinfo

Os disruptores endócrinos são químicos que podem interferir no sistema endócrino do corpo e produzir efeitos adversos ao nível do desenvolvimento, reprodução, neurologia e sistema imunitário tanto em humanos como na vida selvagem.

Uma gama variada de substâncias, tanto naturais como artificiais, acredita-se serem a causa da disrupção endócrina, incluído fármacos, dioxinas e compostos semelhantes a dioxinas, bi-fenil policlorados (PCBs), DDT e outros pesticidas, e plastificantes como o bisfenol A (BPA).

Os disruptores endócrinos podem ser encontrados em muitos produtos de uso diário – incluindo garrafas de plástico, latas de metal para armazenamento de alimentos, retardantes, comida, brinquedos, cosméticos e pesticidas.

A experimentação em massa com hormonas começou no início do século XX, mas o termo “disruptor endócrino” só foi cunhado em 1993:

O Diethylstilbestrol (DES), um estrogénio sintético, é o cabeça de cartaz para os efeitos dos DEs. No início, ele foi usado para baixar os níveis de testosterona em criminosos sexuais condenados, uma forma de castração química.

Médicos prescreveram DES a um número estimado de 10 milhões de mulheres grávidas entre os anos 1938 e 1971.  Ele imita fortemente o estrogênio e foi pensado para evitar abortos e outros problemas de gravidez. Em 1947, a FDA aprovou-o para uso na gravidez, mas, pesquisas publicadas em 1953 descobriram que o DES não impediu abortos ou partos prematuros, mas mesmo assim os médicos continuaram a prescrevê-lo.

Em 1971, a FDA emitiu um Boletim de Medicamentos instruindo os médicos a pararem de prescrever DES porque descobriu-se que causava tumores vaginais raros em meninas e adolescentes.

Os “filhos da DES” são mais propensos a terem cistos testiculares, veias varicosas, infecções e inflamações, criptorquidismo (testículos pequenos ou que não descem), microfalo (pênis pequeno), hipospadias (pênis malformado), infertilidade e maior prevalência de homossexualidade, disforia de género, condições intersexuais e identidade de homem a mulher transsexual ou transgénero.

Os ftalatos são anti-androgénios, químicos de alteração de género encontrados em recipientes de plástico usados em quase todas as categorias de produtos de consumo, incluindo alimentos, produtos de higiene pessoal, cosméticos, perfumes e produtos de limpeza domésticos.

Eles suavizam o plástico, tornam-no flexível e inquebrável, ajudam-no a durar mais tempo, e podem adicionar transparência. Para além das garrafas de plástico que são vendidas, medicamentos e suplementos nutricionais muitas vezes contêm ftalatos no próprio produto em si, como ligantes, emulsionantes, gelificantes, estabilizantes, lubrificantes e dispersantes.

Os recém-nascidos suecos expostos, em regime pré-natal, aos ftalatos apresentaram uma distância menor entre o ânus e a genitália (um marcador importante da toxicidade reprodutiva em animais). Outros estudos confirmaram um aumento da incidência de testículos não descendidos e outros defeitos de nascimento genitais além de função testicular anormal, incluindo uma incidência superior à média de infertilidade, em homens adultos.

Os ftalatos estão associados a mudanças no comportamento específico do género, como os machos expostos ao contaminante que preferem brincar com “brinquedos típicos de menina”. Os fabricantes de ftalatos apoiam a segurança dos seus produtos e contestam as conclusões científicas sobre toxicidade.

Drogas muito frequentes contém os disruptores. Alteradores de género não são apenas produtos químicos furtivos com nomes desconhecidos que você não consegue sequer pronunciar. O paracetamol, o mais popular analgésico que não requer prescrição nos EUA, a aspirina e a indometacina foram associados a múltiplos distúrbios hormonais em testes laboratoriais de testículos adultos.

Dado que a prescrição de medicamentos que não têm aspirina e anti-inflamatórios não-esteróides agora possuem uma caixa preta de aviso para doenças cardiovasculares e as suas versões de venda direta contêm semelhantes linguagens com impacto nos seus rótulos, os analgésicos como uma categoria podem gerar mais riscos do que benefícios.

As estatinas de redução do colesterol, amplamente utilizadas para prevenirem doenças cardíacas, estão associadas à disfunção erétil, hipogonadismo (volume testicular reduzido), ginecomastia, baixa testosterona e motilidade espermática reduzida.

As pílulas anticoncepcionais são outro feminizante que pode passar através do tratamento de águas residuais e acabar em abastecimentos de água municipais e água da torneira potável. Foi demonstrado que a exposição a pílulas anticoncepcionais feminiza os peixes e afecta a reprodução, mas os efeitos da exposição humana através da água da torneira não são conhecidos.

O TRICLOSAN é um  DE antibacteriano e antifúngico ED banido do sabão anti-séptico para consumidores pela FDA em 2016. Curiosamente, a FDA não concluiu que o triclosan fosse inseguro ou ineficaz, apenas que não estava suficientemente estudado pelos fabricantes para permitir as suas reivindicações dos produtos. Ao Colgate Total, um creme dental contendo fluoreto e triclosan, foi dada carta branca porque o fabricante convenceu a FDA que os benefícios do triclosan superam os seus riscos de inflamação das gengivas e da placa dental, com base em estudos realizados pela empresa.

Os observadores ficaram confusos com a decisão da FDA pois o triclosan é rapidamente absorvido pelas gengivas, em particular as inflamadas, na corrente sanguínea. Estudos científicos não patrocinados pela indústria do triclosan descobriram que ele tem actividade anti-andrógena e pro-estrogénio, e afetar negativamente o desenvolvimento masculino, a reprodução, o movimento, a concentração e contagem de espermatozoides.

O Triclosan pode interagir com cloro livre da água da torneira não filtrada para criar outras toxinas potencialmente nocivas.

O BISFENOL (BPA) é um alterador de género encontrado em mais de 90% da população.

O BPA é um contaminante encontrado em recibos de caixa eletronico, mas a via mais comum de exposição é através da dieta, porque o BPA transfere-se dos recipientes de plástico, metal e embalagens para os alimentos e bebidas.

O BPA actua para aumentar o estrogénio e tem sido associado a níveis baixos de testosterona, disfunção erétil, redução da libido e crescimento mamário (ginecomastia) em homens. A exposição pré-natal está associada à feminização de fetos do sexo masculino, retração testicular, aumento da próstata e contagem e movimento anormal de espermatozoides, o que afecta a fertilidade futura.

Estudos sugerem que os efeitos adversos à saúde decorrentes da exposição ao BPA ocorrem em níveis inferiores ao padrão aprovado pela FDA. As alternativas de embalagens sem BPA estruturalmente semelhantes, como o BPS, não devem ser consideradas mais seguras do que a BPA nos seus efeitos sobre a saúde.

O ATRAZINE é um herbicida proibido na Europa desde 2004 mas ainda é amplamente utilizado em todos os EUA para combater as ervas daninhas em relvados residenciais, campos de golfe e pinhais de árvores de Natal. Ele é pulverizado em mais de metade do nosso milho. É um dos pesticidas mais vulgarmente encontrados na água potável americana.

Em 2007 a Agência de Protecção Ambiental informou que os estudos sugerem que o atrazine é um disruptor endócrino mas, apesar disso, declarou-o como seguro. A exposição pré-natal à atrazina está associada a malformações genitais e desenvolvimento sexual deficiente em meninos, e infertilidade.

A Syngenta AG, o fabricante da atrazina, suprimiu a pesquisa do Dr. Tyrone Hayes que demonstrava que quimicamente castrava e feminizava a vida selvagem. A empresa liquidou um processo por 105 milhões de dólares em 2012, concordando em remover o produto químico da água potável de 52 milhões de americanos de todo o oeste médio dos EUA, enquanto suplicava  “nenhuma responsabilidade”. Outros processos estão em curso e a EPA está atualmente revendo seus regulamentos sobre atrazine e sua avaliação está prevista para este ano. Até lá, a atrazina continua a envenenar os poços dágua.

Os regulamentos federais tratam os produtos químicos como “inocentes até que sejam provados culpados”, o que permitiu que a carga média sobre o corpo humano aumentasse sem controle.

Os níveis oficiais e “seguros” entre países são inconsistentes porque resultam da influência de poderosos interesses corporativos do governo. Por exemplo, a União Europeia limita o BPA a 600 partes por bilião por kg de alimento versus o Japão que permite 2500, a França recomenda que a ingestão diária total não exceda as 0,0025 ppb e o estado da Califórnia inclui-o na sua lista Prop 65 de toxinas reprodutivas.

A definição de níveis de segurança para cada DE individualmente não leva em conta o “efeito guisado”, uma visão mais realista de como os seres humanos experimentam regularmente a vasta gama de toxinas químicas: a exposição a muitos de uma só vez e com efeitos aditivos. Níveis de segurança específicos também não consideram os níveis cumulativos através do tempo, visto que muitas toxinas são armazenadas no corpo.

Existem evidências de que os efeitos disruptivos endócrinos em indivíduos são transgeracionais e podem continuar a ser transmitidos, visto que a terceira geração de DEs, os netos de DEs terem uma maior incidência de hipospadias e outras anormalidades.

Os disruptores endócrinos são broncodilatadores sintéticos que afetam os machos significativamente mais do que as fêmeas, de todas as idades desde o nascituro aos bebés, meninos, adolescentes e homens adultos. Eles são encontrados no sangue, urina e / ou leite materno de praticamente todos os que são testados, mesmo aqueles que vivem em áreas remotas, relativamente “intocadas”.

Além dos efeitos feminizantes, os DEs têm sido associados a um aumento de tumores nos testículos e da próstata, doenças cardiovasculares, distúrbios da tiroide e do sistema imunológico, diabetes e obesidade. O banco de dados Toxnet NIH contém informações extensas e pesquisáveis sobre os disruptores endócrinos, incluindo os efeitos sobre a saúde e os mapeando em  áreas geográficas afetadas.

Você não pode conseguir eliminar completamente os disruptores endócrinos, mas aqui estão algumas formas de o ajudar a esconder-se dele. Qualquer coisa que diminua a carga tóxica global faz a diferença:

Dicas para reduzir a exposição aos disruptores endócrinos

Ler as etiquetas e rótulos

Não compre produtos com DEs

Evite produtos com ingredientes que desconhece

Filtrar a agua para beber (filtros de gravidade por gota a gota ou osmose reversa)

Filtrar a agua do banho

Consuma só produtos orgânicos (os convencionais estão saturados de pesticidas, herbicidas e agrotóxicos) e são regados com aguas sujas e contaminadas

Fique atento a maquiagem e cosméticos, eles contém os disruptores

Lave as mãos com produtos neutros

Descarte os plásticos e evite usa-los

Use plantas de folhas grandes para purificar o ar da casa

Transpire para eliminar as toxinas

Utilize sabões, desodorantes e fragrancias naturais como antigamente

Use vinagre, boro, bicarbonato de sódio e agua oxigenada para limpeza

Jomarion... Não use filtro solar (pesquisas comprovaram que modificam a sexualidade e são cancerigenos) e não tome as vacinas, a maioria tem hormonio ou similares, também está contraindicado o leite de vaca (excesso de hormonios da vaca) e leite de soja (tem fito-estrogeno bio-identico ao estrogeno) e garrafas de agua plasticas também, principalmente no verão.

Para pesquisas baseadas em evidências sobre os disruptores endócrinos ver o Painel de Pesquisa do GreenMedInfo.com:

endocrine-disruptor

Escrito por: Jennie Ann Freiman MD  em português de Portugal (revisado por Jomarion)

Jennie Ann Freiman é uma médica interessada em sinergias do conhecimento, baseada em evidências e na moderna medicina revista pelos pares para  oferecer uma abordagem holística para o bem-estar.

Fonte: https://www.greenmedinfo.com/

Read in: English  in  Fonte – Prepare for Change

Fonte Secundária: https://senhoradesirius.wordpress.com/2017/02/18/armas-de-feminizacao-em-massa-31-01-2017/#more-28746

 

Projeto de Lei Quer Proibir Agricultores de Produzir, Distribuir e Armazenar Sementes

PL em tramitação no Congresso quer estabelecer royalties para agricultores que plantem as chamadas cultivares.

A troca, a livre distribuição e o armazenamento das melhores sementes é uma das práticas mais comuns das comunidades tradicionais, mas esta herança cultural do cultivo corre sérias ameaças. Isso porque o
Projeto de Lei (PL) 827/2015, conhecido como Projeto de Lei de Proteção aos Cultivares, quer passar para grandes empresas o controle sobre o uso de sementes, plantas e mudas modificadas.

De acordo com o projeto, a comercialização do produto que for obtido na colheita dependerá da autorização do detentor das chamadas cultivares, que são plantas que tiveram alguma modificação pela ação humana, como as híbridas, por exemplo.

Para o educador popular da Federação de Órgãos para Assistência Social e Educacional, Lourenço Bezerra, do Programa Amazônia, o projeto prejudica práticas ancestrais: “Com essas sementes, o agricultor tradicional não precisa utilizar fertilizantes sintéticos e não precisa utilizar os defensivos agrícolas, que são os agrotóxicos, que eles chamam de defensivos agrícolas".

Bezerra ressalta que a medida tem como objetivo beneficiar as grandes empresas que comercializam agrotóxicos: "Então, as empresas querem obrigar, além do agricultor comprar a semente, mas também de comprar os insumos, os agrotóxicos fertilizantes sintéticos e isso vai beneficiar quem? Vai beneficiar as empresas”.

O projeto é de autoria do deputado ruralista Dilceu Sperafico (PP-PA) e tem a proposta de alterar a Lei de Proteção de Cultivares, que regulamenta a propriedade intelectual referente às cultivares.

Para o deputado federal e presidente da Comissão de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável da Câmara, Nilto Tatto (PT-SP), a proposta ameaça a segurança alimentar e também a segurança nacional do país, ao transferir para as grandes empresas o controle de quais sementes plantar e do volume. Ele ressalta ainda que o projeto apresenta um discurso que visa desenvolver a pesquisa nacional sobre as cultivares, mas, na opinião dele, amplia o controle das grandes empresas no domínio da política da agricultura brasileira.

Então você joga na mão da iniciativa privada a definição da relação do que cobre e do que não cobre de royalties da agricultora. Talvez a questão mais grave e conceitual que está por trás desse relatório é tirar o papel do Estado sobre determinada parte da política da agricultura brasileira”, diz o parlamentar.

Diferenças entres Sementes

O projeto de lei, caso aprovado, também irá aumentar o número de cultivares protegidas, isto é, aquelas que não podem ser utilizadas livremente. Até 2015 foram feitos pedidos 3.796 pedidos de proteção de cultivar e foram concedidos títulos para 2.810 cultivares. Segundo informações no site, que estão atualizadas, a última modificação data de novembro de 2017 e para acessar a lista completa de quem solicitou os pedidos.

Na Câmara dos Deputados, em Brasília, o PL segue em tramitação ordinária. No dia 5 deste mês, estava marcada votação do parecer do relator do deputado federal Nilson Aparecido Leitão (PSDB-MT), mas a pauta dividiu a bancada ruralista e o relatório não foi votado.

Entenda:  Cultivar é o nome dado a uma nova variedade de planta, ou seja, são espécies de plantas que foram modificadas devido a alteração ou introdução feita pelo homem, desenvolvida do cruzamento entre duas espécies puras e diferentes. Elas apresentam características específicas de outras variedades da mesma espécie de planta por sua homogeneidade, estabilidade e novidade, logo, não é encontrada no meio ambiente.

As novas espécies desenvolvidas em território nacional e caracterizadas como novas cultivares são cadastradas no Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA)  pelos criadores para conferir proteção aos direitos de propriedade intelectual. O prazo de proteção de um cultivar vigora a partir da data de concessão do Certificado Provisório de Proteção, que dura 15 anos, com exceção das videiras, árvores frutíferas, árvores florestais e árvores ornamentais. Após esse prazo, a cultivar cai em domínio público e seu uso passa a ser livre de pagamentos de royalties.

De acordo com o projeto, a comercialização do produto que for obtido na colheita dependerá da autorização do detentor da cultivar. Assim, a proposta irá limitar os agricultores familiares de produzir, armazenar, distribuir, comercializar e trocar as suas sementes.

Fontes:

Brasil de Fato: Projeto de lei quer proibir agricultores de produzir, distribuir e armazenar sementes

Câmara dos Deputados: Projeto de Lei (PL) 827/2015

CultivarWeb: Gerenciamento de Informação

LINK:

https://www.anovaordemmundial.com/2018/02/projeto-de-lei-quer-proibir-agricultores-de-produzir-distribuir-e-armazenar-sementes.html#more

9 Benefícios do Açúcar de Coco

Com o aumento do consumo de produtos ricos em açúcares, como os alimentos industrializados ricos em xarope de frutose, houve também um crescimento expressivo de muitos problemas na sociedade. Os índices de excesso de peso, obesidade e as taxas de doenças como a diabetes tipo 2 só estão crescendo nos últimos anos, levantando muitos questionamentos sobre as consequências do uso abusivo de alimentos contendo altas doses de açúcar.

Na busca por alternativas mais saudáveis, diversas pesquisas estão sendo realizadas para encontrar produtos que tenham o mesmo poder adoçante do açúcar tradicional, mas que não causem tantos danos à saúde. Entre os diferentes alimentos disponíveis atualmente no mercado, está o açúcar de coco.

Conheça, a seguir, diversos benefícios do açúcar de coco, saiba como fazer para utilizar este alimento no dia a dia, aprendendo algumas dicas de receitas e veja também as vantagens do açúcar de coco para diabéticos.

O que é o açúcar de coco?

O açúcar de coco é um produto obtido através da seiva do coqueiro, que passa por um processo de aquecimento para retirada da água até que este seja totalmente desidratado. No final do processo, sobram muitos cristais de açúcar, que formam o produto final do açúcar de coco. Este produto é totalmente natural, pois não passa por nenhum processo de refino e também não há adição de conservantes.

O açúcar de coco é considerado um dos melhores substitutos disponíveis atualmente no mercado para o açúcar tradicional de cana. Ele é bastante nutritivo, contendo diversas vitaminas, entre elas as vitaminas do complexo B (B1, B2, B3 e B6), sendo rico em vários minerais, tais como o potássio, o zinco, o ferro e o magnésio, além de possuir baixo índice glicêmico, com valor em torno de 35.

O açúcar branco tradicional possui alto índice glicêmico, com valor em torno de 90, causando a liberação rápida da insulina na corrente sanguínea e podendo aumentar os riscos de se desenvolver doenças como a diabetes, além de aumentar os índices de excesso de peso e obesidade. Os alimentos com baixo índice glicêmico como o açúcar de coco são liberados e absorvidos lentamente, auxiliando no controle da insulina.

Por este e outros vários motivos, o açúcar de coco é uma opção prática e saudável para ser inserida no dia a dia em qualquer receita, além de ter um preço acessível.

Quais os principais benefícios do açúcar de coco? 

Há muitos benefícios do açúcar de coco em relação a outros alimentos com poder adoçante, possuindo muitos nutrientes em sua composição, contribuindo para pessoas que precisam controlar o peso ou que somente estejam em busca de uma alimentação mais nutritiva e saudável.

Conheça abaixo 9 benefícios do açúcar de coco

1. Ajuda no controle da glicemia

O açúcar de coco tem baixo índice glicêmico, ou seja, ele entra de forma mais lenta na corrente sanguínea, evitando a rápida liberação de insulina e ajudando a controlar as taxas de glicose no sangue. No caso do açúcar simples refinado, que tem alto índice glicêmico, a entrada do açúcar no sangue é rápida e isto pode causar uma liberação excessiva de insulina e, com o passar do tempo, pode causar um quadro inicial de diabetes.

Devido ao controle da glicemia, o açúcar de coco para diabéticos pode ser uma opção no lugar do adoçante. Neste caso, porém, deve sempre haver a orientação de um médico antes que seja feita qualquer modificação na alimentação do paciente.

2. Ajuda no controle da saciedade

Os alimentos ricos em açúcar refinado contêm alto índice glicêmico e, quando chegam à corrente sanguínea de forma rápida, o pâncreas libera a insulina, e com a retirada da glicose, as taxas de glicemia diminuem e há um aumento da sensação de fome.

Ao consumir alimentos com baixo índice glicêmico, como o açúcar de coco ou mascavo, esta liberação da insulina é menor e mais lenta, evitando os picos de fome e ajudando no controle da saciedade.

3. Auxilia no controle de peso

Os benefícios do açúcar de coco para quem precisa controlar o peso são inúmeros. O primeiro deles está relacionado ao fato dele evitar os picos de fome causados pelo açúcar refinado tradicional. Juntamente com o controle do apetite e da fome, há uma menor ingestão de alimentos e o total de calorias consumido no dia passa a ser menor.

Outra questão está relacionada à liberação da insulina. Este hormônio é um dos grandes responsáveis pelo acúmulo de gordura no organismo. Logo, ao se utilizar o açúcar de coco haverá menor liberação da insulina e o corpo terá menor propensão a acumular gordura em excesso.

Vale lembrar que, apesar do açúcar de coco ter índice glicêmico menor do que o açúcar refinado, ele contém, aproximadamente, a mesma quantidade de calorias que o açúcar tradicional e que, portanto, não se deve fazer um consumo de grandes quantidades do mesmo.

4. É mais saudável que outros açúcares

Um dos grandes questionamentos em relação dos produtos refinados, como o açúcar branco, é a utilização de produtos químicos durante o processo de refino, causando não somente a retirada de muitos nutrientes do alimento, como também trazendo substâncias com potencial agressivo à saúde.

O açúcar de coco e o mascavo não passam por esse processo, e portanto, além de manter muitos nutrientes em sua composição, deixando-o mais nutritivo, ele também não contém as substâncias com potencial nocivo, além de não serem utilizados aditivos na sua fabricação.

5. Auxilia no ganho de massa muscular

Há benefícios do açúcar de coco também para quem deseja ganhar massa muscular. Muitas vezes, nas dietas para hipertrofia, há uma restrição dos alimentos ricos em carboidratos, pois estes podem contribuir para o aumento excessivo das camadas de gordura. No caso do açúcar de coco, o controle da taxa de glicemia é maior e há menor liberação da insulina, evitando-se assim o aumento da gordura corporal.

Além disso, o açúcar de coco é rico em potássio e este mineral é fundamental para auxiliar nos processos de contração e relaxamento dos músculos, auxiliando na redução das dores e câimbras provenientes dos treinos e de atividades físicas regulares. O potássio também participa do processo de síntese de proteínas, acelerando, assim, a recuperação muscular e o crescimento das fibras, ajudando no ganho de massa muscular.

6. Evita a retenção de líquidos

O consumo excessivo de alimentos ricos em açúcar refinado ou sal pode aumentar, consideravelmente, a quantidade de líquidos retidos no organismo, causando, inclusive, o aumento de peso corporal e de medidas. Com o uso do açúcar de coco, haverá menor retenção de líquidos, pois a glicose é liberada de forma mais lenta.

Além disso, este açúcar é rico em potássio, que é um mineral fundamental para auxiliar no equilíbrio de líquidos no organismo, promovendo o controle da quantidade correta de água dentro das células. Enquanto o sódio age retendo líquidos, o potássio auxilia na eliminação da água.

