‘Ucrânia em Chamas’

Filme de Oliver Stone revela ação dos EUA no conflito ucraniano

Famoso diretor americano continua provocando os EUA. Seu novo documentário, chamado “Ukraine on Fire” (ainda sem nome em português), promete acertar o alvo, segundo o jornal francês La Croix.

O documentário foca em uma possível implicação dos EUA e da CIA no processo revolucionário em Kiev e na guerra em Donbass. Ao mesmo tempo, o diretor nega a versão de uma “rebelião popular”, discute o que ocorreu com o presidente russo, Vladimir Putin, e o ex-presidente da Ucrânia, Viktor Yanukovich, que acabou derrubado no processo chamado Euromaidan e atualmente refugiado na Rússia.

Além dos políticos, o filme conta com a participação do conhecido jornalista investigativo americano Robert Parry, que também investigou o caso Irã-Contra, no qual o governo americano, sob administração de Ronald Reagan, vendeu armas ao Irã e financiou o movimento de oposição na Nicarágua conhecido como Contra.

Segundo o jornal La Croix, Oliver Stone foi criticado em várias ocasiões por seu apoio às FARC e ao Kremlin. Seus documentários e filmes têm uma clara orientação anti-EUA, desde o famoso filme Platoon, sobre a Guerra do Vietnã, até o controverso JFK, que examina os eventos que levaram ao assassinato do Presidente John F. Kennedy.

http://www.jb.com.br/cultura/noticias/2016/06/25/ucrania-em-chamas-filme-de-oliver-stone-revela-acao-dos-eua-no-conflito-ucraniano/

 

Filme “007 contra SPECTRE”

É Sobre James Bond ser Uma Ferramenta da Elite Oculta

 
 
O filme "007 Contra Spectre", o mais novo filme da saga James Bond, é sobre um grupo secreto tomando o controle de governos do mundo e impondo a vigilância em massa para todo o mundo.
Sob o disfarce de uma típica aventura de James Bond, os telespectadores terão uma dose sólida de agenda de programação preditiva da elite oculta.
Depois de aparecer em mais de 25 filmes durante meio século, o agente secreto fictício James Bond é agora o rosto da inteligência britânica e a personificação suave do MI6.
Baseado na série de romances escritos por Ian Fleming, que pegou a maioria de seus insights de sua passagem como um oficial da inteligência naval, o agente 007 exporta os objetivos da elite da Grã-Bretanha para o mundo.
Uma ilustração perfeita disso ocorreu em 2012, quando James Bond, interpretado por Daniel Craig, apareceu como acompanhante da rainha Elizabeth II no vídeo de cerimônia da abertura dos Jogos Olímpicos de Londres 2012.
Esta imagem simples, mas poderosa, encapsula toda a razão de ser do James Bond na cultura popular: ele protege os interesses da elite.
 
 James Bond (interpretado por Daniel Craig) acompanha a Rainha
à cerimônia de abertura dos Jogos Olímpicos de Londres em 2012.

Da mesma forma que os pais colocam escondido legumes no molho de espaguete de seus filhos, os filmes de James Bond escondem mensagens pró-elite em uma grande tigela de sexo, violência e coisas glamourosas. E com "007 Contra Spectre", a Agenda toma definitivamente um rumo "Illuminati" (ou seja, elite oculta).

A Agenda Contínua

Enquanto James Bond costumava ser um defensor do império britânico e de seus interesses em todo o mundo, os últimos filmes 007 refletem uma mudança importante na política mundial, o que é especialmente verdadeiro em "007 Contra Spectre". Vagamente baseado em dois romances de Ian Fleming separados, "007 Contra Spectre" é uma história original criada para promover uma visão específica de mundo.
E, como já descrito inúmeras vezes em artigos passados ​​neste site, a Agenda Moderna é sobre revelar como uma elite oculta está controlando o mundo e impondo uma Nova Ordem Mundial.

"007 Contra Spectre" é um exemplo perfeito de programação preditiva: expor as massas a um conceito "estranho" de modo que quando isso realmente acontecer, o sentido de indignação do público já está desgastado.
É lógico que "007 Contra Spectre" está longe de ser o único filme promovendo essa mensagem.
Exatamente a mesma premissa é encontrada em "Kingsman: Serviço Secreto" - outro filme espião britânico que saiu em 2015 (Ver aqui: http://jomarion.webnode.com/news/kingsman/).
Em ambos os filmes, os "vilões" são a elite global que procura controlar o mundo.
No entanto, em ambos os filmes, há também sinais claros de que os espiões britânicos estão fortemente ligados a eles, e que os únicos e verdadeiros perdedores são as massas, um "rebanho selvagem" com pouco ou nada a dizer sobre o que está acontecendo.
Enquanto em "Kingsman: Serviço Secreto", testemunhamos o despovoamento em massa de pessoas usando celulares, "007 Contra Spectre" é mais simbólico (e preocupante).
Na verdade, a única vez que vemos pessoas "comuns" no filme é durante a primeira cena e eles estão... mortos.
 
O primeiro quadro do filme descreve
perfeitamente como a elite percebe as massas.
 
Vemos, então, uma cena de ação no México, durante as celebrações de
Dia de los Muertos - o dia dos mortos. Todos as pessoas "não-elite"
estão vestidas como esqueletos e dançando nas ruas.

Após a cena de abertura, nós realmente não vemos pessoas comuns no filme - apenas o governo britânico e "SPECTRE" lutando pelo poder. No entanto, como o filme sutilmente nos permite saber, eles são dois lados da mesma moeda.

SPECTRE  = A Elite Oculta

Se 007 representa o governo britânico e o MI6, então "SPECTRE” reporesenta a organização obscura procurando controlar o mundo, representa a elite oculta.

 
O símbolo do Spectre é um polvo - um símbolo amado pela
elite real do mundo. Seus muitos tentáculos representam as
muitas áreas em que se envolvem.
 
Quando a Organização US National Reconnaissance lançou seu
NROL-39 de espionagem por satélite (utilizada para a vigilância em massa)
para o espaço, ela lançou um emblema com um polvo gigante engolindo
a Terra com as palavras "nada está além do nosso alcance". Por
coincidência, "007 Contra Spectre" é sobre o mesmo tipo de vigilância.
 
No filme "Capitão América 2: Soldado Invernal", a organização secreta
de elite Hydra visa controlar o mundo com a Nova Ordem Mundial.
Seu símbolo também possui tentáculos como um polvo. A proliferação
desses símbolos é como a mídia de massa programa o mundo.

Não muito diferente da elite oculta real, SPECTRE se reúne em reuniões secretas em palácios feitos pela elite, para a elite.
 
A reunião secreta do Spectre acontece em Roma, à meia-noite.
 
Na cultura oculta e popular, a meia-noite também é conhecida como a "hora mágica". É definida como o tempo da noite em que criaturas como bruxas, demônios e fantasmas ​​aparecem e estão no seu nível mais poderoso... e a magia negra está no seu nível mais eficaz. Apropriadamente, no filme, a reunião é o teatro para um sacrifício de sangue simbólico.
 
Durante essa reunião, um porta-voz alemão descreve os "sucessos" de SPECTRE, que estão perfeitamente em linha com a agenda "sombria" da verdadeira elite mundial.
Não há apenas ficção acontecendo ali. Um desses "sucessos" é particularmente assustador: O porta-voz fala sobre cerca de 160.000 mulheres migrarantes que foram colocadas no "setor de lazer".
O "setor de lazer" significa prostituição.
Em cenas sutis como essa, o filme revela a verdadeira agenda devastadora da elite para essa época.
Como já mencionei em artigos anteriores, a crise dos imigrantes tem sido forçada sobre o mundo por várias razões.
Uma das razões mais obscuras é explorar facilmente milhões de pessoas deslocadas, que têm direitos mínimos e poucos registros escritos, em todos os tipos de empreendimentos de tráfico humano nefastos.
Ela já começou: fontes de notícias relataram que mais de 10.000 crianças refugiadas estão desaparecidas.
Quantas delas estarão em redes subterrâneas de abuso infantil da elite oculta?
No entanto, como a elite oculta, o principal objetivo do SPECTRE é subverter todos os governos do mundo, a fim de implementar ampla vigilância mundial e implementar nada menos do que uma Nova Ordem Mundial.
De fato, em uma cena, um agente diz a Bond:
"Em três dias, há uma conferência sobre segurança em Tóquio para decidir a Nova Ordem Mundial".
SPECTRE se infiltrou no governo britânico com seus agentes (ou seja, com um cara que tem o nome de "C") para fazer com que essa Nova Ordem Mundial aconteça. Em várias cenas, “C” usa a fraseologia típica "Illuminati", tais como:
"Nós vamos trazer a Inteligência Britânica para fora da idade das trevas a caminho da luz".
"Illuminati" significa "iluminados". Mais tarde, em seu discurso em Tóquio, “C” declara:
"Não deixe que eles te digam que precisamos de menos vigilância. Nós precisamos de mais. Muito mais. Digo mais uma vez, o comitê Nove Olhos teria pleno acesso aos fluxos de inteligência combinada de todos os Estados membros. Mais dados, uma análise mais aprofundada, menos probabilidade de ataques terroristas".
Durante essa reunião, os países participantes são submetidos a uma votação para fazer a vigilância em todo o mundo acontecer.
A Africa do Sul vota NÃO para a Nova Ordem Mundial e ao 
saber do resultado dessa votação, “C” diz mais outra frase que é muito Illuminati:
"É só uma questão de tempo até que a África do Sul veja a luz."
 
Pouco depois do voto negativo, a cidade sul-Africana
de Cape Town é sujeita a um ataque terrorista violento.

Vemos aqui uma divulgação clara de como a elite oculta do mundo real funciona: ataques terroristas de falsa bandeira servem para assustar populações e nações para fazê-las se submeterem e aceitarem mudanças políticas drásticas.
Todas as cenas acima, basicamente, resumem o que a elite tem feito nos últimos anos: os ataques de Paris, as novas leis de vigilância e a crise dos imigrantes.
Como esse é um filme de espionagem, a elite oculta é personificada por um supervilão: Ernst Stavro Blofeld.
Sua marca característica diz tudo o que você precisa saber sobre ele.
 
Mais tarde no filme, Blofeld perde um olho, fazendo
dele um "sinal do um olho" falante e ambulante.

Blofeld também gosta de dizer lemas Illuminati:
"Um terrível evento pode causar algo maravilhoso. A partir do horror, beleza".
Essa citação é notavelmente semelhante ao lema preferido da elite oculta: Ordo Ab Chao - Ordem a partir do caos.
Ao usar terrorismo de falsa bandeira, SPECTRE está controlando o mundo.
Felizmente, James Bond está aqui para matar todo mundo e ter relações sexuais com um monte de mulheres em seu caminho até lá.
No entanto, o filme faz uma coisa bem clara: James Bond não é "o herói do povo", tentando salvar a liberdade e a democracia. Ele é basicamente um fantoche do sistema.
O governo britânico e SPECTRE são simplesmente dois lados da mesma moeda.
Esse pouco de aventura que você está assistindo - com o mocinho e o vilão - é apenas teatro para mantê-lo distraído enquanto as coisas reais estão realmente acontecendo.

James Bond é Reduzido a Um Peão da Elite

O verdadeiro status de James Bond é claramente representado durante a sequência de título do filme.

 
Enquanto ouvimos uma música dramática de Sam Smith no fundo,
vemos James Bond andando sob a "proteção" do polvo Spectre,
que representa a elite oculta. Eu pensei que Bond era contra eles?
 
 
 
A sequência do título termina com um único olho cujo no interior há tentáculos.
Em suma, esta sequência de introdução é tudo sobre a elite oculta revelando que
controla o mundo e o próprio filme que você está assistindo - enquanto
Sam Smith canta "Writing's On The Wall".

Uma vez estabelecido que James Bond é apenas um fantoche da elite, tudo sobre ele a partir de então faz sentido.
Como em todos os filmes de James Bond, há uma cena em que o agente é apresentado com todos os dispositivos legais que ele vai usar durante essa aventura.
Esse filme não é exceção.
No entanto, neste momento, existe uma captura.
Bond precisa ter um microchip implantado dentro dele antes que ele possa fazer qualquer outra coisa.
 
Como se fosse para provar que 007 é apenas um simples
peão, podemos vê-lo recebendo um implante de microchip...
igual ao que eles querem que você também recebe.

“Q” - o cara encarregado pelos dispositivos - diz a Bond:
"Nano-tecnologia de ponta. Sangue inteligente. Microchips em sua corrente sanguínea que nos permitem acompanhar os seus movimentos no campo".
Para quem James Bond responde:
"Isso soa maravilhoso".
Em outras palavras, o agente que era para salvar o mundo de estar sendo monitorado o tempo todo pelo governo... está sendo monitorado o tempo todo pelo governo.

 
 Por estes monitores, vemos que o status de localização corporal exata
de Bond é monitorado em tempo real. Esses são os "heróis" por quem elite
quer que torçamos - uma combinação de transhumanismo e Big Brother.

Mais tarde no filme, Bond recebe mais tratamento do tipo escravo de controle mental, desta vez nas mãos de Blofeld.
 
James Bond tem o seu cérebro perfurado por uma
máquina controlada por Blofeld. Os bons e os maus ambos
"bagunçam" com o corpo de Bond. Ele é apenas um peão de ambos.
 
Em uma cena, Bond encara Blofeld através do vidro.
O reflexo de Blofeld no rosto de Bond é uma maneira
sutil de dizer: eles estão no mesmo time.

No final, Bond explode com sucesso o esconderijo secreto de Blofeld. Mas será que ele o matou?
Não. Em vez disso, Bond deixa cair sua arma e vai para ver a mulher com a qual ele está atualmente dormindo.
Em seguida, um outro cara chega e diz a Blofeld:
"Nos termos da Lei de Medidas Especiais de 2001, estou te detendo em nome do Governo de Sua Majestade".
Então o vilão é preso sob as "Leis de Medidas Especiais de 2001", um final que é 100% não-James Bond.
Na verdade, ele é tão incisivamente irônico que ele só pode ser interpretado como se a elite estivesse rindo dos telespectadores.
Na verdade, as "Leis de Medidas Especiais de 2001" é provavelmente uma referência à "Lei Antiterrorismo de 2001", que entrou na lei da Grã-Bretanha em 14 de dezembro de 2001.
Essa lei é a versão inglesa do "Patriot Act": um conjunto enorme de leis restritivas que foram apressadas por meio do Parlamento, na sequência do 11 de setembro.
A lei foi amplamente criticada, com um comentador descrevendo-a como "a legislação mais draconiana que o Parlamento aprovou em tempo de paz em mais de um século". Em 16 de dezembro de 2004, os senhores da lei decidiram que a Seção 23 era incompatível com a Convenção Europeia dos Direitos Humanos, mas sob os termos dos Direitos Humanos de 1998 manteve-se em vigor.
Portanto, o vilão do filme, que estava tentando usar o terror para implementar todo o mundo a vigilância em massa, é preso sob uma lei que realmente implementou a vigilância em massa depois de um ataque terrorista.
Essa é a maneira doentia da elite de lhe dizer: Somos SPECTRE e você está vivendo sob nosso domínio.