7. Melhoram a saúde do sistema nervoso

Entre os muitos benefícios do açúcar de coco estão a melhoria de diversas funções do organismo, entre elas as funções do sistema nervoso. Este alimento é rico em vitaminas do complexo B, como a tiamina (vitamina B1), riboflavina (vitamina B2), niacina (vitamina B3) e a piridoxina (vitamina B6).

Essas vitaminas auxiliam na formação das fibras nervosas e dos neurotransmissores, melhorando, assim, a troca entre os neurônios e promovendo uma melhoria na saúde do sistema nervoso e auxiliando na manutenção das funções cognitivas de concentração, foco e memória.

8. Melhora a saúde da flora intestinal

O açúcar de coco possui em sua composição uma fibra chamada de inulina. Esta fibra é considerada prebiótica, ou seja, ela auxilia na nutrição das bactérias benéficas à saúde e que estão presentes no intestino. Entre os benefícios do açúcar de coco que vêm da inulina está a diminuição dos riscos de câncer no intestino, pois ela ajuda a manter a flora intacta e impede o crescimento de células cancerígenas.

9. Fortalece o sistema imunológico

Outra grande vantagem da fibra inulina é que, ao proteger e melhorar o desenvolvimento das bactérias benéficas do intestino, ela também ajuda a fortalecer o sistema imune, pois evita o desenvolvimento de bactérias nocivas e que possam causar doenças.

Fontes:
Mundo Boa Forma: 9 Benefícios do Açúcar de Coco – Como Fazer, Receitas e Dicas

https://www.noticiasnaturais.com/2017/11/9-beneficios-do-acucar-de-coco-receitas-e-dicas/

Ibuprofeno

Não Tome Ibuprofeno Durante a Gravidez, Especialmente se Você Está Esperando um Menino

Pesquisa mostra que o ibuprofeno suprime a testosterona e perturba o desenvolvimento masculino

(Blog “Noticias Naturais”)

As mulheres grávidas são responsáveis ​​pela saúde dos filhos desde o primeiro dia da concepção até a idade adulta.  A gravidez pode ter alguns efeitos colaterais dolorosos, como dores nas costas e enxaqueca, mas não deve ser uma razão para se auto-medicar com analgésicos. Os pesquisadores do “Institute of Research in Environmental and Occupational Health” (IRSET) descobriram que as mulheres grávidas que tomam ibuprofeno podem causar problemas no desenvolvimento de fetos, especialmente os do sexo masculino.

Dirigido por Bernard Jegou, o estudo foi realizado por pesquisadores da Universidade de Copenhague, juntamente com o Hospital Universitário de Rennes e o Laboratory for the Study of Residues and Contaminants in Food (Laberca). Os resultados do estudo, “O ibuprofeno resulta em alterações no desenvolvimento do testículo fetal humano“, foram publicados no Scientific Reports e foram apoiados pela French National Agency of Medicine and Health Products Safety (ANSM).

Os experimentos incluíram o xenotransplante, um processo pelo qual as células ou fragmentos de órgãos (tecido) de um organismo vivo são transferidos para outras espécies, a fim de compreender o seu desenvolvimento. No caso do estudo, eles usaram tecido de testículos cultivados em laboratório para enxertar em camundongos. Os dados coletados do primeiro trimestre do desenvolvimento fetal mostraram uma queda acentuada na produção de testosterona pelas células de Leydig quando o ibuprofeno foi administrado nos ratos enxertados.

O ibuprofeno também afetou a produção de hormônio antimülleriano pelas células de Sertoli, as quais desempenham um papel importante na masculinização do aparelho genital. O ibuprofeno aparentemente reduziu a expressão dos genes necessários para as células germinativas, as progenitoras de espermatozoides. Também é notável que a produção de prostaglandina E2 foi inibida pelo medicamento. Os resultados também mostraram que a produção reduzida de hormônios e supressão de genes são dependentes da dose e estão associadas. Os efeitos secundários do ibuprofeno no primeiro trimestre não estavam presentes durante o segundo trimestre do desenvolvimento fetal.

A pesquisa descobriu que há uma janela de sensibilidade no primeiro trimestre do desenvolvimento fetal, onde o ibuprofeno apresenta risco para o desenvolvimento do sistema genital e reprodutivo. Estudos anteriores apenas mostraram o risco significativo do paracetamol e aspirina no sistema endócrino do feto, resultando em criptorquidismo ou falha dos testículos em descer.

O recente estudo descobriu que o medicamento suprime a produção de vários hormônios, incluindo a testosterona, a qual controla as características do sexo primário e secundário e a descida dos testículos. Embora o ibuprofeno não afete diretamente o feto no segundo trimestre, não dá licença para que as mulheres grávidas tomem o medicamento durante esse período. De todos os medicamentos testados durante o estágio de experimentação, o ibuprofeno contribuiu para o maior dano no sistema endócrino.

Os pesquisadores descobriram que três entre 10 mulheres grávidas se auto-medicam com ibuprofeno ou qualquer outro analgésico. Muitos estudos já mostraram os efeitos adversos dos analgésicos e outros anti-inflamatórios não esteroides (AINEs) sobre o feto, incluindo baixo peso ao nascer, asma e parto prematuro. Embora estes NSAIDs sejam conhecidos por serem medicamentos eficazes, a maioria das pessoas, incluindo as mulheres grávidas, se auto-medicam para aliviar enxaquecas, dor, febre e doenças inflamatórias. Medicamentos como paracetamol (acetaminofeno), aspirina e ibuprofeno podem atravessar a placenta e também podem ser encontrados no mecônio (fezes pré-natal), urina neonatal e leite materno. Embora os analgésicos possam ser facilmente comprados sem receita médica, esses medicamentos têm potencial teratogênico.

As mulheres grávidas devem tomar mais precauções devido ao fato de elas carregarem outro indivíduo. O que prejudica a mãe, também prejudica o bebê.

Fontes:
Natural News: Don’t take ibuprofen during pregnancy, especially if you’re having a boy: Research shows it suppresses testosterone and disrupts male development
Inserm: A warning on taking ibuprofen during pregnancy
Scientific Reports: Ibuprofen results in alterations of human fetal testis development

https://www.noticiasnaturais.com/2015/03/adolescente-esta-ficando-cego-apos-administracao-de-ibuprofeno/

STEVIA - 10 Benefícios que Você não Conhecia

(Blog "notícias Naturais")

A Stévia é um extrato vegetal que tem sido usado como um adoçante na Ásia e América do Sul há centenas de anos. Ela é conhecida como um edulcorante natural e as folhas da planta poderiam até ser descritas como uma forma primitiva de goma. O extrato é realmente 200 a 300 vezes mais doce do que o açúcar, mas sem calorias.

Com a obesidade constantemente em ascensão nos EUA, os alimentos e as bebidas com alto teor de açúcar podem ser os parcialmente culpados. Os adoçantes artificiais estão se tornando mais populares, mas alguns são conhecidos por deixar um sabor amargo após, ou por não ter um gosto muito semelhante ao açúcar, para começar.

A Stévia é comumente comercializada em 3 formas diferentes; como uma pequena porção substituta do açúcar para acompanhar bebidas quentes, em gotas (semelhante aos extratos utilizados na cozinha) e em grandes pacotes (semelhante a grandes pacotes de açúcar granulado). Também é possível comprá-la em folhas.

Vale a pena ter em mente que menos é mais com a Stévia, devido a esta concentração de doçura muito alta, mas ela tem muitos benefícios. Aqui estão 10 deles:

1. Ajuda na dieta de calorias controladas 

Os americanos são conhecidos por seu “apetite por doce” e podem consumir até 20 vezes o que é considerado ser uma quantidade razoável de açúcar. Isso tem sido associado como um fator que contribui para o ganho de peso.

Bem como em chá e café ou smoothies, uma pequena quantidade pode ser usada em vez de açúcar em receitas, incluindo biscoitos e bolos como uma alternativa de menor caloria.

2. Pressão arterial

A pressão alta pode levar a muitas doenças graves, incluindo doenças cardíacas e insuficiência renal.

O Stevioside é um composto doce presente na Stévia, e um estudo recente conduzido na China de 174 pacientes concluiu que, a pressão arterial sistólica e diastólica foi reduzida em pacientes que tomaram Stevioside 3 vezes por dia durante dois anos.

3.  Diabetes Tipo 2

A diabetes tipo 2 é atualmente uma preocupação global maciça. Ela ocorre quando não é produzida insulina suficiente para o corpo funcionar adequadamente, ou se as células do corpo não reagem à insulina. A diabetes pode causar sérios problemas de saúde, incluindo perda de visão e insuficiência renal.

A Stévia foi testada em grupos de pacientes e acredita-se que ela melhorou a produção de insulina, reduzindo o açúcar no sangue em cerca de um quinto, tornando-a útil para pessoas que têm diabetes tipo 2.

4. Nutrientes essenciais

As folhas da Stévia contêm uma quantidade surpreendente de vitaminas e minerais, incluindo o zinco, vitamina C e ferro. O corpo precisa de pequenas quantidades de vitaminas, a fim de funcionar corretamente, e o zinco e a vitamina C podem apoiar um sistema imunológico mais forte; e os benefícios dos minerais incluem a construção de ossos e dentes fortes e transformar alimentos digeridos em energia.

Muitos antioxidantes também são encontrados na folha da Stévia. Os antioxidantes podem ter muitos benefícios para a saúde, incluindo abrandar o processo de envelhecimento e desempenhar um papel na redução do risco de mal de Parkinson e Alzheimer.

5. Medicina alternativa

Em sua forma de extrato, a Stévia tem sido utilizada por sul-americanos nativos, a fim de tratar feridas infectadas, inchaços nas pernas, e até mesmo como um tônico para tratar a depressão.

6. Densidade óssea

Foi sugerido, após testes conduzidos em galinhas, que a Stévia pode ajudar com a absorção de cálcio no corpo, levando a uma melhoria na densidade óssea.

7. Dentes e gengivas

A Stévia não estimula o crescimento das bactérias que contribuem para a deterioração dos dentes e cáries. Quando ela é usada como parte de um enxaguante bucal, ela pode diminuir as infecções orais e gengivite, uma vez que ela pode ajudar a combater a formação de placa nos dentes.

8. Cabelo e couro cabeludo

A Stévia concentrada pode ajudar a aliviar um couro cabeludo seco e a caspa, e ela também revive cabelos secos, finos e opacos. Ela pode ser usada como uma parte separada de uma rotina de xampu e de condicionador, ou pode ser usada para ambos os processos. (3 a 4 gotas de Stévia concentrada devem ser adicionadas ao seu xampu usual, e o chá de Stévia é recomendado como um condicionador de fortalecimento a ser enxaguado após 5 minutos).

9. Azia e indigestão

Certos elementos vegetais presentes na Stévia podem aliviar um estômago irritado, assim sendo, um copo do chá morno de Stévia poderia ser usado como um auxiliar contra a indigestão.

Um copo frio de chá de Stévia pode combater a azia. Este remédio é muito popular no Brasil, Paraguai e Bolívia e algumas pessoas bebem em forma de chá 3 a 4 vezes ao dia para ajudar geralmente com seu processo digestivo.

10. Pele

Como também contém antioxidantes, a Stévia também é um anti-séptico que pode ajudar com as doenças da pele, incluindo eczema, erupções cutâneas e coceira em geral. Ela pode até mesmo acalmar os lábios rachados.

Ela é suave o suficiente para ser aplicada ao rosto (quer em forma de pasta a partir das folhas ou como algumas gotas do líquido) e pode ser usada como uma alternativa mais barata para o creme anti-rugas.

Há algum efeito colateral ao usar Stévia e o sabor?

Nenhum efeito colateral da Stévia foi relatado, desde que seja usada com moderação. A boa notícia é que o sabor que uma vez desencorajou os consumidores a usarem a Stévia, agora tem sido muito melhorado, e ela é considerada por ter um gosto realmente muito agradável.

Fontes:
Natural News: 10 Benefits Of Stevia You May Not Know
– Stevia Point: History of Stevia
Wikipedia: Stevia
– Home Remedie Web: What is Stevia?

https://www.noticiasnaturais.com/2017/04/10-beneficios-da-stevia-que-voce-nao-conhecia/

Veganismo

O veganismo é uma posição moral que se opõe à exploração dos animais não humanos ou, de outro modo, a prejudicá-los. Isso inclui o que fazemos diretamente, como a caça e a pesca e também inclui o que sustentamos como consumidores, o que afeta um número muito maior de animais. Os animais não humanos são rotineiramente mortos e obrigados a sofrer em fazendas e matadouros. Isso acontece porque existe uma demanda por produtos de origem animal, especialmente produtos alimentícios. O veganismo significa não consumir esses produtos para que os animais não sejam prejudicados para produzi-los.

No âmago do veganismo está o respeito por todos os seres sencientes. Os veganos veem todos os animais sencientes como seres que devemos respeitar, não como objetos para usarmos.

A importância de fazer a conexão

O veganismo está se tornando cada vez mais comum conforme mais pessoas aprendem que podem ajudar a evitar o sofrimento e mortes de animais substituindo alimentos e outros produtos de origem animal por opções que não envolvem a exploração dos animais não humanos. Além disso, conforme o veganismo se torna mais difundido, ele está levando a uma redução do especismo, a discriminação contra animais baseada na espécie a que pertencem.

Em nossas vidas agitadas, pode ser fácil perder a conexão entre como vivemos e como os outros são afetados. Mas quando pensamos sobre isso, realmente consideraríamos isso aceitável se estivéssemos no lugar dos animais não humanos? Se soubéssemos que poderíamos nascer como porcos ou galinhas, provavelmente nenhum de nós aceitaria um mundo onde animais são confinados e mortos para alimentação.

Também devemos considerar como nossas sociedades tratam alguns animais não humanos diferentemente de outros. É justo proteger alguns animais, como cães e gatos, e desconsiderar outros que sofrem da mesma forma que cães e gatos sofreriam na mesma situação? A maioria de nós não aceitaria o abuso de cães. Então, pode ser justo aceitar o que acontece com outros animais em fazendas e matadouros?

As alternativas estão em todas partes

Mais e mais pessoas estão escolhendo substituir alimentos de origem animal por alternativas saudáveis e saborosas. Com todas as opções disponíveis para nós, substituir produtos de origem animal por itens de origem vegetal está mais fácil do que nunca.

Em mercearias e supermercados, podemos escolher entre uma grande variedade de alimentos de origem vegetal por preços acessíveis, incluindo grão-de-bico, feijão, lentilha, massas, arroz, cereais, legumes, frutas, sementes e castanhas. Tofu, soja e hambúrgueres e nuggets vegetais estão se tornando cade vez mais acessíveis. Também são comuns leites vegetais feitos de uma variedade de grãos, feijões e sementes como soja, arroz, aveia e cânhamo. Iogurtes, queijos e sorvetes veganos estão se tornando mais populares também.

Não tem certeza sobre o que pedir quando comer fora com seus amigos e sua família? Pratos com arroz, massa, salada, cogumelos e batata estão disponíveis em quase qualquer restaurante e podem ser facilmente modificados se já não forem veganos. Além disso, restaurantes chineses, tailandeses, árabes, indianos, etíopes e italianos, entre outros, oferecem pratos deliciosos naturalmente livres de produtos de origem animal.

Fora dos supermercados e restaurantes, existem outros passos, ainda mais simples, que podemos dar para evitar contribuir para a exploração dos animais. Ao comprar roupas, por exemplo, podemos escolher alternativas livres de peles, couro, lã e penas. Existem muitos outros materiais à nossa disposição, incluindo tecidos de algodão, cânhamo, poliéster e microfibras feitos de vários materiais. A variedade de atividades de lazer que podemos desfrutar que não envolvem a exploração de animais é enorme. Em vez de caçar, pescar, ou ir a espetáculos com animais, por exemplo, podemos fazer caminhadas, ir ao cinema e a circos que não usam animais.

Todas as pessoas são capazes

A Academia de Nutrição e Dietética (The Academy of Nutrition and Dietetics, a maior associação de nutricionistas e médicos especializados em dietas de todo o mundo, antigamente conhecida como The American Dietetic Association) reconheceu que uma dieta vegana é saudável em todas as fases da vida. Isso também é demonstrado pelo fato de milhões de pessoas já terem escolhido viver suas vidas sem produtos de origem animal. Todos nós podemos fazer isso – você pode, também. Fazendo isso, você se tornará parte da solução para alcançar um mundo mais justo para todos os animais.

Todos nós podemos viver de maneira ética ao decidirmos ser veganos. Junte-se a milhões de pessoas que ajudam e defendem os animais.

Fonte: Ética Animal

Fonte secundária: https://www.pax.org.br

 

Nanopartículas em doces para crianças

Escândalos alimentares sucedem-se e oferecem um “gosto de déjà vu”.

(Blog "A La Lumiere du Nouveau Monde" - França)

Após a crise do  fipronil (partícula plástica perigosa encontrada em milhares de alimentos) e ainda longe de ser enterrada agora o site/revista “60 Milhões de Consumidores” apresenta uma nova denuncia em  24 de agosto de 2017, sobre vestígios de óxido de titânio encontrados em bolos e doces para as crianças. (100% dos produtos testados estavam contaminados).  "100% de amostras de doces e bolos testadas contém dióxido de titânio sob a forma de nano, ao  contrário das afirmações dos fabricantes” denuncia a revista.

Alarmada a Revista 60 milhões de Consumidores em suas declarações mostraram os resultados de uma pesquisa do Instituto Nacional do Consumidor que são impressionantes: em todas as dezoito variedades de bolos e doces analisadas , os pesquisadores descobriram vestígios do aditivo nanopartículas E17.

De acordo com os produtos testados, o dióxido de titânio é de 10% a 100% do referido aditivo.

Se o óxido de titânio mostrou ser uma droga perigosa a indústria alimentar tem obrigação legal de indicar isto na parte de trás da suas embalagens, principalmente se a presença dessa partícula (aditivo E17) exceder os 10%.

De acordo ainda com a news letter nenhum dos alimentos implicados mencionou a existência destas partículas em suas marcas industriais, desviando-se das regras e leis do consumidor. Seria para não despertar medo nas mentes dos consumidores?

Mas, o que temer? óxido de titânio é um elemento encontrado em muitos produtos de uso diário, incluindo produtos farmacêuticos e cosméticos . No sector alimentar ele é utilizado principalmente para branquear, tirar a humidade e/ou evitar a aglomeração de pó nos alimentos.

No entanto em 2006  esta substância já foi classificada como cancerígena pelo IARC (Comitê Internacional da Pesquisa contra o Câncer) sem ter sido no entanto proibida na indústria de alimentos.  O relatório IARC  na verdade rotulou que esta substância representava apenas um perigo para a saúde por inalação, como é o caso, por exemplo, do pó de madeira. Assim, a presença das nanopartículas nos alimentos não parece preocupar os diferentes especialistas.

No entanto, em 2017, um novo experimento evidenciou a toxidade quando pesquisadores do INRA (Instituto Nacional de Pesquisa Agrícola) deu o aditivo E17 para ratos, com 50% de nanopartículas de óxido de titânio (a taxa média ingerida em alimentos por seres humanos) e despois de 100 dias, os pesquisadores observaram aumento em lesões benignas no cólon de roedores, o que resulta em casos de pólipos , um fenómeno nunca antes visto e que abalou as “certezas” dos pesquisadores.

"Mais estudos são necessários para confirmar estes resultados iniciais” considerou a Associação dos Consumidores.

Após estas descobertas, a Agência Nacional de Segurança Alimentar questionou fortemente o governo, em um relatório emitido em 04 abril de 2017 para continuar a investigação sobre os riscos à saúde ligados à presença de nanopartículas de óxido de titânio em vários produtos alimentares.

Convocando o princípio da precaução , a agência recomenda "Limitar a exposição dos consumidores às referidas nanopartículas até provarem o consumo seguro”.  Estas descobertas bastante recentes demonstram uma falta de empenho das industrias para reduzir a presença deste elemento na nossa alimentação, especialmente das crianças.

O novo escândalo dos alimentos vai, assim espero, mudar a posição sobre o assunto , pelo menos, em termos de exibição legal. Quando ao destino que os aguarda, vários donos de indústria culparam o serviço de prevenção acusando-o de fraudes (corrupção e falsos pareceres) como já disse o jornal Expresso que  pesquisou o assunto.  

Fonte primária: https://mrmondialisation.org/

Fonte secundária: https://alalumieredunouveaumonde.blogspot.com.br/2017/08/des-nanoparticules-dans-tous-les.html#more

 

Microplásticos na Água de Torneira

Motivo: Lavagem de roupas de fibras sintéticas

Pesquisadores analisaram a água da torneira de doze países. Seus resultados foram revelados quarta-feira 6 setembro de 2017 e todas as amostras testadas contêm microplásticos, cujos efeitos sobre a saúde ainda são desconhecidos.

A água da torneira contém microplásticos.  Esta é a conclusão de um estudo realizado por cientistas a pedido da ORB de Mídia,  uma organização sem fins lucrativos. A pesquisa foi noticiada pelo “The Guardian” em 06.09.2017. No total, 159 amostras de mais de uma dúzia de países que foram analisados.

Os resultados são motivo de preocupação: 83% das amostras estão contaminados com fibras de plástico, embora com quantidades variáveis de um país para outro. Os Estados Unidos mostra a maior taxa de todos - 94% de fibras de plástico – encontradas nas amostras.  Nos Estados Unidos, os autores do estudo, de facto, encontraram fibras plásticas em 94% das amostras analisadas. Logo em seguida vem Líbano e Índia, com, respectivamente, 93,8%  e  82,4%  de água de torneira contaminada.

Os países europeus, incluindo o Reino Unido, Alemanha e França têm as menores taxas (média de 72%.)  "O número médio de fibras de plástico encontradas em cada amostra de 500 ml de água da torneira foi de 4,8 nos Estados Unidos, contra 1,9 na Europa", diz o The Guardian.

Quanto à água engarrafada, ela não foi poupada. Nos Estados Unidos, as amostras de água engarrafada também continham partículas de plástico, de acordo com o estudo da ORB Midia. Na França, a análise incidiu apenas em água da torneira.

O microplásticos e seu efeito sobre a saúde humana

Para explicar a presença destes materiais plásticos em amostras de água recolhidas, o jornal britânico, baseou-se em particular na roupa sintética que são lavadas em lavadoras de roupa.  Para determinar outras possíveis fontes de poluição, devem ser realizados estudos direcionados. Até agora, os cientistas tinham focado suas pesquisas na poluição dos oceanos e os efeitos que têm sobre a vida selvagem marinha.

De acordo com Anne-Marie Mahon, pesquisadora em ecologia e engenheira civil  do “Galway-Mayo Institute”, foi detectado, recentemente, contaminação da água de torneira e de poços por microplasticos na Irlanda.

"Não sabemos ainda o efeito dos microplásticos na saúde humana...  por isso devemos aplicar o princípio da precaução e melhorar a investigação para que possamos descobrir os riscos reais". 

https://alalumieredunouveaumonde.blogspot.com.br/2017/09/des-microplastiques-dans-72-de-leau-du.html

 

Perigo: Nanopartículas em Tatuagens

Tatuagens estão na moda! Mas veja os riscos.