Conclusão

Embora a organização SPECTRE seja a "vilã" e James bond seja o "mocinho", nada disso realmente importa.
O verdadeiro objetivo do filme é expor as massas a um conceito específico, a fim de torná-lo parte do inconsciente coletivo.
A mídia de massa é totalmente sobre a programação preditiva - familiarizar o público com as mudanças sociais planejadas a serem implementadas pela elite oculta.
Essas mudanças já estão acontecendo agora.
Embora James Bond esteja lutando contra o SPECTRE  "para a rainha", não devemos esquecer que o Reino Unido tem estado durante anos na vanguarda da Agenda Big Brother, a implementação de todos os tipos de leis de vigilância restritivas, em massa, logo após cada ataque terrorista no Ocidente.
Em suma, o Reino Unido foi tomado por SPECTRE há muito tempo.
E, James Bond, o nosso "herói", nada mais é que um peão de mente controlada com um microchip em seu braço.

Fonte: VC Vigilante Cityzen

 

Jogos Vorazes

 

Mensagem Reveladora do Ator Donald Sutherland sobre o Significado de "Jogos Vorazes"

 
O célebre ator Donald Sutherland, o qual interpreta o presidente ditador Coriolanus Snow na saga de "Jogos Vorazes", explicou qual é a mensagem mais importante destes filmes... caso não tenha ficado claro para alguém.
Durante uma entrevista sobre o filme, Sutherland respondeu sem rodeios quando foi perguntado "do que tratava o filme"...

"Se há alguma dúvida sobre o que se trata o filme, eu te digo:
se trata dos poderes dos Estados Unidos da América.
Sobre aqueles que tiram proveito de tudo.
A guerra é feita com fins lucrativos.
Não é para salvar o mundo ou pela democracia", nem "pelo rei nem pela pátria".
Não, isso é papo furado.

As guerras são feitas para beneficiar o 10% que está no poder, e os jovens que assistem a este filme devem ver claramente que se no futuro tiverem "fé cega em seus líderes", tal e como disse Bruce Springteen, "isso os levará à morte".
Se alguém não havia entendido a mensagem destes livros e filmes, Sutherland o deixou mais explícito... esperamos que as curvas de Jennifer Lawrence não tenham ofuscado a visão de muitas pessoas...
 
Fontes:
El Microlector: UN MENSAJE REVELADOR DEL ACTOR DONALD SUTHERLAND SOBRE EL SIGNIFICADO DE “LOS JUEGOS DEL HAMBRE”
Global Research: “The Hunger Games” and Today’s U.S. Political Leaders: Donald Sutherland Explains The Movie’s Important Message
Leia mais: http://www.anovaordemmundial.com/2015/12/mensagem-reveladora-do-ator-donald-sutherland-sobre-o-significado-de-jogos-vorazes.html#ixzz3tfk4Qop0


Filme  'Jogos Vorazes'
 
 Uma Amostra da Nova Ordem Mundial
 
 
 
O filme "Jogos Vorazes" acontece em um futuro distópico, onde as massas pobres e miseráveis ​​vivem sob a tirania de uma elite rica e de alta tecnologia.
Será que o filme está descrevendo o tipo de sociedade elitista que estão tentando estabelecer para a Nova Ordem Mundial?
Vamos então analisar as características do mundo apresentado em "Jogos Vorazes" e como elas se relacionam com os planos para uma Nova Ordem Mundial.
Empurrado por uma campanha de marketing gigantesca, esse filme não demorou muito antes de se tornar uma sensação mundial, especialmente entre adolescentes e jovens adultos.
Às vezes referido como "a nova saga Crepúsculo", "Jogos Vorazes" tem componentes semelhantes à febre desse primeiro livro (ou seja, uma jovem dividida entre dois rapazes), mas o último ocorre em um contexto muito diferente.
Situado em um futuro distópico  "Jogos Vorazes" pinta um quadro bastante sombrio do mundo de amanhã, seja de um ponto social, econômico ou um ponto de vista político.
Em suma, é um grande pesadelo onde uma elite rica se sustenta por de trás de uma população faminta.
Enquanto isso, a perversidade e o voyeurismo da mídia de massa (reality shows) são levados a níveis absurdos e são usados pelo governo como uma “cola” para manter a sua ordem social injusta intacta.
Será que o filme "Jogos Vorazes" está dando aos adolescentes uma amostra de um futuro não muito distante?
Não é preciso bola de cristal para ver que a elite está tentando levar o mundo a tal direção.
Vamos analisar o mundo ficcional, mais ainda possível futuro, de "Jogos Vorazes".
 
A NOM para Adolescentes
 
"Jogos Vorazes" ocorre em um contexto que vai impressionantemente ao encontro das descrições da Nova Ordem Mundial, como planejadas pela elite global de hoje.
Uma das principais características da Nova Ordem Mundial é a dissolução regular de estado-nação para formar um governo mundial único, a ser governado por um poder central.
Em "Jogos Vorazes", esse conceito é totalmente representado, pois a ação acontece em PANEM, uma nação totalitária, que engloba o território norte-americano.
Os Estados Unidos e Canadá teriam se mesclado em uma única entidade, um passo que muitos prevêem que vai acontecer antes da criação integral da NOM.
Em PANEM os conceitos de democracia e liberdade desapareceram da América para serem substituídos por uma ditadura de alta tecnologia com base na vigilância, monitoramento, doutrinação da mídia de massa, opressão policial e uma divisão radical de classes sociais.
A grande maioria dos cidadãos de PANEM vivem nas condições terceiro-mundistas do país e estão constantemente sujeitos a fome, pobreza e doença.
Essas difíceis condições de vida são, aparentemente, o resultado de um acontecimento devastador que gerou um completo colapso econômico na América do Norte.
No Distrito 12, casa do herói Katniss Everdeen, os moradores vivem em condições semelhantes à era pré-industrial, onde famílias de mineiros de carvão viviam em barracos improvisados ​​e comiam roedores nas refeições.
Enquanto as massas olham em como se vivia em 1800, elas são subjugadas à regra high-tech de CAPITOL (a capital) que usa a tecnologia para monitorar, controlar e doutriná-las. Câmeras de vigilância, chips RFID e hologramas 3D são abundantemente utilizados pelo governo para manipular a vontade de uma população fraca e sem instrução (embora haja sinais de solidariedade e rebeldia entre os camponeses).
Para preservar a ordem social frágil, a Capitol depende de uma força policial maciça que está sempre pronta para reprimir qualquer tipo de revolta. Os trabalhadores muitas vezes são jogados em  campos de civis onde eles são mostrados vídeos de propaganda (propaganda, aqui, refere-se ao conceito de informação manipulativa) patrocinados pelo Estado.
PANEM é, portanto, um estado policial de alta tecnologia governado por uma elite poderosa que busca manter as massas em situação de pobreza e submissão.
Como vimos em artigos anteriores nesse blog, todos esses conceitos também são bem representados em outras formas de mídia; parece haver um esforço consciente para normalizar as idéias de um estado policial de alta tecnologia como a única evolução normal do sistema político atual.
Vivendo em contraste nítido com o proletariado, a elite em "Jogos Vorazes" habita na brilhante cidade Capitol e se entrega em todas as extravagâncias e tendências da moda.
Esse escalão superior da sociedade enxerga o resto da população como uma raça inferior para ser ridicularizada, domesticada e controlada.
Todos os recursos valiosos foram tirados das pessoas que vivem nos distritos para o lucro de CAPITOL criando uma divisão clara e intransponível entre pessoas comuns e a elite.
O conceito de uma elite opulenta governando uma massa empobrecida e emburrecida (tornando-se assim facilmente governável) é um aspecto importante da Nova Ordem Mundial e é claramente retratado em "Jogos Vorazes".
A confiança do governo na mídia de massa e na alta tecnologia de vigilância para manter a população sob controle é algo que nós já estamos vendo e, se continuar nessa direção, o mundo de "Jogos Vorazes" em breve se tornará realidade.
Há um outro conceito importante para a elite ocultista que está no coração de "Jogos Vorazes": os sacrifícios de sangue para espalhar o medo e ganhar poder.
 
Sacrifícios de Sangue para a Elite
 
 
Katniss é escolhida como uma 'tributo' de seu distrito
 
O governo de PANEM criou os jogos vorazes a fim de lembrar as massas da "grande traição" que cometeram por terem se envolvido em uma rebelião.
Como punição por sua insubordinação, os doze distritos de Panem devem oferecer a Capitol um menino e uma menina entre as idades de 12 e 18 para fazer parte dos  "Jogos Vorazes". Os adolescentes devem lutar até a morte em uma arena ao ar livre em um evento do tipo gladiador romano, pois é televisionado em todo o país.
As regras dos jogos refletem o desprezo da elite e total falta de respeito pelas massas.
O nome dos jogos em si é um lembrete do estado de fome perpétuo que a classe mais baixa é propositalmente mantida pelos governantes a fim de melhor controlá-la.
Os meninos e meninas que são selecionados para participar dos "Jogos Vorazes" são chamados de "tributos", um termo que geralmente descreve um pagamento proferido por um vassalo ao seu senhor e, portanto, reflete a servidão da massa a seus governantes.
Desde tempos imemoriais, os sacrifícios de sangue eram considerados a maior forma de "tributo" aos deuses e, em um nível oculto, foram ditos  exercer o poder mais potente a ser explorado pelos governantes e feiticeiros.
Da mesma forma que cartagineses antigos sacrificavam crianças ao deus Moloque, habitantes de PANEM tem que sacrificar seus filhos para Capitol.
"Jogos Vorazes" são, portanto, uma versão moderna desses rituais anuais que as massas tinham que participar para evitar a ira de seus superiores.
A nação inteira de PANEM é forçada a assistir o ritual de sacrifício que está ocorrendo em Capitol, incitando medo, raiva e sede de sangue dentro deles, ampliando o poder do ritual.
Nós já vimos em artigos anteriores que a matança de pessoas específicas torna-se um evento de mídia que vira, na verdade, mega-rituais que toda a nação participa. "Jogos Vorazes" reflete esse conceito de mega-ritual altamente divulgado.
 
                           'Tributos' para "Jogos Vorazes" tornam-se propriedade do Estado e são revogados todos os direitos.
 
Em "Jogos Vorazes", a morte ritualística dos jovens escolhidos das massas é vendida como um evento esportivo, uma celebração a nível nacional que é empacotada como um reality show.
Os pobres não apenas participam desses eventos humilhantes como até mesmo torcem para seus favoritos.
Por que aceitam tudo isso? Uma das razões é que a mídia de massa pode fazer as pessoas aceitar qualquer coisa ... é divertido.
 
Apelando para os Instintos mais Básicos
 
Os jogos são transmitidos para a nação, sob a forma de um reality show completo, com os anfitriões de TV que analisam a ação, entrevistam os "tributos" e julgam a sua performance.
Os "tributos" são tão doutrinados nessa cultura que eles prontamente aceitam as regras do jogo e ficam totalmente dispostos a começar a matar para ganhar esses Jogos.
As massas também participam ativamente do evento, torcendo por seus representantes distritais, apesar de todo o evento celebrar o seu próprio sacrifício.
Isso reflete um fato triste mas é a verdade sobre os meios de comunicação: qualquer tipo de mensagem pode alcançar as pessoas se conseguir captar a sua atenção.
Há duas coisas que automaticamente, quase que irresistivelmente agarram a nossa atenção: sangue e sexo, os remanescentes dos nossos instintos primitivos.
A violência pura do evento atrai a atenção das massas, que se esquecem de que os Jogos são feitos para ser um lembrete da servidão das pessoas a sua elite.
Esse conceito já é bem conhecido e plenamente explorado na mídia de massa hoje, visto que mensagens patrocinadas pela elite são constantemente vendidas aos consumidores como "entretenimento".
Em um ponto em "Jogos Verozes", a morte de uma menina choca as pessoas pobres a tal ponto que traz um breve momento de lucidez e solidariedade entre eles, pois a morte destaca a atrocidade dos Jogos.
A transmissão ao vivo dessa morte leva a uma violência ascendente em seu distrito, os moradores perceberam que eles eram participantes dispostos a algo terrível.
A revolta, no entanto,  foi rapidamente sufocada pela força policial sempre presente do Estado.
Além disso, a fim de evitar mais problemas sociais, os produtores do show introduziram um novo elemento para o show: o amor entre Katniss Everdeen e Mellark Peeta, a menina e o menino do distrito 12.
Com a introdução de amor (e consequentemente sexo) no show, os produtores conseguiram acalmar as massas e as trouxeram de volta ao seu estado habitual de ficar em silêncio.
Essa parte do filme reflete como a mídia de massa é utilizada pelos poderes que existem hoje.
No mundo da  série "Jogos Verozes" prova que histórias que habilmente apresentam os ingredientes de sexo e violência facilmente conseguem prender a atenção das pessoas. E, apesar de "Jogos Verozes" parecer estar denunciando a perversidade da violência nos meios de comunicação, com certeza está  trazendo mais ainda aos cinemas.
 
Dessensibilizar para um Novo Tipo de Violência
 
Embora não haja escassez de violência em Hollywood, o filme "Jogos Verozes" cruza uma fronteira que raramente é vista nos filmes: violência por menores de idade e para menores.
Nesse filme, vemos crianças com idade entre 12 e 18 esfaqueando-se violentamente, cortando, estrangulando, atirando e quebrando o pescoço de outras crianças - cenas que raramente são vistas em filmes de Hollywood.
Embora seja certamente um caminho para o filme capturar a atenção do público-alvo do filme (que passa a ser adolescentes com idades entre 12 a 18) "Jogos Verozes" traz à tona uma nova forma de violência que antes era muito perturbadora para ser retratada no cinema. 
Mas, em particular no cenário matar-ou-morrer de "Jogos Verozes", os telespectadores facilmente ultrapassam essa barreira psicológica e encontram-se gritando durante o filme coisas do tipo: "Venha Katniss pega o seu arco e atire na cabeça daquele #####
 
Conclusão
 
"Jogos Verozes" está situado no mundo que é exatamente o que é descrito como a Nova Ordem Mundial: uma elite rica e poderosa, uma massa explorada e "emburrecida" de pessoas, dissolução das democracias em alguns órgãos estatais de polícia, vigilância de alta tecnologia, meios de comunicação utilizados para propaganda e um monte de rituais de sangue.
Há de fato nada otimista no futuro distópico descrito em "Jogos Verozes", até mesmo a dignidade humana seria revogada, visto que as massas são forçadas a assistir a sua própria morte, uns dos outros, como se fossem animais enjaulados.
Dito isto, há pouca ou nenhuma diferença entre cinéfilos que assistem ao filme "Jogos Verozes" e as massas no filme que testemunham a crueldade dos Jogos.
Ambos são participantes dispostos a ver um evento que retrata o seu próprio sacrifício sob o olhar divertido da elite.
Além disso, pode-se argumentar que o filme realiza as mesmas funções que os Jogos no filme: distrair a massas com sangue e sexo, enquanto lembrando-as do poder da elite.
Será que "Jogos Verozes" está tentando avisar um jovem apático dos perigos de permitir que o sistema atual  transforme-se em um pesadelo totalitário?
Ou será que está simplesmente programando-o para enxergar a vinda de uma Nova Ordem Mundial como uma inevitabilidade?
Isso é um bom tema de debate.
Mas, ao ler o que foi dito nos meios de comunicação sobre o filme, há um debate ainda mais ardente sobre "Jogos Verozes":
Você é do time de Peeta ou do time de Gale?
 