Nanopartículas presentes nas tintas foram encontrados nos gânglios linfáticos.

De acordo com um estudo publicado em 12 de setembro de 2017, “Relatório Científico”, certas substâncias presentes em tintas de tatuagem foram encontradas no sangue, linfonodos e nas células do sistema imunológico.

Os pesquisadores detectaram em nódulos linfáticos analisados, a presença de um componente tóxico habitualmente utilizado em tintas de tatuagem – o dióxido de titânio.

Os efeitos colaterais da presença do pigmento branco (óxido), que é a base para determinados tons de cor, já são bem conhecidos. "Isso pode levar a inchaço crônico se houver exposição permanente", disse um resumo do estudo divulgado pela ESRF, acrescentando que além do inchaço, há o prurido, além da demora de cura e cicratrização.

O estudo lembra que o dióxido de titânio também é usado em aditivos alimentares, protectores solares e tintas em geral.

"Quando alguém quer fazer uma tatuagem, geralmente fica preocupado com a higiene do local e dos apetrechos, se as agulhas estão esterilizadas, etc (diz Hiram Castillo do ESRF). "Mas ninguém levanta a questão da composição química das cores utilizadas. Nosso estudo mostra que a necessidade!"

Até agora, os perigos potenciais de tatuagem, tinham sido estudados por análise química realizada “invitro”. Neste estudo, a coloração dos nódulos linfáticos foi observado visualmente. Mas "o que não sabíamos” é que os pigmentos viajam através do corpo na forma nanos, e este é o grande problema.

Não sabemos ainda como as nanopartículas reagem, diz Bernhard Hesse da ESRF, principal autor do estudo. Para comprovar como os nano-pigmentos transportam elementos tóxicos no corpo, a equipe de investigadores usou Raio X ultra potentes. Composições elementares de vinte amostras de pele e vinte e cinco nodos linfáticos de pessoas tatuadas e mais duas amostras de nódulos linfáticos de pessoas não-tatuados foram analisados.  

A conclusão aponta que as partículas resultantes de tatuagens, teriam sido transportadas passivamente através dos fluidos sanguíneos e linfáticos, como também pelas células do sistema imunológico dos analisados, depositando-se nos gânglios linfáticos. "A tinta da tatuagem dá ao corpo um “elemento estranho” que vai interagir com o sistema imunológico", diz Julie Villanova, que participou do estudo.

O próximo passo desta pesquisa será analisar outras amostras de pacientes tatuados e com efeitos adversos. "Por enquanto, sei que estas substâncias são alérgicas, mas ainda é muito cedo para estabelecer um nexo de causalidade entre estes produtos e as consequências deletéricas.", conclui Julie Villanova.

Fonte:  https://www.francetvinfo.fr

https://alalumieredunouveaumonde.blogspot.com.br/2017/09/tatouage-des-nanoparticules-dans-les.html#more

 

Fundação Gates e o Controle de População

Melinda Gates oferece US $ 375 milhões para programas de controle de população: aborto e contracepção (leia-se esterilização)

Melinda Gates, esposa do bilionário fundador da Microsoft - Bill Gates - anunciou na recente “Cúpula Mundial sobre Planejamento Familiar” em Londres, que a Fundação Bill & Melinda Gates vai doar US$ 375 milhões de dólares para projetos de controle da população nos próximos quatro anos.
Miss Gates disse que o financiamento oferecido por sua fundação, seria reservado à
contracepção e educação sexual ...

(Jomarion... bastante preocupante... como o COBRA já revelou, Bill Gates está a serviço da elite das trevas... é notório que os Gates estão empenhados em cumprir a “agenda reptiliana”... contracepção aqui se parece mais com “esterilização em massa”, lembremos que a Fundação Gates tem financiado vacinas cascudas contra a população global... mais preocupante ainda é a “educação sexual” esta parte é tenebrosa pois faz parte da agenda trevosa tornar a humanidade  transgenera, decaida, sexualmente doente, comprometendo o futuro das novas gerações com pornografia)...

... mas como afirmou o “LifeNews” este dinheiro também vai financiar indiretamente abortos.  A família bilionária já investe muito dinheiro em algumas das maiores cadeias de aborto do mundo, incluindo as famosas “Planned Parenthood” e “Marie Stopes International".

LifeNews explicou que "a disponibilidade de dinheiro facilita a organização do aborto internacionalmente. Em outras palavras, cada dólar que a Fundação Gates dá a Planned Parenthood para controle de natalidade ou para a construção de uma clínica favorável ao aborto,  libera mais um dólar no orçamento da Planned Parenthood para gastá-lo em outro lugar.  O banco de dados sobre os subsídios da Fundação Gates mostra que entre 2009 e 2013, a fundação tem dado a Planned Parenthood of America, a Federação Internacional de Planejamento Familiar e Planned Parenthood of Western Washington cerca de 71 milhões de dólares. Ele também financiou a cadeia de aborto britânica Marie Stopes International por US $ 46,1 milhões em 2012.

A Verdadeira razão pela qual o Trigo é Tóxico

E não é por causa do Glúten

Edward Morgan – 20.02.2017 - (Trechos do artigo)

 

O que realmente está acontecendo com o trigo?

Por algum tempo, eu secretamente abriguei a noção de que o trigo nos Estados Unidos deva ser geneticamente modificado. O trigo GM secretamente invadindo a cadeia alimentar norte-americana parecia a única coisa que fazia sentido e podia explicar as variadas experiências que eu estava ouvindo.

Eu raciocinei que não poderia ser a hibridação do glúten ou do trigo. Os híbridos de glúten e trigo foram consumidos há milhares de anos. Só não fazia sentido que esta pudesse ser a razão pela qual tantas pessoas de repente tivessem problemas com trigo e glúten em geral, nos últimos 5 a 10 anos.

Finalmente, a resposta veio durante o jantar há um par de meses atrás através de um amigo que era bem versado no processo de produção de trigo. Eu comecei a pesquisar a questão por mim e fiquei, francamente, horrorizado com o que eu descobri.

A boa notícia é que a razão pela qual o trigo se tornou tão tóxico nos Estados Unidos não é porque seja secretamente geneticamente modificado, como eu temia (graças a Deus!).  A má notícia é que o problema reside na forma como o trigo é colhido pelos agricultores de trigo convencionais.

Você vai querer sentar-se para ler isto. Eu tive algumas pessoas estourar em lágrimas de horror quando eu lhes transmiti esta informação anteriormente.

O protocolo de colheita de trigo nos Estados Unidos é o de pulverizar intensamente os campos de trigo com Roundup (herbicida da Monsanto) vários dias antes das ceifeiras passarem através dos campos visto que as plantas de trigo mortas e murchas requerem menos esforço do equipamento agrícola e permitem a colheita mais cedo, de forma mais fácil e melhor.

A aplicação pré-colheita do herbicida Roundup ou de outros herbicidas contendo o ingrediente ativo glifosato, ao trigo e à cevada, como dessecante foi sugerido já em 1980. Desde então tornou-se rotina nos últimos 15 anos e é usado como um agente de secagem 7 a 10 dias antes da colheita pela comunidade agrícola convencional.

De acordo com a Dra Stephanie Seneff, do MIT, que estudou a questão em profundidade e que recentemente deu uma palestra sobre o assunto numa Conferência nutricional em Indianápolis, dessecar culturas de trigo não-orgânicas com glifosato pouco antes da colheita entrou em voga no final da década de 1990, pelo que em resultado disso a maioria do trigo não-orgânico nos Estados Unidos está agora contaminada com ele.

Seneff explica que quando você expõe o trigo a um produto químico tóxico como o glifosato, ele realmente liberta mais sementes, resultando num rendimento ligeiramente maior: “Ele semeia” à medida que morre. No seu último suspiro, ele liberta a semente”, diz a Dra Seneff.

De acordo com o Departamento de Agricultura dos Estados Unidos,  a partir de 2012,  99% do trigo durum, 97% do trigo de primavera e 61% de trigo do inverno são tratados com herbicidas. Este é um aumento é de 88% para trigo durum, 91% para trigo de Primavera e 47% para o trigo de Inverno desde 1998.

Aqui está o que o fazendeiro de trigo Keith Lewis tem a dizer sobre a prática:

“Tenho sido um agricultor de trigo desde há 50 anos e uma prática... muito comum é a aplicação do herbicida Roundup (glifosato) pouco antes da colheita. O Roundup é licenciado para o controle de ervas daninhas pré-colheita. A Monsanto, fabricante do Roundup, afirma que a aplicação em plantas com mais de 30% de umidade do grão resulta na captação do arrombamento pela planta nos grãos. Os agricultores gostam desta prática porque o Roundup mata a planta de trigo permitindo a colheita mais cedo. Um campo de trigo muitas vezes amadurece de forma desigual , sendo assim, aplicando o Roundup pré-colheita, ele nivela as partes mais verdes do campo com as mais maduras. Esta prática não é licenciada. Os agricultores erroneamente chamam a isto de “dessecação”. Os consumidores que comem produtos feitos de farinha de trigo estão, sem dúvida, consumindo quantidades diminutas de Roundup. De forma interessante, a cevada de malte que é usada para fazer cerveja não é aceita no mercado se for pulverizado na pré-colheita com Roundup. As lentilhas e as ervilhas também não são aceites no mercado se forem pulverizadas na pré-colheita… mas para o trigo não há problema (?!) Esta prática de cultivo preocupa-me muito e deve ainda preocupar ainda mais os consumidores de produtos de trigo.”

Diagnósticos de doença celíaca e aplicação de glifosato no trigo

Embora a indústria de herbicidas sustente que o glifosato é minimamente tóxico para os seres humanos, a pesquisa publicada no “Journal Entropy” argumenta de forma muito acentuada... que o glifosato perturba a fisiologia dos mamíferos.

A opinião atualmente aceita  é que o glifosato não é prejudicial aos seres humanos ou a nenhum mamífero. Esta visão imperfeita está tão difundida na comunidade agrícola convencional que os vendedores de Roundup são conhecidos por ingenuamente o beberem durante as apresentações!

No entanto, só porque Roundup não o mata imediatamente isso não o torna atóxico. Na verdade, o ingrediente ativo do Roundup letalmente perturba os extramente importantes micróbios intestinais benéficos que são responsáveis pela síntese de aminoácidos críticos.

As bactérias intestinais benéficas, também chamadas de probióticos, desempenham um papel crítico na saúde humana. As bactérias intestinais ajudam na digestão, impedem a permeabilidade do trato gastrointestinal (o que desencoraja o desenvolvimento de doenças auto-imunes), sintetizam as vitaminas e fornecem a base para uma imunidade robusta.

O Roundup altera significativamente o funcionamento de bactérias benéficas do intestino e contribui para a permeabilidade da parede intestinal e o consequente aparecimento de sintomas de doenças auto-imunes.

Em resultado disso os seres humanos expostos ao glifosato através do uso de Roundup na sua propriedade ou através da ingestão dos seus resíduos em produtos alimentícios industrializados tornam-se ainda mais vulneráveis ​​aos efeitos prejudiciais de outros produtos químicos e toxinas ambientais que encontram!

O pior é que o impacto negativo da exposição ao glifosato é lento e insidioso ao longo dos meses e anos.  As consequências desta inflamação sistémica são a maioria das doenças e condições associadas com o estilo de vida ocidental como: Problemas gastrointestinais; Obesidade; Diabetes; Doença cardíaca; Depressão; Autismo; Infertilidade; Cancro; Esclerose múltipla; Doença de Alzheimer; e a lista continua…

Resumindo, o estudo do Dr. Seneff sobre o terrivel glifosato do Roundup, com o qual a colheita de trigo nos Estados Unidos é pulverizada apenas alguns dias antes da colheita, revela a forma pela qual esta toxina letal prejudica o corpo humano ao dizimar os micróbios intestinais benéficos com o trágico resultado final de doenças, degeneração e sofrimento generalizado.

Consegue entender o panorama agora?  Mesmo se você acha que não tem problemas a digerir trigo, ainda é muito sábio tentar evitar consumir trigo convencional, tanto quanto possível, na sua dieta!

Você deve evitar o trigo tóxico a todo o custo

O ponto aqui é evitar o trigo convencional nos Estados Unidos... isto é absolutamente imperativo, mesmo que voce não tenha alergia ao glúten ou sensibilidade ao trigo. O aumento da quantidade de glifosato aplicado ao trigo está estreitamente correlacionado com o aumento da doença celíaca e da intolerância ao glúten.

O Dr. Seneff realça que o aumento dessas doenças não está relacionado apenas com questões genéticas, mas também tem uma causa ambiental, pois nem todos os sintomas do paciente são aliviados pela eliminação do glúten da dieta.

Os efeitos do glifosato mortal na sua biologia são tão insidiosos que a falta de sintomas hoje em dia não significa literalmente nada.  Se você não tem problemas com trigo agora, você vai ter no futuro se continuar a comer trigo convencional.

Como comer trigo com segurança

Obviamente, se você já desenvolveu uma sensibilidade ou alergia ao trigo, você deve evitá-lo. Ponto final. Estou firmemente convencido de que, se não fizermos nada, toda a nossa família em algum momento desenvolverá sensibilidade ao trigo ou doença auto-imune de alguma forma devido à forma tóxica como é processado e os resíduos de glifosato que estão contidos nos produtos convencionais de trigo.

O que é que você pode fazer quanto ao trigo tóxico?

Como você reagiu à estas notícias? Os agricultores de trigo dos EUA estão usando o Roundup, não apenas para matar as ervas daninhas, mas também para secar as plantas de trigo para permitir uma colheita mais precoce, mais fácil e maior. Tal prática provoca a absorção do glifosato tóxico, ingrediente ativo do Roundup e outros herbicidas, diretamente nos grãos de trigo.

Você sentiu-se ultrajada e violada como eu? Como você implementará uma estratégia convencional para evitar o trigo no futuro mesmo se você ainda não tiver desenvolvido um problema de sensibilidade ao glúten ou ao trigo?

E quanto às outras culturas onde o Roundup é usado como dessecante na pré-colheita, como a cevada, cana-de-açúcar, arroz, sementes, feijões secos e ervilhas, batata-doce e beterraba? Você vai comprar esses produtos na sua forma orgânica a partir de agora? Para evitar este flagelo moderno, feito pelo homem?

Fontes:

https://thehealthyhomeeconomist.com/

Prepare For Change

Pagina:

https://senhoradesirius.wordpress.com/2017/03/30/a-verdadeira-razao-pela-qual-o-trigo-e-toxico-e-nao-e-por-causa-do-gluten-20-02-2017/

 

Alquimia do Poder - Indústria Farmacêutica

Sua História, suas Drogas e como Manipula o Mundo

 


“As empresas farmacêuticas não estão interessadas em curar os pacientes, o seu único foco é o de os transformar em clientes ao longo da vida. Isto significa que o mercado da indústria farmacêutica é o corpo humano. Com a ajuda da indústria dos alimentos, que produz alimentos rápidos e processados e refrigerantes açucarados, a transformação da saúde em doença – através da qual as empresas farmacêuticas prosperam financeiramente – pode ser facilmente alcançada”
 
Durante a Idade Média, o conhecimento sobre as propriedades curativas das plantas era proveniente sobretudo dos druidas e das bruxas.
Essas pessoas conheciam a natureza e curas, e podiam tratar problemas de saúde como inflamações ou pequenas feridas, com misturas simples de folhas e ervas.
Mas isso acabou por torná-los numa ameaça para a Igreja.
O catolicismo era muito poderoso e não aceitava nenhuma solução para as doenças para além da oração, da obediência e das doações financeiras generosas.
Mesmo que não houvesse cura disponível para uma doença durante a vida de uma pessoa na Terra, uma grande vida no céu, após a morte, foi-lhes prometida.
Assim, druidas, bruxas e os seus remédios naturais representavam uma ameaça para este modelo.
Rotulados como malignos, foram brutalmente erradicados.
 
As drogas ilegais de hoje eram as legais de ontem

No início dos anos 1900, a cocaína e a heroína eram drogas legais e quotidianas. A heroína era usada para acalmar crianças, a cocaína para estimular o metabolismo e o apetite, e ambas eram prescritas como estimulantes do humor.

A C.F.A Boehringer de Mannheim, na Alemanha, estava orgulhosa de ser a produtora líder de cocaína a nível mundial. Mesmo os vinhos frequentemente continham cocaína, e por isso tinham, consequentemente, uma enorme procura. O Papa Leão XIII concedeu uma medalha de ouro ao enólogo Angelo Mariani pela sua invenção do vinho enriquecido com cocaína. No rótulo do vinho Maltine, produzido em Nova York, as pessoas eram instruídas a consumir um copo cheio durante e após as refeições, sendo que às crianças era recomendado que tomassem um copo meio-cheio. O Metcalf era outro vinho de cocaína famoso que era popular como uma bebida de festas. O Vapor-OL era uma mistura de álcool e ópio que reivindicava curar a asma e os espasmos.

Como as garrafas de vinho eram demasiado volumosas para colocar em bolsas, as senhoras em vez disso levavam pequenas pastilhas de cocaína quando saíam. Estas eram supostamente utilizadas para melhorar o humor e tratar as cordas vocais. Para evitar as dores de garganta, esses comprimidos eram vistos como essenciais para cantores, mães com filhos pequenos e professores.

Às crianças era mesmo dada a cocaína em comprimidos para as dores de dentes. Só curava os sintomas e, é claro, a dor voltava logo após os efeitos da droga desaparecerem. Ainda hoje, os dentistas usam uma forma modificada de cocaína conhecida como Lidocaína para entorpecer os nervos antes da cirurgia.

cocaina-pastilhasOutro exemplo é uma droga conhecida como Paregoric, produzida pela Stickney & Poor’s, que continha 46% de álcool e uma grande percentagem de ópio puro. Incrivelmente foi recomendada como uma ajuda para dormir para recém-nascidos, a quem eram dadas 3 gotas diariamente. 8 gotas diárias era o aconselhado para bebés com 8 dias de idade, 25 gotas para crianças de 5 anos, e uma colher inteira para adultos. Sem dúvida todos dormiam bem.

Hoje existem museus na Alemanha, como em Dortmund e Heidelberg, onde você pode ver frascos e frascos de remédios daqueles dias passados. Vale a pena visitar, eles são muito educativos!

As drogas legalizadas de hoje

Seria ilusório fingir que os medicamentos perigosos baseados em drogas já não existem. O pesadelo ainda anda por aí, todos os dias. Somos confrontados com ele no momento em que ficamos doentes e vamos ao nosso médico à procura de tratamento.

As drogas químicas prescritas por médicos convencionais causam efeitos colaterais múltiplos. Enquanto nosso corpo entende e  pode com segurança metabolizar as moléculas naturais, os produtos químicos artificiais e sintéticos que os médicos prescrevem são estranhos a ele.

Tomemos o exemplo da Varfarina, uma droga anticoagulante (adelgaçante do sangue), que é prescrita para milhões de pessoas que sofrem de doenças cardiovasculares. Também é usada como veneno para ratos, e é uma das principais causas de morte em salas de emergência hospitalares nos Estados Unidos.

Para aqueles pacientes que não mata, os possíveis efeitos secundários da Varfarina incluem úlceras no pé, dedos roxos, tonturas, fezes sanguinolentas, tossir sangue, sangramento que não estanca, náusea, vômitos, dificuldades respiratórias, falta de ar e paralisia, entre outros. Muitas mortes por hipovolêmia, uma diminuição perigosa no volume de sangue no corpo, estão associadas ao uso a longo prazo de drogas para diluir o sangue.

Antibióticos – outro enorme mercado

Você já pensou sobre o que a palavra “antibiótico” realmente significa? Significa “contra a vida”. Se você comer carne não-orgânica, você recebe uma dosagem de antibióticos químicos cada vez que você digere um pedaço fino de carne ou uma asa de frango. Não tenha ilusões, os antibióticos são tóxicos.

Quando os pacientes desenvolvem a gripe, muitos médicos imediatamente prescrevem antibióticos químicos. Estes matam TODAS as bactérias no intestino – incluindo as benéficas. A digestão adequada e a absorção de micronutrientes são então impossíveis até vários dias depois.

Mas existem outras abordagens mais seguras. Existem muitos antibióticos naturais que são baseados em plantas e que não irão prejudicar as bactérias benéficas que vivem no intestino.

Plantas naturais com propriedades antibióticas:

  • Balsamodendron muskul
  • Maharasnadi quath
  • Tinospora cordifolia
  • Rubia cordifolia
  • Shank bhasma
  • Emblica officinalis
  • Sutherlandia frutescens
  • Moringa pterygosperma
  • Glycyrrhiza glabra
  • Asparagus racemoses
  • Cimmamonum zeylanicum

Estes antibióticos naturais são muito poderosos. Mas como eles não podem ser patenteados eles não têm nenhum interesse para as empresas farmacêuticas porque a margem de lucro é muito baixa. Um corpo saudável não tem utilidade para a indústria farmacêutica. Apenas os corpos doentes geram lucros.

O FLUOR é tóxico e não devia estar nas pastas de dentes

Outra substância extremamente tóxica é o flúor, que é um ingrediente da maioria das pastas dentífricas. Raymond Francis, um cientista treinado pelo MIT, descreveu o flúor como um dos produtos químicos mais tóxicos no nosso ambiente e uma vasta experiência. Apenas um punhado de pastas de dentes no merecado são boas... as melhores contêm substâncias naturais, como óleo de chá-árvore e sal marinho.

Produto dos resíduos da indústria de fertilizantes químicos, o flúor é também um ingrediente principal dos fármacos antidepressivos como Diazepam, Flunitrazepam, Rohypnol, Stelazine, Trifluoperazin, Prozac e Zoloft.

A fácil acessibilidade aos antidepressivos

Kim, 38 anos, descreve a sua experiência da seguinte forma: “Eu só tinha um bebê e sofria da chamada depressão pós-parto. Eu não estava me sentindo bem, tinha alterações de humor, e não conseguia adormecer facilmente. Eu vivia ansiosa e inquieta. Fui ver o meu médico de família e ele prescreveu-me Zoloft para me “aliviar um pouco”. No começo funcionou bem, eu sentia-me menos emotiva com as coisas e conseguia dormir melhor, mas após alguns meses eu estava mais deprimida do que nunca.

No meu aniversário recebi um presente e eu nem sequer consegui ficar feliz com isso, apenas sentia-me completamente entorpecida, e foi então que percebi que tinha que parar. Abandonei o tratamento e até agora eu ainda não voltei completamente ao velho ‘eu’”. Hoje em dia, mesmo as crianças e adolescentes recebem antidepressivos. É perturbador que algumas crianças de 6 as tomem agora e o número de novos utilizadores está aumentando. Considere alguns dos possíveis efeitos colaterais:

1. Depressão

2. Mania e psicose

3. Sentimentos suicidas

4. Violência

5. Cancro

6. Defeitos de nascimento e aumento do risco de autismo

7. Danos cerebrais

8. Ossos enfraquecidos

9. Movimentos incontroláveis do corpo

10. Aumento do risco de diabetes

11. Aumento do risco de acidentes vasculares cerebrais

12. Aumento do risco de demência

13. Aumento do risco de nervosismo, insônia e agitação

14. Apatia

15. Problemas sexuais

16. Vício

Para obter mais informações sobre os perigos dos antidepressivos, visite o site: www.ssristories.org.

Para tratar a depressão naturalmente, pesquisas recentes sugerem que grandes quantidades de ácidos ômega-3 DHA e EPA, juntamente com uma seleção de micronutrientes, podem ser eficazes.

Os enormes lucros dos negócios com as doenças

Não deveriam nossos governos ter o dever moral e legal de começarem a financiar estudos científicos que lidam com abordagens de curas naturais?  Eles deveriam, mas infelizmente os interesses financeiros estão impedindo que isso aconteça.

Para ilustrar as enormes margens de lucro da indústria farmacêutica a partir de drogas químicas, vamos dar alguns exemplos:

ASPIRINA

Um pacote com 20 comprimidos = 3 dólares

Custos com produção, incluindo embalagem = 0,03 dólares

Margem de lucro percentual = 10.000%!

XANAX

Comprimidos 100 x 1mg = 136.79 dólares

Custos de produção = 0.024 dólares

Margem de lucro percentual = 569,958% !!

Como você pode imaginar, a nível político, lucros como este compram à indústria farmacêutica muita influência.

Quem controla o mundo?

mayer-amschel-rothschildMayer Amschel Rothschild

Grandes participações em algumas das maiores corporações do mundo são propriedade de uma rede de famílias que operam globalmente. Além da indústria farmacêutica, essas mesmas famílias também controlam bancos, empresas químicas, empresas de biotecnologia, agências de notícias e outros setores-chave da sociedade.

“Permitam-nos controlar o dinheiro de um país e não nos importamos com quem faça as suas leis.”

A máxima da casa dos Rothschilds, é o princípio de fundação dos bancos europeus, como descrito num relatório das audiências oficiais do governo dos EUA em 1914.

Na área bancária, uma das famílias mais influentes é a família Rothschild. Descendente de Mayer Amschel Rothschild, que criou um negócio bancário na década de 1760, o jornal britânico Daily Telegraph descreveu-os como um sinónimo de riqueza e poder, notando que “o nome Rothschild tornou-se sinônimo de dinheiro e de poder numa medida que mais nenhuma outra família alcançou”. Notoriamente, diz-se que a versão original do hit do musical “Fiddler on the roof”  não se chamava “se eu fosse um homem rico”, mas sim “se eu fosse um Rothschild”.

john-d-rockefellerJohn D. Rockefeller

No que diz respeito ao desenvolvimento da indústria farmacêutica, sem dúvida a influência mais importante foi a de um americano chamado John D. Rockefeller. Uma breve história da sua empreitada para criar um sistema de saúde industrializado pode ser lida no site da Fundação. Existe também um livro revelador intitulado “Rockefeller Medicine Men“ que descreve como, nos primeiros anos do século 20, Rockefeller criou a indústria do investimento farmacêutico para promover a riqueza, já por si massiva, e o poder que ele tinha acumulado através do seu controle sobre a indústria do petróleo.

Os principais princípios por detrás do plano de negócios com fármacos de Rockefeller, nos quais assenta a indústria farmacêutica de hoje, são os seguintes:

  • Os produtos devem ser patenteáveis.
  • Os produtos não devem abordar as causas da doença, mas apenas tratar os sintomas.
  • Os produtos devem ter um potencial aditivo.

Numa ilustração vívida de como as famílias-chave no negócio global do investimento se ligam, em Maio de 2012 foi anunciado que a dinastia de operações bancária de Rothschild tinha comprado uma 37 por cento das ações da riqueza do grupo de Rockefeller e no negócio de gestão de recursos. O movimento juntou David Rockefeller, então com 96 anos, e Jacob Rothschild, então 76, patriarcas da família, cuja relação pessoal diz-se datar já desde há cinco décadas.

O objetivo principal da indústria farmacêutica não é a cura, mas o lucro

As empresas farmacêuticas não estão interessadas em curar os pacientes, o seu único foco é o de os transformar em clientes ao longo da vida. Isto significa que o mercado da indústria farmacêutica é o corpo humano. Com a ajuda da indústria dos alimentos, que produz alimentos rápidos e processados e refrigerantes açucarados, a transformação da saúde em doença – através da qual as empresas farmacêuticas prosperam financeiramente – pode ser facilmente alcançada.

Para garantir que tudo corre bem, dispendiosas agências de publicidade são usadas. A maior delas está presente em vários países e oferece às empresas farmacêuticas contato direto com as autoridades governamentais de saúde. Eles também fornecem “formação” médica gratuita para os médicos com o intuito de promover novas drogas para os pacientes.

Mas nem tudo são más notícias. À medida que estilos de vida orgânicos e saudáveis se tornam cada vez mais populares, as pessoas cada vez mais sentem a beleza que existe em reconectarem-se com a natureza. Novas abordagens da educação estão ensinando as crianças a pensarem por si mesmas e a fazerem as suas próprias escolhas.

Terapias naturais com micronutrientes e plantas de cura estão cada vez mais disponíveis e estão sendo usadas por um maior número de pessoas. A mídia sociais têm desempenhado um papel importante nisso, através de pessoas que partilham as suas experiências on-line. O resultado inevitável de tudo isto é que, lenta, mas seguramente, o poder e a influência da indústria farmacêutica estão sendo reduzidos. Embora ainda não tenhamos grandes hospitais e universidades a promoverem remédios naturais, um dia certamente teremos.

Edward Morgan  -  26.11.2016

Fonte: https://www4.dr-rath-foundation.org/Newsletter/articles/alchemy-of-power-the-pharma-industry.html

Pagina:  https://senhoradesirius.wordpress.com/2016/11/29/a-alquimia-do-poder-a-industria-farmaceutica-a-sua-historia-as-suas-drogas-e-como-manipula-o-mundo-27-10-2016/

Insulina causa Diabete

Novo Estudo descobre que a Insulina Geneticamente Modificada causa Diabetes do Tipo 1 em pacientes com Diabetes do tipo 2

 
insulina-diabetes
 

15 Dezembro, 2016 por Edward Morgan  -  15 de dezembro de 2016

Um estudo inovador revela que a insulina sintética (Geneticamente Modificada) é capaz de produzir rapidamente diabetes do tipo 1 em diabéticos tipo 2.

No ano passado, relatamos os perigos da insulinoterapia para diabéticos do tipo 2 após a publicação de um estudo onde participaram 85.000 pacientes diabéticos do tipo 2 que descobriu que a monoterapia com insulina duplicava o risco de mortalidade por todas as causas, para além de aumentar significativamente o risco de complicações relacionadas com diabetes e cancro.

A monoterapia com insulina resultou em:

  • 2,0 vezes mais infartos do miocárdio;
  • 1,7 vezes mais eventos cardíacos adversos importantes;
  • 1,4 vezes mais AVC’s;
  • 3,5 vezes mais complicações renais;
  • 2.1 mais neuropatia;
  • 1,2 vezes mais complicações oculares;
  • 1,4 vezes mais cancro;
  • 2,2 vezes mais mortes.

Agora, um novo estudo publicado no “Journal of Clinical Endocrinology & Metabolism” intitulado “A administração de insulina pode desencadear diabetes do tipo 1 em pacientes japoneses com diabetes do tipo 2 com diabetes tipo 1 de alto risco HLA classe II e o gene VNTR genótipo“, está lançando Luz sobre uma possível explicação sobre porque é que o tratamento com insulina pode acelerar a morbidade e mortalidade em diabéticos do tipo 2.

O estudo revelou que ministrar a insulina geneticamente recombinante a pacientes com diabetes tipo 2 pode desencadear uma reação nos seus corpos que orienta as suas próprias células produtoras de insulina para a destruição (autoimune) produzindo “dupla diabetes”: tipo 1 e tipo 2, em resultado.

O estudo japonês teve a participação de 6 pacientes (4 homens e 2 mulheres) com diabetes do tipo 2, sendo que nenhum deles tinha recebido insulinoterapia anteriormente nem tinha marcadores de auto-anticorpos da sua própria insulina (por exemplo a GAD65).

Verificou-se que todos os pacientes tinham o gene da suscetibilidade à diabetes tipo 1 conhecido como diabetes tipo 1 de alto risco HLA classe II (IDDM1), que é desempenha um papel em até 50% dos casos de diabetes tipo 1, e o genótipo VNTR do gene da insulina (IDDM2), acredita-se que desempenha um papel fundamental na suscetibilidade à diabetes tipo 2.

Após a administração de insulina recombinante, o controle da glicose no sangue deteriorou-se e as suas próprias células beta produtoras de insulina – medidas pelo declínio dos níveis de peptídeo C (um marcador para a produção da insulina natural) – diminuíram a produção de insulina para níveis de deficiência vulgarmente encontrados nos pacientes com diabetes do tipo 1.

O tempo médio que levaram os pacientes a desenvolver a diabetes do tipo 1 totalmente expandida foi de 7,7 meses, tendo um dos pacientes desenvolvendo a condição em 1,1 meses.

Outros testes revelaram que os pacientes tinham anticorpos contra suas próprias células pancreáticas (as células responsáveis pela produção de insulina), alergia à insulina ou níveis aumentados de anticorpos de insulina. Adicionalmente, verificou-se que 2 dos 4 casos tinham células T1 reativas a GAD e peptídicas de insulina Th1, marcadores típicos da diabetes do tipo 1 induzida por autoimunidade.

As descobertas sugerem que a administração de insulina pode ter desencadeado TIDM em pacientes com DMT 2. IDDM1 e IDDM 2, bem como as células T autoreativas podem contribuir para o desenvolvimento de T1DM. O Desenvolvimento de T1DM desencadeada por insulina se o controle de glicose no sangue de um paciente se deteriora agudamente após a administração de insulina deve ser cuidadosamente considerada.

Os investigadores também realçaram que existe um número de ensaios em curso para produzir vacinas contendo insulina destinada a induzir uma “resposta imunológica tolerogênica” e, portanto, melhorar a diabetes do tipo 1 autoimune.  Claramente, no entanto, as suas descobertas são contrárias a essa expectativa, revelando que é possível que a introdução de formas exógenas de insulina possa estimular a reação oposta e induzir autoimunidade contra a hormona ou células do pâncreas responsáveis pela sua produção.

Uma possível explicação para estes resultados reside na diferença entre a insulina sintética de hoje e a insulina purificada de animais como porcos (insulina porcina), que já não está disponível em países como os EUA.

A insulina foi realmente a primeira proteína a ser sintetizada com tecnologia de ADN recombinante (Geneticamente Modificada) no final da década de 1970 (2), e hoje, produtos como o Lantus (insulina glargina [injeção de origem rADN]) dominam o mercado. De acordo com o Sanofi, fabricante do Lantus, sua forma é produzida “por tecnologia de DNA recombinante utilizando uma estirpe laboratorial não-patogênica de Escherichia coli (K12) como organismo de produção”.

A insulina sintética é classificada como análoga à insulina que difere significativamente da insulina humana na sua estrutura de aminoácidos primária: “A insulina glargina difere da insulina humana pelo fato do aminoácido asparagina na posição A21 ser substituído pela glicina e duas argininas serem adicionadas à C- Terminal da cadeia B”. A fórmula do Lantus também contém vários “ingredientes inativos”, tais como:

  • Ácido clorídrico;
  •  Hidróxido de sódio (soda cáustica);
  •  Zinco;
  •  M-cresol (um derivado de alcatrão de carvão);
  •  Glicerol;
  •  Polissorbato 20.

A injeção simultânea destes ingredientes antigênicos juntamente com a insulina sintética poderia ser a responsável pela hipersensibilização do sistema imunitário contra a insulina da mesma forma que os ingredientes inativos e adjuvantes nas vacinas induzem reações imunitárias exageradas contra o antigênio da vacina “ativa” (eg o antigênio viral ou bacteriano) que às vezes resulta no ataque do sistema imunológico à sua própria autoestrutura (autoimunidade).

Para além disso, a insulina sintética não tem o mesmo estado conformacional – isto é, não assume a mesma forma complexa dobrada – como a insulina humana natural ou a insulina de porco mais estreitamente relacionada. Isto coloca um problema de “reconhecimento” na perspectiva do sistema imunitário, que pode identificar a proteína estranha como “outra”, provocando reações autoimunes agudas ou sustentadas a ela como resultado.

insulinaA estrutura da insulina. No lado esquerdo temos um modelo de enchimento de espaço do monômero de insulina. Do lado direito está um diagrama da fita do hexâmero da insulina (6 moléculas da insulina unidas), acreditado para ser a forma armazenada. Fonte: Wikipedia

De acordo com um artigo de 1993 sobre a insulina humana recombinante, “as proteínas expressas bacterialmente carecem normalmente de qualquer estrutura secundária ou modificações de pós-tradução” – um fato altamente significativo, considerando que as proteínas complexas, tais como as hormonas, de fato têm quatro níveis de complexidade de dobragem: Terciário e quaternário, todos os quais, juntos, determinam a estrutura natural da proteína e, portanto, a sua função.

De fato, essa complexidade é tão imensa que o paradoxo de Levinthal afirma que uma proteína totalmente dobrada (ie, aquela que atingiu sua conformação nativa) deve passar por um número tão grande de graus de liberdade para alcançar seu estado nativo que não há tempo suficiente no universo para que ele se mova através de todas as configurações possíveis para as quais foi projetada pela natureza para assumir.

Obviamente, se a insulina sintética não é capaz de obter a mesma estrutura tridimensional da insulina natural, nem é modificada pós-traducionalmente através de processos reguladores epigenéticos, não se pode comportar da mesma forma que a insulina natural no corpo e provavelmente seria identificada como “outra” pelo sistema imunológico, se não também pelos receptores da insulina celular.

Pesquisas que datam do início da década de 1980 compararam insulina sintética derivada de E. coli com a insulina derivada de suínos em crianças diabéticas e descobriram que a insulina porcina era mais eficaz na redução dos valores de HbA1 (um marcador de danos associados a níveis elevados de açúcar no sangue) reduzindo as concentrações de glicose em jejum e menos anticorpos reativo à insulina do que a insulina sintética (3) .

Embora a insulina derivada de porco tenha as suas limitações, em particular considerando que existem limites para o quanto pode ser produzido, claramente é mais apropriada do que as versões sintéticas, se é verdade que esta última é incapaz de reproduzir o mesmo resultado terapêutico para os diabéticos.

As abordagens Naturais para a prevenção e tratamento da diabetes são o futuro

Num artigo anterior sobre intervenções naturais em diabetes do tipo 1, 10 substâncias naturais que podem ajudar a curar a diabetes do tipo 1, focamo-nos na literatura biomédica que apoia o papel dos alimentos regeneradores e substâncias naturais nas células beta (células produtoras de insulina) no tratamento de uma das causas básicas de diabetes tipo 1.

O futuro da medicina procurará identificar e remover as causas das condições como a diabetes, em vez de empregar drogas sintéticas patenteadas e terapias de reposição sintéticas (que alimentam a deficiência), paliativamente – especialmente considerando a nova pesquisa que indica que elas realmente fazem o paciente ficar muito pior.

Para além disso, a dieta é o principal e fator nº 1 na patogênese da maioria das condições crônicas que afligem o mundo moderno. Mais especificamente, o consumo de alimentos ou produtos alimentares que se desviam das nossas dietas ancestrais geram as condições fisiológicas que produzem a doença em primeiro lugar. Abordar as causas dietéticas e as incompatibilidades faz com que muitas “doenças” desaceleram e possam mesmo regredir.

Fonte: https://www.greenmedinfo.com/blog/gmo-insulin-causes-type-1-diabetes-type-2-diabetics-study-finds?page=2

Read in: English  -  Fonte – Prepare for Change

Pagina: https://senhoradesirius.wordpress.com/2016/12/18/novo-estudo-descobre-que-a-insulina-geneticamente-modificada-causa-diabetes-do-tipo-1-em-pacientes-com-diabetes-do-tipo-2-28-06-2014/

Envenenamento por Alumínio

Químico Nuclear publica documento detalhando...

“O envenenamento da Humanidade por alumínio através da Geoengenharia”

(Edward Morgan  -  05.11.2016)
 

Somente nos últimos dois anos o conceito de geoengenharia gerou um interesse crescente (que parece acelerar a um ritmo crescente) no mundo acadêmico.

Isso também acendeu um grande interesse na formulação de políticas, o que não é surpresa, dado que estamos falando de  “geoengenharia” do clima global em resposta às mudanças climáticas globais.

Isso é exatamente o que a geoengenharia é - uma resposta à atividade humana destrutiva que precisamos cessar - e envolve a injeção de partículas/aerossóis estratosféricos na atmosfera para reduzir o efeito da mudança climática global.

Por exemplo, o SPICE é um projeto de pesquisa de geoengenharia financiado pelo governo do Reino Unido, que colabora com as universidades de Oxford, Cambridge, Edimburgo e Bristol para examinar a ideia da gestão da Radiação Solar (Solar Radiation Management – SRM).

Algumas das partículas candidatas para pulverizar no ar (propostas pela SPICE) para citar apenas algumas são:

  • Sulfato / Ácido sulfúrico / Dióxido de enxofre;
  • Titania;
  • Carbeto de silício;
  • Carbonato de cálcio;
  • Alumina;
  • Sílica;
  • Óxido de zinco.

Uma Investigação inovadora

dr-marvin-herndon-phdO Dr. Marvin Herndon, PhD., um químico nuclear, geoquímico, e cosmoquímico – mais conhecido por deduzir a composição do núcleo interno da terra como sendo de silicieto de níquel, e não o metal de níquel-ferro parcialmente cristalizado – publicou uma investigação inovadora na revista de análise pelos seus pares, a “Current Science” (da Academia Indiana de Ciências) intitulado

“Envenenamento da Humanidade e da biota da Terra, com alumínio pela atividade de geoengenharia clandestina: implicações para a Índia”.

O resumo diz o seguinte:

Em resposta a um apelo urgente por meio de um artigo na Current Science para auxiliar na compreensão da associação geológica da alta mobilidade do alumínio na saúde humana na planície aluvial de Ganga, eu descrevo as evidências da atividade de geoengenharia clandestina que ocorre há pelo menos 15 anos e que tem crescido em escala acentuada nos últimos dois anos.

A atividade de geoengenharia através de aviões-tanques a jato lança uma substância não-natural e tóxica na atmosfera da Terra que, com a água da chuva, liberta alumínio altamente móvel. Além disso, apresento as provas de que a substância tóxica é a cinza volante da combustão do carvão. A dispersão clandestina de cinzas de carvão e a consequente liberação de alumínio altamente móvel, eu afirmo que é a causa subjacente do aumento generalizado e pronunciado das doenças neurológicas  assim como da debilitação atualmente difundida e crescente na biota da Terra. Recomendações são feitas para verificar se a evidência apresentada aqui é aplicável à planície aluvial do Ganga.

O artigo continua, discutindo e citando publicações que detectaram metais pesados como o alumínio, bário, estrôncio e mais na água da chuva, além de cinzas volantes e muito mais. Por exemplo, durante o período entre Julho de 2011 e Novembro de 2012, 73 amostras da água da chuva foram coletadas e analisadas para alumínio e bário; 71 foram recolhidas em 60 locais diferentes na Alemanha, 1 na França e 1 na Áustria.

O alumínio foi detectado em 77% das amostras da água da chuva e havia também uma concentração muito alta de bário e estrôncio.

Ele também discute como essas concentrações de metais não são o resultado de fenômenos naturais, como explosões vulcânicas, por exemplo. Esta não é a única publicação recente e inovadora que vem do mundo academico sobre este fenômeno. Há alguns meses, a Dra. Rose Cairns, doutoranda, que pertence à Escola do Meio Ambiente e da Terra da Universidade de Leeds, publicou um artigo no Geophysical Journal, revisto por pares, intitulado “Climas de suspeição: narrativas da conspiração sobre os ‘rastros químicos’ e Políticas da Geoengenharia”.

Ela também está a realizar pesquisas sobre a Governança da Geoengenharia como parte de um projeto multidisciplinar colaborativo entre a Universidade de Sussex, UCL e Universidade de Oxford (https://geoengineering-governance-research.org/) O projeto examina as implicações sociais, éticas e políticas das propostas de geoengenharia climática.

No seu artigo, ela descreve o desenvolvimentos no discurso acadêmico e político sobre a geoengenharia, e como a modificação climática, também pode ser discutida pelos cidadãos do mundo (que usam o termo “rastros químicos”). Isto está tendo efeitos devastardores na natureza e na saúde por todo o mundo.

Entender a política emergente da geoengenharia e levar a sério as reivindicações sobre a importância da participação pública requer uma compreensão de todo o panorama discursivo em torno das ideias do controle climático global – incluindo as ideias marginais como aquelas defendidas pelos ativistas dos rastros químicos.  Ignorar ou descartar esses discursos como patológicos ou paranóicos é ignorar as perspectivas potencialmente reveladoras sobre a política emergente da geoengenharia.

Ela também menciona que:

Esta análise sugere um número de formas pelas quais a narrativa dos rastros químicos pode conter perspectivas e implicações importantes para as emergentes políticas de geoengenharia, que não podem ser descartadas como “paranóicas” ou “patológicas”.  Embora o Dra. Rose não seja uma proponente da “conspiração dos rastros químicos”, é ótimo ver outro artigo publicado por um acadêmico tendo uma perspectiva neutra, reconhecendo a importância dessas alegações, em vez de descartá-las diretamente.

A diferença básica aqui é que a geoengenharia no âmbito acadêmico é estritamente uma proposta, e que esses meios de engenharia do clima da Terra ainda não estão operacionais. Quando se trata dos defensores dos “rastros químicos”, eles acreditam que eles estão operacionais, assim como o artigo acadêmico descrito no início deste artigo, juntamente com muitos outros.

A verdade é que parece haver uma tremenda quantidade de informações que sugerem que esses programas são  verdadeiramente operacionais. Ainda não está claro se a sua intenção é modificar o clima para combater os efeitos do aquecimento global ou promover algum outro tipo de agenda.

Evidências que sugerem que esses programas já estão em operação:

Nos últimos anos tem havido um declínio no apoio à pesquisa da modificação climática, e uma tendência para os deslocar diretamente para projetos operacionais” – Associação Meteorológica Mundial - . Para além de programas de pesquisa específicas patrocinados por agências federais, existem outras funções relacionadas com a modificação climática que são realizadas em vários lugares do ramo executivo. Vários painéis e comitês consultivos federais – criados para realizar estudos aprofundados e preparar relatórios, fornecer conselhos ou recomendações ou coordenar programas de modificação climática -  foram alocados e apoiados dentro de departamentos executivos, agências, governos e serviços.