Fonte: Vigilant Citizen  e  Blog do Danizudo

 

De Novo Peter Pan

 
Peter Pan, a historia do menino que não quer crescer, ganha mais uma versão em cinema completando assim quatro versões deste tema.
Seguindo a nova tendência de transformar histórias de contos de fadas em versões modernas para “adultos” verem, Hollywood está lançando o filme “Pan”
É óbvio, para os despertos e atentos que este filme é uma obsessão de Hollywood junto com Alice e Mágico de Oz, compondo uma trilogia sinistra e cheia de intenções, visto que estes tres filmes foram e são usados para a “Programação Monarca” controle de artistas e atores para enriquecer a industria escura do entretenimento.
Também são usados para “controle mental e psicologico das massas”. Os tres temas são “recheados” de simbolismos maçônicos, iluminatti e satânicos.

Peter Pan foi o filme/historia usado para programação e controle mental de Michael Jackson (Terra do Nunca, o sempre criança, que vive em um rancho que se chama  "Neverland" com parques e brinquedos....). 
Michael Jackson, fez varias cirurgias plasticas (em estado de controle hipnotico) para se parecer com Peter Pan.
Sua mãe afirma em entrevista que Michael se lembrava de ter feito duas cirurgias para melhorar o rosto após o incendio no comercial da Pepsi... mas ela conta que foram 11 (onze) cirurgias, das quais ele não se lembrava (ou melhor parecia não saber que tinha feito)

A versão de Peter Pan com
Robin Willians foi muito comentada por “psicólogos e psiquiatras” que teceram muitas teses sobre o “meninão” que não quer crescer, mas revelo pra quem não sabe que Robin Willians foi um dos “escravos de programação monarca” mais proeminentes do cinema e sua “programação e abuso” foi feito também com o filme Peter Pan.
O ator fez um outro filme, pra lá de esquisito, onde ele contracena com uma “borboleta monarca” sob o “olhar que tudo vê” ... O filme chama “Jack” veja comentario aqui:  https://www.youtube.com/watch?v=Rq1T1KgKnWY
Esta é a provavel causa da depressão e suicidio do ator.
Cantores e atores programados dentro desta tecnica nazista, sofrem muito e se matam de uma ou de outra forma! 
Magico de Oz e Alice também são recheados de simbolismos ocultos e bizarros além de se referirem explicitamente a abuso infantil  e degradação da infancia.
Jomarion
Vejamos alguns comentarios na midia:
 

“Pan” : Filme sobre as origens do Peter Pan ganha primeiro trailer

"Meu querido Peter, eu espero pelo dia em que eu poderei voltar para você e explicar tudo. Você é extraordinário. Mais do que você pode imaginar. Eu prometo que você irá me ver novamente neste mundo ou no outro".  O primeiro trailer de Pan começa com a leitura de uma carta escrita por Mary... uma mulher que teve de abandonar seu filho Peter Pan em um orfanato quando ele era apenas um bebê.  Logo de cara, percebe-se que o filme de Joe Wright terá uma abordagem diferente das demais versões cinematográficas da clássica história infantil do menino que nunca envelhece.

Pan vai mostrar um pouco da rotina de Peter no orfanato, de onde ele é sequestrado, ao lado de vários outros orfãos de guerra, pelo cruel pirata Barba Negra, interpretado por um ensandecido Hugh Jackman. O vilão leva as crianças para o mundo mágico da Terra do Nunca, onde elas são submetidas a trabalhos forçados. Entretanto, Peter conhece pessoas e criaturas fantásticas, incluindo a indomável Tiger Lily (A antes *Sininho e agora Tigrinho) e a versão mais nova - e tranquila - daquele que viria a se tornar o Capitão Gancho (agora amiguinho de Peter).

"Sininho"

* Sininho é a imagem da criança sexualizada e simbolo de drogas para escapismo (bem claro no filme “Moulin Rouge” onde a droga mais devastadora era o “absinto” a “fada verde”)

 

“PAN” ... cartaz da estreia em 2015.

 

A História de Peter Pan

A história de Peter Pan já foi contada inúmeras vezes no cinema, teatro e televisão, por isso, todos já a conhecem de cor e salteado. O que poucos sabem é como o menino chegou na Terra do Nunca e se transformou no herói que enfrenta piratas perigosos e salva seus amigos de Capitão Gancho. É justamente esse o ponto de Peter Pan, novo filme da Warner Bros.  Mesmo se tratando de uma história infantil, a impressão é que o longa traz um tom mais sombrio em relações a outras versões de Peter Pan, principalmente nas cenas que se passam no orfanato.

No início, vemos a mãe de Peter deixando o seu filho, ainda bebê, em um orfanato. Apesar de não termos nenhuma explicação do motivo até então, vamos entender melhor as motivações da mulher lá pelo meio da trama, quando o garoto fica mais velho.

Em seguida, ele e outras crianças são sequestradas por piratas e vão parar em um lugar estranho (Terra do Nunca), que é comandado pelo terrível Barba Negra. Nesse ponto, vale destacar a cena em que o vilão dá as boas vindas aos novos habitantes da Terra do Nunca, que acontece logo depois de uma bela versão a cappella do clássico do Nirvana, "Smells Like Teen Spirit" (rock satânico  que alude ao "cheiro de almas novas"  homenageando o “principe das trevas”)...o pirata terá uma importância fundamental na formação do herói Peter Pan.

 

 

“O Ceu é de Verdade”

 
Filme baseado em História Veridica
 
“O Céu é de Verdade” é uma historia, tirada de um  livro homonimo, que conta a experiencia de uma criança de quatro anos, que em coma, durante uma cirurgia,  visita o “céu”, senta no colo de Jesus, vê anjos e alguns familiares que já morreram.
O “céu” que Todd visita nos lembra a cidade astralizada do filme “Nosso Lar”.
O pai de Todd é um pastor evangelico no interior dos EUA e a incrivel experiencia da criança choca até mesmo a “comunidade evangelica”.
Todd não vê “deus” mas conversa com Jesus e alguns anjos.
Procurando mais respostas o pai procura uma neurocientista que estuda “experiências de quase morte”. De postura ateista ela explica que o “céu” é um lugar plantado no inconsciente coletivo de acordo com a raça e a religião.
No desenrolar do filme podemos sentir claramente que “crentes” “religiosos” “evangelicos” “judeus” não são muito bem vistos nos Estados Unidos. Observamos que o tema (tocante e verdadeiro) “provoca” desconforto nessa sociedade vendida para o Anti-Cristo!
Nas escolas, crianças “modernas e descoladas” tiram sarro da criança que viu Jesus e de seus irmãos, fazendo-as se sentirem ridiculas.
A música preferida das crianças é “We will rock You” uma especie de “hino rock and roll” do Queen (Fred Mercury – icone gay do rock satânico e debochado) e é uma especie de “Tributo ao Lado Negro” muito apreciado e cantado em festivais de rock. As crianças gostam de canta-la gritando (uns imitando o outro).
 