Por Arjun Walia, Collective Evolution

Read in English  em... Prepare for Change

Texto revisado e melhorado por Jomarion

Fonte secundaria: https://senhoradesirius.wordpress.com/2016/11/06/quimico-nuclear-publica-documento-detalhando-o-envenenamento-por-aluminio-da-humanidade-via-geoengenharia-03-07-2015/#more-24909

Dossiê Bayer-Monsanto: em risco, a alimentação do mundo

 

O pior dos cenários realizou-se: a Bayer comprou a Monsanto por 66 bilhões de dólares
 
O fato dá origem ao que é, de longe, a maior corporação de agronegócio do mundo. Segundo os resultados financeiros de 2015, as duas empresas têm um volume de negócios combinado de US$ 23,1 bilhões. Ninguém do ramo pode igualar-se a elas. Os jovens casais Syngenta / ChemChina e Dupont / Dow as seguem de longe (US$ 14,8 e 14,6 bilhões, respectivamente), e a Basf está relegada ao quarto lugar, com US$ 5,8 bilhões.

A Bayer e a Monsanto controlam, juntas, cerca de 25% do mercdo mundial de pesticidas; e de 30% das vendas de sementes agrícolas — tanto as geneticamente modificadas quanto as convencionais. Considerando-se somente as plantas transgênicas (OGM), as duas corporações juntas atingem uma clara posição de monopólio, com mais de 90%.

“Com a aquisição da Monsanto pela Bayer, a concentração no mercado do agronegócio atinge um novo pico. Os elementos chave da cadeia alimentar estão agora nas mãos de um só grupo.

Os agricultores devem preparar-se para pagar preços mais altos e também terão menos escolhas. Além disso, deve piorar ainda mais o bloqueio à inovação no setor, especialmente para os herbicidas”, criticou Toni Michelmann, da Coalizão contra os males da Bayer (CBG). A organização de defesa dos consumidores SumOfUs  também assumiu posição contra a compra da Monsanto. “Esta aquisição é uma ameaça ao nosso abastecimento de alimentos e a todos os agricultores do mundo”, declarou Anne Isakowitsch. “Não surpreende, portanto, que mais de 500 mil de nossos membros tenham assinado uma petição contra essa compra.”

Michelmann anunciou que a CBG quer aproveitar o Tribunal Monsanto, previsto para outubro, em Haia, para articular-se com as diversas iniciativas contra a Monsanto e redirecionar a partir de agora a resistência, centrando-a sobre a Bayer. A primeira ação coletiva prevista pela coordenação ocorrerá na próxima assembleia geral da multinacional de Leverkusen, no Parque de exposições de Colônia, na Alemanha, em 28 de abril de 2017. “A lista de oradores dificilmente se esgotará num só dia. A Bayer pode, por precaução, reservar também o dia 29 de abril”, recomenda Michelmann à corporação global. Ele mencionou ainda uma “Marcha contra a Bayer”, que será dirigida a Leverkusen.

“O grupo pode esperar desde já o aumento da pressão contra si. A pressão é contra uma política comercial que finge lutar contra a fome, mas aposta sobretudo nas monoculturas de soja e de milho para alimentar a pecuária industrial e que, com seus pesticidas, coloca em perigo polinizadores como as abelhas, tão importantes para as culturas aráveis . Uma política comercial que se baseia em tecnologias de risco como manipulações genéticas, uma política que, ao invés de buscar alternativas, leva mais e mais venenos para o campo”, afirma o químico.

Segundo a Coalizão, os políticos devem agir. E não é possível contentar-se com procedimentos cosméticos por parte da Comissão Europeia para a Concorrência. Não bastam pequenas medidas, como separar-se do setor algodoeiro ou livrar-se de certos pesticidas, especialmente porque a Basf já está de olho nesse tipo de produto. Os políticos devem também levar em conta o impacto sobre o emprego e o regime fiscal. Não é possível que a Bayer obtenha deduções fiscais para essa aquisição, e as cidades onde se encontram suas indústrias fiquem numa penúria ainda maior. Também é excluída desde já qualquer tentativa, por parte da empresa, de reduzir a dívida contraída pela operação de compra com o corte de empregos e medidas de reengenharia.

Axel Köhler-Schnura, da CBG, conclui: “A cínica partida de pôquer em torno da Monsanto, animada por pura cupidez, mostra mais uma vez que a alimentação do mundo é uma questão séria demais para ser deixada nas mãos dos gigantes do agronegócio. O que a Coalizão contra os males da Bayer recomenda, portanto, é colocar as corporações sob controle social.”

https://www.cartacapital.com.br/blogs/outras-palavras/dossie-monsanto-em-risco-a-alimentacao-do-mundo

A História completa da BAYER

Uma das maiores empresas de controle populacional do mundo

bayer-ag-gmo-depopulation
 
 
A Bayer AG é um gigante da indústria química e farmacêutica fundada em Barmen, na Alemanha, em 1863 por Friedrich Bayer e pelo seu parceiro Johann Friedrich Weskott.

Hoje tem a sua sede em Leverkusen, na Alemanha e registrou a marca do ácido acetilsalicílico como aspirina em 1899.  Também registrou a marca da heroína um ano antes e, posteriormente, comercializou-a por todo o mundo ao longo de décadas como um “remédio para a tosse para crianças“, e “sem efeitos colaterais”, apesar dos perigos de vício conhecidos.

Durante a Primeira Guerra Mundial, a Bayer voltou a sua atenção para o fabrico de armas químicas, incluindo o gás de cloro, que foi utilizado com efeitos horrendos nas trincheiras. Também construíram uma “Escola de Guerra Química”.

Durante esse tempo a Bayer criou uma relação estreita com outras empresas químicas alemãs, incluindo a BASF e a HOECHST.Esta relação foi formalizada em 1925, quando a Bayer foi uma das empresas químicas que se fundiram para formar o enorme conglomerado alemão IG Farben. Tornou-se na maior empresa na Alemanha e tornou-se o maior doador para a campanha de Hitler.

Depois de Hitler chegar ao poder, a IG Farben trabalhou em estreita colaboração com os nazistas, tornando-se no maior especulador da Segunda Guerra Mundial.  Entre muitas outras coisas, a IG Farben produziu todos os explosivos para as forças armadas alemãs e sistematicamente saquearam as indústrias químicas da Europa ocupada. Tem sido descrita como “chacal industrial” dos nazistas à sombra dos exércitos de Hitler.

Durante a Segunda Guerra Mundial a IG Farben usou trabalho escravo em muitas das suas fábricas e minas e, em 1944, mais de 83.000 trabalhadores forçados e prisioneiros de campos de morte tinham sido colocados a trabalhar no campo da IG Farben em Auschwitz, na Polônia ocupada pelos nazis.

Auschwitz era um vasto campo de trabalho e de morte, onde mais seres humanos foram condenados à morte dos que foram mortos em toda a Primeira Guerra Mundial.  Ela era composta por 3 campos principais: Auschwitz I, um campo de concentração; Auschwitz II (Birkenau), um campo de extermínio em que em 1944 cerca de 6.000 pessoas por dia eram mortas e Auschwitz III, que fornecia o trabalho escravo para a fábrica da IG Farben nas proximidades (Buna-Werke, também conhecida como IG Auschwitz).

A fábrica de Auschwitz da IG Farben era um complexo industrial massivo. O maior fora da Alemanha, que consumia tanta eletricidade quanto toda a cidade de Berlim.  Construída e gerida com recurso a trabalho escravo pensa-se – numa estimativa conservadora – ter custado pelo menos 35.000 vidas.

Em 1941, Otto Armbrust, o membro do conselho de administração da IG Farben responsável pelo projecto de Auschwitz da IG Farben, disse aos seus colegas “a nossa nova amizade com as SS é uma bênção. Nós determinamos todas as medidas necessárias para integrar os campos de concentração por forma a beneficiar a nossa empresa“.

E não foram só milhares de trabalhadores escravos que morreram por causa das condições em que trabalhavam para a IG Farben. Aqueles prisioneiros de campos que eram vistos como demasiado doentes ou fracos para continuar a trabalhar na fábrica da IG Auschwitz foram selecionados para as câmaras de gás.

A IG Farben pagava 100.000 reichsmarks a cada ano às SS e em troca foi assegurado um fornecimento contínuo de trabalho escravo, enquanto era “aliviada” de prisioneiros que não rendiam o esperado.  Elie Wiesel, o escritor e vencedor do Prémio Nobel e sobrevivente do Holocausto, chegou a Auschwitz em 1944 e foi enviado com o seu pai para campo de trabalho Buna da IG Farben.

Nesse mesmo ano, o sobrevivente do Holocausto e autor Primo Levi estava entre os 125 homens selecionados no terminal ferroviário para servirem de mão-de-obra na casa da IG em Buna-Werke.  Um dos apenas três sobreviventes deste grupo, Levi escreveu mais tarde sobre as suas experiências em detalhes arrepiantes:

“Quinze dias depois da minha chegada, eu já tinha a fome prescrita, aquela fome crônica desconhecida para os homens livres… Na parte de trás dos meus pés eu já tinha as feridas dormentes que não cicatrizam. Eu empurrava vagões, eu trabalhava com uma pá, eu apodrecia à chuva, eu tremia ao vento, já o meu próprio corpo já não era meu. A minha barriga estava inchada, as minhas pernas magras.”

“Em Noite, o livro de memórias aclamado de Elie Wiesel sobre as suas experiências pessoais no Holocausto, ele descreve como os veteranos do IG Buna-Werke disseram aos que tinham chegado lá no final da guerra que o tratamento brutal que tinham vivido não tinha nada a ver com aquilo que a força de trabalho convencional da IG viveu:  “Sem água, sem cobertores, menos sopa e pão. À noite, dormimos quase nus e a temperatura era de 30 graus abaixo de zero.” “Nós recolhíamos cadáveres às centenas todos os dias… O trabalho era muito difícil… (Os agentes empregadores) tinham ordens para matar um certo número de prisioneiros diariamente, e todas as semanas havia uma seleção (para as câmaras de gás) – uma seleção impiedosa.”

Quando se tratava de “seleção”, era uma subsidiária da IG Farben, com gestores da IG Farben na sua Comissão de Gestão, que fabricavam e forneciam o Zyklon B (gás usado nas câmaras de gás) ao SS.  Este pesticida à base de cianeto venenoso, do qual a IG Farben tinha a patente, foi usado durante o Holocausto para aniquilar mais de um milhão de pessoas em ambos os campos de extermínio de Auschwitz-Birkenau e Majdanek.  A fórmula do Zyklon B usado nas câmaras de gás era deliberadamente feita sem o odorante de advertência normal. A IG Farben também forneceu às SS o metanol usado para queimar os cadáveres.  Em 1946 o Tribunal de Crimes de Guerra de Nuremberg concluiu que, sem a IG Farben a Segunda Guerra Mundial simplesmente não teria sido possível. 

O Procurador-Geral, Telford Taylor, advertiu: 

 “Essas empresas, não os fanáticos nazistas excêntricos, são os principais criminosos de guerra. Se a culpa desses criminosos não for trazida à luz do dia e se eles não forem punidos, eles representam uma ameaça muito maior para o futuro da Paz no mundo do que Hitler se ele ainda estivesse vivo”. A sua acusação afirmou que, devido às atividades da IG Farben “a vida e a felicidade de todos os povos do mundo foram afetadas negativamente”. “Acusações tão graves como fomentar a guerra e matar trabalhadores escravos também foram adicionadas. No seu discurso de abertura o Procurador-Geral de Nuremberg assinalou que “o sumário de culpa acusa estes homens de grande responsabilidade na guerra mais horrífica e catastrófica da história. Ele acusa-os de escravagismo recorrente, pilhagem e assassinato.”

De acordo com os advogados de acusação de Nuremberg:

“Observamos que a Farben integrou-se com a tirania nazista, emprestando a sua genialidade técnica para fornecer… matérias-primas vitais para a reconstrução da máquina de guerra alemã, e emergindo com o apoio de Hermann Goering no mais alto nível do planeamento econômico e da mobilização para guerra”. “Constatamos que a Farben estava pronta para matar e, posteriormente, foi inchada pela conquista econômica nos países indefesos ocupados.” “Diante duma escassez de trabalhadores, vimos como a Farben se virou para Goering e Himmler e persuadir essas pessoas ilustres a empacotarem as legiões de prisioneiros de campos de concentração como ferramentas da máquina de guerra da Farben.” “Vimos como esses trabalhadores miseráveis morreram aos milhares, alguns no canteiro de obras da Farben, e muitos mais nas câmaras de gás de Auschwitz após a Farben ter esgotado a vitalidade dos seus corpos miseráveis…” “Literalmente milhões de pessoas foram mortas no próprio quintal de um dos projetos de estimação da Farben – um projeto no qual a Farben investiu mais de 600 milhões de marcos do seu próprio dinheiro.”

Embora o Tribunal de Nuremberg tenha indiciado 24 membros do conselho da IG Farben e executivos com base em crimes contra a Humanidade, apenas 13 receberam sentenças de prisão.  E as frases que receberam foram descritas pelo Procurador-Chefe de Nuremberg como “leves o suficiente para agradar a um ladrão de galinhas”. No início dos anos 1950 os condenados por escravagismo, saque e assassinato em massa estavam de volta ao leme das suas próprias empresas – a Bayer e a Hoechstand BASF, formadas a partir dos ativos da IG Farben em 1952.

Os proprietários destas “novas” empresas eram também accionistas da IG Farben. Assim, embora a gravidade dos crimes cometidos pela IG Farben significasse que a empresa fosse considerada corrupta demais para que lhe fosse permitido continuar a existir, foi suplantada pelas suas componentes originais – as empresas como a Bayer que eram propriedade e geridas ao mais alto nível pelas mesmas pessoas que geriam a IG Farben.

Aqueles que tinham ajudado Hitler a chegar ao poder e sustentaram com know-how técnico as suas guerras de agressão e o Holocausto, estavam de volta ao controle da indústria.  O executivo da Bayer de nome Fritz ter Meer é um exemplo deste salto para trás.  Executivo da IG durante muitos anos, o cientista mais graduado no seu conselho de supervisão e presidente da sua comissão técnica, ele tornou-se um membro do Partido Nazista em 1937 e foi o executivo responsável pela construção da fábrica IG Farben em Auschwitz, na qual dezenas de milhares de trabalhadores escravos encontraram a morte.

As próprias visitas de Ter Meer a Auschwitz e os relatórios detalhados que recebeu davam a entender que era inconcebível que ele não tinha nenhuma ideia clara do que estava a ocorrer.  O Tribunal Penal de Nuremberg considerou-o culpado de pilhagem, escravidão e assassinato em massa. Como resultado, Ter Meer recebeu a mais longa sentença de qualquer dos membros do conselho de administração da IG Farben.  Mas apesar de ser considerado o mais culpado dos homens que, segundo as palavras do Procurador-Geral, “tornaram a guerra possível… os magos que fizeram com que as fantasias do Mein Kampf se tivessem tornado realidade”, Ter Meer já estava fora da prisão em 1952.

Em 1956 ele tornou-se o presidente do conselho de administração da Bayer, cargo que ocupou até 1964. Ainda hoje a Bayer continua a honrar este assassino em massa condenado.  No dia de Todos-os-Santos de 2006, por exemplo, é sabido que essa corporação colocou uma coroa de flores no túmulo de Ter Meer em Krefeld-Uerdingen, na Alemanha.

No entanto, ao longo de décadas a Bayer recusou-se a pagar uma indenização aos seus trabalhadores escravos sobreviventes. Só depois de protestos internacionais é que fez isso, e eventualmente, concordou em pagar uma indenização – mais de 50 anos após o fim da guerra.  A Bayer continuou a crescer no período pós-guerra, tornando-se maior do que o conjunto da IG Farben no seu apogeu. Mesmo como parte da IG Farben, a Bayer manteve a sua força nos produtos farmacêuticos.

Na realidade, experiências científicas tinham sido conduzidas especificamente em nome da Bayer em Auschwitz e noutros campos de concentração.  A IG tinha pago a conta da pesquisa de Josef Mengele, o infame “Anjo da Morte” de Auschwitz-Birkenau, e algumas das suas experiências laboratoriais utilizavam produtos farmacêuticos fornecidos pela Bayer.  Wilhelm Mann, cujo pai tinha liderado o departamento farmacêutico da Bayer, escreveu, como chefe do poderoso comité farmacêutico da IG, a um contato nas SS em Auschwitz:  “Anexei o primeiro cheque. As experiências do Dr. Mengele devem, como nós ambos concordamos, prosseguir. Heil Hitler”

O empregado da IG, o major das SS Dr. Helmuth Vetter, destacado para Auschwitz, participou nas experiências médicas em humanos sob as ordens da Bayer. “Os prisioneiros morreram como resultado de muitas dessas experiências. Vetter foi condenado por crimes de guerra em 1947 e foi executado em 1949, mas o papel da Bayer nesse processo só emergiu mais tarde. Nos arquivos da correspondência de Auschwitz foi descoberta correspondência entre o comandante do campo e a Bayer” “Dizia respeito à venda de 150 prisioneiros do sexo feminino para fins de experiências laboratoriais e envolveu discussões sobre o preço.”  As experiências foram realizadas. Todas as pessoas testadas morreram. Nós entraremos em contato consigo em breve para uma nova remessa ao mesmo preço.”

De acordo com o depoimento do médico das SS Dr. Hoven durante o Tribunal Penal de Nuremberg:

“Deve ser do conhecimento geral, e especialmente nos círculos científicos alemães, que as SS não tinham notáveis cientistas à sua disposição. “É claro que as experiências nos campos de concentração com preparações da IG só ocorreram nos interesses da IG, que se esforçou por todos os meios para determinar a eficácia dessas preparações.” “Eles permitiram que as SS lidassem com o – eu direi – trabalho sujo nos campos de concentração.” “Não era a intenção da IG expor-se desta forma, mas ao invés disso lançaram uma cortina de fumo em torno das experiências de modo a que… eles pudessem manter os lucros só para si.” “Não foram as SS mas sim a IG que tomou a iniciativa das experiências nos campos de concentração”

Nos anos do pós-guerra a Bayer cresceu para se tornar a terceira maior empresa farmacêutica do mundo. Em meados dos anos 1980 a Bayer foi uma das empresas que venderam um produto chamado concentrado de Fator VIII para tratar a hemofilia. Veio a se descobrir posteriormente que o Fator VIII estava contaminado com HIV e, só nos EUA, infectou milhares de hemofílicos, muitos dos quais morreram num dos piores desastres médicos relacionados com farmacêuticos de sempre.

Mas foi só em 2003 que o New York Times revelou que a Bayer tinha continuado a produzir e a vender este produto infectado para a Ásia e América Latina depois de Fevereiro de 1984, quando um produto seguro se tornou disponível, a fim de economizar dinheiro.  Dr. Sidney M. Wolfe, que investigou o escândalo, comentou:  “Estes são os mais incriminatórios documentos internos da indústria farmacêutica que eu já vi.”

No início de 1990 da Bayer é dito que a Bayer colocou pacientes em risco de infecções potencialmente fatais ao não divulgar informações sobre segurança cruciais, durante os testes do antibiótico Ciproxin. Quase 650 pessoas foram operadas com Ciproxin sem que os médicos fossem informados que os estudos (já em 1989) mostravam que o Ciproxin reagia mal a outras drogas, prejudicando seriamente a sua capacidade de matar bactérias.  Em 2001, a Bayer teve de recolher o seu medicamento anti-colesterol Baycol / Lipobay, que foi posteriormente ligado a mais de 100 mortes e 1.600 feridos.

O ministro da Saúde da Alemanha acusou a Bayer de ter conhecimento das pesquisas que documentavam os efeitos colaterais letais do Baycol durante quase dois meses antes do governo em Berlim ser informado.  Pensa-se para ter sido em parte em resposta ao impacto do escândalo do Baycol que a Bayer comprou a unidade de ciências agrícolas da rival companhia francesa Aventis, que já havia absorvido parte da Hoechst, em Outubro de 2001.

A Bayer CropScience foi criada em 2002, quando a Bayer AG adquiriu a Aventis CropSciencee fundiu-a com sua própria divisão de agroquímicos (Bayer Pflanzenschutz [Bayer “Protecção de de Colheitas”]).  A empresa de biotecnologia belga Plant Genetic Systems também se tornou parte de Bayer via aquisição da Aventis CropScience.  Hoje, a Bayer CropScience é uma das divisões de negócios centrais da Bayer, que incluem:

. A Bayer HealthCare: medicamentos, dispositivos médicos e equipamentos de diagnóstico;

. A Bayer MaterialScience AG: polímeros e plásticos;

. A Bayer CropScience: culturas geneticamente modificadas e agroquímicos.

A Bayer é o fabricante de pesticidas mais importante do mundo e a sétima maior empresa de sementes do mundo. A Bayer CropScience é responsável pela maioria dos ensaios de campo de Organismos Geneticamente Modificados em países europeus. As culturas geneticamente modificadas da Bayer são na sua maioria “Liberty Link (Ligação Liberdade)” – projetadas para serem resistentes ao seu herbicida “Liberdade”.O “Liberdade” é um nome comercial para herbicida glufosinato da Bayer. Juntamente com as culturas Roundup Ready da Monsanto, as culturas Liberty Link da Bayer são um dos dois principais tipos de culturas resistentes a herbicidas GM, mas o glufosinato é um herbicida controverso.

Em Janeiro de 2009, o Parlamento Europeu votou para banir os pesticidas classificadas como cancerígenos, mutagênicos ou tóxicos para a reprodução.  Em resultado disso, a licença do glufosinato não será renovada. Uma avaliação da Autoridade Europeia para a Segurança dos Alimentos (EFSA) afirma que o glufosinato representa um alto risco para os mamíferos.  É classificado como tóxico para a reprodução por causa das evidências de pesquisa que mostram que pode causar partos prematuros, morte intra-uterina e abortos em ratos. Estudos japoneses mostram que a substância também pode dificultar o desenvolvimento e a atividade do cérebro humano.

O inseticida sistémico da Bayer, o Imidacloprid, vendido em alguns países sob o nome de Gaucho, e a clotianidina, também se provou serem altamente polémicos, pois acredita-se que tenham contribuído significativamente para a morte de abelhas.  Houve apelos para os neonicotinóides serem retirados como revestimentos de sementes para as culturas pois podem afetar abelhas, ou mesmo para uma proibição total da sua utilização.

Em Maio de 2008, as autoridades alemãs culparam o Clothianidin pela morte de milhões de abelhas, e o Escritório Federal Alemão de Defesa do Consumidor e Segurança Alimentar (BVL) suspendeu a inscrição de oito produtos de pesticidas para tratamento de sementes, incluindo a clotianidina e o Imidacloprid, no milho e colza.  Em 2008, a Bayer CropScience estava no centro de uma enorme controvérsia no rescaldo de uma explosão numa das suas instalações de produção de pesticidas nos EUA.  Uma investigação do Congresso EUA encontrou sistemas de segurança defeituosos, deficiências significativas nos procedimentos de emergência e falta de formação de funcionários responsáveis pela explosão que matou dois empregados. A região aparentemente escapou por pouco a uma catástrofe que poderia ter superado a o desastre de Bhopal de 1984.

De acordo com a investigação do Congresso:

“Evidências recolhidas pela comissão demonstram que a Bayer envolveu-se numa campanha de sigilo pela retenção de informações críticas do local, pelo condado e pelas equipes de emergência estatais ao restringir o uso das informações fornecidas aos investigadores federais; minando as agências de notícias e grupos de cidadãos preocupados com os perigos que representam as atividades da Bayer, e fornecendo informações imprecisas e enganosas para o público.”

A Bayer CropScience verificou-se ter deliberadamente removido e destruído provas após a explosão química.  A Bayer CropScience tem estado envolvida num grande número de controvérsias relacionadas com culturas geneticamente modificadas, talvez a mais notável tenha sido a contaminação em 2006 de grande parte do fornecimento de arroz de grão longo dos EUA pelo arroz “Liberty Link” GM não aprovado da Bayer.

Isso causou a pior crise da indústria do arroz nos EUA:

. Mais de 40% das exportações de arroz dos EUA foram afetadas negativamente;

. Várias ações judiciais federais foram arquivadas;

. O comércio com os 25 países da UE ficou paralisado;

. Outros países proibiram as importações de arroz de grão longo dos EUA;

. Muitos outros países exigem o teste de todas as importações de arroz EUA;

. Alguns mercados de arroz de grão curto e médio foram afetados.

Outra cultura de arroz da Bayer GM não aprovada (LL62) também está a ser detectada em stocks de arroz nos EUA.  Os produtores de arroz dos Estados Unidos estão sendo avisados de que nunca mais serão capazes de rotular de forma válida a sua cultura como sendo “livre de OGM”.  Significativamente, um dos fatores-chave na venda da Aventis CropScience à Bayer foi uma crise semelhante que envolveu a GMmaize.

O fiasco do Starlink começou quando em Outubro de 2000 vestígios de um milho da GMmaize Aventis chamado StarLink foram detectados em alimentos nos EUA, mesmo só tendo aprovação para serem usados como alimento para animais ou uso industrial.  O Starlink não foi aprovado para consumo humano porque a Agência de Proteção Ambiental não podia descartar a possibilidade de que os seres humanos fossem alérgicos a ele.  A agência aprovou condicionalmente o Starlink da Aventis sob a condição de que não fosse consumido humanos.  O fiasco do Starlink levou a uma recolha em massa de mais de 300 marcas de produtos alimentares norte-americanos devido à enorme escala da contaminação.

A ABC News informou no final de Novembro de 2000:

“No Iowa, o milho StarLink representa 1 por cento do total (de milho) colhido, apenas 1 por cento. Ele contaminou 50 por cento da colheita.” O gene StarLink também foi inesperadamente detectado num segundo lote de milho de companhia e nas exportações da USmaize.  A United Press International relatou: ”A Aventis CropScience quarta-feira falhou em explicar porque é que uma outra variedade de milho, além da sua marca StarLink, está a produzir a proteína (StarLink) Cry9C.”

As exportações de milho americanas para grandes compradores foram gravemente comprometidas. As autoridades federais culparam o aparecimento não autorizado de milho geneticamente alterado na cadeia alimentar exclusivamente no seu fabricante.

Fonte: https://www.gmwatch.org/gm-firms/11153-bayer-a-history

Recursos: https://www.gmwatch.org/gm-firms/11154-bayer-resources

Este artigo foi publicado originalmente em https://humansarefree.com/

https://senhoradesirius.wordpress.com/2016/09/20/a-historia-completa-da-bayer-uma-das-maiores-empresas-de-controle-populacional-do-mundo/#more-23063

Este artigo está também na aba "Saude/Alimentos"

 

O Mito do Colesterol

Medicamentos Contra o Colesterol são Completamente Inúteis

 

Tem sido algumas semanas difíceis para a indústria farmacêutica, já que três grandes estudos têm agora completamente refutado a eficácia de um de seus medicamentos mais rentáveis.
Na semana passada, um grande estudo publicado na revista “The Lancet” admitiu que os riscos de antidepressivos em crianças e adolescentes superam os benefícios, uma vez que as drogas aumentam rotineiramente o comportamento suicida. Dentre 14 antidepressivos, apenas um foi mostrado para melhorar a depressão melhor do que o placebo.
Agora, os cientistas estão relatando que os medicamentos contra o colesterol, as quais 15 milhões de americanos são prescritos, são também completamente inúteis. Um grupo internacional de pesquisadores publicou um estudo no BMJ Open onde não encontraram nenhuma ligação entre o que é conhecido como colesterol "ruim" e a morte como resultado de doenças cardíacas em indivíduos com mais de 60 anos de idade.
Na verdade, os resultados revelaram que...
"92 por cento de pessoas com colesterol alto, na verdade, viverão mais tempo"
A melhor maneira de atingir e manter a boa saúde do coração não é através de medicamentos, mas através de hábitos de vida saudáveis.

"Baixar o colesterol com medicamentos para a prevenção cardiovascular primária em pessoas com idade acima de 60 anos é um total desperdício de tempo e recursos, enquanto que alterar seu estilo de vida é a única forma mais importante para alcançar uma boa qualidade de vida", disse o especialista em cirurgia vascular e endovascular, o Professor Sherif Sultan da Universidade da Irlanda.
"Baixar o colesterol com medicamentos é uma total perda de tempo"
O co-autor do estudo, o Dr. Malcolm Kendrick, disse que suas
descobertas mostram "que os idosos com níveis elevados de LDL (lipoproteína de baixa densidade), o chamado "mau" colesterol, viviam mais e tinham menos doenças cardíacas."
As revelações certamente tem enormes implicações para a indústria farmacêutica, já que a droga Lipitor contra o colesterol é a prática mais rentável de todos os tempos - arrecadando mais de US$ 140 bilhões em vendas, de acordo com o site Health Impact News.

As orientações para a prevenção de doenças cardíacas e o acúmulo de placa na artérias precisam ser reavaliadas, disseram os autores do estudo, acrescentando que "os benefícios do tratamento com estatinas têm sido exagerados."
Mas a verdade é que os benefícios das estatinas não têm apenas sido exagerados, mas 100 por cento fabricados, bem como a "pesquisa" de apoio de outras drogas, como antidepressivos e vacinas.
O site Natural News relatou em 2013 que o impulso para obter ainda mais adultos americanos sob estatinas foi facilitado pelos médicos vinculados à indústria. Os médicos do American Heart Association e do College of Cardiology emitiram novas orientações três anos atrás pedindo que um terço de todos os adultos considerassem tomar estatinas - um empurrão que foi provado ser extremamente lucrativo para a indústria farmacêutica.

Quando questionados sobre o conflito de interesses, a resposta foi:
"Os laços entre os médicos cardíacos e a indústria farmacêutica são tão extensos que é quase impossível encontrar um grande grupo de médicos que não tenha laços com a indústria."
"Um novo estudo diz que múltiplas vacinas de uma só vez não é seguro para as crianças"

O terceiro grande estudo em questão de dias para desacreditar a indústria farmacêutica, vem do “Journal of American Physicians and Surgeons”, que constatou que dar às crianças várias vacinas ao mesmo tempo não é seguro - uma contradição completa com a narrativa da vacina empurrada goela abaixo de todos pelo governo, pelas empresas farmacêuticas e pela mídia por décadas.
“Embora o CDC recomende a vacinas contra  a poliomielite, hepatite B, difteria, tétano, coqueluche, rotavírus, Haemophilus influenzae tipo B e pneumocócica para crianças de dois, quatro, e seis meses de idade, esta combinação de oito vacinas administradas durante uma única visita ao médico não foi testada para a segurança em ensaios clínicos"...escreveu o pesquisador médico, Neil Z. Miller.

Isso está em desacordo com um relatório do CDC que mostra que as exposições mistas às substâncias químicas e outros fatores de estresse, incluindo produtos farmacêuticos prescritos, podem produzir "efeitos deletérios à saúde aumentados ou inesperados."
Então, esta é a situação. A indústria farmacêutica, bem como as políticas governamentais exigidas que a apoiam, não tem absolutamente nenhuma credibilidade, e, portanto, não deve ser confiada por ninguém. A melhor maneira de manter a boa saúde é praticar hábitos de vida saudáveis, incluindo comer uma dieta equilibrada, exercícios e tempo para acalmar a mente.

Natural News: Big Pharma suffers another major blow as study debunks high cholesterol myths, admitting statins are totally worthless
Natural News: The new statin drug scam: Half the doctors on the recommendation panel have Big Pharma ties
Health Impact News: Thousands Sue for Damages Against Cholesterol Drugs as Big Pharma Defends Billion Dollar Industry
The Telegraph: High cholesterol 'does not cause heart disease' new research finds, so treating with statins a 'waste of time'
Share Care: How many people take statin drugs?
https://www.anovaordemmundial.com/2016/06/estudo-medicamentos-contra-o-colesterol.html#ixzz4Bsqcx7j5

Pressão Arterial

Medicamentos para Pressão Arterial Podem Causar Sérias Quedas (Estudo)

A grande maioria das pessoas com idade superior a 70 tomam medicamentos para reduzir sua pressão alta. Um estudo de 5000 beneficiários do Medicare foi publicado no JAMA Internal Medicine em dezembro de 2014, analisando a relação entre os indivíduos que tomam medicamentos para pressão arterial alta e “risco de quedas”.
 

Situações de risco de vida

85% dos participantes faziam uso de medicação para pressão arterial alta, a maioria tomava dois ou mais medicamentos. Este grupo foi seguido por três anos.

O estudo constatou que o risco de lesão grave devido a quedas foi significativamente maior naqueles que tomavam medicamentos para a pressão alta. Cerca de 9% do grupo ficaram gravemente ferido em uma queda.

A maioria das pessoas não estão cientes do fato de que uma queda grave lesiona um indivíduo com idade superior a 65 e é considerada uma condição com risco de vida por gerontologistas.

Graves consequências

A taxa de mortalidade de uma fratura de quadril em indivíduos com idade superior a 65 varia de 25% a 35% no prazo de um ano da queda. Além disso, quase 50% dos indivíduos com idade superior a 65 anos que sofreram uma fratura de quadril não recuperaram a mobilidade completa; muitos são colocados em asilos a longo prazo.

Dr. Tinetti, o pesquisador-chefe, fez o seguinte comentário: “Os resultados são tão graves assim como os ataques cardíacos e derrames para os quais nós administramos estes medicamentos… As quedas com lesões graves são susceptíveis de levar à morte ou à invalidez funcional permanente.”

Em outras palavras, os médicos estão tratando você para preveni-lo de morrer de uma doença grave e o tratamento em si  pode resultar em você morrendo de outra condição grave.

Questões levantadas

O aumento de quedas graves no grupo medicado versos o grupo não-medicado variou de 28% a 40% ou mais, dependendo do número de medicamentos que estavam tomando. A pergunta que os pesquisadores começaram a fazer foi: “o paciente toma uma medicação para reduzir o risco de um ataque cardíaco ou acidente vascular cerebral, no entanto, aumenta o risco de quebrar um quadril ou ter uma lesão no cérebro?”

A uma parte dos participantes foi feita esta pergunta e 50% disseram que a prevenção de um ataque cardíaco era mais importante para eles e 50% disseram que a prevenção de uma grave queda foi mais importante. A verdadeira questão que deveria ter sido feita é: “por que tomar esses medicamentos quando uma alimentação correta e exercício podem reduzir significativamente o risco de ambos?”

Fontes:
Natural News: Blood Pressure Medications Can Cause Serious Falls
JAMA Internacional Medicine: Antihypertensive Medications and Serious Fall Injuries in a Nationally Representative Sample of Older Adults
The New York Times: Are Blood Pressure Drugs Worth the Falls?
Oxford Journals: Risk of falls associated with antihypertensive medication: population-based case–control study

https://www.noticiasnaturais.com/2016/04/estudo-medicamentos-para-pressao-arterial-podem-causar-serias-quedas/

Dieta Vegetariana

Não comer mais carne! Esta é a decisão cada vez mais tomada por pessoas que buscam o vegetarianismo como linha de alimentação. Para esclarecer as principais dúvidas sobre o assunto, a nutricionista Mariana Braga Neves, vegetariana há mais de 20 anos e coordenadora da Nutrício, enumera os pontos que merecem atenção e dá dicas para que a alimentação do vegetariano seja a mais adequada possível.

Por que as pessoas optam pelo vegetarianismo?

R: Uma pessoa pode optar por ser vegetariana por diversos motivos. Algumas simplesmente não gostam da carne ou de outros produtos de origem animal. Outras optam pelo vegetarianismo por questões religiosas ou motivadas pelas inúmeras pesquisas mostrando que os vegetarianos têm menor risco de infarto, de hipertensão arterial, transtornos intestinais dentre outras vantagens. Há ainda aquelas que, retiram os alimentos de origem animal da alimentação por um tempo e observam profundo bem estar, aderindo ao vegetarianismo. Porém, a parcela que cresce é a que adere ao vegetarianismo porque não deseja comer nada que implique em tirar ou sacrificar a vida de um animal.

Quais são os tipos de vegetarianismo?

R: De modo geral podemos citar os seguintes tipos:
Ovo-lacto vegetarianismo: o adepto da linha não consome carnes, aves e peixes mas faz uso de
ovos, leite e derivados;
Lacto-vegetarianismo: linha na qual utiliza-se laticínios apenas. Além das carnes, aves e peixe, os ovos são abolidos da alimentação;
Veganismo: opção adotada pelos que excluem da alimentação as carnes, aves, peixes, laticínios,
ovos, mel, mocotó e gelatina. Os adeptos desta linha, também não utilizam produtos de couro, seda, lã, linha e evitam comprar cosméticos e outros produtos fabricados por empresas que fazem testes em animais. Na prática, podemos dizer que é o mesmo que vegetarianismo estrito.
Há ainda os crudívoros (consomem apenas alimentos crus) e os frutívoros (consomem apenas frutas) que podem ser considerados tipos de vegetarianismo.

É possível seguir uma dieta vegetariana e ao mesmo tempo equilibrada?

R: Sim, totalmente possível. Porém, o planejamento alimentar do vegetariano deve ser personalizado e muito bem feito. A retirada dos produtos de origem animal da alimentação implica necessariamente na inclusão de substitutos, ou seja, se não temos como obter certos nutrientes da carnes, leite e ovos, estes nutrientes precisam vir de outros alimentos em quantidades adequadas a cada etapa da vida.

Quais são os nutrientes que merecem mais atenção na dieta do vegetariano?

R: Depende da faixa etária da pessoa e do tipo de vegetarianismo. Normalmente, precisamos ter cuidado especial com o zinco, as vitaminas B12, vitamina D, o ômega 3, o cálcio e o ferro. Embora muitas pessoas acreditem que o maior problema seja o equilíbrio da proteína, a dieta vegetariana bem planejada apresenta uma quantidade muito boa de proteínas e todos os aminoácidos essenciais.

O vegetariano precisa de suplementos alimentares?

R: Depende, em alguns casos sim. Na maioria das vezes, quando a pessoa tem condições de ter uma alimentação variada e não apresenta outras limitações, é possível fazer todo o equilíbrio nutricional somente com os alimentos mesmo. Porém, muitas pessoas apresentam aversões alimentar ou alergias, o que vai dificultando a planejamento alimentar tornando-se quase inviável uma dieta segura. O tipo de vegetarianismo também influencia muito. Veganos por exemplo precisam de cuidado especial com a vitamina B12. Gestantes e lactantes veganas precisam desta suplementação quase sempre. Além da avaliação clínica há exames laboratoriais capazes de avaliar se há a necessidade de reposição dos estoques que pode ser feita até mesmo por via oral. É importante este controle.

Como fazer para o vegetariano evitar a anemia?

R: Muitos alimentos de origem vegetal como as leguminosas (feijões por exemplo), folhas de cor verde (brócolis, agrião, couve), beterraba, melado, açaí são fontes de ferro no que diz respeito à quantidade do mineral. Porém, este ferro é menos absorvido do que o ferro da carne. Cabe ao nutricionista traçar as estratégias para melhorar a absorção deste ferro presente dos vegetais. Além do controle da quantidade (ou seja, as fonte de ferro vegetal precisam ser largamente usadas na alimentação do vegetariano), podemos evitar combinações que levem à diminuição da absorção do nutriente como o uso de alimentos ricos em cafeína junto às fontes de ferro e a combinação de cálcio e ferro na mesma refeição. Além disto, podemos potencializar a absorção do ferro, colocando por exemplo, as fontes de ácido ascórbico (vitamina C) junto aos alimentos fontes de ferro (exemplo: suco de acerola na hora do almoço). Temperar a salada com limão, preparar coquetéis de laranja com beterraba e couve e substituir o mel do açaí por melado e bater a polpa com suco de laranja são também opções que ajudam. Sugiro ainda que o vegetariano faça controle clínico como prevenção, ou seja, mantenha os exames em dia. Existem no mercado alimentos fortificados com ferro que também podem ajudar. Em alguns casos especiais pode ser necessária a suplementação via oral como em algumas gestações ou após cirurgias extensas.

Vegetarianos podem ganhar massa muscular?

R: Sim, com certeza. O cuidado nutricional do vegetariano atleta certamente é indispensável. Para o vegetariano conseguir ganhar massa muscular é preciso um adequado planejamento das refeições pré e pós-treino assim como do valor calórico da dieta. Além disto, a pessoa deve ter uma alimentação variada, propondo-se a consumir os alimentos indicados pelo profissional e nas quantidades sugeridas.

O “leite de soja” substitui o leite de vaca?

R: O popular “leite de soja” (extrato hidrossolúvel de soja) e seus derivados (tofu, iogurte de soja, cottage de soja, ricota de soja) são alimentos indispensáveis para o vegetariano. Porém, os “leite de soja” precisam ser fortificados com cálcio, principalmente quando consumidos por crianças, adolescente e idosos veganos. Existem várias marcas à disposição no mercado. Não devemos confundi-lo com os sucos de soja que muitas vezes contêm pouquíssima quantidade da proteína da soja e do cálcio.

Quais os alimentos que você considera fundamentais e indispensáveis na dieta do vegetariano?
R: Todo o planejamento deve ser personalizado, levando-se em consideração a fase do indivíduo e o tipo de vegetarianismo. Nenhum alimento é indicado para todos. De forma geral eu poderia citar:

  • Alimentos integrais e cereais: arroz integral, macarrão integral, pão integral, aveia, gérmen de trigo, granolas;
  • Quinua e amaranto;
  • Linhaça em grão ou óleo, azeite de oliva, gergelim;
  • Todas as oleaginosas: castanha do Pará, castanha de caju, nozes, amêndoas;
  • Sementes como a de girassol e a de abóbora;
  • Cogumelos comestíveis;
  • Leguminosas: feijões diversos (especialmente o azuki), soja, lentilha, grão de bico;
  • Folhas verdes, além de todas as hortaliças coloridas;
  • Açaí;
  • Frutas frescas, especialmente as ricas em vitamina C, além das frutas desidratadas como o figo seco;
  • Soja: principalmente na forma do “leite de soja” e de seus derivados (tofu, iogurte de soja, queijo em pasta de soja). Na forma da “carne de soja,” se bem preparada e com alguns cuidados, também é uma importante alternativa para a dieta vegetariana.

***********************************************************************************************************************************************************************************************************************************

*Jomarion adverte para o consumo de soja. É indicado para mulheres adultas e na Terceira Idade. Nunca para crianças, porque a soja é rica em fitoestrogeno que desorganiza a sexualidade de crianças e adolescentes (principalmente meninos).

Fonte deste artigo:

https://www.nutricio.com.br/dietas/dieta-vegetariana.htm

Chlorella  -  Clorela

Tudo que Você Precisa Saber Sobre este Superalimento

Uma micro-alga unicelular cultivadas em água, a chlorella é amplamente conhecida como um poderoso suplemento “superalimento” com uma densidade extraordinária de nutrientes. Acredita-se que ela exista a eras. Uma das poucas espécies de algas comestíveis cultivadas em água, a Chlorella é recheada de clorofila. A Chlorella é a fonte mais potente de clorofila pura. A clorofila ajuda a purificar o sangue e permite que o corpo utilize o oxigênio de forma mais eficiente. Ela também suporta a eliminação de muitas toxinas, tais como poluentes industriais. A Clorofila fornece magnésio para ajudar a apoiar o cérebro e o sistema nervoso e também para proteger contra a acumulação tóxica no sistema nervoso central.  A Clorofila ativa o receptor PPAR dentro do núcleo da célula. Este receptor ajuda a transcrever e codificar certos elementos de DNA que funcionam abrindo a membrana celular.

Isto é essencial para a desintoxicação celular e a normalização da resistência à insulina. Além disso, a chlorella contém zinco, GLA e outros nutrientes necessários para as membranas celulares saudáveis ​​e receptores de insulina.  A Chlorella contém também todas as vitaminas do complexo B, vitamina C, vitamina E, beta-caroteno, aminoácidos, magnésio, ferro, minerais, carboidratos e uma quantidade maior de proteína por gramas de peso do que a carne (mais de 50%). Ela também tem um conjunto único de fitonutrientes (veja mais abaixo). Eles se ligam às toxinas e as levam para fora do corpo. A sua alta quantidade de proteína faz com que ela seja muito importante para muitas pessoas que não comem carne. Phyllis Balch, do CNC, diz que a Chlorela é praticamente um alimento completo.

Por que tomar chlorela?

Um dos principais usos da chlorella é desintoxicar, ou limpar o corpo. Se descobriu que ela remove metais pesados ​​do corpo de acordo com um estudo da Rússia. Um outro estudo envolvendo ratos demonstrou a eficácia do uso de chlorella como um agente para desintoxicação por metais pesados. Ratos tratados com Chlorella também tinha menos danos aos tecidos do que o grupo de controle.  Os metais pesados ​​são normalmente muito difíceis de remover dos seus tecidos. Se você tiver obturações de mercúrio em seus dentes, trabalhar em certas indústrias, recebe muitas, ou tenha sido exposto à radiação, você tem metais pesados. A maioria das pessoas têm pelo menos alguns, do nosso meio ambiente e alimentação, como o mercúrio encontrado em peixes. Um estudo japonês descobriu que todas as células cancerosas contêm mercúrio. Além disso, a toxicidade do metal pesado tem sido associada a doenças de declínio mentais tais como a demência e doença de Alzheimer.

Benefícios Adicionais

A chlorella purifica o sangue e otimiza o oxigênio para o sangue. Ele alcaliniza o corpo, corrigindo um estado de acidose, em que a maioria das doenças prospera. Por definição então, também alivia a inflamação, que é a raiz de muitas doenças. A chlorella é um analgésico, reduz a hipertensão arterial e melhora o sistema imunológico. Neste artigo do Natural News, Donna Earnest Pravel informa que um estudo em pacientes com fibromialgia apresentaram uma redução significativa na dor e sensibilidade. Em um estudo semelhante, pacientes com hipertensão foram capazes de largar de suas prescrições de remédios ao tomar chlorella. Além disso, Pravel também cita um estudo feito em pacientes que receberam vacinas contra a gripe. Eles tomaram chlorella antes de receber sua vacina por algumas semanas. Se descobriu que eles tinham de 2 a 4 vezes mais anticorpos quando testados algumas semanas após a vacinação.