DETALHE UM:  O que esta musica está fazendo no filme?
Chegando no céu, Todd pede para canta-la, mas os “seres iluminados” apenas riem da pergunta.
A musica está no filme porque é um TRIBUTO À ELITE SATÂNICA  que todos os filmes, feitos em Hollywood e direcionados para grandes publicos, são obrigados a fazer! 
É um PEDAGIO para mostrar para produtores, roteiristas e atores quem manda ali!
 
DETALHE DOIS: AKYANE... No inicio do filme, vemos a menina Akyane** (pintora prodigio de origem lituana) que pinta mediunicamente desde os 4 anos, lançando a nivel mundial seu quadro mais famoso “Principe da Paz”. Esta primeira cena é fundamental no filme.
 
SOBRE AKYANE
 
Akiane Kramarik é uma delicada menina de 12 anos (hoje uma jovem de 20 anos)  (nascida em  julho de 1994) que vive com seus pais e três irmãos em Idaho, EUA. Ela tem  chamado a atenção pela qualidade de suas pinturas e poesias apesar de ser ainda  muito jovem. Sua fama já lhe permitiu ser convidada para ser entrevistada por  várias revistas e muitos programas de TV.

Na foto acima ela aparece no  programa da Oprah Winfrey.
Suas pinturas são vendidas com preços que vão de 100  mil a 1 milhão de dólares.
Parte da arrecadação com suas obras é revertido em  doações a instituições de caridade.
Akiane também fala russo, lituano, inglês e  a linguagem de sinais.
Ela diz que sua inspiração e técnica vem de Deus. Recebe  orientações divinas através de sonhos e visões.
Sua família não acreditava em Deus e se converteu a Cristo a partir das visões que Akiane começou a ter desde os 4 anos de idade. 
Sua mãe destacou que a menina se levanta às 4 da madrugada diariamente para orar e então pintar.
Akiane mesma descreveu suas experiências:
"Todas as manhãs e todas as noites, converso com Deus. É como se fosse uma voz  na minha mente conversando comigo".
Akiane revelou para LifeSiteNews.com  a origem de uma pintura de  Cristo particularmente impressionante intitulada "Príncipe da Paz".
Ela declarou  que a partir de uma visão de Jesus buscou um modelo apropriado para  pintá-lo do modo como ela o viu.
"Por dois anos, eu procurei um modelo de Jesus  no Colorado, porém não consegui achar nada. Então nos mudamos para Idaho e orei  a Deus: ‘Se você quer que eu pinte este modelo de Jesus, por favor o traga à  porta da minha casa’.
Depois de dois dias, apareceu um “carpinteiro” bem na porta  da frente, e ele era exatamente perfeito para minha pintura. Foi tão maravilhoso  e ele concordou em servir de modelo para minha pintura".
Akiane estuda  somente em casa, pelo método homeschooling (educação escolar em casa) e raramente vê televisão. Ela explica como desenvolve suas  pinturas:
"Eu oro e espero por uma resposta através de pinturas palavras
ou idéias. Quando eu tenho uma pintura em minha mente eu reflito como poderia
colocá-la na tela. Se é um retrato, eu procuro por um modelo ou estudo muitas
pessoas onde quer que eu vá. Se é uma paisagem, ou um animal, eu pesquiso fontes
relacionadas ou trabalho diretamente a partir de minha memória ou imaginação.
Por exemplo, quando eu estava num avião eu decidi pintar
sobre aves voando sobre as ilhas. Então estudei como as ilhas e os
pássaros têm que parecer corretamente a partir de uma visão do alto. Uma vez que
uma das minhas aves preferidas é o cisne, estudei centenas deles
esboçando-os em diferentes posições. Eu freqüentemente vou a bibliotecas,
jardins ou fazendas para estudar animais e plantas. Sinto prazer ao observar o
comportamento da vida selvagem. Num lago ou rio nós vemos muitas águias,
pássaros pescando e cisnes. Assisto o vôo, os movimentos ou a forma como eles
brincam. Então eu observo as sombras e as luzes e seus corpos e faço muitas
pinturas e esboços."
 
DETALHE TRES: Borboletas monarcas... em um dado momento do filme, o personagem de Todd é apresentado na trama perseguindo borboletas (monarcas é claro) e se encanta com elas e as seguem alegremente e as “monarcas” ganham zoom!
Mas... o que “borboletas monarca” estão fazendo neste filme?
A mesma coisa que fazem em muitos outros, principalmente direcionados a publico infanto-juvenil.
As borboletas “enchem” o filme Malevola, Cinderella, Alice, Muffy e muitos outros.
Elas costumam marcar um “artista criança” que a industria do entretenimento “está observando” para num futuro breve lançar como uma “celebridade” controlada tipo “escravo”
Uma coisa suja e infame chamada “Controle Monarca”.
A primeira escrava monarca bem sucedida no cinema foi Marilyn Monroe, muitas mais se sucederam na “industria do entretenimento”. Hanna Montana hoje Miles Cyrus é uma escrava tipica (no seu primeiro filme como Hanna Montana frames de borboleta monarca são espalhados pelo filme, além de decoração com borboletas e o pai da adolescente a chama carinhosamente de “minha borboleta”). Veja esta materia: http://jomarion.webnode.com/news/vma-vergonha-para-eua/
Então as borboletas são más? Feias? Perigosas? NÃO... são apenas mais um simbolo que os “escuros” adotaram, desvirtuando beleza e luz.
Voltando ao filme...

 
 
SIM É VERDADE! Todd esteve com Mestre Jesus, o Principe da Paz, e o reconhece alguns meses depois no quadro de Akyane.
Recomendo este belo filme para reflexão e despertar.
Jomarion

Filme “A Fonte da Vida”

Rafael Ferreira – Blog “Cinemascope”
 
O terceiro longa-metragem de Darren Aronofsky (Cisne Negro) divide opiniões, tanto da crítica quanto do público. O filme foi vaiado na première no Venice Film Festival, mas aplaudido de pé na segunda noite de exibição.
Felizmente o filme vem sendo redescoberto e recebendo aos poucos a atenção que merece graças ao mercado de homevídeo o que, por definição, classifica-o como “cult”.
Vale lembrar que a história foi publicada como uma graphic novel em 2005 antes de se tornar filme, como uma alternativa encontrada pelo diretor para salvar seu projeto após falhar em sua primeira tentativa de filmá-lo.
Uma das coisas que pode ter contribuído para a má recepção do público talvez seja a narrativa não-linear, confusa talvez na primeira vez que assistimos, mas difícil imaginar o filme com outra estrutura. Confesso que precisei assistir três vezes, durante três finais de semana seguidos, para uma melhor compreensão do filme.
Muitas questões são levantadas enquanto assistimos ao filme, tal como “o que é real e o que não é?”, ou “o que aconteceu neste final?” 

Durante o filme, acompanhamos três histórias em diferentes períodos – passado (chamaremos de Linha A), presente (chamaremos de Linha B), e futuro (chamaremos de linha C)...

 

Nestas três linhas de ação acompanhamos Hugh Jackman interpretando, no passado, um conquistador espanhol (Tomas) a mando da Rainha Isabel, numa jornada pela América Central a procura da “árvore da vida” que segundo lendas traria vida eterna.

No presente, um neurocientista (Tom Creo) se esforçando para encontrar a cura para uma doença terminal presente em sua esposa, Izzi.

No futuro, um viajante espacial, possivelmente o último homem (chamaremos ele de Tom do futuro), indo em direção uma estrela morta para tentar “ressuscitar” uma árvore.

Três variações do mesmo plano nos personagens interpretados por Hugh Jackman. Todos olham para a nebulosa Xibalba, com admiração, iluminação, ou determinação.

Como o próprio título sugere, A Fonte Da Vida é sobre a busca pela vida eterna como matéria e, por outro lado, é sobre uma jornada espiritual para aceitar a morte não como o fim da vida, mas uma transformação para outro estado – “Morte é um caminho para o sublime”.

Enquanto os três personagens de Jackman temem e rejeitam a morte, a personagem de Rachel Weisz (Izzi) a acolhe sem medo, inspirada por um “guia maia” que plantara uma semente no túmulo de seu pai, para que ele pudesse se tornar parte da árvore, parte do fruto que alimenta um pássaro e, assim, parte do pássaro como uma continuidade para sua vida.

Inspirada também pela lenda maia do Primeiro Pai, que se sacrificou para criar o mundo, esta ideia de continuidade após a morte também é expressa no pedido de Izzi para Tom escrever o último capítulo de seu livro, que este recusa por não “saber como termina”.

O livro que Izzi escreve também causa dúvida entre o espectador, pois a narrativa desta linha dramática às vezes se funde com a Linha B e às vezes com a Linha C. Afinal, Tomas é um antepassado de Tom?

A árvore na pirâmide maia realmente é a mesma que Tom menciona enquanto cria o composto (remédio) para salvar a vida de Donovan (o macaco que esta sendo operado para reverter um tumor cerebral)?

Talvez este seja o grande atrativo do filme, foi o que me levou a revê-lo seguidas vezes: tentar compreender ou decifrar tais questionamentos. Durante o filme, diversas pistas nos são dadas para montarmos este quebra-cabeça, e as peças dão margem a várias interpretações.

Sobre a pergunta feita no segundo parágrafo deste texto, “o que é real e o que não é?”, aponto uma pista: Tom e Izzi sobre o telhado observando estrelas pelo telescópio, quando questionada sobre seu livro, “pensei que a história se passava na Espanha”, ao que ela responde “começa lá [Espanha], termina lá [aponta para Xibalba]”.

Por outro lado, Tom do futuro possui a mesma tatuagem de aliança que o Dr. Tom Creo faz em si mesmo, sugerindo que os dois são a mesma pessoa, além de utilizarem a mesma pena para fazerem a tatuagem, e guardarem as mesmas memórias de sua esposa morrendo e convidando-o para caminhar sobre a primeira neve da temporada que, por sua vez, levanta outra dúvida se ele foi ou não, pois há duas alternativas para isto.

Outra peça do quebra-cabeça que aponto é quando Tom vê um senhor de idade em seu leito de morte no hospital que, a princípio, pode parecer aleatório, mas a revisão de todas as peças pode sugerir uma interpretação diferente, que toda a narrativa está na mente deste senhor, mostrando o filme como uma jornada interna, a Linha B seria o que ele desejaria ter feito quando sua esposa estava doente, e a Linha C seria uma representação do que o aguarda após a morte.

A aliança é outro elemento que liga os três personagens, Tom Creo a perde quando se recusa a passar um tempo com Izzi. Após a morte dela, ele tatua uma aliança em seu dedo para manter sua esposa sempre com ele. Para Tomas, a aliança é a esperança de concretizar seu amor pela Rainha Isabel e também a perde quando é tomado pela ganância, e só é encontrada quando Tom do Futuro “alcança o sublime” e aceita a morte.

E os olhos mais atentos perceberão mais uma pista no vestido da Rainha Isabel, na cabeceira da cama que Izzi dorme, e na colcha que ela cobre, todos têm o desenho de uma intrincada árvore.

Além destas pistas, outras que podem ajudar na compreensão do filme são os simbolismos visuais que, em minha opinião, enriquecem a obra de Aronofsky, tais como: um plano da boca de Hugh Jackman comendo uma raiz como se estivesse recebendo a hóstia, uma metáfora da vida eterna de Jesus Cristo, que sacrificou sua própria vida pelo bem da humanidade; a textura da seiva que sai da árvore, que lembra o sêmen, que representa a criação da vida, além disso, Aronofsky utiliza formas geométricas como temas recorrentes separando cada linha dramática, o passado com formas triangulares, o presente quadrado, e o futuro circular.

Outras peças: a metáfora da comunhão; o sêmen; Tom e Izzy, como dois lados do cérebro, um representa a razão e outro a emoção; o tema triangular para o passado; o quadrado para o presente; e circular para o futuro.

Apontei para você, leitor, onde procurar as peças principais, porém, o quebra-cabeça montado ainda pode parecer confuso. “Afinal, o que aconteceu neste final?” então vou ajudá-lo a enxergar do meu ponto de vista. Bem, já conhecemos o tema principal do filme, conhecemos a lenda maia da continuidade da vida, sabemos que as histórias no filme são cíclicas, passado, presente e futuro estão ligados, basta solucionar a equação:

Caminho para o sublime + Sacrifício = Criação de vida.  E lembre também da história maia, no qual o primeiro pai se sacrificou pela criação do mundo.

Em conclusão, Darren Aronofsky criou um filme extremamente bonito, visualmente e narrativamente, incrivelmente rico em simbolismos, e que aborda um tema capaz de gerar uma boa discussão. A interpretação do filme é um reflexo da crença do espectador, no divino ou no científico, ou numa junção dos dois.

http://cinemascope.com.br/colunas/fonte-de-vida/

Jomarion viu neste filme o “ser humano perdido” buscando o conhecimento e o entendimento sobre... Porque vivemos?  Porque há tanto sofrimento e barbarie no mundo? (sequencias sobre as mortes e torturas na inquisição espanhola perpetradas pela Igreja) e Porque morremos? O desejo de “saber” é intenso no "homo sapiens" atual. Qual o sentido da vida?... é a pergunta que não quer calar.