A Chlorella também se mostrou eficaz para:

• Equilibrar hormônios (alívio da TPM, regulação dos ciclos, etc)

• Tratamento de úlceras

• Equilibrar o sistema digestivo (melhorar a digestão, aliviar a constipação)

• Aumentar o número de glóbulos brancos (ajuda com infecções, afastando doenças)

• Reduz ou elimina os odores corporais

• Equilibra a pressão arterial, colesterol, açúcar no sangue (lutando e prevenindo doenças cardiovasculares, diabetes e obesidade)

• Reduz a ocorrência de ataques de asma e alergias

• Trata a fadiga

• Ajuda a aumentar a resposta imune

• Protege o cérebro e o sistema nervoso

• Apoia a eliminação de muitos tipos de poluentes, de metais pesados a fungos

• Aumenta o crescimento, cicatrização e reparação dos tecidos

• Desintoxica a radiação nociva, protege os órgãos

Como obtê-lo em sua dieta

A Chlorella requer processamento devido a uma parede celular forte que faz com que seja impossível de se ter acesso aos seus nutrientes. Verifique que os produtos que você compra não utilizem calor ou produtos químicos em seu processamento. Fassa diz informa que um processo de moagem especial ou método de rápida mudança de pressão é necessário para quebrar a parede celular e tornar os nutrientes biodisponíveis. Você pode encontrar chlorella em forma de pílula ou em pó, para adicionar a shakes. O coentro também é conhecido por sua capacidade de remover o mercúrio para fora do corpo. Combina muito bem com a chlorella como um superalimento e desintoxicante.

Fitonutrientes únicos

Chlorella contém o fitonutriente esporopolenina. A esporopolenina é mais eficaz na ligação de detritos neurotóxicos do que qualquer outra substância natural. Este fitonutriente tem a capacidade de desintoxicar o corpo de biotoxinas, tais como a tuberculose, doença de lyme, toxinas do tétano e fungos. Também filtra xenobióticos, tais como fitatos, dioxinas, pesticidas e resíduos industriais. Pode se ligar e eliminar metais pesados ​​como mercúrio, chumbo, níquel e alumínio, além de absorver conservantes alimentares, aromatizantes artificiais e corantes.  A Chlorella liga o interruptor de desintoxicação natural através do aumento intracelular de glutationa reduzida. A glutationa elimina os radicais livres e renova as propriedades anti-oxidantes da vitamina C e E. Baixos níveis de glutationa diminuem significativamente a capacidade do organismo de se adaptar ao estresse e empurrar as toxinas para fora das células. Enquanto a glutationa aumenta as células começam a remover os detritos tóxicos.

A Chlorella tem uma capacidade única de crescer mais rápido do que qualquer outra planta na terra. De fato, tem sido mostrado que ela pode quadruplicar em quantidade a cada 20 horas. Isto é devido a uma substância chamada fator de crescimento de chlorella (CGF) que está programado no seu DNA. O CGF é uma concentração de aminoácidos, glicoproteínas, vitaminas B e outros nutrientes. Estes nutrientes trabalham sinergicamente para aumentar o crescimento, cicatrização e reparação dos tecidos. Alguns especialistas acreditam que o CGF é a substância mais saudável conhecida na ciência nutricional.  Pesquisadores descobriram que o CGF permite que as crianças amadureçam mais rápido mentalmente, fisicamente e emocionalmente. Elas crescem mais alto e com um QI mais elevado do que aquelas sem o CGF. Além disso, as habilidades sociais das crianças foram mais pronunciadas e elas tiveram significativamente menos doenças. Curiosamente, elas tiveram o desenvolvimento da mandíbula quase perfeito e não tinha registro de cárie dentária.

Algumas amostras de estudos de desintoxicação do fígado com a chlorella

Existem dois tipos básicos do superalimento chlorella disponíveis no mercado: Chlorella vulgaris (CV) e Chlorella pyrenoidosa (CP). Muitos consideram a CP superior, mas você vai ver a partir dos seguintes estudos que a CV tem muito poder de desintoxicação.

1) Um estudo em ratos induzidos com o metais pesados (o cádmio, encontrado em resíduos de chemtrails), mostrou que a Chlorella vulgaris protegeu significativamente os ratos de toxicidade do cádmio e ajudou a restaurar a estrutura e a função do fígado.

2) Um outro estudo em ratos, usando o pó de CV, Parachlorella beyerinckii, demonstrou que camundongos tratados com CV tiveram significativamente menos absorção de chumbo nos rins e fígados enquanto mostrou mais chumbo excretado nas fezes do que os ratos não alimentados com o pó de Chlorela.

3) Este estudo produziu evidência da impressionante não divulgada propriedade anti-cancerígena de chlorella. Este estudo envolveu a indução de hepatocarcinogênese (quando o fígado se torna canceroso) em ratos. A Chlorella vulgaris (CV) promoveu a apoptose em células tumorais cancerosas.

A apoptose é a morte celular programada, que ocorre naturalmente com as células normais enquanto elas estão sendo substituídas por novas células. As células cancerosas não são propensas a esta programação sacrificial. O “suicídio” das células cancerosas tem de ser encorajado por intervenções metabólicas ou elas vão continuar formando tumores.

De alimento perfeito a super-agente de desintoxicação

Os primeiros estudos sobre a chlorella estavam focados em seu valor nutricional. Parecia ser o alimento perfeito, que oferece todos os aminoácidos que formam uma proteína completa e outros nutrientes. Proteínas inteiras de carne precisam ser quebradas pelas enzimas pancreáticas, as quais deveriam ser reservadas para destruir as células cancerosas.  Mas em primeiro lugar, a estrutura da parede celular resistente da chlorella faz com que a digestão de seus nutrientes seja muito difícil. Assim, diferentes métodos foram criados para quebrar as paredes das células sem destruí-los. Isso é o que geralmente significa “quebrar a célular da chlorela”.

Outras coisas que você deve saber

De acordo com Michelle Bosmier, por causa da carga tóxica que a pessoa média carrega, algumas vezes quando as pessoas começam a suplementação com chlorella elas pensam que estão experimentando efeitos colaterais. Na realidade, eles estão enfrentando os efeitos da desintoxicação. A limpeza das toxinas do corpo pode dar-lhe gás, náuseas, dores de estômago, diarreia, etc. Por isso, é bom começar a tomar chlorella em um fim de semana, quando você pode ficar perto de casa. Se os efeitos colaterais da desintoxicação forem demais para você, pegue leve com o seu consumo, adicionando lentamente. Os sintomas vão passar em poucos dias.

A Chlorella tem uma elevada quantidade de vitamina K, por isso poderia interferir com medicamentos que diluem o sangue. Ela também contém iodo, por isso, se você for alérgico, evite-a.  A Chlorella é relativamente barata em parte porque é uma das plantas que mais crescem na Terra. É a fonte mais potente de clorofila pura disponível. A Clorofila é idêntica ao sangue humano, exceto no seu elemento central – que no sangue de ferro e na clorofila é o magnésio. Por esta razão, é unicamente maravilhosa para a nossa saúde. É um bom complemento para a maioria das dietas e kits de sobrevivência.

Fonte: https://www.noticiasnaturais.com/2014/10/chlorella-tudo-que-voce-precisa-saber-sobre-este-superalimento/
 

 

Não Somos Carnívoros

A pergunta começa de uma forma simples e direta: “Quando você vê um animal morto na estrada, você fica tentado à parar para um ‘lanchinho’”? A visão de um pássaro morto faz você salivar? Você sonha em matar vacas com suas próprias mãos e comê-las cruas? 
Se você respondeu não as questões ... PARABÉNS– você é um ser humano herbívoro normal– goste da ideia ou não.
A constituição humana não é carnívora. Humanos não têm as características físicas e nem os instintos dos carnívoros que os levam a matar animais e devorar suas carcaças.
Agora, leia abaixo os dados técnicos que vão te surpreender e fazer você pensar duas vezes antes de achar que você é um ser humano carnívoro.
 
FISIOLOGIA HUMANA
Biologistas têm estabelecido que animais que têm as mesmas características físicas também compartilham de uma mesma dieta. Comparando a anatomia de carnívoros com a nossa própria anatomia, fica mais do que claro que nós não fomos feitos para comer carne.
 
DENTES E UNHAS
Para iniciarmos o contraste entre a fisiologia dos humanos com os seres carnívoros, comece no início do sistema digestivo. Dentes, unhas e estrutura da mandíbula indicam que a natureza pretendeu que os seres humanos comessem baseados em uma dieta baseada em plantas.
Eles têm unhas muito menores e menos agressivas do que os animais carnívoros e dentes “caninos” ( caninos somente no nome...) pateticamente menores. Em contraste, os carnívoros compartilham de garras afiadas e dentes caninos grandes capazes de cortar carne.
“Embora os humanos pensem que sejam e agem como carnívoros, não somos carnívoros naturais. Quando matamos os animais para comê-los, eles acabam nos matando porque sua carne, que contém colesterol e gordura saturada, não deveria ser ingerida por humanos, que são herbívoros naturais"  (William C. Roberts, M.D., editor, American JournalofCardiology).
As mandíbulas dos carnívoros movem-se somente de baixo para cima, o que faz com que eles cortem grandes pedaços de carne de sua presa e a engulam por inteiro.
Humanos e outros herbívoros conseguem mover suas mandíbulas para cima e para baixo e também de um lado para o outro, um movimento que os permite a mastigação de comidas fibrosas e plantas.
Carnívoros não têm molares achatados. Se humanos fossem projetados para comer carne, teriam os mesmos tipos afiados de dentição e as garras dos carnívoros. Ao contrário, sua estrutura mandibular, os molares achatados e a falta de garras indicam que não fomos projetados para comer carne.
Dr. Richard Leakey, um renomado antropologista, resume desta maneira:
Você não pode cortar carne com suas mãos. Nossos dentes de trás não servem para cortar carne. Nós não temos dentes caninos grandes e não teríamos como lidar com fontes de comida que necessitassem destes grandes caninos”.
 
ACIDEZ ESTOMACAL
Após usar suas garras afiadas e dentes para capturar e matar suas presas, carnívoros engolem sua comida por inteiro, confiando em seus sucos gástricos extremamente ácidos para fazer a maior parte do trabalho de digestão.
A acidez do estômago dos carnívoros, na verdade, é quem faz os grandes trabalhos de digerir a carne e matar as bactérias perigosas, bactérias estas que poderiam adoentar ou matar o carnívoro.
Nossos ácidos estomacais são muito mais fracos porque ácidos fortes não são necessários para digerir comida já pré mastigadas como frutas e vegetais.
Comparando os ácidos dos carnívoros com herbívoros, fica óbvio que os humanos se encaixam na segunda categoria. Os humanos podem cozinhar a carne para matar um pouco das bactérias e facilitar na hora de mastigar, mas fica claro que os humanos, diferentemente dos carnívoros, são foram designados para digerir carne.
 
COMPRIMENTO DO INTESTINO
Evidências de nossa natureza herbívora também é encontrada no tamanho de nossos intestinos.
Carnívoros têm um sistema intestinal e cólon que permitem a passagem da carne de forma relativamente rápida, antes que a carne tenha alguma chance de apodrecer e causar doenças.
Humanos, por outro lado, têm sistema intestinal muito mais longo que dos carnívoros. Assim como outros herbívoros, intestinos longos permitem que o corpo leve mais tempo para “quebrar” fibras e absorver os nutrientes de uma dieta de um não carnívoro.
O longo sistema intestinal humano é um fato de alto risco para aqueles que comem carne.
As bactérias na carne acabam tendo tempo de sobra para se multiplicar durante a longa viagem pelo intestino, e a carne começa a apodrecer enquanto ainda passa pelo intestino.
Muitos estudos também mostraram que a carne causa câncer de cólon em humanos.
Comparando a nossa anatomia fica ilustrado o fato de que o corpo humano foi construído para se basear em uma dieta vegetariana.
Humanos não têm absolutamente nenhuma das características distintas anatômicas que os carnívoros ou até mesmo onívoros naturais têm.
Agora veja o quadro abaixo: “The ComparativeAnatomyofEating”, do Dr.Milton Mills. Ele compara as características típicas dos carnívoros, onívoros, herbívoros e humanos. Note as semelhanças de nossas características em relação aos herbívoros:
 
MÚSCULOS FACIAIS
CARNÍVOROS: Reduzidos, para permitir uma abertura maior
ONÍVOROS: Reduzidos
HERBÍVOROS: Bem desenvolvidos
HUMANOS: Bem desenvolvidos
 
MASTIGAÇÃO
CARNÍVOROS: Nenhuma; engole comida por inteiro
ONÍVOROS: Engole comida por inteiro e/ou a esmaga
HERBÍVOROS: Mastigação extensiva necessária
HUMANOS: Mastigação extensiva necessária
 
MOVIMENTAÇÃO DA MANDÍBULA
CARNÍVOROS: Cortante; Movimentação mínima para as laterais
ONÍVOROS: Cortante; Movimentação mínima para as laterais
HERBÍVOROS: Boa movimentação lateral e de cima para baixo
HUMANOS: Boa movimentação lateral e de cima para baixo
 
SALIVA
CARNÍVOROS: Não há enzimas digestivas
ONÍVOROS: Não há enzimas digestivas
HERBÍVOROS: Enzimas digestivas de carboidratos
HUMANOS: Enzimas digestivas de carboidratos
 
DENTIÇÃO (INCISIVOS)
CARNÍVOROS: Curtos e pontudos
ONÍVOROS: Curtos e pontudos
HERBÍVOROS: Achatados, grandes e em forma de espada
HUMANOS: Achatados, grandes e em forma de espada
 
DENTIÇÃO (CANINOS)
CARNÍVOROS: Longos, afiados e curvados
ONÍVOROS: Longos, afiados e curvados
HERBÍVOROS: Curtos e não afiados/ou longos ( para defesa )/ ou nenhum
HUMANOS: Curtos e não afiados
 
DENTIÇÃO (MOLARES)
CARNÍVOROS: Afiados, cortante e em formato de lâmina
ONÍVOROS: Lâminas afiadas e/ou achatadas
HERBÍVOROS: Achatados com elevações VX camada complexa
HUMANOS: Achatados com elevações nodulares
 
ACIDEZ ESTOMACAL (Quanto maior o valor de pH, menor a acidez)
CARNÍVOROS: Menor ou igual à PH de 1 com comida no estômago
ONÍVOROS: Menor ou igual à PH de 1 com comida no estômago
HERBÍVOROS: PH de 4 ou 5 com comida no estômago
HUMANOS: PH de 4 ou 5 com comida no estômago
 
SISTEMA INTESTINAL
CARNÍVOROS: De 3 à 6 vezes maior que o comprimento do corpo
ONÍVOROS: De 4 à 6 vezes maior que o comprimento do corpo
HERBÍVOROS: De 10 até 12 vezes maior que o comprimento do corpo
HUMANOS: De 10 até 11 vezes maior que o comprimento do corpo
 
UNHAS
CARNÍVOROS: Garras afiadas
ONÍVOROS: Garras afiadas
HERBÍVOROS: Unhas achatadas ou casco sem garras, sem pontas
HUMANOS: Unhas achatadas
 
SUOR
CARNÍVOROS: Suam pela língua
ONÍVOROS: Suam pela língua
HERBÍVOROS: Suam pela pele
HUMANOS: Suam pela pele
 
Para aqueles que não entendem a diferença entre comer animais e comer plantas e vegetais:
Tudo na natureza está conectado e devemos considerar, portanto, que cada objeto ou ser vivo tem sua identificação natural própria.
Assim como um verme come um corpo em putrefação ou um tigre caça um coelho, um ser humano come frutas ou vegetais.
Cada um dentro da sua natureza. O tigre não está cometendo nenhum pecado nem ato brutal dentro da cadeia alimentar da qual ele faz parte. Ilógico seria ver um coelho comendo um tigre ou um cavalo comendo um elefante.
Eles seguem a natureza deles como herbívoros comendo cenoura, capim, etc.
Como a natureza do homem não é carnívora, quando ele come carne, ele está invadindo a natureza de outras entidades vivas, causando um desequilíbrio na harmonia universal que deveríamos viver.
Algumas pessoas podem argumentar que se oferecerem um pedaço de carne a um macaco ou a um ser humano, eles poderão comer a carne.
Mas se você oferecer alguma fruta a um tigre ou a um cachorro, talvez eles também comam e nem por isso eles mudaram a natureza carnívora deles (é até capaz do tigre, junto com a fruta oferecida por você, comer também a sua mão!).
Mais um motivo para entender a diferença das plantas e dos animais: Hoje em dia, não há razão para acreditar que as plantas sentem dor, já que carecem de um sistema nervoso central, extremidades nervosas e cérebro.
Se teoriza que a razão principal pela qual os animais têm a habilidade e experimentar dor é como forma de defesa própria.
Se você toca algo que vai te causar dor, aprenderá com a dor e deixará em de tacá-lo no futuro.
Já que as plantas não podem se mexer e não têm a necessidade de aprender a evitar certas coisas, esta sensação seria supérflua.
Desde o ponto de vista psicológico, as plantas são completamente diferentes dos mamíferos.
Diferentemente de partes do corpo do animal, muitas plantas, vegetais e frutas podem ser colhidas sem resultar na morte da planta ou árvore.
Se a preocupação voltar-se ao impacto da agricultura vegetal no meio ambiente, uma dieta vegetariana continua sendo preferível ao invés de uma dieta baseada em carne, porque a maior parte dos grãos e legumes criados hoje em dia são utilizados como alimento para gado.
Ao comer vegetais diretamente, ao invés de comer animais como vacas que consumem 16 quilos de vegetação para 1 kg convertido em carne, uma pessoa está salvando muito mais vidas de plantas e destruindo menos a terra.
 

 

 

DICAS DA TERAPIA ORTOMOLECULAR

 

1. DIFICULDADE DE PERDER PESO

O QUE ESTÁ FALTANDO: ácidos graxos essenciais e vitamina A.
ONDE OBTER: semente de linhaça, cenoura e salmão - além de suplementos específicos.

2. RETENÇÃO DE LÍQUIDOS

O QUE ESTÁ FALTANDO: na verdade um desequilíbrio entre o potássio, fósforo e sódio.
ONDE OBTER: água de coco, azeitona, pêssego, ameixa, figo, amêndoa, nozes, acelga, coentro e os suplementos.

3. COMPULSÃO A DOCES

O QUE ESTÁ FALTANDO: cromo
ONDE OBTER: cereais integrais, nozes, centeio, banana, espinafre, cenoura + suplementos.

4. CÂIMBRA, DOR DE CABEÇA

O QUE ESTÁ FALTANDO: potássio e magnésio.
ONDE OBTER: banana, cevada, milho, manga, pêssego, acerola, laranja.

5. DESCONFORTO INTESTINAL, GASES, INCHAÇO ABDOMINAL

O QUE ESTÁ FALTANDO: lactobacilos vivos. ONDE OBTER: coalhada, iogurte, missô, yakult e similares.

6. MEMÓRIA RUIM

O QUE ESTÁ FALTANDO: acetilcolina, inositol.
ONDE OBTER: lecitina de soja, gema de ovo + suplementos.

7. HIPOTIREOIDISMO (PROVOCA GANHO DE PESO SEM CAUSA APARENTE)

O QUE ESTÁ FALTANDO: iodo.
ONDE OBTER: algas marinhas, cenoura, óleo, pêra, abacaxi, peixes de água salgada e sal marinho.

8. CABELOS QUEBRADIÇOS E UNHAS FRACAS

O QUE ESTÁ FALTANDO: colágeno.
ONDE OBTER: peixes, ovos, carnes magras, gelatina + suplementos.

9. FRAQUEZA, INDISPOSIÇÃO, MAL-ESTAR

O QUE ESTÁ FALTANDO: vitaminas A, C, e E e ferro.
ONDE OBTER: verduras, frutas, carnes magras e suplementos.

10. COLESTEROL E TRIGLICERÍDEOS ALTOS

O QUE ESTÁ FALTANDO: Ômega 3 e 6 ONDE OBTER: sardinha, salmão, abacate, azeite de oliva.

Cozinhe a seu favor...

- Evite a ingestão de queijos e carnes gordas e frituras. A gordura acelera o processo de oxidação dos alimentos.

- Cozinhe os alimentos no vapor ou até 100ºC, pois muito calor também oxida os alimentos.

- Evite utensílios de alumínio; os resíduos desse metal são tóxicos e podem ficar nos alimentos.

- Preferir panelas de vidro ou antiaderentes.

- Em hipótese alguma, aqueça os seus alimentos em embalagens e recipientes de plástico no microondas.

GELATINA TEM AÇÃO EFICAZ NA PROMOÇÃO DA SAÚDE E BELEZA

Com poucas calorias e bastante versatilidade, a gelatina é uma aliada daqueles que procuram manter uma alimentação saudável regularmente. Sem gordura, nem colesterol, e com muita água ela é uma opção e tanto para quem procura se alimentar bem. Em função da sua ação no nível gástrico e como se liga a uma grande quantidade de água, a gelatina produz um ativo efeito de saciedade. Assim também é uma opção para quem está de dieta ou procura alimentos com poucas calorias. Ela é composta por cerca de 84 a 90% de proteína, 8 a 15% de água, 1 a 2% de sais minerais e tem em sua composição subprodutos do colágeno, proteína predominante na pele, ossos, cartilagens, tendões e tecido conjuntivo. O colágeno representa cerca de 25% de toda proteína do organismo humano e tem uma função primordialmente estrutural, ou seja, dá sustentação às células, mantendo-as unidas.

De acordo com a nutróloga Tamara Mazaracki, ela é recomendável porque além de ser pouco calórica, fornece nove dos dez aminoácidos essenciais ao corpo, beneficiando a síntese do colágeno e auxiliando na nutrição dos tecidos. As propriedades do colágeno fazem dele um ingrediente especial e importante. A gelatina oferece uma combinação multifuncional única de propriedades tecnológicas e promotoras da saúde. O uso da mesma tem dado resultados positivos principalmente no fortalecimento dos ossos, na prevenção de doenças como osteoporose, na nutrição desportiva, promovendo maior resistência e também na manutenção da beleza, auxiliando o crescimento e brilho das unhas, dos cabelos e da pele. Para quem procura um efeito mais rápido e não quer ingeri-la somente como sobremesa, é só procurar a gelatina hidrolisada (também chamada de colágeno hidrolisado). Esta pode ser diluída em meio copo de água ou adicionada em sucos, leite, sopas, chás, com dose diária de 10g (1 colher de sopa), ensina a nutróloga'.

*Jomarion lembra aos vegetarianos e veganos que gelatina é de origem animal (ossobuco)

LEITE, ESPINAFRE E SALMÃO COMBATEM A ARTROSE

O pensamento de que a artrose não tem cura, e o máximo que se pode fazer é suportar as dores, já caiu por terra. A medicina ortomolecular mostra que por meio de leite, tomate, espinafre, kiwi, salmão, entre outras frutas, verduras, legumes, o paciente pode adquirir uma melhor qualidade de vida. O tratamento à base da reposição de zinco, magnésio, cálcio e vitaminas diminui a dor, a rigidez das articulações e aumenta a capacidade geral do indivíduo.

Ao longo dos tempos, o homem vem se saciando pela quantidade e não pela qualidade, o que na prática leva ao desequilíbrio de nutrientes vitais para o organismo. É com esse intuito que o tratamento fornece energia ao organismo, mostrando a maneira correta de se alimentar. Legumes e verduras crus são uma fonte de sais minerais, vitaminas e fibras. Já frutas são alimentos ricos em energia e mantêm a saúde através de suas vitaminas, sais minerais e enzimas, além de varrer os radicais livres.