 

"O EFEITO MATRIX"




Considerações sobre o filme "MATRIX" e as revelações impactantes que se aproximam


Por Jomarion

 
Passados 15 anos do 1º filme da trilogia " MATRIX" (1999) é hora de rever este filme pois agora temos muito mais informações e vivências a respeito do assunto, além de termos assistido eventos globais que mudaram o mundo para sempre como o "11 de setembro" por exemplo. 
No filme "Matrix Reloaded" (2003) temos a explosão programada de um mega-predio semelhante aos WTC de Nova York. Penso que os produtores inseriram no filme de propósito.
MATRIX é uma trilogia de filmes para assistir com atenção, principalmente a 1ª hora do 1º filme, onde todas as cenas e todas as falas são carregadas de intenso significado e revelações.
As sequências (Reloaded e Revolution)  também vão apresentar dialogos reveladores.
Vale a pena refletir também sobre os "dois irmãos" que escreveram esta historia (roteiro) e dirigiram o filme mais impactante de todos os tempos.
Os irmãos WACHOWISKI, de origem polonesa, discretos e até misteriosos (avessos ao mundo das celebridades) são o cérebro e o coração desta narrativa e apesar da pouca idade (33 anos na época) mostraram que "sabem muito" sobre a saga humana. 
Seriam eles as "Testemunhas do Apocalipse" que muitos procuram e especulam?
Talvez, dado ao numero de profecias e revelações que mostram no filme para um publico jovem (na época), pouco espiritualizado e "não desperto".  A primeira fala do filme é: "ACORDA NEO!" 
Hoje sabemos muito mais sobre as manobras e ações da "elite das trevas" (a cabala escura)  que nos controla. Hoje, cada vez mais pessoas tem acesso as "teorias da conspiração" e revelações.
A maior delas se refere ao "deus Javé" que tem se apresentado como criador e pai desta humanidade e a vem conduzindo sob leis e jugo  violentos, imorais e sem nenhum amor via Torá, Bíblia, e Alcorão no Ocidente (Na India ele também se apresentou como Brama)    
Sugiro que se interem das canalizações que estão chegando através de poucos "corajosos" que estão arriscando suas reputações para revelar  esta "verdade inconveniente" para religiosos, místicos e espiritualistas. (especialmentes para os cristãos, judeus, muçulmanos e indianos)
Informações completas e detalhadas nos livros e palestras (Youtube) de Jan Val Ellan - "Projeto ORBUM" - www.orbum.org  e livros na Amazon e www.conectareditora.com.br
As revelações sobre a divindade caida - Javé - não são de hoje, mas sempre ficaram veladas do grande publico.  É certo que Hitler a conhecia muito bem e tentou dizimar os judeus (o povo eleito de Javé), algumas sociedades secretas também detém este conhecimento. (Livro "Sociedades Secretas no Seculo XX" de Jan Van Helsig). 
Esta divindade problematica (que se fragmentou no momento da criação) passou seu "desequilibrio" para toda a criação deste universo, incluindo a raça "homo sapiens" - nós.
Ver video "O Drama Cosmico do Criador" na aba VIDEOS deste site
Vejam que a humanidade se arrasta há milênios com todo tipo de doenças e sofrimentos sem fim, a despeito das "boas intenções" de sermos melhores, de sermos amorosos e compassivos, de nos esforçarmos para cuidar de nós e do proximo. Então porque não conseguimos?
Não conseguimos porque carregamos no DNA agressividade e violência, depressão e desalento,  desejo de controle e poder, vicios, lascivia e taras sexuais, instinto de sobrevivência exacerbado, pavor da morte, que caracteriza o "MODO EGO" de funcionar.
Dá pra entender porque as farmaceuticas, o trafico de drogas e a industria do entretenimento cresceram tanto, é preciso fabricar muitas drogas, filmes e distrações para aplacar a furia e o desequilibrio humanos.
Mas, onde está a capacidade de amar, sentir compaixão, partilhar, discernir pra escolher, respeitar, fraternizar, etc...etc...etc...?
Esta capacitação também reside em nós, pois que é herança divina do Verdadeiro Deus-Centro-Fonte (que é correto chamarmos de PAI) que criou a "melhor parte de nós" (nossa alma)  e nos deu esta filiação.
Podemos concluir facilmente que vivemos "distraidos" em uma MEGA MATRIX programada operando como um grande computador.
Este conceito é apresentado no livro de J.J.Hurtak "As Chaves de Enock" não sei se intencional ou acidental, onde se fala de um "computador cosmico".  
Dai podemos entender afirmações biblicas como: estamos todos registrados no Livro da Vida, somos controlados e vistos pelo Senhor e seus sentinelas.
O já famoso "Big-Brother" é bem maior do que pensamos.
MATRIX REVOLUTION 
O que a Fonte pensa todos pensam, o que a Fonte deseja todos desejam, o que a Fonte faz todos fazem! Efeito "cardume". Este "cerebro/mente central" é apresentado em algumas sociedades secretas como "O Grande Arquiteto do Universo". 
Em MATRIX ele é a "FONTE" fria, calculista, poderosa, sem nenhum traço de amor ou compaixão.
Existe esperança para nós?
Sim, certamente, esta esperança reside num ser muito especial que já viveu  aqui na Terra com o nome de Jesus de Nazaré, também Sananda, Joshua, Michael , Emannuel, Cristo Cósmico e outros.
Este "mestre-cristo-avatar" parece que veio consertar esta bagunça, mas encontrou uma grande resistência da divindade Javé, motivo pelo qual ainda não finalizou seu trabalho pois Javé o rejeitou e o chama de "traidor". Jesus deve voltar para corrigir a rota dos humanos nesta Terra.

Javé chamou os judeus de "povo escolhido" e mais tarde, como Alá, chamou os árabes de "povo eleito" e da-lhe Torá e Alcorão. Quanto aos cristãos ele optou por "engolir" no primeiro momento dado ao carisma de Jesus para  mais tarde "desandar o cristianismo" permitindo a infestação do centro do catolicismo - Vaticano/Roma - com satanismo, corrupção, pedofilia e abominações. (Idade das Trevas, Santa Inquisição, Crimes hediondos "em nome de Deus").
Importante discernir aqui para não achar que "os judeus são maus e corromperam a Terra", seria como dizer que os "indianos são ignorantes porque cultuam a Brama" ou que "catolicos são satanicos porque obedecem ao Vaticano".  Importante distinguir "povo" de "lideres".
Que mais podemos fazer?
Mestres indianos, que chamamos de yogues, encarnações de grandes seres de luz, tem vindo a Terra, especialmente na India, onde têm ensinado um "jeito" uma "tecnica" de escapar desta MATRIX.
Trata-se da "meditação transcendental".
Esta tecnica permite aos seres humanos escapar do controle da MATRIX e transcender o ambito da interferência do deus JAVE-BRAMA nos abrindo portas para outras realidades.

Além dos yogues da India, temos o alemão radicado nos EUA - Eckart Tole - que vem ensinado a "vivência no agora" para milhares de pessoas (muitos videos na internet e livros de poucas paginas e leitura rapida (proposital) para que possamos transcender nossa  "miseravel realidade". Nas "Cartas de Cristo" atribuidas a ele proprio o Mestre ensina e fala da "meditação transcedental" como a coisa certa a fazer agora, enquanto despertamos e aprendemos sobre nós mesmos.
Amados leitores... não pretendo ser a dona da verdade pois que a verdade não tem dono, mas me esforço para "compreender" o mundo e a vida pois não é possivel evoluir só pela FÉ , é necessario alinhavar  FÉ, CONHECIMENTO e ATITUDE  com a linha do AMOR.
Jomarion
*****************************************************************************************************************************************************************************
 

Contato

 

11:11

UMA ALAVANCA PRÉ CODIFICADA COLOCADA EM NOSSA MEMÓRIA CELULAR ANTES DE VIRMOS AO PLANETA TERRA.

QUANDO ATIVADA SIGNIFICA QUE O NOSSO TEMPO DE CONCLUSÃO NO LIMITE, NA DOR E NO SOFRIMENTO ESTÁ PRÓXIMO.

 

Mestre Adama de Telos
 

 

                

INDIGOS

* Reconheço que tenho um lugar no plano divino, onde me encaixo perfeitamente e o estou ativando agora!

* Reconheço e aceito o potencial que a Terra tem para apoiar meu crescimento espiritual e me disponho a cooperar com ela de todas as maneiras possíveis agora!

Jomarion... Assinatura Pleiadiana

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Novo catálogo

Este catálogo está vazio.

Etiquetas

A lista de etiquetas está vazia.