A artrose surge a partir dos 30 a 40 anos, de forma silenciosa, podendo causar desde desvios de direção nos joelhos até alterações do metabolismo. Caracterizada pelo desgaste da cartilagem articular, associada às alterações perto da cartilagem como os ossos, a membrana sinovial e o líquido sinovial, a doença se estabelece principalmente na coluna, nos ossos das mãos, nos pés e na bacia. No entanto, quanto mais cedo for diagnosticada, melhores serão os resultados obtidos.

Os principais aliados ao combate da artrose são:
Zinco - promove a liberação do hormônio do crescimento, participa da estrutura dos ossos e dentes. Encontrado em ovos, cereais e carnes vermelhas.

Cálcio - componente estrutural dos ossos, sua deficiência pode levar à osteoporose, ao raquitismo. Encontrado no leite e derivados, brócolis e abóbora.

Selênio - melhora as condições da cartilagem. Encontrado no alho, cebola, cogumello (champions) e castanha-do-pará.

Magnésio - fixa o cálcio nos ossos e dentes. Sua falta pode dar ausência de crescimento ósseo. Encontrado na soja, salmão, espinafre, caju e abacaxi.

Boro - melhora o balanço de cálcio negativo no sangue. Sua deficiência pode levar à osteoporose. Ele é encontrado no figo, pêssego, uva, pêra. A água também é uma fonte de boro, dependendo da sua origem.

Vitamina D - previne fraturas. Sua diminuição afeta o crescimento ósseo, podendo levar ao raquitismo e osteoporose. Encontrada no fígado, ovo e banhos de sol.

Vitamina K - proteína responsável pela fixação do cálcio aos ossos; previne a osteoporose, participando ativamente da formação óssea. Encontrada no iogurte, alfafa, gema de ovo, óleo de açafrão, óleo de soja, óleo de fígado de peixe, algas e verduras.

Vitamina C - tem influência decisiva no metabolismo do tecido ósseo e da cartilagem, sua deficiência pode causar alterações de crescimento. Encontrada no tomate, couve-flor, kiwi e laranja.

MELHORE O SEU DIA-A-DIA

Hábitos nocivos diminuem produtividade no dia-a-dia

Muitos fatores colaboram para a diminuição de sua produtividade diária. Noites maldormidas, alimentação inadequada, intestino preguiçoso pela manhã stress no trânsito e vários costumes nocivos contribuem para que o organismo não consiga desempenhar bem todos os papéis necessários que poderiam garantir um excelente dia. Aqui estão algumas dicas básicas para você se sentir mais leve durante a jornada diária, colaborando para seu bem- estar físico e disposição.

1 - Comece preparando-se para uma boa noite de sono. Procure serenar a mente pelo menos 30 minutos antes de se deitar com uma leitura agradável ou uma boa música. Quando dormimos mal ocorre um atraso na produção da melatonina, que é uma substância responsável pelo funcionamento correto do organismo em momentos específicos do dia, como o controle da pressão arterial, freqüência cardíaca, liberação de hormônios e funcionamento de todos os órgãos, inclusive dos intestinos.

2 - Leite quente, com bolachas, é uma ótima opção para uma boa noite de sono, pois favorece a produção de serotonina, outro hormônio igualmente importante para acalmar os ânimos. Sua baixa é fator determinante para ocasionar sintomas de depressão, irritabilidade, impulsividade ou excesso de apetite.

3 - Pela manhã, procure se levantar 15 minutos antes do horário previsto, para uma pequena sessão de alongamento, deixando para trás possíveis dores no corpo e facilitando a entrada de oxigênio nos pulmões e conseqüentemente no sangue. Um organismo mais oxigenado propicia um melhor funcionamento do sistema imunológico, além de trazer bem-estar e disposição.

4 - Não tenha pressa, faça seu intestino funcionar todas as manhãs, antes do banho. Intestinos cheios liberam muitas toxinas para o sangue, deixando as pessoas irritadas e enfezadas, como o próprio nome já diz, além de prejudicar a absorção de vitaminas pelo organismo. O intestino pode ser educado para funcionar em casa pela manhã. De preferência não vá ao banheiro no trabalho, pois é um local infectado, por mais limpo que pareça.

5 - Combata o stress e o nervosismo diário alimentando-se com fontes produtoras de Triptofano, como o leite e iogurte desnatados, queijos brancos e magros, carnes magras, peixes, nozes, banana, arroz, batata, feijão, lentilha, castanhas, abacate, soja e carboidratos.

6 - Durante o dia levante-se de hora em hora para fazer alongamentos, melhorando a respiração e a postura.

7 - Evite falar por longos períodos em aparelhos celulares e procure não se expor ao computador por períodos muito longos. Coloque uma solução de água e sal ao lado do computador, minimizando os índices de eletromagnetismo nocivo do ambiente.

8 - Diminua o número de xícaras de café e tome muita água durante o dia, mesmo que tenha que abandonar o trabalho várias vezes durante a jornada para ir ao banheiro. Lembre-se: Seu corpo está funcionando. Sem água seu sangue fica grosso, o que dificulta a circulação e atrapalha o funcionamento do sistema imunológico. Todas estas medidas farão com que seu organismo funcione de forma muito mais eficiente, seu sistema imunológico fique muito mais ativo, sua circulação sanguínea melhore, seu humor se transforme para que você consiga enfrentar todos os desafios que se apresentam durante o seu período de trabalho.

 

NEURÓBICA - GINÁSTICA PARA O CÉREBRO

Trocar de mão para escovar os dentes é bom para o cérebro. O simples gesto de trocar de mão para escovar os dentes, contrariando a rotina e obrigando a estimulação do cérebro, é uma nova técnica para melhorar a concentração, treinando a criatividade e inteligência e, assim, realizando um exercício de NEURÓBICA.

Uma descoberta dentro da Neurociência vem revelar que o cérebro mantém a capacidade extraordinária de crescer e mudar o padrão de suas conexões. Os autores desta descoberta, Lawrence Katz e Manning Rubin (2000), revelam que a NEURÓBICA, a 'aeróbica dos neurônios', é uma nova forma de exercício cerebral projetada para manter o cérebro ágil e saudável, criando novos e diferentes padrões de atividades dos neurônios em seu cérebro.

Cerca de 80% do nosso dia-a-dia é ocupado por rotinas que, apesar de terem a vantagem de reduzir o esforço intelectual, escondem um efeito perverso: limitam o cérebro. Para contrariar essa tendência, é necessário praticar exercícios 'cerebrais' que fazem as pessoas pensarem somente no que estão fazendo, concentrando-se na tarefa. O desafio da NEURÓBICA é fazer tudo aquilo que contraria as rotinas, obrigando o cérebro a um trabalho adicional '

Tente fazer um teste:

01 - Use o relógio de pulso no braço direito;

02 - Escove os dentes com a mão contrária da de costume;
03 - Ande pela casa de trás para frente; (vi na China o pessoal treinando isso num parque);
04 - Vista-se de olhos fechados;
05 - Estimule o paladar, coma coisas diferentes;
06 - Veja fotos de cabeça para baixo;
07 - Veja as horas num espelho;
08 - Faça um novo caminho para ir ao trabalho;
09 - Converse com o vizinho que nunca dá bom dia...
10 - Comece agora trocando o mouse de lado.

A proposta é mudar o comportamento rotineiro. Tente, invente, faça alguma coisa diferente e estimule o seu cérebro. Vale a pena tentar!

Enviado por Analuiza Paiva

Fonte:  https://www.velhosamigos.com.br/Dicas/dicas92.html

 

ORTOREXIA

 

Medicina classifica “dietas naturais” com “doença”

 


... É isto mesmo.... atenção vegetarianos, veganos, naturalistas, voces são doentes e ainda estão causando prejuizo as farmacêuticas, as indústria de alimentos e refrigerantes e de insumos agricolas também (Monsanto, Rundup...)  e estão prejudicando os pecuaristas e seu agro-negócio ... e muitos outros da Elite Global Maligna...(Jomarion)

Ortorexia: Novo Transtorno Mental para as Pessoas que Insistem em Comer uma Dieta Natural

Em um mundo em que significados são maleáveis, você pode torcer a verdade como quiser.
Você pode criar uma história para fazer os esforços que valem a pena parecem ruins.
Você pode fazer práticas nocivas parecerem atraentes.
O sistema da saúde mental recentemente tomou como alvo fazer com que as escolhas alimentares saudáveis ​​pareçam perigosas... especialmente quando essas escolhas são suas prioridades.
 
Médicos estão diagnosticando pacientes com ORTOREXIA, o extremo desejo de comer alimentos puros
 
Isto não é uma ficção. Está realmente acontecendo.
Se você tem um forte desejo de comer alimentos puros e não contaminados, então você pode estar sofrendo de um transtorno mental em relação à esta nova tendência da rotulagem médica.
De acordo com o “The Guardian”  os ortoréxicos geralmente têm regras rígidas sobre comer. Recusar-se a tocar alimentos com açúcar, sal, cafeína, álcool, trigo, glúten, levedura, soja, milho e lácteos é apenas o início de suas restrições de dieta.
Todos os alimentos que tenham estado em contato com pesticidas, herbicidas ou que contenham aditivos artificiais também estão fora.
Os médicos e profissionais de saúde mental estão muito preocupados... visto que a ortorexia parece estar “em ascensão”.
Ursula Philpot, presidente da divisão de saúde mental britânica Dietetic Association, citou como se segue abaixo:
Estou definitivamente vendo significativamente mais ortoréxicos do que apenas alguns anos atrás. Outros distúrbios alimentares se concentram em quantidade de alimentos, mas os ortoréxicos podem ser obesos ou de aparência normal. Eles são os únicos preocupados com a qualidade dos alimentos que colocam em seus corpos, refinando e restringindo suas dietas de acordo com seu entendimento pessoal de quais alimentos são realmente puros.
Philpot afirma ainda:
 
Os mais suscetíveis são da classe média, pessoas bem-educadas que leem sobre crises alimentares nos jornais, pesquisam na internet e têm tempo e dinheiro para fontes que eles acreditam ser alternativas mais puras. 
 
Você está comigo? Se você for bem-educado, gosta de fazer sua própria pesquisa e come apenas alimentos que você (sozinho) determina ser saudável e puro, então é seguro dizer que você está em risco de 'contrair' a ortorexia .
Sim, a ortorexia, é algo que você pode contrair como uma doença, de acordo com a National Eating Disorder Association (NEDA).
No site da NEDA, eles fazem as perguntas: Por que alguém contrai a ortorexia?
Isto posiciona a ortorexia como capaz de pegar você como um resfriado.
 
Autoridades posicionam a ortorexia como uma desordem mental
 
Um estudo de 2013 associou a ortorexia com a função executiva prejudicada  (com base em auto-relatos).
Isso significa, de acordo com os pesquisadores, o quanto melhor que você faz tarefas cognitivas, incluindo o planejamento e a tomada de decisão, há probabilidade de você ter ortorexia.
Então, se você é ativo e inteligente, você não deve ter problemas para comer alimentos quimicamente carregados, pelo menos de vez em quando.
Se o seu cérebro não está funcionando corretamente, então você provavelmente começa a insistir que tudo em sua dieta consista de alimentos de verdade.
Eu não sei se a ortorexia é uma grande conspiração - uma outra maneira de enganar as pessoas inocentes para comer porcaria.
Se fosse uma conspiração, seria brilhante.
Eu não posso imaginar uma melhor mensagem da indústria de alimentos e da indústria farmacêutica.
 
Poderíamos resumir esta mensagem da seguinte forma: (Fala a industria alimenticia)
 
Ei, estamos ocupados enriquecendo ilicitamente infectando o planeta e o fornecimento de alimentos com produtos químicos.
Se você insistir em evitar nossos recursos nocivos, então você tem um problema mental.
Seu cérebro enlouqueceu e você deve procurar ajuda profissional de um dos nossos representantes de saúde mental.
Quando você for, você será diagnosticado como doente mental, é claro.
Mas não se preocupe, nós temos comprimidos para isso. Podemos atendê-lo!
ogo, seu cérebro vai ser corrigido e você não terá nenhum problema em comer nossas porcarias...
 
Você tem ortorexia?
 
O site WebMD pode te ajudar a começar o caminho para o diagnóstico. Basta perguntar a si mesmo as seguintes perguntas:
• Você está gastando mais do que três horas por dia pensando em comida saudável ?
• Você está planejando o cardápio de amanhã hoje?
• O mérito que você sente sobre o que você come é mais importante do que o prazer que você recebe ao comê-lo?
• A qualidade de sua vida diminuiu conforme a qualidade de sua dieta aumentou?
• Você se tornou mais rigoroso com você mesmo?
• A sua auto-estima aumenta ao comer alimentos saudáveis?
• Você dispensa alimentos que você apreciou uma vez a fim de comer os alimentos "certos"?
• Sua dieta tornou difícil você comer em qualquer lugar, a não ser em casa, distanciando-o de amigos e familiares?
• Você sente culpa ou auto-aversão, quando você se desvia de sua dieta?
• Quando você come do jeito que você presumiu, você se sente no controle total?
 
Há pessoas lá fora que experienciam a ansiedade em relação aos produtos químicos em sua alimentação.
Pode haver pessoas que são obsessivas em comer apenas alimentos 100% puros - e fariam o que for preciso para evitar alimentos industrializados com ingredientes impuros.
Isso pode significar evitar alimentos em reuniões sociais, recusando certos alimentos preparados por outros e levando um tempo considerável planejando e preparando refeições.
São todos candidatos defensores da saúde natural para esse diagnóstico?
Amantes da saúde natural tenham cuidado!
Uma nutricionista diz que você está em perigo se você comer apenas alimentos saudáveis? Tome cuidado...
Abaixo, uma citação de Jennifer Culbert (SAR'09), uma reconhecida nutricionista:
“...se alguém corta os alimentos processados, ou coisas que são geneticamente modificadas (transgênicos), ou não cultivadas organicamente, o perigo é que estas pessoas podem se tornar desnutridas ou abaixo do peso...” entendeu?
 
Você deve comer alimentos processados, OGM e abundantes ingredientes não biológicos, a fim de evitar a desnutrição.
 
O quanto mais ridículo podemos chegar até aqui? Meu cérebro está girando como se eu me levantasse do chão. Rir demais é perigoso também. Você pode cair de sua cadeira.
 
Vamos ser justos apesar de tudo
O criador do termo é de um doutor em medicina, Steven Bratman e o Dr. Bratman esclareceu seu novo termo.
Em seu site, ele explica com muito cuidado que ele nunca pretendeu que o seu conceito fosse aplicado a qualquer um que está apenas buscando a saúde por comer bem.
Ele só foi destinado para aqueles que estão sofrendo de um foco exagerado ou "obsessão doentia" por alimentos puros.
Eu entendo. Estou certo de que há aqueles que exageram.
Não por comer apenas alimentos 100% de verdade em 100% do tempo, mas alienando outros em sua vida que optam por comer uma dieta convencional.
Depois de alienar aqueles em torno deles, o indivíduo obcecado pela saúde poderia ficar muito solitário. Isto poderia ser uma preocupação válida.
Além disso, tenho a certeza que é possível se tornar tão paranoico sobre sua comida que até as opções de alimentos mais puros e mais saudáveis ​​disponíveis se tornam suspeitas.
Neste ponto, você pode começar a restringir perigosamente sua dieta.
Outro ponto justo: ortorexia nervosa não é um diagnóstico oficial no Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais (DSM).
É apenas usado por médicos, mas não oficialmente sancionado pela APA. Ainda não, pelo menos...
O problema, porém, é que os médicos estão usando-o como um diagnóstico prático e alguns deles parecem bastante descuidados sobre isso, na minha humilde opinião.
Por exemplo, uma renomada nutricionista, Julie Upton, informou ao Huffington Post, "Não temos critérios específicos (para a ortorexia), mas a reconhecemos quando vemos."
É assim com o sistema de saúde mental em geral e com os "transtornos" mentais. Os rótulos existem.
Se você receber um, então você está oficialmente “doente mental”. Você tem uma desordem mental.
No entanto, há raros testes para validar o chamado distúrbio mental antes de prescrever remédios.
Existem pílulas para alterar quimicamente o seu cérebro, mas não há provas.
Seu filho foi diagnosticado com TDAH e recebeu drogas psiquiátricas?
Mas... quais testes foram realizados para determinar a necessidade fisiológica da droga?
No caso da ortorexia, aparentemente, não existem quaisquer critérios de diagnóstico.
Os médicos apenas “reconhecem”. Quão idiota vocês médicos, nutricionistas e conselheiros acham que somos?
 
Não há absolutamente nada de errado com comer uma dieta saudável 100% limpo 100% do tempo!  Você é um ortoréxico?
 

 

Vivendo de luz

 

O método ficou conhecido nos anos 90 depois que a esotérica australiana Jasmuheen lançou o livro "Viver de Luz - A Fonte de Alimento Para o Novo Milênio". Ter em mãos o procedimento de jejum extremo recorrente na vida de mestres espirituais e iogues respeitados parece algo grandioso para qualquer entusiasta da felicidade e da completude espiritual. O livro foi traduzido para diversas línguas..."O propósito desse livro é dar o maior número possível de informações para ajudar as pessoas a fazerem essa viagem da maneira mais fácil que puderem", diz a autora no prefácio.

Há também quem chame os adeptos de "respiratorianos", já que teoricamente se alimentam basicamente de luz e ar.

Aqui no Brasil, não existem números oficiais, mas um local, que acompanha o "Processo dos 21 Dias" e pede para não ser identificado, afirma ter recebido cerca de mil pessoas desde 2001. "Não temos site e não divulgamos o espaço. O ano inteiro está cheio. As pessoas precisam reservar com quase um ano de antecedência", informam os organizadores. Médicos, atletas e professores são alguns dos perfis que procuram o lugar, instalado numa área verde, longe dos barulhos e preocupações da vida na cidade grande.

OS 21 DIAS

Trabalhar com o ego é o foco do método; portanto, entretenimento e estímulos visuais são tirados da rotina de quem se propõe à prática. Nada de filmes, música ou conversa. "Nas duas primeiras semanas, ficamos mais quietos, meditamos, colorimos mandalas", relata Oberom. Depois, começam as caminhadas. "[Algumas pessoas] caminham 2 km e outras caminham 25 km". Isso tudo, óbvio, sem comer nada.

A primeira semana é dura, já que não se poder beber líquido algum nem ingerir alimentos sólidos. "Quando o nosso ego não tem social, estímulos externos, entretenimento, nem comida, ele quer sobreviver. E, na nossa memória celular, a informação que temos é que sem água a gente não vive. Então, eu tiro a água. E, aí, o meu ego não tem apoio nenhum. Contrariando a ciência, que permite quatro dias sem água.

Segundo Oberom, as pessoas conseguem se manter bem na primeira semana. "É um tanto radical, é um tanto maluco, mas as pessoas passam sete dias sem nada, bem, lúcidas, andando. Não é deitada no soro, não é segurando a mão [e falando] 'Aguenta só mais um pouquinho, faltam só quatro horas e você já vai beber'."

Na segunda semana, segundo o praticante, toma-se 25% de concentração de suco em água; na terceira semana, esse nível de concentração de suco sobe para 40%. Natural e de fruta, sempre. Sem açúcar, sem gelo. Daí pra frente, nada de alimentos sólidos.

Normalmente, pessoas que entram em jejuns programados por motivo espiritual ou algum outro propósito específico são muito determinadas. É o que diz o dr. Carlos Hübner, professor de psiquiatria da Faculdade de Ciências Médicas e da Saúde da PUC-SP. Oberom reitera a informação quando diz ter ouvido relatos de pessoas que, durante o "processo", sonham estar em banquetes. Mas, mesmo no sonho, resistem à fartura de alimentos e não comem.

Apesar de todo o foco, o praticante da alimentação prânica pode, sim, ficar debilitado. "O não comer coloca o equilíbrio físico em risco. Pode-se entrar num quadro de hipoglicemia e desidratação se, além de não comer, [a pessoa] não tomar líquido." A queda de açúcar no sangue também pode provocar consequências psicológicas. "Isso pode levar a quadro de perda de consciência, confusão mental, agitação. A pessoa pode, inclusive, ficar psicótica", relata o psiquiatra. Oberom rebate: "Existe uma desidratação, sim. Não chega a ser naquele nível de ter sequelas, danos cerebrais".

O brasileiro Juliano Grafite dirigiu A Transição, o único documentário brasileiro sobre o assunto. O filme é pago, mas você pode ver o trailer de graça aqui. "O 'Processo dos 21 dias' é um retiro possível para todo mundo,mas nem todos estão preparados. É algo fácil ou difícil, depende da mentalidade de cada um, de como cada um cria sua realidade", frisou o diretor em um papo rápido com a reportagem da VICE. "Na dúvida, é melhor se preparar e se informar antes de sair fazendo."

No Facebook, há um grupo fechado chamado Pranic para "organizar e manter informadas as pessoas sobre os encontros presenciais em São Paulo" a aqueles "que já fizeram ou pretendem fazer o processo", segundo a descrição.

VOLTANDO A COMER

Durante os 21 dias, as pessoas continuam a urinar normalmente - mesmo na primeira semana, sem beber ou comer nada. O mesmo não serve para as fezes, que dão as caras até o terceiro dia e só voltam a aparecer no fim da semana em formato de "pedra". "[São] fezes desidratadas", explica Oberom. Provavelmente, o praticante só irá voltar a evacuar no final de todo o "processo". "E aí é um cocô da sua vida toda. Aquilo que estava grudado ali em você desde que você é molequinho, sabe. E nem tem o cheiro que a gente imagina. É tipo um chorume. Um petróleo."

Acostumado a ouvir relatos de quem se propôs a participar do "Processo", Oberom atesta que o saldo é positivo. "A pessoa passa 21 dias sem álcool, sem festa, sem música, sem comida, e o relato comum do último dia é: 'Eu vivi os dias mais felizes da minha vida'. Sem nenhum artifício externo. Porque, na verdade, a pessoa viveu. Ela não reproduziu coisas que não eram dela." Para ele, o período funciona como "uma limpeza, uma faxina dentro de você".

Com o perdão do trocadilho, Oberom sabe bem que dar uma entrevista e falar sobre isso na imprensa é um "prato cheio" para detratores, incrédulos e comentaristas profissionais da internet, mas ele se diz movido pela esperança. "Não como alguém que tem uma verdade que vai salvar o planeta, mas esperança no sentido de que você pode fazer diferente, de que a sua vida não precisa ser essa mediocridade."


 

Contato

Mestre Adama de Telos
 

 

                

INDIGOS

* Reconheço que tenho um lugar no plano divino, onde me encaixo perfeitamente e o estou ativando agora!

* Reconheço e aceito o potencial que a Terra tem para apoiar meu crescimento espiritual e me disponho a cooperar com ela de todas as maneiras possíveis agora!

Jomarion... Simbolo Geométrico

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Novo catálogo

Este catálogo está vazio.

Etiquetas

A lista de etiquetas está vazia.